Manual de Apicultura MPB

of 60/60
  • date post

    05-Dec-2014
  • Category

    Documents

  • view

    75
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Manual de Apicultura MPB

Autor: Miguel Vilas-Boas CIMO/ESAB Editor: FNAP Federao Nacional dos Apicultores de Portugal Av. do Colgio Militar Lote 1786, 1549-012 LISBOA Telf: 217 100 084 FAX: 217 166 123 E-mail: [email protected] URL: http://www.fnap.pt/ Concepo grfica: www.amodesign.net Agosto 2008

NDICENDICE NDICE DE FIGURAS INTRODUO 1. AGRICULTURA BIOLGICA 1.1. Evoluo histrica 1.2. Princpios orientadores 1.3. Apicultura 2. ENQUADRAMENTO LEGAL. REGULAMENTAO E CERTIFICAO 2.1. Regulamento Europeu 2.2. Organismos de controlo e certificao 2.2.1. Processo administrativo de certificao 3. PRODUO BIOLGICA DE MEL 3.1. Equipamento apcola e manuteno 3.1.1. Cera 3.2. Instalao do apirio em MPB 3.2.1. Local de instalao 3.2.2. Instalao das colmeias 3.2.3. Povoamento das colmeias 3.3. Maneio apcola e gesto da produo 3.3.1. Inspeco e manuteno de apirios/colnias 3.3.2. Alimentao artificial 3.3.3. Controlo da populao 3.3.4. Produo de mel 3.3.5. Registos 4. PROFILAXIA E SANIDADE 4.1. Procedimentos de preveno e tratamentos de doenas. 4.2. Controlo da infestao por varroa: mtodos alternativos 4.2.1. Mtodos biotecnolgicos 4.2.2. cidos orgnicos e leos essenciais 5. EXTRACO E COMERCIALIZAO 5.1. Normas de qualidade do mel 5.2. Colheita, transporte e armazenamento 5.3. Regulamentao de unidades de preparao de produtos de origem animal 5.4. Rotulagem 6. OUTRAS FRONTEIRAS DA APICULTURA EM MODO DE PRODUO BIOLGICO 7. BIBLIOGRAFIA ANEXO I MODELO DE NOTIFICAO PARA PRODUTORES AGRCOLAS ANEXO II MODELO DE NOTIFICAO 5 6 7 9 9 11 12 15 15 22 22 23 23 25 25 25 27 28 29 30 31 32 33 33 34 34 36 37 38 45 45 45 47 48 50 51 52 54

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

NDICE DE FIGURASFigura 1. rea em MPB nos pases da UE (milhares de ha) Figura 2. Expresso do mercado europeu de produtos biolgicos Figura 3. Efectivo Apcola Nacional em MPB Figura 4. Princpios orientadores Figura 5. Princpios orientadores Figura 6. Equipamento protector para o apicultor Figura 7. Equipamento para trabalho de campo Figura 8. Vegetao espontnea Figura 9. Apirio em meia-encosta Figura 10. Apirio orientado a Sul (orientao e exposio ideal) Figura 11. Colocao de colmeias Figura 12. Distribuio ideal das colmeias num apirio Figura 13. Recolha de enxame Figura 14. Inspeco de colnia Figura 15. Criao de rainhas Figura 16. Alimentao de colnia Figura 17. Colnia com alas Figura 18. Varroas sobre abelhas adultas e larvas Figura 19. Diagnstico da Varroose Figura 20. Remoo da criao de zango Figura 21. Tomilho e estrutura qumica do timol (leo essencial) Figura 22. Aplicao de timol em vermiculite Figura 23. Aparelho de vaporizao Figura 24. Aplicao de cido oxlico Gotejamento e vaporizao Figura 25. Aplicao de Apiguard Figura 26. Avaliao da infestao Figura 27. Aplicao de timol em tiras de carto Figura 28. Aplicao de cido frmico em algodo Figura 29. Aplicao de cido oxlico por gotejamento Figura 30. Resultados obtidos com os tratamentos alternativos Figura 31. Comportamento das colnias avaliadas (anlise de vitalidade) Figura 32. Cresta com soprador Figura 33. Logtipo do MPB aprovado pela Unio Europeia Figura 34. Prpolis: abelha recolhendo prpolis; grelhas para recolha, processamento 10 10 14 18 20 23 23 26 26 26 27 27 28 30 31 31 33 36 36 38 39 39 40 40 40 42 42 42 43 43 44 46 49 50

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

7

INTRODUO O presente manual pretende promover a Apicultura em Modo de Produo Biolgico como mais uma ferramenta ao dispor dos apicultores portugueses para o desenvolvimento da actividade apcola em Portugal. Desta forma, descreve-se o enquadramento da apicultura no mbito da agricultura biolgica e, de uma forma sucinta, apresentam-se os regulamentos, os procedimentos administrativos e algumas das especificidades no maneio apcola em modo de produo biolgico. So focados com particularidade alguns aspectos relativos ao controlo da Varroose, considerado por vezes e de forma sobrevalorizada, como uma das condicionantes neste modo de produo. Aqui apresenta-se a experincia e os resultados obtidos na execuo do projecto Promoo e estmulo produo biolgica de mel fruto da colaborao entre a Escola Superior Agrria de Bragana, a Associao de Apicultores do Parque Natural do Douro Internacional e a Associao de Apicultores do Parque Natural de Montesinho e financiado pelo programa Agro Medida 8.1 DE&D. Este manual no substitui uma consulta das disposies regulamentares e pretende apenas servir como um complemento informativo. Em nota final, alerta-se o leitor para a nova regulamentao Europeia, Reg. (CE) n. 834/2007 a aplicar para o ano de 2009 e a demais legislao que em breve vir complementar este novo regulamento.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

9

1. AGRICULTURA BIOLGICA

1.1 Evoluo histrica

Com a industrializao da actividade agrcola foi introduzido nos sistemas de produo uma variedade de produtos qumicos como pesticidas, herbicidas, bactericidas e outros medicamentos, para forma de aumentar o rendimento da actividade, mas sem se avaliar o seu impacto na biodiversidade, menosprezando ecossistemas e solos. O primeiro sinal de preocupao surgiu em Paris em 1972 com a formao do International Federation of Organic Agriculture Movements (IFOAM), um agente impulsionador de uma revoluo social e ecolgica que rapidamente congregou, dos vrios continentes, os interessados numa agricultura alternativa. Este alis veio a constituir a gnese do que hoje designada a Agricultura em Modo de Produo Biolgico. Em 1990 os Estados Unidos (Organic Foods Production Act of 1990) e logo a seguir em 1991 a Comunidade Econmica Europeia estabeleceram os princpios regulamentares pelos quais se viria a orientar a agricultura em modo de produo biolgico, direccionada ento para a produo vegetal atravs do Reg. (CE) n. 2092/91, mas posteriormente alargado produo animal e produtos de origem animal, em 2000, e aos alimentos para animais, em 2003, Reg. (CE) n. 1804/99 e Reg. (CE) n. 203/2003. O constante desenvolvimento dos mercados agrcolas, as expectativas crescentes dos consumidores sobre os produtos biolgicos e a constante evoluo do sector agrcola biolgico impeliu o aperfeioamento constante dos prprios regulamentos Europeus, verificando-se, desde a gnese at Fevereiro de 2007, a actualizao dos documentos atravs de 41 rectificaes. A partir de 2004-2005 tornouse claro a necessidade de uma nova regulamentao, perseguindo o objectivo de garantir uma concorrncia leal e o funcionamento adequado do sector, mantendo e justificando a confiana dos consumidores nos produtos biolgicos, mas tambm salvaguardando as condies que permitam ao sector desenvolver-se adequadamente em sintonia com a evoluo da produo e do mercado. Neste sentido o regulamento (CE) n. 834/2007, com efeitos a partir de Janeiro de 2009, vem revogar o anterior regulamento no que respeita ao quadro geral de regras de produo biolgica e rotulagem, aplicveis produo vegetal, animal e aquicultura. A este regulamento seguir-se- a aprovao de normas de execuo para a produo das determinadas espcies animais, plantas aquticas e micro-algas, salvaguardando-se, no entanto, a possvel transio do anterior regulamento, das normas mais especficas. A dinmica da agricultura em modo de produo biolgico reflecte-se nos dados estatsticos ao nvel da produo e do mercado mundial dos produtos biolgicos. Segundo

10 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

os valores publicados[1] entre 1995 e 2006 a rea agrcola Europeia sob produo biolgica passou de 1 milho de hectares (50 mil operadores) para 6 milhes (160 mil operadores), correspondendo a 23% da rea agrcola mundial convertida para este modo de produo, e a 4 % do total da rea agrcola da Europa. Portugal apresentava em 2006 269 mil hectaresPases Europeus com maior rea dedicada ao MPBSucia Polnia Portugal Republica Checa Grcia Frana Reino Unido Alemanha Espanha Itlia 0 300000 600000 900000 1200000

Hectares em MPB

FIG.1 rea em MPB nos pases da UE (milhares de ha) (1696 operadores) em agricultura biolgica, equivalendo a 7,3% de toda a rea agrcola Nacional. Neste contexto, Portugal surge colocado na nona posio a nvel mundial, surgindo o Liechtenstein em primeiro com 29%. J no que se refere ao valor absoluto da rea agrcola, Portugal surge na 7 posio dos pases Europeus e na 17 a nvel mundial, destacando-se a Austrlia com os seus 11 milhes de hectares utilizados (ver figura 1).15% Restantes 2% Dinamarca 2% Blgica 3% Holanda 3% Sucia 3% ustria 5% Suia 15% Reino Unido 23% Alemanha

