Meditação do Pôr do Sol 2011

of 65 /65
MINISTÉRIO DE MORDOMIA CRISTÃ DA DIVISÃO SUL-AMERICANA

Embed Size (px)

description

Meditação para cultos de Pôr do Sol.

Transcript of Meditação do Pôr do Sol 2011

  • MINISTRIO DE MORDOMIA CRISTDA DIVISO SUL-AMERICANA

    ntes do pr do sol, todos os membros da fa-mlia devem reunir-se para estudar a Pala-

    vra de Deus, cantar e orar, aconselha Ellen White. Devemos tomar disposies especiais para que cada membro da famlia possa estar preparado para honrar o dia que Deus abenoou e santifi cou, tornando-o o mais alegre dos dias da semana.

    A maneira como recebemos o sbado determina como ser nossa experincia com Deus durante esse dia. Quando iniciamos o repouso sabtico me-ditando na atuao de Deus na vida de Seus fi lhos, o sbado guardado com mais alegria.

    Que nossa adorao ao entardecer nos fortalea e inspire na jornada rumo ao lar, onde haveremos de adorar ao Criador a cada sbado por toda a eternidade!

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Propaganda

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Propaganda

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

  • VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    MINISTRIO DE MORDOMIA CRISTDA DIVISO SUL-AMERICANA

  • VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    ApresentAo

    A maneira como recebemos o sbado determina em grande parte como ser nossa experincia com Deus durante esse dia. Quando iniciamos o repouso sabtico meditando na atuao de Deus na vida de Seus filhos, o sbado guardado com mais alegria.

    Colocamos em suas mos uma coletnea de testemunhos de todo o terri-trio da Diviso Sul-Americana, de forma que possamos ter uma viso mais ampla dos milagres e maravilhas que Deus tem operado em nosso continente.

    Este trabalho o resultado de uma ao conjunta de unies, associaes/misses, distritos, igrejas e grupos.

    Oramos para que cada testemunho leve nimo e motivao ao seu lar em cada pr do sol. Que nossa adorao ao entardecer nos fortalea e inspire na jornada rumo ao lar, onde haveremos de adorar ao Criador a cada sbado por toda a eternidade!

    Com apreo e carinho,

    Ministrio de Mordomia Cristda Diviso Sul-Americana

    Ministrio de Mordomia Cristda Diviso Sul-Americana

    1a edio: 298,33 mil exemplares2011

    Editorao: Matheus CardosoProjeto Grfico: Vandir Dorta Jr. Capa: Vandir Dorta Jr.Imagem: Shutterstock

    IMPRESSO NO BRASIL / Printed in Brazil

    Os textos bblicos citados neste livro foramextrados da verso Almeida Revista e Atualizada,salvo outra indicao.

    Impresso e acabamento: Casa Publicadora Brasileira

    Todos os direitos reservados. Proibida a reproduo totalou parcial, por qualquer meio, sem prvia autorizao escritada Diviso Sul-Americana.

    Tipologia: Warnock Pro Light, 10/13 11782/23668

  • VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    ApresentAo

    A maneira como recebemos o sbado determina em grande parte como ser nossa experincia com Deus durante esse dia. Quando iniciamos o repouso sabtico meditando na atuao de Deus na vida de Seus filhos, o sbado guardado com mais alegria.

    Colocamos em suas mos uma coletnea de testemunhos de todo o terri-trio da Diviso Sul-Americana, de forma que possamos ter uma viso mais ampla dos milagres e maravilhas que Deus tem operado em nosso continente.

    Este trabalho o resultado de uma ao conjunta de unies, associaes/misses, distritos, igrejas e grupos.

    Oramos para que cada testemunho leve nimo e motivao ao seu lar em cada pr do sol. Que nossa adorao ao entardecer nos fortalea e inspire na jornada rumo ao lar, onde haveremos de adorar ao Criador a cada sbado por toda a eternidade!

    Com apreo e carinho,

    Ministrio de Mordomia Cristda Diviso Sul-Americana

  • www.mordomiacrista.com.br4

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    CAsA emprestAdAAgora, pois, nosso Deus, graas Te damos e louvamos o Teu glorioso nome. [...] Porque tudo vem de Ti, e das Tuas mos To damos. 1Crnicas 29:13, 14

    Aos 20 anos de idade, Inaldo de Jesus dos Santos tinha muitos motivos para estar de bem com a vida. Funcionrio do Cartrio do 1 Of cio da sua cidade desde os 12 anos, sempre teve o dinheiro que queria para se diver-tir. Gostava de festas e agitao.

    Inaldo conheceu Noelene , que o convidou para uma srie evangelstica. Assim que ele teve contato com o evangelho, as coisas mudaram. Sua entre-ga a Cristo foi completa, autntica. Inaldo comeou a dizimar logo aps o batismo, em abril de 2005. Ele e Noelene namoraram e se casaram em junho do mesmo ano. A tia de Noelene cedeu uma moradia ao jovem casal, sem precisar pagar o aluguel. Isso facilitaria a poupana, pois eles pretendiam ter sua casa prpria.

    Em 2008, durante uma semana de mordomia, Inaldo percebeu que ainda existia um passo para aprofundar sua caminhada com Deus. Depois de orar por trs meses, ele tomou a deciso de pactuar 10% de seus ganhos como oferta, alm do dzimo.

    Pouco tempo depois, a tia de Noelene resolveu lhes oferecer a casa em-prestada para venda, mas eles no tinham o dinheiro necessrio. A resposta no demorou. Em setembro de 2009, um grande frigorfico precisou registrar Cdulas de Crdito Industrial. E o cartrio mais prximo para esses trmites era exatamente o 1 Of cio, onde Inaldo trabalhava. Como gratificao pelos servios prestados empresa, Inaldo recebeu R$ 3.000,00. Isso no pagava a conta da casa, mas lhe permitiu dar uma boa entrada e, assim, eles agora teriam a casa prpria.

    Com outras gratificaes e extras, Inaldo pde instalar o primeiro equi-pamento de retransmisso em canal aberto da TV Novo Tempo na regio da Baixada Maranhense. Inaldo e sua esposa investem no crescimento espiritual da famlia e sabem que as promessas de Deus so verdadeiras.

    Kerlon P. WolffAssociao Maranhense (UNB)

    A JornAdA e o milAgrePois todo o que pede recebe; o que busca encontra. Mateus 7:8

    mariza me de trs filhas e apenas a mais velha, Carmem, no tinha filhos. Ela j estava com 40 anos e de repente percebeu que ser me poderia ser um grande privilgio. Mas no se apercebeu da idade, pois logo viria a meno-pausa e ela no poderia mais ter filhos.

    Mariza ficou profundamente angustiada. O pensamento de que sua filha mais velha no teria filhos a perturbava constantemente. Mariza foi convida-da a participar do Seminrio de Enriquecimento Espiritual e ela se lembrou de alguns milagres que Deus j havia operado em sua vida. Ela comeou a jor-nada de 40 dias, e a cada dia colocava o nome de sua filha nas mos do Senhor.

    s vezes, quando no enxergamos os resultados e respostas de imediato, somos levados a no perseverar na orao. Porm, aquela me no desani-mou; continuou suplicando. No trigsimo oitavo dia da jornada de orao, Carmem disse me que sua menstruao, que sempre chegava pontual-mente, estava atrasada.

    Era vspera do Dia das Mes e houve uma homenagem na igreja. Mariza orava suplicando a Deus por um milagre. Ela acreditava que, se fosse da von-tade do Senhor, Carmem poderia ser me.

    noite, elas foram a um aniversrio. Passaram em uma farmcia e com-praram um teste de gravidez. Mariza mal conseguiu dormir, pois Carmem s faria o teste pela manh.

