Material 20131029220551ufpr20exercicios

download Material 20131029220551ufpr20exercicios

If you can't read please download the document

  • date post

    16-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    220
  • download

    0

Embed Size (px)

description

hfght

Transcript of Material 20131029220551ufpr20exercicios

  • EXERCCIOS REVISO (UFPR)

    CITOLOGIA

    1. As figuras abaixo representam a variao do volume celular e da relao entrada/sada de gua, ao longo do tempo, em trs tipos celulares diferentes: clula animal, clula vegetal e protozorio. No tempo zero, as clulas foram mergulhadas em gua pura.

    As figuras A, B e C correspondem, respectivamente, a: a) animal, protozorio e vegetal. b) animal, vegetal e protozorio. c) protozorio, animal e vegetal. d) protozorio, vegetal e animal. e) vegetal, protozorio e animal. 2. Dois tipos de transporte que podem acontecer nas membranas plasmticas so o transporte passivo e o transporte ativo. O primeiro pode acontecer por simples difuso do elemento a ser transportado atravs da bicamada lipdica da membrana. J o transporte ativo sempre depende de protenas que atravessam a membrana, s quais o elemento a ser transportado se liga, desligando-se posteriormente do outro lado da membrana. Ambos

    os tipos de transporte esto esquematizados na figura abaixo. Com base nessas informaes e nos conhecimentos de biologia celular, assinale a alternativa que apresenta corretamente os grficos de cada tipo de transporte.

    a)

    b)

    c)

    d)

    e)

  • FISIOLOGIA ANIMAL 3. Louco por um saleiro, sal foi uma das primeiras palavras que o garoto aprendeu a falar, antes de completar 1 ano de idade. Quando conseguiu caminhar com as prprias pernas, passou a revirar os armrios da cozinha em busca de tudo que fosse salgado e, sempre que podia, atacava o saleiro. Aos 3 anos e meio, por causa da suspeita de puberdade precoce, o menino foi internado num hospital.

    (Fonte: Christante, L. Sede de sal. Revista Unesp Cincia, n.17, 2011.)

    O apetite por sal da criana, cujo relato tornou-se clssico na histria da Medicina, era causado por um desequilbrio endcrino. Aps a sua morte, descobriu-se que a criana apresentava uma deficincia na produo de: a) aldosterona pelas glndulas adrenais. b) insulina pelo pncreas. c) tiroxina pela tireoide. d) vasopressina pelo hipotlamo. e) somatotrofina pela hipfise. 4. A ventilao que ocorre nos pulmes pode ser medida pela quantidade de ar trocada por um determinado intervalo de tempo, como o caso do volume minuto (L/min). Assinale a figura que representa a relao entre ventilao pulmonar e presso de CO2 arterial. a)

    b)

    c)

    d)

    e)

    5. Existe uma regra geral em fisiologia animal que define como sendo de 1 mm a espessura mxima de um tecido capaz de sustentar suas clulas se o mecanismo de transporte realizado apenas por difuso. Clulas, tecidos e organismos precisam ter acesso a oxignio e nutrientes e remover compostos nitrogenados e gs carbnico para poderem realizar suas funes vitais adequadamente. O principal sistema que prov essas condies nos cordados vertebrados o sistema circulatrio. Inegvel reconhecer que, graas a esse sistema (entre outros), vertebrados podem atingir tamanhos to grandes como o de baleias ou elefantes. Entretanto, mesmo no apresentando um sistema circulatrio completo, com corao e vasos, alguns animais com estrutura corporal mais simples podem atingir tamanhos consideravelmente grandes. Sob essa perspectiva, considere as seguintes afirmativas: 1. Porferos no apresentam tecidos verdadeiros e, portanto, no so capazes de desenvolver rgos ou sistemas que possam resolver o problema das trocas internas de gases, nutrientes e excretas. Assim, porferos so animais para os quais a regra do 1 mm efetivamente aplicvel, e por isso nenhuma espcie desse grupo atinge esse tamanho. 2. Alguns cnidrios (celenterados) podem atingir grandes dimenses. As solues para o problema do 1 mm so variveis e geralmente baseadas em duas caractersticas: a) esses animais so diblsticos (apresentam duas monocamadas corporais, que geralmente se encontram diretamente em contato com a gua externa ou com a gua da gastroderme); b) o aumento corporal est associado ao aumento de uma camada acelular ou com poucas clulas, denominada mesogleia. 3. Animais pseudocelomados (tambm denominados de blastocelomados) podem realizar as trocas internas utilizando o fluido do pseudoceloma em si. O transporte pode, ainda, ser auxiliado por um sistema de canais como os encontrados em acantocfalos e rotferos,

  • denominado em alguns desses grupos de sistema lacunar de canais. 4. Apesar de serem acelomados e de no apresentarem um sistema circulatrio, muitos platelmintos podem atingir grandes tamanhos. o caso das planrias terrestres, que atingem mais de 30 cm de comprimento, e das tnias (algumas com dezenas de metros de comprimento). Nesses casos especficos, as trocas de gases, nutrientes e excretas ocorrem atravs do trato digestivo e pela superfcie corporal desses animais, com um processo de difuso eficiente. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 2 verdadeira. b) Somente as afirmativas 1 e 4 so verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 so verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 3 so verdadeiras. e) Somente as afirmativas 2 e 4 so verdadeiras. 6. Considere a figura abaixo, que apresenta as principais pores do sistema digestrio. A tabela mostra o gradiente de pH e a biomassa bacteriana em algumas destas pores, listadas em ordem aleatria

