Mba Gestão de Carreira

Click here to load reader

download Mba Gestão de Carreira

of 63

  • date post

    17-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    223
  • download

    3

Embed Size (px)

description

Mba Gestão de Carreira para dar quele suporte na apresentação de palestra sobre o assunto.

Transcript of Mba Gestão de Carreira

EM BUSCA DAS REDES QUE IMPORTAM redes sociais e capital social no twitter

MDULO GESTO DE CARREIRAPROFA.MARCIA CRESPO FERREIRA

MBA UNIVERSIDADE FUMEC

[email protected] DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira1 ENCONTRO:GESTO DE CARREIRAVALORESRODA DE COMPETNCIASAUTOCONHECIMENTOAPLICAO PI2 ENCONTRO:ANLISE PIFEEDBACK PIPDI

ESTRUTURA DA DISCIPLINA

OBJETIVOS DA DISCIPLINA

GESTO DE CARREIRAMarcia Crespo FerreiraInternalizar um modelo mental de planejamento do desenvolvimento pessoal e profissional Conhecer o significado e tendncias das relaes de trabalho e carreira.Ampliar processo de autoconhecimento.Elaborar um Plano de Ao para Desenvolvimento IndividualAnlise do PI, que auxiliar a compreender o perfil profissional.

Sua organizao e as circunstncias podem algumas vezes determinar seu caminhomas....Cabe a voc fazer e tomar as oportunidades para crescer conforme voc escolheu.

MacCall

GESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

PREMISSAS DA DISCIPLINAGESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

um processo contnuo

Pressupe um participante ativoDisponibilidade desejoDedicao tempo e energia

Professor: facilitador

Vivencial e compartilhado

Operativo: aprender fazendoAS TRS ONDASToffler (1995)

6Na Primeira Onda, ou sociedades agrrias, a principal forma de capital era a terra. Se eu cultivasse a minha terra, voc no podia cultivar a sua plantao na mesma terra ao mesmo tempo. Era ou voc ou eu, nunca ambos. durou aproximadamente 8.000 anos terminando por volta de 1650-1750. A escola era a casa, o rio, o campo... A educao parte do modo de vida das pessoas que a criam e recriam . O mesmo era - e ainda - verdade para o capital nas economias industriais da Segunda Onda. Voc e eu no podemos usar a mesma linha de montagem ao mesmo tempo. A Revoluo Industrial desencadeou a segunda onda. A produo passou a ser escalonada e padronizada. A informao se democratiza. Aparecem o correio e a imprensa escrita e falada como o rdio e a TV. A escola ganha lugar prprio. So grandes edifcios refletindo aquilo que acontece dentro das fbricas. A educao se torna educao de massa como num processo de linha de montagem. Diante dos inmeros problemas gerados pela industrializao, a educao tem a marca da passividade, da falta de crticas e da mecanicidade Tudo isso se inverte nas economias da Terceira Onda, nas quais o conhecimento a principal forma de capital. Voc e eu podemos usar o mesmo conhecimento ao mesmo tempo e, se o usarmos com criatividade, podemos at mesmo gerar mais conhecimento. Esse fato, por si s, derruba o alicerce dos pressupostos tradicionais acerca do capital e abre um rombo na prpria definio de economia como "a cincia da alocao de recursos escassos". A educao na chamada terceira onda se preocupar com o aluno na elaborao do saber. Ser uma educao menos massificada e mais personalizada, respeitando o ritmo individual de cada estudante. A educao associada s mdias, permitir ao aluno gerenciar um maior nmero de informaes independente de seu estgio de desenvolvimento. A educao dever ensinar o aluno a navegar no imenso mar de informaes permitindo-lhe a ampliao dos seus conhecimentos. A memorizao ser suplantada pela criatividade, e da passividade, sairemos para uma participao mais efetiva na sociedade. A nova educao estar alicerada na filosofia, de onde tiraremos a crtica; na arte, onde buscaremos a criatividade e o que transcendental no homem; na tecnologia, onde os computadores tero os recursos para navegar nas informaes, e na cincia, onde continuaremos ter o racional. Podemos at no concordar com Toffler, e pensar que sua diviso da histria seja um tanto quanto simplista, mas no podemos negar que muitas de suas afirmaes so importantes para a compreenso de nosso mundo atual est havendo uma mudana na prpria natureza do trabalho. Durante a primeira e a segunda ondas o trabalho era basicamente fsico, muscular. O trabalhador era treinado a no fazer perguntas, no pensar, no inovar. Quanto menos o trabalhador pensava e era criativo, mais o empregador gostava dele. Hoje em dia, exige-se do trabalhador que o trabalhador seja preparado, que pense, que seja criativo. Rapidez, na terceira onda, um componente crtico do sucesso. Por isso se criaram Just in Time Manufacturing, Concurrent Engineering, etc. Se o dinheiro se movimenta na velocidade da luz, a informao tem que andar mais depressa ainda. Tempo = dinheiro, dizia-se. Hoje preciso dizer que cada intervalo de tempo = mais dinheiro. O processo est em acelerao. Na civilizao da terceira onda o planejamento deve ser antecipatrio, e deve prever o fato de que a mudana de estruturas econmicas, sociais e polticas freqentemente causa conflito e perturbao da ordem. preciso estar preparado para isso.