    No dia seguinte, Dia das Mes, s sete da manh, o telefone tocou. Era Carmem, do outro lado da linha. Ela perguntou se Mariza estava disposta a ser av outra vez. Em 27 de dezembro de 2007, Carmem deu luz a uma menina linda e saudvel.

    Deus ouve as oraes daqueles que O buscam com f e se entregam a uma vida de comunho. Consagre-se a Deus pela manh; faa disso a sua primei-ra atividade. [...] Assim, dia aps dia, voc poder entregar sua vida nas mos de Deus, e ela ser cada vez mais moldada segundo a vida de Cristo (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 70).

    Mariza(Ucob)

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

    Sexta , 7 de janeiro Sexta, 14 de janeiro

  • www.mordomiacrista.com.br 5

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    CAsA emprestAdAAgora, pois, nosso Deus, graas Te damos e louvamos o Teu glorioso nome. [...] Porque tudo vem de Ti, e das Tuas mos To damos. 1Crnicas 29:13, 14

    Aos 20 anos de idade, Inaldo de Jesus dos Santos tinha muitos motivos para estar de bem com a vida. Funcionrio do Cartrio do 1 Of cio da sua cidade desde os 12 anos, sempre teve o dinheiro que queria para se diver-tir. Gostava de festas e agitao.

    Inaldo conheceu Noelene , que o convidou para uma srie evangelstica. Assim que ele teve contato com o evangelho, as coisas mudaram. Sua entre-ga a Cristo foi completa, autntica. Inaldo comeou a dizimar logo aps o batismo, em abril de 2005. Ele e Noelene namoraram e se casaram em junho do mesmo ano. A tia de Noelene cedeu uma moradia ao jovem casal, sem precisar pagar o aluguel. Isso facilitaria a poupana, pois eles pretendiam ter sua casa prpria.

    Em 2008, durante uma semana de mordomia, Inaldo percebeu que ainda existia um passo para aprofundar sua caminhada com Deus. Depois de orar por trs meses, ele tomou a deciso de pactuar 10% de seus ganhos como oferta, alm do dzimo.

    Pouco tempo depois, a tia de Noelene resolveu lhes oferecer a casa em-prestada para venda, mas eles no tinham o dinheiro necessrio. A resposta no demorou. Em setembro de 2009, um grande frigorfico precisou registrar Cdulas de Crdito Industrial. E o cartrio mais prximo para esses trmites era exatamente o 1 Of cio, onde Inaldo trabalhava. Como gratificao pelos servios prestados empresa, Inaldo recebeu R$ 3.000,00. Isso no pagava a conta da casa, mas lhe permitiu dar uma boa entrada e, assim, eles agora teriam a casa prpria.

    Com outras gratificaes e extras, Inaldo pde instalar o primeiro equi-pamento de retransmisso em canal aberto da TV Novo Tempo na regio da Baixada Maranhense. Inaldo e sua esposa investem no crescimento espiritual da famlia e sabem que as promessas de Deus so verdadeiras.

    Kerlon P. WolffAssociao Maranhense (UNB)

    A JornAdA e o milAgrePois todo o que pede recebe; o que busca encontra. Mateus 7:8

    mariza me de trs filhas e apenas a mais velha, Carmem, no tinha filhos. Ela j estava com 40 anos e de repente percebeu que ser me poderia ser um grande privilgio. Mas no se apercebeu da idade, pois logo viria a meno-pausa e ela no poderia mais ter filhos.

    Mariza ficou profundamente angustiada. O pensamento de que sua filha mais velha no teria filhos a perturbava constantemente. Mariza foi convida-da a participar do Seminrio de Enriquecimento Espiritual e ela se lembrou de alguns milagres que Deus j havia operado em sua vida. Ela comeou a jor-nada de 40 dias, e a cada dia colocava o nome de sua filha nas mos do Senhor.

    s vezes, quando no enxergamos os resultados e respostas de imediato, somos levados a no perseverar na orao. Porm, aquela me no desani-mou; continuou suplicando. No trigsimo oitavo dia da jornada de orao, Carmem disse me que sua menstruao, que sempre chegava pontual-mente, estava atrasada.

    Era vspera do Dia das Mes e houve uma homenagem na igreja. Mariza orava suplicando a Deus por um milagre. Ela acreditava que, se fosse da von-tade do Senhor, Carmem poderia ser me.

    noite, elas foram a um aniversrio. Passaram em uma farmcia e com-praram um teste de gravidez. Mariza mal conseguiu dormir, pois Carmem s faria o teste pela manh.

    No dia seguinte, Dia das Mes, s sete da manh, o telefone tocou. Era Carmem, do outro lado da linha. Ela perguntou se Mariza estava disposta a ser av outra vez. Em 27 de dezembro de 2007, Carmem deu luz a uma menina linda e saudvel.

    Deus ouve as oraes daqueles que O buscam com f e se entregam a uma vida de comunho. Consagre-se a Deus pela manh; faa disso a sua primei-ra atividade. [...] Assim, dia aps dia, voc poder entregar sua vida nas mos de Deus, e ela ser cada vez mais moldada segundo a vida de Cristo (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 70).

    Mariza(Ucob)

    Sexta , 7 de janeiro Sexta, 14 de janeiro

  • www.mordomiacrista.com.br6

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    A VerdAdeirA ColheitAHonra ao Senhor com os teus bens e com as primcias de toda a tua renda; e se enchero fartamente os teus celeiros, e transbordaro de vinho os teus lagares. Provrbios3:9, 10

    Na cidade de Colinas, Tocantins, mora uma famlia que, desde 2000, cul-tiva abacaxi. Esse o nico sustento de uma famlia de quatro pessoas. Desde que chegaram a Tocantins, Joana e Liondiniz de Oliveira haviam passado por muitas dificuldades: na colheita no havia fartura e as vendas eram dif ceis. Parecia que nada estava a favor do sucesso deles.

    Em 2007, Joana e seu esposo decidiram fazer um pacto com Deus: mesmo em meio a uma situao to crtica, decidiram se manter firmes na devoluo dos dzimos. Alm disso, tinham um pacto de 10% de todo lucro das vendas de abacaxi.

    Deus aceitou o pacto daquela famlia e eles obtiveram uma resposta. Em 2009, a plantao aumentou, Joana e sua famlia colheram mais abacaxis e venderam todos. O lucro da safra foi to grande que Joana honrou seu com-promisso com Deus e ainda conseguiu comprar uma casaprpria.

    Liondiniz e Joana no receberam somente bnos materiais. As maiores bnos foram espirituais: agora possuem uma comunho diria com Deus e desenvolvem essa relao de confiana e fidelidade.

    Ns no tnhamos nada, mas nosso Deus nos abenoou com o que tnha-mos nas mos. Ficamos to gratos e contentes com a resposta de Deus que agora queremos pactuar tambm com ofertas exclusivas para a divulgao da Palavra de Deus.

    Liondiniz Martins de Oliveirae Joana Darq Arajo Oliveira

    Misso Tocantins (Ucob)

    A orAo interCessriAConfessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficcia, a splica do justo. Tiago5:16

    na Palavra de Deus, encontramos instrues sobre a orao especial para o restabelecimento dos enfermos. Porm, o ato de elevar essa orao um ato muito solene, e no se deve participar dele sem a devida considerao. Em muitos casos em que feita orao pela cura de algum enfermo, o que chamamos de f em realidade apenas presuno.

    A irm Ramona, da provncia de Corrientes, Argentina, escolheu Lucila, que estava sofrendo de uma enfermidade grave, como um dos nomes para orar durante a jornada das 40 madrugadas. A sade de Lucila piorava cada dia mais. Ela foi ao mdico e fez alguns exames. O mdico disse que lhe resta-vam 48 horas de vida. Ento, Ramona comeou a orar com mais intensidade. Ela tambm pediu ao pastor que a visitasse.

