gripe a ESCOLAS (final) - Física e Química para pais.pdf · REPORT Guide to public health...

Click here to load reader

  • date post

    14-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of gripe a ESCOLAS (final) - Física e Química para pais.pdf · REPORT Guide to public health...

GRIPE A(H1N1)vMedidas de Preveno e Controlo em Meio Escolar

Informao para Professores e Pais

Agosto de 2009Direco-Geral da Sade (www.dgs.pt)Direco de Servios de Promoo e Proteco da Sade

Gripe A(H1N1)v

O vrus A(H1N1)v um novo vrus da gripe, que afecta os seres humanos

Esta nova estirpe, contm genes das variantes humana, aviria e suna do vrus da Gripe, numa combinao gentica nunca antes observada

No existe imunidade de grupo, motivo que favorece a transmisso da doena e possibilita a ocorrncia de uma pandemia

Imagem do vrus A(H1N1)v

As Medidas de Preveno e Controlo permitem:

Ganhar tempo at existncia de uma vacina Melhorar a preparao para enfrentar a fase pandmica Diminuir o nmero de doentes Diminuir o nmero de mortes Diminuir a sobrecarga nos servios de sade devido a

excesso de procura Diminuir a sobrecarga nas escolas, empresas e

servios sociais devido ao excesso de absentismo

Medidas de Preveno e Controlo

Fonte: European Centre for Disease Prevention and Control. ECDC TECHNICAL REPORT Guide to public health measuresto reduce the impact of influenza pandemics inEurope The ECDC Menu, Stockholm, June 2009

Formas de Transmisso

Transmisso directa, pessoa a pessoa,atravs da inalao de gotculas de saliva espalhadas atravs da tosse ou do espirro de indivduos doentes

Transmisso indirecta atravs das mos, quando levadas boca, ao nariz ou aos olhos, aps contacto com objectos ou superfcies contaminados com gotculas de saliva ou secrees nasais de pessoas doentes com gripe

No existe transmisso atravs da gua ou dos alimentos

Viabilidade do Vrus

Alguns estudos demonstraram que o vrus se mantm vivel nas superfcies conspurcadas com gotculas de saliva ou secrees nasais de pessoas doentes, como maanetas de portas, teclados, livros e outros objectos, durante vrias horas, dependendo da porosidade, temperatura e humidade da superfcie

Inactivao do Vrus

O vrus pode ser destrudo com qualquer produto comum de desinfeco domstica (exemplos: gua e sabo, detergentes, lixvia, lcool)

O vrus igualmente destrudo pela aco do calor temperatura superior a 75. centgrados

Perodo de incubao da doena

O perodo de incubao da Gripe A(H1N1), ou seja, o tempo que decorre entre o momento em que uma pessoa infectada e o aparecimento dos primeiros sintomas, pode variar entre 1 a 7 dias

Sintomas

Febre (em regra superior a 38.) Sintomas respiratrios (tosse, nariz entupido) Dor de garganta Possibilidade de ocorrncia de outros sintomas:

- Dores corporais ou musculares- Dor de cabea- Arrepios- Fadiga- Por vezes, vmitos ou diarreia

Perodo de contgio

1 dia antes de se iniciarem os sintomas e at 7 dias aps o seu incio, ou atexistirem sintomas

Principais medidas de proteco Lavar frequentemente as mos com gua e sabo Usar leno de papel para proteger a tosse ou os espirros,

inutilizar o leno e lavar as mos em seguida Se no tiver leno, tossir para o antebrao, nunca para as

mos! Evitar tocar na boca, no nariz ou nos olhos, sem ter as

mos lavadas Evitar a proximidade de pessoas com sinais de doena

gripal ( manter uma distncia superior a 1 metro) Evitar locais muito frequentados Higienizar frequentemente as superfcies de trabalho,

teclados, brinquedos, maanetas de porta, etc. Arejar as salas e espaos interiores

Dvidas:

808 24 24 24

Lavagem das Mos na Escola

A lavagem frequente das mos com gua e sabo, de preferncia lquido, uma das principais medidas de preveno

chegada escola, vindos da rua Aps tossir, espirrar ou assoar o nariz A seguir utilizao de brinquedos, teclados e ratos de

computador ou outros materiais escolares de uso partilhado

Antes das refeies Aps a ida casa de banho Antes e aps contacto directo com bebs e crianas

pequenas chegada a casa, vindos da rua Aps contacto com uma pessoa doente com sintomas

gripais, ou com roupas ou objectos manuseados pelo doente

Quando que se devem lavar as mos?

