Junho de 2016 | Presto e Veloce 6

of 24/24
FORTISSIMO Nº 12 — 2016 S A N T O R O S Z Y M A N O W S K I B R A H M S PRESTO VELOCE 07/07 08/07
  • date post

    03-Aug-2016
  • Category

    Documents

  • view

    218
  • download

    2

Embed Size (px)

description

Fabio Mechetti, regente Conrad Tao, piano SANTORO | Canto de Amor e Paz SZYMANOWSKI | Sinfonia nº 4 para piano e orquestra, op. 60, “Concertante” BRAHMS | Sinfonia nº 4 em mi menor, op. 98

Transcript of Junho de 2016 | Presto e Veloce 6

  • FORTISSIMO N 12 2016

    S A N T O

    R O S Z Y

    M A N O

    W S K I B

    R A H M S

    PRESTO

    VELOCE

    07/07

    08/07

  • Ministrio da Cultura, Governo de Minas Gerais e Ita apresentam

    PRESTO

    VELOCE

    07/07

    08/07

  • FO

    TO

    : E

    UG

    N

    IO S

    V

    IO

  • 3Mesmo algum como eu, que vivo

    completamente imerso no mundo

    da msica erudita, pode ser

    positivamente surpreendido por algo

    jamais escutado e que, ao final de

    uma inesperada audio, pensa: Como

    eu nunca tinha ouvido isso antes?.

    Foi exatamente essa experincia que

    tive h alguns anos, ao escutar pela

    primeira vez, num voo internacional, a

    Sinfonia n 4 do polons Szymanowski.

    Foi uma feliz descoberta que ora fao

    chegar aos nossos ouvintes e nossa

    Orquestra, enriquecida pela presena

    sempre genial do jovem pianista

    Conrad Tao, que volta a se apresentar

    conosco depois de vrias bem-sucedidas

    FABIO MECHETTIDiretor Artstico e Regente Titular

    visitas. A fora e o virtuosismo

    demandados nessa brilhante pea

    certamente iro causar uma reao

    bastante positiva em todos vocs que

    nos presentearam com a suas presenas.

    A clebre Quarta Sinfonia de

    Johannes Brahms tambm compe

    esse variado programa, assim como

    uma das obras mais importantes do

    grande Claudio Santoro, pea que

    faz uma elegia ao amor e paz.

    Tudo o que precisamos

    neste momento

    Caros amigos e amigas,

  • 4FO

    TO

    : R

    AF

    AE

    L M

    OT

    TA

    Desde 2008, Fabio Mechetti Diretor Artstico e Regente Titular da Orquestra Filarmnica de Minas Gerais, sendo responsvel pela implementao de um dos projetos mais bem-sucedidos

    no cenrio musical brasileiro. Com seu trabalho, Mechetti

    posicionou a orquestra mineira nos cenrios nacional e internacional

    e conquistou vrios prmios. Com ela, realizou turns pelo

    Uruguai e Argentina e realizou gravaes para o selo Naxos.

    Natural de So Paulo, Fabio Mechetti serviu recentemente como

    Regente Principal da Orquestra Filarmnica da Malsia, tornando-se

    o primeiro regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asitica.

    Depois de quatorze anos frente da Orquestra Sinfnica de Jacksonville,

    Estados Unidos, atualmente seu Regente Titular Emrito. Foi

    tambm Regente Titular da Sinfnica de Syracuse e da Sinfnica

    de Spokane. Desta ltima , agora, Regente Emrito.

    Foi regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra

    Sinfnica Nacional de Washington e com ela dirigiu concertos

    no Kennedy Center e no Capitlio norte-americano. Da

    Orquestra Sinfnica de San Diego, foi Regente Residente.

    Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a

    Orquestra Sinfnica de Nova Jersey e tem dirigido inmeras orquestras

    norte-americanas, como as de Seattle, Buffalo, Utah, Rochester,

    Phoenix, Columbus, entre outras. convidado frequente dos festivais

  • 5FABIO MECHETTIdiretor artstico e regente titular

    de vero nos Estados Unidos, entre

    eles os de Grant Park em Chicago

    e Chautauqua em Nova York.

    Realizou diversos concertos no Mxico,

    Espanha e Venezuela. No Japo dirigiu

    as orquestras sinfnicas de Tquio,

    Sapporo e Hiroshima. Regeu tambm a

    Orquestra Sinfnica da BBC da Esccia,

    a Orquestra da Rdio e TV Espanhola

    em Madrid, a Filarmnica de Auckland,

    Nova Zelndia, e a Orquestra

    Sinfnica de Quebec, Canad.

