Mais Notícias - Edição 600

Click here to load reader

  • date post

    20-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    228
  • download

    9

Embed Size (px)

description

Destaques: Mais Notícias chega a marca de 6 milhões de exemplares; Secretário estadual vistoria ETEC de Rio Grande da Serra e anuncia verbas.

Transcript of Mais Notícias - Edição 600

  • Secretrio estadual vistoria ETEC de Rio Grande e anuncia verbas

    QUINTA-FEIRA | 31 DE OUTUBRO DE 2013Ano X | ED. 600

    Jornalista Responsvel:Danilo Meirawww.jornalmaisnoticias.com.br

    CIDADE CIDADE| PG.06 | PG.07POLTICA | PG.04

    4823-4411

    Desrespeito a regras serve para tentar fugir

    da Zona Azul

    Em entrevista exclusiva, empresrio

    explica deciso

    Escola do Centro Alto est fechada para

    reformas aps incidente

    Motoristas peitam lei e estacionam

    na calada

    Anderson Greccoanuncia sada

    do PSD

    Alunos do Lavnia sero transferidos

    para o Felcio Laurito

    CIDADE | PG.05

  • 02

    PUBLICAO SEMANAL DE MAIS NOTCIAS EMPRESA JORNALSTICA LTDA.

    CNPJ: 05.531.420/0001-18email: [email protected]

    [email protected]

    EDITOR: ANTONIO CARLOS CARVALHO | JORNALISTA RESPONSVEL: DANILO MEIRA Mtb: 43.013

    REPORTAGEM: MARISA WALSICK | DIAGRAMAO E EDITORAO: GUSTAVO SANTINELLI

    DEPARTAMENTO COMERCIAL: SIDNEI MATOZO

    DEPARTAMENTO JURDICO: DR. GILMAR ANDRADE DE OLIVEIRA / DR. ERIC MARQUES REGADAS

    COLABORADORES: ELIANA MACIEL DE GES / RAUL CARLOS DE CARVALHO / ALA VOLOSHYN

    ADMINISTRAO: ELISETE HELENA PIMENTA | IMPRESSO: DIRIO LANCE

    DISTRIBUIO GRATUITA EM RIBEIRO PIRES, RIO GRANDE DA SERRA E REGIO DA REPRESA BILLINGS

    * O CONTEDO DOS ANNCIOS DE RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DOS ANUNCIANTES *

    Rua Olmpia Catta Preta, 194 1 Andar, Sala 2 CEP 09424-100

    Centro Ribeiro Pires SP Fone: 4828-7570 Fax: 4828-1599

    OPINIES 31 | outubro | 2013www.jornalmaisnoticias.com.br

    H alguns dias, o as-sunto Lucro Brasil que, de tempos em tempos volta pauta, entrou em discusso mais uma vez com o anncio, por parte da Sony, de que seu novo console, o Playstation 4, seria vendido no Brasil ao preo de R$ 3.999, contra US$ 399, ou cerca de R$ 900 nos Estados Unidos.

    O inconformismo che-gou ao ponto de serem veiculadas matrias na grande imprensa mos-trando que seria mais barato ir e voltar aos Es-tados Unidos trazendo o produto na bagagem do que compr-lo por aqui. Como justificativa pelo custo, velhos viles: os impostos.

    Este breve exemplo vem para referendar uma matria especial que foi capa na edio de setem-bro da renomada revista The Economist, cuja capa serviu como um alerta ao pas. A imagem remetia a outra capa da mesma publicao, de 2009, que estampava o Cristo Re-dentor decolando. Agora, a imagem era da esttua falhando ao tentar levan-tar voo com a pergunta O Brasil estragou tudo?