Como lavar as mos (1)

Cartaz disponvel para download em www.dgs.pt

Como lavar as mos (2)

Como lavar as mos (3)

Como lavar as mos (4)

Como lavar as mos (5)

Os toalhetes de papel so preferveis aos secadores de ar quente, porque permitem limpar melhor a peleNunca devem ser usadas toalhas de pano de uso colectivo

Como lavar as mos (6)

Agora que as suas mos esto limpas, se tiver que tocar na maaneta da porta da casa de banho, use tambm o toalhete de papel. Deite-o, em seguida, num balde de lixo.

Quando no possvel lavar as mos

Sempre que no seja possvel lavar as mos, estas podem ser higienizadas por frico com uma Soluo Anti-sptica de Base Alcolica

Existem vrias formas de apresentao:

Doses de bolso (100ml)Carteiras individuais de toalhetes de uso nicoEmbalagens (500ml), com suportes de mesa ou de parede

Estas solues no devem usar-se em bebs e crianas pequenas, pelo risco de ingesto do produto quando as mos so levadas boca ou aos olhos. Nas crianas mais velhas, a sua utilizao deve ser sempre supervisionada por um adulto

Higiene das Mos comSoluo Anti-sptica de Base Alcolica

Os locais para colocao de dispositivos de Soluo Anti-sptica de Base Alcolica devem ser seleccionados de modo criterioso:

Estes dispositivos, s devem ser colocados em locais onde seja necessrio proceder higiene das mos, mas no haja recurso a gua e sabo

Devem ser armazenados e colocados fora do alcance de crianas, dado o risco de toxicidade do produto, em particular se for ingerido ou projectado para os olhos e seguidas as instrues de segurana do fabricante

A sua eventual utilizao por crianas mais velhas deve ser sempre supervisionada por um adulto

Exemplos de Locais para Colocao de Soluo Anti-sptica de Base Alcolica

Na sala destinada ao isolamento de crianas que apresentem sintomas de gripe

Nos berrios e salas destinadas s crianas em infantrios e jardins de infncia, se estas salas no possurem lavatrio

entrada de refeitrios, se estes no possurem lavatrio

Junto aos aparelhos de marcao biomtrica de ponto Na secretaria da escola, para uso dos profissionais

Em caso de dvida, a Escola deve contactar a Unidade de SadePblica do respectivo Agrupamento de Centros de Sade

Limpeza de superfcies

Deve ser feita uma limpeza frequente de mesas de trabalho, maanetas das portas, corrimos, brinquedos, ou objectos que se levem boca

Para esta limpeza, suficiente a utilizao de um produto comum de desinfeco domstica

Objectos que possam ser levados boca, depois de higienizados, devem ser passados por gua limpa, a fim de evitar a ingesto do produto de limpeza

Arejamento dos Espaos

Deve promover-se o arejamento das salas de aula ou de trabalho e espaos interiores da escola

Elaborao do Plano de Contingncia

Para mais informao consultar:DGS, GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingncia para Creches, Jardins-de-infncia, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino. Orientaes para a sua elaborao em: www.dgs.pt

Elaborao do Plano de Contingncia principais etapas

Estabelecer uma equipa de coordenao e elaborao do Plano Reforar a comunicao e a cooperao com a Unidade de Sade

Pblica, os pais e a restante comunidade educativa Identificar as reas de funcionamento essenciais Prever o impacte nas reas essenciais, de diferentes cenrios de

absentismo ou de um eventual encerramento, e identificar respostas alternativas

Atribuir responsabilidades por determinadas tarefas Treinar responsveis e substitutos Introduzir regras e procedimentos e divulg-los Dotar a escola dos meios ou equipamentos necessrios Fazer uma reserva estratgica de alguns produtos Implementar de acordo com os acontecimentos Avaliar

Medidas de Actuao

Informao, Formao e Capacitao

Promover a informao de profissionais, alunos e pais sobre a doena e as formas de preveno

Promover a formao dos profissionais, dos pais e dos alunos sobre as medidas a adoptar na escola, em casa e na comunidade

