Mansfield park

download Mansfield park

of 325

  • date post

    15-Jun-2015
  • Category

    Documents

  • view

    449
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Mansfield park

  • 1. 1 MANSFIELD PARK JANE AUSTEN Traduo de Rachel de Queiroz Digitalizao: ?? Reviso e formatao: Vick

2. 2 CAPTULO 1 H cerca de trinta anos, Miss Maria Ward, de Huntingdon, com o minguado dote de sete mil libras, teve a felicidade de cair nas graas de Sir Thomas Bertram, senhor do solar de Mansfield Park, em Northamton, e dessa forma erguer-se posio de dama nobre com todos os confortos e privilgios de uma bela casa e enorme renda. Toda a cidade de Huntindon comentou a suntuosidade da unio, e o seu tio, advogado, habilmente, tratou de passar para o seu prprio nome no mnimo 3 mil libras. Maria tinha duas irms que deveriam lucrar com a sua elevao de nvel social; pelo menos assim pensavam suas relaes, que no hesitaram em predizer para Miss Ward e Miss Frances, to bonitas quanto Maria, casamentos com as mesmas vantagens. Acontece, porm, que no h no mundo tantos homens ricos quantas mulheres bonitas que os meream. Miss Ward, ao fim de seis anos, viu-se obrigada a casar com o Reverendo Mr. Norris, amigo de seu cunhado, quase pobre, e Miss Frances teve ainda pior sorte. O casamento de Miss Ward, na verdade, no poderia dizer que fosse dos piores: Sir Thomas de boa vontade veio em auxlio do amigo, que passou a viver em Mansfield; assim foi que o casal Norris iniciou a sua feliz carreira conjugal com pouco menos de mil libras por ano. Miss Francs, entretanto, casou-se, como se diz, para contrariar a famlia, com um tenente da marinha, sem educao, sem fortuna e sem relaes. No poderia ter feito pior escolha. Sir Thomas Bertram, no s por princpio como por orgulho num desejo natural de proceder bem e de ver acomodadas todas as coisas que se relacionassem consigo, quis ajudar a irm de sua mulher; mas a profisso do marido dela anulava qualquer tentativa e antes mesmo de ele chegar a planejar outros meios de os auxiliar, deu-se uma sria desavena entre as irms. Resultou isto de procedimento de ambas as partes, como geralmente acontece por causa de tais casamentos. Para evitar exprobraes inteis a Mrs. Price nunca tocou no assunto com a famlia seno depois de j estar casada. Lady Bertram, que era muito calma, de temperamento acomodado e indolente, preferiu no pensar mais na irm e esquecer o caso; Mrs. Norris, mais impetuosa, no se contentou enquanto no escreveu a Fanny (Frances?) uma longa carta em que censurava a loucura de seu procedimento e lhe vaticinava todas as suas possveis ms conseqncias. Mrs. Price, por sua vez, sentiu-se ofendida e zangou-se; a resposta, cuja aspereza atingia a cada uma das irms, e se refletia com tal desrespeito no orgulho de Sir Thomas que Mrs. Norris no a pde ocultar, ps termos a todas as relaes entre elas por longo tempo. Suas casas eram to distantes e os crculos em que se moviam to parte, que, durante os onze anos seguintes, quase nunca tiveram notcias da existncia uns dos outros, e era mesmo de estranhar que Mrs. Norris tivesse meios de os informar, como de vez em quando informava, que Fanny tinha tido outro filho. No fim de onze anos, porm, Mrs. Price viu que no estava em condies de manter orgulhos e ressentimento nem perder uma ligao que lhe poderia ser til. A famlia numerosa e ainda 3. 3 em vias de aumentar, o marido incapaz para o trabalho, dado s ms companhias e a bebidas, e a insuficincia de meios para atender as suas necessidades, fizeram com que ela ansiosamente desejasse reaver os amigos que to facilmente desprezara; escreveu, ento, a Lady Bertram uma carta em que demonstrava tanta contrio e abatimento, tanta misria e tanta necessidade de tudo, que todos se sentiram dispostos reconciliao. Estava se preparando para o nono parto; depois de lamentar sua situao e lhes implorar que aceitassem como afilhada a criana que ia nascer, no pde ocultar a importncia que os Bertram poderiam ter na futura manuteno dos seus oito filhos j existentes. O primeiro filho, que estava com dez anos, era um menino de belo carter e que desejava muito viajar pelo mundo; mas que poderia ela fazer? No haveria alguma oportunidade, mais tarde, de ser ele til a Sir Thomas em alguma de suas propriedades na ndia? Qualquer situao lhe serviria; ou quem sabe se Sir Thomas no preferiria Woolwich; ou ento como poderia ele ir para o Oriente? A carta surtiu efeito. Restabeleceu paz e amizade. Sir Thomas deu amveis conselhos sobre a profisso do rapaz. Lady Bertram remeteu dinheiro e roupas de criana e Mrs. Norris escreveu as cartas. Mas no ficou tudo nisso, pois dentro de doze meses essa carta ainda resultou em maiores benefcios para Mrs. Price. Mrs. Norris estava sempre dizendo que no podia esquecer a pobre irm e sua famlia e que, apesar de tudo que eles todos j tinham feito, ele ainda queria fazer mais alguma coisa; finalmente confessou que desejava aliviar inteiramente Mrs. Price do encargo da despesa de um de seus numerosos filho. Que tal se eles tomassem conta da filha mais velha que agora estava