Jornal 13ª Edição

of 4/4
Sensibilização pelo Teatro-Fórum Destaques Última Página Página 8 Página 1 Vel. 01 Nul. 13 | Junho 2012 Distribuição Gratuita JEM - Jornal do Escolhas em Movimento RABISCOS DO ESCOLHAS Teatro Forum “Quanto mais me bates...” Testemunhos Página 3 Atividades do Projeto Estagiários, Empreendedorismo... Página 4 / 5 Tertúlias Pais Escola EB 2/3 Augusto Gil Escola EB1 da Fontinha Página 6 / 7 Uma das atividades do projeto é a oficina de tea- tro em que trabalhamos uma metodologia deno- minada “Teatro do Oprimido” (TO), que trabalha a consciencialização, reflexão e discussão de diversas temáticas que, partindo da encenação de uma situação real, estimula a troca de expe- riências entre atores e espectadores, através da intervenção direta na ação teatral, visando a aná- lise e a compreensão da estrutura representada e a busca de meios concretos para ações efetivas que levem à transformação daquela realidade. Neste sentido, o grupo esta presentemente a tra- balhar um tema relacionado com as questões da violência no namoro, abordando os sinais visíveis e dissimulados, os falsos mitos e o sofrimento de quem passa por este problema na primeira pes- soa. A protagonista (oprimida) é “Lu” (Luisa), uma jovem de 17 anos como uma outra qualquer que conhece “Drocas” (Pedro), um rapaz também de 17 anos com comportamentos desviantes. É qua- se tudo perfeito no início da relação até que os pequenos sinais de ciúmes e controlo começam a tornar-se cada vez mais evidentes, ao ponto de o antagonista (opressor), agredir fisicamente Lu. Felizmente Lu não está sozinha, conta com a ajuda e apoio da sua melhor amiga e confidente Teresinha (Teresa), que na metodologia do TO é a “Aliada”. A história termina sem final feliz para Luisa, com a intenção de o público se manifestar e sentir vontade de intervir, mudando este desfe- cho infeliz. Através desta troca de opiniões, desta discussão conjunta em que os próprios espeta- dores são convidados a subir ao palco e trocar com a oprimida, podendo por em prática as suas propostas. De salientar que todas as propostas não podem conter violência, pois a violência gera ainda mais violência e só a partir do diálogo cons- ciente e refletido é que se pode resolver este tipo de questões. Contámos já com quatro apresen- tações em quatro escolas diferentes. Três foram em parceria com a PSP Escola Segura em que nos disponibilizamos a trabalhar este tema de uma forma mais lúdica, mas sem deixar de lado a componente pedagógica, nas escolas EB 2/3 do Viso, EB 2/3 de Francisco Torrinha e EB 2/3 e Se- cundária do Cerco do Porto, no seu conjunto com mais de 200 alunos e professores envolvidos. A ultima foi na Escola Profissional de Raúl Dória em que, mesmo sem o enquadramento legal da PSP, fizemos questão de trabalhar e discutir este tema. Foram sessões muito intensas de discussão, em que o nosso objetivo não é encontrar uma ou “a” solução mágica, mas sim mostrar que é possível sair das diversas “opressões” do nosso dia-a-dia e buscarmos a verdadeira felicidade. D.C. Helder Flávio, 23 anos Junho: - 01 Dia Mundial da Criança; - 04 Dia Internacional das Crianças Vítimas Inocentes de Agressão; - 05 Dia Mundial do Ambiente; - 10 Dia de Portugal; - 12 Dia Mundial contra ao Trabalho Infantil; - 16 Dia da Criança Africana; - 17 Dia Mundial da luta contra a Seca e Desertificação; - 20 Dia Mundial dos Refugiados; - 21 Verão; - 24 Dia de São João; - 25 Dia da Multimédia; - 26 Dia Internacional de Luta contra o Abuso e Tráfico de Drogas; - 26 Dia das Nações Unidas para o Apoio às Vítimas de Tortura; Financiado por: Financiado por: Entidade promotora: Entidade parceiras: FICHA TÉCNICA Redacção e Fotografia: Miguel Felisberto, 9 anos e Bruno Oliveira, 9 anos; Lucas Felisberto, 7 anos; João Vítor, 9 anos; Leonardo Oli- veira, 9 anos; Sofia Reis, 9 anos e Leandro Silva, 9 anos; José Luís, 14 anos; Fernando Jorge Rodrigues Chefe e Supervisor PIPP Equipas Programa Escola Segura, 2º Comando Metropolitano do Porto; Justino César R. Cerqueira Chefe - Coordenador do Programa Escola Se- gura - 3ª Divisão; Manuel Carneiro, 17 anos; Tiago Silva, 16 anos; Daniel Seabra, 18 anos; Escola Profissional Raul Dória - 3º ano, Curso Técnico de Secretariado; Gisela, 15 anos; Ana, 15 anos; Andreia, 15 anos; Joana Silva, 25 anos (Voluntária). Auxiliados por Hélder Flávio, Bruno Pereira e Carla Fernandes. CPCJ – Porto Oriental Comissão de Protecção de Crianças e Jovens Julho: - 01 Dia das Bibliotecas; - 06 Dia Mundial da Cooperação; - 11 Dia Mundial da População; - 12 Dia Mundial contra o trabalho Infantil; - 20 Dia Internacional da Amizade; - 26 Dia Mundial dos Avós; Ag en da 2012-02-16 - Acção de sensibilização, em parceria com a PSP Escola Segura, acerca da temática Violência no Na- moro na Escola EB 2/3 do Viso. Qual é o teu nome e idade? - O meu nome é Luís Martins e tenho 23 anos Qual é a tua função no Escolhas? - Sou psicólogo estagiário da Universidade Cató- lica. Dinamizo várias atividades, mas posso dizer que, ao longo do estágio, dediquei mais tempo à educação para o empreendedorismo na Escola Profissional Raul Dória e ao auxílio nas aulas da Oficina de Música, na Escola EB 2/3 Augusto Gil. Estás a gostar da experiência? - Sim, e a Dr.ª Carla tem ajudado muito nisso. Está sempre preocupada com a minha experi- ência e procura que eu realize atividades muito diferentes, o que faz com que a minha aprendi- zagem seja mais rica. Ouvi dizer que é músico numa banda. Que instru- mento tocas? - Toco bateria numa banda chamada October Hor- se. Se gostarem de barulheira, visitem-nos em www.facebook.com/octoberhorsept Deixa uma mensagem aos jovens. - Aproveitem bem o que o Escolhas vos oferece, porque tem muitas atividades diferentes e desde que o vosso comportamento seja adequado, po- dem-se divertir imenso. Acreditem que não é toda a gente que tem esta oportunidade! Gostei muito de vos conhecer e espero encontrar-vos nova- mente no futuro! Entrevista 2012-02-23 - Acção de sensibilização, em parceria com a PSP Escola Segura, acerca da temática Violência no Na- moro na Escola EB 2-3 Francisco Torrinha.
  • date post

