JOGOS E MODELOS DIDÁTICOS COMO INSTRUMENTOS FACILITADORES....

of 12/12
JOGOS E MODELOS DIDÁTICOS COMO INSTRUMENTOS FACILITADORES PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. Fernanda Sales Coelho 1 Priscilla Guimarães Zanella 1 Fátima Cristina Ferreira 1 Marcelo Diniz Monteiro de Barros 2 Thereza Soares Feres 3 Linha Temática: Educação RESUMO Os métodos de ensino estão, cada vez mais, sendo pesquisados e aprimorados após notar-se que cada aluno aprende de uma forma distinta. Um meio para facilitar a construção do conhecimento do aluno seria a utilização de modelos e jogos didáticos que auxiliam no preenchimento de algumas lacunas acerca da matéria ministrada. Tendo em vista a dificuldade que professores possam ter em ensinar alguns assuntos da disciplina Biologia, principalmente para alunos com necessidades especiais visuais, destaca-se a importância de pesquisas acerca de métodos alternativos de ensino. A deficiência do tipo visual constitui-se em um desafio no processo ensino-aprendizagem, não só por parte dos alunos que possuem este tipo de deficiência, como também para os professores, que precisam estar devidamente capacitados para a realização satisfatória de um trabalho inclusivo. O objetivo deste artigo é destacar a importância e os benefícios da utilização de jogos e modelos didáticos, e como estes podem ser usados e adaptados para alunos com necessidades especiais visuais. Para exemplificar os modelos didáticos, utilizou-se modelos construídos por alunos da graduação em Ciências Biológicas da PUC Minas que foram doados ao Banco de Materiais do Curso de Ciências Biológicas da referida Universidade. Os jogos e modelos didáticos, então, surgem como alternativa viável para o aprimoramento do processo de ensino aprendizagem, principalmente, por sua fácil e acessível produção, pois podem até mesmo ser desenvolvidos pelos próprios alunos deficientes. Ao perceber que métodos alternativos de ensino são importantes no ensino tradicional, eles se tornam indispensáveis para proporcionar percepção e conhecimento aos portadores de deficiência visual, além de desenvolverem a acuidade dos sentidos e habilidades motoras dos mesmos. Ao destacar a importância desses métodos, conclui-se que eles devem 1 Acadêmicas do curso de Ciências Biológicas da PUC Minas. [email protected] ; [email protected] ; [email protected] . 2 Professor do Departamento de Ciências Biológicas da PUC Minas. [email protected] 3 Professora dos Departamentos de Ciências Biológicas e Educação da PUC Minas. [email protected]
  • date post

    14-Aug-2015
  • Category

    Documents

  • view

    201
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of JOGOS E MODELOS DIDÁTICOS COMO INSTRUMENTOS FACILITADORES....

JOGOS E MODELOS DIDTICOS COMO INSTRUMENTOS FACILITADORES PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. Fernanda Sales Coelho1 Priscilla Guimares Zanella1 Ftima Cristina Ferreira1 Marcelo Diniz Monteiro de Barros2 Thereza Soares Feres3 Linha Temtica: Educao

RESUMO Os mtodos de ensino esto, cada vez mais, sendo pesquisados e aprimorados aps notar-se que cada aluno aprende de uma forma distinta. Um meio para facilitar a construo do conhecimento do aluno seria a utilizao de modelos e jogos didticos que auxiliam no preenchimento de algumas lacunas acerca da matria ministrada. Tendo em vista a dificuldade que professores possam ter em ensinar alguns assuntos da disciplina Biologia, principalmente para alunos com necessidades especiais visuais, destaca-se a importncia de pesquisas acerca de mtodos alternativos de ensino. A deficincia do tipo visual constitui-se em um desafio no processo ensino-aprendizagem, no s por parte dos alunos que possuem este tipo de deficincia, como tambm para os professores, que precisam estar devidamente capacitados para a realizao satisfatria de um trabalho inclusivo. O objetivo deste artigo destacar a importncia e os benefcios da utilizao de jogos e modelos didticos, e como estes podem ser usados e adaptados para alunos com necessidades especiais visuais. Para exemplificar os modelos didticos, utilizou-se modelos construdos por alunos da graduao em Cincias Biolgicas da PUC Minas que foram doados ao Banco de Materiais do Curso de Cincias Biolgicas da referida Universidade. Os jogos e modelos didticos, ento, surgem como alternativa vivel para o aprimoramento do processo de ensino aprendizagem, principalmente, por sua fcil e acessvel produo, pois podem at mesmo ser desenvolvidos pelos prprios alunos deficientes. Ao perceber que mtodos alternativos de ensino so importantes no ensino tradicional, eles se tornam indispensveis para proporcionar percepo e conhecimento aos portadores de deficincia visual, alm de desenvolverem a acuidade dos sentidos e habilidades motoras dos mesmos. Ao destacar a importncia desses mtodos, conclui-se que eles devem1

