Jornal do Investidor 51

of 4/4
O primeiro trimestre foi bastante positivo para a CPFL Energia. No seg- mento de distribuição, as altas temperaturas verificadas no país no início do ano contribuíram para o bom desempenho dos segmentos residen- cial e comercial, que cresceram 13,5% e 11,3%, respectivamente. Assim, as vendas na área de concessão da empresa registraram um dos maiores crescimentos da sua história no comparativo anual: alta de 7% comparada ao crescimento de 6% no Brasil. Outro destaque dos três primeiros meses do ano foi obtido pelo seg- mento de comercialização, que, diante de um cenário de escassez hídrica, trabalhou com uma sobrecontratação de energia em relação aos com- promissos de entrega, liquidando o excesso no mercado de curto prazo, a preços elevados. Essa estratégia combinada com a carteira de obras da CPFL Serviços resultou em um EBITDA de R$ 77 milhões durante o primei- ro trimestre, mais do que o total gerado em todo o ano passado. Esses números contribuíram para que a CPFL Energia registrasse lucro líquido de R$ 174 milhões no primeiro trimestre, com uma receita opera- cional líquida de R$ 3,7 bilhões e EBITDA de R$ 787 milhões. A empresa investiu, entre janeiro e março, R$ 240 milhões para aumentar a eficiência de suas operações. Cabe destacar ainda que, em 8 de maio, a companhia distribuiu R$ 568 milhões (R$ 0,59 por ação) aos seus acionistas, em divi- dendos complementares, referentes ao segundo semestre de 2013. RELAÇÕES COM INVESTIDORES | 51 | ANO 10 | ABRIL-JUNHO DE 2014 Investidor CPFL Vendasnaáreade concessãobatem recordehistórico Nesta edição 3 CPFL Paulista e RGE têm tarifas reajustadas 3 CPFL Paulista é eleita a melhor empresa de energia 2 Complexo Eólico Macacos I está apto a operar O ano de 2014 tem sido desafiador para o setor elétrico. A escassez de chuvas e as altas temperaturas registradas no início do ano exi- giram o acionamento de usinas térmicas para poupar água nos reservatórios das hidrelétricas e elevaram o preço da energia no mercado de curto prazo. Esse cenário vinha pressionando o caixa das distribuidoras, dada a forte eleva- ção nos custos de compra de energia, que só podem ser repassados ao consumidor final no reajuste tarifário anual. Diante deste cenário, a CPFL Energia lide- rou, juntamente com a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia (Abradee), uma frente de diálogo com o governo federal e a Aneel, para mitigar esses impactos. O esforço culminou em um pacote de medidas, anun- ciado em março de 2014, que injetou no seg- mento de distribuição R$ 12,4 bilhões em re- cursos e possibilitou a realização de um leilão, no final de abril, para contratação imediata de energia. Tais ações resolveram boa parte das dificuldades enfrentadas pelo setor. Quanto ao desempenho da CPFL Energia neste primeiro trimestre de 2014, gostaria de destacar a recontratação da energia prove- niente da Usina Serra da Mesa, em condições bastante vantajosas para nós. Já a nossa subsi- diária CPFL Renováveis concluiu a construção do Complexo Eólico Macacos I, que foi conside- rado apto a operar pela Aneel desde o início de maio. Destaco ainda o excelente desempenho do nosso segmento de comercialização, fruto da correta estratégia adotada, que permitiu a obtenção de uma sobra de energia e a liquida- ção desse montante a preços elevados no mer- cado de curto prazo. Estamos cientes de que este é um ano di- fícil e volátil. Por outro lado, é justamente nos ambientes adversos que as oportunidades emergem. Por este motivo, tenho trabalha- do juntamente com toda minha equipe para colocar a CPFL Energia em uma posição de vanguarda, buscando nos antecipar aos mo- vimentos do setor, sempre baseados em uma estratégia financeira sólida e conservadora e uma busca incessante de eficiência. Wilson Ferreira Jr. Presidente da CPFL Energia Palavra do Presidente DESTAQUES 1T14 Crescimento de 7,0% nas vendas na área de concessão - residencial (+13,5%) e comercial (+11,3%); Aporte de CDE no montante de R$ 1.170 milhões no 1T14, para cobertura de exposição involuntária e despacho de térmicas; Comercialização e Serviços - EBITDA de R$ 77 milhões no 1T14; Expansão CPFL Renováveis: (i) aprovações do CADE (abr/14) e ANEEL (mai/14), relativas à associação com a DESA, e (ii) conclusão da construção do complexo eólico Macacos I (mai/14); Pagamento em 08/mai de R$ 568 milhões (R$ 0,59/ação) em dividendos complementares, referentes ao 2S13, com dividend yield de 4,8% (Últ. 12M); Aumento de 16,6% no volume médio diário de negociação das ações (BM&FBOVESPA + NYSE), atingindo R$ 44,4 milhões; aumento de 59,9% no número de negócios (BM&FBOVESPA), atingindo uma média diária de 6.292; Implantação da CPFLTelecom: cobertura de 10 cidades e 544 km de redes implantados. IFRS EBITDA 1T13 R$ 1.055 milhões 1T13 R$ 1.081 milhões 1T14 R$ 787 milhões 1T14 R$ 1.086 milhões IFRS Lucro Líquido 1T13 R$ 405 milhões 1T13 R$ 429 milhões 1T14 R$ 174 milhões 1T14 R$ 396 milhões -7,9% +0,5% +8,2% Receita Líquida IFRS Gerencial* Gerencial* Gerencial* *IFRS+ConsolidaçãoProporcional+AtivosePassivosRegulatórios-Itensnão-recorrentes 1T13 R$ 3.457 milhões 1T13 R$ 3.517 milhões 1T14 R$ 3.739 milhões 1T14 R$ 3.827 milhões -25,4% -57,0% +8,8%
  • date post

