Iniciação ao Violão Solo por meio da Música Popular

download Iniciação ao Violão Solo por meio da Música Popular

of 49

  • date post

    27-May-2015
  • Category

    Documents

  • view

    8.972
  • download

    7

Embed Size (px)

Transcript of Iniciação ao Violão Solo por meio da Música Popular

  • 1. 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLNDIA FACULDADE DE ARTES, FILOSOFIA E CINCIAS SOCIAISDEPARTAMENTO DE MSICA E ARTES CNICASINICIAO AO VIOLO SOLO POR MEIO DA MSICA POPULAR ALEXANDRE ORESTES ALVESJULHO DE 2009

2. 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLNDIA FACULDADE DE ARTES, FILOSOFIA E CINCIAS SOCIAISDEPARTAMENTO DE MSICA E ARTES CNICASINICIAO AO VIOLO SOLO POR MEIO DA MSICA POPULARMonografiaapresentada emcumprimento da disciplinaPesquisa em Msica 3 do Cursode Licenciatura em Msica Habilitao em Violo daUniversidade Federal deUberlndia, sob orientao doProf.Ms.Andr CamposMachado. ALEXANDRE ORESTES ALVESJULHO DE 2009 3. 3AGRADECIMENTOSAo criador do universo Jeov Deus, pelo dom da vida e da msica! minha mulher pelo apoio e pacincia durante toda a minha trajetria pelo curso!A meu pai pelo grande incentivo em favor duma instruo de nvel superior!Ao professor Andr Campos Machado por toda a dedicao e pacincia em me ajudar aelaborar com percia este trabalho. professora Sandra Mara Alfonso por ter me dado a inspirao do tema.O meu muito obrigado a todos vocs! 4. 4 RESUMO Este trabalho monogrfico faz uma descrio de todo o processo envolvido emelaborar um caderno de atividades para a iniciao ao violo solo e a leitura de partituras pormeio da msica popular. Aborda questes relativas aos procedimentos de pesquisa e osprincpios observados na rea da iniciao, bem como a escolha do repertrio popular e asmodificaes meldicas e rtmicas realizadas nas msicas escolhidas para compor estecaderno. Alm disso, mostrar minha filosofia de ensino para iniciar um aluno na leituramusical e no violo solo. 5. 5SUMRIOINTRODUO .......................................................................................................................... 61. PROCEDIMENTOS INICIAIS.............................................................................................. 9 1.1. ANLISE ........................................................................................................................ 9 1.2. SELEO DAS MSICAS .......................................................................................... 9 1.3. PRINCPIOS BSICOS PARA A ELABORAO DOS ARRANJOS ..................... 102. ARRANJOS DA PRIMEIRA PARTE ................................................................................. 12 2.1. DIANA - PAUL ANKA ................................................................................................ 13 2.2. ASA BRANCA..............................................................................................................14 2.3. GENTE HUMILDE - CHICO BUARQUE................................................................... 14 2.4. SEGUINDO NO TREM AZUL ROUPA NOVA ..................................................... 15 2.5. ANA JLIA - LOS HERMANOS ................................................................................ 15 2.6. CANT HELP FALL E LUAR DO SERTO ............................................................... 17 2.6.1. CANT HELP FALL............................................................................................... 17 2.6.2. LUAR DO SERTO .............................................................................................. 173. ARRANJOS DA SEGUNDA PARTE ................................................................................. 18 3.1. WHAT A WONDERFUL WORLD ............................................................................. 18 3.2. EU S QUERO UM XOD ......................................................................................... 194. ARRANJOS DA TERCEIRA PARTE ................................................................................ 21 4.1. COMO EU QUERO ...................................................................................................... 21 4.2. PRA NO DIZER QUE NO FALEI DAS FLORES.................................................22 4.3. A PAZ - GILBERTO GIL ............................................................................................. 23 4.4. O SOL - JOTA QUEST ................................................................................................. 23CONSIDERAES FINAIS ................................................................................................... 25BIBLIOGRAFIA ...................................................................................................................... 26ANEXO .................................................................................................................................... 27 CADERNO DE ARRANJOS ............................................................................................... 28 6. 