Lexico treino

download Lexico treino

of 100

Embed Size (px)

Transcript of Lexico treino

Incio Para que um treinador, um especialista do treino ou at mesmo para o comum curioso sobre esta temtica execute com eficincia o processo de treino, necessrio que em qualquer dos casos, se tenha um conhecimento no s sobre a metodologia clara e cientifica acerca do treino a ser aplicado mas tambm se torna necessrio um conhecimento aprofundado de todos os conceitos que engloba o complexo processo de treino, sejam eles num contexto geral de treino, de metodologias de treino, de princpios de treino, de planeamento, de fisiologia e at mesmo de patologias relacionadas com o condicionamento fsico. Procurando a satisfao destes pr-requisitos, este trabalho visa servir de apoio na elaborao e acompanhamento de periodizaes de treino, mtodos de treino e bases cientficas de treino, no qual so apresentados conceitos importantes relacionados com a Metodologia do Treino Desportivo. Por mais que saibamos sobre este complexo processo, todos devemos ter a humildade de assumir que isso pouco ou nada representa frente aos conhecimentos existentes e aos que a investigao apresenta dia a dia, pois na actual era da informao onde os meios de comunicao atingem um pice jamais experimentado na histria humana, o conhecimento apresenta uma volatilidade e extenso sem precedentes, o que nos obriga a uma constante reformulao e estudo dos princpios e teorias envolvidas nesta rea. assim no seguimento do exposto que surge este glossrio, servindo assim como uma base de dados para todos aqueles que ao estarem ligados ou interessados rea do treino possam ter aqui um conhecimento mais aprofundado dos conceitos relacionados sobre este complexo tema. O Glossrio apresenta-se ento dividido em 6 grandes reas, a saber: - Geral; - Princpios do Treino e da Adaptao Desportiva; - Metodologia do treino; - Periodizao e Planeamento do Processo de Treino; - Fisiologia do Exerccio;

- Patologias. Esperamos assim, que este seja um documento importante e de grande utilidade para todos os interessados na temtica do Treino Desportivo e que possa servir para esclarecer as dvidas que possam surgir durante o trabalho de treinadores ou de orientadores de treino, seja no clube, no ginsio ou mesmo simplesmente para todos aqueles que se interessem por realizar e planear o seu treino de uma forma mais cuidada. Geral A Abduo: o movimento oposto ou seja, o afastamento de um segmento corporal do eixo central do corpo, tendo como referncia um dos planos sagital e o coronrio como referncia. (Rodrigues, 1986) Acclico: um gesto que consiste em aces que variam constantemente. (Bompa, 2003) Acondicionamento: aumento da capacidade energtica do msculo mediante um programa de exerccios. O acondicionamento no se relaciona directamente com a execuo das destrezas como ser o caso do treino. (Bompa, 2003) Actividade fsica espontnea ou informal: aquela que se integra na vida diria e dela se faz parte, quer porque se precisa, quer porque se gosta, exemplo ir a p para a escola ou trabalho. (Barata, 2003) Actividade fsica programada ou organizada: quando a actividade fsica obedece a um esquema prvio, tem objectivos, tem regras de intensidade e de progresso, tem tempo de sesses definidas, exemplo quando se vai a um ginsio. (Barata, 2003) Actividade Fsica: qualquer movimento do corpo, produzido pelo msculo-esqueltico que resulta num incremento do gasto energtico, exemplo: subir escadas. (Barata, 2003) Actividade fsica: toda a actividade muscular ou motora que um ser assume, ou seja, tudo aquilo que implique movimento, fora ou manuteno da postura. (Barata, 2003) Aduo: o movimento em que se aproxima um segmento corporal (braos, pernas, coxas, antebraos) do eixo central do corpo. Normalmente usa-se como parmetro dois planos, sagital e o coronrio como referncia. (Wirhed, 1986)

Aerbico: Na presena de oxignio. (Fox, 1991) Aerbio (a) - Do grego, Aeros = ar e Bios = vida. Etimologicamente significa vida em presena do ar. Conceptualmente significa as vias do metabolismo, ou seja, as reaces qumicas, que necessitam de oxignio para ocorrerem. Estas reaces podem produzir grande quantidade de energia a partir das reservas de gordura e de acar, mas no produzem muita energia ao mesmo tempo. Portanto, quando a palavra aplicada as actividades fsicas, indica aquelas que esto longe da intensidade mxima, portanto so ligeiras ou moderadas, mas que podem ser mantidas por tempo (muito) prolongado: a fadiga s surge ao fim de muitos minutos ou de horas. Isto assim, porque a energia necessria para elas e produzida pelo referido metabolismo aerbio, ou seja depende dum fornecimento constante de oxignio aos msculos em esforo. As actividades fsicas aerbias so das mais vantajosas para a sade: marcha, corrida lenta, bicicleta em plano, remo, ski de fundo, natao, dana. Agilidade: capacidade de mudar rpida e efectivamente a direco de um movimento executado em velocidade. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Ajudante: sujeito responsvel pela segurana do desportista que efectua o levantamento de um peso. (Bompa, 2003) Alavanca: Uma barra rgida (como um osso) que pode rodar livremente ao redor de um ponto fixo ou eixo denominado fulcro (como uma articulao). (Fox, 1991) Alimento: Substncia ingerida pela boca que mantm a vida e o crescimento, fornecendo energia, construindo e substituindo tecidos. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Alimentos Energticos: Responsveis pela energia do organismo. So os carbohidratos fornecidos pelo acar, massas, pes, farinhas, razes e tubrculos, e os lipdios, fornecidos pelas gorduras, manteiga, margarina, leo vegetal. (Foss & Keteyian, 2000) Alimentos Reguladores: Responsveis pela regulao das actividades do organismo, garantindo seu bom funcionamento atravs da gua, das fibras, sais minerais e vitaminas, fornecidos pelas verduras e frutas. (Foss & Keteyian, 2000) Alongamento: Forma de trabalho que visa a manuteno dos nveis de flexibilidade obtidos e a realizao dos movimentos de amplitude normal com um mnimo de restrio possvel. (Rodrigues, 1986)

Ambiente: Relativo ao meio que nos cerca. (Fox, 1991) Anaerbico: Na ausncia de oxignio. (Fox, 1991) Anaerbio: An = contrrio de. Portanto todo o metabolismo ou toda a actividade fsica que no aerbia. Estas vias metablicas produzem energia mesmo na ausncia de oxignio, debitam muito grande quantidade de energia mas entram em fadiga ao fim de segundos ou minutos. Actividades fsicas anaerbias so todas as muito imensas, sejam elas gerais (sprints, saltos, etc.) ou locais (musculao com muita carga, halterofilismo, etc.). (Barata, 2003) Anaerbio: sem presena de oxignio. (Bompa, 2003) Anatomia: o estudo das estruturas e organizao dos seres vivos, tanto externa quanto internamente, ou seja, a anatomia estuda as estruturas e a cinesiologia os movimentos possivelmente realizados por esta tal estrutura. (Hay, 1981) Antropometria: So as tcnicas de mensurao do corpo humano. As principais so: peso corporal, o IMC (ndice de Massa Corporal), as pregas cutneas, circunferncias e dimetros sseos. (Hay, 1981) Apoterapia: massagem aplicada nos atletas tanto antes como aps um evento desportivo. Utilizada pelos gregos acreditava-se que preparava a musculatura antes do evento e limpava os membros de matrias suprfluas e fluidos aps uma actividade extenuante. (Fox, Bowers, & Foss, 1991) Aptido Cardio-respiratria: Capacidade aerbia mxima de uma pessoa, ou seja, a maior capacidade que ela tem de realizar exerccio aerbio, que medida atravs do VO2 mx. (Fox, Bowers, & Foss, 1991 e Foss & Keteyian, 2000) Aptido Fsica: Associada com a capacidade de realizar as Actividades dirias do quotidiano com vigor e energia; Demonstrar traos e capacidades associadas a um baixo risco para o desenvolvimento de doenas crnico-degenerativas; Potenciais ou as qualidades inatas do homem, que so expressas continuamente por meio da predisposio e do talento (a aptido de fora muscular mxima, a aptido de resistncia cardiovascular mxima, flexibilidade e velocidade mxima atingvel). (Barata, 2003)

Aptido motora: Capacidade de efectuar uma tarefa motora, englobando os seguintes elementos: potncia muscular, mobilidade, equilbrio, agilidade e velocidade. (Barata, 2003) Aquecimento: Etapa inicial de uma sesso de exerccio fsico, preparando para os exerccios mais intensos da parte principal; o preldio do trabalho fsico e deve sempre ser executado em primeiro lugar. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Aquoso: Relativo a gua. (Fox, 1991) Avaliao: um julgamento, uma classificao e uma interpretao feita a respeito de um estudo baseado na medida ou em algum critrio pr-determinado. (Weineck, 2002) B Balstico: relativo ao movimento muscular balstico. (Bompa, 2003) Bioimpedncia: Mtodo para se avaliar a percentagem de gordura corporal, em que se utiliza a conduo de uma corrente elctrica. Essa conduo dada pela gua e electrlitos contidos na massa muscular. A partir disso feita a medio da massa magra e da massa gorda, calculando-se, assim, a percentagem de tecido gorduroso. (Hay, 1981) Biomecnica: cincia que estuda o mecanismo dos sistemas biolgicos, permitindo que o homem, atravs de anlise dos movimentos, e sem omitir as influncias bioenergticas, possa aprimorar o seu domnio psicomotor. (Hay, 1981) Biometria: ramo da cincia que estuda e analisa os dados estatsticos referentes hereditariedade, evoluo e aos fenmenos do metabolismo e nutrio dos seres vivos. (Hay, 1981)Bradicardia: FC menor ou mais lenta. (Foss & Keteyian, 2000) C Calor especfico: quantidade de calor necessria para alterar, em um grau, a temperatura de uma unidade de massa de uma substncia. (Bompa, 2003) Caloria: uma medida usada para expressar o calor ou valor energtico do alimento e da actividade fsica. definida como o valor necessrio para elevar a temperatura de 1 kg (1L) de gua em graus centgrados de 14,5 15,5 graus. Assim sendo uma caloria designada mais correctamente como kilocaloria (Kcal). (Barata, 2003)

Caminhada: o deslocamento sem saltitos de qualquer espcie ou bscula de quadril e o seu movimento muito natural, embora seja possvel impor-se ritmos mais fortes. (Barata, 2003) Caminhar: Andar, percorrer caminho a p; andar sempre mantendo um p em contacto com o solo; percorrer andando; dirigir-se. (Van Der Plas, 1993) Capacidades fsicas biomotoras: a capacidade de efectuar um conjunto de actividades como fora, velocidade e resistncia. Esto influenciadas pelo treino e podem ser determinadas geneticamente. (Bompa, 2003) Cardiovascular: Cardio = corao e vasculo = vaso. Portanto esta palavra no diz nada de concreto, nem descrimina a causa da doena. Quando aplicada s doenas, apenas indica que a doena em causa diz respeito ao corao e/ou aos vasos. Nada mais que isto. (Barata, 2003) Cclico: gesto que compreende movimentos contnuos que se repetem continuamente. (Bompa, 2003) Cinesiologia: a cincia que tem como enfoque a anlise dos movimentos do corpo humano. Ou seja, a anatomia estuda as estruturas e a cinesiologia os movimentos possivelmente realizados por esta tal estrutura; Significa estudo do movimento. Vem do grego knesis, que significa movimento. (Hay, 1981) Cinestesia: Conscincia da posio corporal. (Fox, 1991) Condio Fsica especfica: capacidade que um individuo tem mais desenvolvida, relativamente s restantes, em comparao com a maioria dos indivduos, obtida em funo do desporto praticado por exemplo. (Barata, 2003) Condio Fsica geral: mnimo de cada uma das capacidades (resistncia, fora, velocidade, flexibilidade, entre outras) que se considera necessrio populao geral. (Barata, 2003) Condio fsica: a traduo portuguesa da palavra inglesa fitness. Significa, entre outras definies, as capacidades para poder executar e com facilidade as tarefas motoras necessrias vida de cada um, intensidade e na durao necessrias. (Barata, 2003)

