Manual de Arborização e Poda

download Manual de Arborização e Poda

of 32

  • date post

    22-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    116
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Manual de Arborização e Poda

PREFEITURA DE ARUJESTADO DE SO PAULO

Manual de recomendaes tcnicas para projetos de arborizao urbana e procedimentos de poda

Manual de recomendaes tcnicas para projetos de arborizao urbana e procedimentos de poda

PREFEITURA DE ARUJDEPARTAMENTO DE MEIO AMBIENTE

ESTADO DE SO PAULO

2010

SUMRIO Arborizao Urbana......................................................................................................3Introduo...............................................................................................................3 Aspectos fundamentais de arborizao urbana.............................................4 Parmetros para a arborizao de vias pblicas...........................................4Calamento (passeio pblico)......................................................................4 Posicionamento da rvore............................................................................5 Definio das espcies.................................................................................7

Parmetros para arborizao de reas livres pblicas.................................8 Procedimentos para o plantio.............................................................................9Preparo do local.............................................................................................9 Plantio da muda em local definitivo.............................................................9 Tutores............................................................................................................9 Protetores.....................................................................................................10 Manejo..........................................................................................................10 Irrigao........................................................................................................10 Tratamentos fitossanitrios........................................................................10 Fatores estticos.........................................................................................10

Listagem de espcies.................................................................................................11 Procedimentos de poda............................................................................................22Introduo.............................................................................................................22 Aspectos relevantes para a obteno de bons resultados da poda.......23 O processo de cicatrizao do caule..............................................................23 Tipos de poda.......................................................................................................26 Equipamentos bsicos para a poda................................................................27 Equipamentos acessrios.................................................................................28 Equipamentos de segurana............................................................................29 Legislao.............................................................................................................30

Referncias Bibliogrficas.......................................................................................31

Arborizao Urbana

IntroduoA urbanizao da cidade de Aruj deve levar em considerao todos os aspectos possveis, para que se possa evitar ao mximo os problemas futuros, da mesma forma que deve proporcionar ao mximo a qualidade de vida de seus habitantes. Um dos critrios que deve estar presente em um planejamento urbano a arborizao das vias, reas verdes pblicas e novos loteamentos, pois os benefcios proporcionados pela presena de rvores em uma cidade, tais como captao de materiais particulados em suspenso, sombreamento e conforto trmico, alm de outros, j amplamente documentado. Porm, os problemas futuros em relao a esta mesma atividade ainda esto presentes por no seguirem recomendaes necessrias para uma boa execuo do projeto previsto. Com o intuito de elaborar um conjunto de tcnicas evitando transtornos a longo prazo e intervenes posteriores, este manual apresenta diretrizes para a formulao e implantao de um projeto de arborizao urbana de maior qualidade para o municpio de Aruj e todos os cidados. Todos os dados presentes neste material devem ser atualizados com as novas tcnicas e observaes que iro surgir com o resultado de novas pesquisas. Portanto, este manual uma base para novos estudos e aplicaes, mas no deve ser considerado esttico e inaltervel.

Aspectos fundamentais da arborizao urbanaQualquer projeto de arborizao deve respeitar os valores culturais, ambientais e histricos do municpio. Conjuntamente, deve proporcionar conforto para as moradias, abrigo e alimento para fauna, compatibilidade florstica com a vegetao remanescente, diversidade biolgica, diminuio da poluio (sonora e atmosfrica), condies de permeabilidade do solo e valorizao da paisagem urbana. Para que no haja nenhum conflito futuro de rvore implantada em via pblica, deve-se considerar os seguintes critrios antes da elaborao do projeto:

Consultar os rgos pblicos do municpio pelo licenciamento de obras e instalaes de equipamentos em vias pblicas: Prefeitura Municipal de Aruj Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente Secretaria de Obras e Servios Pblicos Elektro e Sabesp Levantar a situao existente dos logradouros envolvidos, incluindo informaes como a qualidade (espcies) da vegetao rborea, caractersticas da via (expressa, local, secundria, principal), as instalaes, equipamentos e mobilirios urbanos subterrneos e areos (como rede de gua, de esgoto, de eletricidade, cabos, fibras ticas, telefones pblicos, placas de sinalizao viria/trnsito entre outros), e o recuo das edificaes.

Estas so observaes indispensveis em um projeto que tem como intuito mitigar ao mximo intervenes corretivas a longo prazo.

Parmetros para a arborizao de vias pblicasCalamento (passeio pblico): Para evitar prejuzos e transtornos, o plantio de rvores deve ser feito apenas em caladas (passeios) com largura mnima de 2,40 m em locais onde no obrigatrio o recuo das edificaes, e de 1,50 m nos locais onde esse recuo for obrigatrio.

Em calamentos com largura igual ou superior a 1,50 m e inferior a 2,00 m, recomenda-se o plantio de rvores de pequeno porte. Em calamentos com largura igual ou superior a 2,00 m e inferior a 2,40 m, podero ser plantadas rvores de pequeno e mdio porte com altura at 8,00 m. Em calamentos com largura igual ou superior a 2,40 m podero ser plantadas rvores de pequeno, mdio ou grande porte, com altura at 12,00 m.

Obs: No recomendvel o plantio de rvores em calamentos com largura inferior a 1,50 m e sob rede eltrica.

As rvores plantadas devero ter o entorno permevel, seja na forma de canteiro, faixa ou piso drenante, permitindo a infiltrao de gua e aerao do solo. As dimenses desta rea permevel, quando a largura do calamento permitir, devero ser de 2,0 m para rvores de copa com dimetro mdio de 4,0m e de 3,0 m para rvores de copa com dimetro em torno de 8,0m. Obs: A largura mnima do calamento para o trnsito de pedestres dever ser de 1,20m (NBR 9050/04).

Ilustrao 1: Imagem retirada do "Manual Tcnico de Arborizao Urbana" - So Paulo.

Posicionamento da rvore: As rvores devero ser plantadas de forma que suas copas no venham a interferir no cone de luz projetado pelas luminrias pblicas.

O posicionamento da rvore nos calamentos com largura igual ou superior 1,50m e inferior 2,40m dever estar uma distncia de 0,30cm, sendo esta a medida entre o eixo central do tronco e o meio fio (guia do calamento). O posicionamento da rvore nos calamentos com largura igual ou superior 2,40 dever estar uma distncia de 0,60cm, sendo esta a medida entre o eixo central do tronco e o meio fio (guia do calamento).

Nos locais onde j existia arborizao, o projeto luminotcnico deve respeitar as rvores, adequando postes e luminrias s condies locais. Nos locais onde no existe iluminao nem arborizao, dever ser elaborado, pelos rgos envolvidos, projeto integrado.

