Lição 02 Uma Salvação Grandiosa

Click here to load reader

  • date post

    21-Jan-2018
  • Category

    Education

  • view

    52
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Lição 02 Uma Salvação Grandiosa

  1. 1. Uma Salvao Grandiosa Lio 2
  2. 2. VERDADE PRTICA TEXTO UREO
  3. 3. LEITURA BBLICA EM CLASSE Hebreus 2.1-18:
  4. 4. INTRODUO Nesse aspecto a resposta devia ser dada por meio do retorno s verdades anteriormente ouvidas e que haviam sido esquecidas. Isso era de suma importncia porque evitava que algum deles viesse a se desviar.
  5. 5. No pensamento do autor s havia uma maneira de manter-se no rumo certo: ancorando o barco no porto seguro, Jesus.
  6. 6. O autor, ento, faz uma analogia entre as duas Alianas para que o contraste entre ambas fique bem definido. Foi Jesus, o Filho de Deus, e no os anjos, que anunciou essa to grande salvao. Por serem mediadores da Lei, os anjos despertavam grande estima e respeito dos judeus por eles. Se uma Aliana firmada na Lei, mediada por anjos, imperfeita e transitria, requeria obedincia por parte dos crentes, muito mais a Nova Aliana que perfeita e eterna. Se quem no observava os princpios do Antigo Pacto, quebrando os seus preceitos, era punido de forma dura, que castigo merecia quem ultrajava a Nova Aliana, que em tudo era superior?
  7. 7. Mesmo no tendo recebido a Palavra de Deus diretamente do Senhor, o autor no tem dvida que a mensagem apostlica era essencialmente a mesma Palavra de Deus. Esse fato deveria fazer com que os crentes fossem mais diligentes na observncia dos preceitos neotestamentrios. De fato, a palavra bebaio, aqui traduzida como confirmar, tem o sentido de algo que transmite segurana e confiana. Em outras palavras, o que o Senhor anunciou e que, posteriormente, foi proclamado por testemunhas oculares, deve servir de fundamento da nossa f.
  8. 8. SUBSDIO TEOLGICO Hebreus-2.1-4 Esta a primeira de sete passagens em Hebreus onde o autor combina uma urgente exortao com uma solene advertncia a fim de mover seus leitores a uma confiana renovada, a uma esperana e f perseverante em Cristo, Estas sete advertncias no so divagaes, no entanto se relacionam diretamente com o principal propsito do autor. A ntima conexo entre este pargrafo e a interpretao em 1.5-14 demonstra que a exposio bblica do autor no era propriamente um fim, mas originou-se de sua preocupao por seus leitores e sua perigosa situao. O rico vocabulrio e os dons do autor como orador so novamente evidentes. A construo grega de 2,1-4 consiste em duas sentenas: uma declarao direta (2.1), seguida por uma longa sentena explicativa (2,2-4), que inclui uma pergunta retrica (como escaparemos ns?) com uma condio (se atentarmos para [ou negligenciarmos] uma to grande salvao, 2,3a). A expresso Portanto (2.1) liga este pargrafo ao esplendor e incomparvel supremacia do Filho no captulo 1. Pelo fato de o Filho ser superior aos profetas e aos anjos, se o que Deus nos falou pelo Filho (1.2) for negligenciado, seremos muito mais culpveis; Portanto, convm-nos atentar, com mais diligncia, para as coisas que j temos ouvido, para que, em tempo algum, nos desviemos delas (ARRINCTON, French L.; STRONSTAD, Roger (Ed.), Comentrio Bblico Pentecostal Novo Testamento. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.1549).
  9. 9. Nesse aspecto, ele segue a Septuaginta que usa o termo anjo, em vez do texto massortico, que traz a palavra Deus.
