Jornal novo almourol ed 405 fev2015

of 24/24
FEVEREIRO 15 | N°405 | ANO XXXIV | PREÇO 1,20 EUROS | MENSAL DIRECTOR LUIZ OOSTERBEEK Novo Almourol Adeus, Quim... da Barquinha Joaquim Vieira, 58 anos, partiu mas deixou um legado humano e material que alimentou e há-de alimentar a identidade e cultura do concelho de Vila Nova da Barquinha mas também de toda a região. O adeus foi sentido e as manifestações chegaram de todo o país. p04 Caudais do Tejo deixam região em alerta A Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo tomou posição crítica sobre os caudais e assoreamento do Rio Tejo. Fernando Freire avisa que um dia pode surgir uma surpresa: Em vez de um rio, o Tejo pode tornar- se um riacho. A questão prende-se, segundo os autarcas, com a deficiente regulação das entidades nacionais, nomeadamente perante os transvases do lado Espanhol. Os espanhóis negam tudo. p05&24 Inaugurado Viveiro de Empresas em Ambiente Escolar Projecto envolve quatro turmas do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do ensino básico do concelho de Vila Nova da Barquinha. Já há projectos e muita motivação. p011
  • date post

    07-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    252
  • download

    25

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Jornal novo almourol ed 405 fev2015

  • FEVEREIRO 15 | n405 | Ano XXXIV | Preo 1,20 euros | MensALDIRECTOR LuIZ oosTerBeeK

    Novo Almourol

    Adeus, Quim...da Barquinha Joaquim Vieira, 58 anos, partiu mas deixou um legado humano e material que alimentou e h-de alimentar a identidade e cultura do concelho de Vila Nova da Barquinha mas tambm de toda a regio. O adeus foi sentido e as manifestaes chegaram de todo o pas. p04

    Caudais do Tejo deixam regio em alerta

    A Comunidade Intermunicipal do Mdio Tejo tomou posio crtica sobre os caudais e assoreamento do Rio Tejo. Fernando Freire avisa que um dia pode surgir uma surpresa: Em vez de um rio, o Tejo pode tornar-se um riacho. A questo prende-se, segundo os autarcas, com a deficiente regulao das entidades nacionais, nomeadamente perante os transvases do lado Espanhol. Os espanhis negam tudo.

    p05&24

    Inaugurado Viveiro de Empresas em Ambiente Escolar

    Projecto envolve quatro turmas do 1., 2. e 3. ciclos do ensino bsico do concelho de Vila Nova da Barquinha. J h projectos e muita motivao.

    p011

  • 02 CURTAS & GROSSASNovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    rio acima

    rio abaixo

    Joaquim VieiraLugares comuns mas verdades ditas: a Barquinha fica mais pobre e no ser a mesma. Para muitos um amigo, para outros uma figura carismtica e irreverente, para outros ainda uma inspirao. Partiu mas deixou um legado humano e material. (Pg.4)

    A praga chegou h meses!

    A praga do escaravelho da palmeira que tem vindo a infectar e matar centenas de rvores por todo o pas tema de conversas surdas nas comunidades. O NA escreveu sobre a praga e deu a conhecer o plano de emergncia para a combater. Foi h trs meses. No entanto, s em Janeiro comearam os envios para publicao de editais por parte do governo...

    Portugal 2020

    Multiplicam-se as sesses de esclarecimento e formao sobre o novo quadro de apoio europeu para o pas. Quem quer ser empreendedor tem sua disposio ferramentas nunca vistas. Se estiver interessado tem muito por onde escolher e no estar sozinho(a).

    O Tejo est em perigo Em dois meses, duas presenas no Rio Abaixo do NA. Depois do transvase no final de 2014, seguem-se as crescentes preocupaes de autarcas portugueses, nomedamente do Mdio Tejo. O presidente da cmara de Vila Nova da Barquinha lana o aviso: "um dia poderemos ter no um rio, no uma ribeira, mas sim um riacho". (pg. 5)

    Paulo Passos

    "Produto" de VN Barquinha, o designer Paulo Passos venceu o concurso para criao da imagem institucional do Municpio de Estarreja.Muitos no o sabem, mas um dos criadores deste jornal e um dos mais premiados designers nacionais.

    Apesar de tudo, cheira mal

    Apesar da revogao do alvar de explorao por parte da autarquia de Vila Nova da Barquinha, da petio com mais de mil assinaturas e centenas de comentrios de desagrado, na rua ou nas redes sociais, o mau cheiro provindo da explorao suincola continua. A revolta da populao aumenta. Espera-se que o bom senso impere.

    29. Fundada a 24 de Janeiro de 1986, a Associao Filarmnica Montalvense 24 de Janeiro celebrou o seu XXIX aniversrio. hoje responsvel pelo n-cleo concelhio do Ensino Articulado de Msica, contando com 52 alunos, e pelo Projecto ABC da Msica, que promove o ensino da msica a todas as crianas do concelho de Constncia que frequen-tam os jardins-de-infncia.

    Trabalhos na Ponte de Abrantes

    Comeou dia 9 de Fevereiro a segunda fase de trabalhos na ponte de Abrantes, sobre o Tejo, que vai durar at ao final de Novembro e proibir a passagem de veculos pesados ficando condicionada a uma faixa de rodagem para os veculos ligeiros, com circulao alternada e regulada por semforos.O transporte pblico de passageiros tem uma circulao permitida at 20 toneladas. A circulao livre permitida apenas para ambulncias, bombeiros e foras de segurana em situao de emergncia.

    Luiz Oosterbeekeleito pelo CIPSHLuiz Oosterbeek o novo Secretrio-Geral do Conselho Internacional de Filosofia e Cincias Humanas, eleito durante a assembleia-geral do Conselho Internacional de Filosofia e Cincias Humanas (CIPSH), reunida na sede da UNESCO em Paris. O CIPSH foi fundado em 18 de Janeiro de 1949, no mbito da UNESCO, e coordena neste momento uma reflexo internacional sobre o sentido e a funo das humanidades nas sociedades do sculo XXI e participa nos principais programas internacionais de cincia, tecnologia e desenvolvimento, em colaborao com a UNESCO e as academias e universidades dos diversos pases. tambm director do Jornal Novo Almourol, que se congratula pela honra da sua eleio.

    Sarau Solidrio com Cabo VerdeA Cmara Municipal do Entroncamento organizou um Sarau de Solidariedade a favor do Municpio de Mosteiros e cerca de mil pessoas responderam ao apelo.Jos Cid, Dany Silva, Teresa Tapadas, Ricardo Oliveira, Filipe Santos, Padre Jos Lus Borga e Pedro Dionsio encheram de msica o Pavilho Desportivo Municipal. O Sarau foi transmitido em directo para os habitantes de Mosteiros Cabo Verde. A Embaixadora de Cabo-Verde em Portugal, Madalena Neves, foi recebida durante a tarde, na Cmara Municipal, e agradeceu a preciosa ajuda. J no Pavilho Desportivo agradeceu a todos os presentes o seu espirito solidrio a favor da populao fustigada pela erupo do vulco. O Presidente do Municpio, Jorge Faria, salientou o facto de toda a cidade se ter envolvido em torno da causa e agradeceu a disponibilidade de todos os msicos e demais envolvidos na organizao do evento.

    Cirurgias ginecolgicas em Abrantes A actividade cirrgica da especialidade de ginecologia do Centro Hospitalar do Mdio Tejo (CHMT) passou a ser assegurada pelos meios clnicos da maternidade da Unidade Hospitalar de Abrantes, desde 2 de Fevereiro. A deciso decorre, segundo comunicado do Conselho de Administrao do CHMT, da convico de que a concentrao da actividade cirrgica de uma mesma especialidade numa Unidade Hospitalar contribuir para um melhor servio s cidads, acrescentando eficincia na prestao de cuidados na especialidade. Ainda no comunicado pode ler-se que a deciso foi tomada depois da reflexo clnica que tem sido efectuada no mbito funcional do departamento cirrgico e do servio de ginecologia e obstetrcia. Em 2014 realizaram-se cerca de 200 cirurgias electivas de ginecologia e obstetrcia.

    Mais de 7.000 toneladas de lama foram acumuladas ao longo dos anos nas valas de Cordas e de Pereiro, no concelho de Torres Novas. Um delicado problema ambiental.

  • noVoALMouroL.wordPress.coMNA PRIMEIRA PESSOA 03 FEVEREIRO 2015

    CVManuel Maia 74 anosreformado da cPAtletaMoita do norte, Vila nova da Barquinha

    1959Fui levado por carlos Godinho, que era scio do sporting c.P., a treinar a Alvalade com o Prof. Moniz Pereira. Fiquei a cinco segundos do recorde nacional dos 1500 m. Treinei uns tempos mas acabei por parar de ir

    1961entrei para a tropa e estive depois quatro meses em Angola. durante 4 anos no pratiquei atletismo.

    1971depois de anos a trabalhar na cP para poder ter uma famlia, e depois de me casar, nasce a minha filha mais velha, susana.

    2006recebi a medalha grau de ouro do municpio de Vn Barquinha. J corria. mas decidi comear a praticar mais a srio. Ingressei no cLAc em 2009 e tive a grande satisfao de treinar com Mrio Abego.

    Sempre tive jeito paraEm termos profissionais para muita coisa: rebocador, soldador, desenhador, electricista. Sempre tive gosto para isso. Mas se me perguntar se tenho jeito para dar um pontap na bola, claramente no.

    Trs coisas a que nunca resistoA corrida, mesmo assim. O estar sempre presente na unio da famlia - importantssimo na vida - e ajudar o amigo, o prximo. Estou sempre pronto a ajudar, a trabalhar, a auxiliar, sem qualquer interesse. No podia viver sem...Sem a unio de pais e filhos. Faz-me muita confuso as divises familiares.

    Acredito...Acredito que haja algo sobrenatural que nos guia mas no sou praticante. Mas creio que a Igreja Catlica representa a religio mais honesta.

    No acredito...Na poltica, no estado em que ela est... Aps o 25 de Abril houve uma abertura para que as pessoas falassem sobre as suas vidas e ganhassem alegria. Hoje estamos quase presos no que queremos dizer e mesmo dizendo no nos serve de nada.

    No vale a pena sermos maus e inimigos do prximo. Devemos ser amigos, honestos, e quantos mais amigos tivermos, melhor.

    1990depois de 19 anos em Lisboa, como desenhador na cP, recomeo a praticar atletismo de forma regular. reacendeu-se o bichinho.

    Se aprendemos com os erros porque temos medo de errar?Como no conseguimos ser perfeitos h quem erre e no consiga perceber a lio. E isso faz com que as pessoas no tentem, precisamente com medo de errar. Apesar de no conseguirmos a perfeio vamos sempre errando menos medida que tentamos.

    Se pudesse dar um conselho a um recm-nascido qual seria?No vale a pena sermos maus e inimigos do prximo. Devemos ser amigos e honestos, e quantos mais amigos tivermos melhor.

    O que preferia ser: um gnio preocupado ou um idiota contente?Acho que a pessoa que sabe tudo tem grandes dificuldades em ser feliz, seria mau, viveria em ansiedade. Ser um idiota contente ser uma defesa perante o mundo, as notcias. Prefiro esta ltima.

    Uma msica como banda sonora da sua vida?No sou uma pessoa ligada msica. Mas gosto muito do fado e de orquestras sinfnicas. Vejo-me a correr com uma banda sonora de msica clssica.

  • 04 SOCIEDADENovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    VN BARQUINHA

    "Meus amigos, est na hora, que amanh dia de missa!"

    TEXTO&FOTO RICARDO ALVES

    A Barquinha ficou mais pobre com a partida de Joaquim Vieira, o Quim do 21 como era co-nhecido por milhares. O dia 5 de Fevereiro de 2015 marcar de saudade e gratido os muitos e muitas que tiveram o prazer de conhecer Joaquim Vieira, o ilustre morador do n 21 em Vila Nova da Barquinha, figura carismtica do Bar e museu etnogrfico com o mesmo nmero.