Acadmicas do curso de Cincias Biolgicas da PUC Minas. [email protected]; [email protected]; [email protected] 2 Professor do Departamento de Cincias Biolgicas da PUC Minas. [email protected] 3 Professora dos Departamentos de Cincias Biolgicas e Educao da PUC Minas. [email protected]

ser pesquisados, para conhecimento crescente de seus benefcios aos alunos, bem como incentivados na educao para que professores obtenham, assim, melhores resultados no processo de ensino. PALAVRAS-CHAVE: Jogos e modelos didticos; ensino de cincias, educao inclusiva para deficientes visuais.

1. INTRODUO A teoria das mltiplas inteligncias, de Gardner, indica que cada estudante aprende de uma forma distinta e cabe a cada professor descobrir alternativas de ensino e aprendizagem que contribuam para o desenvolvimento das competncias dos alunos. Esse fator, associado dificuldade de se ministrar alguns contedos de Biologia, indica a necessidade de se propor atividades alternativas que possam contribuir para o processo de ensino e aprendizagem (MORATORI, 2003). Os PCNs se propem a apresentar materiais de apoio viabilizando o desenvolvimento das prticas, estudos e reflexes por parte dos professores. O documento afirma que toda atividade de sala de aula nica, acontece em tempo e espao socialmente determinados; envolve professores e estudantes que tm particularidades quanto a necessidades, interesses e histrias de vida. Assim, os materiais de apoio ao currculo e ao professor cumprem seu papel quando so fontes de sugestes e ajudam os educadores a questionarem ou a certificarem suas prticas, contribuindo para tornar o conhecimento cientfico significativo para os estudantes (BRASIL, 1998).Segundo Silva et al (2009), o mtodo de ensino-aprendizagem no deve ser unilateral, no qual o professor a fonte soberana de conhecimento. No campo da educao, e especificamente no ensino de cincias, alguns modelos hegemnicos precisam ser problematizados: o professor como tutor do conhecimento, o conhecimento cientfico como o detentor da verdade e o livro didtico como ferramenta nica de ensino.

Durante muito tempo confundiu-se "ensinar" com "transmitir" e, nesse contexto, o aluno era um agente passivo da aprendizagem e o professor um transmissor. A idia de um ensino despertado pelo interesse do aluno acabou transformando o sentido do que se entende por material pedaggico. Seu interesse passou a ser a fora que comanda o processo da aprendizagem, suas experincias e descobertas, o motor de seu progresso e o professor um gerador de situaes estimuladoras e eficazes (MORATORI, 2003).

Alm do impulso gerado pela preocupao em utilizar materiais e mtodos alternativos de ensino, que despertem a curiosidade e facilitem o aprendizado significativo de todos os alunos, a questo da Educao Inclusiva tambm estimula essa discusso. Com o advento da Educao Inclusiva, muitas pesquisas tm sido realizadas no sentido de buscar tcnicas de ensino-aprendizado que viabilizem um melhor desenvolvimento da capacidade intelectual dos alunos com alguma necessidade especial educativa. A defesa da cidadania e do direito educao das pessoas portadoras de deficincia uma atitude latente em nossa sociedade, manifestando-se atravs de medidas isoladas, de indivduos ou grupos. A conquista e o reconhecimento de alguns direitos dos portadores de deficincias podem ser identificados como elementos integrantes de polticas sociais, a partir de meados do sculo XX (MAZZOTTA, 2001). Materiais como modelos e jogos didticos facilitam a construo do conhecimento pelo aluno, pois preenchem algumas lacunas deixadas pelo processo de transmisso e recepo acerca do contedo ministrado. A aprendizagem pode ser facilitada ao se transformar em atividade ldica, pelo simples fato de os alunos se entusiasmarem quando so convidados a aprender de uma forma mais descontrada, interativa e divertida (CAMPOS; BORTOLOTO; FELCIO, 2003). Acredita-se, assim como Kishimoto (1996), que o professor deve rever a utilizao de propostas pedaggicas, passando a adotar em suas prticas aquelas que atuem nos componentes internos da aprendizagem, j que estes no podem ser ignorados quando o objetivo a apropriao de conhecimentos por parte do aluno. Os materiais didticos so ferramentas fundamentais para os processos de ensinoaprendizagem, e os jogos e modelos didticos caracterizam-se como uma importante e vivel estratgia para auxiliar em tais processos, por favorecer a construo do conhecimento pelo aluno (CAMPOS; BORTOLOTO; FELCIO, 2003). Observando as dificuldades de se ministrar alguns assuntos na disciplina Biologia, principalmente para deficientes visuais, o presente artigo pretende destacar a importncia da utilizao de mtodos alternativos de ensino, como jogos e modelos didticos, fornecer dicas acerca da utilizao correta dos mesmos, ressaltar os aspectos que devem ser analisados e adaptaes necessrias para alunos com deficincia visual. Sero tambm fornecidos exemplos do acervo de materiais disponveis no Banco de Materiais Didticos do Curso de Cincias Biolgicas.

