Gitman_cap03 [Modo de Compatibilidade

download Gitman_cap03 [Modo de Compatibilidade

of 56

  • date post

    12-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    253
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of Gitman_cap03 [Modo de Compatibilidade

Captulo 3Fluxo de caixa e planejamento financeiro

slide 1

Copyright 2009 Pearson Prentice Hall. All rights reserved.

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Anlise do fluxo de caixa da empresa O fluxo de caixa (em oposio contabilizao dos lucros) o foco principal do gestor financeiro. Um fator importante que afeta o fluxo de caixa a depreciao. Do ponto de vista contbil, os fluxos de caixa de uma empresa podem ser resumidos na demonstrao dos fluxos de caixa. Do ponto de vista financeiro, as empresas muitas vezes se concentram no fluxo de caixa operacional, usado na tomada de decises gerenciais, e no fluxo de caixa livre, monitorado com ateno pelos agentes do mercado de capitais.slide 2 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Depreciao A depreciao o lanamento sistemtico de uma parcela dos custos do ativo imobilizado contra as receitas anuais ao longo do tempo. H diversos mtodos de depreciao usados para fins dos relatrios financeiros.

slide 3

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Elaborao da demonstrao dos fluxos de caixa A demonstrao dos fluxos de caixa resume o fluxo de caixa da empresa ao longo de um dado perodo. A demonstrao dos fluxos de caixa pode ser dividida em trs sees: Fluxos operacionais. Fluxos de investimento. Fluxos de financiamento.slide 4 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Figura 3.1 Fluxos de caixa

slide 5

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Elaborao da demonstrao dos fluxos de caixa: classificao das entradas e sadas de caixa O que a demonstrao dos fluxos de caixa faz, na prtica, resumir as entradas e sadas de caixa durante um dado perodo.Tabela 3.3 Entradas e sadas de caixa

slide 6

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.4 Demonstrao do resultado da Baker) 2009

slide 7

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.5 Balano patrimonial da Baker Corporation ($ mil)

slide 8

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 9

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.6 Demonstrao dos fluxos de caixa da 2009

slide 10

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Interpretao da demonstrao de fluxos de caixa A declarao de fluxos de caixa associa o balano patrimonial no incio do perodo ao do final do perodo, aps considerar o desempenho da empresa no perodo da demonstrao do resultado. O aumento lquido (ou reduo) de caixa e ttulos negociveis deve ser equivalente diferena entre caixa e ttulos negociveis no balano patrimonial no incio e no final do ano.slide 11 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Fluxo de caixa operacional O fluxo de caixa operacional (FCO) de uma empresa o fluxo de caixa que ela gera a partir de suas operaes regulares produo e venda de bens e servios. O FCO pode ser calculado da seguinte maneira: NOPAT = LAJIR (1 T ) FCO = NOPAT + Depreciao FCO = [LAJIR (1 T )] + Depreciaoslide 12 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.4 Demonstrao do resultado da Baker) 2009

slide 13

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Substituindo os valores da Baker Corporation, temos FCO = [$370 x (1,00 0,40) + $100 = $322 Assim, conclumos que as operaes da Baker tm gerado fluxos de caixa positivos.

slide 14

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Fluxo de caixa livre O fluxo de caixa livre (FCL) representa o montante de fluxo de caixa disponvel para os investidores os fornecedores de capital de terceiros (credores) e de capital prprio (proprietrios) depois de a empresa ter satisfeito todas as necessidades operacionais e coberto os investimentos em ativo fixo lquido (IAFL) e em ativo circulante lquido (IACL). FCL = FCO IAFL IACL Onde: IAFL = Variao do ativo imobilizado lquido + Depreciao IACL = Variao do ativo circulante Variao de (fornecedores + contas a pagar)slide 15 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.5 Balano patrimonial da Baker Corporation ($ mil)

slide 16

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 17

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

No exemplo da Baker Corporation, temos:IAFL = [($1.200 $1.000) + $100] = $300 IACL = [($2.000 $1.900) + ($800 $700)] = $0 FCL = $322 $300 $0 = $22

Esse FCL pode ser usado para pagar credores e proprietrios.