    O "ajuntador de objectos", como se definia numa reportagem do Jornal Novo Almourol em Dezembro de 2013, que no seu bar no tinha "clientes mas sim amigos", faz parte da memria de geraes de "ami-gos" que se juntavam na sua "casa" ao encontro de uma boa conversa, boa msica e o famoso abafado.

    Mas o Quim era muito mais. Na sua casa as portas estiveram sempre abertas para quem quisesse conhe-cer mais a Barquinha, a sua Barquinha, com a qual manteve durante toda sua vida uma paixo incondi-cional e foi verdadeiro cicerone de quem se aventurava pelo concelho, sendo tantas vezes a primeira paragem de milhares de visitantes.

    Os mesmos milhares que na Quinta-feira, dia 5 de Fevereiro, visitaram a pgina de facebook e blogue

    do Jornal Novo Almourol e leram que perderam um amigo. As tecnologias do para aferir o impacto: cer-ca de 50 mil visitas, mais de 500 partilhas da notcia, mais de 15 mil comentrios, de pessoas de todo o pas, desde o Minho ao Algarve e s ilhas, mas tambm de outros pases.

    O lamento, o sentimento de perda foi imediato e pesado. Joaquim Vieira era coerente, de uma forma que dificilmente se encontra na actualidade. Corro-sivo porque sincero, desbragado mas especialmen-te sensvel, aceitava todos e todas, recebia de braos

    abertos a diferena e nunca quis mais para si do que desejava para os amigos.

    Despedida como sempre quis. Em vida, Joaquim Vieira costumava antecipar a sua partida, olhando as paredes em sua volta, as do bar, detalhadamente suas, decoradas com as suas vrias artes, desde a poesia, ao desenho, s colagens, cermica ou olaria. Queria que se despedissem dele na sua cave, no seu bar, local de reunio de amigos.

    Assim foi. A sua vontade pstuma ficou transcrita e o seu corpo esteve presente no bar de tantas mem-rias. Os amigos despediram-se, muitos no o puderam fazer pela distncia ou outra impossibilidade. Aban-donou a sua casa sob aplausos e foi acompanhado por largas dezenas at ao cemitrio de Moita do Norte.

    L, foi devolvido terra com a bandeira do muni-cpio, uma das muitas antigas relquias que guardava dentro de si, leia-se a sua casa. E quem foi o Quim? O Quim ser sempre parte da Barquinha e de todos os que o conheceram e nunca ser esquecido. famlia enlutada dirige o NA os mais sinceros psames.

    "Sou filho de Jos Francisco de Matos Vieira e de Maria dos Santos Joaquim e carrego dentro de mim essa herana toda. Fui operrio de cermica durante 19 anos e ainda hoje me considero operrio" Quim, Jornal NA, Dezembro de 2013

    O ser humano tem muitas fomes, fraquezas, e tem a capacidade de criar. Diz-se que a fome e o frio pem a lebre ao caminho. Eu tenho muitas fomes, porque gostava de conhecer mais gente, logo mais coisas, as pessoas tm sempre gostos, carregam algo em si Quim, Jornal Abarca, 2008

    "Uma das coisas que as pessoas deviam fazer era curtirem-se, sem hipocrisias, sem falsidade, mesquinhez, serem mais livres, mais humanas." Quim, Jornal Abarca, 2008

    Quim, frase diria de encerramento do Bar 21

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    CAMINHANDO 05FEVEREIRO 2015

    CIMT

    Caudais do Tejo geram forte preocupao

    TEXTO RICARDO ALVES

    Os autarcas da Comunida-de Intermunicipal do M-dio Tejo (CIMT) tomaram uma posio pblica na reu-nio do Conselho Intermu-nicipal de 30 de Janeiro, pelo facto de se notar uma grande variao diria do nvel do caudal do rio Tejo que resulta dos transvases do Tejo, para o sul de Espanha, e de uma ges-to dos caudais em funo das necessidades de produo de energia pelas grandes barra-gens espanholas junto fron-teira com Portugal.

    Em comunicado, a CIMT constata que os ltimos anos hidrolgicos tm sido genero-sos quanto s disponibilidades de recursos hdricos na bacia do Tejo quer em Espanha quer em Portugal, como se pode comprovar pelas disponibili-dades de 75,8% da capacidade de armazenamento total das albufeiras da bacia do Tejo em Portugal, em Dezembro de 2014, e de 61,93% da capaci-dade de armazenamento total das albufeiras da bacia do Tejo em Espanha, em Janeiro de 2015, acima da mdia dos 10 ltimos anos.

    No entanto, a CIMT refe-re o preocupante assoreamen-to do leito do rio, deteriorao da qualidade da gua face aos caudais cada vez mais reduzi-dos e insuficientes para susten-tar um adequado estado ecol-gico dos ecossistemas naturais, bem como se verificam danos em infraestruturas fluviais que ficam a descoberto, ausncia de condies para a prtica de desportos nuticos, satisfa-

    o da procura de servios do turismo e lazer, que so uma componente importante da estratgia de desenvolvimento do Mdio Tejo.

    Um dia teremos apenas um riacho. Fernando Freire, pre-sidente da Cmara Municipal de Vila Nova da Barquinha (VNB) e um dos subscritores da posio pblica da CIMT, coloca dvidas sobre se esto a ser cumpridos os instru-mentos de regulamentao europeia sobre a gua. Freire adverte para os danos que po-

    dem advir da continuao da situao, para alm da questo ecolgica h tambm o pre-juzo das actividades nuticas, VNB tem turismo, canoagem e estruturas fluviais que ficam a descoberto, o que nos limi-ta. So actividades que geram alguma riqueza no territrio e no s na Barquinha. S na nossa CIM temos quatro: Ma-o, Abrantes, Constncia e VNB. Tem relevncia econ-mica.

    Por outro lado, Fernan-do Freire afirmou ao NA que existe inaco portuguesa, nomeadamente das entidades que devem regular, e revelou que um autarca que est aqui no tem informao. Eu no vou contactar o meu parceiro em Espanha que est preocu-pado que haja armazenamento de gua e respectiva captao

    Inaco da administrao central poder estar a condenar o Tejo tal como o conhecemos, avisa a cIMT

    VN BARQUINHA

    Superfcie Comercial avana

    TEXTO NA

    O incio da construo da superfcie comercial e posto de abastecimento de combust-vel nos terrenos junto antiga Valura, na estrada Nacional 3, entrada para a Vila, vai ar-rancar at ao fim de Fevereiro. A informao recolhida junto de fonte prxima do processo aponta para a iminncia dos trabalhos de limpeza dos ter-renos num processo que sofreu atrasos relacionados com a co-locao das bombas de gasolina. Mas no s.

    O projecto do supermer-cado Grupo Os Mosque-teiros, Intermarch esteve praticamente finalizado na sua vertente comercial em meados de 2014 mas a partir do mo-mento em que se introduziu no mesmo a valncia do posto de abastecimento este teve de so-frer algumas alteraes, nomea-damente ao nvel do acesso dos carros e percursos, relacionados com questes de segurana. Recorde-se que a inaugurao esteve prevista para Novembro de 2014.

    Os promotores do projecto j no so os que deram origem ao processo e segundo apurou o NA so oriundos do norte do pas e estaro j instalados na regio. Aquando da atribuio do da explorao do franchise pelo Grupo Mosqueteiros os modelos das unidades so es-tandardizados mas conforme a disponibilidade e terreno do espao de armazenamento cada

    franchisado pode fazer algu-mas alteraes. Os promotores analisaram as sugestes e suge-riram que se integrasse as bom-bas de gasolina levando a uma reorganizao do projecto.

    O processo deu entrada nos servios da Cmara Muni-cipal de VNB em Novembro de 2013, e em Fevereiro foi realizado o licenciamento do projecto de arquitectura. Desde ento foi licenciado o projecto de arquitectura com o posto de combustvel, tambm aprovado pela proteco civil, e aprovadas as peas de substituio da ar-quitectura do estabelecimento mediante a rectificao do pos-to de abastecimento de com-bustvel. Os documentos relati-vos ao plano de demolio, e o projecto do posto de combust-vel rectificado foram igualmen-te entregues at Maio e at final de Setembro foram entregues as ltimas peas de correces ao projecto de arranjos exte-riores. Em Dezembro ltimo o processo ficou concludo.

    A superfcie comercial de-ver criar entre 30 a 40 postos de trabalho sendo que h cerca de um ano a autarquia recebeu currculos de interessados atra-vs da sua base de dados. O NA sabe que os promotores j tm esses documentos na sua posse sendo responsveis pelo recru-tamento e seleco dos postos de trabalho. No entanto, ter ficado definido que se daria prioridade aos proponentes do concelho em caso de equivaln-cia de formao.

    Quim, frase diria de encerramento do Bar 21

    "Um dia destes podemos ser surpreendidos e termos no um rio Tejo, no uma ribeira, mas provavelmente um riacho"

    de gua no seu territrio. Se-jamos coerentes. Quem est a jusante do rio que tem de estar preocupado com os cau-dais. Essa preocupao est implcita na nova lei que de-fine os caudais mnimos ou ecolgicos de modo a permitir que a vida das espcies a jusan-te se conserve.

    Se no houver a jusante entidades pblicas, nomeada-mente da administrao cen-tral, que controlem os caudais, provavelmente teremos uma surpresa e no teremos gua no rio Tejo daqui a alguns

    anos, alerta Freire, que prev que se no houver um esfor-o bilateral Portugal-Espanha um dia podemos ter no um rio Tejo, no uma ribeira mas provavelmente um riacho, com danos significativos para as populaes, a fauna, a flora e o prprio plano de valorizao intermunicipal de uma riqueza cultural e patrimonial e turs-tica, teremos um futuro muito negro. Perderemos populao e qualidade de vida.

    O conselho CIMT delibe-rou por unanimidade solicitar a interveno do Ministro do Ambiente, Ordenamento do Territrio e Energia, a Agn-cia Portuguesa do Ambiente a Comisso para a Aplicao e o Desenvolvimento da Conven-o de Albufeira (CADC) que renam esforos bilaterais para resolver o problema.

  • 06 SOCIEDADENovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    SOCIEDADENovos Espaos do Cidado no Mdio TejoTEXTO RICARDO ALVES

    Foi assinado em 16 de Janei-ro, na sede da CIM do M-dio Tejo, em Tomar, um Proto-colo entre o Municpio de Vila Nova da Barquinha (VNB) e o Governo de Portugal com vista implementao de um Es-pao do Cidado na freguesia de Praia do Ribatejo. Este ser o segundo espao do gnero no concelho, que detm uma Loja do Cidado desde 2009, a pri-meira do distrito de Santarm. A medida foi aprovada na reu-nio de executivo camarrio do passado dia 14 de Janeiro.

    Fernando Freire, presidente da autarquia, contou ao NA que esta uma aposta do governo e ressalvou que o novo espao no ser igual a uma loja do cidado mas que de facto fa-cilita o acesso a informao comunidade, nomeadamente e numa primeira fase, ADSE; Caixa Geral de Aposentaes; Segurana Social; Portal do Ci-dado; Direco Geral do Con-sumidor; Servio de Estran-

    geiros e Fronteiras; Instituto da Mobilidade Terrestre; Au-toridade para as Condies de Trabalho; Inspeco-geral das Atividades Culturais; Direco Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas; Instituto da Habitao e da Reabilitao Urbana e Servios partilhados do Ministrio da Sade.

    O municpio avaliou a si-tuao e entendeu que face situao rural de Praia do Ri-batejo, devia facultar e facili-tar o acesso a este front office, entendemos que politicamente seria a opo mais correcta e que as populaes de Limeiras e Madeiras possam ter acesso s informaes importantes para o seu dia-a-dia.

    Constncia no aceitou. Alca-nena (10), Ourm (5), Abrantes (4) e Tomar (3) so os conce-lhos que vo dispor de mais Es-paos do Cidado. Torres No-vas, Mao, Sert, Vila de Rei e Entroncamento vo dispor de dois cada. Ferreira do Zzere, Sardoal e VNB vo ter, cada um, um Espao do Cidado.