14% Frana

15% Itlia

FIG.2 Expresso do mercado europeu de produtos biolgicos O mercado dos produtos biolgicos (figura 2) apresentou tambm uma evoluo acelerada: entre 2002 e 2006 o valor do mercado dos produtos biolgicos aumentou de 18 para 31 mil milhes de euros, onde a Amrica do Norte e a Europa so os maiores consumidores

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico 11

destes produtos. A Alemanha o pas com contribuio mais elevada para o mercado Europeu representando 23%, seguindo-se outros pases como o Reino Unido, a Frana e Itlia. Ao contrrio do verificado ao nvel da produo, no que se refere ao consumo dos produtos biolgicos Portugal apresenta valores pouco significativos. Neste contexto, e considerando que actualmente a oferta dos produtos biolgicos claramente inferior sua procura, evidente a potencialidade da agricultura em modo de produo biolgico, prevendo-se que a rea utilizada pela agricultura biolgica evolua a nvel mundial dos 0,7% actuais para os 5%. 1.2 Princpios orientadores Uma questo importante para compreender, aceitar, cumprir e fazer cumprir a regulamentao associada a este modo de produo agrcola conhecer a resposta pergunta: O QUE A AGRICULTURA BIOLGICA? Para a IFOAM a resposta a esta pergunta est assente em quatro princpios basilares: 1 O PRINCPIO DA SADE A Agricultura Biolgica dever manter e melhorar a qualidade dos solos, assim como a sade das plantas, dos animais, dos seres humanos e do planeta como organismo uno e indivisvel. 2 O PRINCPIO DA ECOLOGIA A Agricultura Biolgica dever basear-se nos sistemas ecolgicos vivos e nos seus ciclos, trabalhando com eles, imitando-os e contribuindo para a sua sustentabilidade. 3 O PRINCPIO DA JUSTIA A Agricultura Biolgica dever basear-se em relaes justas no que diz respeito ao ambiente comum e s oportunidades de vida. 4 O PRINCPIO DA PRECAUO A Agricultura Biolgica dever ser gerida de uma forma cautelosa e responsvel, de modo a proteger o ambiente, a sade e o bem-estar das geraes actuais e futuras. Com estes princpios e reconhecendo a necessidade de actualizao da prpria definio de agricultura biolgica, fruto da dinmica da prpria actividade agrcola, muito recentemente, em Junho de 2008, a IFOAM reformulou a resposta pergunta anterior, colocando-a nos seguintes termos: A agricultura biolgica um sistema que sustenta a sade dos solos, dos ecossistemas e das pessoas. Baseia-se em processos ecolgicos, biodiversidade e ciclos adaptados s condies locais, em detrimento do uso de insumos com efeitos adversos. A Agricultura biolgica combina tradio, inovao e cincia para o benefcio do meio ambiente comum, e promove as relaes justas e uma boa qualidade de vida para todos os envolvidos.

12 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Para a Comisso Europeia a resposta efectuada noutros moldes mas focando o essencial nos mesmos princpios: A AGRICULTURA BIOLGICA difere dos restantes sistemas agrcolas em diversos modos. Favorece o uso de recursos renovveis e reciclveis, devolvendo ao solo os nutrientes presentes nos resduos. No que se refere produo de animais e produtos de origem animal, o maneio dos animais regulamentado em particular no que se refere ao seu bem-estar animal e ao uso de raes naturais. A agricultura biolgica usa os sistemas do prprio meio para controlar pragas e doenas, na melhoria das colheitas e produo animal e evita o uso de pesticidas sintticos, herbicidas, fertilizantes qumicos, hormonas do crescimento, antibiticos ou manipulaes genticas. Alternativamente, os agricultores biolgicos utilizam um leque de tcnicas que ajudam a sustentar os ecossistemas e a reduzir a poluio. Assim, podemos concluir que o conceito de agricultura biolgica uma forma de interrelao entre o Homem e a Natureza, no podendo, de forma alguma, ficar a sua definio reduzida apenas a uma actividade ou produto certificado. APLICAO DOS PRINCPIOS ORIENTADORES DA AGRICULTURA BIOLGICA - Preservar o ecossistema: culturas apropriadas e sistemas de rotao, aplicao de adubos verdes, luta biolgica contra pragas e doenas, uso e seleco de raas autctones, garantir uma produo segundos os princpios ticos e necessidades do comportamento natural e bem-estar animal. - Sustentabilidade do ecossistema: reciclar e reutilizar os restos de origem animal ou vegetal, depender de recursos renovveis em sistemas agrcolas organizados localmente, garantir a diversidade gentica. - Responsabilidade social: valorizao e distribuio equitativa do valor real dos produtos pelos envolvidos, fixao das populaes, garantir ao consumidor o direito escolha de produtos isentos de OGM e a qualidade dos produtos, promover as actividades tradicionais mas envolvendo de forma racional e acautelada a inovao e a cincia.

A apicultura, definindo-se como uma actividade de produo animal, ficou enquadrada no mbito da Agricultura Biolgica com a legislao introduzida atravs dos regulamentos (CE) n. 1804/99 e recentemente o (CE) n. 834/2007. Dadas as especificidades atribudas a este tipo de produo animal, a apicultura em modo de produo biolgico est sujeita a regras especficas de produo, estando vigentes as do anterior regulamento, Parte C do

1.3 Apicultura

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico 13

anexo I, mas prevendo-se que, com algumas actualizaes, venham a manter-se no essencial. Segundo a legislao Europeia a ostentao num produto da referncia biolgico, quer na rotulagem, na sua publicidade, ou qualquer documento comercial, implica o cumprimento de todas as regras definidas pelo Reg. (CE) n2092/91 agora revogado. Esta condio aplica-se a todos os produtos vegetais e animais no transformados e aos produtos agrcolas transformados destinados alimentao humana e aos alimentos para animais. Desta forma, garante-se ao consumidor que o produto em causa foi obtido segundo um modo de produo biolgico definido no regulamento. Um produto obtido por um ser vivo ou resultante da sua aco NO GARANTE a sua definio como biolgico. So apenas produtos biolgicos aqueles com origem num MODO DE PRODUO BIOLGICO ou resultante da sua transformao.

O MODO DE PRODUO BIOLGICO um sistema de explorao agrcola especial que se rege por princpios mnimos regulamentados, garantidos ao consumidor atravs de um ORGANISMO CERTIFICADOR ACREDITADO. Neste sentido, o facto de o mel ser produzido por um ser biolgico, a abelha, no lhe confere qualquer reconhecimento, pois nada garante ao consumidor que o nctar, o plen, a gua, o material apcola ou o maneio da abelha se encontram dentro dos princpios orientadores da agricultura biolgica. Assim, ser mais adequado definir em alternativa:

MEL EM MODO DE PRODUO CONVENCIONAL

MEL EM MODO DE PRODUO BIOLGICO

14 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Em Portugal, segundo os dados apresentados no Programa Apcola Nacional 20082010 [2], a actividade apcola exercida por 15 mil apicultores registados, correspondendo a um total de 555 mil colmeias. A sua distribuio geogrfica no continente relativamente homognea, com os extremos no Alentejo e na regio Entre Douro e Minho. No contexto nacional, a apicultura em modo de produo biolgico ainda irrelevante, sobressaindo a evoluo acentuada dos ltimos anos, mas ainda pouco significativa. Segundos os dados da Comisso Europeia[3], representa apenas 0,25% da produo biolgica Portuguesa. Este valor compreensvel considerando que em 2005 apenas se encontravam registados 25 operadores com um total de 1359 colmeias, correspondendo tambm a 0,25 % do total de colmeias nacionais (ver figura 3).

Fonte: DGADR FIG.3 Efectivo Apcola Nacional em MPB

Existe assim uma enorme janela de oportunidade pois estes valores esto muito abaixo das metas internacionais, e mesmo dos 7,3 % que representa actualmente a agricultura biolgica Portuguesa no contexto geral da agricultura, ao que deveria corresponder mais de 40 mil colmeias. A este factor de atraco adiccionam-se outros dois: as grandes potencialidades que Portugal tem com condies geogrficas adequadas ao modo de produo biolgico e a valorizao dos produtos biolgicos que atinge com regularidade um acrscimo de 30% comparativamente ao valor do produto obtido em modo convencional.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