    O pastor a visitou e percebeu que, em casa, Lucila tinha muitas imagens de santos. O pastor orou por ela. Tambm conversaram sobre a Bblia e o que ela ensina a respeito de imagens. Depois desse dia, a sade de Lucila comeou a melhorar. O prognstico do mdico no se cumpriu, e ela voltou a caminhar. Decidiu desfazer-se de todas as imagens. Atualmente ela est recebendo estudos bblicos. No suficiente ensinar s pessoas que Deus o mdico de suas enfermidades; precisamos ensin-las tambm a abandonar as prticas prejudiciais sade f sica e espiritual.

    Para receber as bnos de Deus em resposta orao, as condies em que se vive devem ser saudveis, e os hbitos, corretos. Deve-se viver em harmonia com as leis naturais e morais de Deus. Quando algum solicita que seja feita orao para que sua sade seja devolvida, devemos mostrar-lhes que a violao da lei de Deus, natural ou moral, pecado. Para que recebam a bno de Deus, eles devem confessar seus pecados.

    RamonaArgentina

    Sexta, 21 de janeiro Sexta, 28 de janeiro

  • www.mordomiacrista.com.br 7

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    A VerdAdeirA ColheitAHonra ao Senhor com os teus bens e com as primcias de toda a tua renda; e se enchero fartamente os teus celeiros, e transbordaro de vinho os teus lagares. Provrbios3:9, 10

    Na cidade de Colinas, Tocantins, mora uma famlia que, desde 2000, cul-tiva abacaxi. Esse o nico sustento de uma famlia de quatro pessoas. Desde que chegaram a Tocantins, Joana e Liondiniz de Oliveira haviam passado por muitas dificuldades: na colheita no havia fartura e as vendas eram dif ceis. Parecia que nada estava a favor do sucesso deles.

    Em 2007, Joana e seu esposo decidiram fazer um pacto com Deus: mesmo em meio a uma situao to crtica, decidiram se manter firmes na devoluo dos dzimos. Alm disso, tinham um pacto de 10% de todo lucro das vendas de abacaxi.

    Deus aceitou o pacto daquela famlia e eles obtiveram uma resposta. Em 2009, a plantao aumentou, Joana e sua famlia colheram mais abacaxis e venderam todos. O lucro da safra foi to grande que Joana honrou seu com-promisso com Deus e ainda conseguiu comprar uma casaprpria.

    Liondiniz e Joana no receberam somente bnos materiais. As maiores bnos foram espirituais: agora possuem uma comunho diria com Deus e desenvolvem essa relao de confiana e fidelidade.

    Ns no tnhamos nada, mas nosso Deus nos abenoou com o que tnha-mos nas mos. Ficamos to gratos e contentes com a resposta de Deus que agora queremos pactuar tambm com ofertas exclusivas para a divulgao da Palavra de Deus.

    Liondiniz Martins de Oliveirae Joana Darq Arajo Oliveira

    Misso Tocantins (Ucob)

    A orAo interCessriAConfessai, pois, os vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros, para serdes curados. Muito pode, por sua eficcia, a splica do justo. Tiago5:16

    na Palavra de Deus, encontramos instrues sobre a orao especial para o restabelecimento dos enfermos. Porm, o ato de elevar essa orao um ato muito solene, e no se deve participar dele sem a devida considerao. Em muitos casos em que feita orao pela cura de algum enfermo, o que chamamos de f em realidade apenas presuno.

    A irm Ramona, da provncia de Corrientes, Argentina, escolheu Lucila, que estava sofrendo de uma enfermidade grave, como um dos nomes para orar durante a jornada das 40 madrugadas. A sade de Lucila piorava cada dia mais. Ela foi ao mdico e fez alguns exames. O mdico disse que lhe resta-vam 48 horas de vida. Ento, Ramona comeou a orar com mais intensidade. Ela tambm pediu ao pastor que a visitasse.

    O pastor a visitou e percebeu que, em casa, Lucila tinha muitas imagens de santos. O pastor orou por ela. Tambm conversaram sobre a Bblia e o que ela ensina a respeito de imagens. Depois desse dia, a sade de Lucila comeou a melhorar. O prognstico do mdico no se cumpriu, e ela voltou a caminhar. Decidiu desfazer-se de todas as imagens. Atualmente ela est recebendo estudos bblicos. No suficiente ensinar s pessoas que Deus o mdico de suas enfermidades; precisamos ensin-las tambm a abandonar as prticas prejudiciais sade f sica e espiritual.

    Para receber as bnos de Deus em resposta orao, as condies em que se vive devem ser saudveis, e os hbitos, corretos. Deve-se viver em harmonia com as leis naturais e morais de Deus. Quando algum solicita que seja feita orao para que sua sade seja devolvida, devemos mostrar-lhes que a violao da lei de Deus, natural ou moral, pecado. Para que recebam a bno de Deus, eles devem confessar seus pecados.

    RamonaArgentina

    Sexta, 21 de janeiro Sexta, 28 de janeiro

  • www.mordomiacrista.com.br8

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    AlegriA nA obedinCiADe fato, sem f impossvel agradar a Deus, porquanto necessrio que aque-le que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que Se torna galardoador dos que O buscam. Hebreus 11:6

    rayonardo, que mora em Valena do Piau, sempre foi fiel nos dzimos e ofertas. Ele v a mo de Deus agindo diariamente em sua vida. Em 2006, ele desejava fazer o concurso pblico da Caixa Econmica Federal. Quando viu o edital, Rayonardo colocou-se de joelhos e buscou a Deus: Senhor, sei que s o Deus do impossvel, e que s serei aprovado nesse concurso com o Teu poder. No peo que remova esta montanha, mas que me ds foras para subi-la. Ele precisava descobrir a melhor maneira de estudar. Trabalhava na Secretaria de Educao da cidade, e no tinha muito tempo para o estudo. Ento, Deus lhe mostrou umaluz.

    Rayonardo comeou a estudar nas horas vagas e, no ms de maio, matri-culou-se em um curso preparatrio. As aulas eram nos fins de semana. Sur-giu um impasse: as aulas dos sbados eram das 15h s 20h30. Ele s assistia a partir das 18h, aps o pr do sol. Perdia, com isso, as aulas de Portugus.

    Nas frias, matriculou-se em um cursinho. Para sua surpresa, as aulas de Portugus seriam todas na sexta-feira noite. Passar em um concurso to disputado, com mais de 5 mil candidatos, seria um milagre.

    No fim de semana do concurso, Rayonardo fez a prova, ansioso com o resultado. Para sua surpresa, ao conferir o gabarito, havia acertado 81,84% da prova, inclusive todas as questes de Portugus, a disciplina que perdera em funo de sua fidelidade ao sbado.

    No dia 22 de julho, saiu o resultado oficial do concurso. Os planos de Rayonardo eram de ficar pelo menos em 20 lugar, mas os planos de Deus eram melhores. Passou em terceiro lugar para o Plo de Picos, ficando em quarto lugar geral no estado do Piau.

    Louvo a Deus por tudo que tem feito em minha vida. Deus abre as portas que ningum pode abrir, basta confiarmos nEle. Creia e voc ver a glria de Deus.

    Rayonardo Mendes BarbosaMisso Costa Norte (Uneb)

    Sexta, 11 de fevereiro

    o sbAdo toCA umA meNo fale o estrangeiro que se houver chegado ao Senhor, dizendo: OSenhor, com efeito, me separar do Seu povo. Isaas 56:3

    lucy ocupava seu tempo com as tarefas domsticas. Aos sbados, ela cos-tumava fazer compras no mercado. Aos domingos, ia missa, sempre acompanhada de seu filho. Ela no permitia que nenhum membro de outra denominao interrompesse a tranquilidade de seu lar.