    O nico dos 13 municpios da CIMT Mdio Tejo a no assinar o protocolo foi Cons-tncia, por razes de discrdia. A autarquia alega que os servi-os prestados nos espaos so competncias da Administra-o Central e no dos munic-pios e que a sua adopo teria custos acrescidos para o muni-cpio.

    Recrutamento de Professores VoluntriosEsto abertas as inscries para professores motivados para a realizao de trabalho voluntrio com crianas com idades compreendidas entre os 7 e os 12 anos. Este projecto Tempo para ensinar tempo para aprender! - tem como objectivo favorecer o sucesso escolar na aquisio de competncias ao nvel da leitura e da escrita, em crianas do 1. ciclo do ensino bsico que revelam dificuldades de aprendizagem e cujas famlias no possuem recursos para colmatar estas desvantagens.As competncias pretendidas so Interesse e motivao para projectos de voluntariado com crianas; Capacidade de adaptao a novas estratgias de aprendizagem; Receptividade e criatividade; Facilidade no relacionamento com crianas; Persistncia; Que procure uma oportunidade para fazer parte de uma experincia recompensadora.As inscries podem ser feitas at dia 16 de Fevereiro.

    ourM

    Morreu Fundador do PS AbrantesManuel Pereira Dias, fundador do Partido Socialista de Abrantes e deputado eleito para a Assembleia Constituinte em 1975, faleceu dia 27 de Janeiro, em Abrantes, aos 84 anos, vtima de doena prolongada.Manuel Pereira Dias nasceu em Abrantes em 1930. Participou pela primeira vez em 1949 na campanha de Norton de Matos. Militante n 1197 do Partido Socialista desde o 25 de Abril de 1974. Criou com um pequeno ncleo de pessoas, o Partido Socialista de Abrantes e ajudou a implement-lo no Distrito de Santarm.Em Julho de 1974 fez parte da Comisso Administrativa da Cmara Municipal de Abrantes onde acompanhou desde o incio a consolidao do crescimento do poder local democrtico tendo tambm sido eleito deputado Municipal em 12 de Dezembro de 1976, cargo que desempenhou at s ltimas eleies autrquicas, em 2013. A Cmara de Abrantes aprovou no dia 3 de Fevereiro, na reunio do Executivo Municipal, um voto de pesar pelo falecimento dos histrico poltico.

    ABrAnTes

    Formar lderes e encontrar as chaves para a sustentabilidade

    o projecto internacional APHeLeIA, coordenado pelo Instituto Politcnico de Tomar (IPT) e que tem 17 parceiros de sete pases, quer formar 40 lderes por ano e definir as 100 palavras-chave da sustentabilidade at 2017. com coordenao geral de Luiz oosterbeek, Benno werlen e renaldas Gudauskas, o projecto assinala os resultados negativos das ltimas dcadas de polticas de desenvolvimento sustentvel, e defende um novo quadro de referncia, que assume as necessidades humanas e a diversidade cultural como o ncleo de um novo paradigma de desenvolvimento.APHeLeIA, ou o esprito da simplicidade na Grcia antiga, uma parceria que se baseia na colaborao estreita em Portugal entre o IPT, a comunidade Internacional do Mdio Tejo (que ser o territrio europeu prioritrio para a formao de quadros em contexto aplicado), o Instituto Terra e Memria (que desenvolveu o modelo de gesto territorial cultural integrada, o municpio de Mao (onde ficar a sede do centro de Aes de referncia do IYGu (International Year of Global understanding para a europa ocidental) e o centro de Geocincias da universidade de coimbra (o nico que em Portugal integra as cincias naturais e as cincias humanas).o projecto foi aprovado em sede da comisso europeia e Luz oosterbeek, professor do IPT e director do Museu de Arte Pr-Histrica e do Instituto Terra e Memria (ITM), afirmou que o objectivo do mesmo desenvolver um conjunto de actividades at 2017 em torno do desenvolvimento sustentvel, tendo defendido a importncia da cultura na sustentabilidade do planeta.

    euroPA

    VN BARQUINHA

    Novo site abre portas a maior proximidade TEXTO NA

    A Cmara Municipal de Vila Nova da Barquinha (VNB) lanou no dia 21 de Janeiro, o seu novo site oficial com um novo design, mais con-tedos, numa nova arquitectura de informao, maior facilidade de navegao e mais velocidade da nova plataforma.

    O novo site decorre de um projecto global dos 13 munic-pios que integram a Comuni-dade Intermunicipal do Mdio Tejo inserindo-se numa estra-tgia de comunicao que pre-tende ser mais eficaz e de mais fcil utilizao.

    A nova ferramenta opti-mizada para os mais modernos equipamentos como smartpho-nes e tablets. Municpio, Ser-vios, Viver, Visitar e Investir so as grandes reas temticas do portal, que tem como prin-cipal pblico-alvo os munci-

    pes, contendo nas suas pginas uma descrio pormenorizada da instituio quem so os eleitos e quais as suas reas de actuao, bem como os servios disponibilizados pela autarquia.

    O site contm tambm uma panplia de documentos - requerimentos, actas, editais, plantas online, regulamentos, deliberaes assim como in-formaes teis para facilitar a relao entre o municpio e os cidados. Tambm disponveis no novo site esto todos os do-cumentos da gesto financeira da Cmara Municipal, como os Oramentos e os Planos de Prestao de Contas.

    No turismo, a plataforma assume-se como um autnti-co roteiro, funcionando como carto-de-visita do territrio e contendo informao sobre todos os produtos tursticos do concelho, como o Castelo de Almourol, a Igreja Matriz da Atalaia, o Parque de Escultura

    Contempornea, entre outros.

    A Cultura e a Educao so reas de referncia nesta pre-sena na web, que referencia to-das as associaes e colectivida-des, os diferentes equipamentos educativos, culturais e despor-tivos, sem esquecer as publi-caes editadas pela autarquia, assim como as obras publicadas sobre o nosso Ribatejo.

    A actualizao estar exclu-sivamente a cargo dos tcnicos do municpio.

    O site resulta da implemen-tao do projecto "Afirmao Territorial do Mdio Tejo", da responsabilidade da Comuni-dade Intermunicipal do Mdio Tejo.

    O Portal consagra o direito de acesso informao contida em processos e procedimentos em curso, assim como o direito informao que assiste a to-dos os cidados, de acordo com o sistema de arquivo aberto.

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    SOCIEDADE 07FEVEREIRO 2015

    TEXTO&FOTOS RICARDO ALVES

    Deixa a corporao de VN Barquinha com o sentimen-to de dever cumprido mas gos-taria de ter tido a oportunidade de preparar as comemoraes dos seus 90 anos. Em mos tem uma proposta profissional aliciante mas leva mgoa pelo modo como foi tratado ao fim de 24 anos de servio como co-mandante, numa carreira que comeou antes, quando entrou como cadete.

    Carlos Gonalves, que tambm foi recentemente elei-to para um segundo mandato como presidente da Federao Distrital de Bombeiros, admite que fazer uma interrupo na minha vida profissional aqui na Cmara (VN Barquinha) deixa-me algum peso significa-tivo e emocional, mas sai com o sentimento de dever cum-prido, com toda a conscincia deixo uma instituio com um patrimnio do qual muita da responsabilidade minha e no

    abdico de assumir, deixo um activo financeiro muito interes-sante, na ordem dos 300 mil euros.

    A mgoa, contou ao NA o novo comandante dos Bombei-ros Municipais de Tomar, no relativa ao geral, mas sim de um passado recente, nomeadamen-te os ltimos trs anos, no fui reconhecido pela entidade detentora, pelos bombeiros, que no me tratou com a con-siderao que eu acho que me-reo. Tambm um peso que eu acho que me leva a tomar algumas decises, mas a parte profissional, o projecto que me foi colocado, pesa bastante na deciso.

    Instado a detalhar os mo-tivos das suas palavras, Carlos Gonalves no se quis alongar. No entanto, apesar de relutante, deixou escapar que o ltimo mandato da direco que ces-sou no me tratou com o de-vido respeito e mais no posso dizer.

    Fazendo uma retrospectiva do seu trabalho em VN Bar-

    Carlos Gonalves desde o incio de Fevereiro o novo comandante dos bombeiros municipais de Tomar depois de 24 anos como comandante dos voluntrios de Vila Nova da Barquinha. Sai com mgoa mas muita motivao para o novo desafio

    quinha, Carlos Gonalves con-tou que nunca teve necessidade de se pr em biscos dos ps mas perante os recentes acon-tecimentos disse que sendo eu o comandante nunca me senti proprietrio de nada, exceptu-ando um perodo ou outro de frias, todas as noites eu passei pelo quartel, todos os sbados, todos os domingos, e afirma que mesmo nos ltimos trs anos sofrendo eu na pele algum tratamento menos correctos, no houve da minha parte uma lamria que tivesse extravasado os portes do quartel de bom-beiros.

    Para j, o seu ex-adjunto, Jorge Gama, que vai assumir as funes de comandante, no sei se ser ele a assumir o lu-gar de comandante no futuro ou se ser outra pessoa, mas a direco fica bem entregue, o tenente-coronel Antnio Ribeiro parece-me uma pessoa extremamente competente e isso deixa-me feliz, uma pes-soa coerente, com uma postu-ra antagnica pessoa que ele foi substituir e que tem todas as premissas para se conseguir fazer um bom trabalho, antev.Eu e o Major Jlio Gomes, que foi presidente da direco durante 19 anos e da Liga dos Bombeiros, fomos as pessoas na histria desta direco que mais alto chegaram na estru-tura hierrquica dos bombeiros portugueses, afirma Gonalves perante a injustia que sente mas olhando o presente diz que o meu trabalho v-se recom-pensado com esta confiana

    24 anos como comandante dos Bombeiros Voluntrios de Vn Barquinha MAO

    Bombeiros com nova viatura de desencarceramento

    TEXTO NA

    Os Bombeiros Voluntrios de Mao tm um novo Ve-culo de Socorro e Assistncia Tctico (VSAT). A nova via-tura foi adquirida no mbito de uma candidatura ao POVT/QREN, tendo sido compartici-pada pelo referido projecto no montante de 116.909,85.

    A Cmara Municipal de Mao tambm apoiou esta

    aquisio, na verba no com-participada pela referida can-didatura, com a atribuio de um subsdio Associao dos Bombeiros Voluntrios de Ma-o no valor de 27.870,15.

    O equipamento, conhecido por viatura de desencarcera-mento, veio substituir um outro existente na corporao, que j no respondia com total efic-cia s necessidades, tendo este ltimo sido entregue Cmara Municipal de Mao..

    VN BARQUINHACarlos Gonalves deixa Bombeiros com "sentimento de dever cumprido"mas tambm alguma "mgoa"

    que a Cmara Municipal de Tomar deposita em mim.

    Em Tomar vai ter um cor-po de bombeiros mais profis-sional, que est na dependncia directa da Cmara Municipal, portanto um servio munici-pal, e vou passar a chefe de di-viso. Tambm aqui diria que o meu desafio profissional, diz Gonalves que era h muitos anos tcnico superior na cma-ra de VN Barquinha.

    A Cmara Municipal de To-mar, na sua reunio de 19 de Janeiro, deliberou por unani-midade a constituio do novo comando dos seus Bombeiros Municipais e Carlos Gonal-ves ter como 2. Comandante Vtor Manuel Tendeiro Tarana, e como Adjuntos de comando Vtor Manuel Pereira Bastos, Carlos Antnio Duque Rodri-gues e Paulo Alexandre Pereira de Freitas.

