Gestão de Projectos 2008/2009 Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial

Click here to load reader

  • date post

    26-Jan-2016
  • Category

    Documents

  • view

    35
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Gestão de Projectos 2008/2009 Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial 1. Contabilidade de Custos Inês Ribeiro. Gestão de Projectos. Contabilidade – Alguns conceitos - PowerPoint PPT Presentation

Transcript of Gestão de Projectos 2008/2009 Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial

  • Gesto de Projectos 2008/2009

    Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial

    1. Contabilidade de Custos

    Ins Ribeiro

  • Contabilidade Alguns conceitos

    Proveito Benefcios econmicos referentes a um perodo em anlise. Podem englobar receitas de outros perodos que estejam relacionadas com o perodo em anlise. Custo Acumulao de encargos correspondendo: quer a uma funo ou a uma parte da empresa, quer a um bem, a uma prestao de servios ou a um grupo de bens ou de prestaes de servios, num perodo dado. Receita Entrada de disponibilidades na caixa da empresa ou nas suas contas correntes. Despesa Caracteriza a sada de disponibilidades.

    Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosExemplo:

    Uma empresa tem um projecto para um cliente; A empresa compra material para o projecto no incio deste. Nesta altura, a empresa contabiliza os custos referentes a esta compra. No entanto, tem um prazo de seis meses para pagar ao fornecedor. Ou seja, apenas decorridos os seis meses a empresa tem a despesa (sada de disponibilidades) referente compra do material. No fim do projecto, a empresa tem um proveito com este (factura o benefcio deste) . No entanto, o cliente tem um prazo de pagamento de trs meses, o que faz com que a empresa apenas tenha a receita do projecto (entrada de disponibilidades na caixa da empresa) passados trs meses aps a sua concluso.

  • Gesto de ProjectosTipos de custos

    DIRECTOSassociados a um produtoINDIRECTOSno associados a um produtoVARIVEIS resultam da existncia de actividadeMatrias PrimasMo de Obra DirectaEnergia (contador prprio)ManutenoEnergia (contador geral)FIXOSno resultam da existncia da actividadeAmortizaes de um equipamento dedicadoSalriosRenda das InstalaesOrdenado do Director Geral

  • Elementos de custo em processos industriais

    matrias primas directas (incluem desperdcios e perdas); matrias subsidirias (no includas no produto ou usadas em quantidades no significativas); mo-de-obra directa; mo-de-obra indirecta (manuteno, limpeza da oficina); custos de engenharia directos; "overheads" indirectos (amortizaes, despesas de distribuio, promoo e vendas no atribuveis directamente ao produto). Gesto de Projectos

  • O Benefcio lquido (B) da venda de n unidades de um produto determinado pelo valor das vendas (V) e dos custos totais, os quais se podem classificar em fixos (CF) e variveis (CV):B = V CV - CF

    Margem de Contribuio: a diferena entre as vendas (V) e os custo variveis totais (CV):MC = V CV

    B = MC - CF Margem de Contribuio Unitria: a diferena entre o preo de venda unitrio (pv) e o custo varivel unitrio (cv) corresponde receita diferencial de vender uma unidade adicional:mc = pv - cv

    Gesto de ProjectosRelaes Custo-Volume-Proveito

    Ponto de Equilbrio (Break-even): Corresponde ao volume de actividade para o qual a empresa apenas cobre os custos; isto no tem benefcios nem prejuzo:B = 0 MC = CF

    Esta relao mostra que a margem de contribuio corresponde ao volume de actividade necessrio para cobrir os custos fixos.

  • Gesto de ProjectosCustos FixosCustos VariveisPonto de equilbrioVolumeVPrejuzoLucroCV+CFPonto de Equilbrio (Break-even)

  • Gesto de ProjectosAlternative AFixed costs, CF = 5000 Variable Cost, cv = 100 Alternative BFixed costs, CF = 40000 Variable Cost, cv = 20

    Price of the item, P = 150 Exemplo:

  • Problema 1

    A empresa ABC pode utilizar a sua capacidade de produo disponvel para fabricar 1000 unidades do produto X ou 2000 unidades do produto Y.

    Cada unidade de produto X incorpora uma hora de mo de obra directa e cada unidade de Y incorpora meia hora.

    O custo de uma hora de mo de obra directa de 5 e todos os custos restantes, com excepo da matria prima, so fixos.

    A matria prima necessria para produzir X so 5 por unidade e para produzir Y so 7.5 por unidade. O preo de venda do produto X de 20/un e o do produto Y de 25/un. Outros custos de produo tm o valor de 40 000.