    Mas Deus buscava oferecer a Lucy uma compreenso maior sobre Sua verdade. Ela se tornou amiga de Sonia, que a convidou para um pequeno grupo. Lucy conheceu novas verdades e, especialmente, a verdade do sbado. Ela e seu filho ficaram surpresos com o fato de que a Bblia ensina que esse o dia de descanso. Para Lucy, foi dif cil aceitar esse ensino bblico, mas no para seu filho. Ele a convidava para ir no sbado Igreja Adventista, porque foi l que aprenderam mais sobre a Bblia. Lucy trabalhava aos sbados e lhe era impossvel ir igreja. Ento, sem qualquer esperana, pediu administra-o que lhe permitissem ter o sbado livre. Depois de analisarem o problema, seus chefes disseram que no haveria problemas. Assim, ela sentiu que Deus a estava guiando para guardar seu primeiro sbado na igreja.

    Seu filho lhe pediu para que conversasse com o diretor do colgio a fim de que no fosse obrigado a realizar as provas no sbado. Quando Lucy con-versou com o diretor, esse lhe disse que seria impossvel alterar todo o pro-grama da escola somente por causa de um aluno. Apesar da recusa inicial, os administradores da escola aprovaram o pedido e disseram que ele poderia continuar frequentando a igreja aos sbados sem prejudicar seus estudos. Fi-nalmente, eles foram batizados na Igreja Adventista de Umacollo, Peru, onde participam com entusiasmo das atividades da igreja.

    LucyPeru

    Sexta, 4 de fevereiro

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

  • www.mordomiacrista.com.br 9

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    AlegriA nA obedinCiADe fato, sem f impossvel agradar a Deus, porquanto necessrio que aque-le que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que Se torna galardoador dos que O buscam. Hebreus 11:6

    rayonardo, que mora em Valena do Piau, sempre foi fiel nos dzimos e ofertas. Ele v a mo de Deus agindo diariamente em sua vida. Em 2006, ele desejava fazer o concurso pblico da Caixa Econmica Federal. Quando viu o edital, Rayonardo colocou-se de joelhos e buscou a Deus: Senhor, sei que s o Deus do impossvel, e que s serei aprovado nesse concurso com o Teu poder. No peo que remova esta montanha, mas que me ds foras para subi-la. Ele precisava descobrir a melhor maneira de estudar. Trabalhava na Secretaria de Educao da cidade, e no tinha muito tempo para o estudo. Ento, Deus lhe mostrou umaluz.

    Rayonardo comeou a estudar nas horas vagas e, no ms de maio, matri-culou-se em um curso preparatrio. As aulas eram nos fins de semana. Sur-giu um impasse: as aulas dos sbados eram das 15h s 20h30. Ele s assistia a partir das 18h, aps o pr do sol. Perdia, com isso, as aulas de Portugus.

    Nas frias, matriculou-se em um cursinho. Para sua surpresa, as aulas de Portugus seriam todas na sexta-feira noite. Passar em um concurso to disputado, com mais de 5 mil candidatos, seria um milagre.

    No fim de semana do concurso, Rayonardo fez a prova, ansioso com o resultado. Para sua surpresa, ao conferir o gabarito, havia acertado 81,84% da prova, inclusive todas as questes de Portugus, a disciplina que perdera em funo de sua fidelidade ao sbado.

    No dia 22 de julho, saiu o resultado oficial do concurso. Os planos de Rayonardo eram de ficar pelo menos em 20 lugar, mas os planos de Deus eram melhores. Passou em terceiro lugar para o Plo de Picos, ficando em quarto lugar geral no estado do Piau.

    Louvo a Deus por tudo que tem feito em minha vida. Deus abre as portas que ningum pode abrir, basta confiarmos nEle. Creia e voc ver a glria de Deus.

    Rayonardo Mendes BarbosaMisso Costa Norte (Uneb)

    Sexta, 11 de fevereiro

    o sbAdo toCA umA meNo fale o estrangeiro que se houver chegado ao Senhor, dizendo: OSenhor, com efeito, me separar do Seu povo. Isaas 56:3

    lucy ocupava seu tempo com as tarefas domsticas. Aos sbados, ela cos-tumava fazer compras no mercado. Aos domingos, ia missa, sempre acompanhada de seu filho. Ela no permitia que nenhum membro de outra denominao interrompesse a tranquilidade de seu lar.

    Mas Deus buscava oferecer a Lucy uma compreenso maior sobre Sua verdade. Ela se tornou amiga de Sonia, que a convidou para um pequeno grupo. Lucy conheceu novas verdades e, especialmente, a verdade do sbado. Ela e seu filho ficaram surpresos com o fato de que a Bblia ensina que esse o dia de descanso. Para Lucy, foi dif cil aceitar esse ensino bblico, mas no para seu filho. Ele a convidava para ir no sbado Igreja Adventista, porque foi l que aprenderam mais sobre a Bblia. Lucy trabalhava aos sbados e lhe era impossvel ir igreja. Ento, sem qualquer esperana, pediu administra-o que lhe permitissem ter o sbado livre. Depois de analisarem o problema, seus chefes disseram que no haveria problemas. Assim, ela sentiu que Deus a estava guiando para guardar seu primeiro sbado na igreja.

    Seu filho lhe pediu para que conversasse com o diretor do colgio a fim de que no fosse obrigado a realizar as provas no sbado. Quando Lucy con-versou com o diretor, esse lhe disse que seria impossvel alterar todo o pro-grama da escola somente por causa de um aluno. Apesar da recusa inicial, os administradores da escola aprovaram o pedido e disseram que ele poderia continuar frequentando a igreja aos sbados sem prejudicar seus estudos. Fi-nalmente, eles foram batizados na Igreja Adventista de Umacollo, Peru, onde participam com entusiasmo das atividades da igreja.

    LucyPeru

    Sexta, 4 de fevereiro

  • www.mordomiacrista.com.br10

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    Recebi um convite para ser colportor-evangelista e ingressei na colportagem aps a semana do Calvrio de 2008. Uns quatro meses depois de iniciar a col-portagem, fiz meu primeiro Seminrio de Enriquecimento Espiritual. Fiz um pacto com Deus por meio dos dzimos e ofertas, entregando, alm do dzimo, uma oferta de 10% de minha renda.

    Durante os 41 dias da jornada espiritual, comecei a receber as respostas divinas. Pedi ao Senhor que minha famlia se entregasse a Cristo. E Deus fez a obra. Primeiramente meu tio, que estava em depresso. Levei a mensagem de Cristo a ele, e alguns meses depois foi batizado. Meu primo Diego, que con-sidero um irmo, foi batizado na poca em que eu fazia a jornada espiritual pela segunda vez. Durante uma semana de orao de mordomia crist, recebi a notcia de que me havia se tornado adventista, e me emocionei muito.

    Mas as bnos ainda no haviam terminado. Enquanto eu colportava e fazia a jornada espiritual pela primeira vez, fiquei sabendo de que uma das famlias que visitei durante o projeto Sonhando Alto estaria se batizando. Os membros da famlia conheceram a verdade por meio da literatura. Tudo isso como resultado de 41 dias de orao em que tive um encontro vivo e dirio com Jesus.

    Independentemente das dificuldades, tristezas e lutas, vale a pena ser fiel e servir a Cristo, ainda mais sendo jovem. Continuo caminhando rumo ao Cu, tendo a certeza de que no h nada que possa nos separar do amor de Deus, que nosso por meio de Cristo Jesus, o nosso Senhor (Rm 8:39, Nova Traduo na Linguagem de Hoje).