Ensinar as crianas e os profissionais sobre a tcnica de lavagem das mos e os cuidados a ter com a tosse e os espirros

Comunicao A Escola deve estabelecer e manter formas

de comunicao com a Unidade de Sade Pblica do respectivo Agrupamento de Centros de Sade, com os pais e com a restante comunidade educativa

Deve ser mantido um ficheiro actualizado com os telefones dos pais e dos profissionais, bem como de outras entidades pertinentes

Devem ser equacionadas formas alternativas de comunicao com profissionais, alunos e pais (por exemplo, atravs da Internet, ou telemvel)

Instalaes e equipamentos Garantir condies adequadas para a lavagem das

mos Garantir a existncia de sabo lquido e dispositivos

para secagem das mos, de preferncia toalhetes de papel absorvente. Nunca usar toalhas de pano de uso colectivo

Garantir a existncia de caixotes de lixo Identificar, criteriosamente, locais para colocao de

dispositivos de soluo anti-sptica de base alcolica Definir uma sala para isolamento de alunos que

apresentem febre e sinais de gripe Criar uma reserva estratgica de alguns produtos, se

necessrio - alimentos, produtos de limpeza, sabo lquido, toalhetes de papel, sacos de lixo, etc.

Procedimentos Definir responsveis pelas diferentes tarefas de acordo

com o Plano de Contingncia e respectivos substitutos Instituir rotinas de lavagem das mos, de limpeza das

superfcies e restantes instalaes Instituir a regra de no admisso na escola de pessoas

com febre e sintomas de gripe, at esclarecimento da situao

Promover a divulgao interna dos procedimentos a adoptar perante crianas ou profissionais que apresentem sintomas de gripe durante a permanncia na escola

Actuao perante um aluno que apresente febre e sintomas gripais

Crianas com Gripe no devem ir escola, durante um perodo de 7 dias, ou at alta clnica, se os sintomas persistirem por mais tempo

No caso de uma criana manifestar febre e outros sintomas gripais durante a permanncia na escola, deve ser afastada das restantes crianas e mantida na sala de isolamento, acompanhada por um adulto, sempre que necessrio, at chegada dos pais

Deve ser contactada a Linha Sade 24: 808 24 24 24 e seguidas as orientaes quanto s medidas a adoptar

Os adultos que acompanhem a criana devem usar mscara de proteco e adoptar os devidos cuidados de higiene das mos

Se possvel, a criana dever usar mscara de proteco, adaptada ao tamanho da face

Actuao perante um profissional que apresente febre e sintomas gripais

Os Profissionais com Gripe no devem ir escola, durante um perodo de 7 dias, ou at alta clnica se os sintomas persistirem por mais tempo

No caso de um profissional apresentar sintomatologia gripal durante a permanncia na escola, deve ser contactada a Linha Sade 24, 808 24 24 24, para obteno de orientao quanto aos procedimentos a adoptar

Cuidados a ter com o doente

em casa

Cuidados a ter com o doente em casa A pessoa doente deve ter um quarto e, idealmente,

uma casa de banho s para si excepo da pessoa que cuida do doente, deve

impedir-se a entrada neste quarto de outros elementos da famlia ou de visitas

O quarto deve permanecer, sempre que possvel, com a porta fechada

Deve ser promovido o arejamento deste quarto abrindo a janela, mantendo a porta fechada

Os objectos e roupas manuseados pelo doente no devem ser partilhados com outros elementos da famlia, antes de lavados ou higienizados

As zonas comuns da habitao devem manter-se arejadas

Quem pode cuidar do doente

Idealmente, a pessoa que cuida do doente deve ser sempre a mesma, para reduzir os riscos de transmisso na famlia

Mulheres grvidas ou pessoas com doenas crnicas graves devem evitar cuidar do doente

Vigilncia da Situao Clnica da Criana Doente

Medir a febre de manh e noite e registar as temperaturas numa folha de registo

Controlar a febre, se necessrio Oferecer lquidos, para manter a hidratao Dificuldade respiratria, vmitos

persistentes, prostrao, pele arroxeada, irritabilidade, dores ou mal estar intenso, recusa alimentar, ou reaparecimento da febre, indicam um agravamento da doena:TELEFONAR para a linha Sade 24 (808 24 24 24) e seguir as orientaes