    Que produto deve ser produzido? Gesto de Projectos

  • Problema 2

    Os stocks de matria prima X da empresa ABC tornaram-se obsoletos, devido apario de um produto substituto. A empresa equaciona se os deve utilizar para fabricar um produto novo de baixo preo ou se deve vende-los como desperdcio ao preo de 2/kg. O produto novo vender-se- a 20/un e cada unidade incorporar 1 kg de matria prima X e 10 de mo de obra directa. Os custos de produo no sofrero alterao devido introduo do novo produto. A matria prima X custou originalmente 15/kg, valor a que se encontra valorizada no balano. Qual a melhor deciso? Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosProblema 3

    A empresa XYZ fabrica os produtos A e B com as caractersticas seguintes:

    Pretende-se conhecer o ponto de equilbrio.

  • Problema 4

    O preo de venda de um produto Z de 60/un.Os custos unitrios do produto, calculados com base num lote de 1500 unidades, so os seguintes:

    Nesta empresa, todos os gastos gerais de produo so fixos e a mo de obra varivel.Pretende-se determinar a margem de contribuio unitria do produto e o ponto de equilbrio.Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosProblema 5

    A empresa ABC fabrica unicamente um produto X com os seguintes dados:

    Preo de venda (pv)10 Custos variveis unitrios (cv) 6 Custos fixos (CF) 4000

    Tomando como referncia a venda de 2000 unidades, qual ser a variao percentual dos benefcios correspondente a uma variao percentual de 10% das vendas.

  • Problema 6

    A empresa ABC tem na sua gama os produtos A e B cujas caractersticas se resumem na tabela seguinte:

    Se a empresa dispe de um total de 40HM semanais, qual dos produtos dever produzir preferencialmente? Gesto de Projectos

  • Problema 7

    A empresa ABC fabrica o produto A e um dos seus componentes, a pea J. Este componente pode tambm ser vendido separadamente, sendo, neste caso, a sua margem de contribuio de 10/u. Para a sua produo utilizada uma hora-mquina.

    O produto final obtido com 1/2 hora-mquina adicional e tem uma margem de contribuio de 13.5.

    A capacidade da empresa est limitada ao numero de horas-mquina, existindo 100 horas por preencher. Esta capacidade pode ser utilizada para produzir a pea J e o produto A ou um outro produto C, que tem uma margem de contribuio de 8 e precisa de 1 hora-mquina por unidade.

    Pretende-se saber qual a melhor utilizao destas 100 horas, sabendo que a procura mxima estimada da pea J e dos produtos A e C de 70, 40 e 50 unidades, respectivamente. Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosProblema 8

    Dois produtos A e B da empresa YAKA so fabricados na mesma oficina cujas capacidades produtivas so limitadas. por isso necessrio dar prioridade a um dos produtos:

    Uma hora de trabalho em A d 1 euro de margem enquanto que, se a oficina dispende 1 hora com B, a margem apenas de 0.416 euros. Assim, tendo a oficina capacidade limitada, importa desenvolver a produo de A (se o mercado permitir esta orientao!)

    ABPreo3020Custo varivel 107.50Margem2012.50Nmero de horas de produo20h30hRelao entre a margem e o nmero de horas10.416

  • Gesto de ProjectosProblema 9

    Uma empresa pretende comprar pacotes de um software a uns estudantes, a 120 euros por unidade. Tem como objectivo vender cada pacote desse software a 200 euros por unidade numa conferncia de informtica. Tem a possibilidade de devolver os pacotes que no forem vendidos, sendo que o aluguer de uma bancada para a venda do equipamento na conferncia custa 2000 euros.Pretende-se saber a margem de contribuio deste negcio e quantas unidades a empresa necessita de vender para no ter prejuzo com este negcio. Calcule tambm a quantidade de pacotes que so necessrios vender para obter um lucro de 1200 euros.

  • Problema 10

    Uma empresa apresenta um volume de vendas de 500 000 euros. Tem custos variveis de 350 000 euros e custos fixos de 250 000 euros. Com este volume de vendas, que benefcio a empresa teve no perodo em anlise?

    Se os custos fixos aumentaren 100 000 euros, que volume de vendas necessrio para no ter prejuzo nesse perodo?

    Com esse aumento de custos fixos, qual o volume de vendas que gera um lucro de 50 000 euros?

    Gesto de Projectos

  • Gesto de Projectos

    ______________________________________Dados Variveis: Preo de venda30 euros Custo de um par de sapatos19.50 euros Comisses de vendas 1.50 euros ----------------- Custos totais variveis21.00 euros

    Custos fixos anuais: Renda60 000 euros Salrios 200 000 euros Marketing80 000 euros Outros custos fixos20 000 euros-------------------360 000 eurosProblema 11

    Uma empresa tem uma cadeia de sapatarias e pondera abrir uma nova loja, cujos preos de venda e custos esto apresentados na tabela:Qual o ponto de equilbrio?Qual o benefcio da venda de 35 000 pares de sapatos?Se a comisso por venda de cada par de sapatos fosse de 0.3 euros, qual seria o ponto de equilbrio?

  • Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosSistemas de custeio

    Custeio completo ou total

    Custeio parcial (que inclui o custeio varivel)

    Custeio racional

    Custeio "standard

  • Gesto de ProjectosCusteio Total A imputao pode ser feita por um nico critrio global de repartico para todos os custos indirectos.

    Os critrios de repartio so diversos: Proporo do volume de vendas Proporo das horas de mo de obra Proporo das horas mquina Proporo do custo de matrias primas

  • Custeio Racional

    Evita a variao do custo industrial dos produtos consoante o nvel de actividade, isto , consoante o nmero de unidades

    Permite mais correctas valorizaes de stocks e fixao de preos, uma melhor avaliao da "performance e isola ganhos e perdas por variao de actividade.

    Importante quando h uma forte sazonalidadeGesto de Projectos Os custos fixos imputados so dados por:

    Custos Fixos x (Actividade Real/Actividade Normal)

    Uma sobre-actividade, implica um aumento dos custos de estrutura imputados, para no haver custos unitrios excessivamente baixos que levem a uma capacidade acrescida de reduo de preos, e logo a mais vendas numa situao temporria que desemboca numa sobre-produo.

    Inversamente, numa sub-actividade, no ocorrer aumento de custos unitrios, que tende a causar subida de preos e perda de mercado.

  • Gesto de ProjectosCusteio Varivel

    No custeio total e no racional os custos fixos so incorporados (no todo ou em parte) no custo dos produtos e no oramento dos centros. Em custeio varivel distingue-se entre:

    custos de estrutura (fixos, directos ou indirectos) de actividade (variveis, directos ou indirectos).

    A actividade resulta em proveitos e custos variveis. A diferena (margem) suporta os custos fixos (de estrutura) das organizaes.Aos produtos afectam-se os custos variveis directos e os variveis indirectos so imputados aps repartio.

  • Gesto de ProjectosCustos pr-determinados

    O clculo considera quantidades e custos "standard unitrios de cada material, operao ou outro encargo necessrio.

    As quantidades dependem do produto e do processo tecnolgico usado e incluem tolerncias para desperdcios, paragens, etc.

    Os custos "standard podem ser calculados em termo variveis, racionais ou totais. O que define o facto de ser "standard" o momento de clculo e no o nvel dos custos incorporados.

    A combinao ajustada da utilizao de quantidades e custos reais e "standard" na valorizao da transferncia de bens e servios entre as diversas partes de uma empresa auxilia o controlo de gesto responsabilizando os gestores pelas diferenas entre valores reais e pr-determinados de que sejam directamente responsveis.

  • Gesto de ProjectosExemplo:

    Uma empresa produz um produto X. O departamento de produo utiliza matria prima comprada por um servio de aprovisionamento e os servios de uma oficina independente.

  • Gesto de ProjectosSendo Q quantidades e P preos (ou custos), o desvio dado por:Dg = Qrpr Qsps;gglobal, rreal, sstandard

    Em termos relativos,Dgrel = (Qrpr Qsps) / Qsps

    Decomposio de desvios:Dg = Qrpr Qsps = Qrpr Qrps + Qrps Qsps = Qr(pr ps) + (Qr Qs)ps

    Por exemplo, se o consumo mensal de uma determinada matria-prima for, em termos standard, de 10 ton a 250/ton, e se os valores reais fossem de 11 ton a 300 /ton, teramos:Desvio global = 11 x 300 10 x 250 = 800 Desvio de custos = 11 x (300 250) = 550 Desvio de quantidades = 250 x (11 10) = 250 Contabilidade Analtica Anlise de Desvios

  • Gesto de ProjectosPara o fabrico forma contabilizados os seguintes custos:

    Matrias Primas: 15 000 000Mo de Obra Directa: 6 500 000Outros encargos industriais variveis: 4 000 000Amortizaes da unidade fabril: 5 000 000Outros encargos industriais fixos: 3 000 000Custos administrativos da empresa: 10 000 000Custos comerciais da empresa: 3 500 000Encargos financeiros da empresa: 3 000 000

    Stock no incio de 2007: 60 km, sendo 40 de 2006 a 100 o metro e 20 de 2005 a 95 o metro.A empresa utiliza o sistema FIFO para valorizar as sadas de stock.Com estes dados, Calcule o custo de produo de 2007 e o custo unitrio de produo de 2007.Calcule o custo das vendas de 2007.Estabelea a demonstrao de resultados analtica de 2007 Problema 12

    Uma empresa siderrgica produz e vende em condies normais de laborao 400 km de tubo de ao de grande dimetro por ano (actividade normal) No ano de 2007, devido crise que grassa no sector, apenas conseguiu encomendas para 330 km, tendo produzido 300 km e utilizado os stocks para garantir o restante. O tubo vendido a 160 o metro. A empresa tem a contabilidade analtica organizada no sistema de custeio racional, com a actividade normal acima referida.