    10-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    222
  • download

    1

Embed Size (px)

description

Jornal Escolhas em Movimento

Transcript of Jornal 13ª Edição

  • Sensibilizao pelo Teatro-Frum

    Destaquesltima Pgina

    Pgina 8 Pgina 1

    Vel. 01 Nul. 13 | Junho 2012 Distribuio Gratuita

    JEM - Jornal do Escolhas em Movimento

    RABISCOS DO ESCOLHAS

    Teatro Forum

    Quanto mais me bates...Testemunhos

    Pgina 3

    Atividades do Projeto

    Estagirios, Empreendedorismo...

    Pgina 4 / 5

    Tertlias Pais

    Escola EB 2/3 Augusto GilEscola EB1 da Fontinha

    Pgina 6 / 7

    Uma das atividades do projeto a oficina de tea-tro em que trabalhamos uma metodologia deno-minada Teatro do Oprimido (TO), que trabalha a consciencializao, reflexo e discusso de diversas temticas que, partindo da encenao de uma situao real, estimula a troca de expe-rincias entre atores e espectadores, atravs da interveno direta na ao teatral, visando a an-lise e a compreenso da estrutura representada e a busca de meios concretos para aes efetivas que levem transformao daquela realidade. Neste sentido, o grupo esta presentemente a tra-balhar um tema relacionado com as questes da violncia no namoro, abordando os sinais visveis e dissimulados, os falsos mitos e o sofrimento de quem passa por este problema na primeira pes-soa. A protagonista (oprimida) Lu (Luisa), uma jovem de 17 anos como uma outra qualquer que conhece Drocas (Pedro), um rapaz tambm de 17 anos com comportamentos desviantes. qua-se tudo perfeito no incio da relao at que os pequenos sinais de cimes e controlo comeam a tornar-se cada vez mais evidentes, ao ponto de o antagonista (opressor), agredir fisicamente Lu. Felizmente Lu no est sozinha, conta com a ajuda e apoio da sua melhor amiga e confidente Teresinha (Teresa), que na metodologia do TO a Aliada. A histria termina sem final feliz para Luisa, com a inteno de o pblico se manifestar e sentir vontade de intervir, mudando este desfe-cho infeliz. Atravs desta troca de opinies, desta discusso conjunta em que os prprios espeta-dores so convidados a subir ao palco e trocar com a oprimida, podendo por em prtica as suas propostas. De salientar que todas as propostas no podem conter violncia, pois a violncia gera ainda mais violncia e s a partir do dilogo cons-ciente e refletido que se pode resolver este tipo de questes. Contmos j com quatro apresen-taes em quatro escolas diferentes. Trs foram em parceria com a PSP Escola Segura em que nos disponibilizamos a trabalhar este tema de uma forma mais ldica, mas sem deixar de lado a componente pedaggica, nas escolas EB 2/3 do Viso, EB 2/3 de Francisco Torrinha e EB 2/3 e Se-cundria do Cerco do Porto, no seu conjunto com mais de 200 alunos e professores envolvidos. A ultima foi na Escola Profissional de Ral Dria em que, mesmo sem o enquadramento legal da PSP, fizemos questo de trabalhar e discutir este tema. Foram sesses muito intensas de discusso, em que o nosso objetivo no encontrar uma ou a soluo mgica, mas sim mostrar que possvel sair das diversas opresses do nosso dia-a-dia e buscarmos a verdadeira felicidade.