Condicionamento fsico - o conceito de "condicionamento fsico" muito amplo e por isso possui diversas definies. Os componentes de um bom condicionamento so: resistncia cardiovascular, flexibilidade e fora muscular. Alm disso, existem factores como alimentao, qualidade do sono e estilo de vida. (Barata, 2003) Condicionamento: Aumento na capacidade energtica do msculo atravs de um programa de exerccios. O condicionamento no se preocupa principalmente com a percia no desempenho, como ocorre com o treino. (Fox, 1991) Coordenao dinmica global (ampla): conjunto de habilidades desempenhadas com todo o corpo em busca da harmonia e do controle de movimentos amplos. (Meinel, 1984) Coordenao Motora fina: destreza para exercer actividades de movimentos

espacialmente pequenos, que requer o emprego de uma fora mnima, mas com grande preciso ou velocidade ou ambos, sendo executada principalmente pelas mos e dedos, s vezes tambm pelos ps. (Meinel, 1984) Coordenao Motora: Integrao articulada de muitas habilidades ou movimentos motores, separados num nico padro eficiente de movimento; quando o movimento envolve a aco de vrios msculos. (Meinel, 1984) Core: Regio que engloba o quadril, abdmen e lombar, considerada o centro de estabilizao e de produo de fora do corpo. (Hay, 1981) Correr: ir com velocidade; ir rapidamente. Corrida engloba o trote e qualquer caminhada onde por alguns instantes os dois ps no tocam o solo durante o deslocamento. Nela os braos mantm-se flectidos e o corpo ligeiramente mais inclinado frente. (Van Der Plas, 1993) D Deficit de fora: incapacidade de fazer participar todas as fibras musculares na execuo de uma aco desportiva. (Bompa, 2003) Descontraco: Habilidade que capacita a recuperao de esforos fsicos realizados relaxamento muscular. (Ribeiro, 1992) Desidratao: A condio que resulta da perda excessiva de gua corporal. (Fox, 1991)

Desidratao: Perda anormal de lquido do organismo. A desidratao comea quando a quantidade de lquidos ingerida inferior quela que eliminada atravs da urina, da respirao, da transpirao e das fezes. A desidratao surge frequentemente em consequncia de vmitos, diarreia ou perda sangunea. (Foss & Keteyian, 2000) Desporto: Actividade competitiva, institucionalizada, realizada conforme tcnicas, habilidades e Objectivos definidos pelas modalidades desportivas, determinada por regras preestabelecidas que lhe do forma, significado e identidade, podendo tambm, ser praticada com liberdade e finalidade ldica estabelecida pelos seus praticantes. Realizado em ambiente diferenciado, inclusive na natureza (jogos da natureza, alternativos e outros). A actividade desportiva aplica-se ainda, na promoo da sade e no mbito educacional de acordo com o diagnstico e/ou conhecimento especializado, em complemento a interesses voluntrios e/ou organizao comunitria de indivduos e grupos no especializados. uma actividade fsica que envolve a competio. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Desporto: o conceito desporto j implica competir, entre equipas ou indivduos. Existem regras e objectivos a alcanar. (Barata, 2003) Diagnosticar: determinar os pontos fortes e fracos; e determinar o nvel de treino. Exemplo: determinar quais grupos de msculos precisam ser mais exercitados. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) E Ectomorfia: Caracterstica fsica relacionada ao comprimento dos ossos e superfcie da pele. Quanto mais longos os ossos de uma pessoa, mais longilnea e mais componente ectomrfico tem. (Meinel, 1984 e Weineck, 2002) Educao Fsica: Conjunto das Actividades fsicas e desportivas; A profisso constituda pelo conjunto dos graduados habilitados, e demais habilitados, para atender s necessidades sociais referentes s Actividades fsicas nas suas diferentes manifestaes, constituindo-se um meio efectivo para a conquista de um estilo de vida activo dos seres humanos. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Efeito i-i: Situao clnica muito frequente, caracterizada pelo ciclo "emagreceengorda", nalguns casos h recuperao de peso alm do que j havia sido perdido.

Estudos confirmam que obesos que caem neste ciclo tm maiores tendncias a ter complicaes metablicas da obesidade. (Barata, 2003) Endomorfia: a caracterstica fsica percebida pelas formas arredondadas do corpo. Est relacionada s reservas excessivas de gordura, como os famosos pneus na cintura. (Meinel, 1984 e Weineck, 2002) Envelhecimento: a alterao irreversvel da substncia viva em funo do tempo, encurtamento da expectativa de vida com a idade, a soma de todas as manifestaes de desgaste durante a vida, processo biolgico, com evoluo regular mltipla, que leva, inevitavelmente, limitao das possibilidades de adaptao do organismo, em consequncia de alteraes que os indivduos demonstram, de forma caracterstica, com o progresso do tempo da idade adulta, at o fim da vida; a soma de todas as alteraes biolgicas, psicolgicas e sociais que, depois de alcanar a idade adulta e ultrapassar a idade de desempenho mximo, leva a uma reduo gradual das capacidades de adaptao e de desempenho psicofsico do indivduo. (Meinel, 1984) Equilbrio: qualidade fsica que permite manter ou rapidamente repor o centro de gravidade dentro do seu polgono, de sustentao graas a aces de sinergias neuromusculares; controle de posio do centro de gravidade do corpo, ou manuteno do equilbrio estacionrio (equilbrio esttico) ou em movimento (equilbrio dinmico). (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Ergometria: conhecido como teste de esforo (realizado em passadeira ou em ciclo ergmetro) para medir o esforo fsico e os efeitos fisiolgicos do exerccio. (Hay, 1981) Escala de Borg: Escala alternativa para os atletas que no conhecem seu VO2 mx. calcularem a intensidade num determinado treino. A escala consiste em avaliar a percepo de esforo. A tabela : 7- 8 muito fcil: 9-10 fcil: 11-12 relativamente fcil: 1314 ligeiramente cansativo: 15-16 cansativo: 17-18 muito cansativo: 18-20 exaustivo. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Estabilizadores: msculos que se estimulam para manter ou fixar a posio de um osso. (Bompa, 2003)

Estado de forma: diz respeito capacidade que esse mesmo organismo desenvolva de manifestar as suas possibilidades mximas no decorrer de uma competio. (Platonov, 2001) Estmulo: qualquer agente, acto ou influencia que modifica a actividade de um receptor ou de um tecido. (Bompa, 2003) Excitao: resposta a um estmulo. (Bompa, 2003) Extenso: o movimento contrrio, onde os segmentos unidos entre si, por uma articulao central, aumentam o ngulo para 180 cordialmente. (Wirhed, 1986) F Fadiga Muscular: Declnio da tenso muscular com a estimulao repetitiva. (Fox, Bowers, & Foss, 1991) Fadiga: Estado de desconforto e de menor eficincia que resulta de um esforo prolongado e excessivo. (Fox, 1991) Fadiga: estado de mal-estar e diminuio da eficincia que surge na sequencia de um exerccio prolongado ou desgastante. (Bompa, 2003) Fibras de contraco lenta (ST): fibra muscular que se caracteriza por um tempo de contraco lento, baixa capacidade anaerbia e capacidade aerbia alta, de modo que uma fibra adaptada s actividades de baixa intensidade. (Bompa, 2003) Fibras de contraco rpida (FT): fibra muscular esqueltica que se caracteriza por um tempo de contraco rpido, uma elevada capacidade anaerbia, sendo assim uma fibra adequada para actividades de elevada potncia. (Bompa, 2003) Fibras: Substncias presentes em frutas, legumes, verduras e farelos de cereais que no so digeridas pelo tubo digestivo, auxiliando na formao de fezes de consistncia normal. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Fitness: a palavra "Fitness" tem origem no ingls e significa: O Estado de se ter o corpo bem condicionado/preparado; ter aptido Fsica. "Estar em forma". (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Flcido: Ausncia de tnus muscular. (Fox, 1991)

Flexo: o movimento de aproximao de dois segmentos corporais unidos por uma ou mais articulaes centrais, de modo a que o ngulo entre eles diminua para menos de 180. (Wirhed, 1986) Flexibilidade - Capacidade de manter toda a elasticidade das estruturas msculo ligamentosas. (Barata, 2003) Flexibilidade: A amplitude de movimento ao redor de uma articulao (flexibilidade esttica); oposio ou resistncia de uma articulao ao movimento (flexibilidade dinmica). (Fox, 1991) Flexibilidade: compreende as propriedades morfo-funcionais do aparelho locomotor que determinam a amplitude de distintos movimentos do atleta. O termo flexibilidade mais adequado para avaliar a mobilidade de todas as articulaes do corpo. (Platonov & Bulatova, 2003) Flexibilidade: a capacidade que as articulaes detm de terem uma amplitude de movimento (ADM) para as quais foram projectadas (todas as articulaes tm um limite de amplitude). (Wirhed, 1986) Flexibilidade: grau de mobilidade de uma articulao (flexibilidade esttica), oposio ou resistncia mobilidade de uma articulao (flexibilidade dinmica). (Bompa, 2003) Flexmetro: Instrumento utilizado para medir a amplitude de movimento ao redor de uma articulao (flexibilidade esttica). (Fox, 1991) Fora absoluta: a quantidade mais alta de fora, que um desportista capaz de desenvolver independentemente do peso corporal. (Mirella, 2001) Fora concntrica: com encurtamento muscular. (Mirella, 2001) Fora de Exploso: Compreende a capacidade que o sistema neuro-muscular tem de superar resistncias com a maior velocidade de contraco possvel (Weineck, 1989). Fora de Resistncia: Capacidade de resistncia fadiga do organismo, em caso de performance de fora de longa durao. (Weineck, 1998) Fora dinmica: caracterizada por contraces com encurtamento e e alongamento do musculo. (Mirella, 2001)