2. DESENVOLVIMENTO DOS JOGOS DIDTICOS

O jogo pedaggico ou didtico aquele fabricado com o objetivo de proporcionar determinadas aprendizagens, diferenciando-se do material pedaggico, por conter o aspecto ldico (Cunha, 1988), e utilizado para atingir determinados objetivos pedaggicos, sendo uma alternativa para se melhorar o desempenho dos estudantes em alguns contedos de difcil aprendizagem (Gomes et al, 2001). Nesta perspectiva, o jogo no o fim, mas o eixo que conduz a um contedo didtico especfico, resultando em um emprstimo da ao ldica para a aquisio de informaes (Kishimoto,1996). Jogos podem ser considerados como uma importante alternativa educacional por proporcionarem o desenvolvimento das reas afetiva, cognitiva, social, lingustica, motora e moral, e por contriburem para fomentar a criatividade, autonomia, responsabilidade, criticidade e cooperao dos envolvidos (CAMPOS; BORTOLOTO; FELCIO, 2003). Segundo Stefani & Neves (2004) o jogo didtico deve ser utilizado pelo docente de forma orientada, ou seja, planejada, visando o desenvolvimento de determinadas habilidades e proporcionando o conhecimento de contedos cientficos, isto , durante o jogar o educando deve ser direcionado a observar alguns dos aspectos demonstrados pelo jogo dependendo do que se pretende ensinar. Assim, o jogo ganha, ento, espao como uma til ferramenta na aprendizagem, tendo em vista que desperta o interesse do aluno, desenvolve nveis diferentes de experincia pessoal e social, alm de ajudar em descobertas, construo e aprimoramento da personalidade do indivduo (CAMPOS; BORTOLOTO; FELCIO, 2003). vlido lembrar que cada professor deve analisar e oferecer atividades adequadas a cada fase de desenvolvimento dos alunos (SPIGOLON, 2006). Ao optar pela atividade ldica, esta deve possuir objetivos bem definidos (MORATORI, 2003). Para que um jogo seja til no processo educacional, ele deve promover situaes que despertem o interesse e desafiem o aluno para resolues de problemas, permitindo que os estudantes se autoavaliem quanto ao desempenho e participem ativamente de todas as etapas. Assim, cabe a cada educador explorar e adaptar as situaes cotidianas nas atividades escolares. de suma importncia que o professor domine as idias e os processos com os quais vai trabalhar, para que o aluno possa construir e desenvolver o prprio conhecimento (MORATORI, 2003). Jogos educacionais e pedaggicos so teis somente se acompanhados por algum que analise o jogo e o jogador de modo crtico, tentando sempre voltar a ateno para que a

ferramenta seja instrutiva. Porm, o papel do professor no deve ser o de guiar os passos do aprendiz, mas permitir que a utilizao do jogo no desvie muito do objetivo educacional (MORATORI, 2003). Uma vez que o sistema dos jogos foi estabelecido e obedecido, aprender torna-se divertido, natural e interessante para o aluno que ir assimilar coisas no notadas antes e, assim, o mtodo torna-se uma das maneiras preferidas de aprender, tendo em vista que aprender deixa de ser tedioso e montono (MORATORI, 2003).