    D.C. Helder Flvio, 23 anos

    Junho:

    - 01 Dia Mundial da Criana;- 04 Dia Internacional das Crianas Vtimas Inocentes de Agresso;- 05 Dia Mundial do Ambiente;- 10 Dia de Portugal;- 12 Dia Mundial contra ao Trabalho Infantil;- 16 Dia da Criana Africana;- 17 Dia Mundial da luta contra a Seca e Desertificao;- 20 Dia Mundial dos Refugiados;- 21 Vero;- 24 Dia de So Joo;- 25 Dia da Multimdia;- 26 Dia Internacional de Luta contra o Abuso e Trfico de Drogas;- 26 Dia das Naes Unidas para o Apoio s Vtimas de Tortura;

    Financiado por: Financiado por: Entidade promotora:

    Entidade parceiras:

    FICHA TCNICA

    Redaco e Fotografia: Miguel Felisberto, 9 anos e Bruno Oliveira, 9 anos; Lucas Felisberto, 7 anos; Joo Vtor, 9 anos; Leonardo Oli-veira, 9 anos; Sofia Reis, 9 anos e Leandro Silva, 9 anos; Jos Lus, 14 anos; Fernando Jorge Rodrigues Chefe e Supervisor PIPP Equipas Programa Escola Segura, 2 Comando Metropolitano do Porto; Justino Csar R. Cerqueira Chefe - Coordenador do Programa Escola Se-gura - 3 Diviso; Manuel Carneiro, 17 anos; Tiago Silva, 16 anos; Daniel Seabra, 18 anos; Escola Profissional Raul Dria - 3 ano, Curso Tcnico de Secretariado; Gisela, 15 anos; Ana, 15 anos; Andreia, 15 anos; Joana Silva, 25 anos (Voluntria).

    Auxiliados por Hlder Flvio, Bruno Pereira e Carla Fernandes.

    CPCJ Porto OrientalComisso de Proteco de

    Crianas e Jovens

    Julho:

    - 01 Dia das Bibliotecas;- 06 Dia Mundial da Cooperao;- 11 Dia Mundial da Populao;- 12 Dia Mundial contra o trabalho Infantil;- 20 Dia Internacional da Amizade;- 26 Dia Mundial dos Avs;

    Agenda

    2012-02-16 - Aco de sensibilizao, em parceria com a PSP Escola Segura, acerca da temtica Violncia no Na-moro na Escola EB 2/3 do Viso.

    Qual o teu nome e idade?

    - O meu nome Lus Martins e tenho 23 anos

    Qual a tua funo no Escolhas?

    - Sou psiclogo estagirio da Universidade Cat-lica. Dinamizo vrias atividades, mas posso dizer que, ao longo do estgio, dediquei mais tempo educao para o empreendedorismo na Escola Profissional Raul Dria e ao auxlio nas aulas da Oficina de Msica, na Escola EB 2/3 Augusto Gil.

    Ests a gostar da experincia?

    - Sim, e a Dr. Carla tem ajudado muito nisso. Est sempre preocupada com a minha experi-ncia e procura que eu realize atividades muito diferentes, o que faz com que a minha aprendi-zagem seja mais rica.

    Ouvi dizer que msico numa banda. Que instru-mento tocas?- Toco bateria numa banda chamada October Hor-se. Se gostarem de barulheira, visitem-nos em www.facebook.com/octoberhorsept

    Deixa uma mensagem aos jovens.

    - Aproveitem bem o que o Escolhas vos oferece, porque tem muitas atividades diferentes e desde que o vosso comportamento seja adequado, po-dem-se divertir imenso. Acreditem que no toda a gente que tem esta oportunidade! Gostei muito de vos conhecer e espero encontrar-vos nova-mente no futuro!