15

2. ENQUADRAMENTO LEGAL REGULAMENTAO E CERTIFICAO

2.1 Regulamento Europeu

Neste captulo ter-se- como base o regulamento (CE) n. 834/2007 a vigorar a partir de Janeiro de 2009, salvaguardando, no entanto, que os critrios aplicveis apicultura em particular seguiro no essencial o anterior regulamento (CE) n 2092/91. Este novo documento: Estabelece mais explicitamente os objectivos, princpios e regras de produo da agricultura biolgica, embora prevendo uma flexibilidade que permite ter em conta condies e fases de desenvolvimento locais; Assegura uma aplicao uniforme dos objectivos e princpios em todas as fases da produo biolgica, nos sectores da produo animal e vegetal, da aquicultura e dos alimentos para animais, bem como no sector da produo de alimentos biolgicos; Clarifica as regras para OGM, nomeadamente esclarece que a utilizao de produtos OGM se mantm estritamente banida da produo biolgica e que o limiar geral de 0,9% para a presena acidental de OGM se aplica igualmente aos alimentos biolgicos, Impe o logtipo da UE aos produtos biolgicos Nacionais, autorizando, no entanto, que surja acompanhado de logtipos Nacionais ou privados para promoo do conceito comum de produo biolgica; No probe normas particulares mais rgidas, desde que tambm sejam aplicadas agricultura em modo convencional; Garante que s sero rotulados como biolgicos os alimentos que contenham, no mnimo, 95% de ingredientes biolgicos; Para os produtos no biolgicos s autoriza a referncia a ingredientes biolgicos na lista de ingredientes; Privilegia uma abordagem baseada em controlo de riscos e melhora o sistema de controlo, harmonizando-o com o sistema de controlo alimentar da Unio Europeia, aplicvel a todos os gneros alimentcios e alimentos para animais, mas mantendo controlos os especficos utilizados na produo biolgica; Cria um novo regime de importao permanente, permitindo que pases terceiros exportem para o mercado da UE em condies idnticas aos produtores da UE; Exige a indicao do local de produo, incluindo dos produtos importados que ostentem o logtipo da UE; Cria a base para a existncia de novas regras em matria de aquicultura, vinho, algas e leveduras biolgicos;

16 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

No altera a lista de substncias autorizadas na produo biolgica, passando a exigir uma publicao dos pedidos de autorizao para novas substncias e um sistema centralizado de deciso para as excepes; a base que permite transferir, do antigo para o novo regulamento, nomeadamente, as listas de substncias, as regras de controlo e outras regras pormenorizadas. Estruturalmente o regulamento apresentado de uma forma agregada e organizado em 7 ttulos: ORGANIZAO DO REGULAMENTO (CE) N. 834/2007 1. OBJECTIVO, MBITO DE APLICAO E DEFINIES: O regulamento aplicado aos produtos agrcolas vivos ou no transformados, aos transformados em gneros alimentcios, aos alimentos para animais, ao material de propagao vegetativa e sementes e s leveduras. Excluiu-se os produtos da caa e pesca selvagem. As regras so aplicveis em qualquer fase da produo/preparao/distribuio e controlo. 2. OBJECTIVOS E PRINCPIOS DA PRODUO BIOLGICA: privilegiada a gesto agrcola sustentvel, os produtos de elevada qualidade e promotores da sade humana e bem-estar animal, e acentuada a restrio ao uso de produtos externos, em especial produtos de sntese qumica. Refere claramente a necessidade de flexibilizar as regras de produo em funo do estado sanitrio, das diferenas climticas regionais e das prticas especficas de criao. 3. REGRAS DE PRODUO: Fica claro a incompatibilidade entre produtos biolgicos e organismos geneticamente modificados (OGM), bem como o recurso a radiaes ionizantes. permitida a produo biolgica e convencional numa mesma explorao, desde que separadas no tempo e espao e adequadamente registadas e controladas. So descritas neste ponto as regras relativas s vrias produes agrcolas (vegetal, algas marinhas, animal e aquicultura), bem como as substncias de uso autorizado em MPB e o perodo de converso. A descrio especfica das substncias mantm-se a do anexo II do regulamento anterior. So tambm definidas as regras de produo de bens transformados em gneros alimentcios ou para alimentao animal. 4. ROTULAGEM: So definidas condies relativa ao uso de termos como eco ou bio que possam sugerir ao consumidor que o produto foi obtido em conformidade com as regras de produo biolgica. Apresentam-se as indicaes obrigatrias de rotulagem, e a necessidade de incluso do logtipo comunitrio.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

17

5. CONTROLOS: Neste ponto referida a organizao de todo o processo de controlo, desde o estabelecimento de critrios que permitem ao estado membro atribuir ou delegar esta tarefa a um organismo de controlo certificado, at aos procedimentos a que est sujeito qualquer operador em modo de produo biolgico. Descrevem-se tambm as medidas a tomar em casos de infraco ou irregularidade. 6. RELAES COM PASES TERCEIROS: A importao de produtos de pases exteriores ao mercado comunitrio autorizada desde que sejam cumpridos os regulamentos estabelecidos e que o operador, incluindo exportadores, sejam controlados por uma autoridade ou organismo de controlo reconhecido. 7. DISPOSIES FINAIS E TRANSITRIAS: Na parte final do documento so apresentadas algumas medidas finais, como o reconhecimento e a livre circulao dos produtos biolgicos no mercado Europeu, sem necessidade de qualquer controlo adicional, a transmisso de informao comisso, e a apresentao de um comit de produo biolgica, responsvel pela apresentao da documentao complementar, onde estaro includas as regras especficas determinadas produes animais, como a apicultura.

As regras a aplicar na apicultura, e dado tratar-se de uma produo animal muito particular, carecem de uma regulamentao complementar, a qual no antigo regulamento constitua a parte C do Anexo I. Considerando a simplificao que resulta deste novo regulamento e a flexibilizao que se pretendeu impor ao documento, de prever que as regras pormenorizadas sejam transpostas na globalidade. Estas regras aplicam-se apicultura e aos produtos da apicultura e so estruturadas em 8 pontos: 1 - PRINCPIOS GERAIS A actividade das abelhas vista como forma de proteco ambiental e como produo agrcola e florestal POLINIZAO. A QUALIDADE dos produtos dependente dos tratamentos aplicados nas colnias e da qualidade do ambiente, mas tambm das condies de extraco, tratamento e armazenamento dos produtos apcolas. 2 - CONVERSO: Os produtos apcolas s podero ostentar a referncia a MPB APS UM ANO de aplicao das disposies previstas no regulamento.

18 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

3 - ORIGEM DAS ABELHAS: Uso de raas Europeias de Apis mellifera e dos seus ecotipos locais: RAAS AUTCTONES E ADAPTADAS S CONDIES LOCAIS. Constituio de apirios por: - AQUISIO de colmeias em MPB; - DIVISO de colnias; - Por CONVERSO, com autorizao do organismo de controlo. RENOVAO anual, at ao limite de 10%, de rainhas ou enxames provenientes de produo em modo convencional. RECONSTITUIO em casos de mortalidade excepcional ou indisponibilidade de aquisio de colmeias em MPB (requer autorizao e um perodo de converso). FIG.4. Princpios orientadores

Origem

Localizao

Sanidade

4 - LOCALIZAO DE APIRIOS O estado membro pode delimitar ZONAS INTERDITAS ao modo de produo biolgico. Ao apicultor compete: IDENTIFICAR por cartografia o local do apirio ao organismo de controlo. DEMONSTRAR que as zonas acessveis s colnias cumprem os requisitos em termos de: Acesso a gua; Fontes naturais de nctar, melada e plen em quantidade suficiente e provenientes de culturas em MPB, vegetao espontnea ou sujeitas a tratamentos de baixo impacto ambiental; Distncia a focos de contaminao, ex: estradas, centros urbanos, zonas industriais, aterros, etc.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

19

5 - ALIMENTAO ASSEGURAR RESERVAS de mel e plen em abundncia QUANDO EM RISCO DE SOBREVIVNCIA usar alimentao artificial: Mel de MPB, preferencialmente do apirio; Xaropes de acar ou melaos de acar de MPB. A ALIMENTAO ARTIFICIAL implica: O registo dos produtos, datas, quantidades e colmeias; A aplicao est limitada ao final da cresta e at 15 dias antes do incio da produo. 6 - PROFILAXIA E ASSISTNCIA VETERINRIA SELECO de raas resistentes; USO DE BOAS PRTICAS que desenvolvam a resistncia a doenas e preveno de infeces; RENOVAO peridica de rainhas (substituio/desdobramentos); INSPECO frequente; CONTROLO de machos; DESINFECO de material e equipamento e destruio de material contaminado; RENOVAO peridica de ceras; RESERVAS adequadas de plen e nctar nas colnias; Para o controlo da Varroa so autorizados os seguintes princpios activos: CIDOS ORGNICOS: Ac. Actico, Frmico, Lctico e Oxlico; LEOS ESSENCIAIS: Cnfora, Eucaliptol, Mentol e Timol. EXCEPCIONALMENTE POSSVEL APLICAR MEDICAMENTOS VETERINRIOS E/OU COLOCAR COLNIAS EM APIRIOS DE ISOLAMENTO Quais medicamentos? Apenas os AUTORIZADOS PELO ESTADO MEMBRO, de acordo com as disposies comunitrias; Fitoteraputicos e homeopticos. O uso de produtos de sntese qumica excepcional e apenas sob responsabilidade veterinria (apirio de isolamento.). So proibidos tratamentos preventivos: REQUER PERIODO DE CONVERSO E TROCA DE CERAS A APLICAO DE MEDICAMENTOS REQUER AINDA: Diagnstico; Registo dos medicamentos usados; Tipo de medicamento /substncia activa; Posologia e forma de administrao; Durao do tratamento e intervalo de segurana.

