Jornal do Santuario

of 12 /12
Santuário Sagrado Coração de Jesus | Julho de 2012

Embed Size (px)

description

Jornal do Santuario

Transcript of Jornal do Santuario

  • Santurio Sagrado Corao de Jesus | Julho de 2012

  • www.santuarioscj.com.br

    MENSAGEM DO PROCO

    SANTO DO MS

    Acabamos de celebrar os 50 dias do Tempo Pascal como um grande e festivo domingo. Retomamos, agora, o perodo do Ano Litrgico

    chamado Tempo Comum. Pelo evangelista Marcos, a cada

    domingo desse Tempo, somos conduzidos ao encontro com Jesus para reviver experincia da ressurreio e celebrar a festa da vida.

    O comum distingue-se do extraordinrio. no comum da vida que se prova a arte de bem viver. Por isso, o Tempo Comum nos ajuda a descobrir o dia-a-dia como tempo de Salvao, a refletir e entrar no mistrio das pequenas coisas, a encon-trar o extraordinrio no comum.

    Quando os pequenos acontecimentos comeam a contar em nossa vida, j no existe mais rotina

    ou monotonia. O tempo, ento, transforma-se em dom que recebemos de Deus para crescermos e vivermos todos os momentos com intensidade.

    A l i turgia do Tempo Comum um convite a descobrir, viver e saborear a presena amorosa de Deus que se revela a ns nos acontecimen-tos cotidianos, a perceber que nas real idades permanentes as grandes coisas acontecem nos pequenos e simples gestos e at i tudes, a com-preender que a nossa vida espir i tual um pro-cesso lento e progressivo.

    Que neste Ano Eucarstico em nossa Parquia, o Esprito Santo nos ilumine e fortalea para que possamos desenvolver, neste perodo do Tempo Comum, um estilo mais espontneo, orante e ale-gre de celebrar e vivenciar a Eucaristia como ver-dadeira Festa da Comunho e da Misso.

    ARTIGO DO MS

    Pe Elinton Costa, scj

    O relativismo uma linha de pensamento que nega a possibilidade de haver uma verdade absoluta e permanente, permitindo a cada indivduo definir a sua verdade e aquilo que lhe parece ser o correto.

    A primeira vista, parece ser um pensamento atraente, pois no prende a pessoa a fundamentalismos e tradies. Em outras palavras, o que em uma si-tuao, para um grupo de pessoas, determinado pensamento verdadeiro, em outra situao, pode no ser para outro grupo de pessoas. Este pensamento, porm, perigoso! Privilegia o egosmo e a falta de comprometimento com uma causa maior, que a vivncia do amor e a busca da verdade.

    Vivemos o mundo do descartvel que impregna no indivduo a iluso de que tudo posso, porque sou livre! Por exemplo, no contexto social corrupo e mentira so tratadas como necessrias. No campo familiar atropelam-se etapas no namoro, casamentos quebrados, desestruturados, sem discernimento. Na esfera miditica o consumismo aliado um erotismo exacerbado. No mbito da religio e da f, se antes tnhamos uma radicalidade na vivncia da espirituali-dade, hoje temos um desinteresse que faz as pessoas misturarem tudo: doutri-na catlica com doutrina esprita, com cartomantes, candombl, um verdadeiro sincretismo religioso, sem comprometimento e entrega.

    Verdade que, esse jeito de ver o mundo no realiza ningum! Nunca a humanidade viveu to infeliz como vive hoje: estressada, depressiva, violenta, sem sentido para viver, sem bases onde se firmar, sem referencial para se es-pelhar, sem ter onde se agarrar. Faz as pessoas viverem na indiferena.

    O ser humano precisa de bases para nortear-se e seguir adiante saboreando

    Pe. Claudionor Jos Schmitt, SCJ

    O pensamento relativista

    O sabor da festa no comum da vida

    Maria Madalena, natural de Mgdala, na Galileia, viveu no Sculo I junto com Jesus. Ela aderiu ao grupo de discpulos do Senhor, aps ser curada e libertada de espritos maus, como narra o Evange-lho. Os doze estavam com ele, e tambm mulhe-res que tinham sido curadas de espritos maus e de doenas. Maria, dita de Mgdala, da qual haviam

    EDITORIAL

    EscolhasKetlin da Rosa

    Ao pensar sobre as vocaes, impossvel no refletir sobre as escolhas de nossa vida. Especialmente no limiar entre adolescncia e juventude, quando temos que decidir qual ves-tibular prestar, quais oportunidades, cursos e caminhos seguiremos.

    Neste ms o Jornal do Santurio fala um pouco sobre a vocao, diferenciando a funda-mental de todo cristo da especfica.

    preciso ter claro que vocao uma rea-lidade norteadora de toda a nossa vida. Quem tem uma meta sente-se motivado a procurar determinados meios para conseguir o objetivo vocacional. Para cada cristo capital saber o chamado especfico que Deus lhe faz: qual a minha vocao?

    O Jornal do santurio uma publicao do

    santurio sagrado corao de jesus.

    direo e reviso:PE. CLAUDIONOR JOS SCHMITT, SCJ

    contato: 47 3455 2204 | Rua INCIO BASTOS,

    308, BUCAREIN - joinville/sc

    rua prof. rosinha campos, 52,sala 02, abrao - FLORIANPOLIS/SC

    FONE: 48 3365 [email protected]

    JORNALISTA RESPONSVELKETLIN DA ROSA - SC02821 - [email protected]

    diagramaoAndr Kinal

    tiragem: 3 mil

    periodicidade: mensal

    impresso: grca a notcia

    [email protected]

    texto / reportagensRoberson Pinheiro

    [email protected]

    produo

    sado sete demnios. (Lc 8,1-2). Aps ser curada, Maria Madalena teve uma vida de

    servio e amor ao Reino de Deus. Tal amor levou a San-ta a participar de momentos difceis da vida e da mis-so de Jesus, permanecendo ao lado dEle at mesmo na hora da crucificao. Por outro lado, Maria Madale-na tambm foi a primeira testemunha da Ressurreio do Senhor, firmando-se como discpula fiel e tendo uma vida de testemunho e de luta pela santidade.