    01-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    215
  • download

    1

Embed Size (px)

description

O Newsletter Investidor CPFL é uma publicação trimestral desenvolvida pela área de Relações com Investidores com o auxílio da Diretoria de Comunicação Empresarial e Relações Institucionais.

Transcript of Jornal do Investidor 51

  • O primeiro trimestre foi bastante positivo para a CPFL Energia. No seg-mento de distribuio, as altas temperaturas verificadas no pas no incio do ano contriburam para o bom desempenho dos segmentos residen-cial e comercial, que cresceram 13,5% e 11,3%, respectivamente. Assim, as vendas na rea de concesso da empresa registraram um dos maiores crescimentos da sua histria no comparativo anual: alta de 7% comparada ao crescimento de 6% no Brasil.

    Outro destaque dos trs primeiros meses do ano foi obtido pelo seg-mento de comercializao, que, diante de um cenrio de escassez hdrica, trabalhou com uma sobrecontratao de energia em relao aos com-promissos de entrega, liquidando o excesso no mercado de curto prazo, a preos elevados. Essa estratgia combinada com a carteira de obras da CPFL Servios resultou em um EBITDA de R$ 77 milhes durante o primei-ro trimestre, mais do que o total gerado em todo o ano passado.

    Esses nmeros contriburam para que a CPFL Energia registrasse lucro lquido de R$ 174 milhes no primeiro trimestre, com uma receita opera-cional lquida de R$ 3,7 bilhes e EBITDA de R$ 787 milhes. A empresa investiu, entre janeiro e maro, R$ 240 milhes para aumentar a eficincia de suas operaes. Cabe destacar ainda que, em 8 de maio, a companhia distribuiu R$ 568 milhes (R$ 0,59 por ao) aos seus acionistas, em divi-dendos complementares, referentes ao segundo semestre de 2013.

    RELAES COM INVESTIDORES | 51 | ANO 10 | ABRIL-JUNHO DE 2014

    Investidor CPFLVendas na rea de concesso batem recorde histrico

    Nesta edio

    3CPFL Paulista e RGE tm tarifas reajustadas

    3CPFL Paulista eleita a melhor empresa de energia

    2Complexo Elico Macacos I est apto a operar

    O ano de 2014 tem sido desafiador para o setor eltrico. A escassez de chuvas e as altas temperaturas registradas no incio do ano exi-giram o acionamento de usinas trmicas para poupar gua nos reservatrios das hidreltricas e elevaram o preo da energia no mercado de curto prazo. Esse cenrio vinha pressionando o caixa das distribuidoras, dada a forte eleva-o nos custos de compra de energia, que s podem ser repassados ao consumidor final no reajuste tarifrio anual.