20 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

7 - PRTICAS DE GESTO DA PRODUO PRODUO PROIBIDO destruir as abelhas nos favos como mtodo de colheita; PROIBIDO mutilaes (corte das asas da rainha); PROIBIDO o uso de repelentes qumicos de sntese; PERMITIDO eliminar criao de machos, mas apenas como controlo da varroa; PERMITIDO substituir a rainha por eliminao da antiga. IDENTIFICAO: OBRIGATRIO registar o apirio e colmeias e informar o OC da sua deslocao; ASSEGURAR a adequada extraco, tratamento e armazenamento dos produtos da apicultura; REGISTAR as medidas tomadas; REGISTAR as operaes de remoo de alas e extraco de mel. 8 - CARACTERSTICAS DAS COLMEIAS E MATERIAIS UTILIZADOS NA APICULTURA MATERIAL NATURAL, isento de riscos de contaminao; No interior da colmeia s permitido o uso da PRPOLIS, CERA E DE LEOS VEGETAIS; A CERA DEVE SER PROVENIENTE DE UNIDADES EM MPB. O uso de cera de oprculos, excepcional em instalaes novas e em converso; PERMITIDOS tratamentos fsicos (vapor de gua e chama); Produtos de proteco dos materiais Anexo II, B , ponto 2; Produtos de limpeza e desinfeco Anexo II, E. FIG.5. Princpios orientadores

Controlo e Registo

Profilaxia

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

21

2.2 Organismos de controlo e certificao

A agricultura biolgica caracterizada por um elevado rigor na aplicao dos seus princpios para garantir ao consumidor um produto que, para alm da sua elevada qualidade, cumpriu determinados requisitos na sua elaborao. O rtulo de produto de agricultura biolgica um certificado para o consumidor. Para garantir esta marca de confiana do consumidor preciso controlar todos os processos de produo, transformao, armazenamento e distribuio. Este controlo ao longo de toda a linha produtiva efectuado por um Organismo de Controlo, OC, o qual representado por uma autoridade de um Estado Membro, ou por um organismo privado devidamente reconhecido e certificado pela autoridade. Em Portugal esto actualmente acreditados pela autoridade Nacional 8 organismos privados, com capacidade de contratualizar com o operador todo o processo de controlo e certificao para o modo de produo biolgico. ORGANISMOS DE CONTROLO E CERTIFICAO (OC) MODO DE PRODUO BIOLGICO PT/AB09 SGS Portugal Sociedade Geral de Superintendncia, S A. PT/AB08 CODIMACO Ass. Interprofissional Gestora de Marcas Colectivas. PT/AB07 TRADIO E QUALIDADE Ass. Interprofissional para os Produtos Agro-Alimentares de Trs-os-Montes. PT/AB06 AGRICERT Certificao de Produtos Alimentares, Lda. PT/AB05 CERTIALENTEJO Certificao de Produtos Agrcolas, Lda. PT/AB04 CERTIPLANET Certificao da Agricultura, Florestas e Pescas, Unipessoal, Lda. PT/AB03 SATIVA Desenvolvimento Rural, Lda. PT/AB02 ECOCERT PORTUGAL Unipessoal Lda.

2.2.1 Processo administrativo de certificao

Todos os interessados em iniciar ou converter a sua explorao para o modo de produo biolgico tm como ponto de partida desencadear o processo de controlo e certificao. Este processo envolve trs entidades: o operador (apicultor, transformador ou embalador), o organismo privado de certificao e o Gabinete de Planeamento e Polticas (GPP) que actua aqui como a entidade representante do estado Portugus. O primeiro passo estabelecer um contrato de servios entre o operador e o OC. Posteriormente, o operador (produtor ou transformador) dever efectuar uma notificao da actividade ao GPP preenchendo o formulrio disponvel em http://www.gppaa.min-agricultura.pt/Biologica/ (ver anexo I).

22 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Aps receber a notificao dever enviar uma cpia da mesma ao organismo certificador, iniciando-se a o processo de converso, que terminar um ano aps o seu incio. Ultrapassado este perodo, o OC emitir um certificado de conformidade, permitindo que a produo aps o ano de converso (mantendo-se os requisitos) seja a primeira obtida em modo de produo biolgico, podendo o produto ser comercializado com o rtulo de agricultura biolgica.

CONTRATUALIZAR COM OC NOTIFICAR GPP

PERODO DE CONVERSO - 1 ANO CERTIFICADO DE MPB

Durante este processo compete ao organismo de controlo e certificao: 1. Verificar se o operador tomou as medidas de precauo necessrias para satisfazer a regulamentao e evitar situaes graves. 2. Efectuar inspeces, organizadas e aleatrias, para avaliar se todas as medidas de precauo continuam a ser mantidas, cumprindo as regras da Agricultura Biolgica, no mnimo uma vez ao ano. 3. Certificar com prova documental o operador, para que os produtos obtidos possam ostentar menes e smbolos que indiquem ao consumidor que se trata de um produto da Agricultura Biolgica.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

23

3. PRODUO BIOLGICA DE MEL 3.1 Equipamento apcola e manuteno A apicultura, como qualquer actividade especfica, requer a utilizao de equipamento e ferramentas adequadas s funes a desempenhar, e que devem ser preservadas atravs de uma manuteno permanente e cuidada. Considerada como uma actividade de pastoreio com animais no domesticados (a abelha comum em Portugal, Apis mellfera ibrica, por hbito um insecto agressivo) fundamental que o apicultor tenha hbitos de preveno da sua prpria segurana, no devendo nunca facilitar no equipamento. Das diversas ferramentas podem realar-se dois grupos de equipamentos apcolas essenciais: PARA O APICULTOR Fato de cor clara e mscara, para proteco do corpo e da cara; Luvas de couro ou outro material, para proteco das mos; Polainitos, para proteco dos tornozelos (ou calado de cano alto).

FIG.6. Equipamento protector para o apicultor PARA AS ABELHAS Colmeias e alas, para colocao do enxame e recolha do mel; Fumigador, para controlar a agressividade das abelhas; Raspador, levanta-quadros, garfo desoperculador e escova, para manuseamento das colnias.

FIG.7. Equipamento para trabalho de campo

24 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Na apicultura em modo de produo biolgico no se encontra legislao especfica relativa ao tipo de material dos equipamentos, salvaguardando-se apenas que: AS COLMEIAS E OS MATERIAIS UTILIZADOS NA APICULTURA SO ESSENCIALMENTE CONSTITUDOS POR MATERIAIS NATURAIS. As maiores interrogaes ao nvel do equipamento esto relacionadas com o material

utilizado na construo das colmeias e mais especificamente nos produtos aplicados para proteco desses materiais. Habitualmente so comercializadas colmeias pintadas ou emalhetadas, recorrendo-se a tintas ou vernizes para proteco exterior da madeira. Nenhum produto deste tipo consta no ponto 2 do anexo II-B (antigo regulamento), surgindo apenas a possibilidade de utilizao de parafina como protector. Em contrapartida, o regulamento, no impe limitaes especficas ao material da colmeia num apirio em converso, pelo que desde que se cumpra o perodo de reconverso, o material convencional admitido em modo de produo biolgico. Assim, e com base nos princpios descritos anteriormente para o MPB: Qualquer fato de apicultor, mscara e luvas adequado, desde que seja lavvel. Para o material de manuseamento deve-se optar pelo inox, que pode ser facil No fumigador no permitido a utilizao de produtos qumicos no material de

mente desinfectado com lcool ou chama. combusto, devendo o apicultor utilizar apenas materiais de origem natural, nomeadamente as ervas habitualmente presentes em redor do apirio. O material base de construo da colmeia deve ser a madeira por se tratar de um produto de origem natural, e nunca o plstico ou a esferovite. Nos apirios em converso podem ser mantidas as colmeias convencionais (pintadas ou emalhetadas). No caso de uma instalao nova em modo de produo biolgico, dever o apicultor questionar previamente o OC sobre os materiais, realando sempre que o mel, durante a sua produo, no se encontra em contacto directo com os materiais exteriores de proteco das madeiras. No interior da colmeia s permitida a utilizao da prpolis, cera e leos vegetais. A manuteno do equipamento fundamental para a sua preservao e para evitar o risco de propagao de doenas. De seguida apresentam-se algumas orientaes a considerar.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

25

MANUTENO DEVE-SE DESINFECTAR O EQUIPAMENTO: Com frequncia; Idealmente entre cada colnia inspeccionada, mas PELO MENOS ENTRE CADA APIRIO; Sempre que se desconfia de uma colnia doente. A desinfeco, em MPB, pode ser efectuada com (anexo II E): Chama directa ou vapor; lcool; Imergindo o material em lixvia ou solues de soda custica (hidrxido de sdio) O MATERIAL CONTAMINADO DEVE SER INCINERADO

3.1.1 Cera A cera surge aqui em separado, pois um material utilizado na apicultura e simultaneamente um produto apcola. Aqui a legislao discrimina a sua provenincia uma vez que est em contacto permanente com o mel. O objectivo utilizar cera isenta de quaisquer substncias que possam contribuir para a contaminao do mel. Desta forma, a cera a utilizar deve ser obtida em MPB, preferencialmente do mesmo apirio. Excepcionalmente, na indisponibilidade de adquirir no mercado cera certificada, possvel, como medida transitria, utilizar a cera de oprculos proveniente de colmeias em modo de produo convencional. 3.2 Instalao do Apirio em MPB Um apirio em modo de produo biolgico requer do apicultor alguns cuidados na sua instalao mas tambm na sua manuteno, promovendo-se atitudes preventivas que contribuam para o bem-estar das colnias. Assim, deve-se atender a trs pontos: Local de instalao; Instalao das colmeias; Povoamento das colmeias. 3.2.1 Local de instalao

O ponto de partida para iniciar ou converter a sua explorao para o modo de produo biolgico a escolha do local. Ao apicultor cabe encontrar um local adequado. Assim, o local escolhido deve: Possuir fontes naturais de nctar, melada e plen em abundncia, num raio de 3 km, provenientes essencialmente de:

26 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Culturas em modo de produo biolgico; Vegetao espontnea (ver Figura 8); Culturas sujeitas a tratamentos de baixo impacto ambiental. Encontrar-se distante de focos de contaminao: centros urbanos, auto-estradas, zonas industriais, aterros, etc. Ter acesso a gua.