    Entrevista

    2012-02-23 - Aco de sensibilizao, em parceria com a PSP Escola Segura, acerca da temtica Violncia no Na-moro na Escola EB 2-3 Francisco Torrinha.

  • Atividades com Pais e Professores

    Novidades

    Pgina 2 Pgina 7

    Dra. Maria do Carmo da FEP-UCP dinamiza conversa com as famlias.

    1 FRUM EPD

    R

    Formao e Qualificao

    no Comrcio e nos Servios -

    Que desafios na atualidade

    29 de junho de 2012 | Universida

    de

    Catlica Portuguesa - Porto

    Auditrio 1 | Campus da Foz | 9h0

    0 - 17h00

    Ao com Professores: CPCJ na EP Ral Dria

    No dia 27 de Abril, foi realizada uma ao de sensibilizao promovida pelo Escolhas em Mo-vimento na Escola Profissional Ral Dria no mbito das comemoraes do ms dos maus--tratos. Esta ao foi dirigida aos professores com o objetivo de sensibilizar para as questes associadas negligncia jovem e infantil. Ao longo da ao foi possvel compreender o funcionamento das Comisses de Proteco de Crianas e Jovens, nomeadamente no que se refere sua hierarquia, indicadores de sinalizao e formas de atuao. Os professores mostraram-se bastante interessados em compreender qual o seu papel no contexto escolar, at porque tinham conhecimento de situaes que mereciam um olhar mais atento da CPCJ e no sabiam como atuar. Em sntese, julgo que esta ao foi muito gratificante para os pro-fessores pois foram informados e sensibilizados para a importncia do seu papel enquanto agentes educativos neste mbito.

    Joana Silva, 25 anos (Voluntria)

    Ms da Preveno dos Maus Tratos

    No mbito da mediao escola-comunidade promovida pelo projeto, e a propsito da comemorao do ms da preveno dos maus-tratos, foram dinamizadas trs aes com os professores das escolas que so parceiras do projeto Escolhas em Movimento. A primeira decorreu no dia 11 de abril na Escola EB 2-3 Augusto Gil, de-pois no dia 26 de abril na Escola EB 1 da Fontinha e, finalmente, no dia 27 de abril na Escola Profissional Raul Dria. Estas aes contaram com a colaborao de trs tcnicas da Comisso de Proteo de Crianas e Jovens Porto Oriental, tambm parceira do projeto. Cada vez mais, as escolas lidam com problemas para as quais parecem ainda no estar suficientemente preparadas e so confrontadas com situaes em relao s quais no fcil dar resposta. O objetivo do projeto foi o de tentar partilhar com as escolas informao acerca de como estas se podem articular com outras entidades da comunidade, promovendo a discusso volta do sistema de promoo e prote-o, dos indicadores de perigo e da interveno da educao. No total participaram cerca de 75 professores e funcionrios das escolas e, mais importante que isso, foi o interesse e envolvimento revelados na discusso por todos quantos nela partici-param.

    Carla Fernandes, coordenadora do projeto

    Conversa com famlias

    No ms de maio celebrou-se o Dia Internacional da Famlia (15 de maio) e para comemorar esta data o projeto Escolhas em Movimento, a partir da parceria com a Escola EB 2-3 Augusto Gil e com a FEP - UCP (Faculdade de Educao e Psico-logia - Universidade Catlica Portuguesa), dinamizou no passado dia 18 de maio mais uma tertlia com os pais e encarregados de educao acerca da temtica da adolescncia. Esta iniciativa conjunta pretendeu promover a aproximao e o contacto entre a escola e a famlia e ajudar os pais a lidarem com os problemas na educao dos seus filhos. A sesso Eu arrisco, tu arriscas! - Comportamentos de risco na adolescncia do Programa Aprender a Educar contou com a colaborao da Dra. M do Carmo Carvalho, psicloga e docente da FEP UCP.Esta ao foi um sucesso relativamente a iniciativas anteriores do mesmo gnero, conseguimos mobilizar 18 pais e encarregados de educao que puderam partilhar dvidas, dificuldades e at histrias da sua prpria infncia e adolescncia. Foi um momento proveitoso e agradvel para todos!

    Carla Fernandes, coordenadora do projeto

    Tertlia com os pais na Escola EB 2/3 Augusto Gil

    Ao da CPCJ Porto Oriental na EB 2/3 Augusto Gil.

    Ao da CPCJ Porto Oriental na EB1 da Fontinha.

    Ao da CPCJ Porto Oriental na EP Raul Dria.