    Com informaes do Portal da Cano Nova.

    vida e vida eterna. Temos onde e em quem se firmar: no absoluto que Deus. A Igreja tem se sustentado na f em Deus durante milnios. A verdade de Jesus: Eu sou a Verdade e a vida, ningum vai ao Pai seno por mim (Jo14,6) que norteia a vida da Igreja. E o que Ele nos pede simplesmente que acreditemos nEle, que nos envolvamos por inteiros em seu mistrio de amor, vivendo a aventura Verdadeira e absoluta de amar uns aos outros como Ele mesmo nos amou! (Jo 13, 14).

    Maria Madalena

  • www.santuarioscj.com.br

    Mais de sete mil pes-soas se reuniram em Joinville no dia 07 de ju-nho para celebrar a Sole-nidade de Corpus Christi, em missa presidida pelo bispo da Diocese, Dom Irineu Roque Scherer. Novamente, a festividade foi vivida em unidade com todas as parquias que se integraram para orga-nizar a missa campal com inicio s 15 horas.

    O termo Corpus Chris-ti vem do latim e significa Corpo de Cristo, tem por objetivo celebrar solene-mente o mistrio da Sa-grada Eucaristia, o sacra-mento do Corpo e Sangue de Jesus Cristo. A festivi-dade acontece na quinta--feira aps a solenidade da Santssima Trindade, em aluso a Quinta-Feira Santa, quando instituda a Eucaristia durante a lti-ma Ceia.

    A procisso com Jesus Eucarstico que integra a celebrao, junto com a missa e a adorao, lem-bra a caminhada do Povo

    GERAL 3

    UNIDADE

    Solenidade rene fiis de toda a diocese na Praa Nereu Ramos

    3

    O Corpus Christi em Joinville

    de Deus na busca da terra prometida. A exposio do Santssimo Sacramento afirmada no Conclio de Trento (1545-1563) e vali-dada pelo cdigo canni-co (cn. 944).

    Em Joinville, a so-lenidade comeou a ser organizada a partir das 6 da manh, com a confeco dos tape-tes ao redor da praa.

    O Santurio juntamen-te com as suas demais comunidades iniciaram os trabalhos s 8 horas. A juventude foi um dos destaques na produo dos tapetes. Com a for-a e vitalidade que lhes so caractersticas os jovens mostraram que esto a servio da Igre-ja, comentou Angela Zanatta, uma das coor-

    denadoras do Conselho Pastoral Paroquial.

    A festa de Corpus Christi j considerada uma festa de devoo popular que gera unida-de entre os participan-tes. O que mais chamou a ateno foi o sentimen-to de solidariedade entre todos os participantes, todos se ajudam, con-clui Zanatta.

    Julho tem Jornada Diocesana da JuventudeNo dia 29 de julho a Diocese de Join-

    ville abre oficialmente as celebraes e eventos que envolvem a Jornada Mundial da Juventude JMJ Rio 2013. Este mo-mento marcado pela Jornada Diocesana da Juventude JDJ Joinville 2012 que pretende reunir jovens de todas as expres-ses, dos diversos grupos inseridos nas Parquias e Comunidades da Diocese.

    Com o lema Alegrai-vos sempre no Senhor (Fl 4,4), a JDJ vai traba-

    lhar trs aspectos: f, cultura e social. Durante todo o dia, os jovens estaro envolvidos em atividades nestes ei-xos que so a mstica da Jornada. importante, portanto, a participao em massa da Juventude e o apoio dos padres, pede Rodrigo Luiz da Silva, secretrio diocesano do Setor Juventude. O momento da Juven-tude, porm necessrio o envolvi-mento de toda a Igreja, reitera.

    Evento:JDJ Joinville 2012

    Data:29 de julhoHorrio: 9h s 18h

    Local: Parquia Nossa Senhora Imaculada Conceio

    Boa Vista Joinville

    Jovens foram os grandes protagonistas na confeco dos tapetes do Santurio

  • www.santuarioscj.com.br4FORMAO

    ANUNCIAR EUCARISTIA E EU

    A misso e a minha vida ...o anncio evanglico no se resume em dizer palavras. Mais que falar, o viver o Evangelho que d o verdadeiro testemunho da f crist

    Do mistrio pascal, brota tambm a missionariedade, que dimenso qualificativa de toda a vida eclesial, di-zia o Beato Joo Paulo II na exortao apostlica Vita Consecrata, em portugus, Vida Consagrada. A prpria palavra misso da qual origina a missionariedade sig-nifica a tarefa designada a algum para executar algo. Tal tarefa o prprio Deus indica no livro de So Marcos, Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura.

    Em cada Missa palavra que surge tambm do ter-mo em latim mittere, que significa misso se renova o envio que Cristo faz aos seus fieis a anunciar a Boa Notcia por onde forem. A realizao, portanto, das Mis-ses Querigmticas na Parquia do Santurio uma resposta a esse chamado que Deus faz inicialmente aos seus discpulos, mas que depois chega a todos os cris-tos por meio do Batismo.

    Porm, o anncio evanglico no se resume em

    dizer palavras. Mais que falar, o viver o Evangelho que d o verdadeiro testemunho da f crist como j sinaliza o texto bblico, convertei-vos e acreditai no Evangelho (cf. Mc 1, 15) . No viver como vivem to-dos, no fazer como fazem todos, no sentir-se jus-tificados em aes duvidosas, ambguas, perversas simplesmente porque h quem o faa; comear a ver a prpria vida com os olhos de Deus, portanto procurar o bem, (...) procurar um novo estilo de vida, uma vida nova, enfatiza o cardeal Ratzinger atual Papa Bento XVI em seu discurso no congresso dos catequistas e professores de religio em 2010.