Fora especfica: a expresso do tipo de fora caracterstica de um determinado gesto desportivo. (Mirella, 2001) Fora esttica ou isomtrica: sem variao da longitude do msculo. (Mirella, 2001) Fora esttica: contraces musculares sem modificao do alongamento do msculo. (Mirella, 2001) Fora excntrica: com alongamento do msculo. (Mirella, 2001) Fora explosiva: A maior quantidade de fora que se consegue desenvolver no mais curto intervalo de tempo. E o tipo de fora requerido para actividades muito intensas e muito breves como o remate, a impulso dum salto, o arranque dum sprint, o arremesso dum peso, os lanamentos dum objecto distncia do atletismo (martelo, disco, peso e dardo). Os esforos explosivos so tipicamente anaerbios. (Barata, 2003) Fora explosiva: mxima acelerao contra resistncias que no alcanam a mxima. (Mirella, 2001) Fora lenta: aceleraes baixas, com resistncias elevadas. (Mirella, 2001) Fora mxima: a foa mais elevada que o sistema neuro-muscular pode exercer numa contraco motriz voluntaria, com elevas resistncias externas. Fora mxima: a maior fora que o sistema neuro-muscular pode realizar por contraco voluntria no desenvolvimento do movimento. Fora desenvolvida por uma mxima contraco muscular. (Weineck, 1989) Fora mxima: a mxima fora que um grupo muscular consegue fazer, independentemente da produo dessa fora ser mais ou menos rpida. Aqui o que importa no a velocidade de contraco mas a resistncia mxima que vencida. (Barata, 2003) Fora rpida: a capacidade do sistema neuro-muscular para superar resistncias externas baixas com grande velocidade de contraco. (Mirella, 2001) Fora Rpida: Capacidade de superar uma resistncia externa ao movimento com elevada rapidez de contraco. (Mirella, 2001)

Fora rpida: rpida solicitao das unidades motrizes com resistncias mnimas. (Mirella, 2001) Fora relativa: a relao entra a fora desenvolvida e o peso corporal do desportista expressado em Kg. (Mirella, 2001) Fora relativa: a fora mxima que um atleta pode desenvolver em relao ao seu peso corporal. (Mirella, 2001) Fora resistncia: a capacidade do msculo para resistir fadiga em rendimentos prolongados de fora mdia-baixa. (Mirella, 2001) Fora resistncia: Diz-se do trabalho de fora em regime aerbio, ou seja, so contraces contra uma resistncia sub-mxima que se conseguem manter vrias vezes (8, 12, 15,20) antes de surgir a fadiga. Para a populao geral, a maioria dos programas de musculao privilegiam o trabalho de fora resistncia. (Barata, 2003) Fora: a fora muscular a capacidade fsica do ser humano que permite vencer uma resistncia ou opor-se a ela com o esfora da tenso muscular. (Mirella, 2001) Fora: Massa x acelerao (m/seg) - a capacidade de superar ou suportar resistncias por meio de uma aco muscular; a capacidade de exercer tenso contra uma resistncia que ocorre por meio de diferentes aces musculares. (Mirella, 2001) Fora: Segundo a Fsica uma forma de energia capaz de produzir trabalho mecnico. Em termos de actividade fsica podemos defini-la como a capacidade de vencer resistncias. (Barata, 2003) Fora: tenso que um musculo ou grupo de msculos pode efectuar contra uma resistncia. (Bompa, 2003) Forma: engloba a condio fsica mas nem s. Abrange questes psicolgicas de moralizao e confiana, componentes tcnicas e tcticas. (Barata, 2003) Forma: o resultado final de um processo longo e acidentado, varia ao longo da preparao, exige procedimentos especiais para a obteno de nveis mximos ou optimizados, nveis mximos esses que surgem com um carcter temporrio e nem sempre de acordo com os desejos dos atletas e dos treinadores. (Platonov, 2001)

Fotossntese: Processo pelo qual as plantas verdes produzem o seu prprio alimento a partir do dixido de carbono, da gua e da energia solar. (Fox, 1991) Frequncia cardaca: quantidade de sangue que o corao bombeia num minuto. (Bompa, 2003) Fulcro: O eixo de rotao para uma alavanca. (Fox, 1991) G Geral: Diz-se da actividade fsica que faz trabalhar ao mesmo tempo mais de metade da musculatura corporal. Geralmente na actividade fsica geral o corpo muda de posio em relao ao espao. Conforme a sua intensidade, a actividade fsica localizada geral pode ser aerbia se sub-mxima e possvel de se manter prolongadamente (corrida lenta, bicicleta lenta, etc.), ou anaerbia se mxima ou perto da intensidade mxima, apenas se aguentando essa intensidade por alguns segundos ou minutos (sprints e corridas de velocidade, bicicleta a subir e depressa, grandes saltos, etc.). (Barata, 2003) H Habilidades: referem-se aos elementos que so adquiridos ou aprendidos ao longo do tempo de vida, somando-se e formando um quadro de experincias (O acto de jogar ou praticar desportos, so transmitidos aos indivduos por meio de treinos e repeties contnuos, e so bons exemplos do que sejam as habilidades) (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Hidratao: Introduo de gua no organismo. (Foss & Keteyian, 2000) Hipertrofia Muscular: quando o msculo aumenta de tamanho aps um treino de musculao contra resistncia; quando o msculo aumenta de tamanho em resposta ao treino de fora; Aumento da massa muscular tornando o msculo capaz de produzir mais fora, em consequncia de actividade fsica. (Ribeiro, 1992) Hipertrofia: aumento do tamanho de uma clula ou rgo. (Bompa, 2003) Homeostasia: manuteno estvel das condies fisiolgicas internas. (Bompa, 2003) I

Idade Cronolgica: A idade cronolgica classificada de acordo com a data de nascimento, frequentemente no coincidindo com a idade biolgica, sendo esta determinada por inmeros factores tais como maturao biolgica e factores exgenos, genticos, cuidados gerais com a sade, vida no stressante, repouso/lazer-sociabilidade adequados, necessidades vitais satisfeitas, alegria de viver, acidentes de sade em geral, convvio familiar e social, e tipo de trabalho. (Meinel, 1984) Idade Psicolgica: refere-se capacidade individual de adaptao s reaces e auto-imagem dos indivduos, ao desempenho, soma de experincias e maturao mental. (Meinel, 1984) Impulso: bloqueio que o atleta realiza durante um salto, para transformar a impulso horizontal da corrida em impulso vertical; (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Impulso: (nado sincronizado) - movimento rpido; fora com que se impele; impulso. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) ndice De Massa Corporal (IMC): Relao do peso (em quilogramas) sobre a altura (em metros) ao quadrado, que classifica o estado nutricional de uma populao. IMC = kg/m. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) ndice de Massa corporal (IMC): representa o quociente entre o peso em quilogramas e o quadrado da altura em metros e permite classificar as pessoas em relao ao seu peso. (Barata, 2003) Ingesto Hdrica: Quantidade de lquido ingerido num determinado perodo de tempo. (Foss & Keteyian, 2000) Insulina: Hormona segregado pelas clulas beta do pncreas e que causa uma maior captao celular de glicose. (Fox, 1991) Intensidade: elemento qualitativo do treino, como velocidade fora mxima ou potncia. No treino da fora, a intensidade expressa-se em 1RM. (Bompa, 2003) Inter neurnio (Neurnio Internuncial): Clula nervosa localizada entre clulas nervosas aferentes (sensoriais) e eferentes (motoras). Age como um "intermedirio" entre os impulsos que chegam e que saem. (Fox, 1991)

Intermao (insolao): Doena causada pela super exposio ao calor e caracterizada por alta temperatura corporal (rectal), pele seca e quente (habitualmente avermelhada) e inconscincia. Pode ser fatal. (Fox, 1991) Isotnica: iso = igual e tonus = fora. Diz-se duma soluo com a mesma presso osmtica de outra. No caso das bebidas desportivas, a soluo com cuja presso osmtica se comparam o plasma do sangue. As bebidas hipo ou Isotnicas so as melhores para re-hidratar aps o esforo. (Barata, 2003) J Jogo: Forma de actividade fsica ou mental, com finalidade recreativa, ou competitiva. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Jogos de movimento: Jogos que envolvem esforo fsico. Os desportos incluem-se nesta categoria. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) L Lateralidade: qualidade de lateral; capacidade de compreenso de lados do corpo; (Meinel, 1984) Lei do tudo ou nada: as fibras musculares ou nervosas estimuladas contraem-se ou propagam os estmulos completamente ou no o fazem de todo. (Bompa, 2003) Limiar aerbio ou anaerbio (L1): Frequncia cardaca em que o corredor passa a fazer o exerccio aerbio, ou seja, com energia predominantemente gerada com o uso de oxignio do ambiente ao mesmo tempo em que remove o cido lctico que se armazena nalguns grupos musculares durante o exerccio. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Limiar aerbio: Ponto em que o corpo passa a usar o oxignio como combustvel. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Limiar anaerbio (L2): Ponto em que a produo de energia em processo anaerbio supera o aerbio, a produo de lactato passa a ser maior do que a capacidade do corpo de remov-lo. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007)

Limiar anaerbio: utilizado para identificar, em testes de esforo, os limites de intensidade onde ocorrem variaes abruptas da concentrao de cido lctico sanguneo, com importantes repercusses fisiolgicas. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Limiar: a frequncia cardaca em que ocorrem mudanas cardacas que alteram a fonte de energia usada pelo corpo. Os limiares podem ser modificados pelo treino. O teste de lactato e o ergoespirmetro apontam os limiares aerbio e anaerbio. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Localizada: Diz-se da actividade fsica que faz trabalhar ao mesmo tempo menos de um tero da musculatura corporal. Geralmente nos exerccios localizados o corpo no sai do mesmo stio, e so alguns segmentos do corpo que mudam de posio em relao ao resto do corpo. Conforme a sua intensidade, a actividade fsica localizada pode ser aerbia se sub-mxima e passvel de se manter prolongadamente, ou anaerbia se mxima ou perto da fora mxima, apenas se aguentando a essa intensidade por alguns segundos ou minutos. (Barata, 2003) M Marcha: uma caminhada de alta velocidade, uma quase corrida em que o peso do corpo transferido de uma para outra perna sem que ambas deixem de tocar o solo ao mesmo tempo. (Garrett & Kirkendall, 2003) Maturao: Avano qualitativo na constituio biolgica. Avano dos sistemas, rgos, clulas na composio qumica. a sequncia no desenvolvimento das habilidades sociais, psicolgicas, motoras. (Meinel, 1984) Mesomorfia: Caracterstica fsica que diz respeito robustez de uma pessoa. definida pelo volume de msculo da composio corporal. (Weineck, 2002) Miosina: protena que participa na contraco muscular. (Bompa, 2003) Momento (Brao do Momento) A distncia perpendicular a partir de uma linha de aco da fora at ao ponto de rotao. (Fox, 1991) Motivao: (motivo + aco) o motivo que algum tem para fazer alguma coisa; Acto ou efeito de motivar. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007)

Motivar: Proporcionar um feedback da melhoria do seu desempenho no teste; est relacionado com factores bioqumicos, como o aumento ou reduo das descargas elctricas, evidenciando um maior ou menor grau de fora; Dar motivo a; causar, produzir. Dar motivo; levar, induzir, incitar, mover. Despertar o interesse ou o entusiasmo; estimular. Movimento: o deslocamento do corpo ou parte do corpo no espao; So aces, dentro de uma unidade fechada de actividade, que realizaro um objectivo consciente escolhido, em funo de uma deciso voluntria. o acto de mover-se ou ser movido. (Meinel, 1984); Musculatura: o conjunto dos msculos do corpo; vigor ou fora muscular. Msculo Agonista: msculo principal na execuo de um movimento. (Mirella, 2001) Msculo Antagonista: msculo que se ope ao trabalho de um msculo agonista, para reduzir o potencial de aco. (Moreno, 1983 e Wirhed, 1986) Msculo antagonista: msculos que exercem o efeito contrrio dos principais msculos motores ou agonistas e opem-se sua aco. (Bompa, 2003) Msculo Sinergista: msculo que actua no sentido de eliminar alguma aco indesejada do agonista. (Moreno, 1983 e Wirhed, 1986) Msculo sinergista: musculo que contribui activamente para a aco do msculo agonista durante a contraco muscular. (Bompa, 2003) Msculo: rgo carnudo formado pela reunio de muitas fibras, que serve para operar os movimentos voluntrios e involuntrios dos corpos animais. (Moreno, 1983 e Wirhed, 1986) N Nutrio: Cincia que estuda os alimentos e suas relaes com o organismo. normalmente definida como a soma total de processos envolvendo a ingesto, digesto, absoro e metabolismo de alimentos, do ponto de vista fisiolgico e bioqumico, mas, o American Heart Association entende que a nutrio tambm pode ser interpretada por factores psicolgicos, sociolgicos e econmicos. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007)