    Leo SousaAssociao Pernambucana (Uneb)

    AndAr Com deusEm todo o Universo no h nada que possa nos separar do amor de Deus, que nosso por meio de Cristo Jesus, o nosso Senhor. Romanos8:39, Nova Tradu-o na Lngua de Hoje

    meu nome Leo Sousa. Sou natural de Joo Pessoa, Pernambuco. Mudei-me para Salvador aos 5 anos de idade. Nasci no Hospital Universitrio, mas aos 6 meses de gestao corria risco de morte, e ento me submeti a duas cirurgias. Graas a Deus, sobrevivi. Quando tinha 5 anos, minha me, Vanda, descobriu que estava com cncer devido osteoporose. O mdico disse que ela viveria mais 6 anos, mas ela ainda lutou durante 8 anos. Quando eu tinha 13 anos, minha me faleceu. Sofri muito.

    Mudei novamente para a Paraba, onde tive contato com o espiritismo e o catolicismo, pois em minha famlia havia pessoas dessas duas religies. Estudei em escolas catlicas e me formei no seminrio dessa denominao. Mas Deus tinha outros planos para minha vida.

    No decorrer da minha juventude, me senti atrado pelo espiritismo e, com isso, tive vrios contatos com o inimigo. Aos 18 anos, voltei para a cidade de Salvador com meu pai, uma irm e minha madrasta. Nesse tempo, eu prati-cava artes marciais.

    Aos 19 anos, ingressei na carreira militar e me casei. Tive uma filha, mas ela faleceu aos 3 meses de nascida, devido ao parto prematuro. Ca em de-presso e desisti da carreira militar. Separei-me da esposa e tentei o suicdio, e depois de muito tempo de angstia, recorri novamente ao inimigo e me tornei satanista. Satans, em pessoa, me fez a proposta de me tornar um dos lderes da seita. Recusei trs vezes. Por isso, ele me ameaou de morte, mas nunca mais voltei para a seita. Na poca, eu tinha 20 anos.

    Trs meses depois, por meio de amigos, conheci uma jovem crist. Co-mecei um relacionamento com ela, mas, quando me disse que era adventista do stimo dia, fiquei indignado e discutimos. Depois, ela me convidou para visitar sua igreja, e aceitei. No primeiro sbado, j amei o culto e as msicas. Dois meses depois, por um milagre do Esprito Santo, comecei a estudar a Bblia. Fui batizado naquele mesmo ano.

    Aproximadamente dois anos depois, aps ter trabalhado como obreiro b-blico, fiquei desempregado. Fiz sete entrevistas, mas no passei em nenhuma.

    Sexta, 18 de fevereiro

  • www.mordomiacrista.com.br 11

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    Recebi um convite para ser colportor-evangelista e ingressei na colportagem aps a semana do Calvrio de 2008. Uns quatro meses depois de iniciar a col-portagem, fiz meu primeiro Seminrio de Enriquecimento Espiritual. Fiz um pacto com Deus por meio dos dzimos e ofertas, entregando, alm do dzimo, uma oferta de 10% de minha renda.

    Durante os 41 dias da jornada espiritual, comecei a receber as respostas divinas. Pedi ao Senhor que minha famlia se entregasse a Cristo. E Deus fez a obra. Primeiramente meu tio, que estava em depresso. Levei a mensagem de Cristo a ele, e alguns meses depois foi batizado. Meu primo Diego, que con-sidero um irmo, foi batizado na poca em que eu fazia a jornada espiritual pela segunda vez. Durante uma semana de orao de mordomia crist, recebi a notcia de que me havia se tornado adventista, e me emocionei muito.

    Mas as bnos ainda no haviam terminado. Enquanto eu colportava e fazia a jornada espiritual pela primeira vez, fiquei sabendo de que uma das famlias que visitei durante o projeto Sonhando Alto estaria se batizando. Os membros da famlia conheceram a verdade por meio da literatura. Tudo isso como resultado de 41 dias de orao em que tive um encontro vivo e dirio com Jesus.

    Independentemente das dificuldades, tristezas e lutas, vale a pena ser fiel e servir a Cristo, ainda mais sendo jovem. Continuo caminhando rumo ao Cu, tendo a certeza de que no h nada que possa nos separar do amor de Deus, que nosso por meio de Cristo Jesus, o nosso Senhor (Rm 8:39, Nova Traduo na Linguagem de Hoje).

    Leo SousaAssociao Pernambucana (Uneb)

    AndAr Com deusEm todo o Universo no h nada que possa nos separar do amor de Deus, que nosso por meio de Cristo Jesus, o nosso Senhor. Romanos8:39, Nova Tradu-o na Lngua de Hoje

    meu nome Leo Sousa. Sou natural de Joo Pessoa, Pernambuco. Mudei-me para Salvador aos 5 anos de idade. Nasci no Hospital Universitrio, mas aos 6 meses de gestao corria risco de morte, e ento me submeti a duas cirurgias. Graas a Deus, sobrevivi. Quando tinha 5 anos, minha me, Vanda, descobriu que estava com cncer devido osteoporose. O mdico disse que ela viveria mais 6 anos, mas ela ainda lutou durante 8 anos. Quando eu tinha 13 anos, minha me faleceu. Sofri muito.

    Mudei novamente para a Paraba, onde tive contato com o espiritismo e o catolicismo, pois em minha famlia havia pessoas dessas duas religies. Estudei em escolas catlicas e me formei no seminrio dessa denominao. Mas Deus tinha outros planos para minha vida.

    No decorrer da minha juventude, me senti atrado pelo espiritismo e, com isso, tive vrios contatos com o inimigo. Aos 18 anos, voltei para a cidade de Salvador com meu pai, uma irm e minha madrasta. Nesse tempo, eu prati-cava artes marciais.

    Aos 19 anos, ingressei na carreira militar e me casei. Tive uma filha, mas ela faleceu aos 3 meses de nascida, devido ao parto prematuro. Ca em de-presso e desisti da carreira militar. Separei-me da esposa e tentei o suicdio, e depois de muito tempo de angstia, recorri novamente ao inimigo e me tornei satanista. Satans, em pessoa, me fez a proposta de me tornar um dos lderes da seita. Recusei trs vezes. Por isso, ele me ameaou de morte, mas nunca mais voltei para a seita. Na poca, eu tinha 20 anos.

    Trs meses depois, por meio de amigos, conheci uma jovem crist. Co-mecei um relacionamento com ela, mas, quando me disse que era adventista do stimo dia, fiquei indignado e discutimos. Depois, ela me convidou para visitar sua igreja, e aceitei. No primeiro sbado, j amei o culto e as msicas. Dois meses depois, por um milagre do Esprito Santo, comecei a estudar a Bblia. Fui batizado naquele mesmo ano.

    Aproximadamente dois anos depois, aps ter trabalhado como obreiro b-blico, fiquei desempregado. Fiz sete entrevistas, mas no passei em nenhuma.

    Sexta, 18 de fevereiro

  • www.mordomiacrista.com.br12

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    bnos sem medidASe ouvires a voz do Senhor, teu Deus, viro sobre ti e te alcanaro todas estas bnos: bendito sers tu na cidade e bendito sers no campo. Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas. Bendito sers ao entrares e bendito, ao sares. Deuteronmio 28:2-4, 6

    Alexandra conseguiu terminar o ensino mdio graas ao esforo de sua me, que sempre fez o que pde para que seus filhos estudassem. Mas a famlia era pobre, e Alexandra concluiu os estudos sem perspectiva de in-gressar na faculdade.

    Alexandra casou-se muito nova. Aos 18 anos, foi morar nos fundos do quintal de sua sogra, em dois pequeninos cmodos. Dois anos mais tar-de seu esposo se converteu a Cristo e foi batizado na Igreja Adventista do StimoDia.

    Em 2002, Deus abriu as portas e Alexandra ingressou na faculdade, pensan-do no plano do governo de apoio ao estudante universitrio. Mas as inscries no foram abertas no primeiro semestre, e seu esposo teve que pagar as men-salidades de R$ 350,00. Deus abenoou o casal e, no segundo semestre, ela con-seguiu uma bolsa de 75%. Agora, para quem no via possibilidades de ingressar na faculdade, a jovem j estava no segundo semestre do curso de Letras.