  • 08 PUBLICIDADENovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    ECONOMIA 09FEVEREIRO 2015

    "Mais de 90% dos fundos Europeus a aplicar nas regies pobres"

    Manuel Castro Almeida, o se-cretrio de Estado do Desen-volvimento Regional anunciou no final de Janeiro, incentivos para a instalao de empresas no interior, que passam por uma majorao de 10% para quem aposta nos territrios

    mais pobres. Vai ser possvel, no mbito do programa Portu-gal 2020, bonificar as empresas que se instalam nas regies mais pobres do pas, afirmou. O governante afirmou ainda que a esmagadora parcela dos fundos europeus vai ser utili-

    zada nas regies pobres, mais de 90% dos fundos vo ser uti-lizados nas regies do Norte, Centro, Alentejo e dos Ao-res. O objectivo diminuir as diferenas de desenvolvimento que h no pas e as assimetrias desenvolvimento.

    ESTA no Tagusvalleycom oramentoreduzidoo projecto de instalao da escola superior de Tecnologia de Abrantes (esTA) nos terrenos do Tagusvalley, com um investimento inicial previsto de 11 milhes de euros, foi revisto e diminudo para 3 milhes de euros, segundo anunciou a presidente da autarquia abrantina, Maria do cu Albuquerque, durante um seminrio sobre os novos desafios para a regio centro, no dia 29 de Janeiro no Tecnopolo do Vale do Tejo. A autarca referiu-se reformulao do projecto afirmando que o pas no suporta hoje o projecto e que um dos edifcios instalados no Tecnopolo que no est a ser utilizado, ser reabilitado e posto ao servio do Politcnico de Tomar mas tambm das empresas.

    Tagusvalleyalarga prazosde concurso o prazo do 3. concurso de Projectos empresariais foi alargado para 13 de Maro de 2015 para chegar ao pblico acadmico. A iniciativa do Tecnopolo do Vale do Tejo, em Abrantes, tem por objectivo incentivar a criao de iniciativas empreendedoras de base tecnolgica no Mdio Tejo. desde dezembro foram recebidas ideias de negcio nos sectores Agroalimentar, da Metalomecnica, energia e Tecnologias de Informao e comunicao. As trs melhores ideias, sero premiadas com um pacote de servios, permitindo aos empreendedores materializar. Podem concorrer pessoas singulares, maiores de 18 anos, ou coletivas, constitudas h menos de trs anos.

    TEXTO&FOTOS RICARDO ALVES

    Foi durante o seminrio "Tagusvalley 2020 - De-safios para a regio", no Tec-noplo do Vale do Tejo em Abrantes, no dia 29 de Janeiro, que Ana Abrunhosa, Presi-dente da Comisso de Coor-denao e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDR--C), afirmou que as verbas dos fundos comunitrios para a re-gio Centro se vo centrar na competitividade e internacio-nalizao das empresas, bem como na gerao de emprego.

    Ana Abrunhosa anunciou que a CCDR-C vai apostar na reduo da taxa de desem-prego jovem na regio e para isso vai apoiar a criao de no-vas empresas, incentivando os jovens a criarem o seu prprio emprego, nomeadamente nas reas da cultura e tecnologia, com criatividade.

    O maior bolo da dotao financeira total para a regio centro o que est reserva-do para competitividade das pequenas e mdias empresas, 818 milhes de euros e Ana

    Abrunhosa deixou claro que tempo de dotar as empresas de ferramentas para o sucesso, em vez de financiar a constru-o de infra-estruturas.

    Tambm por isso a se-gunda maior aposta, leia-se dotao financeira, atribuda formao. Cerca de 288 mi-lhes de euros sero aplicados no Ensino e aprendizagem ao longo da vida, 13,7% da dota-o total para a regio centro.

    Relativamente competi-tividade e internacionalizao das empresas, Ana Abrunhosa referiu a importncia de au-mentar as exportaes estimu-lando o investimento no sector de bens transaccionveis.

    Ana Abrunhosa anunciou as prioridades da aco da CCDR-C relativamente ao novo quadro de apoio Portugal 2020 numa altura em que ainda h muita indefinio

    A celebrar 10 anos, o Tagus-valley Tecnopolo do Vale do Tejo, juntamente com o Instituto Politcnico de To-mar, assinou um protocolo de colaborao com a Universi-dade de Coimbra assinalando a adeso das primeiras ao pro-jecto INOV-C, Ecossistema de Inovao liderado pela ins-tituio de ensino. A presiden-te da Cmara Municipal de Abrantes, Maria do Cu Al-buquerque, afirmou a impor-tncia estratgica da parceria e a importncia acrescida de ver a regio trabalhar em conjunto no ciclo de investimento que se avizinha.

    Recorde-se que a aco da CCDR-C alberga 11 co-munidades intermunicipais, incluindo a do Mdio Tejo, e 100 municpios.

    Sobre os 10 anos do Ta-gusvalley, a autarca lembrou o lirismo com que no incio se falava em inovao mas que a aposta foi claramente ganha. Foram cerca de 8 milhes de euros de investimento e Maria do Cu Albuquerque, peran-te o Portugal 2020, props a todos que criem actividades, iniciativas, parcerias para apro-veitar o ciclo de investimento. Relembrando que o Tagusval-ley passou a ser um membro activo no Conselho Estratgi-co Intermunicipal, Albuquer-que, que tambm presidente da Comunidade Intermuni-cipal do Mdio Tejo, chamou a regio a potenciar as suas ideias no Tecnopolo do Vale do Tejo, advertindo que sozi-nhos no conseguiremos levar Portugal a atingir os seus ob-jectivos.

    Ana Abrunhosa esteve em Abrantes e levantou o vu sobre algumas das linhas de orientao do Portugal 2020

    PORTUGAL 2020Regio vai apostar na competitividade e no emprego

    ABrAnTes

    MdIo TeJo

    Trs empresas do concelho galardoadasO mrito de 3 empresas do Entroncamento foi reconhecido na Gala Empresas Gazela 2014, promovido pela CCDRC Comisso de Coordenao e Desenvolvimento Regional do Centro, que decorreu no dia 28 de Janeiro, em Torres Vedras e que contou com a presena do Ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro.As empresas Gazela so empresas jovens, inovadoras, com elevados ritmos de crescimento e capazes de se posicionarem de forma diferenciadora nos mercados. A CCDRC galardoou 46 gazelas que se situam em 29 municpios, dos 100 que compem a regio centro. Na regio do Mdio Tejo apenas o concelho do Entroncamento e de Ourm contaram com empresas galardoadas. No ranking dos municpios com mais empresas Gazela est Torres Vedras com 5 empresas e Viseu com 4 empresas, seguindo-se o Entroncamento e Guarda com 3 empresas galardoadas. Ice Cream Caf, Lda. e Zone Soft Fabrico de Produtos Software, Lda. foram as empresas do concelho que mereceram esta distino e que autorizaram a divulgao. O Presidente da Cmara Municipal, Jorge Manuel Alves de Faria, esteve presente no evento, em representao do Municpio e acompanhando o empresrio Michael Salvado, da empresa Zone Soft.Em comunicado, a Cmara Municipal do Entroncamento associou-se com satisfao ao galardo atribudo s empresas do concelho pelo seu dinamismo e iniciativa e pela importncia que estas assumem na criao de empregos e de riqueza para o concelho.

    enTroncAMenTo

  • 010 ECONOMIANovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    o Acordo de Parceria celebrado entre o Governo Portugus e a comisso europeia, em 2014, Portugal 2020, rene a atuao dos cinco Fundos europeus estruturais e de Investimento - Feder, Fundo de coeso, Fse, FeAder e FeAMP, identificando as prioridades de financiamento para o Pas no perodo de 2014 a 2020. o acordo distribui vinte e cinco mil milhes de euros atravs de dezasseis Progra-mas operacionais, Temticos e regionais.os seis Programas Temti-cos so a competitividade e Internacionalizao (compete 2020), capital Humano (PocH), Incluso social e emprego (PoIse) e, sustentabilidade e eficincia nos recursos (Poseur), o Programa de desenvolvimento rural (Pdr) e o Programa operacional Mar 2020. so apresentadas duas dimenses transversais, a refor-ma da administrao pblica e a territorializao das polti-cas. os Programas regionais distribuem-se pelo norte, cen-tro, Alentejo, Lisboa e Algarve. nas regies Autnomas surgem quatro programas, o Po Aores, o Po Madeira, o Pdr Aores e o Pdr Madeira. Por ltimo surge o Programa operacional de Assistncia Tcnica, instrumen-to de suporte aplicao da estratgia global ao nvel da gesto e controlo.considerando o definido no Acordo de Parceria, entre as metas definidas encontram-se o aumento da percentagem no PIB para o intervalo entre os 2,7% e os 3,3%; a diminuio da taxa de abandono escolar pre-coce em 13,2%; o aumento da percentagem de populao com ensino superior ou equiparado entre os 30 e os 34 anos por forma a atingir 40%; o aumento da percentagem de energias renovveis no consumo final para 31%; o ganho em % de energia primria atravs da efi-cincia energtica por forma a atingir 20%; o aumento da taxa de emprego para os 75%, e por ltimo, no mbito do combate pobreza e s desigualdades sociais definido como objetivo a diminuio de pessoas em

    Gabinete de Apoio ao Desenvolvimento e Empreendedorismo do Municpio de Vila Nova da Barquinha

    Portugal 2020

    Marina Lopes HonrioGadel

    risco de pobreza e de excluso social, com uma meta de menos duzentos mil face aos dados do ano de 2008.A grande concentrao de verbas incide na prioridade competitividade e Internacio-nalizao com mais de 40% das verbas alocadas no Qec, com o objetivo de contribuir para a mudana da especializao para o setor dos bens e para os servios transacionveis. As regies consideradas menos desenvolvidas (PIB per capita < 75% mdia ue) so o norte, centro, Alentejo e r.A. Ao-res, apresentando uma taxa de financiamento de 85% em termos de elegibilidade para os Fundos europeus de Investi-mento.

    o territrio do concelho de Vila nova da Barquinha, integrado na sub-regio nuT III do Mdio Tejo, abrangido, entre outros, pelo Programa operacional re-gional do centro (centro 2020) e o Programa de desenvolvimen-to rural (Pdr 2020). considerando a deciso de execuo da comisso [c(2014) 10194], o Po centro 2020 centra-se em 9 objetivos temticos e 27 prioridades de investimento, estruturando-se em 9 Eixos Prioritrios: Investiga-

    o, Desenvolvimento e Inovao (IDEIAS); Competitividade e In-ternacionalizao da Economia Regional (COMPETIR); Desenvol-ver o Potencial Humano (APREN-DER); Promover e Dinamizar a Empregabilidade (EMPREGAR e CONVERGIR); Fortalecer a Coeso Social e Territorial (APROXIMAR e CONVERGIR); Afirmar a sustenta-bilidade dos recursos (SUSTEN-TAR); Afirmar a sustentabilidade dos territrios (CONSERVAR); Reforar a capacitao institu-cional das entidades regionais (CAPACITAR); Reforar a rede ur-bana (CIDADES). As prioridades do Centro 2020 so sustentar e reforar a criao de valor e a transferncia de conhecimento, promover um tecido econmico responsvel, industrializado e exportador, captar e reter talento qualificado e inovador, reforar a coeso territorial, estruturar uma rede policntrica de cidades de mdia dimenso dar vida e sustentabilidade a infraestru-turas existentes e consolidar a capacitao institucional.o Pdr 2020, segundo a deciso de execuo da comisso [c (2014) 9896] tem como objetivos o aumento do valor acrescen-tado do setor agroflorestal, contribuir para o equilbrio da balana comercial, assegurar condies que permitam me-lhorar a gesto sustentvel dos recursos nomeadamente atravs de uma utilizao mais eficiente dos mesmos, assegurando a sua proteo, e a dinamizao eco-nmica e social do espao rural. Este Programa visa: aumentar a capacidade de inovao e trans-ferncia de conhecimento para o setor agroflorestal; a melhoria do nvel de capacitao e de aconselhamento dos produtores agrcolas e florestais; o aumento da concentrao da oferta e a promoo da gesto de riscos a que o setor vulnervel. O Programa detm quatro grandes reas de interveno: Inovao e conhecimento; Competitividade e organizao da produo; Ambiente, eficincia no uso dos recursos e clima, e o Desenvolvi-mento local.os Programas operacionais po-dem ser consultados em www.portugal2020.pt.