3. MODELOS DIDTICOS IMPORTNCIA NO ENSINO DE CINCIAS PARA DEFICIENTES VISUAIS Nos ltimos tempos, um tema que tem estado bastante presente nas pautas de governos, ONGs, grupos de educadores e da sociedade em geral o instigante, mas nem sempre bem compreendido, tema da incluso (FONTANA & VERGARA NUNES, 2006). A Lei de Diretrizes e Bases 9.394 (96) que assegura que a criana deficiente fsica, sensorial e mental, tem o direito de estudar em classes comuns, foi instituda em 1996. Dispe no art. 58, que a educao escolar deve situar-se preferencialmente na rede regular de ensino e determina a existncia, quando necessrio, de servios de apoio especializado. O art. 59 contempla a adequada organizao do trabalho pedaggico que os sistemas de ensino devem assegurar s crianas deficientes, com o objetivo de atender s suas necessidades especficas, assim como a presena de professores preparados, tanto para o atendimento especializado, quanto para o ensino regular, capacitados para auxiliar a integrao desses alunos nas classes comuns. Se a lei garante a incluso em salas regulares, a formao dos professores mostra uma realidade bem diferente que se inicia pela dificuldade deste em lidar com estudantes com alguma necessidade educativa especial (DICKMAN & FERREIRA, 2008). No espao da escola, a incluso social tem o seu lugar garantido por lei e exige esforo e disposio para compreender ordenamentos epistmicos nas reas de saber j constitudas (BRASIL, 2004). O Estatuto da Criana e do Adolescente - ECA -, aprovado no Brasil em 1990, ratifica os direitos da criana e do adolescente, j apontados pela constituio, que se constituem basicamente no atendimento educacional especializado para portadores de deficincia, preferencialmente na rede regular de ensino (COSTAS, 2008). A viso integra todos os estmulos que recebemos atravs dos outros sentidos. No caso das crianas cegas ou com graves limitaes visuais, a maior parte da informao recebida atravs da linguagem oral e pelo sentido do tato, o que confere a estas crianas

caractersticas perceptivas prprias, necessitando por isso de estimulao adicional e/ou da criao de situaes ambientais que conduzam criao de contextos educativos favorveis e, portanto, mais propcios apreenso de estmulos do meio ambiente (CAPUCHA, 2008). O nmero de alunos cegos que chegam s escolas de educao bsica aumenta a cada dia. Entretanto, os docentes continuam a terminar os seus cursos de graduao desconhecendo como devem trabalhar com esse pblico. Estudo de Maciel et al (2007) indicou, em escolas que possuem ou j possuram atendimento a alunos com deficincia visual, que 94,4% dos professores entrevistados no possuem formao especfica em educao especial. O ensino de cincias para portadores de deficincia visual tem sido realizado de uma maneira equivocada, cuja soluo depende da investigao cientfica e da interveno cientificamente embasada e avaliada. Diante desse desafio, toda iniciativa com o propsito de contribuir para a superao desse problema, certamente, de grande importncia (NEVES et al, 2000). Segundo Cerqueira e Ferreira (2000), recursos fsicos que podem ser utilizados em todas as disciplinas, reas de estudo ou atividades, seja qual for o mtodo ou tcnica empregada, que visam auxiliar o educador no processo ensino-aprendizagem, so chamados recursos didticos. Eles so de fundamental importncia, principalmente, na educao de deficientes visuais, levando-se em conta que:

a) Deficientes visuais, em especial, o cego, tm dificuldade de contato com o ambiente fsico; b) O verbalismo utilizado para conduzir a aprendizagem do deficiente visual desvinculado da realidade da mesma; c) A formao de conceitos depende do contato do aluno deficiente com o que est sendo estudado; d) O deficiente, como todas as pessoas, precisa de motivao para a aprendizagem; e) O manuseio desses materiais possibilita o treinamento da percepo ttil, facilitando a discriminao de detalhes e desenvolvendo, assim, a coordenao motora.

Uma pesquisa realizada por Laplane e Batista (2003), identificou algumas das crenas sobre o planejamento de ensino para alunos portadores de deficincia visual, como:

a) Tato uma habilidade bsica e deve ser bem treinada;

b) Modelos tteis so alternativas para o ensino de deficientes visuais; c) A criana com deficincia visual deve ter contato com vrios objetos possibilitem a formao de conceitos; d) Representaes visuais devem ser modificadas para representaes tteis.