    Diante deste cenrio, a CPFL Energia lide-rou, juntamente com a Associao Brasileira de Distribuidores de Energia (Abradee), uma frente de dilogo com o governo federal e a Aneel, para mitigar esses impactos. O esforo culminou em um pacote de medidas, anun-

    ciado em maro de 2014, que injetou no seg-mento de distribuio R$ 12,4 bilhes em re-cursos e possibilitou a realizao de um leilo, no final de abril, para contratao imediata de energia. Tais aes resolveram boa parte das dificuldades enfrentadas pelo setor.

    Quanto ao desempenho da CPFL Energia neste primeiro trimestre de 2014, gostaria de destacar a recontratao da energia prove-niente da Usina Serra da Mesa, em condies bastante vantajosas para ns. J a nossa subsi-diria CPFL Renovveis concluiu a construo do Complexo Elico Macacos I, que foi conside-rado apto a operar pela Aneel desde o incio de maio. Destaco ainda o excelente desempenho do nosso segmento de comercializao, fruto da correta estratgia adotada, que permitiu a

    obteno de uma sobra de energia e a liquida-o desse montante a preos elevados no mer-cado de curto prazo.

    Estamos cientes de que este um ano di-fcil e voltil. Por outro lado, justamente nos ambientes adversos que as oportunidades emergem. Por este motivo, tenho trabalha-do juntamente com toda minha equipe para colocar a CPFL Energia em uma posio de vanguarda, buscando nos antecipar aos mo-vimentos do setor, sempre baseados em uma estratgia financeira slida e conservadora e uma busca incessante de eficincia.

    Wilson Ferreira Jr.Presidente da CPFL Energia

    Palavra do Presidente

    DESTAQUES 1T14 Crescimento de 7,0% nas vendas na rea de

    concesso - residencial (+13,5%) e comercial (+11,3%); Aporte de CDE no montante de R$ 1.170

    milhes no 1T14, para cobertura de exposio involuntria e despacho de trmicas; Comercializao e Servios - EBITDA de R$

    77 milhes no 1T14; Expanso CPFL Renovveis: (i) aprovaes

    do CADE (abr/14) e ANEEL (mai/14), relativas associao com a DESA, e (ii) concluso da construo do complexo elico Macacos I (mai/14); Pagamento em 08/mai de R$ 568 milhes (R$

    0,59/ao) em dividendos complementares, referentes ao 2S13, com dividend yield de 4,8% (lt. 12M); Aumento de 16,6% no volume mdio dirio

    de negociao das aes (BM&FBOVESPA + NYSE), atingindo R$ 44,4 milhes; aumento de 59,9% no nmero de negcios (BM&FBOVESPA), atingindo uma mdia diria de 6.292; Implantao da CPFL Telecom: cobertura de

    10 cidades e 544 km de redes implantados.

    IFRSEBITDA

    1T13R$ 1.055

    milhes

    1T13R$ 1.081

    milhes

    1T14R$ 787milhes

    1T14R$ 1.086

    milhes

    IFRSLucro Lquido

    1T13R$ 405

    milhes

    1T13R$ 429

    milhes

    1T14R$ 174milhes

    1T14R$ 396milhes

    -7,9%+0,5%+8,2%

    Receita LquidaIFRS Gerencial* Gerencial* Gerencial*

    *IFRS + Consolidao Proporcional + Ativos e Passivos Regulatrios - Itens no-recorrentes

    1T13R$ 3.457

    milhes

    1T13R$ 3.517

    milhes

    1T14R$ 3.739

    milhes

    1T14R$ 3.827

    milhes

    -25,4% -57,0%+8,8%

  • Abril de 2014 Ita BBA - 4th Utilities Day

    Maio de 2014 Ita BBA 9th Annual Latam CEO Conference Goldman Sachs: Rio Conference