FIG.8. Vegetao espontnea

FIG.9. Apirio em meia-encosta

Para alm destes requisitos especficos para o modo de produo biolgico devem tambm ser considerados os cuidados comuns na instalao de qualquer apirio, nomeadamente quanto localizao: Local acessvel durante todo o ano, de preferncia com acesso ao automvel para carga e descarga de material; Distncia obrigatria a animais, pessoas e outros apirios definidas no Decreto-Lei n 37/2000 de 14 de Maro: 100 metros de prdios urbanos e vias pblicas e 100, 400 ou 1000 metros de apirios com 10, 25 ou 100 colnias. Quanto exposio: Locais com boa exposio solar, mas no muito quentes; Locais com muita gua, mas secos; Plancies ou meias encostas, abrigados em especial de ventos do norte (ver figura 9). No que respeita orientao: Colmeias viradas a sul ou nascente aumentam a incidncia de luz e estimula a actividade das abelhas (ver figura 10); Minimizar as alteraes exteriores aps instalao, para no promover a desorientao das abelhas.

FIG.10. Apirio orientado a Sul (orientao e exposio correcta)

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

27

Por fim e relativamente disponibilidade de recursos: Proximidade a locais com gua aumenta a produtividade da colnia; Fontes de nctar, plen e prpolis em abundncia num raio de 3 km. Aps a identificao do local compete ao apicultor/operador contactar o organismo certificador e: Identificar cartograficamente a localizao do apirio; Demonstrar que as zonas acessveis s abelhas cumprem as condies exigidas. O local ser posteriormente avaliado pelo OC e certificado. Este procedimento pode ser efectuado sem a existncia de colnias no local. 3.2.2 Instalao de colmeias Para uma boa preparao do terreno deve-se: Efectuar UMA LIMPEZA DA VEGETAO em redor do apirio, contribuindo para a preveno de incndios. A limpeza deve ser efectuada por corte da vegetao ou movimento de terras. proibida a utilizao de herbicidas. Este procedimento deve ser realizado antes da colocao das colmeias e fora das pocas de produo (Inverno). Criar um corredor de trabalho por detrs das colnias para permitir a circulao de um automvel de carga/descarga. Manter-se uma distncia de trabalho entre colmeias de 1 metro, o que facilita a posterior realizao de desdobramentos e reduz a deriva das abelhas. As colnias devem ser colocadas sobre assentos e nunca directamente sobre o solo, permitindo assim que se prolongue o tempo de vida do material e se reduza o ataque de formigas e ratos. Adicionalmente e com inclinao das colmeias para a frente, possvel diminuir a humidade e consequentemente a probabilidade de doenas na colnia.

FIG.11. Colocao de colmeias

FIG.12. Distribuio ideal das colmeias num apirio

28 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

As colmeias devem possuir cores suaves para reduzir a agressividade das abelhas e a sua distribuio no apirio deve, dentro do possvel, ser alternada e com direces de voo distintas, reduzindo-se assim a deriva (ver figura 12).

3.2.3 Povoamento das colmeias

No modo de produo biolgico promovida a utilizao de raas Europeias de Apis mellifera e dos seus ecotipos locais, garantindo-se assim a preservao das espcies, a diversidade dos ecossistemas e o recurso a um patrimnio gentico adaptado s condies locais. Em Portugal deve por isso utilizar-se a abelha Apis mellifera ibrica. O povoamento inicial das colmeias pode ser efectuado por: Converso de colnias de modo convencional para MPB; Aquisio de enxames ou colmeias oriundas de exploraes em MPB certificadas. No primeiro caso o rtulo de produo biolgica atribudo apenas aps um ano de reconverso, enquanto no segundo caso a certificao biolgica obtida de imediato.

Para repovoar ou aumentar o efectivo pode-se efectuar o desdobramento de colnias em MPB. Em complemento, pode efectuar-se a recolha de enxames selvagens, mas o seu nmero Iimitado a um mximo de 10%/ano do efectivo apcola. Em qualquer uma destas duas situaes necessrio colocar as enxames em ncleos ou ninhos e utilizar ceras adequadas ao modo de produo biolgico. A recolha de enxames em redor do prprio apirio no garante a sua origem, pelo que o OC pode condicionar a incluso deste enxames nos 10% acima mencionados (ver figura 13).

FIG.13. Recolha de enxame

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

29

Em casos de mortalidade anormal, resultante de uma catstrofe ou de uma situao sanitria, e na indisponibilidade de adquirir colmeias oriundas de apirios certificados em MPB, pode-se efectuar o repovoamento com colmeias provenientes de modo convencional. Esta situao requer a autorizao prvia do OC e um perodo de converso.

3.3 Maneio apcola e gesto da produoPara maximizar a produo apcola necessrio proceder a um controlo contnuo das

colnias durante todo o ano: no Inverno, avaliar as reservas e o estado das colnias, preparando o material para a prxima produo e realizando a manuteno dos apirios; na primavera, efectuar os tratamentos, a gesto do efectivo e a produo de mel; no vero, controlar a produo e efectuar a cresta do mel; e no Outono, realizar os tratamentos e preparar a colnia para o Inverno. Estas tarefas distribuem-se entre: Inspeco e manuteno de apirios/colnias; Alimentao artificial; Controlo da populao; Produo de mel; Registos.

No caso particular da apicultura em modo de produo biolgico h algumas prticas de gesto da produo PERMITIDAS e outras PROIBIDAS. Na realizao destas tarefas h procedimentos de identificao OBRIGATRIOS.

GESTO DA PRODUO EM MPB PROCEDIMENTOS PERMITIDOS Eliminar criao de machos apenas para controlo da varroa. Substituio de rainhas por supresso da antiga. Tratamentos fsicos (vapor de gua e chama). Uso da prpolis, cera e leos vegetais no interior da colmeia. Uso excepcional de cera de oprculos (convencional), sempre que no existir disponvel no mercado cera de MPB. Alimentao artificial, mel da UP ou melaos de MPB, em caso de sobrevivncia e fora da poca de produo. Introduo at 10%/ano de enxames ou rainhas de apicultura convencional.

30 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

GESTO DA PRODUO EM MPB PROCEDIMENTOS PROIBIDOS Destruir as abelhas nos favos, como mtodo de colheita de mel. Mutilaes (corte asas da rainha). O uso de repelentes qumicos de sntese. Destruio de machos, excepto como mtodo de controlo sanitrio da varroa.

GESTO DA PRODUO EM MPB PROCEDIMENTOS OBRIGATRIOS Registar o apirio e colmeias, e informar o OC da sua deslocao. Assegurar a adequada extraco, tratamento e armazenamento dos produtos da apicultura. Registar as medidas tomadas. Registar operaes de remoo de alas e extraco de mel. Registar o tipo, a dosagem, a data e as colmeias com alimentao artificial.

3.3.1 Inspeco e manuteno de apirios/colniasA inspeco realiza-se de forma peridica, com intervalos maiores nas pocas de me-

nor actividade, como no Inverno. Devem, no entanto, efectuar-se apenas quando necessrio, para no perturbar em demasia as abelhas. Para as inspeces deve levar-se todo o material de trabalho e fichas do apirio, e executar todas as aces com calma e segurana. A avaliao inicia-se pela temperatura exterior, pelo estado das floraes em redor do apirio e pela observao do comportamento defensivo das colnias. Na interior da colmeia avalia-se a abundncia de reservas de plen e mel, o estado das ceras, a regularidade da postura da rainha e o estado sanitrio. Estes parmetros permitem ao apicultor definir as aces mais indicadas a aplicar nas colmeias. FIG.14. Inspeco de colnia

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

31

Na inspeco inicial de Primavera deve-se adicionalmente: Remover as colmeias mortas; Efectuar a limpeza dos estrados; Substituir pelo menos 20% das ceras, o que promove o desenvolvimento da colnia; Juntar colnias fracas; Efectuar a substituio de rainhas; Controlar a enxameao. No modo de produo biolgico a substituio de rainhas pode ser conseguida atravs da: Supresso da rainha antiga (provoca um atraso no desenvolvimento da colnia de 4 a 6 semanas at ao incio da postura da nova rainha. O impacto na produo de mel menor se efectuada duas semanas antes do trmino da florao); Diviso de colnias (colnia filha apresenta as mesmas limitaes que a situao anterior, colnia me mantm a rainha velha); Supresso e introduo de rainha nova (caso a rainha a introduzir seja proveniente de apicultura em modo convencional o nmero limitado a 10% ao ano, do efectivo).