  • Escola EB1 da Fontinha

    Pgina 6 Pgina 3

    Higiene e segurana para as crianas

    Escove os dentes depois das refeies e tome banho, mas no demore, porque no pode gas-tar muita gua. Veste o pijama e arruma a cama, nada de brincar e durma, porque tem que acor-dar cedo e ainda tem que se arrumar e comer, escovar os dentes, pegar na mochila e ir para a escola e no v sozinho, porque os carros vm na maior velocidade. No atravesse sem olhar para os lados tem que olhar para a esquerda e para a direita.

    Joo Vtor, 9 anos

    Dia mundial da criana

    No dia 1 de Junho o dia mundial da criana. Este dia devia-se comemorar no dia 20 de No-vembro, data que o ONU reconhece como o dia mundial da criana por ser a data em que foi aprovada a declarao dos direitos da criana, porm a data efetiva da comemorao varia de pases para pases. Em Portugal, o dia da crian-a celebra-se no dia 1 de junho.

    Miguel Felisberto, 9 anos e Bruno Oliveira, 9 anos

    O DIA MUNDIAL DO LIVRO

    O dia mundial do livro foi no dia 23 de Abril. Neste dia os pais foram escola ler umas histrias com as crianas. Havia histrias diferentes, porque os pais no contavam histrias iguais. Ns tambm lemos poemas diferentes. Chegmos sala to-dos felizes, porque os pais bateram palmas e ns adormos.Tambm veio nossa escola uma senhora que era poeta e atriz, ela leu-nos uns poemas na bi-blioteca da escola.

    Lucas Felisberto, 7 anos

    O grande torneio de futebol

    O torneio de futebol comeou no dia 25 de Abril, as professoras avisaram-nos no dia 23 de Abril e disseram-nos que amos jogar futebol para Foz. Ficamos muito felizes, a professora Ana e a professora Raquel eram as treinadoras.Foram escolhidos 16 alunos das AECs. Quando chegamos l estava a chover muito e mandaram--nos para casa e disseram-nos para vir jogar tarde.Fomos jogar s 13h30, perdemos o primeiro jogo e ganhmos o segundo. Gostei muito de jogar os primeiros jogos!

    Leonardo Oliveira, 9 anos e Miguel Felisberto, 9 anos

    Provas de aferio

    As provas de aferio decorreram no dia 9 de maio, mas s foi a de lngua portuguesa. No dia 11 de maio foi a prova de aferio de ma-temtica.Estas provas servem para testar os meninos para irem para o 5 ano. Cada prova dividida pelo o caderno 1 e pelo caderno 2.A prova de matemtica foi um pouco difcil, mas a de lngua portuguesa foi fcil.

    Sofia Reis, 9 anos e Leandro Silva, 9 anos

    Dra Lurdes Verssimo da FEP-UCP dinamiza sesso com os pais no dia da criana

    Tertlia com os pais na EB 1 da Fontinha

    Dia Mundial da

    CrianaTertlia na EB1 da

    Fontinha

    Teatro Forum

    A nossa ltima (para j) apresentao de TO

    No dia 22 de maio de 2012 o grupo de teatro foi a escola de Ral Dria com a inteno de con-seguir mais pessoas para o grupo, pois o grupo no tinha muitos participantes ento ns fomos (tambm tive vontade porque uma pessoa especial me pediu para la ir xD). A apresentao da nossa pea Quanto mais me bates acerca da violncia no namoro correu bem e consegui-mos uma boa participao da parte do pblico. Chegamos la escola e esperamos que o Dr Carla nos indicasse onde ia ser a nossa sala de apresentao. Ento fomos para a sala onde iria decorrer a pea para nos vestimos e aquecermos um bocadinho, para depois comearmos o ensaio corrido. Isto eu no devia contar mas pronto, estvamos ento no ensaio antes de come-ar a apresentao e na primeira parte em que eu entro como Kevin Mars, uma personagem que chegou a Portugal h j alguns anos mas fez um curso e deixou de estudar mais porque no se queria esforar, ento comeou a experimentar drogas com o Opressor, o Drocas (Fbio parra). Este tambm decidiu entrar no mundo das drogas porque o Drocas era quase igual ao Kevin, andou a tirar um curso s que deixou e passou tambm para o lado das drogas, mas todos nos conhecemos porque somos do mesmo bairro que, na pea, chama-se Bairro da Corujeira. H, j me ia esquecer, a Aliada que na pea a Teresinha (Ana Serrano) e da Oprimida e personagem principal na pea, Lu (Diana Bessa). Depois da apresentao estivemos a arrumar tudo enquan-to uns falavam com a diretora da escola e por fim fomos embora.