    Vencedor do Concurso Internacional de

    Regncia Nicolai Malko, na Dinamarca,

    Mechetti dirige regularmente na

    Escandinvia, particularmente a

    Orquestra da Rdio Dinamarquesa e a

    de Helsingborg, Sucia. Recentemente

    fez sua estreia na Finlndia, dirigindo

    a Filarmnica de Tampere, e na Itlia,

    dirigindo a Orquestra Sinfnica de

    Roma. Em 2016 far sua estreia com a

    Filarmnica de Odense, na Dinamarca.

    No Brasil, foi convidado a dirigir a

    Sinfnica Brasileira, a Estadual de

    So Paulo, as orquestras de Porto

    Alegre e Braslia e as municipais de

    So Paulo e do Rio de Janeiro.

    Trabalhou com artistas como Alicia

    de Larrocha, Thomas Hampson,

    Frederica von Stade, Arnaldo Cohen,

    Nelson Freire, Emanuel Ax, Gil

    Shaham, Midori, Evelyn Glennie,

    Kathleen Battle, entre outros.

    Igualmente aclamado como regente

    de pera, estreou nos Estados Unidos

    dirigindo a pera de Washington.

    No seu repertrio destacam-se

    produes de Tosca, Turandot, Carmem,

    Don Giovanni, Cos fan tutte, La Bohme,

    Madame Butterfly, O barbeiro de

    Sevilha, La Traviata e Otello.

    Fabio Mechetti recebeu ttulos

    de mestrado em Regncia e em

    Composio pela prestigiosa

    Juilliard School de Nova York.

  • 6SS

    B

  • 7Claudio SANTOROCanto de Amor e Paz

    Karol SZYMANOWSKI Sinfonia n 4 para piano e orquestra,

    op. 60, Concertante Moderato

    Andante molto sostenuto

    Allegro non tropo

    Johannes BRAHMSSinfonia n 4 em mi menor, op. 98

    Allegro non tropo

    Andante moderato

    Allegro giocoso

    Allegro energico e passionato

    FABIO MECHETTI, regente

    CONRAD TAO, piano

    PROGRAMA

    INTERVALO

  • FO

    TO

    : B

    RA

    NT

    LE

    Y G

    UT

    IER

    RE

    Z

    CONRADTAO

  • 9Conrad Tao j se apresentou pelo

    mundo todo como pianista e compositor.

    O jornal The New York Times o

    reconhece como um compositor

    maduro e cheio de ideias. Para a NPR,

    um msico de inteligncia penetrante

    e viso aberta. Segundo a TimeOut

    de Nova York, ele de um talento

    feroz. Em 2011, Tao foi nomeado

    para o programa governamental

    U.S. Presidential Scholar in the Arts,

    recebeu medalha de ouro YoungArts

    de msica, dada pela Fundao

    Nacional para o Avano das Artes, e

    foi nomeado Gilmore Young Artist.

    No ano seguinte, recebeu a prestigiosa

    bolsa Avery Fisher Career Grant.

    Na atual temporada, Tao se apresenta

    com a Orquestra de Cmara da

    Filadlfia, sinfnicas de Pittsburgh,

    de Cincinnati, de Dallas, do Pacfico

    e Sinfnica Brasileira, filarmnicas de

    Buffalo e de Calgary, alm de recitais

    na Europa e nos Estados Unidos.

    Com a Filarmnica de Minas Gerais,

    apresentou-se em 2012 e 2013. Em

    temporadas anteriores, esteve com

    as sinfnicas de So Francisco, de

    Baltimore, de Toronto, de St. Louis, de

    Detroit, de Indianpolis, de Nashville e

    Orquestra do Centro Nacional das Artes,

    alm da Sun Valley Summer Symphony,

    Centro Musical de Brevard e festivais

    de Aspen, Ravinia e Mostly Mozart.

    Em 2013, Tao foi curador e produtor do

    elogiado Festival Unplay, que apresentou

    muitos novos trabalhos de autores e

    estilos diversos, abordando a efemeridade

    da internet, as possibilidades de um

    cnone do sculo XXI e o papel da

    msica na crtica e no ativismo social.