    De-bottlenecking Latin America

    Junho de 2014 Citi - 7th Annual Citi Brazil Equity Conference Palestra com Investidores JP Morgan J. Safra Non Deal Road Show

    Complexo Elico Macacos I est apto a operar

    O Complexo Elico Macacos I foi con-siderado apto a operar pela Agncia Nacional de Energia Eltrica (Aneel), a partir de 1 de maio de 2014. Os quatro parques elicos que compem o com-plexo totalizam 78,2 MW de capacidade instalada e 37,5 MW mdios de garantia fsica, contratados no Leilo de Fontes Alternativas de 2010. A receita anual es-timada de R$ 52,6 milhes, com venci-mento em 2033.

    O complexo formado pelos parques elicos Pedra Preta, Costa Branca, Jure-mas e Macacos, que esto localizados no

    municpio de Joo Cmara, no Rio Gran-de do Norte. Atualmente, a empresa mantm diversos projetos em operao e em construo no estado, perfazendo 12 parques elicos e uma usina de bio-massa em operao, mais 9 parques e-licos em construo.

    Macacos I mais um projeto que se junta a muitos outros no processo de ex-panso da CPFL Renovveis, que atingiu 1,495 mil MW de capacidade instalada no seu portfolio de ativos em operao e possui mais 305 MW em elicas em construo na regio Nordeste do pas.

    Mercado de Capitais e desempenho na Bolsa

    CPFL celebra novo contrato com Furnas

    Fonte: Economtica Variaes com ajuste por proventos

    CPL DJBr20 DJIA

    Performance das aes - NYSE - 1S14

    3,9%

    30/12/13 15,67 24.919 16.50430/06/14 18,20 25.880 16.827Var. 16,2% 3,9% 2,0%

    16,2% 2,0%7,2%

    CPFE3 IEE IBOV30/12/13 18,51 26.250 51.50730/06/14 20,33 28.133 53.168Var. 9,8% 7,2% 3,2%

    9,8% 3,2%

    Performance das aes - Bovespa - 1S14

    2

    Em abril, a CPFL celebrou novo con-trato de suprimento de energia da Usi-na Hidreltrica Serra da Mesa com Fur-nas. O contrato original expirou em 31 de maro de 2014. A parcela de 51,54% da disponibilidade da potncia e de energia do empreendimento, corres-pondente a 345,4 MW mdios, foi re-contratada a R$ 156,70 por MWh, valor

    lquido de encargos setoriais, na data base de 01 de abril de 2014. O preo bruto equivalente, incluindo os respec-tivos encargos setoriais, de R$ 182,90 por MWh. O contrato, cujo incio se deu em 01 de abril desse ano, expira em 16 de abril de 2028 e ser reajustado anu-almente pela variao do ndice Geral de Preos do Mercado (IGP-M).

    Estudvamos algumas possibilida-des para recontratao desta parcela de energia. Nossa estratgia se ba-seou na contratao de longo prazo, priorizando a estabilidade de fluxo de caixa e a minimizao de volatilidade em nosso brao de gerao, afirmou o presidente da CPFL Energia, Wilson Ferreira Jr.

    Conferncias, Road Shows e eventos

    Complexo Elico Macacos I acrescentou 78,2 MW de capacidade ao parque gerador da CPFL Renovveis

  • CPFL Paulista e RGE tm tarifas reajustadas

    CPFL Paulista eleita melhor empresa de energia

    Medidas atenuam impacto da estiagem

    3

    Duas distribuidoras do Grupo CPFL Pau-lista e RGE tiveram suas tarifas reajustadas recentemente. Em abril, a Agncia Nacional de Energia Eltrica (Aneel) aprovou reajuste total de 17,18%, aos consumidores da CPFL Paulista, que rene mais de quatro milhes de clientes no interior de So Paulo. As novas tarifas vigora-ro de 08 de abril de 2014 a 07 de abril de 2015. Em junho, a Aneel reajustou as tarifas da RGE, que atende mais de 1,3 milho de clientes no estado do Rio Grande do Sul. O reajuste total foi de 21,82% e as novas tarifas iro vigorar de 19 de junho 2014 a 18 de junho de 2015.