    Jos Lus, 14 anos

    Testemunho da PSP Escola Segura

    Os alunos do 6 G e E, do 9 A e 10 G, da escola do Cerco, num total de 70, puderam assistir pea de teatro subordinado ao tema VIOLNCIA NO NAMORO, cuja cena principal era sobre uma jovem que inicia um namoro com um rapaz violento que logo a comea a maltratar. Em seguida, atravs do dinamizador da pea, lanado o debate aos alunos ali presentes, questionando-os sobre que estava errado na cena e convidando-os a irem ao palco tentar mudar o desfecho da mesma perso-nificando o papel da vtima.

    Este desafio lanado de uma forma ldica mas pedaggica, teve como resultado, esclarecer os alu-nos da fronteira entre os direitos e deveres, dando exemplo de aes negativas praticadas no mbito de uma relao perversa, muitas vezes violadora da liberdade e respeito pelo outro. Assim, de uma forma simples e original, recorrendo linguagem dos jovens com enxertos de vivncias do seu quo-tidiano, o Vosso grupo de teatro conseguiu abordar o tema da violncia no namoro e sensibilizar os presentes para uma melhor cidadania. Por este motivo e pelo empenho que demonstraram em palco o meu bem hajam.

    Justino Csar R. CerqueiraChefe - Coordenador do

    Programa Escola Segura - 3 Diviso

    Escola do Cerco - Violncia no namoro.

    Escola do Cerco - Violncia no namoro.

    Escola do Viso - Violncia no namoro.

    Tertlia com os pais na escola da Fontinha

    No passado dia 1 de Junho (dia mundial da criana) o Escolhas em Movimento promoveu uma tertlia com os pais cujos filhos frequentam a escola da Fontinha. Esta ao contou com a participao da Dra. Lurdes Verssimo docente da Faculdade de Psicologia e de Educao da Universidade Catlica do Porto.A tertlia teve como principal objectivo a discus-so de temas ligados educao, nomeadamen-te quando castigar e quando premiar uma crian-a, bem como a forma mais correta de o fazer. Esta ao teve um carter bastante prtico, no sentido em que a exposio dos contedos foi baseada em exemplos do quotidiano, onde os pais colocavam as suas dvidas e partilhavam as suas prticas, bem como a forma como agiam em determinadas situaes. Em ltima anlise, de salientar a importncia de aes desta n-dole, uma vez que promove o enriquecimento de boas prticas educativas e pedaggicas o que, por fim, enriquece a relao entre pais e filhos. Uma ltima nota para dizer que a participao dos pais neste tipo de iniciativa tem sido bastante boa, em que se denota envolvncia com os te-mas e vontade de evoluir com os mesmos.

    Joana Silva, 25 anos (Voluntria)

    () Tenho a comunicar que fiquei bastante sa-tisfeito com a realizao das sesses de teatro--frum. A mensagem, segundo me pareceu e posteriormente me foi comunicado pelos diver-sos professores, foi de que a mesma foi perfeita-mente compreendida pelos alunos, o que alis se diga o mais importante. Assim julgo que iniciati-vas destas so para continuar e que esta Polcia, nomeadamente o MIPP Programa Escola Se-gura da 2. Diviso, est disponvel e interessa-do em poder realizar mais atividades em parceria com os vossos servios. () Em diversas reu-nies realizadas com professores que estiveram presentes, foi sempre transmitido que os alunos gostaram imenso e que esto sempre a pergun-tar quando que se realizam outras. Como nota final realo que existiram abordagens com diver-sos alunos que no assistiram s sesses de teatro-frum, os quais manifestaram bastante in-teresse em que estas atividades tambm fossem realizadas com eles.

    Fernando Jorge RodriguesChefe e Supervisor PIPP Equipas Programa

    Escola Segura, 2 Comando Metropolitano do Porto

  • Pgina 4 Pgina 5

    Carlos Francisco, Miguel Almeida e Geraldo Moura foram alguns dos jovens que participaram no evento.