    Local Gradiente de pH Biomassa bacteriana (clulas/mL)

    jejuno 7,0 - 9,0 4 510

    clon 5,0 - 7,0 1110

    leo 7,0 - 8,0 810

    estmago 1,5 - 5,0 2 310

    duodeno 5,0 - 7,0 3 410 A partir das informaes apresentadas, correto afirmar: a) O pH mais cido favorece a proliferao bacteriana.

    b) A poro 12 apresenta o menor nmero de clulas bacterianas por mL. c) Ao longo do trajeto pelo tubo digestrio, o alimento exposto a um gradiente decrescente de pH. d) O maior nmero de clulas bacterianas por mL encontrado nas pores 10 e 11. e) O nmero de clulas bacterianas por mL encontrado na poro 7 maior do que o encontrado na poro 4. 7. Observe a figura, que mostra a presso atmosfrica e a presso de oxignio inspirado em 4 cidades situadas em diferentes altitudes.

    Assinale a alternativa cujo grfico melhor representa a variao percentual esperada do nmero de eritrcitos encontrado no sangue de pessoas saudveis, moradoras de cada uma das cidades, comparado aos valores encontrados nos habitantes do Rio de Janeiro. a)

    b)

    c)

  • d)

    e)

    EVOLUO 8. A Seleo Natural um dos principais fatores responsveis pela evoluo, juntamente com a mutao, a deriva gentica e a migrao gentica. Para que a Seleo Natural ocorra em uma populao, imprescindvel que haja: a) alterao do meio ambiente, propiciando o favorecimento de alguns indivduos da populao. b) diversidade da composio gentica dos indivduos da populao. c) informaes genticas anmalas que produzam doenas quando em homozigose. d) disputa entre os indivduos, com a morte dos menos aptos. e) mutao em taxa compatvel com as exigncias ambientais. 9. Certos insetos apresentam um aspecto que os assemelha bastante, na cor e s vezes at na forma, com ramos e folhas de algumas plantas. Esse fato de extremo valor para o inseto, j que o protege contra o ataque de seus predadores. Esse fenmeno, analisado luz da Teoria da Evoluo, pode ser explicado: a) pela lei do uso e desuso, enunciada por Lamarck. b) pela deriva gentica, comum em certas populaes. c) pelo isolamento geogrfico que acontece com certas espcies de insetos. d) pela seleo natural, que favorece caractersticas adaptativas adequadas para cada ambiente especfico. e) por uma mutao de amplo espectro que ocorre numa determinada espcie.

    GENTICA 10. Assim como ocorre em animais, o teste de DNA pode ser utilizado para a identificao da paternidade de rvores. Quando os pais de uma rvore juvenil so identificados em uma floresta, possvel calcular a distncia entre pais e filhos. As distncias percorridas pelo plen e pela semente

    que deram origem ao juvenil correspondem, respectivamente, distncia entre: a) a me e o juvenil e entre o pai e o juvenil. b) a me e o juvenil e entre o pai e a me. c) o pai e o juvenil e entre a me e o juvenil. d) o pai e a me e entre o pai e o juvenil. e) o pai e a me e entre a me e o juvenil. 11. Em sunos, a sensibilidade ao anestsico halothane de grande importncia econmica, uma vez que os animais sensveis so altamente propensos a stress, provocando prejuzos por morte sbita e condenao de carcaas. Essa sensibilidade provocada pela homozigose do gene h, e os animais afetados no podem ser identificados morfologicamente, at que a doena se manifeste, antes de atingirem a maturidade sexual. Um criador cruzou um macho e uma fmea de gentipos desconhecidos e obteve um filhote que manifestou a doena. O mesmo casal foi cruzado mais uma vez e teve dois filhotes. Temeroso de perder tambm estes animais, o criador quer saber qual a probabilidade de ambos os filhotes serem afetados. Assinale a resposta correta. a) 6,25%. b) 12,5%. c) 25%. d) 50%. e) 100%. 12. Admita que dois genes, A e B, esto localizados num mesmo cromossomo. Um macho AB/ab foi cruzado com uma fmea ab/ab. Sabendo que entre esses dois genes h uma frequncia de recombinao igual a 10%, qual ser a frequncia de indivduos com gentipo Ab/ab encontrada na descendncia desse cruzamento? a) 50% b) 25% c) 30% d) 100% e) 5%

    MICROBIOLOGIA 13. No Brasil, de acordo com o Ministrio da Sade, ocorreu uma queda dos casos de malria, de 500 mil em 1990 para pouco mais de 300 mil em 2008 e 2009 (ltimo ano com dados fechados). Tambm houve reduo na mortalidade: de 3 em 10 mil habitantes, em 1999, para 1,5 em 10 mil, em 2008, ainda segundo o ministrio. O rgo credita esses resultados ampliao da rede de diagnstico e tratamento na regio amaznica. (Fonte: Girardi, G. Decifra-me ou te devoro. Revista Unesp Cincia,