FIG.15. Produo de ranhas

3.3.2 Alimentao artificial

O recurso alimentao artificial considerado um procedimento excepcional, pois os princpios da agricultura biolgica pressupem que os animais devem possuir naturalmente reservas alimentares em abundncia. Por esta razo a utilizao de alimento artificial deve apenas ser equacionada caso esteja em risco a sobrevivncia da colnia. Nestas situaes deve-se fornecer mel obtido em modo de produo biolgico, preferencialmente da mesma unidade de produo/ apirio. Caso no exista disponvel mel de MPB, podese recorrer a acar ou melao, desde que certificados em MPB. A aplicao destes suplementos alimentares feita habitualmente atravs da preparao e colocao de xaropes mel/gua (2:1) sobre o escapa abelhas, ou entrada da colmeia (ver figura 16).

FIG.16. Alimentao de colnia

32 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Durante a aplicao do alimento h um risco acrescido de pilhagem, pelo que o apicultor deve tomar algumas medidas preventivas, tais como reduzir a entrada, evitar o derrame de mel na prancha de voo e aplicar o alimento no final do dia. A ALIMENTAO ESTIMULANTE NO PERMITIDA.

3.3.3 Controlo da populao

Para maximizar a produo de mel fundamental controlar a populao de abelhas nas colnias. Um forte desenvolvimento na primavera pode ser sinnimo de enxameao. A enxameao um processo natural pela qual as abelhas garantem a sua propagao e evoluo. Para o apicultor , no entanto, um retrocesso, pois para alm de ficar sem parte do efectivo da colnia, a colmeia perde a rainha e com isso atrasa em 4 a 6 semanas a sua actividade. Por vezes este espao de tempo corresponde a uma florao, pelo que a produo fica irremediavelmente arruinada. Apesar de ser visto como uma oportunidade para aumentar o efectivo, se se recolher o enxame, um mau processo de seleco de colnias enxameadoras. O controlo da enxameao pode ser conseguido de vrias formas: Eliminao de alvolos reais (requer uma inspeco frequente e minuciosa da colmeia e provoca um elevado distrbio da colnia); Supresso da rainha e seleco de 2 ou 3 alvolos reais implementados nas extremidades com 25-29 mm (rainha nova, no h perda de populao, mas implica um atraso no desenvolvimento da colnia); Aumento do volume colocando uma de ala ou ala antes da criao atingir 2/3 do ninho (eficcia limitada); Diviso da colnia (aumento do efectivo mas pequena reduo da produo). A diviso de colnias ou desdobramento um procedimento que apresenta um leque de vantagens: Diviso de colnias/desdobramentos Processo simples para aumentar o efectivo apcola em MPB. Para evitar quebras de produo deve ser efectuado duas semanas antes do trmino da florao. Permite efectuar uma seleco de colnias. Contribui para a reduo de infestao por varroa em 1/3, na colnia filha. Evita a enxameao.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

33

3.3.4 Produo de mel

A produo de mel ocorre em Portugal maioritariamente nos meses de Primavera e Vero. A recolha efectuada com a colocao de alas ou meias alas sobre o ninho. Nas regies em que a produo por colmeia mais reduzida, mais vantajoso utilizar meias alas, para garantir a operculao e consequentemente a maturidade do mel. A colocao das alas deve ser efectuada: Nem muito tarde para evitar a enxameao, nem muito cedo, devido ao volume/frio excessivo; Na ausncia de tratamentos; 15 dias aps a aplicao de alimentao artificial. FIG.17. Colnia com 1/2 alas As alas seguintes devem ser colocadas entre o ninho e ala anterior, o que promove a produo de cera e a recolha de mel. A remoo das alas com mel deve ser efectuada apenas quando mais de 2/3 dos favos esto operculados, para garantir a qualidade do mel.

3.3.5 RegistosTodas as aces nas colmeias tm de ser registadas num boletim de apirio.

Este boletim deve manter-se actualizado e encontrar-se disponvel para controlo pelo OC. Dele deve constar: Movimentao de colnias (origem e destino); Introduo de ceras, enxames (quantidade e origem); Desdobramentos, substituio de rainhas (origem); Recolha de amostras (tipo, data, resultados); Alimentao artificial (tipo, dose, data, colmeia); Tratamentos sanitrios (tipo, dose, data, colmeia); Desinfeco (modo); Colocao e remoo de alas (data, quantidade); Extraco de mel (data, local, quantidade); Vendas de produtos da apicultura (data, comprador, quantidade); Controlos pelo OC (data, resultado).

34 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

4. PROFILAXIA E SANIDADE Na apicultura em modo de produo biolgico a sade e o bem-estar das colnias de abelhas deve ser promovido atravs da aplicao de boas prticas de maneio e pela seleco de colnias que apresentem um comportamento higinico mais acentuado conferindo-lhe maior resistncia a doenas e infestaes. A aplicao de medicamentos veterinrios s permitida quando est em causa a sobrevivncia das colnias, mas apenas com carcter excepcional e com elevadas restries. O controlo da Varroose uma situao nica onde a aplicao de determinados produtos orgnicos no implica tomar medidas de isolamento e reconverso das colnias. 4.1 Procedimentos de preveno e tratamentos de doenas Para reduzir os factores que possam provocar o desenvolvimento de enfermidades e evitar a aplicao de medicamentos veterinrios, deve-se recorrer a algumas ferramentas de maneio apcola, nomeadamente: MEDIDAS PREVENTIVAS Limpeza e desinfeco dos equipamentos em especial das luvas, raspador e levanta quadros, mediante o recurso chama, lcool ou a solues de soda custica. Instalao dos apirios em locais ventilados e secos. Colocao das colmeias sobre assentos e com ligeira inclinao para a frente. Limpeza anual dos estrados. Inspeco regular de reservas e postura. Substituio de quadros de cera, no mnimo 20% ao ano. Desdobramento de colnias seleccionadas com elevado comportamento higinico. Evitar a troca de quadros entre colmeias. Nestes casos deve registar-se a origem e destino do material transferido. Remover imediatamente do apirio as colmeias despovoadas e que apresentem sintomas de doena. Incinerao de material contaminado. Substituio de rainhas. Diagnstico anatomo-patolgico bianual. Infelizmente nem sempre possvel evitar o surgimento de doenas. Nessas situaes deve-se tomar imediatamente medidas de controlo que podem passar pela incinerao da colnia ou pela aplicao de tratamento com produtos fitoteraputicos e homeopticos (Ponto 1 do Anexo II-B) ou produtos alopticos de sntese qumica. Nenhum animal deve ser

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

35

mantido sem tratamento. A aplicao de tratamento apresenta restries: APLICAO DE MEDICAMENTOS VETERINRIOS Medicamentos Fitoteraputicos e Homeopticos: recomendado o isolamento das colnias em tratamento. Requer o registo do medicamento/princpio activo, das dosagens, das datas de aplicao e intervalo de segurana. No necessita de reconverso aps o tratamento. Medicamentos Alopticos de sntese qumica: obrigatria a colocao das colnias num apirio de isolamento. Requer a autorizao de um mdico veterinrio. proibida a utilizao como preveno. Requer o registo do medicamento/princpio activo, das dosagens, das datas de aplicao e intervalo de segurana. A re-introduo destas colnias no apirio implica: Substituio de ceras. Perodo de reconverso das colnias. Nas colnias em tratamento com produtos alopticos de sntese qumica o mel produzido s poder ser comercializado novamente com o rtulo de modo de produo biolgico, aps o cumprimento de um perodo de reconverso. Todos os medicamentos veterinrios aplicados tm de estar previamente homologados pelo respectivo estado membro da Unio Europeia. O processo de homologao moroso e dispendioso e requer a execuo de diversos estudos ao nvel das dosagens, eficincias e efeitos adversos, embalagem e armazenamento, etc. A sua instruo efectuada por uma empresa privada interessada na comercializao, pelo que a relao lucro/ custo tem de ser favorvel. No meu ponto de vista, este alis uma das razes pelo qual em Portugal no se encontram medicamentos para o controlo da varroa base de cido frmico, cido oxlico ou lctico, uma vez que os custos de homologao so elevados e os produtos no carecem de grande desenvolvimento tecnolgico, limitando assim os preos a aplicar e o respectivo lucro. semelhana de outros pases como a Repblica Checa ou Nova Zelndia[4], o estado Portugus deveria, atravs das autoridades competentes, definir formulaes baseadas nestes princpios activos e permitir a sua preparao pelo apicultor ou pelas associaes do sector, pelo menos enquanto no existir no mercado uma alternativa comercial com o mesmo princpio activo. Aumentava-se assim o leque de opes, e reduzia-se o recurso a acaricidas inadequados apicultura.

36 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

4.2 Controlo da infestao por varroa: mtodos alternativos A Varroose uma doena parasitria externa das abelhas causada por um caro denominado por Varra destructor. Este parasita, originalmente presente nas abelhas melferas asiticas Apis cerana, foi detectado pela primeira vez em 1963 nas colnias de abelhas Apis mellifera[4], atacando quer as larvas quer as abelhas adultas (ver figura 18). Ao contrrio da Apis cerana que consegue coexistir em simbiose com o parasita, a abelha Apis mellifera no tem conseguido criar mecanismos de resistncia ao parasita, pelo que se verifica actualmente uma mortalidade elevada, transformando-se num dos grandes desafios sanitrios dos apicultores em todo o mundo.