    Empreendedorismo

    Ser empreendedor ter a capacidade de ser inovador, ter iniciativa para criar novas ideias, em que os outros vejam VALOR no projeto que propomos. Est ao alcance de qualquer um, atravs do de-senvolvimento das nossas prprias capacidades, do nosso empenho e da nossa fora de vontade. Assim, uma pessoa empreendedora no apenas aquela que tem uma ideia, mas sim aquela que passa do sonho para a ao, que nem sempre a obteno de lucros, pode simplesmente ser a alterao, mesmo que mnima, de uma realidade. No fcil ser empreendedor e tornar os sonhos ou as ideias realidade, pois, como j referido, tal envolve muita determinao e empenho para ultrapassar todos os obstculos e barreiras com que nos vamos deparando ao longo do percurso. Ao longo de tudo o percurso do curso, tivemos obstculos com os quais tivemos de ultrapassar, sendo o primeiro, a definio das ideias para os projetos da turma, a realizao de algumas dicas da semana, como por exemplo, quando precisamos de ir falar com outras pessoas para realizar essas mesmas, o obstculo de conseguir definir tudo o processo de desenvolvimento do projeto para que o mesmo fosse vivel, e por fim, realizar a apresentao do nosso projeto para a professora Erclia Gama. As aulas de empreendedorismo, foram ao longo de todas as sesses muito dinmicas, o que fez com que nos motivssemos, desenvolvssemos capacidades, porque em todas as sesses, ha-via sempre dinmicas de grupo relacionado com aquela sesso. Salientamos a importncia da ltima aula, porque foi nessa aula, que apresentamos o projeto para a professora Erclia, que no acompanhou os projetos desenvolvidos e tendo colocado questes sobre os mesmos, aps a apresentao de cada projeto. Fez tambm um comentrio sobre a viabi-lidade e deu a sua opinio pessoal. Foi muito bom, porque pela primeira vez, tivemos uma opinio externa, podendo assim verificar aspetos que no estavam totalmente corretos, de modo a melhorar os nossos projetos. Com o Curso de Empreendedorismo aprendemos a desenvolver projetos em-preendedores, sendo importante para o nosso futuro, porque em tempos de crise, uma mais-valia sabermos como ser criativos e a colocar em prtica de forma empreendedora as nossas ideias.

    Escola Profissional Raul Dria3 ano, Curso Tcnico de Secretariado

    Projeto - Atividades

    III Intercmbio Online

    Ol! No dia 18 de Maio, pela 3 vez o Projeto Escolhas em Movimento realizou um Intercm-bio Online cujo tema era o Dia Mundial da Di-versidade Cultural para o Dilogo e o Desen-volvimento. Esta atividade teve a durao de quatro horas (entre as 14h e as 18h) e contou com a presena de cerca de 51 jovens de v-rias zonas do pas como Lisboa, Povoa do Var-zim, Fundo, Porto, entre outras, que durante a tarde desenvolveram quatro atividades. Estas atividades estavam relacionadas com diver-sos temas como lnguas, educao, economia, comunicao, cultura, tradies, gastronomia, entre outras, para que os jovens entendessem a importncia da diversidade cultural dos di-ferentes pases de origem ou mesmo das di-ferentes zonas demogrficas do nosso pas. Este Intercmbio teve o objetivo de que cada jovem tivesse contato com outras culturas uti-lizando um recurso cada vez mais utilizado e apelativo para os jovens as novas tecnolo-gias, nomeadamente a rede social Facebook a fim de promover o conhecimento, a aceitao e o dilogo inter-cultural intra-projetos. O nos-so projeto pretende que cada jovem enriquea a sua cultura, conhecimento e que entenda o significado de diversidade cultural.

    Monitor CID Bruno Pereira, 25 anos

    Mega Torneio Inter--Instituies

    Ol, tudo bem? Vou-vos contar como decorreu o dia 2 de Junho. Pelas 10 horas foi realizado o Mega Torneio de futebol no Perptuo Socor-ro, onde se encontraram 3 instituies: o Institu-to Profissional do Tero, o Internato So Joo e o Centro Juvenil de Campanh. A nossa equipa era composta pelo Antnio Soares, Jnior, Andr Peixoto, Jlio Csar, Paulo Andr, Paulo Filipe, Ricardo gomes, Ricardo, Manuel Carneiro, Vtor Valongo, Carlos Manuel, Ruben Duarte e a equi-pa tcnica era constituda pelo Nino Gomes e Dr. Igor Magalhes. O primeiro jogo foi entre o Cen-tro Juvenil de Campanh e o Internato So Joo, onde o Internato So Joo ganhou por 4:1. De seguida foi Instituto Profissional do Tero contra Centro Juvenil de Campanh onde empatamos 1:1. Depois de um pequeno intervalo de 10 minu-tos, recomeou novamente o torneio com o Inter-nato So Joo contra o Instituto Profissional do Tero, em que o resultado ficou empatado a 5 bo-las. No entanto na classificao final, o Interna-to So Joo sagrou-se campeo porque venceu todos os jogos e ns empatmos um. Quem en-tregou as taas foi a nossa querida Dra Manue-la Cardoso que, depois da sesso fotogrfica, todos os jogadores se dirigiram para IPT onde houve um piquenique entre todas as equipas. Eu gostei deste dia porque voltei a falar com amigos que j no falava h algum tempo e apesar de termos perdido o importante foi participar.