Agravamento dos Sintomas

Reaparecimento, aumento da febre, ou persistncia da febre durante mais de 4 dias

Dores de cabea muito fortes ou alterao do estado de conscincia (por exemplo: confuso, perda de conscincia, desmaios)

Dificuldade respiratria ou falta de ar Dor no peito ou nas costas Fadiga intensa e anormal Expectorao com sangue

TELEFONAR para a Linha Sade 24 (808 24 24 24)e seguir as orientaes

Lavagem da Loua do Doente

No necessrio lavar parte a loua da pessoa doente

A loua do doente pode ser lavada como habitualmente, mo com detergente de loua, ou na mquina de lavar loua

Tratamento de Roupas do Doente

As roupas do doente devem ser lavadas, de preferncia, na mquina de lavar roupa e no devem ser partilhadas com outras pessoas antes de lavadas

conveniente o uso de mscara de proteco, durante a colocao da roupa na mquina

Lavar as mos, em seguida

Uso de Mscaras de Proteco (1) A proteco conferida pela mscara depende da sua

correcta utilizao. Se a mscara for mal colocada ou inadequadamente removida pode aumentar o risco de contgio, em vez de o diminuir

A mscara deve cobrir bem o nariz e a boca, devendo ficar bem ajustada face, evitando folgas que permitam a passagem de ar no filtrado pela mscara

As mscaras devem possuir atilhos, ou elsticos, que prendam a mscara na face posterior da cabea e do pescoo, dado que permitem o melhor ajustamento da mscara face.

So de evitar mscaras que fiquem largas ou que no possibilitem o seu ajustamento ao nariz e face

Nas crianas, usar mscaras adaptadas ao seu tamanho

Uso de Mscaras de Proteco (2)

O doente deve usar mscara, de tipo cirrgico, sempre que saia do seu quarto, ou esteja na proximidade de outras pessoas

A pessoa que cuida do doente deve usar mscara, de tipo cirrgico, sempre que permanea no quarto do doente, sempre que esteja prximo deste, ou sempre que manuseie as suas roupas depois de usadas

Cada mscara deve ser usada uma nica vez, devendo ser substituda sempre que se encontre hmida

Depois de colocada, no levar as mos mscara Ao retirar a mscara, deve tocar-se apenas nos atilhos,

desprendendo primeiro os atilhos inferiores e s depois os superiores, evitando tocar na restante superfcie da mscara.

Deitar a mscara usada no lixo, em saco bem fechado. Lavar as mos em seguida.

Cuidados a ter pelo doente, a fim de evitar a transmisso da Gripe

Limitar o contacto prximo com outras pessoas

Permanecer em casa durante 7 dias, ou atque os sintomas desapaream, se estes persistirem

Cobrir a boca e o nariz quando espirrar ou tossir, usando um leno de papel e a seguir lavar as mos

Lavar frequentemente as mos com gua e sabo ou friccion-las com uma soluo de base alcolica, no caso de no as poder lavar

Usar mscara cirrgica, quando estiver na proximidade de outras pessoas

Para mais informao:

microsite da GRIPE : www.dgs.pt

Fontes consultadas:European Centre for Disease Prevention and Control. ECDC techninal report guide to public healthmeasures to reduce the impact of influenza pandemics in Europe The ECDC Menu, Stockholm, June2009

Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Novel H1N1 Flu (Swine Flu) and You .Questions & Answers, August 5, 2009 : http://www.cdc.gov/h1n1flu/qa.htm

DGS. GRIPE A (H1N1)v. Planos de Contingncia para Creches, Jardins-de-infncia, Escolas e outros Estabelecimentos de Ensino. Orientaes para a sua elaborao, Direco de Servios de Promoo e Proteco da Sade, 20 de Julho de 2009

Direco-Geral da Sade, microsite da Gripe, www.dgs.pt

U.S. Department of Health and Human Services, http://www.flu.gov/

Centers for Disease Control and Prevention: http://www.cdc.gov/h1n1flu/

Fotografias e imagens Clipart , Microsoft Office online Cartaz sobre lavagem das mos, WHO, World Alliance for Patient SafetyImagem do vrus A(H1N1) - Centers for Disease Control and Prevention (CDC)

Emlia Nunes, Direco de Servios de Promoo e Proteco da Sade,com contributos de Elena Noriega, Diviso de Segurana do Doente, Departamento da Qualidade na Sade, 11 de Agosto de 2009, Direco-Geral da Sade