    Em setembro de 2003, surgiu o plano de fidelidade do segundo dzimo (um pacto de ofertas de 10%). O marido de Alexandra era o tesoureiro da igreja e convidou a esposa a fazer o pacto com Deus. Ele convidou Alexandra a doarem juntos 10% de toda a renda como oferta, alm do dzimo, at feve-reiro do ano seguinte. Firmaram o pacto, mesmo desempregados. Para Ale-xandra, aqueles foram os meses mais abenoados da vida deles. Resolveram manter o pacto para sempre.

    No dia 5 de maro de 2004, Deus abriu as portas de um emprego para Alexandra, na prefeitura de Aracruz. E um ms depois, seu marido conseguiu um emprego, em que permanece at hoje. Em 2005, Alexandra concluiu a faculdade, e no ano seguinte iniciou uma ps-graduao. Que felicidade para ela e sua me, que sempre lhe ensinou a ser fiel ao Senhor!

    Em 2006, a prefeitura resolveu comprar o terreno da sogra de Alexan-dra para construir uma quadra, uma vez que moravam atrs de uma escola.

    As reCompensAs de deusInvoca-Me no dia da angstia; Eu te livrarei, e tu Me glorificars. Salmo 50:15

    o irmo Andrs Vasquez e sua esposa Carmen tm trs filhos: Karina, Lucas e Melisa. Andrs e Carmen trabalham no campo e lutam a cada dia para se-guir em frente, apesar das dificuldades. Em um dia frio e mido de maio, ocorreu um acidente com Lucas, que caiu e quebrou o brao esquerdo. Nesse momento, Andrs no tinha dinheiro em casa, mas apenas no envelope do dzimo, que es-tava pronto para ser entregue no sbado. Devido circunstncia urgente, foi ten-tado a pegar emprestado o dinheiro do dzimo para levar o filho a um hospital.

    Andrs orou e, quando se levantou da orao, possua duas certezas. A primeira era de que Deus o acompanharia e que seu filho ficaria bem, e assim se tranquilizou. A segunda certeza era de que no utilizaria o dinheiro que pertencia ao Senhor. Portanto, teve que pedir ajuda a alguns vizinhos para levar Lucas ao mdico. Graas a Deus, tudo ficou bem e, em poucos dias, Lucas mostrava notvelmelhora.

    A maior bno ocorreria trs dias depois, por um telefonema de Karina, a filha mais velha, que estava estudando em um colgio adventista. A famlia estivera orando pelas dificuldades financeiras pelas quais passavam e j cogi-tavam a possibilidade de Karina interromper os estudos. Mas o telefonema era a resposta s oraes. Andrs recebeu a notcia de que algum havia se oferecido para pagar o ano letivo de Karina. Isso no apenas assegurava a continuidade dos estudos, mas tambm que no necessitaria continuar tra-balhando para pagar seus estudos.

    O que aconteceu? Um grupo de jovens estudantes dos Estados Unidos havia feito uma viagem especial pela Amrica do Sul e passou uma semana no col-gio. Uma das jovens que tomou conhecimento da situao de Karina conver-sou com os pais nos Estados Unidos, e eles decidiram ajud-la a concluir o ano letivo. Coincidncia? Casualidade?... Apenas trs dias depois que o irmo deci-diu ser fiel e utilizar o dzimo, recebeu a notcia sobre a ajuda para os estudos.

    Deus grande e Sua fidelidade dura para sempre.

    Andrs VsquezParaguai

    Sexta, 25 de fevereiro Sexta, 4 de maro

  • www.mordomiacrista.com.br 13

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    bnos sem medidASe ouvires a voz do Senhor, teu Deus, viro sobre ti e te alcanaro todas estas bnos: bendito sers tu na cidade e bendito sers no campo. Bendito o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais, e as crias das tuas vacas e das tuas ovelhas. Bendito sers ao entrares e bendito, ao sares. Deuteronmio 28:2-4, 6

    Alexandra conseguiu terminar o ensino mdio graas ao esforo de sua me, que sempre fez o que pde para que seus filhos estudassem. Mas a famlia era pobre, e Alexandra concluiu os estudos sem perspectiva de in-gressar na faculdade.

    Alexandra casou-se muito nova. Aos 18 anos, foi morar nos fundos do quintal de sua sogra, em dois pequeninos cmodos. Dois anos mais tar-de seu esposo se converteu a Cristo e foi batizado na Igreja Adventista do StimoDia.

    Em 2002, Deus abriu as portas e Alexandra ingressou na faculdade, pensan-do no plano do governo de apoio ao estudante universitrio. Mas as inscries no foram abertas no primeiro semestre, e seu esposo teve que pagar as men-salidades de R$ 350,00. Deus abenoou o casal e, no segundo semestre, ela con-seguiu uma bolsa de 75%. Agora, para quem no via possibilidades de ingressar na faculdade, a jovem j estava no segundo semestre do curso de Letras.

    Em setembro de 2003, surgiu o plano de fidelidade do segundo dzimo (um pacto de ofertas de 10%). O marido de Alexandra era o tesoureiro da igreja e convidou a esposa a fazer o pacto com Deus. Ele convidou Alexandra a doarem juntos 10% de toda a renda como oferta, alm do dzimo, at feve-reiro do ano seguinte. Firmaram o pacto, mesmo desempregados. Para Ale-xandra, aqueles foram os meses mais abenoados da vida deles. Resolveram manter o pacto para sempre.

    No dia 5 de maro de 2004, Deus abriu as portas de um emprego para Alexandra, na prefeitura de Aracruz. E um ms depois, seu marido conseguiu um emprego, em que permanece at hoje. Em 2005, Alexandra concluiu a faculdade, e no ano seguinte iniciou uma ps-graduao. Que felicidade para ela e sua me, que sempre lhe ensinou a ser fiel ao Senhor!

    Em 2006, a prefeitura resolveu comprar o terreno da sogra de Alexan-dra para construir uma quadra, uma vez que moravam atrs de uma escola.

    As reCompensAs de deusInvoca-Me no dia da angstia; Eu te livrarei, e tu Me glorificars. Salmo 50:15

    o irmo Andrs Vasquez e sua esposa Carmen tm trs filhos: Karina, Lucas e Melisa. Andrs e Carmen trabalham no campo e lutam a cada dia para se-guir em frente, apesar das dificuldades. Em um dia frio e mido de maio, ocorreu um acidente com Lucas, que caiu e quebrou o brao esquerdo. Nesse momento, Andrs no tinha dinheiro em casa, mas apenas no envelope do dzimo, que es-tava pronto para ser entregue no sbado. Devido circunstncia urgente, foi ten-tado a pegar emprestado o dinheiro do dzimo para levar o filho a um hospital.

    Andrs orou e, quando se levantou da orao, possua duas certezas. A primeira era de que Deus o acompanharia e que seu filho ficaria bem, e assim se tranquilizou. A segunda certeza era de que no utilizaria o dinheiro que pertencia ao Senhor. Portanto, teve que pedir ajuda a alguns vizinhos para levar Lucas ao mdico. Graas a Deus, tudo ficou bem e, em poucos dias, Lucas mostrava notvelmelhora.

    A maior bno ocorreria trs dias depois, por um telefonema de Karina, a filha mais velha, que estava estudando em um colgio adventista. A famlia estivera orando pelas dificuldades financeiras pelas quais passavam e j cogi-tavam a possibilidade de Karina interromper os estudos. Mas o telefonema era a resposta s oraes. Andrs recebeu a notcia de que algum havia se oferecido para pagar o ano letivo de Karina. Isso no apenas assegurava a continuidade dos estudos, mas tambm que no necessitaria continuar tra-balhando para pagar seus estudos.