    No mesmo ano Tao lanou Voyages,

    seu primeiro lbum solo para o

    Warner Classics, aclamado como

    uma estreia afiada por Alex Ross, do

    New Yorker; para a NPR, Tao provou

    ser um msico de recursos intelectuais

    e emocionais profundos. Seu lbum

    seguinte, Pictures, com obras de David

    Lang, Toru Takemitsu, Elliott Carter,

    Mussorgsky e do prprio Tao, foi

    classificado por Anthony Tommasini,

    do The New York Times, como

    fascinante, [de] um artista cuidadoso

    e intrprete dinmico (...), feito com

    enorme imaginao, cor e controle.

    Como compositor, Tao venceu oito

    vezes o prmio Ascap Morton Gould

    e recebeu o prmio Carlos Surinach

    da BMI. Artista residente na Sinfnica

    de Dallas, estreou The world is very

    different now com elogios do The New

    York Times. Em 2016, Tao encerra

    sua residncia com um novo trabalho

    para a orquestra, Alice. Em 2015 ele

    estreou An Adjustment, para piano,

    orquestra e eletrnicos, comissionada

    pela Orquestra de Cmara da Filadlfia.

    Tao nasceu em Urbana, Illinois, em

    1994. Estudou piano com Emilio

    del Rosario em Chicago e Yoheved

    Kaplinsky em Nova York, e composio

    com Christopher Theofanidis.

  • 10 SManaus, Brasil, 1919 Braslia, Brasil, 1989

    Claudio Franco de S Santoro nasceu em Manaus a 23 de novembro

    de 1919. Aos treze anos, o Estado do Amazonas enviou-o ao

    Rio de Janeiro para estudar violino. Terminou seu curso em 1937,

    aos dezoito, e passou a ensinar no Conservatrio de Msica do

    Distrito Federal (Rio de Janeiro), onde estudara. Decidiu-se pela

    composio aos dezenove. Sua Primeira Sinfonia, para duas orquestras

    de cordas, possui movimento de abertura, de 1939, livremente atonal,

    e segundo movimento, de 1940, em tcnica dodecafnica, resultado

    de estudos iniciados naquele ano com Hans-Joachim Koellreutter.

    Em 27 de junho de 1946 recebe a notcia de que fora contemplado

    com bolsa da Fundao Guggenheim. Em 4 de setembro, escreve

    a Francisco Curt Lange: No posso seguir para os Estados Unidos

    porque o cnsul negou-me o visto no passaporte por ser eu membro do

    Partido Comunista. Com recomendao de Charles Munch, obtm

    bolsa da Embaixada da Frana e parte para a Europa a bordo do Groix,

    o navio mais lento do mundo, em 23 de setembro de 1947. Vinte

    e quatro dias de travessia em terceira classe levam-no a Paris, onde

    passa a encontrar-se com Nadia Boulanger, que dele diz: J um

    compositor, um artista, est apenas tendo umas discusses comigo.

    Em maro, jri composto por Igor Stravinsky, Serge Koussevitzky,

    Aaron Copland, Walter Piston e Nadia Boulanger atribui-lhe bolsa

    da Fundao Lili Boulanger. Santoro participa ativamente da vida

    musical europeia. Em maio apresenta comunicao em Praga durante

    o Segundo Congresso Internacional de Compositores e Crticos Musicais,

    cujo manifesto, redigido por Hans Eisler, frequentemente

    confundido com a Resoluo de 10 de fevereiro de 1948 do

    Comit Central do Partido Comunista Sovitico o Decreto de

    Zhdanov. A 14 de outubro embarca de volta para o Brasil.

    Claudio

    SANTOROCANTO DE AMOR E PAZ (1950) 12 min

  • SINSTRUMENTAO

    Cordas.

    PARA OUVIRCD Braslia ano 35 Orquestra Sinfnica

    do Teatro Nacional Claudio Santoro Srgio Kuhlmann, regente Sony 107.515 1995

    PARA ASSISTIROrquestra Sinfnica Nacional

    Roberto Ricardo Duarte, regente Acesse: fil.mg/samorepaz

    PARA LERElson Farias Claudio Santoro: cantor

    do sol e da paz Editora Valer 2009

    Santoro, seu sucesso e sua ideologia

    encontram hostilidade no pas. Em

    julho de 1950 passa a trabalhar como

    compositor na rdio Tupy. Escreve o

    Canto de Amor e Paz, para orquestra de

    cordas, que Eleazar de Carvalho estreia

    com a Orquestra Sinfnica Brasileira em

    1951. Em Viena, o Conselho Mundial

    da Paz confere partitura o Prmio

    da Paz em 1952. Nesse ano, a obra

    executada em Salzburgo e nos Festivais

    de Maio, em Praga. Em 1954 Santoro

    a rege no Brasil, para gravao em LP,

    cuja contracapa assim a descreve:

    Canto de Amor e Paz, pelas suas

    qualidades intrnsecas e repercusso,

    marcou a ruptura definitiva de Claudio

    Santoro com as teorias dodecafonistas

    e atonalistas. Inspirando-se em ideias

    generosas e humanas, o compositor

    procurou dar maior importncia a

    uma linha meldica de contedo

    realista, inspirada nas caractersticas

    mais frisantes da msica popular

    brasileira. Canto de Amor e Paz se

    constri, atravs de uma admirvel

    escritura, sobre um tema sereno, que

    se desenvolve em primeiro plano, sem

    que tal serenidade fuja, porm, aos

    contrastes dramticos, prprios do amor.

    Sua msica no atonal, dodecafnica

    ou nacionalista, mas tudo isso, s

    vezes ao mesmo tempo; dizer,

    subjetiva e experimental.

    11

    CARLOS PALOMBINI Musiclogo, professor da Escola de Msica da Universidade Federal de Minas Gerais.

  • 12 SDiz-se maldosamente que Szymanowski foi o compositor polons mais importante desde Chopin. De fato, se se observarem as escolas nacionais que despontam no cenrio ocidental desde a segunda metade do sculo XIX, algumas tiveram mais ascendncia sobre os caminhos tomados pela expresso musical do que outras. No entanto, h que se fazer uma ponderao. Algumas escolas nacionais mantiveram-se continuamente fecundas: o caso da escola tcheca ou da escola russa. Outras, porm, sofreram um eclipse at que o sculo XX promovesse a renovao e uma releitura dos estilos nacionais: o caso, por exemplo, de Bartk na Hungria. tambm o caso de Karol Szymanowski, esse polons nascido na Ucrnia.Detentor de uma formao slida, foi aluno de Gustav Neuhaus (pai de Heinrich Neuhaus, o importante pianista e pedagogo russo) e conviveu com artistas do quilate de Arthur Rubinstein (de quem era amigo prximo) e Ignacy Jan Paderewski (pianista antolgico, que foi um dos divulgadores de sua msica); acumulou cargos e prmios importantes ao longo de sua vida (foi diretor do Conservatrio de Varsvia e recebeu o ttulo de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Cracvia). Sua sade, porm, foi deteriorada pelo uso excessivo do lcool e do tabaco. Szymanowski morreu em Lausanne, na Sua, consumido pela tuberculose.Como compositor, sua linguagem vai se desenvolvendo lentamente. Comea sob os modelos de Chopin e Scriabin, depois toma interesse pelos universos de Wagner e Richard Strauss; mais tarde, o contato com as msicas de Debussy e Ravel o ajuda a libertar-se das correntes tradicionais e encontrar um caminho mais genuinamente pessoal de expresso, at que Stravinsky lhe abre os olhos para o folclore nacional. Sua tcnica de composio, solidamente embasada na formao lapidar que teve, lhe permite usar das fontes folclricas sem exotismos, realizando uma espcie de sntese entre a inventividade individual e elementos musicais folclricos.Karol

    SZYMANOWSKISINFONIA N 4 PARA PIANO E ORQUESTRA, OP. 60, CONCERTANTE (1932) 25 min

    Ucrnia, 1882 Sua, 1937

  • SINSTRUMENTAO

    Piccolo, 2 flautas, 2 obos, corne ingls, requinta, 2 clarinetes,

    2 fagotes, contrafagote, 4 trompas, 3 trompetes, 3 trombones, tuba,

    tmpanos, percusso, harpa, cordas.

    PARA OUVIRCD Szymanowski Symphony no. 2; Symphony no. 4; Concert Overture BBC Symphony Orchestra Edward

    Gardner, regente Louis Lortie, piano Chandos 2013

    PARA ASSISTIROrquestra Filarmnica Nacional Russa

    Simon Gaudena, regente - Pavel Nersessian, piano | Acesse: fil.mg/sconcertante

    PARA LERDavid Ewen The complete book of 20th Century Music Prentice-Hall, Inc. 1966

    do perodo final de sua vida a sua

    Sinfonia n 4, tambm chamada

    Sinfonia Concertante. A ideia de se

    incluir o piano em gneros sinfnicos

    diferentes do concerto no de todo

    original: j Beethoven ensaiara isso em

    sua Fantasia Coral, op. 80. Em 1886,

    Camille Saint-Sans atribui uma parte

    importante para piano naquela deliciosa

    sute, plena de ironia, que o Carnaval dos

    Animais... Porm, o fato de Szymanowski

    no atribuir sua Sinfonia n 4

    o ttulo de concerto revela a nfase

    na igual importncia tanto do solista

    quanto da orquestra na estruturao da

    obra. Estreada em 1933 (quatro anos

    antes da morte do compositor), em

    Varsvia, pela Orquestra Filarmnica

    de Varsvia, sob a regncia de Gregor

    Fitelberg, tendo o compositor como

    solista, tornou-se uma das suas obras

    mais celebradas e executadas.