FIG.18. Varras sobre abelhas adultas e larvas Os sintomas da doena so facilmente reconhecveis pelo apicultor atento, permitindo um fcil diagnstico. Para avaliar o grau de infestao podem aplicar-se testes simples e rpidos como a desoperculao de favos de criao de zango e contagem dos caros (a Varra tem preferncia pela cria de zangos dado o maior tempo de gestao destes), ou atravs da colocao de estrados de rede que permitem a contagem da queda natural de Varra, directamente relacionada com o nvel de infestao na colnia (ver figura 19). SINTOMAS DA VARROOSE caros sobre as abelhas. Criao em mosaico. Abelhas deformadas. Abelhas com asas rodas, no interior e no exterior em redor da colmeia.

FIG.19. Diagnstico da Varroose

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

37

O combate a esta infestao foi, ao longo das ltimas dcadas, um objecto de trabalho constante por parte de investigadores e apicultores, na tentativa de proporcionar s abelhas uma alternativa de sobrevivncia. Os estudos desenvolvem-se em trs vertentes: (I)Seleco gentica; (II) Mtodos biotecnolgicos; (III)Mtodos qumicos.

A definio de mtodos alternativos suficientemente ampla que engloba todas estas vertentes, excluindo-se apenas os mtodos qumicos com recurso a substncias sintticas preparadas em laboratrio. Estes ltimos, utilizados sistemtica e regularmente, foram a primeira barreira com capacidade de eliminar ou minimizar os efeitos causados pela Varra, no entanto, e porque so produtos estranhos composio do mel que libertam resduos, em especial para a cera e prpolis[5,6], so proibidos no modo de produo biolgico. Idealmente, a abelha melfera deveria ser capaz de sobreviver infestao de Varra criando mecanismos prprios que lhe permitissem, seno eliminar, coexistir com o caro. Esta a vertente associada seleco gentica. Vrios investigadores tm desenvolvido trabalhos para encontrar variantes de abelhas Apis mellifera que apresentem comportamentos pr-activos.[7] Nestes casos, a abelha capaz de identificar e eliminar as larvas infestadas, bem como detectar os caros sobre as abelhas adultas, deteriorando-os. Estes comportamentos so simultaneamente vantajosos para a reduo da infestao de Varra como para o combate a outras doenas das abelhas como a Loque americana.[7] A desvantagem da seleco gentica encontra-se na adaptabilidade dos ecotipos seleccionados para com os diferentes climas e na consequente reduo da variabilidade gentica que, no futuro, poder condicionar a reaco da espcie perante outros desafios, sanitrios ou no. Apesar do modo de produo biolgico promover o recurso seleco gentica, esta deve ser limitada dentro dos ecotipos locais, no sendo permitido a introduo de abelhas melferas seleccionadas noutras regies do globo.

4.2.1 Mtodos biotecnolgicos

Os mtodos biotecnolgicos so os mais adequados para controlo da Varra no modo de produo biolgico pois no se introduz na colmeia qualquer composto, nem natural nem sinttico, que possa de alguma forma contribuir para a alterao das caractersticas do mel. MTODOS PARA O CONTROLO BIOTECNOLGICO EM MPB Remoo de criao operculada de machos. Diviso das colnias. Aquecimento da criao. Isolamento da rainha e remoo da criao. Utilizao de estrados de rede ou tubulares.

38 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

A aplicao destes mtodos no totalmente eficiente e muito morosa[4] pelo que a sua utilizao deve ser principalmente equacionada numa estratgia global de tratamento da Varra, mais adequada para pequenos apicultores. O mtodo da remoo da criao operculada de machos baseia-se na maior tendncia do caro se reproduzir junto com as larvas de zango, pois garante uma maior quantidade de alimento e, porque os zangos apresentam um tempo de gestao mais prolongado que as obreiras, tem maior probabilidade de sucesso no processo de reproduo de novos caros. Este mtodo pode ser aplicado pelo simples corte da criao operculada de machos, (regularmente nos extremos dos quadros), pela introduo de quadros de cera laminada especficos para a criao de macho (e posterior remoo aps operculada) ou pela colocao de quadros sem cera que promovem a postura de machos (ver figura 20). O procedimento, apesar de bastante laborioso, permite reduzir at 90% da infestao. FIG.20. Remoo da criao de zango A diviso de colnias outra metodologia que permite reduzir o grau de infestao, mas apenas em 30-40%, o que implica obrigatoriamente o recurso complementar a outro mtodo. Contudo, o apicultor reduz simultaneamente a infestao, aumenta o efectivo apcola, reduz a tendncia de enxameao (e o nmero de deslocaes ao apirio) e promove a substituio de ceras. sem dvida um procedimento que contribui para as boas prticas de maneio apcola. 4.2.2 cidos orgnicos e leos e essenciais Os restantes mtodos alternativos implicam o recurso a produtos qumicos, embora de origem natural, denominados regularmente por produtos orgnicos.[4,8] Esta utilizao, apesar de implicar a adio de substncias externas, se for efectuada controladamente no introduz alteraes na qualidade dos produtos da colmeia, permitindo de uma forma segura manter controlados os nveis de infestao. Na apicultura em modo de produo biolgico permitido o uso de alguns cidos orgnicos e leos essenciais.

SUBSTNCIAS PERMITIDAS PARA O CONTROLO DA VARROA EM MPB cidos Orgnicos: cido Frmico, cido Lctico e cido Oxlico leos essenciais: Cnfora, Eucaliptol, Mentol e Timol

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

39

Os leos essenciais encontram-se em grande parte das plantas e so caracterizados pela elevada volatilidade e por um odor intenso. A sua funo acaricida muito reconhecida utilizando-se como ingredientes em vrios produtos como por exemplo sabonetes e champs para animais. O timol, um leo essencial que est presente em grandes quantidades no Tomilho (ver figura 21) apresenta um elevado efeito acaricida contra a Varroa e uma boa tolerabilidade perante as abelhas, pelo que um dos produtos com mais potencialidades em apicultura.

FIG.21. Tomilho e estrutura qumica do timol (leo essencial)

FIG.22. Aplicao de timol em vermiculite

A aplicao do timol pode ser efectuada atravs da colocao directa dos cristais na colmeia ou atravs da sua incorporao num suporte (gel, carto ou vermiculite) directamente ou por vezes diludo em lcool ou leo (ver figura 22). A elevada volatilidade deste produto permite a sua distribuio ao longo de toda a colmeia, o que em concentraes correctas leva morte do caro. A eficincia da sua aplicao est muito dependente das condies climatricas, em especial a temperatura, que condiciona a sua evaporao: Temperaturas muito elevadas promovem a rpida volatilizao e podem levar ao abandono da colmeia; Temperaturas muito baixas reduzem a volatilizao a concentraes que podero no ser nocivas ao caro.

A eficincia da aplicao directa dos cristais de timol fraca devido densidade deste composto: como mais denso que o ar, a colocao atravs da entrada do ninho no permite a sua distribuio pela colmeia (no sobe). Os restantes leos essenciais autorizados so maioritariamente utilizados em misturas contendo timol. O mel tem na sua composio diversos cidos orgnicos, entres os quais o cido frmico e o oxlico. Estes dois constituintes naturais do mel, apresentam tambm caractersticas acaricidas quando utilizados em doses apropriadas, no entanto, o seu manuseamento requer elevados cuidados para o apicultor quer pelas caractersticas qumicas corrosivas, quer pela quantidade de cido que poder ser transferida para o mel se for colocado ina-

40 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

dequadamente. Apesar de pertencerem quimicamente mesma classe o modo de actuao e aplicao dos cidos completamente distinto. O cido frmico actua por evaporao, como o timol, e em concentraes elevadas nocivo tanto para a Varra presente sobre as abelhas adultas como no interior da criao FIG.23. Aparelho de vaporizao operculada. A aplicao efectuada atravs da colocao, sobre os quadros do ninho, de um dispositivo controlador da evaporao (gel ou outro) contendo uma determinada quantidade de cido (ver figura 23). H, no entanto, outras metodologias menos utilizadas onde o cido colocado directamente, sob a forma lquida, entrada da colmeia, mas que exigem maiores cuidados pois o contacto directo fatal para as abelhas. Para o cido oxlico a aplicao requer outros mtodos: por gotejamento de um xarope cido/acar sobre as abelhas, por aerosol do xarope, ou por vaporizao directa dos cristais no interior da colmeia. Independente do mtodo de aplicao este cido s apresenta boa eficincia se aplicado numa colnia sem criao (ver figura 24).

FIG.24. Aplicao de cido Oxlico Gotejamento e vaporizao Como mencionado anteriormente, a aplicao destes princpios activos requer a homologao prvia de uma formulao comercial. Embora na Europa haja vrios produtos comerciais contendo timol (Apilifevar, Apiguard, Apitimol e Thymovar), cido frmico (Apicure e Mite Away) ou cido oxlico (Ipereat e Oxavar), em Portugal apenas o timol est autorizado como acaricida para abelhas, incluindo em FIG.25. Aplicao de Apiguard MPB, atravs da formulao comercial Apiguard e muito recentemente como Thymovar. Esta condicionante reduz as opes da apicultura em modo de produo biolgico em Portugal, no permitindo legalmente a alternncia de acaricidas, aconselhvel para evitar o aparecimento de resistncias.