slide 18

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Processo de planejamento financeiro O planejamento financeiro fornece um mapa para a orientao, a coordenao e o controle das aes da empresa para atingir seus objetivos. Dois aspectos fundamentais do processo de planejamento financeiro so o planejamento de caixa e o planejamento de lucros. O planejamento de caixa envolve a elaborao do oramento de caixa da empresa. O planejamento de lucros envolve a elaborao tanto dos oramentos de caixa quanto das demonstraes pr-forma.slide 19 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Processo de planejamento financeiro: planos financeiros de longo prazo (estratgicos) Os planos financeiros de longo prazo (estratgicos) expressam as aes financeiras planejadas por uma empresa e o impacto previsto dessas aes ao longo de perodos que vo de dois a dez anos. As empresas sujeitas a alto grau de incerteza operacional tendem a usar horizontes de planejamento mais curtos. Esses planos fazem parte de uma estratgia integrada que, juntamente com os planos de produo e de marketing, orientam a empresa em direo a suas metas estratgicas.slide 20 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Os planos financeiros de longo prazo incluem uma srie de atividades financeiras: Propostas de dispndio em ativo imobilizado. Atividades de pesquisa e desenvolvimento. Aes de marketing e desenvolvimento de produtos. Estrutura de capital. Principais fontes de financiamento.

Esses planos tendem a encontrar respaldo em uma srie de oramentos anuais e planejamentos de lucros.slide 21 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Processo de planejamento financeiro: planos financeiros de curto prazo (operacionais) Os planos financeiros de curto prazo (operacionais) especificam aes financeiras de curto prazo e o impacto previsto dessas aes; geralmente cobrem perodos de um a dois anos. As principais informaes usadas so a previso de vendas e diversos dados operacionais e financeiros. Os principais produtos so diversos oramentos operacionais, o oramento de caixa e as demonstraes financeiras pr-forma. Esse processo est representado no slide a seguir.slide 22 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Figura 3.2 Planejamento financeiro de curto prazo

slide 23

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Como indica a figura anterior, o planejamento financeiro de curto prazo comea com a projeo de vendas. Partindo dessa projeo, as empresas desenvolvem planos de produo que levam em conta os prazos de espera (preparao) e incluem estimativas das matrias-primas necessrias. Usando os planos de produo, a empresa pode estimar as despesas diretas de folha de pagamento, o desembolso com custo fixo das fbricas e as despesas operacionais. Uma vez realizadas essas estimativas, a empresa pode elaborar uma demonstrao do resultado pr-forma e um oramento de caixa e, em ltima instncia, desenvolver um balano patrimonial pr-forma.slide 24 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Planejamento de caixa: oramentos de caixa O oramento de caixa, ou projeo de caixa, uma demonstrao das entradas e sadas de caixa previstas da empresa. Serve para estimar as necessidades de caixa no curto prazo, dando especial ateno ao planejamento de supervits e dficits de caixa. Os supervits devem ser investidos, e os dficits devem ser cobertos. O oramento de caixa uma ferramenta til para determinar o momento das entradas e sadas de caixa em um dado perodo. Normalmente so elaborados oramentos mensais que cobrem um perodo de um ano.slide 25 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

O oramento de caixa comea com um projeo de vendas, que simplesmente uma previso das atividades de vendas em um dado perodo. Um pr-requisito para a projeo de vendas envolve previses para a economia, o setor e a empresa, alm de outros fatores externos e internos que podem influenciar as vendas. Com base na projeo de vendas, o administrador financeiro estima os fluxos de caixa mensais decorrentes das vendas previstas e dos desembolsos ligados a produo, custos fixos e outras despesas.slide 26 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.7 Formato geral do oramento de caixa

slide 27

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Planejamento de caixa: oramentos de caixa Exemplo: Coulson Industries A Coulson Industries, uma empresa do setor de defesa, est desenvolvendo um oramento de caixa para os meses de outubro, novembro e dezembro. Suas vendas em agosto e setembro foram de $ 100.000 e $ 200.000, respectivamente. Foram projetadas para os trs meses seguintes, respectivamente, vendas de $ 400.000, $ 300.000 e $ 200.000. Historicamente, 20% das vendas so vista, 50% geram contas a receber pagas aps um ms e os 30% restantes geram contas a receber pagas aps dois meses. Em dezembro, a empresa receber um dividendo de $ 30.000 por conta de aes de uma subsidiria.slide 28 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.8 Cronograma dos recebimentos projetados da Coulson Industries ($ mil)