Nutrientes: Substncias essenciais presentes nos alimentos que so fundamentais para o bom funcionamento do organismo. So exemplos de nutrientes os carbohidratos, os lipdios, as protenas, as vitaminas e os sais minerais. (Foss & Keteyian, 2000) P P-Libra: Unidade de trabalho; isto , aplicao de 1 libra-fora atravs da distncia de 1 p. (Fox, 1991) Performance: Palavra inglesa para desempenho. (Barata, 2003) Periodizao da fora: estruturao do programa de treino em fases para optimizar a capacidade de fazer frente s caractersticas da fora segundo as necessidades de uma prova ou desporto. (Bompa, 2003) Periodizao: processo de estruturao do treino em fases. (Bompa, 2003) Pontos cruzados: extenso da Miosina. (Bompa, 2003) Poro: Quantidade limitada de alguma coisa. Ex: poro de um alimento em gramas (carne - 100 g, arroz - 150 g). varivel conforme o tipo de alimento e a forma como que ele se apresenta (cru, cozido, assado ou frito). Potncia Aerbia Mxima: Ver Consumo mximo de oxignio. Potncia: (fora explosiva) fora dinmica com a maior velocidade possvel. (Mirella, 2001) Potncia: produo de trabalho fsico expressa por unidade de tempo. Potncia: Realizao de trabalho enunciado por unidade de tempo. Por exemplo, se 1 libra erguido at altura de 1 p, num 1 segundo, a potncia enunciada como 1 plibra por segundo. (Fox, 1991) Potencial de aco: actividade elctrica que as clulas musculares ou nervosas desenvolvem durante a actividade de despolarizao. (Bompa, 2003) Pregas Cutneas: Medidas feitas nalgumas partes do corpo (barriga, costas, brao) verificadas com o auxlio de um aparelho tipo "pina", chamado adipmetro, que quantifica a gordura corporal. (Barata, 2003)

Presso sangunea: fora que o sangue exerce contra as paredes dos vasos sanguneos. Dois nmeros so obtidos, a presso sistlica e a presso diastlica, expressos normalmente como uma fraco. (Foss & Keteyian, 2000) Presso: Fora por unidade de rea. (Fox, 1991) Propriocepo: Capacidade de saber onde est cada parte do corpo no espao, a cada segundo. Os proprioceptores so rgos sensitivos localizados nos msculos, tendes e ligamentos. Eles recebem e transportam para o sistema nervoso central informaes sobre tenses, presses ou distenses nas variadas partes do corpo, para que o crebro decida como reagir e manter o equilbrio. (Moreno, 1983) Protena: componente que contem aminocidos. Um dos nutrientes bsicos. Q Quilocaloria (Kcal): Energia necessria para elevar num grau centgrado a temperatura de um quilograma de gua. (Foss & Keteyian, 2000) R Receptor: rgo sensorial que recebe impulsos. (Bompa, 2003) Recreao: o facto ou o momento, ou a circunstncia que o indivduo escolhe espontaneamente e deliberadamente, atravs do qual ele satisfaz (sacia) os seus anseios, vontades ou o seu lazer. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Reflexo miottico ou de estiramento: reflexo que aparece como resposta ao estiramento do msculo. Este reflexo mais rpido, frente a estmulo que se conhece. O reflexo miottico produz a contracao do mesmo msculo e dos musculos sinergistas (os msculos que rodeiam o msculo estirado) e inibe os msculos antagonistas. (Bompa, 2003) Reflexo: resposta automtica produzida ao estimular um receptor. (Bompa, 2003) Repouso: descanso durante a recuperao de um exercicio. (Bompa, 2003) Resistncia (Fora): A fora que um msculo ou grupo muscular consegue exercer contra uma resistncia, num esforo mxima. (Fox, 1991)

Resistncia fadiga: significa a capacidade de realizar um exerccio de maneira eficaz, superando a fadiga que o mesmo produz. O nvel de desenvolvimento desta capacidade est condicionado ao potencial energtico do organismo do atleta e ao grau de ajustamento s exigncias de cada modalidade desportiva, eficincia tcnica e tctica e aos recursos psicolgicos do atleta, os quais, alem de garantir um elevado nvel de actividade muscular durante os treinos e competies, retardam e contrapem-se ao processo de desenvolvimento da fadiga. (Platonov & Bulatova, 2003) Resistncia crdio respiratria: capacidade dos pulmes e corao para tranportar quantidade adequadas de oxignio aos msculos activos, permitindo que o desportista realize as actividades nas que participam os grandes grupos musculares (corrida, nataao, entre outros) durante longos perodos de tempo. (Bompa, 2003) Resistncia de fora: Capacidade de se opor fadiga no emprego repetido da fora, isto , realizar um esforo relativamente prolongado com emprego de fora. (Weineck, 1989) Resistncia geral: quando a participao no trabalho de resistncia chega a implicar mais de 2/3 de todos os msculos. (Mirella, 2001) Resistncia local: quando a actividade motriz requer a participao de at 1/3 de todos os msculos no trabalho de resistncia. (Mirella, 2001) Resistncia muscular: capacidade de um msculo ou grupo de msculos para executar contraces repetidas durante um longo perodo de tempo. (Bompa, 2003) Resistncia regional: quando a participao no trabalho de resistncia chega a implicar 2/3 de todos os msculos. (Mirella, 2001) Resistncia: a capacidade psicofsica de o desportista resistir fadiga. (Weineck, 2002). Resistncia: Capacidade de aguentar prolongadamente esforos. Conforme se trate de esforos aerbios ou anaerbios assim se fala de resistncia aerbia ou anaerbia. No primeiro caso espera-se que o esforo se consiga manter muitos minutos ou horas; no caso da resistncia anaerbia o objectivo conseguir manter a elevada intensidade do esforo o maior tempo possvel, segundos ou minutos. (Barata, 2003)

Resistncia: a capacidade de resistir contra o cansao fsico e mental ao efectuar um esforo durante um tempo prolongado, mantendo os parmetros dados de movimento; capacidade de recuperao rpida aps um esforo. (Weineck, 1989) Resistncia: a capacidade do organismo resistir fadiga em esforos de longa durao. A capacidade de resistncia caracteriza-se pela mxima economia de energia. (Mirella, 2001) Resitncia: capacidade de efectuar um trabalho durante um perodo prolongado. (Bompa, 2003) RML (Resistncia Muscular Localizada): a capacidade do msculo de exercer tenso durante um perodo de tempo, que pode ser constante ou varivel, tentando manter o movimento por tempo prolongado ou fazendo muitas repeties. S Sade: o estado de completo bem-estar fsico, mental e social e no apenas a ausncia de doena; Sade identifica-se como uma multiplicidade de aspectos do comportamento humano voltado a um estado de completo bem-estar fsico, mental e social. (Barata, 2003) Sistmicas (medidas): Sinnimo de gerais, em oposio a localizadas. Medidas sistmicas para emagrecer so as alimentares, as actividades fsicas, a medicao e a cirurgia digestiva. (Barata, 2003) Sit-ups: Do ingls significando sentar para cima. So exerccios abdominais para os msculos rectos, em que o indivduo est deitado de costas e se senta sem auxlio das mos. (Barata, 2003) Stretching: Palavra inglesa que significa distensibilidade. Aplica-se aos exerccios de alongamentos. (Barata, 2003) V Valncia Fsica: So qualidades fsicas especiais para determinados desportos. (Garrett & Kirkendall, 2003) Vatio: unidade de potncia. (Bompa, 2003)

Velocidade de Deslocamento: tipo de velocidade que depende de factores intimamente relacionados com o sistema nervoso e a amplitude de movimentos. (Mirella, 2001) Velocidade de Reaco: capacidade de iniciar um movimento no menor tempo possvel a partir de um estmulo externo (audiovisual, visual ou tctil). (Mirella, 2001) Velocidade: a capacidade sobre a base da modalidade dos processos do sistema neuro-muscular e da faculdade inerente musculatura de desenvolvimento da fora de executar aces motoras num mnimo de tempo, colocado sob condies mnimas Possibilidade do atleta executar aces motoras no menor tempo possvel, em determinado percurso. (Weineck, 1989) Volume: elemento quantitativo de treino. (Bompa, 2003) Fundamentos e principios do treino A Adaptao ao treino: transformaes produzidas pela repetio sistemtica do exerccio. (Bompa, 2003) Adaptao em desporto: reaco do organismo e dos seus sistemas funcionais e orgnicos sob o efeito de um plano funcional e estrutural do regime das cargas de treino. De acordo com Platonov (1991), a adaptao biolgica designada como um conjunto de reaces que tm como fundamento a adaptao do organismo s trocas com o meio envolvente (factores exgenos) e que tendem a manter a estabilidade relativa do meio interno (factores endgenos), ou seja, a homeostasia. Adaptao: Conjunto de reaces e modificaes funcionais e morfolgicas

desencadeadas por estimulaes exteriores ou interiores; propriedades dos organismos vivos se conformarem s necessidades do seu modo de vida no que respeita morfologia, ao funcionamento, ao rendimento, ao comportamento. A propriedade de conservar o equilbrio do organismo com o meio exterior e de procurar criar permanentemente o equilbrio entre os diferentes sistemas que constituem o organismo humano. (Raposo, 2000) Adaptao: a capacidade de um sistema ou rgo para se juntar ao esforo ou sobrecarga adicional, a partir do aumento de fora ou funo. (Bompa, 2003)

Adaptao: um processo de auto-regulao do organismo do atleta que se modifica funcional e morfologicamente, reagindo aos diversos estmulos (exerccios e sequncias organizadas de exerccios) organizados sistematicamente no processo de preparao, optimizando os mecanismos de resposta. (Platonov, 1991) Adaptao: modificaes estruturais ou funcionais, persistentes, em particular na consequncia dos aumentos da carga de treino. (Bompa, 2003) C Capacidade de performance (desportiva): representa o grau de melhoramento possvel de uma certa actividade motora desportiva e, inscrevendo-se num quadro complexo, est condicionada por uma pluralidade de factores especficos. (Weineck, 2002). Carga de treino: designa o estmulo ou stress que imposto a um praticante desportivo no quadro da realizao de exerccios de preparao ou de situaes de competio. Estes estmulos, de forma objectiva e intencional procuram induzir estados de fadiga controlada orientados para a obteno de adaptaes especficas. (Platonov, 1991) Carga de treino: o trabalho muscular que activa o potencial de adaptao prprio da fase de desenvolvimento em que se encontra o atleta, no sentido de promover alteraes positivas na sua capacidade de interveno em situao de competio. (Verkhoshansky, 2002) Carga: Palavra que indica a dose de actividade fsica, geralmente aplicada ao treino. Em medicamentos diz-se dose, em actividade fsica diz-se carga. A carga compe-se de quatro parmetros: o tipo de actividade, a durao, a frequncia semanal e sobretudo a intensidade do esforo. (Barata, 2003) Cargabilidade: Capacidade que o atleta apresenta de suportar a carga de treino Corresponde determinao de um nvel ptimo da solicitao das componentes estruturais (fisiolgicas, tcnico-tcticas, psicolgicas) durante a aplicao de uma carga sem que se incorra no risco de provocar efeitos nocivos para o atleta (leses, estados emocionais negativos, etc.) D