    Assim, percebe-se que a misso, antes de ser um movimento externo, onde se faz para o outro, uma ao interna, onde a pessoa permite que aquilo que ela vai anunciar, ou seja, o Evangelho, se entronize em sua vida particular e cotidiana.

    Pelo batismo j recebemos a misso de viver e evangelizar. Pensamos que podemos ser missio-nrios primeiro vivendo a palavra e procurando fazer a vontade de Deus em casa com os nossos, amando, acolhendo em todos os momentos, nas alegrias, nas dores, tentando se colocar no lugar de cada prximo como Jesus fazia. Tambm com os vizinhos, familiares, amigos, no trabalho com os funcionrios, fornecedores, clientes, os concorren-tes, tambm aquele desconhecido que encontro na rua, um sorriso, um lugar no nibus, uma gentileza. Podemos ser missionrios comeando a amar nas pequenas coisas, e Deus que amor nos ensinar a ser tambm nas grandes.Celso Antonio Beppler e Mirian Regis BepplerMovimento dos Focolares

    Como ser missionrio no dia a dia?No ano de 2007 tivemos nossa

    experincia missionria participando de uma etapa das misses querigm-ticas. Com essa experincia descobri-mos que, alm de ser missionrio de porta em porta, podemos evangelizar

    em nosso trabalho, junto a nossa famlia, em nosso lazer, e em todos os espaos onde estamos. Mesmo no estando inserido no processo

    de evangelizao propriamente dito, somos missionrios.

    Salzio Joo Gambeta Neto e Maria de Ftima Gambeta.

    As adversidades da vida no impedem que minha famlia experimente um caminho de f. Mas nem sempre foi assim.

    Tnhamos um pai alcolatra, alm de pro-blemas financeiros e indisciplina de alguns filhos. Era uma vida difcil para minha me, mulher humilde, mas de muita f, coragem e determinao. O seu silncio em determina-dos momentos me irritava. Ela no respondia s agresses do meu pai e nem julgava as rebeldias de minha irm. Apenas observava e dizia poucas palavras que no eram de acu-sao, mas de aconselhamento.

    Eu questionava, como pode uma pessoa no reagir frente a essas situaes?

    Depois de certo tempo, tive a resposta. Durante anos minha me ajoelhou-se diante do Sacrrio, suplicou a Cristo pela converso de nossa famlia e entregou-se verdadeira-mente nas mos de Deus em uma verdadeira biografia de orao, devoo a Maria Sants-sima e amor a Eucaristia.

    E, ento, o milagre aconteceu. Minha irm casou-se e constituiu uma linda famlia. Meu pai faleceu h sete anos, mas acreditamos que ao confessar e comungar o Corpo de Cristo, a misericrdia de Deus o envolveu.

    Atualmente, minha me Ministra Extraor-dinria da Sagrada Comunho e eu, feliz por dar este testemunho, pude aprender com ela que a luta por manter uma famlia unida s possvel com muita orao, f e fidelidade a Eucaristia.

    Idinia Ortnio da Silva, Comunidade Sagrada Famlia.

    Um testemunho de amor e f

  • www.santuarioscj.com.br5COMUNIDADES

    Comunidades enviam coroinhas ao servio litrgicoCrianas e adolescentes tem a oportunidade de se aproximar ainda mais da Eucaristia

    A Comunidade So Judas Tadeu fez o envio de novos coroinhas para o servio nas Celebraes Eucarsticas. A ceri-mnia aconteceu durante a missa do dia 02 de junho, onde os adolescentes se juntaram a outro grupo de aclitos mais experientes.

    Outro envio de coroinhas tambm aconteceu na Comunidade Nossa Se-nhora do Rosrio. Na ocasio, 19 ado-lescentes foram enviados durante a Missa do Padre Kleber Ferreira, no final do ms de maio, para servirem o altar.

    O trabalho dos coroinhas durante

    as Missas existe desde muito antes do Conclio Vaticano II quando as ce-lebraes ainda eram feitas em latim. Eles, ento, pertenciam ao coro da no nome coroinha (pequeno coro) e tinham a misso de ajudar os fieis nas respostas do rito. Com o passar do tempo, os adolescentes passaram a assumir outras atividades no servio do presbitrio.

    Para saber mais informaes sobre os coroinhas da Parquia, entre em conta-to com a Pastoral da Perseverana, por meio da Secretaria Paroquial.

    Reforma no SanturioOsmar Beninca - Tesoureiro do Conselho Administrativo Financeiro (CAF)

    Para melhorar o acolhimento aos visitantes do Santurio, exe-cutamos uma ampla reforma na Comunidade Matriz. Primeiro, conclumos as melhorias nos banheiros. Em seguida, amplia-mos duas salas para termos melhores ambientes para nossas reunies. Tambm est quase concluda a parte superior da secretaria, onde preparamos o hall para receber o elevador no segundo semestre.

    Ao fazermos a dedetizao da Igreja, observamos que na par-te superior da nave central algumas madeiras estavam compro-metidas pelo tempo, porm j fizemos as devidas trocas. No estacionamento, a instalao do meio fio aumentar o nmero de vagas e facilitar a entrada e sada dos veculos. E a implan-tao de novos postes de iluminao garantir mais segurana aos nossos paroquianos e turistas.

    Agradecemos a compreenso de todos pelos transtornos oca-sionados e tambm damos um Muito Obrigado aos dizimistas e queles que contribuem para a execuo destas obras.

