JECA Agosto 2014

JECA Agosto 2014 page 1
JECA Agosto 2014 page 2
download JECA Agosto 2014

of 2

  • date post

    02-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Jornal dos Estudantes de Comunicações e Artes da USP, edição de Agosto de 2014 sobre a greve.

Transcript of JECA Agosto 2014

  • jeca JORNAL DOS ESTUDANTES DE COMUNICAES E ARTES

    AGOSTO/2014

    Na ltima semana, veio tona um documento revelando os planos da reitoria e do governo do Estado para a recuperao financeira da Universidade de So Paulo. Esse plano de reestruturao na verdade um ataque aberto ao carter pblico da Universidade.

    No primeiro semestre, quando deflagramos a greve, j sentamos na pele os cortes de verbas: enquanto obras monumentais da burocracia continuavam a subir dentro e fora do campus, bolsas de estudo (IC, intercmbio) e bolsa-permanncia eram cortadas e a contratao de professores e funcionrios foi congelada. Isso, combinado ao reajuste de 0% oferecido a professores e funcionrios, j anunciava veladamente o projeto de precarizao e privatizao defendido pela reitoria e pelo governo para a USP.

    Esse projeto, at ento velado, escancarado por esse plano de reestruturao expresso no documento: nele esto includos um Plano de Demisso Voluntria (PDV) que diminuiria o nmero de funcionrios em cerca de 2/3 do atual, um plano de reduo de carga horrio com reduo de salrios tambm para os funcionrios, e uma diminuio drstica de docentes em regime de dedicao exclusiva (que apenas do aulas). O PDV tambm abre portas para a terceirizao, que precariza as condies de trabalho dos servidores.

    O plano prev ainda que 50% da poltica de permanncia estudantil passaria a ser gerida pelo

    governo do estado, e que reas como o Hospital Universitrio (HU) e o Hospital de Recuperao de Anomalias Craniofaciais de Bauru (HRAC), um dos poucos servios que a Universidade atualmente pode oferecer populao trabalhadora de fora, seriam desvinculadas e passadas tambm para o governo do Estado, deixando de ser hospitais-escola dos cursos da rea da Sade e sendo geridas pelas OSs, ou seja, privatizadas transformando um direito, a sade, em mercadoria.

    Uma vez que esse plano entre em funcionamento, a Universidade e nossos cursos estaro cada vez mais sucateados, servindo apenas para formar mo-de-obra qualificada a servio dos interesses do mercado e no da populao. Este um grande ataque aos interesses pblicos da Universidade, enquanto os interesses particulares seguem intactos, com os supersalrios de alguns docentes e as empresas privadas que podero lucrar ainda mais dentro da USP.

    Na tera-feira (26/08), pela fora da nossa mobilizao, o reitor Zago, no Conselho Universitrio da USP, um colegiado de composio antidemocrtica, no qual estudantes e funcionrios tm uma representao nfima, foi obrigado a recuar com relao desvinculao do HU, e adiou a discusso por 30 dias. Porm, colocou em votao o tema do HRAC, que a partir de ento ser desvinculado. Essa foi uma votao em que menos de 200 pessoas decidiram sobre o futuro de milhares, que ignorou inclusive as reivindicaes de uma greve forte que resiste a mais de 90 dias. Isso no a recuperao da USP: o seu verdadeiro desmonte.

    Mas a luta continua: semana que vem ter um outro Conselho Universitrio (02/09) que discutir o PDV e o reajuste salarial.

    O DESMONTE DA UNIVERSIDADE

    CONTRA A REPRESSO! LUTAR UM DIREITO!

    O JECA DE TODXS!O JECA um jornal de grande alcance e circulao para estudantes de toda a ECA-USP! E para manter sua pluralidade de opinies e discusses de pautas atualizadas, fazemos um amplo chamado a todas as pessoas que quiserem contribuir para a prxima edio, que dever ser antecedida por uma Reunio de Pauta. Pessoa, fique atenta s publicaes na pgina do Facebook CA Lupe Cotrim!