    Manuel Carneiro, 17 anos

    Voluntariado com o Banco Alimentar

    Ol a todos! Eu chamo-me Tiago e fui um dos 37.500 voluntrios que recolheram ao todo 2.640 to-neladas de produtos alimentares para as famlias portuguesas mais carenciadas no fim-de-semana de 26 a 27 de Maio. Esta iniciativa do Banco Alimentar foi bem aceite pelos portugueses, visto pelos produtos que estes doaram. Entretanto,tive de fazer um trabalho oral a Ingls com um tema minha escolha e eu escolhi o tema Helping Others,ou seja, ajudar os outros. Na altura da minha exposio oral falei do voluntariado que fiz no MiniPreo e a professora adorou o enquadramento do tema que escolhi com a boa aco que fiz. A professora deu-me 19 valores e isso ajudou-me muito a melhorar a minha nota :)

    Tiago Silva, 16 anos

    Ola, eu sou o Daniel e no dia 11 de Abril come-cei a fazer o meu estgio no Projeto Escolhas em Movimento. Durante este tempo fiz cinco mdulos da Literacia Digital: Princpios bsicos dos computadores, A internet e a World Wide Web, Programas de produtividade, Segurana e privacidade no computador e Estilos de Vida Digitais. Estes mdulos pertencem ao currculo da Microsoft, como manuais de aprendizagem, isto , deu para aprender muitas coisas que no sabia e acrescentei mais cinco diplomas ao meu currculo pessoal o que timo. Durante o meu estgio aprendi algumas coisas que no sabia, como por exemplo: configurar IPs, limpeza de um computador entre outras. Foi bom e muito produ-tivo. Ainda tentei fazer a formao CISCO, mas j tinha pouco tempo e esta formao requer um empenho e uma dedicao maior. sem dvida uma boa formao e diploma mas muito difcil. Quanto ao meu curso, j terminou e eu consegui concluir o 9 ano. Neste momento estou a repor os dias que faltei durante o estgio. Na minha opinio, foi muito bom estagiar no projeto porque j conhecia as pessoas e elas voltaram a superar as espectativas.Abrao

    Daniel Seabra, 18 anos

    O meu estgio no CID

    Instalao e manuteno de computadores - reparao da placa grfica.

    Turma de 3 ano - Curso Profissional de Tcnico de Secretariado. Turma de 3 ano - Curso Profissional de Tcnico de Secretariado numa sesso de sandes inovadoras.

    Equipa de futsal do IPT - 2 lugar

    Ol! Ns somos a Ana, a Gisela e a Andreia e fre-quentamos a escola Augusto Gil, onde estamos a terminar o curso de instalao e manuteno de computadores. No entanto, para concluirmos o curso com xito precisamos de acabar o est-gio. O nosso estgio decorre no mbito do pro-jecto Escolhas em Movimento no Instituto Profis-sional do Tero mais propriamente no Centro de Incluso Digital, mais conhecido por [email protected] Todos os dias entramos s 14:00h e saimos s 19:00h, excepcionando Tera que entramos s 10:00h (um pouco mais cedo que o habitual).Relativamente ao objetivo do estgio, suposto aprendermos os 5 mdulos da Literacia Digital, que contm os Princpios Bsicos dos Compu-tadores, Programas de Produtividade, Esti-los de Vida Digitais, A Internet e a World Wide Web e finalmente a Segurana e Privacidade no Computador. Para j est a correr bem porque, depois de algum estudo e de termos feito o teste, conclumos o primeiro mdulo. Agora continuar o bom empenho para terminarmos com sucesso e sentimento de misso cumprida o nosso est-gio!

    Gisela, 15 anos; Ana, 15 anos; Andreia, 15 anos

    O Nosso Estgio no IPT

    Gisela ( esquerda), Andreia (centro) e Ana ( direita) no espao [email protected]

    No dia 9 de junho noite, fui ver uma curta-metragem ao Museu de Serralves do gnero fico--documentrio chamada Nunca pensei que o bairro viesse abaixo. A curta-metragem foi apoia-da pelo Programa Escolhas e fala-nos de um jovem que vive no Bairro do Aleixo e tem um grupo de amigos. Na altura em que este chega a casa recebe a aterradora notcia de que a Torre n 5 do seu bairro iria abaixo (o rapaz morava na Torre n 5), ficou indignado e foi obrigado a mudar--se para outro local, afastando-se dos seus amigos. Havia partes da curta-metragem em que havia ex-moradores do bairro do Aleixo a comentarem o seu despejo obrigatrio. Havia uns que concordaram com a demolio da torre n 5 e outros ficaram indignados, pois o terreno iria ser aproveitado para serem construdos um hotel e uma estrada. As pessoas entrevistadas estavam presentes na apresentao do filme e foram aplaudidas.

    Tiago Silva, 16 anos