    Adolescentes a servio da IgrejaElisa Biatobock

    A Pastoral da Perseverana anima as crianas da Parquia ao servio a Deus, tanto no altar, com o auxilio aos padres como coroinhas, quanto na vida da comunidade, por meio da ajuda que for necessria. O objetivo tambm contribuir com o crescimento dos adolescentes, sendo um apoio na caminhada espiritual entre o Sacramento da Comunho e o Sacramento da Crisma.

    Com foco, tambm, no trabalho de pre-

    parao para a vida, a Pastoral, por meio de testemunhos, relata as dificuldades que possivelmente sero enfrentadas no decor-rer da vida, o que ajuda na conscientizao dos agentes.

    A exemplo de So Tarcsio, que padroeiro dos Coroinhas, a Pastoral segue motivando as crian-as a terem atitudes de amor Eucaristia e ao servio Igreja e a Comunidade.

    Cerco de JericA Comunidade Nossa Senhora do Rosrio de modo especial ir adorar Jesus Sacramentado, entre

    os dias 14 a 20 de julho. Trata-se do IX Cerco de Jeric, que ter como tema Jesus, Filho de Davi, cura-me! O Cerco de Jeric uma campanha de adorao e orao do tero 24 horas por dia du-rante 7 dias e 6 noites. Haver tambm missas todos os dias s 19h30.

    Esta uma oportunidade para fazer pedidos, splicas e tambm agradecimentos ao Senhor.Padre Silvano (Navegantes), Padre Valmir (Florianpolis), Padre Ronchi (Seminrio Filosfico de

    Santa Catarina - Brusque) so alguns dos confirmados para participar do evento.

    Gabriel Orlando

  • www.santuarioscj.com.br

    VELAS

    SEMINRIO DE CORUP Acesse nossa loja virtual

    www.velaseminario.com.br

    qual a minha?Vocao,

    Seja como leigo, religioso ou consagrado, o importante descobrir qual o chamado de Deus para sua vida

    Cada vocao original, fruto da liberda-de, um acontecimento pessoal, nico e incomunicvel. Tem como finalidade pri-meira a humanizao da pessoa e o servio do Reino. Quando uma pessoa se diz chamada preciso acreditar nela. A experincia vocacional pessoal, pode acontecer mesmo em quem no se espera.

    Vocao Fundamental: o chamado de cada pessoa vida, a ser Filho de Deus, a ser cristo, a ser Igreja. As vocaes especficas derivam da

    fundamental.Vocao Especfica: a maneira prpria de

    como cada pessoa realiza a sua vocao funda-mental, como leigo, sacerdote, matrimonial ou re-ligiosa. As vocaes especficas so trs: laical, religiosa e sacerdotal.

    Participa da vocao leiga todo aquele que assume o projeto cristo em sua vida, mas que no se sentiram chamados ao sacerdcio ou a vida religiosa, explica Padre Elinton Costa, scj. Assim, o catequista, o missionrio, o pai ou a me

    de famlia devem viver esse chamado que Deus lhes faz por meio de um testemunho cristo, ten-do como pilares a Sagrada Escritura, a Eucaristia e os princpios da f catlica.

    Independente da escolha vocacional, o impor-tante descobrir o chamado particular que Deus tem para cada um. Dar testemunho da f crist, anunciar a Boa Nova e ser coerente com na vi-vencia evanglica , antes de tudo, a vocao primordial que todos os batizados recebem. Todas as vocaes tem sua importncia. O essencial saber a sua!

  • www.santuarioscj.com.br

    Rua Augusto Schmidt, 250 - Floresta - Contato Bernardo e Adelina - 47 8431 8592

    BKR 15 ANOS . A BKR agradece a todos os clientes e amigos que nos acompanham nesta caminhada, ficamos muitos felizes, um muito obrigado e que continuem nos prestigiando sempre.

    CENTRAL DE EVENTOSVENHA CONHECER

    A vocao do catequistaDesde sempre, sabemos que a educao, em especial,

    a crist, vem de casa. Porm, ao atingir determinada idade, a criana pode e deve ser iniciada dentro da comunidade, atravs do processo de catequese. Para isso, Deus chama pessoas para evangelizarem esses novos cristos, esses vocacionados so conhecidos como catequistas.

    Elza da Maia uma das catequistas da Parquia, res-ponsvel por atuar com o ltimo grupo de jovens e adultos iniciantes na f. H muitos anos assumindo essa vocao, ela possui inmeros testemunhos de catequizandos que mudaram radicalmente sua forma de viver depois de co-nhecerem mais profundamente a doutrina da Igreja e ou-virem histrias de vida de outros irmos, at ento desco-nhecidos.

    Famlia Consagrada ao Corao de JesusDe 12 a 19 de agosto vivemos a Semana da Famlia.

    Reserve esse tempo para deixar a sua famlia, em especial seu casamento, ser inundada pelo amor do Corao de Jesus. O casal Moacir e Zinha garante que o chamado ao matrimnio no fcil, mas, testemunham que possvel viv-lo santamente.

    Quarenta anos de vida a dois, cinco filhos e dez netos, alm de muitas histrias para contar. Os dois iniciaram sua vocao comunitria vivendo a Fraternidade Mariana. Guia-dos pelo Corao da Me, chegaram ao Corao do Filho so o primeiro casal de Joinville a ingressarem no grupo de Leigos Dehonianos. Em agosto, faro seus votos perp-tuos de consagrao ao Corao de Jesus. Vivem diversos trabalhos de evangelizao dentro da parquia, em especial, na Liturgia e no Canto Litrgico. E, transbordam sempre a felicidade de viver o amor em famlia unido ao amor divino.

    Ano Vocacional DehonianoA Provncia Brasileira Meridional (BRM) completa 10 anos em 2013.