O distanciamento do local do plantio (cova) e dos diversos elementos presentes em vias pblicas deve obedecer seguinte tabela:

Caractersticas Mximas da Espcie Distncia mnima em relao : Pequeno porte 5,0m (1) 3,0m (3) 1,0m 1,0m 1,0m 2,0m 1,0m 2,0m 2,40m 1,0m 5,0m 5,0m (4) Mdio porte 5,0m (1) 4,0m (3) 2,0m 1,0m 3,0m 2,0m 1,0m 2,0m 2,40m 2,0m 8,0m 8,0m (4) Grande porte 5,0m (1) e (2) 5,0m e (2) (3) 3,0m 1,0m 3,0m 3,0m 1,0m 3,0m 3,0m 1,5R (5) 12,0m 12,0m (4)

Esquina Iluminao pblica Postes Placas de identificao e sinalizao Equipamentos de segurana (hidrantes) Instalaes subterrneas (gs, gua, energia.) Ramais de ligaes subterrneas Mobilirio urbano (bancas, cabines, guaritas, telefones) Galerias Caixas de inspeo (boca-de-lobo, bueiros, etc.) Fachadas de edificao Guia rebaixada, grgula, borda de faixa de pedestre Transformadores Espcies arbreas

Tabela 1: Tabela retirada do "Manual Tcnico de Arborizao Urbana" - So Paulo. (1) - Evitar interferncias com cone de iluminao; (2) - A copa da rvore dever ser conduzida acima da iluminao pblica; (3) - A viso dos usurios no deve ser obstruda; (4) - Caso as espcies arbreas sejam diferentes pode ser adotada a mdia aritmtica; (5) - Uma vez e meia o raio da circunferncia da base do tronco da rvore quando adulta.

Definio das espcies: Dependendo dos tpicos apresentados acima e levando em considerao todas as recomendaes citadas anteriormente, pode-se definir quais espcies so mais indicadas para determinada situao. So caracterizadas como:

rvores nativas ou exticas de pequeno porte (at 6,0m de altura) ou arbustivas conduzidas. rvores nativas ou exticas de mdio porte (6 a 10m de altura). rvores nativas ou exticas de grande porte (mais de 10m de altura).

As espcies devem produzir frutos pequenos, no apresentar princpios txicos, ter sistema radicular que no prejudique o calamento e no ter espinhos. aconselhvel, evitar espcies que tornem necessria a poda frequente, que apresentem caule frgil ou sejam suscetveis ao ataque de patgenos e/ou parasitas. Espcies que produzem frutos comestveis pelo homem ou que se encontram em experimentao devem ser utilizadas apenas em projeto de pesquisa especfico, sendo estas monitoradas e acompanhadas pelos autores e desenvolvedores do estudo. As mudas destinadas ao plantio em vias pblicas devero obedecer s seguintes caractersticas mnimas:

Altura: 2,5m D.A.P. (dimetro a altura do peito): 3 cm Altura da primeira bifurcao: 1,80 m Ter boa qualidade fitossanitria. Ter sistema radicular bem formado e consolidado nas embalagens. Ter copa formada por 3 (trs) pernadas (ramos) alternadas. O volume do torro, na embalagem, dever conter de 15 a 20 litros de substrato. Embalagem de plstico, tecido de aniagem ou jac de fibra vegetal.

Ilustrao 2: Imagem retirada do "Manual Tcnico de Arborizao Urbana" - So Paulo.

Parmetros para a arborizao de reas livres pblicasreas livres pblicas so praas, reas remanescentes de desapropriao, parques e demais reas verdes destinadas a utilizao da populao em geral. O distanciamento do local do plantio (cova) e dos diversos elementos presentes em vias pblicas deve obedecer seguinte tabela: Distncia mnima (m) para rvores de: Pequeno porte Instalaes subterrneas (gs, gua, energia, etc.) Mobilirio urbano (bancas, cabines, guaritas, telefones) Galerias Caixas de inspeo Guia rebaixada, faixas de travessia Transformadores Vias pblicas 1,0 Mdio porte Grande porte

1,0

1,0

2,0 1,0 2,0 1,0 5,0 -

2,0 1,0 2,0 2,0 8,0 -

3,0 1,0 3,0 3,0 12,0 5,0

Tabela 2: Tabela retirada do "Manual Tcnico de Arborizao Urbana" - So Paulo. (1) - Evitar interferncias com cone de iluminao; (2) - A copa da rvore dever ser conduzida acima da iluminao pblica; (3) - A viso dos usurios no deve ser obstruda; (4) - Caso as espcies arbreas sejam diferentes pode ser adotada a mdia aritmtica; (5) - Uma vez e meia o raio da circunferncia da base do tronco da rvore quando adulta. Quanto ao posicionamento das rvores em reas livres pblicas, deve ser considerado o distanciamento das edificaes vizinhas tomando como referncia o dimetro da copa da rvore e seu local de plantio (cova). Quanto a definio das espcies devem ser considerados o local do plantio assim como a interao desejada entre a rvore e a populao. Este aspecto depende da qualidade da rea livre pblica. As reas de lazer de um parque, por exemplo, podem receber rvores frutferas para consumo humano, assim como espcies odorferas para formao de um bosque dos sentidos, isso depende da inteno de determinada rea.

Procedimentos para o plantioPreparo do local: As dimenses mnimas da cova devem ser de 0,60m x 0,60m x 0,60m (0,216m). Esta deve receber, com folga, o torro, sendo seu espao excedente preenchido com substrato adubado, livre de patgenos e com pH estabilizado atravs da aplicao de calcrio. Caso o substrato retirado do interior da cova apresentar caractersticas que lhe conferem boa qualidade, este deve ser aproveitado para o preenchimento da mesma. Caso as dimenses do calamento no permitirem a formao dos canteiros permeveis, como citado anteriormente, deve ser mantida rea permevel de, no mnimo, 0,60m de dimetro ao redor da muda. Plantio da muda em local definitivo: A muda deve ser retirada da embalagem com cuidado, para no prejudicar o seu sistema radicular, e apenas no momento do plantio. A regio de transio entre caule e raiz (colo) da muda deve ficar no nvel da superfcie do solo. Tutores: As mudas deve ser aparada por tutor, quando necessrio, fixando-se a ele por amarrio de sisal ou similar, em forma de oito deitado, permitindo certa mobilidade. Estes no devem prejudicar o torro, portanto, devem ser fincados no fundo da cova ao lado do torro. O tutor deve ter no mnimo 2,30m de sua poro area e 0,60m na cova.

Ilustrao 3: Imagem retirada do "Manual Tcnico de Arborizao Urbana" - So Paulo. Obs: Muda com altura superior a 4,00m devem ser amparadas por 3 (trs) tutores.

Protetores: Estes so indispensveis em reas urbanas, principalmente em locais com grande trnsito de pedestres, e devem atender as seguintes especificaes: A altura mnima, acima do nvel do solo, de 1,60m. A rea interna deve permitir inscrever um crculo com dimetro maior ou igual a 0,38m. As laterais devem permitir os tratos culturais. Os protetores devem permanecer, no mnimo, por 2 (dois) anos, sendo conservado em perfeitas condies. Projetos de veiculao de propaganda nos protetores devem ser submetidos apreciao dos rgos competentes.

Manejo: Aps o plantio inicia-se o perodo de manuteno e conservao, quando dever se cuidar da irrigao, das adubaes de restituio, das podas, da manuteno da permeabilidade dos canteiros ou faixas, de tratamento fitossanitrio e, por fim, e se necessrio, da renovao do plantio, seja em razo de acidentes ou maus tratos. As podas devero ser realizadas da seguinte forma: Poda de formao: retirada de ramos laterais ou ladres da muda. Poda de limpeza: remoo de galhos secos ou doentes.