    Sua estrutura, em trs movimentos,

    lembra claramente a do concerto. Sua

    linguagem, porm, indubitavelmente

    moderna, revela um compositor

    maduro, capaz de transmutar em

    expresso individual as suas fontes

    tanto folclricas, quanto de grandes

    correntes musicais do sculo XX.

    13

    MOACYR LATERZA FILHO Pianista e cravista, Doutor em Literaturas de Lngua Portuguesa, professor da Universidade do Estado de Minas Gerais e da Fundao de Educao Artstica.

  • 14 BAlemanha, 1833 1897Ao contrrio de diversos autores, Schoenberg defendia a importncia da contribuio de Brahms para a modernidade. Apesar da diferena de seus estilos, esses dois compositores foram fiis essncia da msica de cmara e a algumas de suas tcnicas compositivas como a variao contnua de motivos e a diversidade nos modos de repetio que permitiam construir uma espcie de prosa musical livre dos procedimentos tradicionais da quadratura mtrica. A Sinfonia n 4 representa o pice da produo de Brahms no gnero. Nela destaca-se o Finale, em forma de Passacaglia com um tema de oito compassos e trinta variaes , talvez sua tentativa mais completa de sintetizar prticas de composio antigas e modernas.O Allegro non troppo usa a forma sonata, porm com aglomerados temticos ao invs de temas: cada um dos temas tem diversas partes com caractersticas contrastantes. H tambm grande fluncia temporal, com figuras meldicas que se sucedem de maneira rpida e contnua, mas o retorno estratgico de alguns elementos centrais permite que a memria organize o passar do tempo, criando um percurso balizado por referncias. Por sua vez, a variao do material musical associa-se a uma carga dramtica, como se a transformao no atuasse apenas sobre o som, mas tambm sobre o sujeito que escuta.O Andante moderato inicia-se com um tema de carter antigo e cerimonial que se repete diversas vezes, com variaes. Na ltima apresentao, a metamorfose mais profunda no ritmo e na melodia, e a orquestrao ampla e suave. Na transio para o segundo tema, ouve-se o dilogo entre os naipes de sopros e cordas. O segundo tema um exemplo de melodia acompanhada, onde as partes do acompanhamento se movem com grande independncia meldica. A imaginao formal de Brahms utiliza, nesse tema, a mesma figura meldica da transio, aqui em ritmo muito mais lento, propondo, talvez, um reconhecimento no Johannes

    BRAHMSSINFONIA N 4 EM MI MENOR, OP. 98 (1885) 40 min

  • BINSTRUMENTAOPiccolo, 2 flautas, 2 obos, 2 clarinetes, 2 fagotes, contrafagote, 4 trompas, 2 trompetes, tmpanos, cordas.PARA OUVIRCD Brahms The Symphonies Chicago Symphony Orchestra Sir Georg Solti, regente London/Decca 1996PARA ASSISTIROrquestra Estatal da Bavria Carlos Kleiber, regente Acesse: fil.mg/bsinf4PARA LERFranois-Ren Tranchefort Guia da Msica Sinfnica Editora Nova Fronteira 1990inteiramente consciente por parte do ouvinte. Essa seo termina em grande transparncia, com um motivo que se alterna entre violino, flauta e viola, sem acompanhamento; os dois temas se voltam com diversas transformaes.O Allegro giocoso, de carter festivo, incorpora contrafagote, flautim e tringulo orquestra, expandindo a sonoridade. Os aglomerados temticos so formados de elementos que se sucedem de modo imprevisto. No desenvolvimento, as figuras meldicas so transpostas em diversas tonalidades e submetidas a dilogos de grupos instrumentais. O movimento vertiginoso se apazigua na transio que precede a retomada do material inicial.O Allegro energico e passionato uma elegia solene, em variaes sobre um tema de Bach. Texturas polifnicas se transformam a cada bloco de oito compassos. O tema passa por instrumentos diferentes, sofre deslocamentos rtmicos e submerso na textura devido profuso das linhas meldicas. Para evitar a monotonia, o autor desloca a escuta para outros elementos da textura, construindo uma espcie de narrativa musical evolutiva, em contraposio ao retorno obstinado do mesmo tema. Na evoluo do discurso musical, h momentos de grande delicadeza quase como ilhas sonoras transparentes que interrompem o crescendo dramtico em direo ao final do movimento. 15ROGRIO VASCONCELOS Compositor e professor da Escola de Msica da Universidade Federal de Minas Gerais.