    Gratos e cheios de alegria pelo chamado de Deus em suas vidas, desde a Solenidade do Sagrado Corao de Jesus, os dehonianos vivem o Ano

    Vocacional. Com isso, buscam reanimar a f daqueles que entregaram sua vida ao Corao de Cristo como sacerdotes, irms, irmos e leigos desta

    famlia religiosa. Alm disso, desejam incentivar e estimular o surgimento de novas e santas vocaes, em especial, as religiosas dentro da provncia.

    Todas as vocaes tem sua importncia. O essencial saber a sua!

    Encontros de noivos (Curso)07/07 - 8h s 20h - Santurio SCJ

    Encontro de casais que convivem28/07 - 14h s 18h30 - Santurio SCJ

    Casamento Comunitrio Inscries abertas at 20/07 na Comunidade So Judas Tadeu

    Atividades da Pastoral da Famlia em julho

    Programao da Semana da Famlia12/08 - Abertura no Santurio SCJ - 19h13/08 Nas celebraes (19h) e grupo de orao (Nossa Senhora do Rosrio)14/08 - Nos grupos de reflexo 19h3015/08 Nossa Senhora do Rosrio 19h3016/08 Grupo de orao So Judas Tadeu 19h30 17/08 Sagrada Famlia 19h3018/08 Comunidade So Judas Tadeu e Divino Esprito Santo 19h 19/08 - Encerramento no Centro de Eventos Cau Hansen, 14h, com a ordenao dos novos diconos.

  • www.santuarioscj.com.br8SANTURIO

    Novena, Missa, Amigos do Corao, Festa Social e um am-biente de muita fraternidade, de-voo e alegria. No se esperava outra coisa na Festa do Sagrado Corao de Jesus (SCJ) durante os 12 dias de atividades na pri-meira quinzena do ms de junho.

    Toda a Parquia esteve moti-vada para viver bem a tradicional festividade no Santurio. A Festa Litrgica, com a novena, teve ini-cio no dia 06 de junho com missa todos os dias s 19 horas. Era muito bonita a participao do povo, que expressava a devoo no Corao de Jesus e, mais que isso, aproximava-se do corao de Deus por meio da orao, co-menta Padre Elinton Costa, SCJ. Porm, o pice do evento ocor-reu na data em que a Igreja ce-lebrou a Solenidade do Sagrado Corao de Jesus, que este ano caiu em 15 de junho. Foram qua-tro missas durante o dia.

    A organizao da Parquia es-tima que mais de 10 mil pessoas de Joinvil le e regio prestigiaram o evento. Um dos atrativos foi o Arrai, no sbado, que contou com presena dos Amigos do Co-rao, que usavam um adesivo no peito demonstrando o anseio de serem tambm peregrinos do Santurio.

    Para a comunidade foi uma oportunidade de rever amigos. Sent imos uma confraterniza-o muito fami l iar. Dia de en-contrarmos amigos, conhecidos de longas datas e por que no dizer at os parentes meio afas-tados. Parabns. Esta a festa da faml ia, a Festa do Sagrado Corao, comentou Mario Klein e Luiza Klein.

    12 dias de amor ao Sagrado CoraoFestividade no Santurio atraiu mais de 10 mil pessoas durante todo o evento

    ESPAO DEHONIANO

    Encontro da Juventude Dehoniana (EJD)

    Karla Juraci Gulini, jovem da Misso Dehoniana Juvenil

    O EJD Brasil acontecer nos dias 28 e 29 de julho deste ano, no Seminrio de Corup. Servir de preparao ao En-contro Internacional da Juventude Deho-niana Caminhando Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em 2013. Ser a primeira vez que o Encontro Mundial se realizar fora da Europa.

    O EJD Nacional apenas o inicio das atividades preparadas pela Congrega-o Dehoniana para incentivar os jovens. Este encontro pretende reunir religiosos e representantes das trs provncias dehonianas no Brasil. Seu objetivo in-tegrar a juventude dehoniana atravs de um encontro reflexivo e celebrativo.

    Renovao anual de votos

    Sobre a novena do Sagrado Corao de JesusAlm de fazer as 12 promessas das Sextas-Feiras de cada ms, esta a primeira vez que participamos dos nove dias da novena. J alcancei a graa atravs do Corao de Jesus, uma nora e toda sua famlia temente a Deus. Vim buscar uma graa no setor financeiro, e tenho certeza que o Sagrado Corao de Jesus me atendeu. Hoje (15 de

    junho) na Solenidade do Sagrado Corao de Jesus eu vim agradecer.Mario Poerner e Maria Izabel Poerner

    A participao na Novena em honra ao Sagrado Corao de Jesus contribuiu no fortalecimento de nossa espiritualidade. A Palavra vivifica-

    da nas reflexes feitas pelos sacerdotes direciona as nossas atitudes e as bnos em cada dia da novena estimulam a pratica da nossa f.

    Salete Elsa de Simas Asquel e Ademir Asquel

    Esta semana representou um recolhimento espiritual muito grande, onde foi possvel fazer uma reviso de nossa caminhada crist. Samos fortalecidos na nossa f ao Sagrado Corao de Jesus. Realmente, encontra-mos uma porta aberta neste Grande Corao, atravs das excelentes homilias dos Padres desta Parquia. Oranita Antnia Cndido e Tnia Maria Ledoux Gava

    dos leigos DehoianosMarlene Pereira de Souza - Leiga Dehoniana

    No comeo do ms de junho, o San-turio Sagrado Corao de Jesus, aps a Orao do Oficio das Comunidades, acolheu a Renovao dos votos dos leigos Dehonianos: Nilvana Treis, Erme-linda e lvaro Pereira que receberam as bnos de Padre Kleber.