    Em um dos textos, a publicao aponta os al-tos preos praticados no pas como um dos culpa-dos para a estagnao da nossa economia, turbina-dos pelos custos traba-lhistas maiores do que

    em qualquer outra gran-de economia e tambm os impostos cobrados das pessoas fsicas, que tm de trabalhar quase 10 ve-zes mais do que a mdia mundial para quit-los. Isso sem falar na pssima condio das estradas (que eleva o frete e, con-sequentemente o preo final), da alta criminalida-de e do crdito caro que, segundo a Federao das Indstrias do Estado de So Paulo (FIESP) pode representar aumento de at 5% no preo final dos

    bens manufaturados. Tem tambm os carros que, graas a mania brasi-leira de financiar de for-ma que a parcela caiba no bolso, tem seu preo hiperinflacionado e faz com que um Gol p-de-bode feito aqui seja o dobro do preo do mes-mo carro, que fabricado aqui, vendido no Mxico. Ou seja: no h surpresa alguma em ver que nossa economia est cambale-ante.

    O efeito disso tudo, mais do que ver os bra-

    sileiros que tm essa possibilidade deixarem seu dinheiro fora do pas (presencialmente ou via Internet), ter que, infe-lizmente, concordar com a anlise da revista. Vive-mos em um pas onde o governo oferece descon-tos em impostos, como o IPI, mas no combate a sonegao como se deve: cobrando um valor justo de todos.

    Alis, mal sabemos o quanto pagamos de im-postos em cada produto, j que os ndices so va-riveis. Enquanto h pro-dutos em que o total de impostos no passa de 15%, em outros este ndi-ce beira os 100%. O fato que no h regra clara,

    o que d margem para inmeras interpretaes, como a de que estamos sendo, literalmente, ludi-briados pelos governos, sensao essa que au-menta ainda mais quando temos acesso situao de outros pases.

    J passou da hora de se realizar uma reforma tributria e resolver a questo das taxas aqui cobradas, que esto lite-ralmente fora da ordem e cobrar do empresariado para que tambm repas-sem esta justia fiscal aos consumidores. Do contr-rio, estaremos fadados a viver eternamente no ter-ceiro mundo ainda que ele tenha um leve verniz de primeiro.

    Alguma coisa est fora da ordem

    mal sabemos o quanto pagamos de impostos

    em cada produto

    Como gostoso acord-ar de manh e verificar uma mensagem de bom dia no celular. Ou, ento, ter o prazer de receber pelo e-mail o texto de um amigo muito querido e que h muito tempo no se v! Bom isso, no ?

    Mas, infelizmente, a carga de trabalho do dia a dia nos obriga a econo-mizar tempo, o que acaba acontecendo at na grafia de muitas (ou todas) pala-vras da nossa amada ln-gua portuguesa.

    fcil perceber mui-tas abreviaes, bem como palavras com letras trocadas, tais como axo no lugar de acho, pois h quem pense que ap-enas uma letra a menos far grande diferena para a economia de tem-po. Chega a ser impres-sionante ver como as pes-soas esto se apegando a essa prtica.

    O problema que acabam transferindo es-sas abreviaes para a escrita dos textos esco-

    lares, cartas, entre outros. Isso sem falarmos nos er-ros ortogrficos gritantes quando usam L no lugar do U e vice-versa. O uso de m antes das con-soantes p e b, ento, parece simplesmente es-quecido. E quando lemos em um texto a mais nova palavra concerteza? Isso sem nos esquecer do porisso e, ainda pior, porio. Tudo isso last-imvel!

    Alm do problema que temos hoje dia, o es-

    crever de modo rpido e prtico, precisamos pen-sar tambm na atuao dos alunos em sala de aula. Eles esto realmente aprendendo a Lngua Por-tuguesa? O contedo apli-cado nas escolas supre a necessidade de cada um deles? E em casa? Pais e responsveis incentivam a leitura? Leem com seus filhos e auxiliam na lio de casa?