    O que aconteceu? Um grupo de jovens estudantes dos Estados Unidos havia feito uma viagem especial pela Amrica do Sul e passou uma semana no col-gio. Uma das jovens que tomou conhecimento da situao de Karina conver-sou com os pais nos Estados Unidos, e eles decidiram ajud-la a concluir o ano letivo. Coincidncia? Casualidade?... Apenas trs dias depois que o irmo deci-diu ser fiel e utilizar o dzimo, recebeu a notcia sobre a ajuda para os estudos.

    Deus grande e Sua fidelidade dura para sempre.

    Andrs VsquezParaguai

    Sexta, 25 de fevereiro Sexta, 4 de maro

  • www.mordomiacrista.com.br14

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    ClAme A deus nA AngstiAInvoca-Me no dia da angstia; Eu te livrarei, e tu Me glorificars. Salmo50:15

    eddy Espejo membro da Igreja Adventista do Stimo Dia na cidade de La Paz, Bolvia, engenheiro eletrnico e trabalhador da superintendncia de telecomunicaes. Ele trabalhava de segunda a sexta-feira. Aos sbados se dedicava igreja como ancio da Igreja Pura Pura e lder do Clube de Des-bravadores.

    Quando saiu da superintendncia, ficou sem trabalho. No encontrava um lugar em que no precisasse trabalhar aos sbados. Sua situao se torna-va preocupante, porque tinha que pagar os gastos de sua famlia.

    Certo dia, ele se encontrou com o chefe anterior da empresa. Durante a conversa, Eddy pediu que ele o ajudasse a conseguir emprego. Conhecedor de seu trabalho eficiente, ele o recomendou. Eddy explicou que aos sbados no poderia trabalhar, devido a seus princpios religiosos. Inicialmente acei-taram e no havia problema, mas logo comearam a insistir que ele devia trabalhar aos sbados pelo menos meio turno. Devido a tanta insistncia e no tendo outra sada, Eddy teve que tomar a deciso de renunciar ao seu trabalho pelosbado.

    Sabendo da renncia de Eddy, os gerentes da rea falaram com ele para que ficasse, porque sabiam que ele era responsvel e eficiente, alm de ser uma influncia positiva.

    No momento em que parecia que as portas se fechavam, ocorreu o mila-gre. Deus agiu nos dirigentes de sua rea de trabalho de tal maneira que a em-presa fez um novo contrato com Eddy. Dentro do contrato, colocaram uma clusula que dizia que o sbado era outorgado como um dia livre e que, para compensar, ele devia substituir com outro dia. Dessa maneira, Eddy agradece a Deus por Sua poderosa mo e porque Ele nos livra da angstia.

    Eddy EspejoBolvia

    O valor recebido foi dividido para trs famlias e eles puderam comprar um lote no centro do bairro, onde construram uma casa melhor que a anterior.

    Alexandra fez um novo vestibular em 2008, agora para Artes Visuais, na Universidade Federal do Esprito Santo. Eram 30 vagas e ela passou em 10 lugar. Ainda no primeiro semestre, em maio de 2009, Deus lhe deu uma nova oportunidade de crescimento profissional. Ela foi contratada para dar aulas de Artes numa escola do bairro em que morava. Inicialmente, seriam 16 ho-ras-aula, mas hoje so 37 horas-aula. Antes, ela recebia menos de R$ 500,00 hoje, recebe mais de R$ 2.000,00. Deus realmente maravilhoso.

    Mas as bnos no acabaram por a. Durante trs anos, Alexandra e o marido tentaram comprar um carro usado. O ltimo plano era adquirir o veculo em setembro de 2009. Mas, em agosto, Deus abenoou o casal com um carro zero-quilmetro.

    Antes, ela no tinha perspectivas de ingressar na faculdade, mas hoje ps-graduada e est cursando uma segunda graduao. Sonhava com um carro usado e Deus deu um novo. Alexandra e o marido agradecem muito a Deus e adoram ao Senhor por meio do dzimo e mais 10% de ofertas.

    Alexandra Florenci Osta SantosAssociao Esprito-Santense

    (UEB)

    Sexta, 11 de maro

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

  • www.mordomiacrista.com.br 15

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    ClAme A deus nA AngstiAInvoca-Me no dia da angstia; Eu te livrarei, e tu Me glorificars. Salmo50:15

    eddy Espejo membro da Igreja Adventista do Stimo Dia na cidade de La Paz, Bolvia, engenheiro eletrnico e trabalhador da superintendncia de telecomunicaes. Ele trabalhava de segunda a sexta-feira. Aos sbados se dedicava igreja como ancio da Igreja Pura Pura e lder do Clube de Des-bravadores.

    Quando saiu da superintendncia, ficou sem trabalho. No encontrava um lugar em que no precisasse trabalhar aos sbados. Sua situao se torna-va preocupante, porque tinha que pagar os gastos de sua famlia.

    Certo dia, ele se encontrou com o chefe anterior da empresa. Durante a conversa, Eddy pediu que ele o ajudasse a conseguir emprego. Conhecedor de seu trabalho eficiente, ele o recomendou. Eddy explicou que aos sbados no poderia trabalhar, devido a seus princpios religiosos. Inicialmente acei-taram e no havia problema, mas logo comearam a insistir que ele devia trabalhar aos sbados pelo menos meio turno. Devido a tanta insistncia e no tendo outra sada, Eddy teve que tomar a deciso de renunciar ao seu trabalho pelosbado.

    Sabendo da renncia de Eddy, os gerentes da rea falaram com ele para que ficasse, porque sabiam que ele era responsvel e eficiente, alm de ser uma influncia positiva.

    No momento em que parecia que as portas se fechavam, ocorreu o mila-gre. Deus agiu nos dirigentes de sua rea de trabalho de tal maneira que a em-presa fez um novo contrato com Eddy. Dentro do contrato, colocaram uma clusula que dizia que o sbado era outorgado como um dia livre e que, para compensar, ele devia substituir com outro dia. Dessa maneira, Eddy agradece a Deus por Sua poderosa mo e porque Ele nos livra da angstia.

    Eddy EspejoBolvia

    O valor recebido foi dividido para trs famlias e eles puderam comprar um lote no centro do bairro, onde construram uma casa melhor que a anterior.

    Alexandra fez um novo vestibular em 2008, agora para Artes Visuais, na Universidade Federal do Esprito Santo. Eram 30 vagas e ela passou em 10 lugar. Ainda no primeiro semestre, em maio de 2009, Deus lhe deu uma nova oportunidade de crescimento profissional. Ela foi contratada para dar aulas de Artes numa escola do bairro em que morava. Inicialmente, seriam 16 ho-ras-aula, mas hoje so 37 horas-aula. Antes, ela recebia menos de R$ 500,00 hoje, recebe mais de R$ 2.000,00. Deus realmente maravilhoso.

    Mas as bnos no acabaram por a. Durante trs anos, Alexandra e o marido tentaram comprar um carro usado. O ltimo plano era adquirir o veculo em setembro de 2009. Mas, em agosto, Deus abenoou o casal com um carro zero-quilmetro.

    Antes, ela no tinha perspectivas de ingressar na faculdade, mas hoje ps-graduada e est cursando uma segunda graduao. Sonhava com um carro usado e Deus deu um novo. Alexandra e o marido agradecem muito a Deus e adoram ao Senhor por meio do dzimo e mais 10% de ofertas.

    Alexandra Florenci Osta SantosAssociao Esprito-Santense

    (UEB)

    Sexta, 11 de maro

  • www.mordomiacrista.com.br16

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    Em maro de 2003, em uma quarta-feira, s 6 horas, um irmo chamado Daniel telefonou para a casa de Marcelino dizendo que o mercado em que ele trabalhava estava em chamas, e que o seu box estava sendo devorado pelofogo.