    Como discpulos do Pe Dehon dese-jamos fazer da unio com Jesus, no amor do Pai o empenho pela justia e pela paz. Como fieis leigos, queremos aprender as riquezas do Evangelho e experimentar a misericrdia do Sagrado Corao de Je-sus. Consagramo-nos a Vs, Corao Divino, certos de que vossa caridade tudo pode, tudo consegue e tudo santifica. Aci-ma de tudo, vos pedimos: Fazei o nosso corao semelhante ao vosso. Amm!

    Nomeao do Governo Provincial BRM

    Arthur Garcia Bartsch

    Em maio a Provncia Brasil Meridional (BRM) elegeu seu novo provincial: Pe. Do-nizeti Queirz. A nomeao feita pelo Su-perior Geral da Congregao dos Padres do Sagrado Corao de Jesus. Junto com o Padre Donizeti fazem parte do governo, como conselheiros, os padres Mrio Tito Angioletti, Cludio Mrcio Piontkewicz, Sil-do Csar da Costa e Hlio Feuser.

    No dia 12 de agosto, na Parquia So Sebastio em Jaragu do Sul, teremos a celebrao que marca a posse do novo provincial da ordem dos Dehonianos.

    PADROEIRO

  • www.santuarioscj.com.br9VIDA LITRGICA

    MISSA PASSO A PASSO

    Ministrio Litrgico, um modo de Ser Discpulo

    CUIDADO

    Rito da Comunho (II)Na edio anterior vimos a primeira

    parte do Rito da Comunho, que in-clua o Pai Nosso, o Rito da Paz e a Frao do Po. Agora veremos os de-mais passos desse Rito que nos pre-para para receber o Corpo e Sangre de Cristo.

    Procisso para a Comunho: Os que se encontram preparados, deve-ro ir devagar e em orao. Ao chegar perto do ministro necessrio que se faa um ato de reverncia antes de receber o Santssimo Sacramento, no local e de modo adaptado, contando que no se perturbe o ritmo no suce-der-se dos fieis.

    Comunho: Dever o fiel estar em pelo menos 1 hora em Jejum (antes desse momento) e poder ser recebi-da de dois modos conforme orienta-o da Igreja local.

    Se for recebido na mo: Dever estar a mo esquerda aberta sobre a mo direita, com a palma virada para cima, na frente do corpo. Com a mo direita leva-se a Hstia at a boca, que dever ser consumida na frente do Ce-lebrante ou do Ministro. Depois, em ati-tude de recolhimento, volta-se para o lugar, ficando sentados ou ajoelhados.

    Se for recebido na boca: Fieis se aproximam do celebrante ou Ministro e recebem a comunho sobre a ln-gua. Depois, em atitude de recolhi-mento, voltam para o lugar, ficando sentados ou ajoelhados.

    Enquanto o sacerdote e os fieis re-cebem o Sacramento, entoa-se o can-to da Comunho, que exprime, pela unidade das vozes, a unio espiritual dos comungantes, demonstra a ale-gria dos coraes e torna mais frater-nal a procisso dos que vo receber o Corpo de Cristo.

    Aps o sacerdote ter feitos as pu-rificaes, ele volta cadeira. Se for oportuno pode-se guardar durante al-gum tempo um sagrado silncio. Em-bora no previsto, pode-se entoar um salmo, hino, ou outro canto de louvor.

    Orao depois da Comunho: Toda a assembleia de p. O sacerdote de p diz: Oremos. Nesta orao o sa-cerdote implora os frutos do mistrio celebrado e o povo, pela aclamao Amem, faz a sua orao.

    Com informaes do site Sagrada Liturgia.

    Na prxima edio, estudaremos os passos que compem o Rito

    Final. At l!

    Na Liturgia celebramos a Obra de Deus realizada em Jesus Liturgia Divina por meio de vrios servios na celebrao. Atravs dos minist-rios litrgicos, seguimos o Mestre na arte de servir e tornamo-nos sinais Daquele que o grande litrgico.

    Um exemplo disso uma pessoa que, ao arrumar com carinho o local da celebrao cuida da limpeza, enfeita com flores, etc presta ser-vio Comunidade e, assim, segue o Mestre. O mesmo acontece com os outros ministrios litrgicos. Tudo isso deve ser feito na gratuidade, dedicao e alegria.

    Um modo privilegiado de cres-cer no discipulado

    A prtica do servio litrgico se constitui no privilegio de crescer no discipulado de Jesus.

    Primeiro, pela prpria prtica, porque constantemente se mede e se exercita na fidelidade tarefa que lhe foi confiada.

    Segundo, a pessoa cresce, quan-do humildemente faz suas avalia-es peridicas, luz do exemplo de Jesus.

    Terceiro, cresce-se espiritualmen-

    te tambm quando, o ministro, se vigia para nunca fazer do seu mi-nistrio um meio de se promover ou envaidecer. Lembrando sempre que Jesus foi humilde!

    Quarto, a pessoa cresce como discpula, ao fazer do seu ministrio um momento de orao e de dilogo amoroso com o Deus da vida.

    fazer discpuloAo exercer o ministrio litrgico

    dentro da dinmica do Evangelho, tambm se formam discpulos. Sa-be-se que o exemplo arrasta, con-vence e motiva as pessoas para a vivncia do mistrio de Cristo e o compromisso com o Reino. Servios litrgicos bem realizados, com cons-cincia, humildade e muita f, levam a assemblia para a experincia do Mistrio.

    Quando algum serve em uma ce-lebrao, reza com fervor, sintoniza--se com todos e coloca-se por inteiro a servio de Deus e dos irmos, faz com que as pessoas tenham muito mais facilidade de fazer a experin-cia do Mistrio de Deus.