  • FO

    TO

    : A

    ND

    R

    FO

    SS

    AT

    I

  • Nossa histria com a melhor trilha sonora.A CBMM patrocinadora de importantes projetos

    educacionais da Orquestra Filarmnica.

    Apoiar a cultura mineira ao som dessa orquestra

    mais do que um orgulho. inesquecvel.

    CY000816-anr_filarmonica15x25.indd 1 27/04/16 17:04

  • * principal ** principal associado *** principal assistente

    DIRETOR ARTSTICO E REGENTE TITULAR

    Fabio Mechetti

    REGENTE ASSOCIADO

    Marcos Arakaki

    Orquestra Filarmnica de Minas Gerais

    PRIMEIROS VIOLINOS Anthony Flint SpallaRommel Fernandes Spalla AssociadoAra Harutyunyan Spalla AssistenteAna Paula SchmidtAna ZivkovicArthur Vieira TertoBojana PantovicDante BertolinoHyu-Kyung JungJoanna BelloRoberta ArrudaRodrigo BustamanteRodrigo M. BragaRodrigo de Oliveira

    SEGUNDOS VIOLINOSFrank Haemmer *Leonidas Cceres ***Gideni LoamirJovana TrifunovicLuka MilanovicMartha de Moura PacficoMatheus BragaRadmila BocevRodolfo ToffoloTiago EllwangerValentina Gostilovitch

    VIOLASJoo Carlos Ferreira *Roberto Papi ***Flvia MottaGerry VaronaGilberto Paganini Juan DazKatarzyna DruzdLuciano GatelliMarcelo NbiasNathan Medina

    VIOLONCELOSPhilip Hansen *Felix Drake ***Camila PacficoCamilla RibeiroEduardo SwertsEmilia NevesLina RadovanovicRobson FonsecaWilliam Neres

    CONTRABAIXOSNilson Bellotto *Marcelo CunhaMarcos LemesPablo GuiezRossini ParucciWalace Mariano

    FLAUTASCssia Lima *Renata Xavier ***Alexandre BragaElena Suchkova

    OBOSAlexandre Barros *Ravi Shankar ***Israel MunizMoiss Pena

    CLARINETESMarcus Julius Lander *Jonatas Bueno ***Ney FrancoAlexandre Silva

    FAGOTESCatherine Carignan *Victor Morais ***Andrew HuntrissFrancisco Silva

    TROMPASAlma Maria Liebrecht *Evgueni Gerassimov ***Gustavo Garcia Trindade Jos Francisco dos SantosLucas Filho Fabio Ogata

    TROMPETESMarlon Humphreys *rico Fonseca **Daniel Leal ***Tssio FurtadoTROMBONESMark John Mulley *Diego Ribeiro **Wagner Mayer ***Renato Lisboa

    TUBAEleilton Cruz *

    TMPANOSPatricio Hernndez Pradenas *

    PERCUSSO Rafael Alberto *Daniel Lemos ***Srgio AluottoWerner Silveira

    HARPAGiselle Boeters *

    TECLADOSAyumi Shigeta *

    GERENTE Jussan Fernandes

    INSPETORAKarolina Lima

    ASSISTENTE ADMINISTRATIVA Dbora Vieira

    ARQUIVISTAAna Lcia Kobayashi

    ASSISTENTESClaudio StarlinoJnatas Reis

    SUPERVISOR DE MONTAGEMRodrigo Castro

    MONTADORESAndr BarbosaHlio SardinhaJeferson SilvaKlnio CarvalhoRisbleiz Aguiar

    SZYMANOWSKIEditor: Edition Durand-Salabert-EschigRepresentante: Melos Ediciones Musicales S. A.