Irrigao: A vegetao deve ser irrigada logo aps o plantio e nos perodos de estiagem, quando necessrio, por este motivo, torna-se recomendvel o plantio de mudas durante o perodo de chuvas (de setembro a maro). Tratamento fitossanitrio: O tratamento fitossanitrio dever ser efetuado sempre que necessrio, de acordo com o diagnstico tcnico e orientado pela legislao vigente sobre o assunto. Fatores estticos: No se recomenda, em nenhuma circunstncia, a caiao ou pintura das rvores. proibida a fixao de publicidade em rvores, pois alm de ser antiesttica, tal prtica prejudica a vegetao, conforme define a legislao vigente. No caso do uso de placas de identificao de mudas de rvores, essas devero ser amarradas com material extensvel, em altura acessvel leitura, devendo ser substituda conforme necessrio. No se recomenda, sob o ponto de vista fitossanitrio, a utilizao de enfeites e iluminao, como por ocasio de festas natalinas. Recomendando-se, porm, enquanto no regulamentado, que quando dessa prtica, sejam tomados os devidos cuidados para evitar ferimentos rvore, bem como imediata remoo desses ao trmino dos festejos.

Listagem de Espcies

Listagem das espcies de pequeno porte indicadas para plantio no municpio de Aruj.DAP potencial (cm) Florao poca Set Nov Out Nov Out Dez Jul Set Cor Frutificao Porte (M) poca Tipo Frutos atraem avifauna, muito ornamental. Frutos atraem avifauna. Muito ornamental, em perigo de extino. Muito ornamental. Observaes

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

Annonaceae

Xylopia aromatica (Lam.) Mart. Peschiera fuchsiaefolia (A. DC.) Miers

Pimenta-demacaco. Leiteiro.

MC; CER FOD; FES; RES; MC; CER FOD; FES.

25

Branca

Cpsula Abr Jul deiscente aromtica Mai Jun Ago Set Set- Nov Cpsula deiscente Estipitado deiscente Aqunio Cpsula globosa deiscente Cpsula ovoide deiscente Vagem

46

Apocynaceae

30

Branca

46

Apocynaceae Compositae (Asteraceae)

Aspidosperma riedelli Mll. Guatambuzinho Arg. Stifftia crysantha Mikan Diadema.

25

Branca

46

FOD FOD; FOM; FES; RES; MC; MP; FED FOD; FES; RES; MC; MP; CER FOD; RES

25

Amarela

35

Euphorbiaceae

Sebastiania brasiliensis Spreng.

Branquinho.

20

Out Fev Jun Ago Jun Set Ago Nov Dez Jan Dez Mar

Amarelo

Fev Mai Set Nov Ago Nov Jan Fev Fev Mar Jun Out

45

Muito ornamental.

Flacourtiaceae LeguminosaePapilionoideae (Fabaceae) Myrtaceae

Casearia sylvestris Sw.

Guaatonga.

30

Branca

46

Frutos atraem avifauna. Apresenta espinhos, flores atraem pssaros, caduciflia. Frutos atraem avifauna e so comestveis. Frutos atraem avifauna e so comestveis, flores melferas. Frutos atraem avifauna e so comestveis, flores melferas.

Erythrina speciosa Andrews Campomanesia phaea (O. Berg) Landrum Eugenia glazioviana Kiaersk.

Suin.

30

Vermelha

4

Cambuci.

FOD; RES.

30

Branca

Baga glabra Baga globosa Baga globosa

35

Myrtaceae

Guamirim.

FES. FOD; FOM; FES; RES; MC.

30

Branca

46

Myrtaceae

Gomidesia affinis (Cambess.) D. Legrand

Aperta-goela.

30

Branca

46

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Ago Set Jun Dez Ago -Set Jul Ago Dez Mar Set Nov Ago Out Ago Nov Cor

Frutificao Porte (M) poca Set Out Set Mar Mai Jun Set Out Jun Ago Mar -Abr Out Jan OutNov Tipo Drupa subglobosa Baga globosa Drupa globosa Cpsula deiscente Cpsula lenhosa deiscente Cpsula Drupa globosa Aqunio Frutos atraem avifauna e so comestveis, pioneira rstica. Frutos atraem avifauna e so comestveis. Frutos atraem avifauna. Muito ornamental. Observaes

Myrtaceae

Hexachlamys edulis (O. Berg) Kausel & D. Legrand Psidium catlleianum Sabine Psidium rufum DC. Coutarea hexandra (Jacq.) K. Schum. Galipea jasminiflora (A. St.-Hill.) Engl. Metrodorea nigra A. St. Hil. Daphnopsis brasiliensis Mart. & Zucc. Aloysia virgata (Ruiz & Pav.) Juss.

Pssego-domato.

FOD; FES.

30

Creme

46

Myrtaceae

Araazeiro.

FOD; RES

25

Creme

36

Myrtaceae

Ara-roxo.

FOD; FES. FOD; FES; MC. FOD; FES; MC. FOD; FES; FED; MP; MC FOD FOD; FES; FED; CER; MC.

30

Branca Brancaarroxeada Branca Rosa escuro Creme

45

Rubiaceae

Quineira.

25

45

Rutacea

Guamixinga. Caputunapreta. Embirabranca. Lixeira.

25

46

Muito ornamental. Sementes atraem avifauna, crescimento lento. Frutos atraem avifauna, rpido crescimento. Folhas odorferas, flores melferas.

Rutacea

30

45

Thymeliaceae

25

46

Verbenaceae

20

Branca

46

Legenda: FOD Floresta Ombrfila Densa; FOM Floresta Ombrfila Montana; FES Floresta Estacional Semidecidual; FED Floresta Estacional Decidual; RES Restinga; MC Mata Ciliar; MP Mata Paludosa; CER - Cerrado.

Listagem das espcies de mdio porte indicadas para plantio no municpio de Aruj.Nome popular DAP potencial (cm) Florao poca Set Jan Set Out Out Nov Out Mar Out Dez Ago Set Ago Set Jul Ago Jul Set Out Fev Cor Frutificao Porte (M) poca Jan Jul Jan Abr Set Out Dez Mai Jan Mar Fev Mar Set Out Set Out Set Out Set Out Tipo Drupa globosa Drupa subglobosa Cpsula deiscente Bagadrupa globosa Baga globosa Cpsula deiscente Cpsula cilndrica deiscente Cpsula deiscente Aqunio Drupa globosa Folhas fortemente aromticas, flores melferas, atrai avifauna. Frutos comestveis e atrativos avifauna. Frutos atraem avifauna. Folhas aromticas, muito ornamental. Folhas aromticas, frutos atraem avifauna. Muito ornamental Caduciflia, muito ornamental Muito ornamental Flores melferas, muito ornamental. Frutos atraem avifauna, muito ornamental. Observaes

Famlia

Nome cientfico

Origem

Anacardiaceae

Schinus terebinthifolia Raddi Rollinia sylvatica (A. St.Hill.) Mart. Xylopia sericea A. St.-Hill.

Aroeiravermelha. Araticum-domato. Pindabavermelha. Congonhamida. Erva-mate.

FOD; FES; CER; RES; MC; MP. FOD; FES; MC; MP. FOD; FES; RES; MC. FOD; FOM; FES; RES. FOD; FOM; FES; CER; MC. FOD; FOM; FES; RES. FOD; FES.