    A greve em defesa da universidade j dura trs meses e a reitoria no abriu nenhuma negociao. Muito pelo contrrio: cortou o salrio de funcionrios em greve (o que, segundo a prpria Justia, foi ilegal) e mandou a Polcia Militar desmontar os piquetes dos funcionrios, impedir com bombas de gs e balas de borracha o trancao da ltima quarta-feira (20.08) e desfazer, no dia 24.08, o acampamento em frente Reitoria, aes que ferem o direito democrtico de greve e livre manifestao.

    Isso so demonstraes da falta de democracia com que gerida a universidade. Alm de gerir seus projetos e seu oramento a portas fechadas, entre alguns poucos, dentro do Conselho Universitrio, excluindo 98% da comunidade

    uspiana, a Reitoria coloca a Tropa de Choque para reprimir os estudantes e trabalhadores e cala as opinies contrrias por meio da fora.

    Essa maneira de lidar com o movimento no uma ao isolada: o governo do PSDB usa como primeira cartada a fora policial e a criminalizao dos ativistas na tentativa de reprimir as lutas que vm crescendo cada dia mais desde junho de 2013 no pas. A priso de Fbio Hideki, os 42 metrovirios demitidos por terem feito greve, o desmonte dos piquetes, o corte do salrio e ao da Polcia Militar no trancao do dia 20.08 so exemplos de uma poltica consciente para intimidar aqueles que lutam para transformar a sociedade e que se enfrentam com os governos e a elite. Mas a resistncia dos trabalhadores est to forte que at a justia teve que dizer que os cortes de ponto so ilegais, e que 0% no negociao.

    Se a represso avana, ns avanamos em resposta com muita organizao! Resistimos! O momento agora: os ataques so graves, e dizem respeito a todos ns. No podemos deix-los passar; se passarem, a USP pblica, gratuita e de qualidade deixar de existir: ser apenas o espao dos interesses privados, da criao de mo-de-obra para o mercado das grandes empresas e fundaes. hora de lutar: preciso engrossar a mobilizao, para que possamos nos defender desse ataque em unidade. hora de tomarmos em nossas mos a responsabilidade de defender a universidade!

  • 24/1Zago assume a Reitoria, prometendo ser o reitor do dilogo

    28/4A Reitoria envia comunicado comunidade acadmica declarando que h uma crise financeira na USP

    12/5 proposto 0% de reajuste salarial. DCE e CAs protocolam carta de reivindicaes Reitoria

    27/5Inicia-se a greve geral, aps segunda reunio de negociao confirmar o arrocho salarial

    12/6Abertura da Copa do Mundo, aps meses de endurecimento da represso

    24/7Justia concede liminar de reintegrao de posse

    31/7Funcionrios iniciam acampamento no CEPE para impedir a realizao da Feira de Profisses, que obrigaria funcionrios em greve a trabalhar

    3/8PM entra na USP para reprimir os piquetes e o acampamento

    4/8 confirmado o corte de ponto para funcionrios grevistas e inicia-se o acampamento na Reitoria

    7/8 feito trancao dos trs portes e ato no Butant contra os cortes de ponto e pela reabertura das negociaes

    14/8Documento que prev Plano de Recuperao vaza na imprensa e no dia seguinte confirmado pela Reitoria. No mesmo dia, ato unficado vai at o Palcio dos Bandeirantes

    23/6O trabalhador e estudante da USP, Fbio Hideki, preso arbitrariamente em Ato Contra a Copa, sua libertao virou pauta da greve dos trabalhadores

    20/8PM reprime trancao dos trs portes feito por estudantes e funcionrios. No mesmo dia, a justia considera abusivos os cortes de ponto

    24/8PM desobstrui portas da Reitoria, mas acampamento continua

    LINHA DO TEMPODA GREVE 2014LINHA DO TEMPODA GREVE 2014

    O trabalhador e estudante da USP, Fbio Hideki, preso arbitraria-mente em Ato Contra as Injustias da Copa e sua libertao virou pauta da greve dos trabalhadores

    26/8 Conselho Universitrio (CO)

    desvincula HRAC