6INTRODUOEsta monografia descreve o processo de criao de um caderno de partituras para ainiciao ao violo por meio da msica popular. Embora os captulos estejam divididosobedecendo a um critrio tcnico instrumental, no tem como pretenso ser um mtodo deiniciao, visto que j existem muitos na literatura do instrumento, sendo que as atividadespodem ser utilizadas por alunos que tenham o desejo de ler msica.Foram realizados dois procedimentos: levantamento dos princpios de iniciao aoinstrumento violo, que so tradicionalmente usados com base no repertorio erudito e aseleo das msicas de carter popular, com nvel tcnico compatvel aos objetivos doprojeto. Em seguida, foi efetuada a unio entre: os princpios da iniciao encontrados nosmtodos e a elaborao dos arranjos de msicas populares. Por fim, a editorao dos arranjosno software editor de partituras Finale1.A estrutura do caderno ficou dividida em trs captulos, sendo que o captulo primeiroconta com melodias a uma voz e o acompanhamento rtmico para o segundo violo. Essetpico tem o propsito de abordar a localizao das notas sobre as trs primeiras cordas comas duas primeiras msicas, e logo em seguida, uma expanso feita at a quinta corda commais quatro canes que seguem a mesma estrutura.O captulo segundo contm msicas para o aluno acompanhar com o uso dos baixos2do instrumento, ou seja, as cordas, e . O professor dever fazer a melodia principalenquanto o aluno o acompanha. Novamente o objetivo o de fixar a localizao das notas noviolo.No captulo terceiro o aluno j deve possuir certo domnio da leitura musical empartituras. Este contm msicas com melodias e acompanhamentos realizados por um nicoviolo onde o nvel tcnico tambm um requisito.1 Finale um programa de computador utilizado para editorao de partituras. Download emhttp://www.makemusic.com/.2No violo, os nmeros dentro de crculos servem para indicar a numerao da corda. 7. 7 Este caderno foi elaborado porque a maioria dos mtodos de iniciao ao violo queexistem baseiam-se nas msicas do repertrio tradicional do violo erudito, e isto, muitasvezes, gera desinteresse por parte de alguns alunos que no conhecem a histria da msica eque gostam mais de msicas de linguagem popular e atuais. Tambm, a experincia pessoaldo autor atesta que a maioria de seus alunos particulares no apresentam interesse emaprender o violo solo e a leitura de partituras ligadas s msicas eruditas tradicionais. Assim,existe uma oportunidade de ampliao do repertrio de iniciao para o estudo doinstrumento como uma tentativa de aproximao entre as linguagens do violo solo eruditoe popular (SILVA, 2007). Por meio deste caderno de atividades pretende-se despertar ointeresse dos alunos iniciantes no s pelo violo solo popular, mas tambm, pelo universo doviolo erudito e seu grande arsenal de repertrio tradicional. A bibliografia do instrumento que subsidiou esta pesquisa foi: O Caderno Pedaggico de Andr Campos e Jodacil Damaceno (2002) est dividido emcaptulos, onde os autores abordam contedos ligados iniciao pela leitura musical eexerccios voltados prtica do acompanhamento popular. O livro Iniciao ao Violo de Henrique Pinto aborda uma iniciao ao violo eruditoonde foram feitos os principais levantamentos dos princpios da iniciao ao violo. As coletneas que abordam a iniciao ao instrumento, desenvolvidos na disciplinaobrigatria do curso de musica (instrumento: Violo) da Universidade Federal de Uberlndiachamada Metodologia do Ensino e Aprendizagem do Instrumento 1 e 2 : Violo. A primeiracoletnea trata da iniciao de quem nunca teve contato com o instrumento e por isso trazalgumas sugestes na rea do acompanhamento de msicas populares, iniciando tambm oaluno na leitura de partituras com uma nica voz meldica, ou seja, sem o acompanhamentodos baixos. A segunda coletnea tem um enfoque mais erudito, sendo organizadosistematicamente para que o aluno tenha um aprendizado progressivo. Aborda o uso de toquedo polegar independente dos outros dedos da mo direita, toque simultneo, ataque em 8. 8blocos, arpejos e trmulo, trazendo ainda uma sugesto de repertrio estritamente erudito aofinal do mtodo.As demais fontes bibliogrficas referem-se prtica do arranjo e composio musical. O livro Fundamentos da Composio de Schoenberg (1996) aborda a prtica dacomposio tanto das pequenas quanto das grandes formas. Seu principal intuito no apenasa especulao terica, mas tambm a exposio de problemas tcnicos fundamentais para acomposio e a descrio de como resolv-los de diversas maneiras. Foram utilizados napesquisa, os fundamentos tericos bsicos do captulo que trata sobre o acompanhamento,visto que a prtica do arranjo tambm envolve as tcnicas de composio. A dissertao de Fanuel Maciel de Lima Jnior (2003) A elaborao de arranjos decanes populares para violo solo orienta os procedimentos necessrios realizao dearranjos de canes populares para violo solo, descrevendo de maneira clara e minuciosatodo o processo envolvido desde a escolha de repertrio apropriado ao idioma do instrumento,at os tratamentos destinados ao acompanhamento, fornecendo ainda vrios exemploscuidadosamente escritos, abordando questes como a escolha da tonalidade, da textura, bemcomo a harmonizao e re-harmonizao da cano popular. Leone Palis Silva (2007), em sua monografia O processo de adaptao de msicascomerciais para violo solo como estmulo ao estudo do