slide 29

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

A Coulson Industries tambm reuniu dados relevantes para elaborar um cronograma de desembolsos. As compras da empresa correspondero a 70% de suas vendas 10% pagos vista, 70% no ms imediatamente aps a compra e os 20% remanescentes com prazo de dois meses. A empresa tambm incorrer em pagamento de aluguis, folha de pagamento, impostos, dispndios em ativos imobilizados, pagamento de juros e dividendos e amortizao de emprstimo. O cronograma de desembolsos da empresa, baseado nos dados anteriores, mostrado a seguir.slide 30 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.9 Cronograma de desembolsos projetados da Coulson Industries ($ mil)

slide 31

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

O oramento de caixa da Coulson Industries pode ser obtido combinando-se o oramento de entradas com os de sada. Ao fim de setembro, o saldo de caixa da empresa era de $ 50.000, e seu banco a pagar e ttulos negociveis eram iguais a $ 0. A empresa deseja manter, como reserva para necessidades imprevistas, um saldo de caixa mnimo de $ 25.000. Como resultado, ter um saldo excedente de caixa em outubro e um dficit de caixa em novembro de dezembro. Veja a seguir o oramento de caixa resultante.slide 32 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.10 Oramento de caixa da Coulson Industries ($ mil)

slide 33

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Avaliao do oramento de caixa O oramento de caixa informa se esperado um saldo excedente ou um dficit de caixa em cada um dos meses abrangidos pela previso.

O saldo excedente de caixa de $ 22.000 em outubro deve ser investido em ttulos negociveis. Os dficits em novembro e dezembro devem ser financiados.slide 34 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Lidando com a incerteza no oramento de caixa Uma forma de lidar com a incerteza em relao ao oramento de caixa elaborar diversos oramentos baseados em premissas otimistas, provveis e pessimistas. Com base nessa faixa de fluxos de caixa, o administrador financeiro pode determinar o montante de financiamento necessrio para cobrir a situao mais adversa. Esse mtodo tambm deve dar ao administrador financeiro uma ideia do risco das diferentes alternativas. Um exemplo desse tipo de anlise de sensibilidade para a Coulson Industries mostrado no slide a seguir.slide 35 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.11 Anlise de cenrio do oramento de caixa da Coulson Industries ($ mil)

slide 36

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Planejamento de lucro: demonstraes pr-forma Demonstraes pr-forma compem-se de demonstraes do resultado e balanos patrimoniais projetados, ou previstos. As fontes de informao necessrias elaborao de demonstraes pr-forma utilizando-se os enfoques mais comuns so: Demonstraes financeiras do ano anterior. Projeo de vendas do prximo ano. Diversas premissas sobre uma srie de fatores.

A empresa que usaremos para exemplificar as abordagens simplificadas elaborao de demonstraes pr-forma a Vectra Manufacturing.slide 37 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.12 Demonstrao do resultado da Vectra Manufacturing para o ano encerrado em 31 de dezembro de 2009

slide 38

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.13 Balano patrimonial da Vectra Manufacturing em 31 de dezembro de 2009

slide 39

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Etapa 1: Comece com uma previso de vendas. A fonte bsica de informaes para as demonstraes pr-forma a previso de vendas da Vectra Manufacturing.Tabela 3.14 Projeo de vendas da Vectra Manufacturing para 2010

slide 40

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

A previso de vendas apresentada est baseada em um aumento de preo de $ 20 para $ 25 no caso do modelo X e de $ 40 para $ 50 no caso do modelo Y. Esses aumentos so necessrios para cobrir elevaes projetadas dos custos, como folha de pagamento, materiais e custos fixos.

slide 41

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Etapa 2: Elaborar a demonstrao do resultado pr-forma. Um mtodo simples para desenvolver uma demonstrao do resultado pr-forma o da porcentagem das vendas. Esse mtodo projeta as vendas e expressa os diversos lanamentos da demonstrao do resultado como porcentagens das vendas projetadas. Usando o exemplo da Vectra, o meio mais fcil de fazer isso reformular a demonstrao do resultado histrica como uma porcentagem das vendas.