A QUARTA ONDAMenor estrutura organizacional;

As empresas funcionam no como empregadores, mas como facilitadores da aplicao e enriquecimento das habilidades de seus membros.

O conhecimento e a educao continuada tornam-se condies para a permanncia na organizao.

Os indivduos passam a assumir inteira responsabilidade sobre suas carreiras, os papis se invertem e a organizao tornar-se uma ferramenta para seus membros.

A QUARTA ONDAOs recursos humanos passam a ser o mais importante ativo das empresas e o indivduo passa a considerar seus conhecimentos, habilidades e informaes como seu principal trunfo.

Coelho (2006)

ETIMOLOGIA

Carreira do latim via carraria, estrada para carruagens. Somente a partir do sculo XIX passou-se a utilizar o termo para definir a trajetria da vida profissional.

GESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

DECLNIO DA CARREIRA TRADICIONALPenetrao crescente das mulheres no mercado de trabalho;

Elevao dos graus de instruo;

Globalizao da economia, competitividade e turbulncia ambiental;

Necessidade de mudana nas organizaes;

Flexibilizao do trabalho

CONSTRUO DA CARREIRAEstudos de BioqumicaEspecialistas em laboratrioLder de equipe

Projeto de gerenciamento de qualidadeVendedorGerente de vendasGerente Regional(Evans INSEAD)

A TRANSFORMAO DA CARREIRAA gerao atual tem procurado expandir suas fronteiras de muitas formas diferentes na vida e a consequncia para a carreira que ela vem se transformando em multidirecional.

TRANSIO DE MODELO DE CARREIRA

14Autodesenvolvimento X Desenvolvimento de carreira = Desenvolvimento da vida pessoal e familiar. Redefinio do sucesso: antes o foco era apenas o dinheiro... Mudou para satisfao pessoal.GESTO DE CARREIRAGreenhaus (1999) define a gesto de carreira como um processo pelo qual os indivduos desenvolvem, implementam e monitoram metas e estratgias de carreira.

EMPREGABILIDADE X TRABALHABILIDADEO indivduo responsvel pelo seu autodesenvolvimento e, fundamental a preocupao pela adoo de uma nova estratgia de mudana de postura pessoal e profissional.

TRIP DA TRABALHABILIDADEGESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

Competncias

Rede de relacionamentos

Conhecimento/ AUTOCONHECIMENTOGERENCIAMENTO DE CARREIRAConhecer porque

Conhecer como

Conhecer quem

Conhecer o que

Conhecer quando Fonte: Baruch, 2003

18Conhecer porque (valores, atitudes, necessidades internas, identidade e estilo de vida);

Conhecer como (competncias, habilidades, capacidades, experincia e conhecimento);

Conhecer quem (rede de contatos, relacionamentos, e como encontrar a pessoa certa). Conhecer o que (oportunidades, ameaas e requisitos)

Conhecer quando (sensibilidade em relao ao tempo das escolhas e atividades).

Como voc percebe suas perspectivas de carreira?

No h vento favorvel para aquele que no sabe para onde quer velejar.

REFLEXOQual seu estilo de escolha?Quem ou o que interfere em seu processo de escolha?Quais os riscos que voc est disposto a correr?

GESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

FILMES.\..\Videos\Os filhos imitam os pais.aviC:\Users\Marcia Crespo\Videos\Os filhos imitam os pais.aviC:\Users\Marcia Crespo\Videos\ETICA E MORAL FRASES.mp4C:\Users\Marcia Crespo\Videos\O valor da iniciativa ... (Belo exemplo).mp4

Marcia Crespo Ferreira

VALORES TERMINAISValores finais desejveis/ metasVida confortvelFelicidadeLiberdadeSeguranaReconhecimento socialAmizadeIgualdadeRespeito prprio

VALORES INSTRUMENTAISModos preferenciais de comportamento para atingir as metas dos valores terminais:AmbioCapacidadeCoragemHonestidadeIndependnciaObedinciaResponsabilidadeAutocontrole

COMPETNCIAS PROFISSIONAISCompetncia a capacidade para enfrentar e resolver problemas com sucesso em situaes de incerteza, novas ou irregulares na vida do trabalho

Imprevisibilidade diferencia competncia do conceito tradicional de qualificao (Ducci, 1996)

COMPETNCIAS PROFISSIONAISCompetncia a resultante da combinao de mltiplos saberes:saber-fazer

saber-agir

saber-ser

COMPETNCIAS REQUERIDAS PELO MERCADOCapacidade de adaptao;Capacidade de trabalhar em equipes;Criatividade;Viso sistmica;Comprometimento com os objetivos da organizao;Capacidade de comunicao;Capacidade de lidar com incertezas e ambigidades (motivao);Capacidade de inovao;

COMPETNCIAS REQUERIDAS PELO MERCADOCapacidade de relacionamento interpessoal;Iniciativa e tomada de deciso;Autocontrole emocional;Empreendedorismo;Capacidade de gerar resultados efetivos;Flexibilidade e jogo de cintura;Motivao e Dinamismo;Capacidade de saber ouvir.

RODA DE COMPETNCIASGESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

RODA DE COMPETNCIASGESTO DE CARREIRAMarcia Crespo Ferreira

ANLISE DA RODA DE COMPETNCIASO que precisa ser mudado? O que voc precisa fazer para melhorar esta situao?

1 O que eu preciso mudar?

__________________________