    NERSANTStio do empreendedor renovado

    TEXTO NA

    O Stio do Empreendedor, programa da NERSANT para apoio ao empreendedoris-mo e criao de empresas no Ribatejo, renovou o seu portal com o objectivo de exponen-ciar as suas funcionalidades. A disponibilizao online de um "Guia do Empreendedor", de uma "Bolsa de Equipamentos Partilhveis" e da "Bolsa de Mentores", so as novidades ao dispor de todos os que preten-dem criar uma nova empresa na regio do Ribatejo.

    O programa de apoio gra-tuito compreende fases que vo desde a maturao da

    ideia, definio do modelo de negcio e mentoria, ela-borao do plano de negcios e preparao do lanamento da empresa e acompanhamen-to aps incio de actividade, explicado neste portal, que est agora renovado, mais apelati-vo e com novas funcionalida-des para os empreendedores contendo agora um Guia do Empreendedor, ferramenta de trabalho que disponibiliza um conjunto de informao essen-cial para quem tem uma ideia e deseja criar uma empresa ou expandir a sua actividade no Ribatejo.

    Para conhecer melhor esta ferramenta visite sitiodoem-preendedor.nersant.pt/.

    ADIRNReunio Temtica sobre Aco e Incluso Social

    TEXTO NA

    No dia 23 de Janeiro de 2015 teve lugar no Entron-camento, a Reunio Temtica sobre Aco e Incluso Social no mbito da Elaborao da Estratgia de Desenvolvimen-to Local do Ribatejo Norte. Na abertura da sesso, iniciativa da ADIRN Associao para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte, esteve pre-sente o Presidente da Cmara Municipal do Entroncamento Jorge Faria, sesso que contou com a vereadora Tlia Nunes, e cerca de 30 participantes de entidades de solidariedade social dos sete concelhos do

    territrio de interveno da ADIRN.O debate centrou-se nos prin-cipais constrangimentos na rea social e as oportunidades de investimento para o futuro. Tlia Nunes reforou a ideia de que a aco social deve fun-cionar atravs da partilha, da concretizao de parcerias e na congregao entre entidades pblicas e privadas na planifi-cao estratgica da interven-o social local. Foi tema da sesso a crise na rea social, a excessiva burocracia solicitada no mbito dos programas de apoio e a dificuldade, em al-guns casos, de articulao de esforos na concretizao de aces de mbito social..

    O territrio do concelho de Vila Nova da Barquinha, integrado na sub-regio NUT III do Mdio Tejo, abrangido, entre outros, pelo Programa Operacional Regional do Centro (Centro 2020) e o Programa de Desenvolvi-mento Rural (PDR 2020).

    Rica

    rdo

    Alv

    es

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    EDUCAO 011FEVEREIRO 2015

    TEXTO&FOTOS RICARDO ALVES

    O primeiro Viveiro de Empresas em Ambiente Escolar (VEAE) em Portugal foi inaugurado no dia 5 de Fe-vereiro, na Escola D. Maria II, em Vila Nova da Barquinha (VNB). O VEAE funciona nas instalaes do estabeleci-mento escolar e consiste num espao exclusivamente destinado ao desenvol-vimento e criao de ideias de negcio, com meios e equipamentos prprios. Desafiar os jovens a pensar e criar em-presas desde tenra idade o grande objectivo e os primeiros resultados j foram apresentados.

    Antes da cerimnia de inaugurao do espao foram apresentados no audi-trio escolar os cinco projectos em in-cubao no viveiro da D. Maria II. So eles o Chococincia que est a laborar no laboratrio do Centro Integrado de Educao e Cincia (CIEC) - e a Vilaromtica que tem a sua produo a crescer nos terrenos que circundam o CIEC. Ambos os projectos nasceram das mentes empreendedoras da turma 3A. A turma do 7C apresentou um projecto empresarial de seu nome Aro-mas DAlmourol e cuja actividade se centra em torno da abbora, produzin-do bens derivados em vrios segmentos, nomeadamente na alimentao - que de resto deram a provar aos presentes no auditrio acompanhada de requei-jo. O D. Ramiro a imagem de marca da empresa, um produto exclusivo, como os promotores juvenis fizeram questo de realar. Os porta-vozes da Aromas DAlmourol apontam s ven-

    das online, a empresas locais e partici-pao em feiras e outros eventos para disseminar os seus produtos.

    Das turmas 8C e 9B surgem pro-jectos com ligao directa ao turismo: um atravs dos motores e outra atravs da tecnologia mvel. Os alunos da 8C apresentaram o Barquinha Cross, uma empresa que visa motivar os jovens prtica do desporto motorizado (moto-cross) e atrair turistas ao concelho. Para isso deixaram no ar a ideia de criar uma pista para o efeito.

    A Innovateam o projecto do 9B e consiste no aproveitamento da tecno-logia cada vez mais avanada e mvel. O objectivo da Innovateam informar os que visitam o concelho dos locais de interesse histrico e cultural. Para isso apostam na tecnologia QR Code. Atravs de um cdigo colocado num local ou monumento, por exemplo, o turista pode aceder a informaes so-bre o mesmo bastando para isso usar a mquina fotogrfica do Smartphone sendo o utilizador remetido para uma pgina com todas as informaes.

    Um projecto a meio caminho. A pro-fessora Ana Santos, coordenadora do VEAE, usou da palavra para agrade-cer o envolvimento de professores(as) e assistentes operacionais e disse que o projecto um conceito novo e inova-dor que ser importante para o agru-pamento e para o concelho, realando que os jovens so o nosso futuro. Para Ana Santos, este tipo de projectos pode fazer com que os jovens se consciencia-lizem de que possvel crescer, viver, e depois trabalhar no concelho de VNB.

    Fernando Freire, presidente da au-tarquia, realou os investimentos de milhes realizados no melhoramento do parque escolar afirmando que aqui no h gastos, h investimentos. O au-tarca disse ainda que o mais importan-te na vida a educao e que os recur-sos humanos so a maior mais-valia. Entusiasmado, Fernando Freire mos-trou estar curiosssimo por conhecer os projectos e causou burburinho no auditrio repleto de crianas e jovens quando adiantou que a autarquia ainda est a pensar qual ser o prmio, talvez

    VN BARQUINHA

    Viveiro de empresas inaugurado e em plena produo

    uma visita ao estrangeiro.

    O projecto surgiu na sequncia da iniciativa Empreendedorismo na Es-cola, que envolve 4 turmas do 1., 2. e 3. ciclos do ensino bsico do conce-lho de VNB e que tem como principal promotor o Agrupamento de Escolas, com a parceria do Municpio, Nersant - Associao Empresarial da Regio de Santarm, Tagusvalley, Comunidade Intermunicipal do Mdio Tejo, Institu-to Politcnico de Tomar e Associaes de Pais.

    No mbito do projecto em que par-ticipam cerca de 100 alunos do Agru-pamento de Escolas de VNB, a Cmara Municipal criou o Prmio Municipal de Empreendedorismo em Ambien-te Escolar, uma medida inserida no Plano Estratgico de Desenvolvimento Econmico "Barquinha 2020", como forma de incentivar os jovens empres-rios. Os resultados sero anunciados no final do ano lectivo.

    Alunos expressaram desejo de agarrar com as duas mos a oportunidade de aprenderem

    Rica

    rdo

    Alv

    es

  • 012 PUBLICIDADENovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    PUBLICIDADE 013FEVEREIRO 2015

  • 014 PUBLICIDADENovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

  • OS PASSOS DE SSIFO

    Da Sua ao petrleo: caminhos de cultura e tecnologia para a economia do Mdio TejoOpInIO LUIz OOSTERBEEk

    A deciso da Sua em rom-per com a correlao cam-bial estvel com o euro mais um sinal do caminho perigoso de uma Europa que h dema-siado tempo vive em cima do muro, sem se decidir por que caminho progredir. Ao tomar esta deciso, a Sua exprime falta de confiana na estabili-dade da moeda nica europeia, e infelizmente tem razo. De-masiados anos sobrevalorizado, o euro tem sido um entrave s exportaes e recuperao da economia, apesar de todos os benefcios que trouxe para a circulao de produtos e mer-cadorias. Com uma Europa cada vez mais preocupada com a segurana e vozes a pedir mais controle nas fronteiras, poder o euro resistir sem se converter num impulsionador das exportaes atravs de uma verdadeira poltica monetria integrada?

    O jogo do petrleo , mais do que o euro, o melhor exem-plo actual do que significa en-frentar dilemas em contexto de depresso econmica. Face incapacidade em construir

    mecanismos reforados de integrao (um novo sistema monetrio que tome em con-siderao a importncia da economia asitica, uma nova estratgia mundial de segu-rana numa ONU respeitada, etc.), os sinais de dilacerao passaram definitivamente da esfera social (onde os desastres so visveis h muito tempo, como no caso dos refugiados) para a esfera econmica. Desde 2008, o pensamento nico que governa quase todos os pases explicou que a receita comum seria exportar mais e impor-tar menos; faltou explicar para quem exportar, se a regra para todos passou a ser importar menos. Pouco a pouco a eco-nomia arrefeceu, at atingir os seus motores principais (Chi-na, EUA) e perifricos (Alema-nha, Japo, Coreia). Os EUA e a China souberam, como no passado, contornar em parte essa espiral reforando o con-sumo interno e, de forma clara nos EUA, apostando na auto-nomia energtica. Em pouco tempo deixaram os produtores de petrleo beira do colap-so: ao diminurem os preos reduziram dramaticamente os recursos financeiros, mas se os

    aumentarem reduzindo a pro-duo perdem os mercados muito conquistados, em favor dos novos recursos americanos (gs e petrleo de xisto). Pode-ro pases como Angola, Vene-zuela e outros evitar profundas convulses sociais se o valor do petrleo se mantiver baixo? Como ficar a segurana nas respectivas regies e no mundo se esses pases colapsarem?

    Muitas vezes se faz o discur-so de que Portugal no tem recursos endgenos suficientes para poder aspirar a algo mais do que acompanhar os ciclos ditados pelos pases mais for-tes. certo que Portugal no tem uma economia forte, mas a verdade que nunca a teve. Em diversos momentos a eco-nomia quebrou, e foi com viso e determinao, temperadas com muito pragmatismo, que se conseguiu reerguer. Para-doxalmente, um mundo em depresso prolongada e sem coeso pode ser uma grande oportunidade para Portugal e as suas regies, se se valorizar no apenas o sol e a praia mas assumindo uma centralidade de discusso e afirmao de questes polmicas, que hoje

    noVoALMouroL.wordPress.coM

    CULTO 015FEVEREIRO 2015

    "Na verdade, num planeta que envelhece, repensar uma centralidade social activa para os mais velhos crucial. Essa centralidade s tem sido olhada de forma passiva, como custo (penses de reforma) e oportunidade de negcio (sade e turismo), mas essa uma abordagem extractivista destinada falncia.

    DOM RAMIRO

    CEAC: Centro de Estudos de Arte Contempornea OpInIO CARLOS VICENTE

    No querendo que a con-templao ou interacti-vidade com as esculturas do Parque sejam a nica razo porque a Barquinha Arte.

    As obras de 11 dos mais significativos escultores na-cionais, so acompanhadas de perto pelos ateliers de artes disposio no CEAC. De-senho e pintura, fotografia e vdeo, poesia, teatro e os ser-vios educativos para crianas

    bloqueiam a Europa, como a explorao de novos recursos energticos (gs de xisto) e no-vos materiais (terras raras), ou a afirmao de parcerias est-veis que se afirmem para alm da casa europeia (com a China, com o Iro, com os pases afri-canos), ou ainda a valorizao de um gigantesco recurso que quase todos olham como um custo: os idosos.