60

Branca

5 10

Annonnaceae

40

Branca

68

Annonnaceae

35

Branca

68

Aquifoliaceae

Ilex dumosa Reissek Ilex paraguariensis A. St.Hill. Jacaranda puberula Cham. Tabebuia chrysotricha (Mart. ex A.DC.) Standl. Spirotheca passifloroides Cuatrec. Cordia glabrata (Mart.) DC. Cordia superba Cham.

45

Branca

49

Aquifoliaceae

40

Branca

48

Bignoniaceae

Carobinha. Ip-amarelocascudo. Mata-paude-espinho. Claraba. Babosabranca.

40

Roxa

47

Bignoniaceae

40

Amarela

4 10

Bombacaceae

FOD.

30

Vermelha

69

Boraginaceae

FOD. FOD; FES; MC.

40

Branca

8 10

Boraginaceae

30

Branca

7 10

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Set Out Dez Mar Set Out Ago Out Out Dez Jan Abr Jan Mar Jul Ago Ago Set Ago Set Cor

Frutificao Porte (M) poca Tipo Frutos atraem avifauna e pequenos mamferos. Muito ornamental Observaes

Cecropiaceae

Cecropia pachystachya Trcul

Embaba

FOD; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; FOM;FES; RES; MP. FOD; FES. FOD; FOM; FES; CER; MP. FOD; FES; CER; MP; MC. FOD; FES; CER. FOD; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; FOM; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; CER; MP. FOD; FES; RES.

25

Branca

Jun Jul Infrutescncia Cpsula subglobosa deiscente Cpsula deiscente Drupa elipsoide glabra Cpsula deiscente Cpsula deiscente Cpsula globosa deiscente Cpsula globosa deiscente Cpsula globosa deiscente Drupa ovalada

47

Clethraceae

Clethra scabra Pers. Connarus regnellii G. Schellenb. Erythroxylum deciduum A. St.-Hil. Croton forlibundus Spreng. Mabea fistulifera Mart.

Guaper. Camboatda-serra Coco.

25

Branca

Mai Jul Ago Set Out Jan Jan Fev Set Out Out Jan Out Nov Set Out Dez Fev

48

Connaraceae

40

Amarela

47

Atrai avifauna. Frutos atraem avifauna, muito ornamental Flores melferas.

Erythroxylaceae

35

Branca

48

Euphorbiaceae

Capixingui

30

Branca

6 10

Euphorbiaceae

Canudeiro.

30

Vermelha

48

Muito ornamental. Frutos atraem avifauna, muito ornamental. Frutos atraem avifauna. Frutos atraem avifauna. Frutos comestveis,atrai avifauna.

Euphorbiaceae

Pera glabrata (Schott) Tamanqueira Baill. . Casearia decandra Jacq. Casearia lasiophylla Eichler Rheedia gardneriana Planch. & Triana Cafezeiro-domato.

50

Amarela

8 10

Flacourtiaceae

40

Amarela

4 10

Flacourtiaceae Guttiferae (Clusiaceae)

Cambro

25

Branca

48

Bacupari.

25

Branca

57

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Nov Dez Ago Out Jan Mar Set Nov Ago Set Out Jan Nov Jan Dez Abr Dez Abr Ago Nov Cor Branc a Branc a

Frutificao Porte (M) poca Mar Mai Dez Fev Tipo Baga esfrica glabra Baga esfrica glabra Baga elipsoide glabra Baga elipsoide Baga esfrica glabra Vagem deiscente Vagem cilndrica lenhosa Vagem cilndrica lenhosa Vagem deiscente Frutos atraem avifauna. Frutos atraem avifauna, muito ornamental Frutos atraem avifauna. Frutos atraem avifauna, casca aromtica, muito ornamental. Frutos atraem avifauna, muito ornamental. Muito ornamental. Observaes

Guttiferae (Clusiaceae) Lauraceae

Vismia brasiliensis Choisy Pau-de-lacre. Cinnamomum stenophyllum (Meisn.) Karst. Endlicheria paniculata (Spreng.) J.F. Macbr Canelavassoura. Canela-frade

FOD.

50

6 10

FOD; FES. FOD; FOM; FES; RES; MC; MP. FOD; CER; MP. FOD; FES; MC. FOD; FES; MC. FOD; FES. FOD; FES; CER. FOD; FES; FED; RES; MC. FOD; FES; MC.

40

58

Lauraceae

50

Branc Mai Jul a Branc a Branc a Branc a Jan Fev Jan Mar Jul Ago

5 10

Lauraceae

Nectandra nitidula Nees

Canela-domato. Canelasassafrs-docampo. Pata-devaca. Falsobarbatimo. Aleluia.

30

48

Lauraceae LeguminosaeCaesalpinoidea e LeguminosaeCaesalpinoidea e leguminosaeCaesalpinoidea e leguminosaeCaesalpinoidea e LeguminosaeMimosoideae

Ocotea elegans Mez

40

48

Bauhinia fortificata Link

40

59

Cassia leptophylla Vogel Senna macranthera (DC. ex Collard.) H. S. Irwin & Barneby Senna multijuga (Rich.) H. S. Irwin & Barneby Inga vera Willd. Subsp. Affinis (DC.) T.D. Penn.

40

Amare Jun Jul la Amare la Amare la Branc a Jul Ago Abr Jun Dez Fev

8 10

Muito ornamental.

30

68

Muito ornamental

Pau-cigarra. Ing-dobrejo.

40

6 10

Muito ornamental Frutos comestveis e atrativos avifauna.

30

Vagem cilndrica 5 10 indeiscente

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potenci al (cm)

Florao poca Dez Jan Set Dez Set Jan Mar Abr Jun Jul Fev Mar Out Nov Ago Set Out Nov Set Nov Cor

Frutificao Porte (M) poca Mai Jun Jan Fev Jan Mar Nov Fev Out Dez Ago Out Mar Mai Dez Jan Mar Mai Out Dez Tipo Vagem deiscente Vagem deiscente Smara alada Cpsula elptica deiscente Drupa globosa Baga globosa glabra Baga subglobos a Baga globosa glabra Baga subglobos a Drupa piriforme glabra Observaes

Leguminosae- Deguelia hatschbachii Az.Papilionoideae Tozzi LeguminosaePapilionoideae LeguminosaePapilionoideae Meliaceae Erythrina crista-galli L. Machaerium hirtum (Vell.) Stellfeld Trichilia silvatica C. DC.

Embireira. Crista-degalo. Barreiro. Catigubranco. Capororocabranca. Guamirimfacho. Ara-domato. Pitangapreta. Guamirim. Cerejeira-domato.

FOD. FOD; FES; MC. FOD; FES; FED. FOD; FES; RES. FOD; FOM; FES; MC. FOD; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; FOM; FES; CER; MC. FOD; FED; FES; CER; MP; MC. FOD; FOM; FES; CER; MC. FOD; FOM; FES; MC.

30

Rosa

48

Muito ornamental

40

Rosa

6 10

Muito ornamental

40

Rosa

48

Muito ornamental

40

Branca Amarel a Branca

4 10

Muito ornamental

Myrsinaceae

Rapanea gardneriana Mez Calypthrantes concinna DC. Campomanesia guazumifolia (Cambess.) O. Berg Eugenia florida DC. Eugenia glazioviana Kiaersk. Eugenia involucrata DC.