  10. 10. Para um judeu do primeiro sculo era escandalosa a ideia de um Messias sofredor. Como ento assegurar que Jesus era superior aos anjos se Ele morrera em uma cruz? O autor de Hebreus usa o versculo cinco do Salmo 8 para explicar esse aparente paradoxo. Sim, argumenta ele, Jesus de fato foi feito um pouco menor do que os anjos por causa da sua humanizao. Os intrpretes entendem que as palavras pouco e pouco tempo (Hb 2.7,9) podem denotar posio ou tempo. Em outras palavras, Jesus se tornou menor que os anjos enquanto vivia os limites da condio humana e experimentou o sofrimento advindo desse estado de humilhao. Todavia, foi por meio deste mesmo sofrimento de Cristo que os homens tornaram-se livres.
  11. 11. Na mente do autor, Cristo no sofreu para ser glorificado, mas Ele foi glorificado porque sofreu. Para os crentes que viam no sofrimento algo incompatvel com o viver cristo, e que, devido a isso estavam desanimados, essas palavras serviam de nimo e consolo.
  12. 12. CONHEA MAIS Salvao 1. Steria denota libertao, preservao, salvao. O termo salvao usado no Novo Testamento para se referir a: (a) o livramento material e temporal de perigo e apreenso: (1) nacional (Lc 1.69,71; At 7.25, liberdade); (2) pessoal, como do mar (At 27.34, sade); da priso (Fp 1.19); do dilvio (Hb 11.7); (b) o livramento espiritual e eterno concedido imediatamente por Deus aos que aceitam as condies estabelecidas por Ele referentes ao arrependimento e f no Senhor Jesus, somente em quem ser obtido (At 4-12), e sob confisso dEle como Senhor (Rm 10.10); para este propsito o Evangelho o instrumento de salvao (Rm 1.16; Ef 1.13 []). Dicionrio Vine, CPAD, p.967.
  13. 13. Na concluso de seu argumento o autor mostra os mtodos e os resultados dessa grandiosa salvao. Para que a salvao se efetivasse o Salvador precisava sofrer e morrer pelos homens. O autor usa o verbo grego catargeo para se referir derrota de Satans. Esse verbo tem o sentido de destronar ou tornar inoperante.
  14. 14. O tema do sacerdcio de Cristo ser explorado pelo autor com maior profundidade em passagens posteriores (Hb 3.1; 4.14-16; 5.1-10; 6.20; 7.14-19,26-28; 8.1-6; 9.11-28; 10.1- 39). Todavia, aqui o seu uso justificado no contexto da identificao de Jesus com seus irmos, os salvos. Esse sumo sacerdote misericordioso e fiel. Por ter assumido a natureza humana, e se identificado com os homens nos seus limites, Ele sabe o que ser tentado e por essa razo est pronto a ajud-los.
  15. 15. Os anjos de fato so seres especiais a servio de Deus, entretanto, Jesus no veio socorr-los, mas buscar a descendncia de Abrao, os crentes. Por intermdio de seu sofrimento e morte. Ele pode dar vida aos que esto mortos.
  16. 16. PARA REFLETIR A respeito de Uma Salvao Grandiosa, responda: Segundo o autor aos Hebreus, qual a nica maneira de manter-se no rumo certo? No pensamento do autor s havia uma maneira de manter-se no rumo certo: ancorando o barco no porto seguro, Jesus. Enquanto a Antiga Aliana foi intermediada por anjos, a Nova Aliana foi mediada por quem? Enquanto a Antiga Aliana foi intermediada por anjos, a Nova Aliana tinha Jesus, o Filho de Deus, como seu mediador. Como os homens tornaram-se livres? Por meio do sofrimento de Cristo. O que foi preciso ser feito para que a salvao se efetivasse? Para que a salvao se efetivasse o Salvador precisava sofrer e morrer pelos homens. Por que Jesus Cristo, o verdadeiro Sumo Sacerdote, sabe o que ser tentado e, por isso, est pronto a nos ajudar nas fraquezas? Por ter assumido a natureza humana, e se identificado com os homens nos seus limites. Ele sabe o que ser tentado e por essa razo est pronto a ajud-los.