    Na verdade, num planeta que envelhece, repensar uma centralidade social activa para os mais velhos crucial. Essa centralidade s tem sido olha-da de forma passiva, como custo (penses de reforma) e oportunidade de negcio (sa-de e turismo), mas essa uma abordagem extractivista desti-nada falncia. Os idosos po-dem e devem ocupar funes na reorganizao social, na educao, no restabelecimen-to de redes de solidariedade, o que gerar novos recursos e postos de trabalho. J existem algumas experincias neste sentido, mas em termos globais ainda nenhum Pas afirmou os seus idosos como um valor de crescimento cultural, identit-rio e econmico. Esta a opor-tunidade do Mdio Tejo!

    orientados pelos alunos de ar-tes do IPT.

    Tambm tertlias artsti-cas ou workshops, acontecem nas reas das artes plsticas e fotografia, convidamos um ar-tista a falar da sua obra e do seu processo criativo uma ro-tina quase mensal.

    Mensalmente, tambm, uma conversa com algum da comunidade que se dedica a dar de si aos outros, quer no associativismo ou em outras reas culturais; escrita, artes plsticas, fotografia, msica,

    teatro este item, chama--se Palavras Soltas e d a co-nhecer a pessoa por detrs da obra. Fica o convite.

    Tambm a inaugurao das Residncias Artsticas (junto ao CEAC) esto para breve. Sero aceites artistas das di-

    versas reas que estejam a tra-balhar em projecto artstico de interesse para a comunidade. Estes projectos sero depois apresentados em pblico pelos prprios artistas e tero como moeda de troca alguns ateliers ou workshops dados pelos pr-prios, aos interessados locais. Esta troca de experincias ser uma mais-valia para o incen-tivo artstico na comunidade local e sermos assim, cada vez mais, uma Barquinha de Arte que envolve o patrimnio ar-tstico, monumental e paisags-

    tico do Concelho.O Castelo de Almourol

    uma presena constante e ar-rebatadora mas comea a no estar s. So imperativas as caminheiras que liguem o Par-que a este sentinela do rio, como a capacidade de aloja-mento j criada na sede de concelho, como um sentimen-to nico e efectivo da comu-nidade em receber bem quem nos visita e so cada vez mais e melhores os que o fazem.

    A identitariedade com o lugar, ganha fora.

    De vez em quando vale a pena explicarmos, porque existimos.

    Projecto do Municpio enquadra-se no Mercado das Artes

  • 016 DESPORTONovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    Antnio Bento disse adeus

    As rdios e imprensa regionais perderam um dos seus mais fiis colaboradores. Antnio Bento, com uma vida dedicada rdio e imprensa na regio e amante do desporto, faleceu dia 20 de Janeiro, vtima de doena prolongada. Figura carismtica e amiga no meio da informao regional, Antnio Bento, de sentieiras, concelho de Abrantes, colaborou durante muitos anos com a rdio Tgide, Jornal Abarca (Tramagal) entre outros.

    Inauguraodo Centro de Marcha e Corrida Vai ser no dia 22 de Fevereiro, s 10h00, com a presena do atleta olmpico carlos calado, no estdio Municipal Joaquim Maria Baptista, em Alcanena. o centro Municipal de Marcha e corrida a mais recente iniciativa no mbito do programa desporto e sade, promovido pela cmara Municipal de Alcanena. cada indivduo possui caractersticas e necessidades diferentes e quem aderir ter um processo de treino que respeitar aspectos pessoais, com acompanhamento realizado por um tcnico com formao especfica. do programa consta s 10h00 a apresentao do programa, s 10h15 o Aquecimento de seguida, s 10h30 uma caminhada. s 11h30 haver lugar a uma aula de Yoga.

    JornALIsMo ALcAnenA

    TEXTO NA

    O CLAC, Clube de Lazer, Aventura e Competio, Seco de Atletismo, esteve presente com sete dos seus atle-tas veteranos, no Campeonato Nacional de Veteranos em Pista Coberta, 1 jornada, que se rea-lizou pela primeira vez na pista coberta de Braga, no dia 18 de Janeiro.

    Nestes campeonatos parti-ciparam 136 atletas veteranos dos 35 anos aos 90 anos. Os atletas do CLAC consegui-ram conquistar 15 medalhas. A equipa feminina do CLAC - Entroncamento conseguiu a proeza de conquistar sete meda-lhas individuais, e mais quatro medalhas na estafeta de 4x200 metros, onde se consagraram Vice-Campes Nacionais no escalo F35 anos. Nos masculi-nos, o CLAC conquistou 4 me-dalhas de ouro individuais.

    Destaque para os dois t-tulos de campeo nacional de Masters, nos 60 e nos 400 me-tros, obtidos pelo jovem Jos Canelo no escalo de M90 anos, em que os registos alcanados constituem, por larga margem, novos recordes nacionais.

    Pdios e resultados con-quistados pelo CLAC: Clia

    Silva (F35 anos), 1 medalha de ouro, Campe Nacional dos 60 metros, e 1 medalhas de bron-ze nos 1500 metros e 1medalha de prata por equipas na estafeta de 4x200 metros; Ana Abego (F45 anos), 1 medalhas de ouro, Campe Nacional no Salto em Coprimento,2 medalha de pra-ta, Vice Campeo Nacional dos 400 metros e por equipas na estafeta de 4x200 metros; Ma-nuela Gil (F45 anos), 2 medalha de prata, Vice Campe Nacional do Triplo Salto e por equipas na estafeta de 4x200 metros e um 5lugar nos 60 metros; Ftima Carrelo (F50 anos), 2 medalhas de ouro, Campe Nacional dos 60 metros e no Salto em Com-primento, e ainda 1 de prata por equipas na estafeta de 4x200 metros; Jos Canelo (M90 anos), 2 medalha de ouro, Cam-peo Nacional dos 60 e 400 me-tros; Manuel Maia (M70 anos), 2 medalha de ouro, Campe Nacional dos 60 e 1500 metros; Carlos Vicente (M40 anos), 9 classificado nos 1500 metros.

    ATLETISMOCLAC conquista 15 medalhas no Nacional de Veteranos

    NATAOXXII Taa Vale do Tejonas piscinas de Abrantes

    CLAC com campeesno Regional de Juniores realizou-se nos dias 31 de Janeiro e 1 de Fevereiro, em Pombal, o campeonato regional de Juniores de pista coberta da Associao de Atletismo de santarm e pela seco de Atletismo do clube de Lazer Aventura e competio (cLAc - entroncamento) Fbio Martins sagrou-se campeo regional do salto em comprimento, com 6,71m e dos 60m barreiras, com recorde pessoal de 8,31 segundos, a melhor marca nacional nesta disciplina.Tambm vencedor foi carlos Gomes que se sagrou campeo regional do salto em Altura, com 1,88 metros. este atleta foi ainda medalha de prata no salto em comprimento, com um salto a 6,01 metros. o cLAc alcanou o 3 lugar colectivo, com 52 pontos.

    ATLeTIsMo

    Bruno deCarvalho no centenrio o Presidente do sporting clube de Portugal (scP), Bruno de carvalho, confirmou a presena no jantar do centenrio do sporting de Tomar que se realizar no dia 28 de Fevereiro. mais uma das muitas iniciativas que vo assinalar o aniversrio da filial nmero um do scP. na jornada que anteceder este jantar, uma comitiva de Tomarenses ser recebida no intervalo do jogo com o Gil Vicente e os ecrs de Alvalade vo divulgar imagens do clube, da cidade e da festa dos tabuleiros cedidas pela Tomar TV. esta iniciativa conta com o apoio do ncleo do scP em Tomar que tem prestado filial centenria uma colaborao de proximidade. o scP aceitou ainda subscrever o livro oficial do centenrio.

    ToMAr

    CampeonatoInter-Regionalde Clubes 2015 decorreu no dia 24 de Janeiro, nas Piscinas Municipais de campo Maior a edio de 2015 do campeonato Inter-regional de clubes. estiveram presentes 183 nadadores (93 masculinos e 90 femininos) em representao de 17 clubes. A equipa de Vila nova da Barquinha, cn Tejo, orientado pelo tcnico Paulo serra apresentou 12 nadadores. estiveram em destaque: carolina carpinteiro 3 nos 800L, 200e, recorde pessoal nos 100c (estafeta); Mafalda Marques 4 nos 400L, 200B e 100B, com recordes pessoais nos Bruos; Mrcio silva trs recordes pessoais nos 50, 100 e 200 Mariposa. no geral a equipa ficou em 11. lugar.

    nATAo

    TEXTO NA

    Realiza-se dia 21 de Feve-reiro no Complexo Muni-cipal de Piscinas de Abrantes, a XXII Taa Vale do Tejo em Natao.

    Vo competir todas as se-leces distritais de natao nos escales de Infantis e Juvenis,e o objectivo do evento que

    seja capaz de galvanizar o de-senvolvimento desportivo das Associaes atravs da interac-tividade que um torneio com estas caractersticas poder pro-porcionar, em ambiente de fes-tividade desportiva.

    A 1. sesso realiza-se s 10h15 e a 2. s 15h30. A orga-nizao da ANDS Associa-o de Natao do Distrito de Santarm.

    O Grupo Cicloturismo Barquinhense organiza dia 22 de Fevereiro, pelas 10h, a caminhada Pelos trilhos da Praia do Ribatejo, cerca de 6km pelos mais recentes trilhos da Praia do Ribatejo, passagem por vales h muito no percorridos, represas e minas reencontradas e vistas magnificas pelas margens dos rios Zzere e Tejo. Inscrio: [email protected] at 20 de Fevereiro (1 + 1kg de comida no perecvel) Pagamento no dia/local do evento.

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    ROTEIRO 017FEVEREIRO 2015

    TOMARCarnaval da Linhaceira comemora 25 anos consecutivosTEXTO NA

    A Linhaceira (no conce-lho de Tomar) prepara-se para festejar um quarto de sculo de realizao consecu-tiva do seu Carnaval. Fiel aos princpios de sempre, o evento decorrer oficialmente entre sbado, 14 de Fevereiro, e ter-a-feira, 17, com o ponto alto a ter lugar na tarde de domingo, 15 de Fevereiro, em que o cor-so percorrer as ruas da aldeia.

    J considerado o carnaval mais artesanal de Portugal, e com uma qualidade de con-cepo que o tem levado a ou-tros pontos do pas para ani-mar outro gnero de eventos, o corso linhaceirense o nico de grande dimenso com uma tal longevidade em toda a re-gio do Mdio Tejo, atraindo visitantes de toda essa rea e fora dela. A excelente locali-zao, a cerca de dois quil-metros das auto-estradas A13 (sada de Asseiceira) e A23 (sada da Roda), tambm um trunfo da organizao.

    Pinquio anuncia chegada do carnaval

    Para alm de muitos car-ros alegricos, oriundos da Linhaceira, de outros lugares da freguesia de Asseiceira, e at de freguesias vizinhas, o corso, que partir do complexo desportivo s 14h30, contar ainda com a presena da Fan-farra dos Bombeiros de Torres Novas, do grupo Mobiritmo da Escola Lus de Cames de Constncia e actuao do co-nhecido DJ tomarense Rokas aka John S.

    Outro dos momentos mais esperados do evento a j tra-dicional e divertidssima Por-calhada, na tarde de tera-feira de Carnaval, pelas 15 horas, no campo de futebol.

    Todas as noites, a tenda da ACR Linhaceira receber bai-les, sempre a terem incio s 22 horas: no sbado com o con-junto PA.3, incluindo, meia--noite, a apresentao do rei e da rainha; no domingo, com lsio Nunes; na segunda com Elizabete Serra, incluindo meia-noite o 25 Concurso de Fatos de Papel e a seguir uma das novidades do ano, um es-pectculo de dana e fogo; por fim, na tera-feira, com RQZ Live Music e a eleio, ao bater das doze badaladas, do melhor mascarado do ano.

    E, ao celebrar 25 anos, de esperar que a inesgotvel criatividade local se expresse da melhor maneira na concep-o dos carros alegricos, nos grupos temticos de folies, nas diversas brincadeiras que se espalham pela aldeia e at alguma surpresa.