  • Gesto de ProjectosProblema 13

    Um dado centro de responsabilidade fabrica trs produtos (A, B, e C), e temos as seguintes informaes sobre as quantidades e custos, para um dado perodo:Custo unitrio da Matria Prima 1: 1,5 /kgCusto unitrio de Matria Prima 2: 2,5 /kgCusto unitrio de Mo de Obra Directa: 10/Hm

    Outros custos industriais:Custos de armazenamento matrias primas: 10 000Custos de armazenamento produtos: 10 000Custos de manuteno: 15 000Amortizaes: 25 000Outros custos industriais: 42 000

    A empresa utiliza o sistema de custeio total.

    Os custos de armazenamento de matria prima so imputados na proporo do peso dos itens armazenados.Os custos de armazenamento dos produtos so imputados na proporo de nmero de unidades armazenadas.Os custos de manuteno e as amortizaes em proporo das horas-mquina de mo de obra directa.Outros custos industriais so divididos de forma igual entre os trs produtos.

    Calcule os custos de produo, globais e unitrios, dos trs produtos.

    Determine o preo interno a praticar aos servios comerciais da empresa, tendo em conta que cada produto dever gerar 10% de lucro.

    ProdutoABCProduo (unid)12 0006 00012 000Matria Prima 1 (kg)5 0003 0004 000Matria Prima 2 (kg)7 0003 0008 000Mo de Obra Directa (Hm)1 0002 0002 000

  • Gesto de ProjectosProblema 14

    1. Uma empresa pratica o Custeio Racional, e assume como actividade normal uma produo de 125 000 peas por ano.

    Para 2007, so os seguintes dados sobre a explorao:Vendas: 110 000 peas a 75 cadaProduo: 100 000 peasCustos fixos industriais: 2 000 000Custos variveis industriais: 1 900 000 Custos no industriais (Comerciais, Administrativos e Financeiros): 3 000 000Stock inicial de peas: 20 000 peas, com um custo unitrio de 30 cada.

    A empresa utiliza o LIFO para valorizar a sada de existncias.Calcule o custo de produo de 2007 e o custo unitrio de produo de 2007.Calcule o custo das vendas de 2007.Estabelea a Demonstrao de Resultados da empresa para 2007.Se as condies de laborao (custos fixos industriais, custos variveis unitrios industriais) se mantiverem em 2008, diga qual vai ser o custo unitrio da produo em 2008.

    2. Numa empresa que utiliza o custeio standard, previa-se para uma dada rbrica um preo standard de 10 e uma quantidade standard de 1000. Verificou-se, na realidade, um preo de 10 e uma quantidade de 1025. Diga quais foram os desvios total, de preo e de quantidade.

  • Gesto de ProjectosProblema 15

    Uma empresa possui uma unidade fabril em que fabrica um dado produto X. A produo enviada para a sede, onde embalada e comercializada sob duas formas diferentes: o produto A (2/3 da produo de X) e o produto B (1/3 da produo de X).Das contas da empresa retira-se a seguinte informao sobre o ms de Janeiro (valores monetrio em euros, tabela).

    Sabe-se ainda que a empresa valoriza as sadas de stock a LIFO.Relativamente ao ms em causa, pede-se que:a) Calcule as quantidades vendidas dos produtos A e B durante o ms de Janeiro. Calcule o custo unitrio do produto X fabricado em Janeiro, pelos mtodos de custeio: - total - varivel Elabore a Demonstrao de Resultados, pelos mtodos de custeio: - total - varivel Explique a diferena entre os resultados obtidos por cada mtodo. Se a actividade normal da unidade fabril correspondesse a uma produo de 1800 toneladas de X, quais seriam, em custeio racional, o custo de produo de Janeiro e o custo unitrio da tonelada de produto X fabricado no mesmo ms.

  • Gesto de Projectos

    Produto AProduto BTotalCusto Industriais do MsVariveis165 000Fixos225 000Custos No Industriais do MsVariveis com as vendas150 /ton200 /ton240 000Fixos50 000Produo em Vias de FabricoInicial--0Final--0Produtos AcabadosProduo1 0005001 500Stock Inicial 10050150Stock Final15050200Preo de Venda por Tonelada500600

  • Gesto de Projectos

  • Gesto de Projectos

  • Gesto de Projectos

  • Gesto de Projectos

  • Gesto de ProjectosProblema 20