    As atividades litrgicas exercidas e vividas no esprito de Cristo inspira

    no servo uma imensa fora evangeli-zadora. Em tempos de misso conti-nental, no esprito do Documento de Aparecida e das Diretrizes da Ao Evangelizadora da Igreja no Brasil, queremos viver o lema do novo pro-jeto de Evangelizao, A alegria de ser discpulo(a) missionrio!

    Para que tudo isso acontea de-vemos nos preparar. Assim, quere-mos convidar a todos os ministros de Liturgia e aos comunicadores para participarem da formao no dia 07 de julho, no Santurio Sagra-do Corao de Jesus, s 14h com a jornalista Fabola Goulart.

    Texto adaptado de Frei Jos Ariovaldo da Silva

    Readaptado por Vera Ginjo e Enriete Stolf

    ServioFormao para ministros de Liturgia e

    comunicadores07 de julho de 2012, s 14 horas

    Santurio Sagrado Corao de JesusInformaes na Secretaria da Parquia

    O ministrio litrgico formada por inmeras funes: equipes de canto, ministros da comunho, coroinhas, leitores, entre outros.

  • www.santuarioscj.com.br

    PARCERIA

    10PASTORAIS E MOVIMENTOS

    Eles visitaro os enfermos e as famlias carentes atendidos pela Critas

    Talita Rosa

    A mensagem de Jesus no Evangelho de So Marcos diretriz para os Grupos Bblicos. Estive com fome e me destes de comer, era estrangeiro, e me hospedastes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estive na priso, e fostes me ver. (Mateus 25,35).

    A partir deste ms, alm dos encontros nas casas para reflexo da Palavra, os animadores esto mobilizados em duas novas misses: visitar os doentes e visitar as fam-lias carentes, atendidas pela Critas. Toda pessoa que procura o servio de assistncia social na Comunidade So Judas Tadeu, recebe primeiro a visita do grupo bbli-co da regio onde mora. Alm de constatar as dificulda-des da famlia que solicita cestas bsicas, por exemplo, a visita mensal do grupo bblico permite a identificao de outras necessidades. Fazemos o acompanhamento e percebemos que muitos tambm precisam de roupas,

    ajuda financeira para pagar contas de gua, luz, comprar gs e remdios, explica Ktia Borges, coordenadora dos GBRs na So Judas.

    Neste ms, todos os oito setores tambm foram envol-vidos na visitao aos doentes. A partir de agora, a misso deixa de ser exclusiva da Pastoral da Sade, e passa a ser realizada com frequncia por cada grupo bblico. Os doentes j cadastrados recebero visitas mensais de acor-do com a regio onde moram. Todos os novos visitadores participaram de uma formao. Vamos at eles para levar a Palavra e tambm para ouvi-los. So pessoas que ficam muito sozinhas e querem conversar, conta Ktia.

    O desafio j gera expectativa. J tem gente querendo iniciar as visitas, mas vamos faz-las a partir da atua-lizao do cadastro de todos os doentes, que tambm passar a ficar disponvel na secretaria, explica. Esse mais um objetivo: ampliar a misso de visitar os doentes a todos que participam da comunidade.

    Leonir Pereira Coordenadora Paroquial Critas

    Dia 02 de junho as lideranas da C-ritas e Pastoral da Criana da Parquia Santurio Sagrado Corao de Jesus estiveram presentes no Seminrio das Pastorais Sociais que aconteceu no

    Centro Diocesano de Pastorais. A Dra. Dalila Pedrini conduziu o encontro fa-lando da importncia da educao pol-tica e social na Igreja, indicando como o Estado, o povo e a Igreja podem contri-buir na construo condies de traba-lho e renda para a populao.

    O Seminrio fez parte da progra-mao da 5 Semana Social Brasilei-ra onde tambm foi lanada a misso para que todos continuem o anuncio do Reino de Deus atravs da vivncia do amor presente na vida comunitria e no servio aos pobres.

    Paroquianos em Seminrio das Pastorais Sociais

    Grupos Bblicos assumem nova misso

    Alm das visitas aos enfermos em perodos especficos, como a da foto tirada no ltimo Tempo do Advento, a parquia amplia seu atendimento social com os Grupos Bblicos

    Dia 28 dia de rezar para So Judas Tadeu

    PasCom So Judas Tadeu

    Quando o final do ms se aproxima tempo de renovar a f no santo das causas imposs-veis. Em cada dia 28, as portas da Igreja So Judas Tadeu so abertas logo cedo e assim permanecem durante todo o dia para receber os devotos. Quem vai fazer uma prece ao santo encontra o Santssimo Sacramento exposto e tem a oportunidade de um momento ainda mais forte de orao.

    As celebraes mensais, sempre s 19h30, contam com a participao dos grupos bblicos de reflexo. No ms de maio, teve a visita ale-gre e ilustre do Padre Flvio Morelli.

    Participe de uma das celebraes em honra ao padroeiro, na Comunidade So Judas Ta-deu, mais uma oportunidade para aproximar--se de Deus e renovar sua f.

    Primeiros passos cristosRogrio Neves

    No dia 23 de junho, a Comunidade So Judas Tadeu teve a graa de acolher 46 crianas, que vieram pedir Igreja os Sacra-mentos da Iniciao Crist, durante a Santa Missa, presidida pelo Padre Kleber.

    Aps a apresentao de cada uma delas, foi-lhes entregue a mais importante ferra-menta de trabalho: a Bblia Sagrada. Agora caber aos catequistas acompanhar e evan-gelizar essas crianas, para darem incio a sua vida eucarstica.

    Alm disso, toda Comunidade So Judas Tadeu tem a responsabilidade de zelar e aju-dar estes novos membros da Igreja a cami-nhar na f, conforme ressaltou Padre Kleber.

    Rogrio Neves

  • www.santuarioscj.com.br

    Os jovens de nossa Parquia tiveram a oportunidade de participar de um re-tiro na comunidade Arca da Aliana, no ultimo dia 03 de junho. O evento foi mar-cado por grandes momentos de alegria, louvor, adorao e espiritualidade.