Densidade de um exerccio: indica a relao que se estabelece entre a durao dos perodos de esforo e dos perodos de pausa, no mbito da unidade ou do ciclo de treino considerado. (Platonov, 1991) Desempenho desportivo: tambm conhecido pelo termo ingls performance, o resultado, obtido em competio, que expressa as possibilidades mximas individuais numa determinada disciplina desportiva, num determinado momento de desenvolvimento do atleta e da poca de preparao. (Platonov, 1991) Destreino: inverso das adaptaes ao exerccio. Quando se produz uma reduo relevante do trabalho, os efeitos do destreino so mais rpidos que os progressos de treino. (Bompa, 2003) Destreino: processo que resulta de uma paragem ou abandono da execuo de estmulos, mais ou menos intensos, a qual pode levar a alteraes fsicas e psquicas do atleta, incluindo a reduo do estado de treino. (Bompa, 2003) E Efeito imediato: aquele que se verifica no final de uma sesso de treino. normalmente caracterizado por um aumento do nvel de capacidade de trabalho, por um menor grau de exausto dos recursos energticos do organismo. (Raposo, 2000) Efeito imediato: aquele que se verifica no final de uma sesso de treino e caracterizado por um abaixamento do nvel de capacidade de trabalho, por uma maior ou menor grau de exausto dos recursos energticos do organismo. (Vasconcelos, 2002) Efeito retardado: aquele em que o efeito imediato se transforma, em funo do tempo de recuperao existente entre cada sesso ou conjunto de sesses, numa melhoria do rendimento ou elevao do limiar de activao. Pode ser caracterizado por 3 nveis: de sub-recuperao; de recuperao simples ou de super-recuperao (supercompensao). - Nvel de recuperao simples: prende-se com a recuperao praticamente completa ou simples, aps cada sesso de treino. Neste caso, uma carga aplicada no mesmo nvel da sesso anterior; - Nvel de sub-recuperao: caracteriza-se de grosso modo, pela sub-recuperao da capacidade do organismo, devido aplicao da carga de treino. Esta recuperao

incompleta, no chegando sequer ao nvel inicial com que se partiu para a primeira sesso. Para que a nova carga seja aplicada nesta fase, necessrio que o intervalo entra cada sesso seja curto. - Nvel de super-recuperao (supercompensao): permite conduzir as respectivas sesses de treino aumentando a quantidade e a qualidade de trabalho. Est ligado ao fenmeno da supercompensao. (Raposo, 2000) Efeito retardado: resulta da transformao do efeito imediato, em funo do tempo de recuperao existente entre cada sesso ou conjunto de sesses, e tem como consequncia a melhoria do rendimento ou a elevao do limiar de activao. (Vasconcelos, 2002)

Efeito somativo: o resultado da combinao dos efeitos imediato e retardado das sesses de treino, o qual se corporiza na aquisio ou na melhoria dos estados de preparao, com base em reestruturaes adaptativas, mais ou menos profundas, das estruturas biolgicas e das funes do organismo. (Vasconcelos, 2002) Efeito somativo: resultado da combinao dos efeitos imediatos e retardados das sesses de treino, o qual se corporiza na aquisio ou na melhoria dos estados de preparao, com base em reestruturaes adaptativas, mais ou menos profundas, das estruturas biolgicas e das funes do organismo. (Raposo, 2000) Efeitos acumulados da carga: compreendem o conjunto de variaes bioqumicas e morfo-funcionais que ocorrem num perodo longo de tempo. Estas variaes so o resultado da soma de uma grande quantidade de efeitos permanentes e imediatos decorrentes dos exerccios de treino que so executados sesso aps sesso. Fala-se, a este respeito, de efeitos crnicos da carga de treino. Esta adaptao epigentica ou de longo prazo ocorre quando se criam o treino provoca um conjunto modificaes funcionais que permanecem estveis aps o termo da estimulao. (Platonov, 1991) Efeitos do treino: conjunto de modificaes verificadas no organismo, em consequncia dos diferentes estmulos de treino. (Vasconcelos, 2002) Efeitos imediatos da carga (ajustamentos): so representados pelas variaes bioqumicas e funcionais que se estabelecem durante e imediatamente a seguir ao

esforo, no incio da recuperao. exemplo deste tipo de efeitos a alterao na frequncia cardaca durante e aps qualquer exerccio fsico. Fala-se, a este respeito, tambm, de efeitos agudos do exerccio, que so passageiros e que se no forem sujeitos a um processo de repetio sistemtica, no deixaro traos permanentes no organismo. (Platonov, 1991) Efeitos permanentes da carga: so constitudos por alteraes que persistem para alm do tempo de exerccio e da sua recuperao imediata. Tm a ver com processos fisiolgicos que esto na base das modificaes funcionais tendentes a uma melhor adaptao ao exerccio. So exemplos dos efeitos permanentes da carga as alteraes morfolgicas no tecido muscular (hipertrofia) como resultado do treino da fora ou o aumento da actividade hormonal no espao de tempo considerado. (Platonov, 1991) Especificidade do Treino: Principio utilizado na elaborao de um programa de treino para uma actividade ou habilidade especfica e para os sistemas primrios de energia que participam de sua realizao. Por exemplo, o programa de treino para velocistas deveria consistir em sries repetidas de piques, a fim de desenvolver tanto o desempenho em alta velocidade quanto o sistema ATP-PC. (Fox, 1991) Especificidade: o princpio que recomenda o treino exclusivo da parte do sistema ou do corpo que esteja a receber a sobrecarga. A adaptao fisiolgica ser especfica para esta parte do corpo. (Weineck, 2002) Estado de treino: reflecte a adaptao biolgica geral do organismo. (Platonov, 2001) Exerccios: so actividades fsicas repetidas, estereotipadas, que visam a obteno dum objectivo concreto. (Barata, 2003) F Fase de alarme: corresponde primeira reaco de adaptao e surge como resposta ao choque provocado pelo estmulo. A resposta consiste na intensificao do metabolismo para o crescimento da produo de energia. Caso o estmulo no cesse, verifica-se um progressivo esgotamento das possibilidades de fornecimento de energia fazendo com que surjam as reaces defensivas do organismo e que, na prtica, a sensao de fadiga manifestada pelo atleta. (Raposo, 2000)

Fase de esgotamento: quando a estimulao prolongada ou as exigncias em relao s possibilidades de reposta do organismo so extremamente intensas, poder aparecer esta fase. O seu surgimento resultante da ausncia de possibilidade do organismo reps o material plstico necessrio para substituir as estruturas celulares mobilizadas. (Raposo, 2000) Fase de resistncia: fase seguinte fase de alarme. Quando o estmulo repetido de forma sistemtica, a resposta imediata de adaptao reproduz-se muitas vezes, entrando o processo de adaptao na fase de resistncia. O tempo de obteno dessa fase longo (semanas ou meses) e determinado pela capacidade do organismo me suportar a intensidade da estimulao (carga de treino). (Raposo, 2000) G Grandeza da carga: determinada pela importncia das solicitaes (fraca, mdia, elevada ou mxima) exigidas aos praticantes, sendo avaliada sob duas perspectivas, que constituem as duas faces da mesma moeda: a carga interna e a carga externa. A carga externa caracterizada por ndices externos, que dizem respeito, simplesmente, s tarefas que os atletas devem cumprir numa sesso de treino. No fundo, a carga externa tudo aquilo que proposto ao atleta, em termos de realizao de exerccios, onde definido o exerccio ou as suas condies aplicao: durao, frequncia (nmero de repeties), velocidade de deslocamento ou velocidade de execuo, totalidade de metros percorridos, quilos de peso utilizados em exerccios de fora, nmero de exerccios utilizados numa sesso de treino, etc. A carga interna corresponde repercusso que o exerccio realizado tem nos diferentes recursos orgnicos do praticante, energticos e neuro-musculares, principalmente. Tem a ver, ento, com o grau de mobilizao das possibilidades funcionais do organismo, embora devam ser aqui integrados f actores de ndole diversa, como o envolvimento afectivo e emocional do atleta, a tenso psquica associada ao exerccio ou a complexidade coordenativa por ele exigida. (Bompa, 2003) I Intensidade de um exerccio: representa o nvel de empenho exigido ao praticante. A intensidade de um exerccio faz sempre referncia a um grau de utilizao dos recursos e

do potencial prprios do atleta, em relao sua capacidade mxima de execuo, para as mesmas condies de prtica. (Platonov, 1991) N Natureza da carga: definida pela qualidade ou capacidade que potenciada (no plano fsico, tcnico ou psicolgico) e pela solicitao energtica ou aptido funcional predominantemente solicitada (trabalho lctico, desenvolvimento do limiar anaerbio, etc.). (Bompa, 2003) Neste mbito, importa distinguir: O Overtraining: Tambm chamado de sndrome de super-treino, acontece quando o atleta fora progressivamente o seu treino, causando uma grande queda no rendimento. O corpo perde a capacidade de se recuperar das sobrecargas sucessivas e entra em perda. Os sintomas so parecidos com as consequncias naturais de um treino forte, mas so crnicos. Costuma ser mais comum nos atletas que treinam para provas de longa durao, mas pode ocorrer com todo tipo de desportistas. (Bompa, 2003) P Potncia: Tal como em Fsica, entende-se como a mxima quantidade de trabalho realizado por segundo. Os esforos de alta potncia so puramente anaerbios. A potncia mxima chama-se explosiva. (Barata, 2003) Princpio da ciclicidade: A ciclicidade da carga tem a ver com a sua repetio sistemtica a intervalos de durao varivel. A forma tpica de distribuio da carga ao longo do tempo a de uma alternncia cclica. A alternncia indica a existncia de uma sucesso de cargas que mudam de natureza e de grandeza periodicamente, tais como por exemplo: Princpio da continuidade: segundo este princpio metodolgico, o treino s produz adaptaes se for realizado de uma forma sistemtica, ou seja, se houver uma solicitao repetida ao longo de um perodo significativo de tempo. A estabilidade das adaptaes de treino depende da quantidade de carga realizada ao longo de um determinado perodo de tempo, mas tambm do tempo utilizado para as obter. Assim, quanto mais longo for o