    Assim como em outras empresas de distri-buio de energia do pas, o aumento do custo da energia influenciou o resultado. Apenas as despesas com compra de energia tiveram um impacto no total do reajuste tarifrio de 10,98% para a CPFL Paulista e de 16,08% para a RGE. Os principais fatores que contriburam para esse efeito foram: (i) o aumento da compra de ener-gia de usinas trmicas, que so mais caras; (ii) ele-vao do preo da energia no mercado de curto prazo (PLD), pressionado pela hidrologia ruim; e (iii) o aumento do dlar, que influencia o contra-to de compra de energia da Usina de Itaipu.

    A CPFL Paulista, distribuidora do grupo CPFL Energia que atende a pouco mais de quatro milhes de clientes na regio me-tropolitana de Campinas e interior de So Paulo, foi a grande vencedora na catego-ria Energia na edio 2014 da publicao Maiores e Melhores, organizada pela re-vista Exame, da Editora Abril. A conquista resultado de uma anlise de critrios tcnicos dos balanos financeiros de trs mil empresas relativos ao ano de 2013.

    Apesar do cenrio desafiador do se-tor eltrico em 2013, em razo das mu-danas regulatrias promovidas pela Medida Provisria (MP) 579 e pela fraca hidrologia no comeo do ano, a CPFL Paulista conseguiu ampliar o seu lucro l-

    quido em 46,4% de 2012 para 2013, tota-lizando R$ 620 milhes. Isso reflexo do rigoroso controle de custos gerenciveis executado pela concessionria ao longo do ano passado.

    A slida gesto financeira fez com que a CPFL Paulista obtivesse o melhor retor-no sobre o investimento entre as em-presas de energia. A publicao destaca a rentabilidade da concessionria, de 53,6%, ante a mediana do setor de 11%.

    O grupo CPFL Energia tambm foi apontado pela edio como um dos 200 maiores grupos empresariais da Amrica Latina, conquistando o 58 lugar nes-te ranking. A RGE foi considerada a 21 maior empresa da regio Sul do Pas.

    A estiagem observada em 2014 imps uma srie de desafios para as distribuidoras de energia eltrica. Diante da escassez de chuvas, o gover-no federal teve de acionar usinas termeltricas para reduzir o ritmo de queda dos reservatrios das usinas hidreltricas. Aliada a esse cenrio, a distribuio de quotas na renovao das concesses foi insuficiente para suprir a demanda das distribuidoras. A frustrao parcial no leilo A-1, realizado no fim de 2013 para preencher essa lacuna da demanda, aumentou a exposio das distribuidoras para 3,5 GW mdios em 2014.

    Para atenuar o cenrio, o governo anunciou uma srie de medidas. Foi realizado no fim de abril o leilo A, que contratou, para entrega imediata e prazo at dezembro de 2019, pouco mais de 2.000 MW mdios a um preo mdio de R$268,33/MWh. Estima-se que, dada a

    sazonalidade da carga das distribuidoras, este montante suficiente para cobrir cerca de 85% da exposio involuntria das empresas no perodo entre maio e dezembro de 2014.

    Por meio do Decreto n 8.221/14, foi criada a Conta ACR, permi-tindo que a Cmara de Comercializao de Energia Eltrica levantas-se R$ 11,2 bilhes junto a um sindicato de bancos para amortecer os repasses dos custos elevados com aquisio de energia para o consumidor final. At abril, a CPFL Energia recebeu R$ 1,7 bilhes, sendo R$ 167 milhes, em aportes do Tesouro, para cobrir a exposi-o involuntria de janeiro e mais R$ 1,548 bilho, por meio da Con-ta ACR, referentes ao despacho de trmicas e exposio involuntria nos meses de fevereiro a abril.