  • 19

    Conselho Administrativo

    PRESIDENTE EMRITO Jacques Schwartzman

    PRESIDENTE Roberto Mrio Soares

    CONSELHEIROS Angela Gutierrez Berenice MenegaleBruno VolpiniCelina SzrvinskFernando de Almeidatalo GaetaniMarco Antnio PepinoMauricio FreireMauro BorgesOctvio ElsioPaulo BrantSrgio Pena

    Diretoria Executiva

    DIRETOR PRESIDENTE Diomar Silveira

    DIRETOR ADMINISTRATIVO-FINANCEIROEstvo Fiuza

    DIRETORA DE COMUNICAO Jacqueline Guimares Ferreira

    DIRETORA DE MARKETING E PROJETOS Zilka Carib

    DIRETOR DE OPERAES Ivar Siewers

    DIRETOR DE PRODUO MUSICAL Kiko Ferreira

    Equipe Tcnica

    GERENTE DE COMUNICAO Merrina Godinho Delgado

    GERENTE DE PRODUO MUSICAL Claudia da Silva Guimares

    ASSESSORA DE PROGRAMAO MUSICALGabriela Souza

    PRODUTORES Luis Otvio RezendeNarren Felipe

    ANALISTAS DE COMUNICAO Marciana Toledo (Publicidade) Mariana Garcia (Multimdia)Renata GibsonRenata Romeiro (Design grfico)

    ANALISTA DE MARKETING DE RELACIONAMENTO Mnica Moreira

    ANALISTAS DE MARKETING E PROJETOSItamara KellyMariana Theodorica

    ASSISTENTE DE MARKETING DE RELACIONAMENTO Eularino Pereira

    ASSISTENTE DE PRODUO Rildo Lopez

    Equipe Administrativa

    GERENTE ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA Ana Lcia Carvalho

    GERENTE DE RECURSOS HUMANOSQuzia Macedo Silva

    ANALISTAS ADMINISTRATIVOS Joo Paulo de OliveiraPaulo Baraldi

    ANALISTA CONTBIL Graziela Coelho

    SECRETRIA EXECUTIVAFlaviana Mendes

    ASSISTENTE ADMINISTRATIVACristiane Reis

    ASSISTENTE DE RECURSOS HUMANOSVivian Figueiredo

    RECEPCIONISTA Lizonete Prates Siqueira

    AUXILIAR ADMINISTRATIVO Pedro Almeida

    AUXILIARES DE SERVIOS GERAIS Ailda ConceioMrcia Barbosa

    MENSAGEIROSBruno RodriguesDouglas Conrado

    MENOR APRENDIZMirian Cibelle

    Sala Minas Gerais

    GERENTE DE INFRAESTRUTURA Renato Bretas

    GERENTE DE OPERAES Jorge Correia

    TCNICO DE UDIO E ILUMINAOMauro Rodrigues

    TCNICO DE ILUMINAO E UDIO Rafael Franca

    ASSISTENTE OPERACIONALRodrigo Brando

    Ilustraes: Mariana Simes

    FORTISSIMO julho n 12 / 2016 ISSN 2357-7258

    EDITORA Merrina Godinho Delgado

    EDIO DE TEXTO Berenice Menegale

    Instituto Cultural Filarmnica

    GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAISFernando Damata Pimentel

    VICE-GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAISAntnio Andrade

    (Oscip Organizao da Sociedade Civil de Interesse Pblico Lei 14.870 / Dez 2003)

    SECRETRIO DE ESTADO DE CULTURA DE MINAS GERAISAngelo Oswaldo de Arajo Santos

    SECRETRIO ADJUNTO DE ESTADO DE CULTURA DE MINAS GERAISJoo Batista Miguel

  • VISITE A CASA VIRTUAL DA NOSSA ORQUESTRA

    www.filarmonica.art.brFILARMNICA ONLINE

    FORA DE SRIE

    ALLEGRO VIVACE

    CONCERTOS jul

    Veja detalhes em filarmonica.art.br/concertos/agenda-de-concertos.

    3 / jul, 11hForma Sonata

    7 e 8 / jul, 20h30Santoro, Szymanowski, Brahms

    14 e 15 / jul, 20h30Liszt, Bruckner

    16 / jul, 20hSabar

    23 / jul, 18hMozart Rivais e contemporneos

    28 e 29 / jul, 20h30Guarnieri, Nobre

    JUVENTUDE

    Para que sua noite seja ainda mais especial, nos dias de concerto, apresente seu ingresso no restaurante Haus Mnchen e, na compra de um prato principal, ganhe outro de igual ou menor valor.

    Rua Juiz de Fora, 1.257, pertinho da Sala Minas Gerais.