perodo de preparao, mais estveis sero as aquisies decorrentes do processo de treino. Da que no possvel encarar como sria uma actividade desportiva em que no esteja assegurada uma continuidade da actividade de preparao e competio. (Verkhoshansky, 2002) Princpio da Especificidade: O princpio da especificidade aquele que impe, como ponto essencial que o treino deve ser concebido a partir dos requisitos prprios do desempenho desportivo em termos de qualidade fsica interveniente, sistema energtico preponderante, segmentos corporais e coordenao motora utilizados. Este princpio reflectir-se- em duas amplas categorias de fundamentos fisiolgicos: os aspectos metablicos e os aspectos neuro-musculares. De acordo com este princpio, as adaptaes decorrem das caractersticas espcio-temporais do movimento realizado ou seja, dos grupos musculares mobilizados e dos ngulos articulares utilizados mas tambm da intensidade do exerccio com a solicitao metablica que lhe inerente. (Verkhoshansky, 2002) Princpio da individualizao: segundo este princpio metodolgico, a individualizao da carga s possvel se houver a possibilidade de se realizar uma relao carga externa carga interna ptima. Isto significa que necessrio conhecer o atleta ao ponto de saber qual o impacto interno que certos exerccios tm nele, assim como saber prever com bastante segurana quais os nveis de carga (volume e intensidade) ideais para solicitar o desenvolvimento de uma qualquer qualidade ou capacidade. Cada atleta tem um limite individual de adaptao para cada tipo de carga de trabalho ou de treino, o qual se vai alterando com a idade, de forma que aumenta at que o sujeito alcance o desenvolvimento mximo e maturao, mas que diminui com o envelhecimento. (Verkhoshansky, 2002) Princpio da multilateralidade: segundo este princpio metodolgico, fundamental que esta multilateralidade seja vista como um processo a longo prazo que assente em bases alargadas de aquisies de modo a que, quando chegar a altura de promover uma preparao especfica para uma dada competio o atleta possua um potencial de desenvolvimento superior. A multilateralidade diz respeito a todos os factores do desempenho desportivo, s capacidades motoras, habilidade tcnica e ao saber tctico, s qualidades psquicas. Um desenvolvimento unilateral reduz as capacidades de evoluo posteriores do atleta, principalmente se iniciado numa idade jovem. Com o respeito por este princpio pretende-se cumprir os seguintes objectivos:

- A preparao geral e a preparao especial e especfica. - As capacidades motoras que se esto a trabalhar com maior profundidade fora e resistncia, por exemplo. - As sesses ou os perodos de preparao mais longos de grande nvel de carga com outros de nvel de carga baixo ou moderado. - Carga limite: comporta riscos elevados para a sade e integridade fsica e psicolgica do atleta aplicao continuada conduz a fadiga crnica ou sobretreino - Carga mxima: referncia fundamental no doseamento da carga e na avaliao da capacidade actual do atleta. - Fomentar uma relao slida e ptima entre aperfeioamento tcnico e desenvolvimento das capacidades motoras; - Impor uma solicitao equilibrada das vrias capacidades fsicas impedir uma evoluo de um atleta que redunde na posse de fortes massas musculares mas lacunas evidentes de flexibilidade ou sem base de resistncia, por exemplo; - Necessidade de evitar a monotonia das cargas de treino sempre iguais, o que constitui um risco muito provvel de aparecimento de estagnao na evoluo, favorecendo, igualmente, o aparecimento do sobretreino; - O aperfeioamento de elementos que podem contribuir para o sucesso competitivo mas que no so suficientemente importantes para serem objecto de uma solicitao especfica regular. - O volume e a intensidade da carga. - Obter do atleta a mxima capacidade de suportar a carga de treino, o que implica a existncia prvia de uma grande variedade de estmulos de treino uma base alargada de capacidades e aptides. - Procurar novas formas de preparao que promovam a melhoria do desempenho; - Um desenvolvimento harmonioso do ponto de vista somtico, ou seja, promover o fortalecimento de todos os grupos musculares do corpo.

A alternncia dos estmulos garante uma construo multilateral e completa, a ciclicidade garante a repetio e, primeiro, o crescimento, depois, a manuteno da grandeza da carga, consequentemente, da variao e desenvolvimento das capacidades motoras e da execuo tcnica do atleta. (Verkhoshansky, 2002) A multilateralidade surge ainda como uma das regras bsicas do treino no atleta jovem, sendo considerada como uma condio necessria para uma formao desportiva adequada, o que ser desenvolvido no mbito desta temtica. (Verkhoshansky, 2002) Princpio da progresso: segundo este princpio metodolgico, o efeito de uma carga de treino no constante e imutvel, ainda que se trate da sua aplicao ao mesmo indivduo, ao longo de um perodo de tempo relativamente curto. Com o aumento do estado de treino, as cargas no se revestem de igual impacto sobre a homeostasia e produzem modificaes cada vez menos marcadas sobre o equilbrio bioqumico do organismo. Os fenmenos de adaptao tornam-se, assim, cada vez menos visveis. Sem dvida que as modificaes na estrutura do treino permitem novos processos de adaptao. As cargas de treino padronizadas e com pouca variao conduzem inevitavelmente estagnao do desenvolvimento das capacidades. Deste modo, ser progressivamente mais difcil envolver a fundo o sujeito que se prepara com continuidade e ser, ento, necessrio procurar situaes de exerccio mais exigentes. Princpio da Reversibilidade: O princpio da reversibilidade do treino declara que, do mesmo modo que a actividade fsica regular resulta em adaptaes fisiolgicas determinadas que permitem melhores desempenhos desportivos, assim interromper ou reduzir de um modo importante o nvel de treino leva a uma reverso parcial ou completa destas adaptaes, comprometendo a capacidade de desempenho anteriormente mostrada. Assim, durante um perodo de interrupo da actividade em atletas bem treinados observam-se alguns efeitos no desempenho, designados por destreino, e que constituem processos de reverso das adaptaes orgnicas provocadas pelo exerccio sistemtico. (Verkhoshansky, 2002) Princpio da Sobrecarga: so as modificaes ocorridas no organismo dos atletas, melhorando a sua capacidade de desempenho, sendo que, para isso, o exerccio seja executado numa durao e intensidade suficientes que provoquem uma activao ptima dos mecanismos energticos, musculares e mentais. Implcita na prpria noo de adaptao de treino est a ideia de que apenas estmulos que perturbem de uma

maneira importante o equilbrio metablico ou de regulao de uma determinada funo sero indutores do processo de reorganizao interna conducente ao surgir de uma capacidade de resposta superior. A noo de sobrecarga implica a adequao das cargas de treino a par e passo com a mutao constante da capacidade mxima do indivduo, ou seja, leva organizao de uma progresso dos exerccios de treino no que diz respeito s componentes da carga, noo que ser explicitada mais frente (princpio metodolgico da progresso das cargas de treino). (Verkhoshansky, 2002) Princpio de Sobrecarga: Aumento progressivo na intensidade das sesses de trabalho no transcorrer de um programa de treino, medida que aumenta a aptido. (Fox, 1991) Princpio do Heterocronismo: manifesta-se pela diversidade da durao inerente ao processo de evoluo das diferentes componentes do desempenho, em funo das transformaes ocorridas no organismo decorrentes da solicitao selectiva de rgos e sistemas pelas cargas de treino. Existem capacidades que necessitam de um tempo longo de estimulao para que ocorra supercompensao, enquanto outras reagem num perodo de tempo relativamente curto. Por exemplo, a resistncia aerbia exige, pelo menos, 20 a 40 dias de solicitao sistemtica para atingir valores elevados enquanto que algumas adaptaes neuro-musculares, como a fora rpida, podem sofrer acrscimos importantes num perodo de tempo mais restrito. Este fenmeno representado pelos tempos diferenciados exigidos por cada capacidade para que se atinjam nveis de adaptao importantes, designado por heterocronismo das funes biolgicas. O heterocronismo dos processos de recuperao e de supercompensao das vrias capacidades e funes fisiolgicas, surge tambm na velocidade com que as adaptaes se perdem com a interrupo ou a diminuio da carga de treino, temtica j referida no mbito do princpio da reversibilidade. A relao existente entre tempo de aquisio e tempo de regresso depende de capacidade para capacidade. As aquisies tcnicas so aquelas que parecem ser mais estveis, podendo durar para toda a vida, independentemente do nvel das capacidades fsicas. (Verkhoshansky, 2002). R Reversibilidade: o princpio que constata a reverso gradual do corpo ao estdio de prtreino, quando h interrupo dos exerccios. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) S

Sndrome Geral de Adaptao (SGA): existncia de situaes estimuladores que provocam no organismo humano uma serie de reaces fisiolgicas que alteram o equilbrio homeosttico, provocando simultaneamente uma serie de reaces atpicas, independentes da natureza dos estmulos (aumento da actividade das glndulas suprarenais; atrofia do sistema metablico das gorduras; perda de peso, entre outras). (Platonov, 1991) Supercompensao: Nome dado aos efeitos positivos e negativos do esforo de um treino ou de um ciclo de treinos. Depois de um treino, em que o atleta exige do seu metabolismo mais do que ele est acostumado a desempenhar, o corpo recupera-se do esforo e prepara-se para uma nova sobrecarga. Isso causa uma melhoria na condio fsica. (Platonov & Bulatova, 2003) Supercompensao: Processo que se refere principalmente s relaes entre o trabalho e a regenerao como bases biolgicas do crescimento fsico e psicolgico antes de uma competio principal. (Bompa, 2003) T Treinabilidade ou Capacidade potencial de treino: a capacidade que um individuo tem de se adaptar a cargas de treino sucessivas durante um certo nmero de anos. Trata-se de uma grandeza dinmica que depende tanto de factores endgenos como exgenos. (Weineck, 2002). Treinabilidade: exprime o grau de adaptabilidade e de modificao positiva do estado informacional, funcional e afectivo dos praticantes, como resultado dos efeitos dos exerccios de treino. Define uma viso integrada e a longo prazo do desenvolvimento do atleta. (Verkhoshansky, 2002) V Velocidade: as capacidades de velocidade do atleta so um conjunto de propriedades funcionais que permitem a execuao de acoes motoras num tempo minimo. (Platonov & Bulatova, 2003) Volume: expressa, assim, a durao da influncia da carga e o total do trabalho realizado. Pode ser referido a um exerccio de treino, a uma sesso de treino ou a perodos de preparao mais longos. O volume sistematiza os efeitos da carga pretendidos desde que

permanea subordinado capacidade do atleta trabalhar intensidade pretendida. O volume de um exerccio dever ser considerado excessivo e, portanto, no adequado ao atleta, sempre que force uma diminuio da intensidade prevista. (Platonov, 1991) Metodologia do treino C Caractersticas dinmicas (da actividade de competio): as interaces dos segmentos do corpo do desportista, com o ambiente e aparelhos desportivos. As principais caractersticas da fora so: magnitude da fora, momento de fora, vector da fora e impulso da fora. As caractersticas da inrcia da tcnica do desportista so a massa, o momento de inrcia, entre outros. Caractersticas rtmicas (da actividade de competio): as manifestaes no ritmo: distribuio acentuada e racional dos esforos do movimento, aces no tempo e no espao. (Platonov V. , 2001) Carga complexa: a carga considerada de orientao complexa quando tem como objectivos: mobilizar paralelamente dois sistemas energticos, influenciar dois ou mais sistemas funcionais e desenvolver duas ou mais capacidades motoras. Ver orientao da carga. (Vasconcelos, 2002) Carga de competio: conjunto de estmulos associados durao das provas e ao numero de participaes, tomando como ponto de referncia os diferentes ciclos de preparao e o tipo de competio (preparao, avaliao, importante ou principal) em que o atleta participa. (Raposo, 2000) Carga de competio: est associada durao das provas e ao nmero de participaes, tomando como ponto de referncia os diferentes ciclos de preparao e o tipo da competio, seja uma competio preparatria, de avaliao, importante ou principal, do atleta. (Vasconcelos, 2002) Carga de treino: actividade funcional adicional do organismo, adicional em relao ao nvel de repouso ou a outro nvel inicial, causada pela execuo de exerccios de treino e pelo grau das dificuldades que vo sendo vencidas nesse processo. (Matveiev, 1977); constituem o conjunto de estmulos aplicados durante os treinos, com vista a garantir as adaptaes necessrias elevao do rendimento competitivo (Raposo, 2000)