Logo, podemos perceber que o desenvolvimento da habilidade do tato fundamental na construo do individuo portador de deficincia visual, tendo em vista que, a partir dessa habilidade, que ele consegue sentir e compreender o mundo que o cerca. Ao visar a que o educando realize suas atividades mais eficientemente, os modelos didticos constituem-se com um meio facilitador, incentivador e estimulante do processo de ensino-aprendizagem (CERQUEIRA; FERREIRA, 2000). O professor de deficientes visuais, segundo Cerqueira e Ferreira (2000), dever levar em conta alguns critrios para alcanar a eficincia desejada na utilizao dos recursos, na seleo, adaptao ou elaborao dos mesmos, como:

a) Tamanho: os materiais devem ser adequados s condies dos alunos, destacarem os detalhes de suas partes componentes; porm, matrias exageradamente grandes podem prejudicar a apreenso da totalidade. b) Significao Ttil: o material precisa possuir um relevo perceptvel e constituir-se de diferentes texturas para destacar as partes componentes. c) Fidelidade: a representao do estudado deve ser to exata quanto o modelo original. d) Facilidade de Manuseio: os materiais devem ser simples e de manuseio fcil, proporcionando ao aluno uma prtica utilizao. e) Resistncia: os recursos didticos devem ser confeccionados com materiais que no se estraguem, considerando o freqente manuseio pelos alunos. f) Segurana: os materiais devem ser seguros e no oferecerem perigo para os educandos.

3.1 Modelos presentes no Banco de Materiais Didticos da PUC Minas

O Projeto de Extenso Biologia na Escola: Utilizao do banco de materiais didticoeducativos para comunidade escolar tem, como objetivo geral, compartilhar materiais produzidos e experincias vivenciadas pelos graduandos do curso de Cincias Biolgicas com

a comunidade educativa nos Ensinos Fundamental e Mdio. Atravs do mesmo, foi possvel a construo de um Banco de Materiais Didticos na PUC Minas (Corao Eucarstico), o qual organiza e disponibiliza jogos e modelos didtico-educativos produzidos pelos alunos do curso. Assim, alguns materiais que se encontram no Banco sero utilizados para exemplificar modelos didticos produzidos para portadores de deficincia visual.

3.1.1 - Modelo de Aves No material de aves, podemos encontrar algumas peas de biscuit, como: a) Diferentes tipos de patas e suas respectivas funes; b) As partes de uma pena; c) Diferentes tipos de bicos e suas respectivas funes; d) Tipos de penas; e) Ovo no fecundado e suas respectivas partes; f) Ovo fecundado e suas estruturas; g) CD-Rom educativo, baseado na obra: Museu virtual das aves, da Revista Galileu.

Figura 1: Modelo de Aves Foto: Fernanda Sales Fonte: Banco de Materiais Didticos do Curso de Cincias Biolgicas da PUC Minas

3.1.2 - Modelo de Clula Vegetal Neste modelo, que representa a Clula Vegetal, esto presentes: a) Membrana Plasmtica;

b) Parede Celular; c) Cloroplasto; d) Mitocndria; e) Complexo de Golgi; f) Retculo Endoplasmtico (liso e rugoso); g) Ncleo (com nuclolo); h) Peroxissomas.

Cada estrutura celular representada o mais parecido com o real possvel, e suas identificaes esto em braile.

3.1.3 - Modelo de Clula Animal Neste modelo, que representa a Clula Animal, esto presentes: a) Membrana Plasmtica; b) Mitocndria; c) Complexo de Golgi; d) Retculo Endoplasmtico (liso e rugoso); e) Ncleo (com nuclolo); f) Peroxissomas.

Cada estrutura celular representada da forma a mais real possvel, e suas identificaes esto em braile.

Figura 2: Modelo de Clulas Foto: Fernanda Sales Figura 2: Modelos de clulas vegetal e animal

Foto: Fernanda Sales Fonte: Banco de Materiais Didticos do Curso de Cincias Biolgicas da PUC Minas

4. CONSIDERAES FINAIS

Tendo em vista a dificuldade de se ensinar algumas matrias de Biologia e da preocupao em desenvolver estratgias didticas que envolvam o tema da incluso, jogos e modelos didticos surgem como alternativa vivel para o aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem, de acordo com o baixo custo para sua produo e pelo fato de serem adaptados pelos prprios alunos, proporcionando, assim, uma maior assimilao do assunto estudado. Se, no ensino tradicional, os mtodos alternativos j so importantes, para pessoas com necessidades educacionais especiais, eles surgem como eficaz ferramenta, por proporcionarem uma oportunidade de percepo e conhecimento que no foram obtidos por recursos visuais, devido dificuldade inerente de sua condio fsica. Alm disso, tambm auxiliam no desenvolvimento da acuidade dos sentidos e da habilidade motora dos mesmos. Ao destacar a importncia e eficcia dos mtodos alternativos citados e sua fcil implementao, vlido ressaltar que o uso destes deve ser incentivado na educao para que se obtenha melhores resultados no processo de ensino.

REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS

BRASIL. Decreto n 5.296.2 de 2 de dezembro de 2004, arts. 5 e 70 que regulamenta as Leis nos 10.048, de 8 de novembro de 2000, que d prioridade de atendimento s pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critrios bsicos para a promoo da acessibilidade das pessoas portadoras de deficincia ou com mobilidade reduzida, e d outras providncias. Disponvel em:

Acesso em 30 set. 2009.

BRASIL, Secretaria de Educao Fundamental. Parmetros Curriculares Nacionais. Terceiro e Quarto ciclos. Cincias Naturais, 1998. Disponvel em:

http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf. Acesso em: 10 de abril de 2009.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTTO, T. M.; FELICIO, A. K. C. A Produo de jogos didticos para o ensino de Cincias e Biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. So Paulo: UNESP, 2003. Disponvel em: .

CAPUCHA, L. Alunos cegos e com baixa viso. Orientaes curriculares. Ministrio da Educao de Portugal. Direo geral de inovao e desenvolvimento curricular. 2008.

CERQUEIRA, J. B. FERREIRA, M. A. Os recursos didticos na educao especial. 15. ed. Rio de Janeiro: Revista Benjamin Constant, 2000.

COSTAS, F. A. T. Educao inclusiva: reflexes acerca do processo e da nova poltica educacional. Revista Educao Cidad, v. 01, p. 32-45, 2008.

CUNHA, N. Brinquedo, desafio e descoberta. Rio de Janeiro: FAE. 1988.

DICKMAN, A.G.; FERREIRA, A.C. Ensino e Aprendizagem de Fsica a estudantes com deficincia visual: desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Pesquisa em Educao em Cincias, vol.8, n.2. 2008.

FONTANA, M. V. L. ; VERGARA NUNES, E. L. . Educao e Incluso de Pessoas Cegas: da Escrita Braile Internet. Revista HISPECI & LEMA, Bebedouro/SP, v. 2, p. 1-6, 2006.

GOMES, R. R.; FRIEDRICH, M. A Contribuio dos jogos didticos na aprendizagem de contedos de Cincias e Biologia. In: EREBIO,1, Rio de Janeiro, 2001.

KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educao. Cortez, So Paulo, 1996.

LAPLANE, A. L. F.; BATISTA, C. G. Um estudo das concepes de professores de ensino fundamental e mdio sobre a aquisio de conceitos, aprendizagem e deficincia visual. In:

CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAO ESPECIAL, 1; CICLO DE ESTUDOS SOBRE DEFICINCIA MENTAL, 9, 2003, So Carlos. Anais... So Carlos: UFSCar, 2003. p. 14-15.

MACIEL C. V., RODRIGUES R. S., COSTA A. J. S. A Concepo dos Professores do Ensino Regular Sobre a Incluso de Alunos Cegos. Revista nossos meios RBC, Ed. 36, abril, 2007.

MAZZOTTA, M. J. S. Educao especial no Brasil: histria e polticas pblicas. 3. ed. So Paulo: Cortez, 2001.

MORATORI, P. B. Por que utilizar jogos educativos no processo de ensino aprendizagem? Rio de Janeiro: UFRJ, 2003. Disponvel em: . em: 10 de mar. 2010.

NEVES, M.C.D.; COSTA, L.G.; CASICAVA, J. E CAMPOS A. Ensino de fsica para portadores de deficincia visual: uma reflexo. Revista Benjamin Constant. Ed. 16. Rio de Janeiro, 2000.

SILVA, B. O. e RIBEIRO, P. R. C. Sexualidade no ensino de Cincias: a revista Capricho enquanto um artefato cultural na sala de aula. VII Enpec, Florianpolis, SC. 2009.

SPIGOLON, R. A importncia do ldico no aprendizado. 2006. Monogrfica (Concluso de Curso de Graduao) Universidade de Campinas, Faculdade de Educao, Campinas.

STEFANI, A.; NEVES. M. G. Ldico em Cincias: jogos educativos podem transformar o trabalho didtico em diverso. Revista do Professor, Porto Alegre, 20 (79): 21-27, jul/set 2004.