    Diretor-presidente da CPFL Paulista, Luis Henrique Ferreira Pinto, recebe o prmio da Maiores e Melhores da revista Exame

  • 4INVESTIDOR CPFL uma publicao da rea de Relaes com Investidores da CPFL Energia, editada pela Diretoria de Comunicao Empresarial e Relaes Institucionais, Rodovia Campinas Mogi Mirim, Km 2,5 - Jd. Santana - Campinas/ SP, CEP 13.088-900. Telefone: (19) 3756-7050 Vice-Presidente Financeiro e de Relaes com Investidores: Gustavo Estrella, Diretor de RI: Eduardo Atsushi Takeiti, Diretor deComunicao Empresarial e Relaes Institucionais: Augusto Rodrigues. Contedo: Rockmann Press. Edio: Wellington Bahnemann. Diagramao: Produo Coletiva. Site: Relaes com Investidores: www.cpfl.com. br/ri - email: [email protected] Telefone: (19) 3756-6083 / Fax: (019) 3756-6089.

    CPFL desenvolve nova plataforma de sustentabilidadeEm consonncia com a es-

    tratgia de aperfeioar con-tinuamente seus processos, a CPFL Energia lanou, em 2013, a sua Plataforma de Sustentabilidade, com defini-o de temas prioritrios para sua atuao, indicadores e metas de desempenho. Alm de permitir o gerenciamento contnuo da performance da empresa em relao ao tema, essa iniciativa promove a identificao de oportunida-des que alavancaro o cres-

    cimento no setor energtico.O processo de criao da

    Plataforma teve incio em 2012 e continuou ao longo de 2013 com o diagnstico das aes j realizadas pela empresa e consulta a diversos pblicos de interesse, docu-mentos e publicaes inter-nos e externos. Dos temas que emergiram desse trabalho, seis foram priorizados: gesto da cadeia de suprimentos; de-senvolvimento comunitrio; gesto de impactos socioam-

    bientais; relacionamento com clientes; ecoeficincia e sade e segurana.

    O ano de 2014 est sendo dedicado disseminao da Plataforma por meio de seis pi-lares de atuao: Governana; Gesto de desempenho; Incul-turao/Educao; Advocacy; Inovao; e Comunicao. Cada pilar possui planos de ao es-pecficos para que a cultura de sustentabilidade seja reforada e alavanque a gerao de valor da companhia.

    Reforo extra para a Copa do Mundo

    No fim de maio, a CPFL Energia inaugurou o Centro de Monitoramento da Copa, loca-lizado no Centro de Operaes do Sistema (COS), na sede da empresa, em Campinas (SP). Com equipe 24 horas, o Centro disponibilizou tecnologia para acompanhar em tempo real o sistema eltrico das oito distribuidoras do Grupo, dando ateno especial aos dias de jogos do Brasil e para 45 pontos-chave, entre subestaes e torres de transmisso das cida-des que receberam as selees para a Copa.

    Sete cidades da rea de concesso da em-presa no interior paulista Campinas, Itu, Sorocaba, Ribeiro Preto, guas de Lindia, Santos, Porto Feliz foram escolhidas como sede de selees que vieram ao Brasil para a Copa. O fornecimento de energia s instala-es usadas pelas equipes, assim como hotis e centros de treinamentos, foi acompanhado em tempo real pelo Centro de Monitoramen-to da Copa.

    A inaugurao do Centro marcou a conclu-so da fora-tarefa para aperfeioar o sistema eltrico nas reas de concesso das distri-buidoras da CPFL Energia durante o evento

    Centro de Monitoramento da Copa do Mundo acompanhou em tempo real 45 pontos estratgicos

    da rede das distribuidoras do grupo CPFL

    esportivo mais assistido no mundo. Foram investidos R$ 2 milhes nos ltimos cinco me-ses na realizao de obras no sistema eltrico nas cidades da Copa para a criao de siste-mas de redundncia de alimentao e instala-o de chaves comandadas distncia.

    Nos dias de jogos do Brasil, equipes de campo estiveram de prontido em pontos previamente definidos para assegurar agili-dade no atendimento de eventuais emergn-cias. As partidas da semifinal e final tambm participaram desse esquema especial.