30

48

Frutos atraem avifauna. Frutos atraem avifauna, muito ornamental Frutos atraem avifauna e so comestveis Frutos atraem avifauna, muito ornamental Frutos atraem avifauna e so comestveis Frutos comestveis e atrativos avifauna, muito ornamental.

Myrtaceae

30

48

Myrtaceae

30

Branca

6 10

Myrtaceae

35

Branca

59

Myrtaceae

30

Branca

6 10

Myrtaceae

40

Branca

58

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Out Dez Set Nov Jan Mar Fev Abr Nov Jan Set Nov Set Nov Set Out Dez Jan Cor

Frutificao Porte (M) poca Dez Jan Jan Mar Abr Jun Jul Ago Jun Ago Nov Dez Fev Mar Ago Out Fev Abr Tipo Baga globosa achatada Drupa globosa Baga ovalada glabra Cpsula deiscente Cpsula globosa deiscente Drupa globosa Baga globosa glabra Drupa globosa glabra Drupa esfrica Frutos comestveis e atrativos avifauna. Frutos atraem avifauna, muito ornamental Frutos atraem avifauna, muito ornamental, flores melferas. Muito ornamental Observaes

Myrtaceae

Plinia edulis (Vell.) Sobral Guettarda viburnoides Cham. & Schltdl. Ixora gardneriana Benth. Dictyoloma vandellianum A. Juss. Esenbeckia grandiflora Mart. Allophylus edulis A.St.Hil., Cambess. & A. Juss.) Raldk. Solanum pseudo-quina A. St.-Hil. Styrax camporum Pohl Aegiphila sellowiana Cham.

Cambuca. Veludobranco. xora-arbrea

FOD; RES. FOD; FES; CER; MC. FOD; FES; CER; MC. FOD; FOM; RES. FOD; FES; RES; MC; MP. FOD; FOM; FES; MP; MC; CER FOD; FOM; FES; RES; MC. FOD; FES; CER; MC; MP. FOD; FES; RES; MC; MP; CER

40

Branca

5 10

Rubiaceae

25

Branca

47

Rubiaceae

30

Branca

58

Rutacea

Tingui-preto.

30

Branca

47

Rutacea

Guaxupita.

30

Branca

47

Muito ornamental Atrai avifauna, flores melferas Frutos atraem avifauna, casca aromtica, flores melferas.

Sapindaceae

Chal-chal. Quina-deso-paulo. Benjoeiro.

30

Creme

6 10

Solanaceae

30

Branca

47

Styracaceae

40

Branca

6 10 Frutos atraem avifauna.

Verbenaceae

Tamanqueiro.

30

Branca

47

Atrai avifauna

Legenda: FOD Floresta Ombrfila Densa; FOM Floresta Ombrfila Montana; FES Floresta Estacional Semidecidual; FED Floresta Estacional Decidual; RES Restinga; MC Mata Ciliar; MP Mata Paludosa; CER - Cerrado.

Listagem das espcies de grande porte indicadas para plantio no municpio de Aruj.Nome popular DAP potencial (cm) Florao poca Ago Set Nov Jan Out Nov Out Dez Cor Frutificao Porte (M) poca Out Nov Set Nov Ago Set Jul Set Out Nov Ago Set Set Out Jul Set Nov Fev Tipo 15 25 10 30 20 30 10 25 15 25 15 30 15 25 20 30 15 25 Observaes

Famlia

Nome cientfico

Origem

Anacardiaceae

Astronium graveolens Jacq. Xylopia brasiliensis Spreng.

Guarit.

FOD; FES; FED; MC. FOD; FES; RES; MC. FOD; FES; FED; MC. FOD; FES; CER; MC. FOD; FES; MC. FOD; FED; FES; MC; MP. FOD; FED; FES; RES; MC; MP. FOD; FES; CER; MC. FOD.

60

Amarela

Aqunio Cpsula deiscente Cpsula deiscente Cpsula deiscente Cpsula cilndrica deiscente Cpsula ovoide deiscente Cpsula cilndrica deiscente Aqunio

Muito ornamental. Folhas aromticas, frutos atraem avifauna, muito ornamental. Muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental.

Annonnaceae

Pindaubuna.

60

Rosa

Apocynaceae

Aspidosperma polyneuron Peroba-rosa. Mll. Arg. Jacaranda micrantha Cham. Tabebuia vellosoi Toledo Chorisia speciosa A. St.Hil. Pseudobombax grandiflorum (Cav.) A. Robyns Cordia trichotoma (Vell.) Arrb. Ex steud. Piptocarpha angustifolia Dusn ex Malme Caroba. Ip-amareloda-cascalisa. Paineirarosa. Embiruu.

90

Branca

Bignoniaceae

60

Rosa

Bignoniaceae

70

Jul Set Amarela Dez Abr Jun Set Abr Jul Out Jan

Muito ornamental.

Bombacaceae

120

Rosa

Muito ornamental.

Bombacaceae

80

Branca

Muito ornamental.

Boraginaceae Compositae (Asteraceae)

Louro-pardo. Vassourobranco.

90

Branca

Muito ornamental.

40

Rosa

Aqunio

Muito ornamental.

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Out Nov Set Nov Set Dez Dez Jan Nov Jan Out Dez Dez Fev Set Out Jan Fev Ago Set Cor

Frutificao Porte (M) poca Dez Jan Abr Jun Jan Mar Jun Ago Mai Jul Jul Set Ago Set Ago Set Jun Jul Tipo Cpsula deiscente Drupa globosa Drupa elipsoide Drupa elipsoide ou globosa Drupa elipsoide ou globosa Pixidio elipsoide Pixidio elipsoide Pixdio ovoide Vagem achatada indeiscente Smara deiscente 15 30 20 30 15 25 25 30 20 30 35 45 30 50 20 30 20 25 20 30 Frutos atraem avifauna. Frutos atraem avifauna, ameaada de extino. Frutos atraem avifauna, muito ornamental. Muito ornamental. Frutos atraem avifauna. Flores aromticas, muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental, Frutos grandes e lenhosos. Muito ornamental. Muito ornamental, galhos suscetveis a queda. Observaes

Euphorbiaceae

Alchornea triplinervia (Spreng.) Mll. Arg. Calophyllum brasiliensis Cambess. Nectandra lanceolata Nees & Mart. ex Nees Ocotea catharinensis

Tapi.

Guttiferae (Clusiaceae) Lauraceae

Guanandi. Canelaamarela Canelacoqueiro. Canelalangeana. Jequitibbranco Jequitibrosa Sapucaia

FOD; FOM; FES; RES; CER; MP; MC. FOD; FES; RES; MC; MP. FOD; FOM; FES; MC; MP. FOD; FES. FOD; FOM; FES; RES; CER; MC. FOD; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; FES; MC. FOD.

100

Verde

60

Branca

80

Branca

Lauraceae

90

Branca

Lauraceae

Ocotea pulchella Mart. Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze Cariniana legalis (Mart.) Kuntze Lecythis pisonis Cambess.

