Intercom Sul 2014

Click here to load reader

  • date post

    12-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    61
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Intercom Sul 2014

  • Tauana Weinberg Jeffman

    # Doutoranda em Cincia da Comunicao UNISINOS # Professora substituta no curso de Comunicao Social UFSM

  • Socializao e consumo em redes sociais segmentadas

  • #A diferena entre mdias massivas e mdias digitais.

    # Lcia Santaella (2003):

    era da cultura oral > era da cultura escrita > era da cultura

    impressa > era da cultura de massa > era da cultura das mdias >

    era da cultura digital.

    # Andr Lemos (2010):

    Mdias de massa e mdias ps-massivas.

  • #Questo inicial:

    Qual a diferena entre redes sociais como o Facebook e o Orkut e

    redes sociais como o Filmow e o Skoob?

    Redes sociais generalistas

    Redes sociais pblicas

    redes abertas

    Redes sociais gerais

    Redes sociais de massa

    Redes sociais horizontais

    Redes sociais de nicho

    Redes sociais temticas

    Redes sociais segmentadas

    Redes sociais verticais

  • #Para tais compreenses, recorremos aos autores. (apesar de no haver nenhuma publicao que trate das redes sociais segmentadas).

    Segmentao e socializao

    Segmentao e consumo

    Segmentao e redes sociais

  • Consumo e segmentao

  • Anderson (2006, p. 5) nota que a era do tamanho nico est

    chegando ao fim e em seu lugar est surgindo algo novo, o mercado

    de variedades.

    Deste modo, o estilhaamento da tendncia dominante em zilhes

    de fragmentos culturais multifacetado algo que revoluciona em

    toda a sua extenso os meios de comunicao e a indstria do

    entretenimento.

  • Assim, se a indstria do entretenimento no sculo XX baseava-se

    em hits, a do sculo XXI se concentrar com a mesma intensidade

    em nichos, nota Anderson (2006, p. 15).

  • O nichos se proliferam porque h:

    democratizao das ferramentas de produo;

    reduo dos custos de consumo, pela democratizao da distribuio e

    a ligao entre oferta e demanda.

    Assim, a internet mostra-se como a principal propulsora destas foras,

    pois tornou mais barato alcanar mais pessoas e consequentemente,

    aumentou o nvel de venda/consumo dos produtos da cauda longa.

  • As RSS, alm de oferecer um contedo especfico para determinado

    pblico, tambm apresentam caractersticas fundamentais

    relacionadas ao consumo, sendo oportunidades mpares para

    empresas estabelecerem e/ou estreitarem laos com seus

    consumidores, fornecedores e colaboradores.

  • Socialidade e segmentao

  • Maffesoli (1998) > Tribalizao.

    > a metfora da tribo permite dar conta do processo de

    desindividualizao, da saturao da funo que lhe inerente,

    e da valorizao do papel que cada pessoa chamada a

    representar dentro dela. Essas tribos so mutveis, pois so

    compostas por pessoas, que mudam, evoluem.

  • Maffesoli (2012, pp. 100-101) sublinha que na socialidade,

    notvel a multiplicao de sites comunitrios onde

    percebemos o desejo de comunho.

    Para o autor, os sites comunitrios, blogs, Orkut, Twitter e

    outros, lembram que o reencantamento do mundo est bem

    ancorado na socialidade ps-moderna. Como as tribos

    primitivas em torno de seus totens, os internautas

    contemporneos se renem em torno de seus dolos

    especficos.

  • Dedicando-se aos estudos da cincia das redes, Watts (2009) e

    Barabsi (2009) compreenderam que a sociedade, assim como a

    internet, a conexo de vrios pequenos mundos.

    Os pesquisadores perceberam que a sociedade possui a tendncia

    a se aglomerar e a se unir com os seus iguais, com aqueles que

    possuem afinidades ou elementos em comum.

    Entre estes pequenos mundos h conexes, pois uma mesma

    pessoa pode pertencer a dois pequenos mundos, e, assim, atuar

    como um link entre eles.

  • Redes sociais e segmentao

  • Para Recuero (2010, pp. 24-25), uma

    rede social definida como um conjunto

    de dois elementos: atores (pessoas,

    instituies ou grupos) e suas conexes

    (interaes ou laos sociais).

    Uma rede, ento, uma metfora para

    observar os padres de conexo de um

    grupo social, a partir das conexes

    estabelecidas entre os diversos atores.

  • Um dos principais diferenciais das redes

    sociais segmentadas perante as redes

    sociais generalistas, que nestas o

    usurio geralmente aceita em seu perfil

    pessoas que j conhece, ou que tem

    pretenses de conhecer.

    Dificilmente um usurio aceitar um

    completo desconhecido em sua rede

    social, por questes de segurana e

    privacidade.

  • Fragoso (2009) > a maior parte das

    relaes sociais nascidas da interao em

    redes digitais no decorre de encontros

    aleatrios, mas de redes sociais

    preexistentes: as pessoas se aproximam

    em funo de amizades mtuas.

  • No entanto, nas RSS, essa premissa no se

    vale, pois nestas, o usurio no adiciona,

    necessariamente, as pessoas que j

    conhece, mas aquelas que possuem

    interesses em comum.

  • Exemplificando esta afirmao, compreendemos que o usurio

    adiciona e aceita em seu Facebook os seus amigos, famlia e

    pessoas conhecidas, de uma forma geral.

    No Skoob, por outro lado, este mesmo usurio no ter (ou

    ter menos) restries em adicionar desconhecidos, pois estes

    localizaram seu perfil atravs de livros em comum.

    Alm disso, tal rede social no apresenta informaes mais

    ntimas ou familiares deste usurio, expondo apenas

    informaes referentes ao segmento que aborda.

  • Mapeamento:

    32 segmentos

    70 redes sociais segmentadas

  • Consideraes

  • Acreditamos que demasiado cedo para

    afirmarmos que as RSS so o futuro das

    redes sociais.

    A discusso sobre as transformaes das

    mdias/redes de massa profcua e clama

    pesquisa.

  • Por ora, percebemos que as RSS so o reflexo atual

    das tribos, em outras palavras, dos grupos que se

    destacam da massificao e que se encontram e

    interagem devido a um elemento norteador.

    Acreditamos nas palavras de Pierre Lvy (2003), ao

    afirmar que por meio da internet, a humanidade

    volta a reencontrar-se definitivamente, aps os

    deslocamentos dos continentes terem nos afastados.

    Mas tambm acreditamos que, na medida em que a

    humanidade se reencontra, tambm se separa e se

    reagrupa.

  • Agora, as separaes dos grupos, ou das

    tribos, no esto mais a merc das

    fronteiras geogrficas. Hoje, possvel

    pertencer tribo que melhor convm, pois

    a separao constituda pelo simblico e

    no mais por espaos territoriais.

    Enfim, por ora, acreditamos que a maioria

    dos povos so, hoje, formados por

    proximidades semnticas (LEMOS,

    2010) .

  • Obrigada! = ]

    Slide 1Slide 2Slide 3Slide 4Slide 5Slide 6Slide 7Slide 8Slide 9Slide 10Slide 11Slide 12Slide 13Slide 14Slide 15Slide 16Slide 17Slide 18Slide 19Slide 20Slide 21Slide 22Slide 23Slide 24Slide 25Slide 26Slide 27Slide 28Slide 29Slide 30Slide 31Slide 32Slide 33Slide 34Slide 35Slide 36Slide 37Slide 38Slide 39Slide 40