Carga de treino: conjunto de estmulos, aplicados durante os treinos, com vista a garantir as adaptaes necessrias elevao do rendimento desportivo. (Vasconcelos, 2002) Carga especfica: definida pela analogia dos exerccios que a constituem, em relao s tcnicas e distncias para as quais o atleta se prepara. Garantem o desenvolvimento predominante das capacidades motoras e da mobilizao dos sistemas funcionais prprios da prova principal do atleta. (Raposo, 2000) Carga especfica: relao entre os exerccios que a constituem e os movimentos prprios da competio, tomando em considerao as caractersticas particulares do atleta, sejam estas bioqumicas, fisiolgicas, psicolgicas ou outras. (Vasconcelos, 2002) Carga externa: associada aos factores volume e intensidade do treino. (Raposo, 2000) Carga interna: conjunto de reaces do organismo provocadas pela carga externa sobre o organismo, podendo ser avaliada pela frequncia cardaca, valor de lactato, entre outros. (Raposo, 2000) Carga no especfica: ver carga especfica (a carga no treino desportivo) (Raposo, 2000) Carga selectiva: a carga considerada de orientao selectiva quando tem como objectivos: mobilizar um sistema energtico, ser predominante sobre o sistema funcional e garantir o desenvolvimento de forma exclusiva de uma das capacidades motoras. Ver orientao da carga. (Vasconcelos, 2002) Cargas acentuadas: privilegiam na sua estruturao o desenvolvimento de uma capacidade bem determinada com uma intensidade elevada e de acordo com uma sequncia metodolgica concreta na orientao da carga, sendo curta a durao da sua aplicao. (Raposo, 2000) Cargas acentuadas: so cargas que privilegiam, na sua estruturao, o desenvolvimento de uma capacidade bem determinada, com uma intensidade elevada e de acordo com uma sequncia metodolgica concreta da orientao da carga, sendo, por esta razo, a sua durao de aplicao curta. (Vasconcelos, 2002) Cargas concentradas: cargas que se caracterizam por uma maior concentrao de volume e intensidade de trabalho com vista ao desenvolvimento de determinada capacidade. (Vasconcelos, 2002)

Cargas concentradas: so cargas aplicadas em curtos espaos de tempo, com uma direco bem objectivada e segundo uma sequncia metodolgica importante no que respeita s opes das diferentes concentraes de carga. (Raposo, 2000) Cargas no especficas: garantem o desenvolvimento predominante das capacidades motoras e da mobilizao dos sistemas funcionais, prprios da modalidade desportiva em questo e da sua especificidade. (Vasconcelos, 2002) Cargas regulares: cargas de treino que se aplicam ao longo de todos o processo de treino/poca, com maior ou menor nfase em funo dos objectivos, das caractersticas dos perodos e das etapas de preparao. (Vasconcelos, 2002) Cargas regulares: so estmulos que se aplicam ao longo de toda a poca, com maior ou menor nfase em funo dos objectivos, das caractersticas dos perodos e das etapas de preparao. Na sua aplicao regista-se uma sobreposio no desenvolvimento das capacidades motoras, o que em alguns casos afecta o rendimento do atleta devido interaco das diferentes direces da carga de treino. Verifica-se com maior frequncia no treino de jovens. (Raposo, 2000) Compensao: trata-se da primeira etapa no processo de regenerao do organismo aps o esforo, sendo caracterizada pelo inicio da recuperao dos sistemas funcionais e da recuperao da capacidade de rendimento do atleta. Contedos de treino: so a concretizao do treino em funo do objectivo a atingir previamente fixado. (Weineck, 2002). Contraco concntrica: contraco durante a qual o msculo se encurta. (Bompa, 2003) Contraco Concntrica: O encurtamento do msculo durante a contraco. Contraco Concntrica: O msculo encurta-se e ocorre o movimento articular, quando a tenso aumenta. (Wirhed, 1986) Contraco esttica: ver contraco isomtrica. (Bompa, 2003) Contraco excntrica: contraco durante a qual o msculo se alonga (desenvolvendo tenso) (Bompa, 2003)

Contraco Excntrica: O msculo alonga-se ao contrair-se (desenvolvendo tenso). (Fox, 1991) Contraco Excntrica: o msculo torna-se mais longo quando aumenta a tenso. As fibras musculares dos msculos alongam-se, havendo nesta fase a recuperao do exerccio de resistncia. (Wirhed, 1986) Contraco Isocintica: Contraco na qual a tenso elaborada pelo msculo ao encurtarse com uma velocidade constante e mxima durante toda a amplitude do movimento. (Fox, 1991) Contraco Isocintica: contraco na qual o msculo desenvolve a mxima tenso enquanto se encurta a uma velocidade constante em toda a amplitude de movimento. (Bompa, 2003) Contraco Isomtrica (Esttica): Contraco na qual a tenso desenvolvida, porm no se observa nenhuma mudana no comprimento do msculo. (Fox, 1991) Contraco isomtrica (esttica): contraco na qual o musculo desenvolve tenso sem modificar o seu comprimento. (Bompa, 2003) Contraco Isotnica: Contraco na qual o msculo se encurta com tenso varivel ao levantar uma carga constante. Tambm denominada contraco dinmica ou concntrica. (Fox, 1991) Contraco Isotnica: contraco na qual o musculo se encurta modificando a tenso enquanto levanta uma carga constante. Tambm se denomina contraco dinmica ou concntrica. (Bompa, 2003) Core training: Trabalho de fortalecimento dos msculos abdominais e dorsais, centro de gravidade do nosso corpo. Visa aumentar o equilbrio, a economia de energia e o controle sobre os movimentos, distribuindo de maneira eficaz a fora entre os grupos musculares maiores e menores. Reforar a proteco coluna vertebral, aumentando a absoro do impacto dos treinos e a capacidade de manter a postura correcta mesmo quando o cansao chega. Ajuda ainda a diminuir o risco de leses e a economizar energia na gerao de fora. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007)

Corrida com Acelerao: Corrida na qual a velocidade aumenta gradualmente do trote para a passada larga e finalmente, para a velocidade mxima. (Fox, 1991) Corrida de Repetio: Semelhante ao treino intervalado, porm diferente no perodo de intervalo de trabalho e no grau de recuperao entre as repeties. (Fox, 1991) Curls: Palavra inglesa que se aplica aos exerccios de fora em flexo: arm cur/, leg cur/, abdominal cur/, significa respectivamente a flexo do cotovelo, do joelho ou do abdmen contra pesos ou resistncias. (Barata, 2003) D Densidade da carga: a relao temporal entre o esforo e a fase de recuperao dentro de uma sesso de treino. (Raposo, 2000) Densidade de estmulos: a ligao temporal entre as fases de carga e as fases de recuperao. (Weineck, 2002). Distncia do Treino: Num programa de treino intervalado, a distncia do intervalo de trabalho; por exemplo, correr 200 metros. (Fox, 1991) Durao da carga (estmulo): representa o tempo durante o qual um nico contedo de treino funciona como elemento transformador sobre o organismo. (Raposo, 2000) Durao do estmulo: durao de aplicao de um estmulo ou de uma serie de estmulos. (Weineck, 2002). Durao do Treino: O perodo (comprimento) do programa de treino. (Fox, 1991) E Eficincia da corrida: o quanto o corredor consegue usar de seu VO2 mx. Quanto mais eficiente, mais rpido e mais distncia ele consegue correr com menos oxignio. (Van Der Plas, 1993) Eficincia: A relao entre a produo de trabalho e o influxo de trabalho enunciada como percentual. (Fox, 1991)

Endurance: a capacidade de um msculo ou grupo muscular realizar contraces repetidas contra uma carga ligeira por um longo perodo de tempo. (Tubino, Tubino, & Garrido, 2007) Especificidade do treino: princpio bsico para a elaborao de programas de treino para uma actividade ou destreza especfica. (Bompa, 2003) Estratgia: o nvel mais elevado de conhecimentos da actividade prtica que assegura a conquista dos fins programados na realizao das regularidades mais importantes que actuam no mbito concreto, da formulao dos objectivos, seleco das formas, mtodos e formas da sua resoluo. (Platonov V. , 2001) Exerccio bilateral: o que utiliza ambas as mos ou pernas ao mesmo tempo para efectuar um exerccio. (Bompa, 2003) Exerccio de recuperao: exerccio suave depois da realizao de trabalho fsico mais intenso. (Bompa, 2003) Exerccio: uso de qualquer parte do corpo ou mente em funo da evoluo e fortalecimento; uma actividade fsica planeada e estruturada, com o propsito de melhorar ou manter o condicionamento fsico, exemplo: caminhada. (Barata, 2003) Exerccios de competio: correspondem rigorosamente modalidade desportiva especfica, permitem de uma forma complexa o melhoramento do conjunto dos constituintes da capacidade de performance desportiva. (Weineck, 2002). Exerccios de desenvolvimento geral: exerccios que tm como meta criar uma larga base para a especializao progressiva que vai suceder-se. Visam o melhoramento dos factores psicofsicos da performance e das capacidades e aptides tcnicas e tcticas. (Weineck, 2002). Exerccios de potncia aerbia mxima: so os exerccios em que predominam os componentes aerbios de fornecimento de energia (at 60-70%). Mas, o aporte energtico pelas vias anaerbias (principalmente glicolticas) de fornecimento de energia ainda de grande importncia. (Platonov & Bulatova, 2003)