80

Amarela

Lecythidaceae

120

Branca

Lecythidaceae

100

Branca

Lecythidaceae

90

Roxa

LeguminosaeTachigali multijuga Benth. Caesalpinoideae LeguminosaeCaesalpinoideae Schizolobium parahyba (Vell.) S.F. Blake

Ing-bravo.

FOD; FES. FOD; FES; RES; MC.

60

Creme

Guapuruvu.

80

Amarela Abr Jul

Famlia

Nome cientfico

Nome popular

Origem

DAP potencial (cm)

Florao poca Set Nov Nov Jan Jun Nov Out Dez Jun Ago Set Out Ago Set Dez Fev Abr Mai Cor

Frutificao Porte (M) poca Jun Jul Jun Jul Set Nov Ago Set Set Nov Ago Nov Jul Ago Mai Jul Ago Set Tipo Cpsula indeiscente Vagem achatada deiscente Vagem deiscente Smara Cpsula deiscente Cpsula globosa deiscente Cpsula deiscente Cpsula deiscente Cpsula glabra deiscente 20 35 20 30 20 30 20 30 15 25 20 30 20 35 25 35 14 24 Observaes

LeguminosaeMimosoideae LeguminosaeMimosoideae LeguminosaePapilionoideae LeguminosaePapilionoideae Lythraceae

Enterolobium contortisiliquum (Vell.) Morong Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan Erythrina falcata Benth. Machaerium villosum Vogel Lafoensia glyptocarpa Koehne Cabralea canjerana (Vell.) Mart.

Orelha-denegro. Angico-damata. Corticeirada-serra. Jacarandpaulista. Mirindibarosa.

FOD; FES; MC. FOD; FED; FES; MC. FOD; FOM; FES; MC; MP. FOD; FED; FES; CER; MC. FOD; FES. FOD;FOM; FES; RES; CER; MC; MP. FOD; FOM; FES; CER; MC; MP. FOD; FES; MP. FOD; FES.

160

Branca

Muito ornamental. Flores melferas, muito ornamental. Flores atraem psitacdeos, muito ornamental. Muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental.

110

Amarela

90

Vermelha

80

Branca

60

Amarela

Meliaceae

Canjerana.

120

Branca

Muito ornamental.

Meliaceae

Cedrela fissilis Vell.

Cedro. Cedro-dobrejo. Pau-novo

100

Rosa

Muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental, ameaada de extino. Muito ornamental.

Meliaceae

Cedrela odorata L. Vochysia magnifica Warm.

150

Branca

Vochysiaceae

80

Amarela

Legenda: FOD Floresta Ombrfila Densa; FOM Floresta Ombrfila Montana; FES Floresta Estacional Semidecidual; FED Floresta Estacional Decidual; RES Restinga; MC Mata Ciliar; MP Mata Paludosa; CER - Cerrado.

Procedimentos de PodaIntroduoOs procedimentos de poda de rvores devem ser realizados quando extremamente necessrio, j que tal atividade uma agresso a estes indivduos vegetais, que j despendem energia para adaptarem-se a um ambiente completamente adverso. Para tanto, tais aes devem respeitar alguns passos que devem ser tecnicamente avaliados um a um, para que possam evitar resultados indesejveis, como a morte do indivduo rboreo e os transtornos que tal situao pode acarretar. O primeiro fator que deve ser levado em considerao, baseia-se no princpio da preveno. A melhor forma de atender a esta exigncia se d atravs da elaborao de um projeto de arborizao que cumpra com todas as recomendaes necessrias. Desta forma, os procedimentos de poda tornam-se limitados e muitas vezes desnecessrios durante a vida da rvore. Com isso, criasse uma relao saudvel entre homem e rvore, fato pouco comum devido a sensao de que, de alguma forma, as rvores atrapalham a populao. Quando a execuo do projeto de arborizao urbana obedece aos critrios necessrios de implantao, com o decorrer do desenvolvimento da muda, d-se a segunda fase, que a de manuteno. Neste ponto, desde a muda at o indivduo adulto, os processos de poda podero ser aplicados segundo a sua necessidade. Para suprir estas necessidades, este manual apresenta tcnicas, equipamentos e mtodos para a execuo da poda de rvores em reas livres e vias pblicas, propondo recomendaes que garantam a sanidade do vegetal e reduzindo os riscos de possveis intervenes futuras, tanto do ponto de vista ambiental como do a construo civil e infraestrutura.

Aspectos relevantes para a obteno de bons resultados da poda:Assim como na medicina, em que histrico do paciente essencial para determinar quais tcnicas podero ser utilizados durante o seu tratamento, o mesmo se aplica aos procedimentos de poda. Para que seja realizada a poda de determinada rvore, d-se por necessrio o conhecimento das peculiaridades de sua espcie. Levando em considerao o comportamento fisiolgico, fenolgico, anatmico, dentre outros, pode-se inferir qual o melhor mtodo a ser empregado.

O processo de cicatrizao do caule:Durante a evoluo, todos os seres que sobrevivem seleo natural, s o fazem por apresentarem uma adaptao capaz de facilitar sua existncia frente a uma adversidade. Os vegetais, de forma geral, desenvolvem-se basicamente para obter luz, gua, dixido de carbono e nutrientes (e com isso obter energia para efetuar seu crescimento e completar seu ciclo reprodutivo). Desta forma, do ponto de vista ecolgico, todas as plantas competem por estas substncias ou formam associaes a fim de obtlas. Isto faz com que comunidades vegetais se agrupem em ambientes, onde a disponibilidade destes recursos seja abundante, e desta forma constroem Ecossistemas, que se agrupam em grandes Biomas. Portanto, neste ambiente que podemos imaginar e visualizar as reaes naturais de uma rvore em resposta a eventuais, ou constantes, aes de seu habitat. Em uma floresta, ambiente favorvel para o desenvolvimento da maioria das espcies terrestres do planeta, muitas rvores, aps centenas de anos, chegam ao fim de seu ciclo de vida caindo no solo e derrubando outros indivduos ou danificando os galhos de outras rvores. Ento natural que os galhos destes seres sejam quebrados, arrancados ou avariados, e tambm natural que ocorram processos fisiolgicos desencadeados pela planta que garantam a sobrevivncia atravs do desenvolvimento dos tecidos vegetais e formao de cicatrizes que evitam a invaso de patgenos. O entendimento deste fenmeno necessrio para a realizao de um procedimento de poda que facilite este processo de cicatrizao, fazendo com que a recuperao da planta-alvo da interveno, se recupere o mais rpido possvel. O importante do processo de cicatrizao o acompanhamento de seu desenvolvimento, constando um fechamento da regio perifrica do corte at o fechamento completo e a formao de um calo. Esta reao depende de alta produo de clulas, por isso, indicada a poda durante o desenvolvimento da muda (no ambiente do viveiro), momento em que h alta atividade mittica (produo de clulas novas), e em determinado perodo fenolgico (perodo de florao, frutificao, enfolheamento, repouso) determinado para cada espcie, como exemplificado abaixo. Obs: A fenologia varia entre as espcies e responde aos fenmenos climticos, podendo variar em determinados ambientes.