slide 42

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Aplicando essas porcentagens e a previso de vendas que elaboramos, podemos projetar toda a demonstrao do resultado. Apresentamos os resultados no slide a seguir. importante observar que esse mtodo pressupe que todos os custos so variveis e que tudo aumenta ou diminui proporcionalmente s vendas. Isso costuma subestimar os lucros quando as vendas esto em ascenso e superestim-los quando as vendas esto em declnio.

slide 43

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.15 Uma demonstrao do resultado pr-forma, baseada no mtodo da porcentagem das vendas, para a Vectra Manufacturing para o ano encerrado em 31 de dezembro de 2010

slide 44

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

evidente que algumas despesas da empresa aumentaro acompanhando o nvel de vendas enquanto outras no. Por conseguinte, a estrita aplicao do mtodo da porcentagem das vendas um tanto ingnua. A melhor maneira de preparar uma demonstrao do resultado pr-forma mais realista decompor os custos e despesas histricos da empresa em seus elementos fixo e varivel. Isso pode ser demonstrado conforme a seguir.slide 45 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

slide 46

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Etapa 3: Elaborao do balano patrimonial pr-forma. Provavelmente a melhor abordagem para a elaborao do balano patrimonial pr-forma seja a abordagem subjetiva. Por esse mtodo simples, os valores de determinadas contas do balano patrimonial so estimados e a necessidade de financiamento externo da empresa utilizada como valor de ajuste, ou fechamento. Para aplicar a abordagem subjetiva elaborao do balano patrimonial pr-forma da Vectra Manufacturing, preciso adotar uma srie de premissas simplificadas.

slide 47

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

1. 2. 3.

Deseja-se um saldo de caixa mnimo de $ 6.000. Os ttulos negociveis permanecero inalterados em seu nvel atual de $ 4.000. As contas a receber devem ser de aproximadamente $ 16.875, o que representa, em mdia, cerca de 45 dias de vendas [(45/365) $135.000]. O estoque final deve manter-se em um nvel de aproximadamente $ 16.000, dos quais 25% (cerca de $ 4.000) devem ser matrias-primas e os 75% restantes (cerca de $ 12.000) devem ser produtos acabados. Ser comprada uma nova mquina no valor de $ 20.000. A depreciao total do ano ser de $ 8.000. Somando a aquisio de $ 20.000 ao ativo imobilizado lquido existente de $ 51.000 e deduzindo a depreciao de $ 8.000, teremos um ativo imobilizado lquido de $ 63.000. 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

4.

5.

slide 48

6.

As compras representaro aproximadamente 30% das vendas anuais, ou, neste caso, cerca de $ 40.500 (0,30 $ 135.000). A empresa estima que pode levar em mdia 73 dias para honrar suas contas a pagar a fornecedores. Assim, tais contas devem ser iguais a um quinto (73 dias 365 dias) das compras da empresa, ou $ 8.100 (1/5 $ 40.500). Os impostos a pagar sero iguais a um quarto do passivo fiscal do ano de 1998, de $ 455. Os bancos a pagar se mantero inalterados no nvel atual de $ 8.300. No se espera alterao nos demais passivos circulantes, na dvida de longo prazo e nas aes ordinrias.

7. 8. 9.

10. O lucro retido variar de acordo com a demonstrao do resultado pr-forma.slide 49 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Tabela 3.16 Balano patrimonial pr-forma pela abordagem subjetiva para a Vectra Manufacturing (31 de dezembro de 2010)

slide 50

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Avaliao das demonstraes financeiras pr-forma: pontos fracos das abordagens simplificadas Os principais pontos fracos das abordagens elaborao das demonstraes pr-forma apresentadas devem-se a duas premissas: A condio financeira passada da empresa deve ser um indicador confivel de seu futuro. Determinadas variveis podem ser foradas a assumir os valores desejados.

Por esses motivos, em primeiro lugar fundamental elaborar uma previso da economia geral e fazer ajustes para acomodar outros fatos ou eventos.slide 51 2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Caso integrativo 1 Tabela 1

slide 52

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Caso integrativo 1 Tabela 2

slide 53

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Caso integrativo 1 Tabela 3

slide 54

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Caso integrativo 1 Tabela 4

slide 55

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

Caso integrativo 1 Tabela 5

slide 56

2010 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.