Exerccios de potncia aerbia mdia: o aporte energtico para os msculos em actividade faz-se pelos processos aerbios, sendo s principais substratos energticos os lpidos encontrados no sangue. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de potncia aerbia quase mxima: so aqueles onde, durante a sua execuo, o fornecimento de energia aos msculos em actividade realizado em at 90% pelas reaces oxidativas (aerbias). Os carbohidratos constituem os substratos energticos primordialmente utilizados, embora o glicognio tambm tenha um papel importante, mas em menor grau de relevncia, principalmente o glicognio sanguneo. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de potncia aerbia submxima: so exerccios realizados com mais de 90% da energia fornecida pelas vias aerbias. Os carbohidratos so mais submetidos degradao oxidativa do que os lpidos. Os principais substratos energticos so o glicognio e os lpidos encontrados nos msculos em actividade e no sangue. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de potncia anaerbia mxima (potencia anaerbia): utiliza-se exclusivamente a via anaerbia de fornecimento de energia aos msculos intervenientes no trabalho muscular. Esta via actua s custas do sistema energtico anaerbio alctico ou sistema fosfagnico (ATP-CP), com certa participao anaerbio lctico ou glicoltico. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de potncia anaerbia quase mxima (de potencia anaerbia mista): so exerccios no quais o fornecimento de energia realizado, predominantemente, pela vias anaerbias dos msculos em actividade. O principal componente de fornecimento de energia continua a ser fosfagnico mas o glicoltico (anaerbio lctico) comea j a ter uma importncia significativa. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de potncia anaerbia submxima (potencia anaerbia-aerbia): so os exerccios em que predomina o componente anaerbio de fornecimento de energia aos msculos. Mas, apesar disto, no fornecimento de energia para estes exerccios, h uma parte significativa incidindo sobre o sistema energtico oxidativo ou aerbio. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de pouca potncia aerbia: so aqueles em que o aporte energtico para os msculos em actividade, praticamente exclusivo dos processos oxidativos, consumindo

principalmente os lpidos e os carbohidratos, mas em menor grau. (Platonov & Bulatova, 2003) Exerccios de preparao especfica: so aqueles cuja estrutura, intensidade e durao reproduzem de forma aproximada os movimentos da competio. (Vasconcelos, 2002) Exerccios de preparao geral: os meios que asseguram o desenvolvimento geral do organismo. (Vasconcelos, 2002) Exerccios especficos: so concebidos a partir dos exerccios gerais de desenvolvimento, visam contudo o aperfeioamento especfico de constituintes parciais da capacidade de performance desportiva. (Weineck, 2002). F Factores de carga: as caractersticas complexas do rendimento atravs das quais a exigncia da carga pode ser objectivada e controlada dependendo das caractersticas da especialidade do atleta, da etapa, da sua preparao e do seu nvel de condio fsica. (Raposo, 2000) Factores limitativos do rendimento: aqueles que impedem a continuao ou a manuteno do esforo e de entre os quais, se podem distingui 4 componentes fundamentais: muscular (local), vegetativo (do sistema), metablico (do organismo) e regulador. (Raposo, 2000) Fadiga aguda: surge durante uma sesso de treino ou competio e provoca a reduo do rendimento. Pode ser diferenciada de acordo com a durao do exerccio (curta, mdia ou longa durao) e a capacidade motora estimulada (velocidade ou fora). Pode ser ainda classificada como fadiga aguda local (afectao de um pequeno grupo muscular) ou fadiga aguda geral (resultado da afectao de vrios grupos musculares). (Raposo, 2000) Fadiga central: corresponde a uma falha na activao central situada na parte superior da placa motora, afectando de forma evidente as estruturas nervosas envolvidas na produo, na manuteno e no controlo da contraco muscular, o que a relaciona directamente com o sistema nervoso (aspectos sensoriais e de controlo na execuo do gesto motor). (Raposo, 2000)

Fadiga crnica: tambm conhecida como sobretreino, resulta da desarticulao ao longo de vrios microciclos entre carga e recuperao, o que conduz a uma acumulao de fadiga no compensada, terminando numa reduo do rendimento. Pode ser ainda classificada como central (quando afecta parte do sistema nervoso central que est ligada contraco muscular) ou perifrica (quando est relacionada com os processos bioqumicos e contrcteis do msculo). (Raposo, 2000) Fadiga de sobrecarga: surge como resultado da acumulao dos estmulos de carga ao longo de vrias sesses ou de vrios microciclos. Associada aos princpios de desenvolvimento da condio fsica do atleta. Provoca no organismo a estimulao necessria ao surgimento da Supercompensao quando so respeitados os perodos de recuperao. (Raposo, 2000) Fadiga muscular: a fadiga que surge aps sesses de treino que ultrapassam a capacidade de suporte de carga por parte do atleta, provocando um possvel aparecimento de leses musculares, sendo a mais frequente a ruptura do tecido conjuntivo. (Raposo, 2000) Fadiga perifrica: afecta as estruturas na parte inferior da placa motora local responsvel pelos mecanismos metablicos da contraco muscular. Este tipo de fadiga surge ainda subdividida em fadiga muscular local, quando a sua origem resulta dos msculos directamente implicados na realizao do esforo (exerccio), e em fadiga orgnica geral, quando resulta da participao dos rgos e sistemas no trabalho fsico. (Raposo, 2000) Flexibilidade: a capacidade que uma articulao possui em executar movimentos de grande amplitude, solicitando sobretudo, a elasticidade muscular. (Raposo, 2000) Fora de resistncia: a capacidade do organismo resistir ao aparecimento da fadiga em provas que solicitem uma prestao de fora durante um perodo de tempo prolongado. (Raposo, 2000) Fora explosiva: a capacidade de um sistema neuro-muscular vencer resistncias com uma elevada velocidade de contraco. (Raposo, 2000) Fora maximal (mxima): a maior tenso que o sistema neuro-muscular pode produzir numa contraco voluntria mxima. (Raposo, 2000)

Fora: capacidade de vencer resistncias ou foras atravs da actividade muscular (Grosser, Bruggerann, & Zintl, 1989); capacidade motora do Homem que permite vencer uma resistncia ou contrapor-se a esta, mediante uma aco de grande tenso por parte da musculatura. (Manno, 1992) Fora: o conceito de fora do ser humano pode ser definido com a sua capacidade para vencer, suportar ou atenuar uma resistncia mediante a actividade muscular. (Platonov & Bulatova, 2003) Forma desportiva: estado de ptima (a melhor possvel) preparao do atleta para a obteno de determinados resultados desportivos e ao qual se chega em condies bem definidas em cada grande ciclo de treino (anual ou semestral). (Matveiev, 1986) Frequncia Cardaca Alvo (FCA): Uma frequncia cardaca predeterminada a ser obtida durante um exerccio. (Fox, 1991) Frequncia de treino: nmero de sesses de treino que se realizam por semana. (Bompa, 2003) Frequncia do estmulo: nmero de sesses de treino por dia ou por semana. (Weineck, 2002). Frequncia do treino: define-se pelo nmero de sesses de treino por microciclo ou ciclo anual. (Raposo, 2000) Frequncia do Treino: O nmero de vezes por semana para as sesses de treino. (Fox, 1991) Frequncia do Treino: O nmero de vezes por semana para as sesses de treino. (Fox, 1991) G Grandeza da carga: a medida da mobilizao das reservas funcionais do atleta no processo de execuo do exerccio. (Vasconcelos, 2002) Grandeza da carga: consista na relao estabelecida entre a aplicao de estmulo de treino e o desgaste de treino, ou seja, as diferentes reaces psicofsicas verificadas no

atleta. Os desgastes, como consequncia dos estmulos, significam sempre alteraes do estado de equilbrio homeosttico do organismo. (Vasconcelos, 2002) Grandeza da carga: magnitude das solicitaes energticas e nervosas exigidas aos atletas, podendo ser classificada como: fraca, mdia, forte e muito forte. A avaliao e o controle dos seus efeitos podem ser observados segundo dois tipos de carga: carga externa e carga interna. (Raposo, 2000) I Intensidade da carga: caracterizada pelo valor de cada estmulo e pelo trabalho realizado por unidade de tempo. No mbito dos desportos cclicos, o conceito de intensidade da carga diferenciado pela intensidade do movimento e pela densidade da carga. (Raposo, 2000) Intensidade do estmulo: a fora de cada estmulo. (Weineck, 2002). Intensidade do exerccio: a velocidade de realizao do exerccio e a relao estabelecida entre a realizao de cada estmulo e o tempo definido para a recuperao entre cada nova repetio. (Vasconcelos, 2002) Intensidade do movimento: caracterizada pela velocidade (m/s), pela frequncia cardaca e/ou pelo valor de lactato sanguneo. Pode ser igualmente expressa por escalas de valores absolutos ou em magnitudes relativas intensidade mxima possvel. (Raposo, 2000) Intervalo de Recuperao (De Alvio): Num programa de treino intervalado o tempo entre os intervalos de trabalho, assim como entre as sries. (Fox, 1991) Intervalo de Trabalho: Parte de um programa de treino intervalado composta por um esforo de trabalho. (Fox, 1991) J Jogo de Velocidade (Treino Fartlek): Consiste em corridas alternadas, rpidas e lentas, em terrenos naturais. o precursor do treino intervalado. (Fox, 1991) M

Macrorrecuperao: a recuperao que ocorre durante os ciclos de treino com duraes temporais bem diferenciadas e planeadas nos microciclos de recuperao de um mesociclo ou no perodo de transio entre as sucessivas pocas de treino. (Raposo, 2000) Magnitude da carga: diz respeito aos indicadores externos do exerccio, nos quais esto presentes os diferentes factores de carga, volume e intensidade. (Vasconcelos, 2002) Medida: o resultado ou nmero que foi obtido baseado no teste. (Gregor & Conconi, 2000) Meios de preparao Fsica: so os diferentes exerccios que exercem uma influncia directa no desenvolvimento das qualidades motoras do atleta. Devem ser considerados como um conjunto de aces motoras destinadas a resolver um determinado problema motor. (Platonov & Bulatova, 2003) Meios de treino: so exerccios, considerados como o recurso mais importante para o melhoramento do rendimento desportivo. (Vasconcelos, 2002) Meios de treino: so todos os meios e todas as medidas postas em prtica durante o desenvolvimento do processo de treino. Podem ser meios organizacionais, materiais e meios de informao. So constantemente ajustados aos contedos do treino, aos quais permitem a sua execuo. (Weineck, 2002). Mesorrecuperao: definida pelo tempo necessrio entre cada sesso para a aplicao de um estmulo da mesma espcie e magnitude. (Raposo, 2000) Mtodo concntrico: baseia-se na execuo de aces motoras empenhadas no carcter do trabalho, ou seja, simultaneamente na tenso e na contraco dos msculos. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodo da resistncia varivel: um mtodo muito particular. Estas particularidades esto relacionadas com a utilizao de mquinas de musculao e treino bastante caras, cujas particularidades de construo permitem a alterao da magnitude da resistncia imposta musculatura nas distintas pores do arco de movimento articular proporcionando o ajuste s reais capacidades de fora em cada momento do movimento. (Platonov & Bulatova, 2003)

Mtodo excntrico: pressupe a execuo de aces motoras de carcter excntrico, com resistncia a uma carga que iniba mas ao mesmo tempo estenda o msculo. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodo isocintico: este mtodo fundamenta-se num conjunto de aces motoras, na qual os msculos vencem a resistncia a uma velocidade constante, trabalhando em tenses quase mximas, apesar das alteraes nas relaes das alavancas e entre os diversos momentos de rotao nas distintas pores do movimento articular. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodo isomtrico: o mtodo que se baseia na tenso muscular sem que se varie o comprimento dos msculos, mantendo-se uma posio imvel na articulao. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodo pliomtrico: baseia-se na utilizao de energia cintica acumulada por um corpo, decorrente da sua queda de uma determinada altura, como artificio para estimular a realizao de contraces musculares. A aco de contraposio queda provoca uma brusca extenso dos msculos, estimulando a intensidade do impulso central dos moto neurnios e criando nos msculos um grande potencial de tenso. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodos de preparao fsica: so os mtodos de trabalho utilizados pelos treinadores e atletas, atravs dos quais se processa uma assimilao de conhecimentos, capacidades, hbitos e desenvolvimento das qualidades indispensveis. Os mtodos dividem-se em 3 grupos: orais, visuais e prticos. (Platonov & Bulatova, 2003) Mtodos de treino: correspondem na maior parte das vezes, a passos aplicados sistematicamente na prtica desportiva para atingir certos objectivos de treino. (Weineck, 2002). Mtodos de treino: so instrum