    Durante o encontro, os palestrantes falaram sobre os Sacramentos e sua im-portncia e, atravs do exemplo de suas vidas, mantiveram a ateno dos cris-mandos. Este envolvimento foi mantido at a adorao, onde muitos se emocio-naram diante de Jesus Eucarstico.

    Este ano tambm celebramos, ao fi-nal do retiro, a renovao das promes-sas do Batismo, juntamente com os pais e padrinhos. Padre Elinton, que presidiu a celebrao, ressaltou as pa-lavras do Padre Kleber que disse os jovens so o presente da Igreja e no somente o futuro dela e no o futuro como muitos falam. Na ocasio, reite-rou que a Crisma no como uma for-matura, mas sim a Uno do Esprito Santo que nos conduz a uma vida mais inserida na comunidade.

    Nossos agradecimentos e oraes ao

    grupo de jovens Pentecostes que muito nos animou, aos catequistas, ao Padre Elinton, aos pais e padrinhos pela pre-sena e a todos da comunidade Arca da Aliana por nos proporcionar uma ma-nh abenoada.

    Melice Felipe Bankhardt/ Gabriela Bankhardt

    11PASTORAIS E MOVIMENTOS

    IGREJA

    Um encontro especial para os crismandosRetiro paroquial da catequese envolveu pais e padrinhos dos jovens ao final do encontro

    Santurio nas redes sociaisO Santurio Sagrado Corao de Jesus de Joinville est presente nas redes sociais com a sua Fan Page no Facebook e com o seu perfil no Twitter (@santuarioscj). Nesses locais so divulgadas as notcias e in-formaes da Parquia e, alm disso, agregam a pasta de mdias so-ciais junto com o Jornal do Santurio e o Portal santuarioscj.com.br. Envie material de divulgao ou informaes da sua Comunidade para a equipe da Pascom atravs do e-mail [email protected]

    Celebraes da Crisma

    Comunidade Divino Esprito SantoData: 01/07Horrio: 08h

    Comunidade Sagrada Famlia junto da Comunidade Nossa Sra. do

    RosrioData: 01/07Horrio: 10h

    Comunidade So Judas TadeuData: 07/07Horrio: 19h

    Comunidade MatrizData: 15/07

    Horrio: 11h30

    Catequistas participam de escola regional

    Anderson Orthey

    A dcima edio da Escola de Formao e Animao de Catequis-tas da CNBB Regional Sul 4 sediada em Lages, a 380 Km de Join-ville, de 17 a 20 de maio, teve a participao de quatro paroquianos do Santurio. A prxima etapa de Formao acontece em agosto.

    O Santurio do Sagrado Corao de Jesus (SSCJ) esteve presen-te na primeira fase junto com outros agentes da Diocese. Alm de Joinville participaram tambm integrantes das outras nove dioceses do Estado.

    Esta Escola pertence ao conjunto de urgncias descritas no Pla-no Pastoral da Conferncia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) 2012-2015. Neste contexto, a Escola deste ms teve como trabalho os temas relacionamento e acolhida e iniciao vida Crist.

    Os representantes do Santurio que participaram da Escola agra-decem o apoio e investimento que a Parquia tem feito para qualifi-car os seus agentes de pastoral e tambm conta com a orao da co-munidade para todos os eventos em que o Santurio se faz presente.

  • O SANTURIONA MDIA

    Rdio Clube (AM 1590)Segunda a sexta7h55 - Nos caminhos da Palavra11h55 - O Po da PalavraSbado22h - Celebrando a Vida23h - Nos caminhos do Corao

    Domingo19h - Trasmisso da Missa (So Judas)20h - A Voz do Santurio21h - Direo Espiritual22h - Clube da F23h - Interao Jovem

    Rdio Difusora - Arca da Aliana (AM 1480)Domingo8h - Trasmisso da Missa (Santurio)Primeira Sexta Feira do ms15h45 - Beno das casas.16h - Trasmisso da Missa (Santurio)

    [email protected]

    ESPECIAL

    Falta pouco para as Misses

    Querigmticas

    Com material em mos, moti-vados na orao e em esprito de evangelizao, os paroquianos do Santurio de Joinville esperam o en-vio s Misses Querigmticas que acontece no dia 29 de julho. Mais de 400 missionrios de toda a Parquia foram preparados para sair s ruas da Comunidade Matriz, de 4 a 26 de agosto, todos os sbados, a fim de anunciar o Amor de Deus e procla-mar Sua Palavra.

    Alm dos evangelizadores que par-ticiparam do processo de preparao, todos os paroquianos so chamados a integrar a Equipe de Misso em outros trabalhos que so muito importantes, como a intercesso. Esta tambm uma maneira de ser missionrio, en-quanto outros vo s casas necessrio que alguns rezem por todo esse traba-lho, enfatiza o Padre Nilson Helmann.

    As casas que sero evangeliza-das pelos missionrios da Parquia,

    foram previamente visitadas por uma equipe de Agentes de Pastorais, mo-vimentos e grupos de reflexo que se esforaram na coleta de dados atravs do chamado Censo do San-turio. Parale-lamente, no ms de maio, aconte-ceram os eventos de reavivamento querigmtico em cada comunidade.

    Os resultados do Cen-so e os ltimos detalhes da misso sero apresentados dia 27 de julho no encontro antes do envio definitivo. A realidade da re-gio da Matriz um pouco diferente das outras comunidades visto que te-mos aqui uma grande quantidade de empresas e prdios residenciais, por isso importante revisar o foco e a abordagem da evangelizao neste local, reintera Pe. Nilson.

    Paroquianos se preparam para as misses na Comunidade Matriz