    Para ter um bom estudo e escrever cor-retamente, no sufi-

    ciente ir escola, copiar o contedo da lousa e, simplesmente, guardar o material na mochila e us-lo novamente na aula no dia seguinte. O profes-sor tem, sim, a funo de explicar e ensinar a mat-ria de boa qualidade, mas os pais tambm precisam acompanhar os filhos em casa nas atividades esco-lares.

    H grande, importante e indispensvel preocu-pao com o ensino da matemtica. Queremos

    que as crianas aprendam a somar, subtrair, multipli-car e dividir. Queremos que saibam a tabuada de cor e salteada. No que no seja importante, de grande e reconhecido val-or, mas por que no tratar a nossa gloriosa Lngua Portuguesa com a mesma nfase e seriedade?

    Por favor, vamos res-gatar a nossa lngua na-tiva e valoriz-la cada vez mais, pois esto, cada vez mais, matando a Lngua Portuguesa!

    Esto matando a Lngua PortuguesaARTIGO | Daniele Vilela LeiteOrientadora Educacional na empresa Planeta Educao

  • 03 RESUMO www.jornalmaisnoticias.com.br 31 | outubro | 2013

    COMENTRIOS

    acesse www.jornalmaisnoticias.com.br e comente nossas matrias!

    FOTO MAIS

    FALOU E DISSE

    Quinta-Feira 21 15 80%0%

    0%80%

    24 15

    27 1529 18

    Sbado

    Domingo

    Sexta-Feira

    Mxima Mnima Prob. Chuva

    TAPAS E BEIJOS

    Adolescente cai de nibus e me acusa Rigras de negligncia

    A Rigras presta um pssimo servio populao, no a primeira vez que ocorre este tipo de acidente. At quando o poder pblico ficar inerte? preciso que o poder pblico se manifeste e tome as devidas providncias, para coibir os abusos praticados por esta empresa. Todos os usurios que sofrerem acidentes deste tipo, devem fazer boletim de ocorrncia imedia-tamente e cobrar do Poder Judicirio investigao das causas destes acidentes, e punir os culpados, s assim esta empresa ir respeitar os usurios do transporte

    Como uma forma de alertar as autoridades, a popu-lao apelou para o bom humor. No ltimo final de se-mana, um buraco que apareceu em frente ao Complexo Ayrton Senna recebeu uma placa que, alm de avisar os motoristas tambm serviu de protesto que diga-se de passagem, funcionou: o buraco j foi tampado.

    Nos auditores da gesto Kassab que foram presos por

    fraude de aproximada-mente R$ 200 milhes.

    Nos cientistas su-os que deram um passo importante

    rumo cura da Aids.

    Espionar os amigos totalmente inaceitvel Angela Merkel, chanceler da Alemanha, sobre

    espionagem dos EUA em seu celular

    A Internet serve para explorar pessoas burras Ewan Morrison, escritor

    coletivo.Por Avanildo Teixeira em 28/10/2013

    Mudana partidria pode custar o mandato de Anderson Benevides

    A falta de tino poltico normal no cenrio nacional. Dos candidatos ao eleitorado todos pensam somente em si, no existe mais tica nem postura. Um verdadei-ro descaso. Todos os atos tm uma consequncia. E se no pensou nisso, nem no partido e nem no povo, agora ir pensar.

    Por Jos Carlos em 25/10/2013

    Protesto bem humorado

    METEOROLOGIA

    No prximo sbado, feriado, a Universidade do Tarot ir promover a Cerimnia dos Ancestrais Tre-vas X Luzes, que promove a unio entre as pessoas e seus antepassados. O objetivo, segundo o funda-dor Luiz Mota de Oliveira, o crescimento na luz do nosso tronco ancestral, tornando-o mais forte, porque no havendo o sofrimento h o desenvolvimento da alegria. O evento ser na sede campestre da univer-sidade, que fica na Rua Ilheus, 200, Jardim Santista, Ouro Fino. A organizao pede para que cada partici-pante leve uma muda de rosa para monta