Material 20130915183535enemsemana2

download Material 20130915183535enemsemana2

of 12

  • date post

    01-Nov-2015
  • Category

    Documents

  • view

    229
  • download

    0

Embed Size (px)

description

DGREG

Transcript of Material 20130915183535enemsemana2

  • INTENSIVO ENEM SEMANA 2

    1. Paleontlogos estudam fsseis e esqueletos de dinossauros para tentar explicar o desaparecimento desses animais. Esses estudos permitem afirmar que esses animais foram extintos h cerca de 65 milhes de anos. Uma teoria aceita atualmente a de que um asteroide colidiu com a Terra, formando uma densa nuvem de poeira na atmosfera. De acordo com essa teoria, a extino ocorreu em funo de modificaes no planeta que: a) desestabilizaram o relgio biolgico dos animais, causando alteraes no cdigo gentico. b) reduziram a penetrao da luz solar at a superfcie da Terra, interferindo no fluxo energtico das teias trficas. c) causaram uma srie de intoxicaes nos animais, provocando a bioacumulao de partculas de poeira nos organismos. d) resultaram na sedimentao das partculas de poeira levantada com o impacto do meteoro, provocando o desaparecimento de rios e lagos. e) evitaram a precipitao de gua at a superfcie da Terra, causando uma grande seca que impediu a retroalimentao do ciclo hidrolgico. 2. O milho transgnico produzido a partir da manipulao do milho original, com a transferncia, para este, de um gene de interesse retirado de outro organismo de espcie diferente. A caracterstica de interesse ser manifestada em decorrncia: a) do incremento do DNA a partir da duplicao do gene transferido. b) da transcrio do RNA transportador a partir do gene transferido. c) da expresso de protenas sintetizadas a partir do DNA no hibridizado. d) da sntese de carboidratos a partir da ativao do DNA do milho original. e) da traduo do RNA mensageiro sintetizado a partir do DNA recombinante. 3. Em certos locais, larvas de moscas, criadas em arroz cozido, so utilizadas como iscas para pesca. Alguns criadores, no entanto, acreditam que essas larvas surgem espontaneamente do arroz cozido, tal como preconizado pela teoria da gerao espontnea. Essa teoria comeou a ser refutada pelos cientistas ainda no sculo XVII, a partir dos estudos de Redi e Pasteur, que mostraram experimentalmente que: a) seres vivos podem ser criados em laboratrio. b) a vida se originou no planeta a partir de microrganismos. c) o ser vivo oriundo da reproduo de outro ser vivo pr-existente. d) seres vermiformes e microrganismos so evolutivamente aparentados.

    e) vermes e microrganismos so gerados pela matria existente nos cadveres e nos caldos nutritivos, respectivamente. 4. Um instituto de pesquisa norte-americano divulgou recentemente ter criado uma clula sinttica, uma bactria chamada de Mycoplasma mycoides. Os pesquisadores montaram uma sequncia de nucleotdeos, que formam o nico cromossomo dessa bactria, o qual foi introduzido em outra espcie de bactria, a Mycoplasma capricolum. Aps a introduo, o cromossomo da M. capricolum foi neutralizado e o cromossomo artificial da M. mycoides comeou a gerenciar a clula, produzindo suas protenas.

    GILBSON et al. Creation of a Bacterial Cell Controlled by a Chemically synthesized Genome. Science v. 329, 2010 (adaptado).

    A importncia dessa inovao tecnolgica para a comunidade cientfica se deve : a) possibilidade de sequenciar os genomas de bactrias para serem usados como receptoras de cromossomos artificiais. b) capacidade de criao, pela cincia, de novas formas de vida, utilizando substncias como carboidratos e lipdios. c) possibilidade de produo em massa da bactria Mycoplasma capricolum para sua distribuio em ambientes naturais. d) possibilidade de programar geneticamente microrganismos ou seres mais complexos para produzir medicamentos, vacinas e biocombustveis. e) capacidade da bactria Mycoplasma capricolum de expressar suas protenas na bactria sinttica e estas serem usadas na indstria. 5.

    A tirinha mostra que o ser humano, na busca de atender suas necessidades e de se apropriar dos espaos, a) adotou a acomodao evolucionria como forma de sobrevivncia ao se dar conta de suas deficincias impostas pelo meio ambiente. b) utilizou o conhecimento e a tcnica para criar equipamentos que lhe permitiram compensar as suas limitaes fsicas. c) levou vantagens em relao aos seres de menor estatura, por possuir um fsico bastante desenvolvido, que lhe permitia muita agilidade. d) dispensou o uso da tecnologia por ter um organismo adaptvel aos diferentes tipos de meio ambiente.

  • e) sofreu desvantagens em relao a outras espcies, por utilizar os recursos naturais como forma de se apropriar dos diferentes espaos. 6. A perda de pelos foi uma adaptao s mudanas ambientais, que foraram nossos ancestrais a deixar a vida sedentria e viajar enormes distncias procura de gua e comida. Junto com o surgimento de membros mais alongados e com a substituio de glndulas apcrinas (produtoras de suor oleoso e de lenta evaporao) por glndulas crinas (suor aquoso e de rpida evaporao), a menor quantidade de pelos teria favorecido a manuteno de uma temperatura corporal saudvel nos trpicos castigados por calor sufocante, em que viveram nossos ancestrais.