Ilustrao 4: Fenologia do gnero Tabebuia sp (para as espcies de ip-roxo, ip-rosa, ipamarelo e ip-branco)

Ilustrao 5: Fenologia da espcie Hymenae courbaril L. (jatob) e para o gnero Ficus sp (espcies de figueiras). As ilustraes acima foram retiradas do Manual Tcnico de Poda de rvores So Paulo.

Para a localizao mais adequada da insero do corte nos ramos a serem podados, deve-se observar algumas caracterstica morfolgicas que podem facilitar o procedimento de cicatrizao, como indicado nas ilustraes abaixo (Imagens retiradas do Manual Tcnico de Poda de rvores So Paulo):

Ilustrao 6: localizao das regies do colar e da crista da casca. Ilustrao 7: Parmetros tcnicos para a retirada do tronco sem que haja o "descascamento " do caule.

Ilustrao 8: Posies do terceiro corte e seus respectivos processos de cicatrizao (este deve preservar o colar e a crista da casca).

Ilustrao 9: Sequncias das reaes decorrentes do processo de cicatrizao.

Os tipos de poda:A poda de rvores realizada conforme o seu propsito e orienta como dever ser feita. Desta forma, so nomeadas as seguintes tcnicas:

Poda de Formao:

aquela realizada com o intuito de manter o caule ereto (perpendicular ao solo), atravs do corte seletivo de ramos e brotos laterais ou ladres, e a copa a uma altura que no dificulte o trnsito de pedestres e veculos, assim como sua respectiva sinalizao (placas e faris de trnsito).

Poda de Limpeza:

aquela realizada para o corte seletivo de ramos doentes, danificados ou mortos, que, por sua debilidade e risco de queda, podem colocar em perigo a integridade fsica da populao, assim como podem trazer prejuzos ao patrimnio pblico e/ou particular.

Poda de Emergncia:

aquela que visa a remoo de partes do caule, mesmo sadios, que podem trazer riscos a integridade fsica da populao, bem como do patrimnio pblico e/ou particular.

Poda de Adequao:

aquela realizada em partes do caule da rvore que comprometem as edificaes ou equipamentos urbanos. Este o tipo de procedimento menos frequente quando os projetos de arborizao urbana atendem as recomendaes tcnicas, como por exemplo, o plantio adequado das espcies em relao s dimenses do calamento. Este tipo de poda, muitas vezes solicitado devido um remodelamento do meio urbano do entorno, porm, os novos projetos de urbanizao que visam reformar determinados pontos, devem se adequar quelas rvores j existentes, e no o contrrio.

Poda de Raiz

A poda de raiz s indicada quando h a exposio das razes em espcies em que este fato no comum. Isto pode ser motivado devido compactao do solo ou pela presena de lenol fretico superficial. As recomendaes para arborizao mitigam este tipo de procedimento quando seguidos corretamente. Algumas observaes pertinentes para este mtodo: Evitar o corte de razes com dimetro superior a 10m. No eliminar razes ao redor de toda rvore. Quanto maior a quantidade de razes eliminadas, maior o comprometimento da estabilidade; O corte deve ser realizado a uma distncia mnima de 50 cm do tronco da rvore; Expor a raiz que ser cortada antes de realizar o corte; O corte de razes deve ser realizado com serra bem afiada, sendo o primeiro corte na extremidade prxima rvore e o segundo na outra extremidade; Proteger as razes e o solo do ressecamento.

Equipamentos bsicos para a podaCada instrumento utilizado na poda tem uma finalidade, garantindo um trabalho mais eficiente e seguro. Dependendo do tipo de poda, e caractersticas anatmicas do indivduo arbreo, que sero escolhidas as ferramentas mais apropriadas. Tesouras de poda: servem para cortar galhos finos, de at 15 mm de dimetro. Nas tesouras de uma lmina, devido forma de articulao, o corte feito puxando a lmina atravs do galho. J nas tesouras de duas lminas, o corte feito por cisalhamento transversal das fibras e corte. Se incorretamente posicionadas, as lminas da tesoura ao cortarem as fibras tendem a se afastar, no se completando o corte. Podo: Quando devem ser podados galhos de at 25 mm de dimetro em alturas maiores, utilizado o podo. Embora o equipamento no tenha limites de altura, recomenda-se no utilizar hastes com mais de 6 m de comprimento, j que grande esforo despendido para manusear a haste, alm do risco envolvido (contato com fiao eltrica). Serras manuais: recomendadas em galhos com dimetro de 2 a 15cm. Estas serras possuem diversas caractersticas, de acordo com seu uso: Podem ter de 6 a 2 dentes por polegada; Podem ser retas ou curvas; Podem ser rgidas ou de arco; Podem ter perfil uniforme ou trapeizodal; Podem ser de corte unidirecional ou bidirecional.

Estas caractersticas so combinadas para produzir uma ferramenta til; a) as serras curvas facilitam o corte, pois com o movimento da lmina, os dentes so forados contra a madeira. b) Para galhos menores, 6 dentes por polegada (4 mm cada dente) so o ideal. Nos galhos de 10 a 15 cm, 2 dentes por polegada (12 mm cada dente) so recomendados. c) as serras rgidas possuem lminas mais largas que as tensionadas por arcos. A largura do corte sendo maior exige maior esforo de corte que em serras finas. Como a serra de lmina larga tem dimenses menores, permite o acesso locais com menos espao (forquilhas). d) as serras de perfil uniforme necessitam de trava, ou seja, um desvio dos dentes para os lados, alternadamente, para realizar um corte com largura maior que a espessura da lmina. Caso contrrio, a frico da lmina contra as paredes do corte causa um esforo enorme, dificultando a operao. Moto-serra: para o corte de galhos com dimetros maiores deve ser utilizada moto-serra. Recomenda-se trabalhar com moto-serra apenas apoiado em plataformas elevatrias, cestos ou andaimes. Em casos extremos ou de urgncia, quando for necessrio utilizar a moto-serra apoiado em galhos, a moto-serra dever ser sustentada por corda auxiliar. Foice e machado: So recomendadas apenas para reduzir o tamanho de galhos j cortados, facilitando seu transporte. Em hiptese alguma devem ser utilizadas na poda, muito menos para o corte de galhos dentro da copa.

Equipamentos acessriosEscadas: as escadas, para atenderem s normas de segurana mnima, devem ter: Apoios ao solo antiderrapantes (borracha), com base larga; Apoio na rvore antideslizante (borracha), quando usada em encosto transversal; Comprimento total de 6 a 9m, quando totalmente estendidas Apoio na rvore nico, flexvel, quando usada em encosto longitudinal; Fixao ao tronco, normalmente por corda, para evitar o tombamento da escada.

Cordas: serve de comunicao entre o operador e o solo, para a movimentao de ferramentas por exemplo. Mas na segurana que a corda assume funes inestimveis: Segurana de galhos: amarrada ao galho a ser cortado, e passada por cima de outro galho mais alto, forte, evita que o galho caia descontroladamente, podendo o galho ser arriado aps o corte sem problemas. Segurana do operador: presa ao cinto de segurana e passada sobre um galho em ponto superior, serve para sustentar o operador em locais de difcil apoio. Neste caso um auxiliar no solo ser encarregado de manter a tenso da corda. No corte de rvores: auxilia no tombamento direcionado de rvores que possam ser retiradas inteiras. Devido dificuldade de estimar o peso da rvore que ser cortada, esta operao exige treinamento intenso, devendo-se dar preferncia aos cabos de ao com guinchos manuais bem ancorados.