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

41

O Apiguard um produto base de timol, impregnado num gel retardante que permite a volatilizao do princpio activo de forma controlada (ver figura 25). O seu efeito acaricida verifica-se por evaporao mas tambm por contacto, pois as abelhas tendem a remover o gel para o exterior da colmeia. A temperatura exterior durante a aplicao um factor importante a considerar pelo apicultor devendo ser superior a 15C mas no ultrapassar os 30C. A aplicao efectuada em duas doses de 50 g cada, com um intervalo de 15 dias: 1- Abrir o tabuleiro 2- Dispor sobre os quadros

3- Substituir aps 2 semanas

4- Manter 2/3 sem. (depende temp.)

A eficcia dos produtos orgnicos muito dependente da dosagem, das condies da colnia e das condies climatricas, em especial o timol e o cido frmico que actuam por evaporao. Estes factores requerem por isso a adaptao das dosagens, dos intervalos de aplicaes e da altura de aplicao situao real da regio e do apirio, no se podendo efectuar uma transferncia directa das metodologias desenvolvidas noutras situaes geogrficas sem prvia experimentao. Para optimizar a sua aplicao nas condies climatricas caractersticas da regio de Trs-os-Montes, bem como desenvolver a aplicao de tratamentos sanitrios para controlo da Varra na apicultura em MPB, decorreu entre 2004 e 2007 um projecto experimental, Promoo e estmulo produo biolgica de mel, financiado pelo programa AGRO medida 8.1, numa colaborao das associaes de apicultores do Parque Natural do Douro Internacional e do Parque Natural do Montesinho com a Escola Superior Agrria de Bragana. Neste estudo avaliou-se a eficincia e consequncia para a qualidade do mel, da aplicao de trs princpios activos como tratamentos alternativos em apicultura em modo de produo biolgico: cido frmico, cido oxlico e timol. Os mtodos de aplicao, as dosagens, e os intervalos de aplicao foram optimizados a partir das metodologias descritas na literatura[8] e optando por procedimentos adequados ao apicultor e ao modo de produo biolgico. O grau de infestao foi determinado

42 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

por avaliao sistemtica da queda natural de Varra em estrados colocados por baixo da colmeia, antes, durante e aps o tratamento (ver figura 26). Para a aplicao do timol mergulharam-se tiras de carto (20cm x 5 cm) numa mistura de azeite/timol (1,6g/4g) aquecida a 45C. Aps a secagem cada tira apresentou um acrscimo de 5,6g, correspondendo assim a 4g de timol por FIG.26. Avaliao da infestao tira. Em cada colmeia aplicou-se 2 tiras de carto nos extremos opostos, repetindo-se o tratamento aps 15 dias (ver figura 27). A aplicao foi realizada na primavera antes da produo de mel e no Outono aps a cresta. Em ambas as pocas foi prestada especial ateno para que a temperatura exterior se encontrasse no intervalo 15-30C. A aplicao foi efectuada pela manh ou no final da tarde, sendo a segunda situao mais favorvel, pois permite ao enxame uma melhor adaptao. Em todas as pocas de tratamento foi registado um aumento da agressividade.

FIG.27. Aplicao de timol em tiras de carto Para a aplicao do cido frmico colocou-se 60 mL de uma soluo a 70% num rectngulo de algodo (10 17 cm) e selou-se num saco. O saco foi colocado sobre os quadros da colmeia com uma abertura de 33cm (ver figura 28). A aplicao foi repetida 4 vezes com intervalos de uma semana. Para temperaturas superiores a 30 C a concentrao do cido deve ser reduzida a 60% e para temperaturas inferiores a 15C deve-se aumentar para 80%. A preparao dos dispositivos foi efectuada num local muito ventilado e utilizando luvas e culos de proteco contra cidos.

FIG.28. Aplicao de cido frmico em algodo

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

43

A aplicao do cido oxlico foi efectuada por gotejamento de um xarope acar:gua (6:4) contendo 2,9% do referido cido. A quantidade aplicada variou conforme a colnia, distribuindo-se 5 mL no intervalo entre quadros com abelhas. O tratamento foi aplicado duas vezes com duas semanas de intervalo (ver figura 29).

FIG.29. Aplicao de cido oxlico por gotejamento Os resultados observados nos quatro apirios experimentais permitiram de imediato extrair duas concluses. A primeira refere-se utilizao de estrados de rede colocados por baixo da colmeia. Verificou-se sistematicamente a existncia de um nmero considervel de caros vivos sobre os estrados, indicativo da dificuldade destes no regresso ao interior da colmeia. Este equipamento, para alm de permitir uma avaliao rpida do estado da colnia/apirio, pode ser utilizado como um mtodo complementar, alternativo, de reduo do grau de infestao. A segunda concluso prende-se com a elevada mortalidade das colnias sem tratamento. Aps o segundo ano, a mortalidade destes grupos de colnias foi superior a 70% atingindo no terceiro ano 100% em trs dos apirios experimentais. Concluiu-se assim, que independente da metodologia utilizada, na regio de Trs-os-Montes no possvel deixar as colnias sem tratamento contra a Varra. A comparao entre os tratamentos alternativos utilizados permitiu encontrar um padro caracterstico da queda de Varra durante os tratamentos. Para o timol, observam-se dois picos que reflectem os resultados das duas aplicaes, sendo que o segundo apresenta uma menor intensidade resultante do decrscimo do nvel de infestao logo aps a primeira aplicao. Para o cido frmico e oxlico o comportamento coincidente, verificando-se um perfil mais progressivo ao longo das vrias aplicaes (ver figura 30).MDIA DIRIA DE QUEDA DE VARROA

C. OXDICO C. FRMICO C. TIMOL

FIG.30. Resultados obtidos com os tratamentos alternativosDIAS APS INCIO DO TRATAMENTO

44 Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

Apesar de todos os compostos se apresentarem como alternativa para o combate Varra, a aplicao de cido oxlico evidenciou uma mortalidade de colnias, durante o Inverno, muito acentuada. Este problema foi fatal aps o segundo ano, desaparecendo todas as colnias em dois dos apirios. Para ultrapassar este problema foram ensaiados vrios mtodos de aplicao do cido oxlico alternando: percentagem de cido, propores cido/ acar, nmero de aplicaes, no se encontrando uma metodologia apropriada. Desta forma, concluiu-se que, o cido oxlico no uma soluo vivel para o tratamento da Varra na regio de Trs-os-Montes, salvaguardando o possvel recurso a outras metodologias no experimentadas. O comportamento das colnias ao longo dos vrios anos foi avaliado atravs de uma anlise da vitalidade (quantidade de abelhas, criao e reservas) em cada primavera. A figura 31 mostra-nos que as colnias tratadas com cido frmico e timol apresentam um valor de vitalidade comparvel, o que se reflectiu num bom desenvolvimento da colnia.

18 16 14 12 10 8 6 4 2 0

2004 2005 2006

Timol

Vitalidade

AO

AF

Controlo

ColniaFIG.31. Comportamento das colnias avaliadas (anlise de vitalidade) A utilizao destes produtos orgnicos em propores apropriadas e fora da poca de colecta de nctar, no apresentou quaisquer inconvenientes na qualidade do mel obtido, no se registando, globalmente, alterao das propriedades fsico-qumicas do mel. Contudo, a aplicao destes princpios activos no completamente incua, pois possvel verificar-se um ligeiro acrscimo da concentrao destes compostos no mel, quando comparado com os valores encontrados para colnias no tratadas. Este acrscimo , no entanto, insignificante e imperceptvel para o consumidor, dados que os valores obtidos so confortavelmente inferiores ao expectvel para os diversos tipos de mel comercializados. Em todo o caso, e por questes de segurana do consumidor, recomendvel que qualquer tratamento sanitrio seja efectuado fora da poca de colecta de nctar, como alis est regulamentado.

1C2 1C4 1C6 1C8 1D2 1D4 1D6 1D8

1A2 1A4 1A6 1A8

1B2 1B4 1B6 1B8

Manual de Apicultura em Modo de Produo Biolgico

45

5. EXTRACO E COMERCIALIZAO DE MEL 5.1 Normas de qualidade do mel A definio de mel surge na directiva Europeia 2001/110/CE e no Decreto-Lei n 214/2003 descrevendo-o como uma substncia aucarada natural produzida pelas abelhas da espcie Apis mellifera a partir do nctar de plantas ou de excrees de insectos sugadores de plantas que ficam sobre partes vivas de plantas, e que as abelhas recolhem, transformam por combinao com substncias especficas prprias, depositam, desidratam, armazenam e deixam amadurecer nos favos da colmeia. Esta regulamentao, aplicvel a todo o mel qualquer que seja o modo de produo, estabelece ainda outras classificaes especficas atendendo : Origem (mel de nctar ou mel de melada) Ao modo de produo/apresentao (filtrado, escorrido, mel em favo) Independentemente da classificao, o mel constitudo principalmente por dois acares, frutose e glucose, e por gua. Em propores mais pequenas encontram-se enzimas, cidos orgnicos, compostos fenlicos, minerais e outras substncias que lhe confere propriedades e caractersticas prprias. Para a comercializao o mel deve cumprir determinados parmetros de qualidade regulamentados, salvaguardando algumas excepes: PARMETROS DE QUALIDADE DO MEL Teor em acares Teor de glucose e frutose mel nctar >60% Teor de glucose e frutose melada >45% Teor de sacarose