    Scientific American. Brasil, mar. 2010 (adaptado).

    De que maneira o tamanho dos membros humanos poderia estar associado regulao da temperatura corporal? a) Membros mais longos apresentam maior relao superfcie/volume, facilitando a perda de maior quantidade de calor. b) Membros mais curtos tm ossos mais espessos, que protegem vasos sanguneos contra a perda de calor. c) Membros mais curtos desenvolvem mais o panculo adiposo, sendo capazes de reter maior quantidade de calor. d) Membros mais longos possuem pele mais fina e com menos pelos, facilitando a perda de maior quantidade de calor. e) Membros mais longos tm maior massa muscular, capazes de produzir e dissipar maior quantidade de calor. 7. Alguns anfbios e rpteis so adaptados vida subterrnea. Nessa situao, apresentam algumas caractersticas corporais como, por exemplo, ausncia de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns casos, ausncia de olhos. Suponha que um bilogo tentasse explicar a origem das adaptaes mencionadas no texto utilizando conceitos da teoria evolutiva de Lamarck. Ao adotar esse ponto de vista, ele diria que: a) as caractersticas citadas no texto foram originadas pela seleo natural. b) a ausncia de olhos teria sido causada pela falta de uso dos mesmos, segundo a lei do uso e desuso. c) o corpo anelado uma caracterstica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas primeira gerao de descendentes. d) as patas teriam sido perdidas pela falta de uso e, em seguida, essa caracterstica foi incorporada ao patrimnio gentico e ento transmitida aos descendentes. e) as caractersticas citadas no texto foram adquiridas por meio de mutaes e depois, ao longo do tempo, foram selecionadas por serem mais adaptadas ao ambiente em que os organismos se encontram.

    8. Experimentos realizados no sculo XX demonstraram que hormnios femininos e mediadores qumicos atuam no comportamento materno de determinados animais, como cachorros, gatos e ratos, reduzindo o medo e a ansiedade, o que proporciona maior habilidade de orientao espacial. Por essa razo, as fmeas desses animais abandonam a prole momentaneamente, a fim de encontrar alimentos, o que ocorre com facilidade e rapidez. Ainda, so capazes de encontrar rapidamente o caminho de volta para proteger os filhotes.

    VARELLA, D. Borboletas da alma: escritos sobre cincia e sade. Companhia das Letras, 2006 (adaptado).

    Considerando a situao descrita sob o ponto de vista da hereditariedade e da evoluo biolgica, o comportamento materno decorrente da ao das substncias citadas a) transmitido de gerao a gerao, sendo que indivduos portadores dessas caractersticas tero mais chance de sobreviver e deixar descendentes com as mesmas caractersticas. b) transmitido em intervalos de geraes, alternando descendentes machos e fmeas, ou seja, em uma gerao recebem a caracterstica apenas os machos e, na outra gerao, apenas as fmeas. c) determinado pela ao direta do ambiente sobre a fmea quando ela est no perodo gestacional, portanto todos os descendentes recebero as caractersticas. d) determinado pelas fmeas, na medida em que elas transmitem o material gentico necessrio produo de hormnios e dos mediadores qumicos para sua prole de fmeas, durante o perodo gestacional. e) determinado aps a fecundao, pois os espermatozoides dos machos transmitem as caractersticas para a prole e, ao nascerem, os indivduos so selecionados pela ao do ambiente. 9. Segundo Jeffrey M. Smith, pesquisador de um laboratrio que faz anlises de organismos geneticamente modificados, aps a introduo da soja transgnica no Reino Unido, aumentaram em 50% os casos de alergias. O gene que colocado na soja cria uma protena nova que at ento no existia na alimentao humana, a qual poderia ser potencialmente alergnica, explica o pesquisador.

    Correio do Estado/MS. 19 abr. 2004 (adaptado).

    Considerando-se as informaes do texto, os gros transgnicos que podem causar alergias aos indivduos que iro consumi-los so aqueles que apresentam, em sua composio, protenas a) que podem ser reconhecidas como antignicas pelo sistema imunolgico desses consumidores. b) que no so reconhecidas pelos anticorpos produzidos pelo sistema imunolgico desses consumidores. c) com estrutura primria idntica s j encontradas no sistema sanguneo desses consumidores. d) com sequncia de aminocidos idntica s produzidas pelas clulas brancas do sistema sanguneo desses consumidores.

  • e) com estrutura quaternria idntica dos anticorpos produzidos pelo sistema imunolgico desses consumidores. 10. Na Regio Amaznica, diversas espcies de aves se alimentam da ucuba (Virola sebifera), uma rvore que produz frutos com polpa carnosa, vermelha e nutritiva. Em locais onde essas rvores so abundantes, as aves se alternam no consumo dos frutos maduros, ao passo que em locais onde elas so esc