Recomenda-se cordas de fibras naturais. Cordas sintticas so mais resistentes, porm possuem maior elasticidade, que podem ocasionar acidentes srios. As cordas de segurana devem apresentar de 10 a 15 mm, e 5 mm para as cordas de comunicao. Andaimes: em situaes peculiares de manuteno, ou no desmonte de uma rvore que no permita a queda livre de galhos, devem ser armados andaimes, que permitem um trabalho seguro, tanto para o operador quanto para os demais participantes da equipe. Plataformas elevatrias ou cestos: quando as operaes de manuteno so rpidas, o uso das plataformas elevatrias tem se mostrado muito eficiente. Montadas sobre caminhes ou reboques, estas plataformas montadas em braos articulados ou telescpicos de acionamento hidrulico, atingem alturas de 15 at 30m. As caractersticas mais importantes destas plataformas so: Comando hidrulico na plataforma, prova de acionamento involuntrio; Isolamento eltrico da plataforma; Espao para dois operadores; horizontalidade da plataforma a qualquer altura. No se recomendam cestos adaptados a gruas; Especial ateno com plataformas prximas a linhas de energia eltrica.

Gruas: no caso da poda de galhos mais grossos, pode ser conveniente o uso de gruas, destinadas a segurar o galho durante a operao de corte, at sua descida ao solo. O tcnico deve estimar o centro de gravidade de um galho antes do corte, para que aps o corte no tenha uma movimentao brusca em direo desconhecida.

Equipamentos de seguranaOs operadores da manuteno de rvores devem usar os equipamentos de segurana individual, para evitar acidentes, com leses s vezes graves. Os equipamentos mnimos so: Capacete com fixao no queixo e culos, para evitar a serragem nos olhos, e com protetores auriculares para os operadores de moto-serra; Luvas de couro (luvas de raspa); Sapatos com solado reforado, rgido; Cinto de segurana, com ala de comprimento varivel para troncos de dimetros diversos; Esporas: as esporas devem ser usadas apenas no desmonte de rvores condenadas.

Obs: Normalmente seu uso causa leses na casca, que posteriormente podem trazer problemas para a rvore. Em casos de emergncia, as esporas podem ser toleradas, uma vez que aumentam consideravelmente a segurana do operador em seu apoio no tronco ou em galhos. Coletes refletores: devem ser de uso obrigatrio para os operrios que trabalham no solo, principalmente em vias pblicas.

Para o isolamento da rea de trabalho so utilizados: Cavaletes; Cones de sinalizao; Cordas; Fitas plsticas em cores chamativas; Placas de sinalizao.

PrecauesQuando a poda exige a retirada de grandes volumes de galhos, tanto em quantidade como em dimenso, existe a necessidade de um planejamento mais cuidadoso. rvores localizadas em vias pblicas com grande trnsito de veculos e pedestres, precisam ser isoladas atravs do fechamento dos acessos ao local da interveno. Neste caso, o procedimento de poda, portanto, depende da comunicao prvia Secretaria de Trnsito de Aruj, que auxiliar na preveno de acidentes atravs do isolamento e sinalizao das proximidades da rea de trabalho. Outro aspecto relevante a presena e proximidade de fiao eltrica. Nesta situao, a companhia de fornecimento de energia do municpio, ELEKTRO, quem responsvel pela poda e, seguindo os preceitos bsicos de segurana do trabalho, os cabos localizados na rea de interveno so desligados temporariamente, evitando acidentes aos tcnicos.

LegislaoA Lei Orgnica do Municpio n 1.176 de 30 de maio de 1996, apresenta em seu artigo 28: proibido podar, cortar, danificar, derrubar, remover ou sacrificar rvores da arborizao pblica, sendo estes servios de atribuio exclusiva da Prefeitura, obedecidas as disposies do Cdigo Florestal Brasileiro. Portanto, qualquer rvore presente em logradouro pblico, pode apenas ser objeto de interveno atravs de anuncia do poder pblico e por equipe tcnica prpria do municpio. O cidado poder solicitar qualquer uma das atividades citadas no art. 28 da lei n 1.176/96, atravs de preenchimento do requerimento disponvel na Prefeitura Municipal de Aruj. O requerente dever atender a todas as solicitaes exigidas e protocolar o pedido junto prefeitura, que, atravs dos rgos competentes, dar a autorizao, ou no, para a realizao dos procedimentos de poda, assim como de suas tcnicas mais apropriadas. Quanto a equipe tcnica que realizar o procedimento de poda, importante observar a presena de ninhos ou criadouros de animais nos galhos a serem retirados. A inobservncia e os consequentes danos a estes, implicam na aplicao do artigo 29 da Lei Federal de Crimes Ambientais n 9.605 de 12 de fevereiro de 1998, especialmente no que dispem os incisos I e II do 1 pargrafo:

Art. 29. Matar, perseguir, caar, apanhar, utilizar espcimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratria, sem a devida permisso, licena ou autorizao da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida: Pena - deteno de seis meses a um ano, e multa. 1 Incorre nas mesmas penas: I - quem impede a procriao da fauna, sem licena, autorizao ou em desacordo com a obtida; II - quem modifica, danifica ou destri ninho, abrigo ou criadouro natural; Portanto, alm de se observar a fenologia da espcie, para que a poda seja realizada em um perodo de alta taxa metablica e, consequentemente, grande produo celular (a fim de acelerar o processo de recuperao e cicatrizao do caule), deve-se relevar a vistoria da presena de ninhos nas rvores que sofrero este tipo de manuteno, alm do conhecimento sobre as pocas de nidificao das espcies com maior ocorrncia na regio. Obs: Outras leis relacionadas ao tema podem ser encontradas no site do Departamento de Meio Ambiente da Prefeitura de Aruj

Referncias Bibliogrficas

BRASIL. Lei de crimes ambientais n 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Disponvel em: . Acesso em: 28/03/10. LORENZI, H. rvores brasileiras: manual de identificao e cultivo de plantas arbreas nativas do Brasil. 4 ed. Nova Odessa: Plantarum, vol. 1, 1992. 384 p. LORENZI, H. rvores brasileiras: manual de identificao e cultivo de plantas arbreas nativas do Brasil. 2 ed. Nova Odessa,SP: Plantarum, vol. 2, 1998. 384 p. PREFEITURA MUNICIPAL DE ARUJ. Lei municipal n. 1.176 de 30 de maio de 1996. Aruj, SP: Cmara Municipal Aruj, 1996, 16 p. REALI, D; PUENTE, A. D. Arborizao urbana e poda. Porto Alegre, RS: IEM Instituto de Estudos Municipais, 2009, 145 p. SECRETARIA DO VERDE E MEIO AMBIENTE. Manual tcnico de poda de rvores. So Paulo, 2004. 25 p. SECRETARIA DO VERDE E MEIO AMBIENTE. Manual tcnico de arborizao urbana. So Paulo, 2 ed. 2005. 45 p. SEITZ, R. A. Manual de poda de espcies arbreas florestais. Curitiba, PR: FUPEF Fundao de Pesquisas Florestais do Paran, 1995, 56 p.