com nove anos, em idade que necessitava de mais ateno do que a que a pobre me lhe poderia dar? O trabalho e a despesa para eles no representavam nada comparados com a bondade da ao. Lady Bertram concordou imediatamente. Creio que no poderamos fazer nada melhor, disse ela, vamos mandar buscar a menina. Sir Thomas no deu consentimento com tanta facilidade. Debateu o assunto, hesitou: era um compromisso srio; uma menina j to crescida necessitava de cuidados especiais, do contrrio era antes crueldade do que benefcio tir-la da famlia. Pensou nos seus prprios quatro filhos, nos dois rapazes, imaginou namoros futuros, etc.; mas todas as suas objees eram interrompidas por Mrs. Norris, com argumentos para todas elas, embora com ou sem razo. Meu caro Sir Thomas, compreendo-o perfeitamente e fao justia generosidade e delicadeza de seus sentimentos, que, na verdade, no diferem de sua conduta em geral; e estou inteiramente de acordo com voc quanto necessidade de se fazer tudo o que possvel pela criana de que nos encarregarmos; estou certa de que eu seria a ltima pessoa no mundo a por obstculos em tal ocasio. J que no tenho filhos, de quem hei de me encarregar seno dos filhos de minhas irms? E tenho certeza de que meu marido bastante justo mas voc sabe que eu sou de poucas palavras e 4. 4 poucos meios. Por causa de uma ninharia no vamos deixar de fazer uma boa ao. Educaremos a menina, introduzi-la-emos convenientemente na sociedade e com toda probabilidade ela achar os meios de se arranjar na vida de modo a no pesar sobre mais ningum. Uma sobrinha nossa, Sir Thomas, posso dizer, ou antes, uma sobrinha sua no poder deixar de ter grande vantagem vivendo neste ambiente. No quero dizer que ela seja to bonita quanto suas primas; ouso mesmo dizer que no; mas desde que fosse apresentada a nossa sociedade em circunstncias assim favorveis, nada impediria que viesse mais tarde a ter uma situao digna. Voc est pensando em seus dois filhos; mas no sabe que isto justamente o que no poder acontecer, se forem criados como sero, sempre juntos, como irmos? moralmente impossvel. Nunca houve um exemplo disso. , alis, a melhor maneira de evitar tais situaes. Suponhamos que ela venha a ser uma pequena bonita e que Tom e Edmund a vejam pela primeira vez daqui a sete anos; sou capaz de apostar em que haveria aborrecimentos. A simples lembrana do que ela havia sofrido distante de todos ns, no meio da pobreza e do esquecimento, seria o bastante para qualquer um dos dois se apaixonar pela pequena, sendo eles meigos como so. Agora, crie-a junto dos rapazes desde j e mesmo supondo que ela fique to bela como um anjo, nunca ser para eles mais do que uma irm. H uma grande verdade no que voc diz, respondeu Sir Thomas, e longe de mim trazer impedimentos a um plano que s poder resultar em benefcios para as situaes de cada um. Quero apenas observar que o caso no deve ser tomado levianamente e que, para que o ato seja realmente til a Mrs. Price e digno de ns, devemos assegurar um meio de vida futuro criana, ou nos considerarmos obrigados a assegur-lo mais tarde, pois tudo pode acontecer, caso no se apresentem as possibilidades de matrimnio que voc espera com tal confiana. Compreendo-o perfeitamente, exclamou Mrs. Norris: O senhor todo generosidade e bom senso e eu creio que no estaremos em desacordo neste ponto. Tudo que eu puder, como o senhor bem sabe, estou sempre pronta a fazer pelo bem daqueles a quem amo e embora nunca possa sentir por essa menina a centsima parte da afeio que tenho pelos seus filhos, nem consider-la, de qualquer modo, como minha prpria filha, odiar-me-ia se a descuidasse. No ela filha de minha irm? E poderia eu suportar que passe fome enquanto eu tenha um ltimo pedao de po para lhe dar? Meu caro Sir Thomas, apesar de todas as minhas faltas tenho bom corao; e embora pobre, mais facilmente me privaria de minhas necessidades, do que deixaria de praticar uma ao generosa. Portanto, se o senhor no se ope, escreverei amanh minha pobre irm e lhe farei a proposta; e logo que fique resolvido, eu mesma providenciarei para trazer a criana a Mansfield; vocs no precisaro incomodar- se. Minhas dificuldades, o senhor sabe, nunca as levo em conta. Mandarei Nanny a Londres e l ela arranjar dormida em casa de um seleiro que primo dela e onde a criana lhe poder ser entregue. De Portsmouth para a cidade eles podero facilmente mand-la de carro em companhia de qualquer pessoa 5. 5 honrada que por acaso venha de l. Em geral h sempre uma senhora respeitvel, mulher de algum comerciante que vai a Londres. Excluindo a oposio ao primo de Nanny, Sir Thomas no fez mais objees e uma vez substitudo o plano do encontro por um outro mais digno embora menos econmico, tudo se arranjou, ficando todos desde logo na agradvel expectativa da realizao do projeto. Aquela lisonjeira sensao, porm, no deveria, por justia, ser dividida igualmente; pois Sir Thomas estava sinceramente resolvido a tomar sob sua inteira proteo a criana eleita, enquanto que Mrs. Norris no tinha a menor inteno de fazer qualquer despesa para mant-la.Desde que se tratasse de