    ABRANTES

    Feira de So Matias vai, afinal, realizar-se

    TEXTO NA

    Apesar de a Cmara de Abrantes ter anunciado a suspenso da realizao da Feira de So Matias por esta-rem a decorrer obras no espao onde normalmente acolhida, uma reunio com os feirantes desbloqueou a situao com o evento a ser transportado para o Aquapolis Margem Sul. A Feira de So Matias a primei-ra do calendrio nacional e vai realizar-se entre os dias 20 de Fevereiro e 8 de Maro.

    A inteno inicial da autar-quia abrantina era no realizar a edio de 2015 da feira, dadas as exigncias logsticas e as difi-culdades em garantir as mesmas num cenrio de obras no espao adjacente ao Tecnoplo do Vale do Tejo que recebe anualmente o evento.

    Segundo a autarquia, aquando da deciso de suspen-so, equacionou-se o campo de futebol do Barro Vermelho, mas o mesmo implicaria um investimento de 100 mil euros em abastecimento de gua e electricidade.

    Cedo um grupo de feiran-tes comeou a procurar alter-nativas tendo surgido a aceite, no Aquapolis Margem Sul em Rossio ao Sul do Tejo. Os fei-rantes vo suportar o encargo com o fornecimento de energia e o municpio aceitou em con-trapartida isentar os mesmos do pagamento de taxas.

    Para 2016, o municpio es-pera que a Feira de So Matias j se possa instalar no Vale da Fontinha, que vai ser requali-ficado mesmo espao que se espera tambm vir a acolher o mercado semanal e o mercado grossista.

    reunio entre feirantes e autarquia desbloqueou situao

    ENTRONCAMENTO

    Noite carnavalesca

    VN BARQUINHA

    Carnaval a dobrar em Moita do NorteTEXTO NA

    O Clube Unio de Recreios de Moita do Norte organi-za o corso carnavalesco no dia 15 de Fevereiro pelas 15h00. O percurso ser efectuado pelas ruas de Moita do Norte, Cardal, Bairro de Sta. Maria, Parque da Barquinha e Zona de Expan-so. Vai haver um concurso de mscaras at aos 10 anos e pr-

    mios para os 5 primeiros bem como lembranas para todos os inscritos. Aps o desfile, pelas 17h00 est garantida animao

    musical com Joo Pina. A en-trada livre.

    Dois dias depois, dia 17 de Fevereiro, O Clube de Instru-o e Recreio Ex-Tuna organi-za o seu carnaval com desfile de crianas mascaradas e tambm com prmios para todos. As inscries so realizadas no lo-cal e h matin, tambm com Joo Pina.

    TEXTO NA

    No prximo dia 16 de Feve-reiro, s 21h30m, o grupo musical Fun2 Rock vai animar a noite carnavalesca no Centro Cultural do Entroncamento, uma noite com muita anima-o e alegria, na qual haver um Concurso de Mascarados, com

    prmios para os trs melhores fantasiados da noite.

    As inscries para partici-par no concurso so efectua-das no prprio dia, a partir das 20h30m, no Centro Cultural. O evento organizado pela Cmara Municipal do En-troncamento, em parceria com o Bar Sabores do Mercado e tem entrada livre.

  • 018 CULTURANovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    MAO

    Um museu que um orgulho para o concelho

    TEXTO&FOTO CIDLIA DELGADO

    Numa tarde cinzenta, de um dos ltimos dias de Ja-neiro, foi inaugurada a nova exposio do Museu de Arte Pr-Histrica e do Sagrado no Vale do Tejo, em Mao, que transformou o dia dos que a vi-sitaram num dia com mais cor.

    Do Gesto Arte: Criar, Fazer, Comunicar", assim se de-signa a nova exposio inserida no mbito do projecto Gestart Gestos Artsticos revisitando a diversidade e a convergncia na Europa, programa apoiado pela Comisso Europeia e que foi inaugurada por Jorge Barre-to Xavier, Secretrio de Estado da Cultura.

    Jorge Barreto Xavier elo-giou a exposio e considerou o trabalho feito pelo Museu de Mao muito importante no s para Mao como para o pas, destacando Mao como um bom exemplo da cultura que se promove em Portugal, com reconhecimento no es-trangeiro.

    Das palavras de Vasco Es-trela, presidente do municpio de Mao, ouviu-se que este museu um orgulho para o concelho de Mao. Elogiou o empenho de Luiz Oosterbeek

    e de Saldanha Rocha, anterior presidente do Municpio de Mao, bem como de toda a equipa envolvida, que levaram o Museu a ter a dimenso que hoje tem.

    Luiz Oosterbeek, director do Museu referiu que nesta ex-posio podemos ver diversos gestos, uns a desenhar grandes paisagens, outros a construir detalhados objectos, outros ain-da a criar formas de representa-o e que este o resultado do esforo e do trabalho de uma equipa onde se destaca o Mu-nicpio de Mao e o Instituto Politcnico de Tomar, no qual continua a faltar a integrao regional e nacional destes pla-nos bem como a consolidao da dimenso institucional.

    Luiz Oosterbeek sublinhou ainda que no se trata apenas de fazer coisas no interior, mas de que se podem fazer as me-lhores coisas no interior.

    Os presentes puderam apreciar a nova e renovada ex-posio, que por ser bastante apelativa vai com certeza con-seguir prender a ateno dos vi-sitantes, conforme se pode tes-temunhar atravs da presena animada de muitas crianas das escolas de Mao que ansiosas aguardavam para conseguir vi-sitar o museu.

    Muitas crianas estiveram na inaugurao da exposio

    TEXTO NAFOTOS PRSIO BASSO&R. ALVES

    O trabalho Indpendance Cha Cha prope ao espec-tador outra forma de interpre-tar o resultado das aces dos homens, atravs do som, da msica e das canes. ngela Ferreira apresenta uma nova pea inspirada pela sua partici-pao na Bienal de Lubumbashi 2013 (Repblica Democrtica do Congo) - uma escultura que parte da arquitectura colonial dos anos 50 do centro urbano da capital de Katanga, provncia rica em minerais do ento deno-minado Congo Belga.

    Indpendance Cha Cha foi considerada pelos leitores do jornal Pblico a melhor expo-sio de arte contempornea de 2014.

    A inaugurao da exposio decorreu na Galeria do Parque no dia 24 de Janeiro e contou com a presena do presidente da

    autarquia, Fernando Freire, n-gela Ferreira e do representante da fundao EDP e comissrio da exposio, Joo Pinharanda.

    ngela Ferreira nasceu em Maputo, Moambique, em 1958. Com dupla nacionalida-de, a artista tem vivido alterna-damente entre a frica do Sul e Portugal. Completou estudos na Michaelis School of Fine Arts da Universidade de Cape Town, em 1985, e residiu nos anos seguintes em Lisboa, onde rapidamente se afirmou no meio artstico.

    Foi a primeira a eleger a questo do passado colonial como temtica artstica. Utili-zando a sua dupla experincia

    Exposio da autoria de ngela Ferreira, artista representada no Parque de Escultura Contempornea Almourol est patente na Galeria do Parque at 24 de Maio

    cultural, europeia e africana, ngela Ferreira procura encon-trar esse difcil ponto de vista que se apresenta como uma pro-posta de dilogo continuado. A artista desconstri o referencial minimalista minando-o com o poder evocativo da memria.

    A exposio mais uma ini-ciativa fruto da parceria do Mu-nicpio com a Fundao EDP na programao da Galeria do Parque e nas actividades ligadas ao Parque de Escultura Con-tempornea Almourol.

    VN BARQUINHAA melhor exposio de arte contempornea de 2014

    VN BARQUINHAExposio GESTART TEXTO&FOTO PRSIO BASSO

    O Centro de Interpretao de Arqueologia do Alto Ri-batejo, em Vila Nova da Bar-quinha, inaugurou no dia 28 de Janeiro, uma exposio alusiva ao projecto GESTART Patri-mnio Cultural e Artes.

    A cerimnia foi presidida por Fernando Freire, Presidente da Cmara Municipal, na pre-sena de autarcas e outros con-vidados.

    O projecto GESTART

    gestos artsticos revisitam a diversidade e a convergncia das artes na Europa coor-denado pela Cmara Municipal de Mao e pelo Instituto Terra e Memria, com a colaborao das autarquias de Vila Nova

    da Barquinha e Abrantes, e do Instituto Politcnico de Tomar. Este um dos quatro projectos do programa Cultura coorde-nados por Portugal, e o nico que integra o patrimnio e as artes num plano comum.

    As artes visuais, as artes plsticas e o patrimnio cultural so as referncias bsicas de di-versas actividades com a partici-pao de artistas, arquelogos e cidados, em domnios como a cermica, o design, a literatura, a fotografia ou a tecnologia da pedra.

    Fernando Freire, joo Pinharanda e ngela Ferreira

  • noVoALMouroL.wordPress.coM

    CULTURA 019FEVEREIRO 2015

    decorreu no dia 27 de janeiro o programa da rTP2 sociedade civil, dedicado ao tema Museus de comunidade na sequncia do 1 seminrio Museus de co-munidade e desenvolvimento de Produtos Turstico-culturais, organizado pelo Instituto Politcnico de Tomar e pelo Municpio de Torres novas com participao da AdIrn, univer-sidade Lusada, cIMT, Municpio de ourm e Museu nacional Ferrovirio. As concluses deste seminrio foram encorajadoras e ajudaram a concluir a compo-nente prtica de um trabalho de dissertao de slvia Marques. na tera-feira passada, fui convidado pelo programa televisivo da Jornalista eduarda Maio, por indicao da Mestre slvia Marques que insistiu para a acompanhar enquanto seu ex-orientador e na qualidade de diretor Tcnico do MAr. Foi a qualidade do seu trabalho de Mestrado em desenvolvimento de Produtos de Turismo cultural que esteve na origem da nossa deslocao aos estdios do Porto. o citado seminrio de junho de 2014 realizado em Torres novas, na sua belssima biblioteca, correspondeu a um momento importante na nossa sub-regio do Mdio Tejo. A dis-sertao entretanto concluda mais novo conhecimento que fica disponvel como trabalho acadmico de um curso do Instituto Politcnico de Tomar. no seminrio de 12 de junho de 2014, foram discutidos os pain-is Mercantilizao da cultura e Modelo de interveno do Mu-seu de comunidade. estiveram envolvidos acadmicos, autar-cas, agentes de desenvolvimen-to local, estudantes de vrios graus de ensino e outros atores territoriais. na circunstncia ficou patente a necessidade da cIMT-comunidade Intermunici-pal do Mdio Tejo em mobilizar os seus 13 municpios para aprofundarem duas realidades distintas mas em incontornvel confronto: a questo identitria e cultural em relao com a questo econmica e turstica. Tanto em junho de 2014, quanto agora em janeiro de 2015 se

    Roteiro do Tejo: dos territrios, das pessoas e das organizaes

    35. Sociedade civil e Museus de Comunidade

    Lus Mota FigueiraProfessor Coordenador do Instituto Politcnico de Tomar

    focou uma mesma realidade: o museu como instrumento do territrio deve participar da or-ganizao do destino turstico, deve influenciar o contexto geogrfico onde liberta a sua energia e tem que ser um aliado do desenvolvimento econmico de base comunitria. Tal como ser importante referir-se, o trabalho museolgico e muse-ogrfico que se vai realizando deve, tambm, conter uma centelha de oportunidade para ser divulgado em maior escala e audincia pelos atores que se lhes dedicam, como o caso presente da Mestre slvia Marques.

    (...)o museu como instrumento do territrio deve participar da organizao do destino turstico, deve influenciar o contexto geogrfico onde liberta a sua energia(...)

    Aquele que no tem memria arranja uma de papel. Gabriel Garca Mrquez

    tambm com este tipo de contributos que se vai mel-horando a qualidade dos territrios e nomeadamente do seu significado enquanto destinos tursticos, dado que o trabalho de slvia Marques e de outros especialistas formados nas escolas de Tecnologia e na escola de Gesto do IPT, bem como noutros estabelecimentos de ensino e Formao da nossa regio e fora dela , sempre, um acrescento de energia orientado ao desenvolvimento local e regional e que devemos saudar e saber aproveitar.