    PRESTOVELOCE

    PRESTOVELOCE

    Sries de assinatura: Allegro, Vivace, Presto, Veloce, Fora de Srie Concertos para a Juventude

    Clssicos na Praa

    Concertos Didticos

    Festival Tinta Fresca

    Laboratrio de Regncia

    Turns estaduais

    Turns nacionais e internacionais

    Concertos de Cmara

    Visite filarmonica.art.br/filarmonica/sobre-a-filarmonica e conhea cada uma delas.

    CONHEA AS APRESENTAES DA FILARMNICA

    pera

    ltimo captulo

    FORA DE SRIEMOZART EM DOSE DUPLA

    Uma boa notcia para os amantes de Mozart.

    Dois concertos da srie Fora de Srie sero repetidos. Em agosto, a pera

    semiencenada Cos fan tutte acontecer nos dias 20 e 21. E em dezembro, o ltimo concerto da srie, com grandes obras, entre elas o Requiem, acontecer nos dias 9 e 10.

    Como em todas as apresentaes da srie, os ingressos comearo a ser vendidos um ms antes da data do concerto.

    sbado, 18hdomingo, 18h

    sexta, 20h30 sbado, 18h

    20 AGO21 AGO

    09 DEZ10 DEZ

    Fique de olho em filarmonica.art.br/ingressos.

    TURN ESTADUAL

    apresentao extra

    apresentao extra

  • 21

    PARA APRECIAR UM CONCERTO

    CONCERTOS COMENTADOSAgora voc pode assistir a palestras sobre temas dos concertos das sries Allegro, Vivace, Presto e Veloce. Elas acontecem na Sala de Recepes, esquerda do foyer principal, das 19h30 s 20h, para as primeiras 65 pessoas a chegar.

    CUMPRIMENTOSAps o concerto, caso queira cumprimentar os msicos e convidados, dirija-se Sala de Recepes.

    ESTACIONAMENTOPara seu conforto e segurana, a Sala Minas Gerais possui estacionamento, e seu ingresso d direito ao preo especial de R$ 15 para o perodo do concerto.

    PONTUALIDADE Uma vez iniciado um concerto, qualquer movimentao perturba a execuo da obra. Seja pontual e respeite o fechamento das portas aps o terceiro sinal. Se tiver que trocar de lugar ou sair antes do final da apresentao, aguarde o trmino de uma pea.

    APARELHOS CELULARESConfira e no se esquea, por favor, de desligar o seu celular ou qualquer outro aparelho sonoro.

    FOTOS E GRAVAES EM UDIO E VDEONo so permitidas durante os concertos.

    APLAUSOSAplauda apenas no final das obras. Veja no programa o nmero de movimentos de cada uma e fique de olho na atitude e gestos do regente.

    CONVERSAA experincia do concerto inclui o encontro com outras pessoas. Aproveite essa troca antes da apresentao e no seu intervalo, mas nunca converse ou faa comentrios durante a execuo das obras. Lembre-se de que o silncio o espao da msica.

    CRIANASCaso esteja acompanhado por criana, escolha assentos prximos aos corredores. Assim, voc consegue sair rapidamente se ela se sentir desconfortvel.

    COMIDAS E BEBIDASSeu consumo no permitido no interior da sala de concertos.

    TOSSEPerturba a concentrao dos msicos e da plateia. Tente control-la com a ajuda de um leno ou pastilha.

    0 PROGRAMA DE CONCERTOS

    O Fortissimo uma publicao indexada aos sistemas nacionais e internacionais de catalogao. Elaborado com a participao de especialistas, ele oferece uma oportunidade a mais para se conhecer msica. Desfrute da leitura e estudo. Mas, caso no precise dele aps o concerto, por favor, devolva-o nas caixas receptoras para que possamos reaproveit-lo.

    O Fortissimo tambm est disponvel no formato digital em nosso sitewww.filarmonica.art.br.

  • /filarmonicamg @filarmonicamg /filarmonicamg

    SALA MINAS GERAIS

    Rua Tenente Brito Melo, 1.090 | Barro Preto | CEP 30.180-070 | Belo Horizonte - MG

    (31) 3219.9000 | Fax (31) 3219.9030

    WWW.FILARMONICA.ART.BR

    /filarmonicamg

    PATROCNIO MSTER PATROCNIO

    MANTENEDOR

    REALIZAO

    DIVULGAO APOIO

    APOIO INSTITUCIONAL

    Misso Diplomtica dos Estados Unidos no Brasil

    CO

    MU

    NIC

    A

    O

    IC

    F