    Tomar, 28 de janeiro de 2015

    Lus Mota Figueira escreve segundo as regras do Novo Acordo Ortogrfico

    Homenagema Antnio J. Vieira de CarvalhoRealizou-se dia 17 de Janeiro no Convento de Cristo, em Tomar a apresentao do cartaz promocional da festa dos Tabuleiros 2015, que se realiza entre os dias 4 e 13 de Julho. O evento promocional foi abrilhantado pelo concerto da Orquestra de Ouro Preto, Brasil. Na ocasio, Antnio Jos Vieira de Carvalho, natural de Atalaia, concelho de Vila Nova da Barquinha, professor da Ordem de Cristo e cirurgio-mor da Coroa, na Capitania de Minas Gerais, no sc. XVIII, foi homenageado..

    Militares limpam matoUm protocolo entre o municpio de Sardoal e o Regimento de Engenharia nmero 1, sediado em Tancos (VN Barquinha), proporcionou a limpeza de mato em terrenos entre as povoaes de Presa e Entrevinhas no concelho sardoalense. Para a interveno foram destacados quatro militares e quatro viaturas com os custos operacionais, bens consumveis e apoio logstico a serem assegurados pela autarquia. O acordo est previsto no Plano de Actividade Operacional Civil, atravs de diversos trabalhos de colaborao deste ramo das Foras Armadas aos municpios..

    sArdoAL ToMAr

    Barquinha SaudosaO grupo musical Barquinha Saudosa participou, no dia 10 de Janeiro de 2015, no "XII Encontro de Janeiras", na cidade da Rgua, que para alm do conjunto barquinhense, juntou os grupos de cantares Os Amigos da Msica, de So Joo de Lobrigos; a Tuna do Rancho Etnogrfico de Borbela e o grupo anfitrio, "Os Rabelos do Douro", de Fontelas - Peso da Rgua.

    Vn BArQuInHA

    VN BARQUINHAPalavras Soltas de um msico barquinhenseTExTO&FOTO RICARDO ALVES

    Rui Almeida, msico bar-quinhense, foi o convidado de mais um Palavras Soltas, ciclo de conversas com perso-nalidades ligadas a Vila Nova da Barquinha (VNB) e que se realizou no Centro de Estudos de Arte Contempornea no dia 22 de Janeiro.

    A Barquinha o meu por-to de abrigo, onde dei os pri-meiros passos, aprendi a andar de bicicleta e fiz a escola pri-mria, comeou por desbravar Rui Almeida. O pai, tambm msico reputado, nunca o obrigou a seguir a via da m-sica, uma benesse, sempre me deram liberdade asseverou.

    Comeou o ensino mu-sical em Tomar, no conserva-trio, em 1981, e tinha aulas particulares com a professora Manuela Tamagnini, recor-dou. Quando cheguei, com 17 anos, escola de msica, foi um choque ver midos de 12/13 anos a tocar desalmada-mente. Durante os 4 anos de conservatrio estudou 10 a 11 horas de piano por dia s para apanhar o nvel deles, apenas para se convencer que no se via a estar esse tempo todo no escritrio.

    rui Almeida

    Haveria ainda de ter aces-so a uma bolsa de estudo que o levaria Alemanha, uma boa experincia, para perceber o que estava a acontecer l fora. L, percebeu que no que-ria ser pianista clssico mas considerou ser importante ter a base. Fiz um bom exame (Chopin, Brahms) contou, para depois ressalvar que gosta de um estilo mais melancli-co, apesar de ser uma pessoa alegre. E como define o m-sico Rui Almeida os grandes autores? Mozart: Saltito; Chopin: Romntico, delico-doce; Beethoven: Incrvel!.

    Porque a segurana sem-pre foi um objectivo pessoal, acabou o curso mas no era o que queria fazer. Teve depois aulas em Lisboa, no mtico Hot Club, com Antnio Pi-nho Vargas e Mrio Laginha, ambos deambulavam no Pop e no Rock, estavam mais no campo que eu queria.

    Depois houve momentos importantes: convidado a tocar com o lendrio Carlos Paredes, no Entroncamento, toca com a banda Pedro e os Apstolos e entra definitiva-mente no circuito. Trabalhou com Alexandre Manaia, Lcia Moniz, Andr Sardet ou Mi-guel Amado. Andei dois anos a tocar em bares mas apercebi--me que aquilo no era para mim. Em 2004 torna-se te-clista de Joo Pedro Pais.

    Na sua carreira lembra com especial gozo a presena no Rock in Rio, com Bryan Adams e Keith Scott, uma pessoa humanamente acima da mdia, contou, e muito mais haveria para contar. Ain-da sobre a Barquinha, o Joo Pedro Pais disse uma vez num concerto que eu era do En-troncamento. No gostei e no final disse-lhe e ele rectificou no seguinte. Para mim a Bar-quinha um paraso, e uma frustrao as pessoas no da-rem valor ao que tm e ao que se tenta fazer.

    Gosta da Barquinha por-que somos todos vizinhos do lado. Na calha est mais um msico mas ter de esperar. O filho de Rui Almeida, de trs anos, ainda est na fase da ex-plorao.

  • 020 CULTURANovoAlmourol

    FEVEREIRO 2015

    Concurso de fotografia"Amor e Humorde Abrantesde 14 a 18 Fevereiro realiza-se um concurso de fotografia em Abrantes, intitulado Amor e Humor em Abrantes que pretende juntar a folia da poca carnavalesca paixo do dia dos namorados com fotografias que retratem vrios aspectos do amor e da diverso carnavalesca nas freguesias do concelho, em toda a sua abrangncia. o concurso destinado a jovens fotgrafos amadores, dos 14 aos 40 anos, e o perodo de submisso/envio de fotografias ocorre entre as 09h00 do dia 14 de Fevereiro e as 15h00 do dia 18 de Fevereiro 2015. os trabalhos submetidos sero depois sujeitos votao que decorrer entre as 10h00 do dia 23 de Fevereiro e as 24h00 do dia 01 de Maro 2015. As fotografias devem ser enviadas para o email do servio de juventude da cmara, [email protected], ou [email protected] A organizao do Municpio de Abrantes em parceria com a Associao centro comercial Ar Livre.

    Exposio Colectiva Expo 4A Galeria Municipal do entroncamento recebe at 19 de Fevereiro, uma exposio colectiva de pintura intitulada eXPo4.nesta exposio vo estar patentes obras dos pintores: Aida Guimares, carlos Antunes, Irene Galamba e Kaiser, quatro artistas da TAAcTo (Tertlia Associativa de Arte e cultura Torrejana). segundo os autores desta exposio: so quatro olhares diferentes. Quatro diferentes sensibilidades. Quatro formas de expresso, de tcnica e de entendimento da vida. Assim a Arte e assim aparece expressa atravs das emoes de cada um e por isso mesmo to autntica, to pessoal.Poder ser visitada de tera a sexta-feira, das 13h s 19h e aos fins-de-semana, das 15h s 19h. o evento organizado pela cmara Municipal do entroncamento, no mbito do Projecto deVIr 2015.

    ABrAnTes

    enTroncAMenTo

    Quinta do Bill iniciam tour 2015A banda tomarense regressa a Ourm dia 28 de Fevereiro pelas 21h00, ao Cineteatro Municipal para iniciar a sua temporada na estrada. Quinta do Bill um grupo musical portugus, de folk rock, formado em 1987 com uma carreira de sucesso nacional. Bilhetes: 10 | Reservas: 249 543 666 | 916 591 231 (das 14h00 s 20h00).

    ourM ABRANTESTodas as fases de Maria Luclia Moita

    TEXTO NA

    Trata-se de uma mostra significativa, com apresen-tao de todas as fases do seu percurso artstico, do ncleo de obras legado pela prpria, em vida, ao municpio de Abran-tes. Estas obras fazem parte da coleco a integrar futuramen-te um espao museolgico. Foi com o apoio do seu filho, Miguel Simo, que to intima-mente conhece a sua produo pictrica e as vrias fases que a representam, que possvel, pela primeira vez na Galeria quartel, reunir o maior nme-

    uma mostra significativa do seu percurso artstico

    ro de obras j apresentadas em Abrantes, com simultneas re-ferncias sua obra potica.

    Maria Luclia Moita nas-ceu em Alcanena em 1928 [e faleceu em Abrantes em 2011]. De 1944 a 1946 teve lies com o pintor Joo Reis. Depois da primeira exposio individual na Sociedade nacio-nal de Belas Artes em 1958, marcada pela pintura do seu mestre e dos pintores natura-listas (Silva Porto, Pouso) da coleco Dr. Anastcio Gonalves que era da sua fa-mlia, comeou um percurso que foi primeiro reaco, de-pois, uma procura que s nos

    anos oitenta se afirmou sua escrita muito pessoal. Sempre o carvo e o leo como proces-sos. Em 1977, com o apoio dos servios da Fundao Calouste Gulbenkian, exps o percurso at ento realizado num espa-o da Cmara Municipal de Abrantes, onde vive[u] desde 1954.Fez exposies idnticas nalguns museus e outros es-paos de cultura. (Do Livro Maria Luclia Moita, 2004, Abrantes, Cmara Municipal de Abrantes, pg. 145).

    A exposio pode ser visi-tada de tera a sbado, no ho-rrio das 10 s 12h30 ou das 14 s 18h30.

    At 20 de Maro, est patente ao pblico no quARTel Galeria Municipal de Arte de Abrantes, a exposio Maria Luclia Moita. 1928 | 2011

    SARDOALNadir Afonso em exposio no Centro CulturalTEXTO NA

    A galeria do Centro Cul-tural Gil Vicente, em Sar-doal, acolhe, at 26 de Abril, uma exposio de 24 obras da autoria do reconhecido artista Nadir Afonso. A mostra inte-gra 15 telas e nove guaches.

    Nadir Afonso Rodrigues um dos mais conceituados e talentosos pintores mundiais da sua gerao. Nascido em Chaves, em 1920, formou-se em arquitectura, actividade que abandonou em 1965, para se dedicar exclusivamente criao da sua obra plstica. Foi um dos pioneiros da arte cintica, sendo autor de uma

    teoria esttica e tendo publica-do vrios livros, nos quais de-fende que a arte puramente objectiva e regida por leis de natureza matemtica, que tra-tam a arte no como um ato de imaginao, mas de observa-o, percepo e manipulao da forma. Nadir Afonso alcan-ou reconhecimento interna-

    cional e est representado em vrios museus.

    A sede da Fundao Nadir Afonso, cuja coleco de Arte estar patente em Sardoal, um projecto do arquitecto Siza Vieira, orado em cerca de nove milhes de euros, tendo sido inaugurada em Julho de 2014.

    Tributo a Pink FloydA banda "TIME" vai proporcionar no dia 21 de Fevereiro, no Teatro S. Pedro, um espectculo de tributo banda que estabeleceu um marco na histria da msica do sculo XX. O projecto "TIME" recorda uma sequncia de temas que marcaram geraes desde a dcada de 70 aos nossos dias. Cada cano transporta o espectador entre diversos cenrios e sonoridades numa sequncia consistente que transforma as cerca de duas horas de espectculo num curto momento de prazer, descreve a organizao. Vo ouvir-se temas de sempre como Breathe, Another brick in the Wall, Time, Shine on you crazy diamond, Dogs, Wish you were here, Brain Damage, Eclipse ou High Hopes num ambiente multimdia que evoca os cenrios grandiosos dos concertos desta banda. No palco renem-se msicos de diferentes geraes e influncias que se unem na paixo pelos Pink Floyd, a quem rendem homenagem pela grande obra deixada humanidade. A banda TIME integra Antnio Toms, Antnio Bernardo, Paulo Bispo, Ricardo, T Zzere, Z Pedro, Ana Bernardo, Ana Patrcia Sanganha e Mariana Azevedo. Depois de Abrantes, a banda tem agendado um concerto no Cine