    Junto com a famlia, Marcelino no ficou desesperado. Esse era o exato momento em que estavam fazendo o culto matutino. Terminaram o culto, tranquilos, pois no havia mais nada a fazer alm de confiar no poder de Deus. Aps o culto, Marcelino e os filhos foram ao mercado. Quando che-garam ao local, ficaram assustados, pois todos os boxes estavam queimados. No havia sobrado nada alm de cinzas. Antes de chegar diante do seu box, Marcelino pde ver um quadro desolador: at construes de alvenaria no haviam resistido ao fogo. O desespero era total. Os bombeiros tinham con-trolado as chamas, mas no restara muito.

    Os destroos ainda estavam fumegando, mas o box de Marcelino ainda estava em p. Quando ele abriu a porta do box, a reprter da televiso local falou assim: Este foi o nico sortudo; seu estabelecimento comercial no foi destrudo. Marcelino sabe que a explicao outra: foi a poderosa mo de Deus que nos protegeu. Quando somos fiis e mantemos comunho diria com Deus, no tememos as provaes, nem o fogo destruidor.

    Marcelino Pereira de AzevedoMisso Pernambucana Central (Uneb)

    ConfiAnA durAnte A proVAoNo tocante a mim, confio na Tua graa; regozije-se o meu corao na Tuasal-vao. Salmo 13:5

    marcelino Pereira de Azevedo era dono de um comrcio de roupas em Juazeiro, Bahia, no mercado municipal em que trabalhou durante vinte anos. Em dezembro de 2002, ele viajou para Caruaru, Pernambuco, a fim de fazer compras para seu estabelecimento. O nibus estava cheio de co-merciantes, que tambm iam fazer compras. De repente, no meio da noite, eles foram acordados por uma freada brusca, e imediatamente o motorista conduziu o nibus por uma estrada de cho fora da pista. Dois homens que estavam dentro do nibus e se diziam comerciantes surpreenderam a todos com um assalto, e dominaram os passageiros e o motorista.

    No fim da estrada de cho, mandaram parar o nibus, e l estavam mais dois assaltantes, que dispararam tiros para o ar e ordenaram que todos sa-ssem do nibus. Marcelino levava no bolso R$ 1.030,00, conseguidos com muito trabalho. Escondeu R$ 630,00 debaixo da poltrona e desceu com R$ 400,00 para entregar aos assaltantes. Eles ameaavam dizendo que se al-gum no entregasse o dinheiro, seria morto. O corao de Marcelino ba-tia forte ao ouvir essas ameaas, mas ele estava com o pensamento ligado a Deus, em orao, pedindo para que eles no levassem o dinheiro.

    No mesmo instante, sua esposa e um dos filhos, que no conseguiam dor-mir, cada um em um local diferente, sentiram um forte desejo de orar por Marcelino. Era o exato momento em que ele estava refm dos bandidos, junto com os demais passageiros. A orao dos filhos de Deus tem muito poder: Marcelino saiu ileso e com todo o dinheiro para o sustento da famlia. Dentre as 53 pessoas, somente ele no foi assaltado.

    Alguns lhe disseram: Voc um homem de sorte! Outros pergun-tavam se ele era um crente, ao que prontamente respondia: Sim! De todas as bolsas e sacolas que estavam dentro do nibus, s a dele escapou. A do seu colega, que estava ao seu lado, foi aberta e infelizmente levaram todo o seu dinheiro, e ainda espalharam todos os documentos do restante das pessoas na sada da porta. Mas no tocaram na bolsa de Marcelino, e estava tudo em ordem: talo de cheques, cartes de crdito e outros objetos devalor.

    Sexta, 18 de maro

  • www.mordomiacrista.com.br 17

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    Em maro de 2003, em uma quarta-feira, s 6 horas, um irmo chamado Daniel telefonou para a casa de Marcelino dizendo que o mercado em que ele trabalhava estava em chamas, e que o seu box estava sendo devorado pelofogo.

    Junto com a famlia, Marcelino no ficou desesperado. Esse era o exato momento em que estavam fazendo o culto matutino. Terminaram o culto, tranquilos, pois no havia mais nada a fazer alm de confiar no poder de Deus. Aps o culto, Marcelino e os filhos foram ao mercado. Quando che-garam ao local, ficaram assustados, pois todos os boxes estavam queimados. No havia sobrado nada alm de cinzas. Antes de chegar diante do seu box, Marcelino pde ver um quadro desolador: at construes de alvenaria no haviam resistido ao fogo. O desespero era total. Os bombeiros tinham con-trolado as chamas, mas no restara muito.

    Os destroos ainda estavam fumegando, mas o box de Marcelino ainda estava em p. Quando ele abriu a porta do box, a reprter da televiso local falou assim: Este foi o nico sortudo; seu estabelecimento comercial no foi destrudo. Marcelino sabe que a explicao outra: foi a poderosa mo de Deus que nos protegeu. Quando somos fiis e mantemos comunho diria com Deus, no tememos as provaes, nem o fogo destruidor.

    Marcelino Pereira de AzevedoMisso Pernambucana Central (Uneb)

    ConfiAnA durAnte A proVAoNo tocante a mim, confio na Tua graa; regozije-se o meu corao na Tuasal-vao. Salmo 13:5

    marcelino Pereira de Azevedo era dono de um comrcio de roupas em Juazeiro, Bahia, no mercado municipal em que trabalhou durante vinte anos. Em dezembro de 2002, ele viajou para Caruaru, Pernambuco, a fim de fazer compras para seu estabelecimento. O nibus estava cheio de co-merciantes, que tambm iam fazer compras. De repente, no meio da noite, eles foram acordados por uma freada brusca, e imediatamente o motorista conduziu o nibus por uma estrada de cho fora da pista. Dois homens que estavam dentro do nibus e se diziam comerciantes surpreenderam a todos com um assalto, e dominaram os passageiros e o motorista.

    No fim da estrada de cho, mandaram parar o nibus, e l estavam mais dois assaltantes, que dispararam tiros para o ar e ordenaram que todos sa-ssem do nibus. Marcelino levava no bolso R$ 1.030,00, conseguidos com muito trabalho. Escondeu R$ 630,00 debaixo da poltrona e desceu com R$ 400,00 para entregar aos assaltantes. Eles ameaavam dizendo que se al-gum no entregasse o dinheiro, seria morto. O corao de Marcelino ba-tia forte ao ouvir essas ameaas, mas ele estava com o pensamento ligado a Deus, em orao, pedindo para que eles no levassem o dinheiro.

    No mesmo instante, sua esposa e um dos filhos, que no conseguiam dor-mir, cada um em um local diferente, sentiram um forte desejo de orar por Marcelino. Era o exato momento em que ele estava refm dos bandidos, junto com os demais passageiros. A orao dos filhos de Deus tem muito poder: Marcelino saiu ileso e com todo o dinheiro para o sustento da famlia. Dentre as 53 pessoas, somente ele no foi assaltado.

    Alguns lhe disseram: Voc um homem de sorte! Outros pergun-tavam se ele era um crente, ao que prontamente respondia: Sim! De todas as bolsas e sacolas que estavam dentro do nibus, s a dele escapou. A do seu colega, que estava ao seu lado, foi aberta e infelizmente levaram todo o seu dinheiro, e ainda espalharam todos os documentos do restante das pessoas na sada da porta. Mas no tocaram na bolsa de Marcelino, e estava tudo em ordem: talo de cheques, cartes de crdito e outros objetos devalor.

    Sexta, 18 de maro

  • www.mordomiacrista.com.br18

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus Cumpre suAs promessAsFui moo e j, agora, sou velho, porm jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendncia a mendigar o po. Salmo 37:25

    meu nome Carmen Fidelina. Esta histria aconteceu depois da colheita de azeitonas de minha chcara. A colheita no havia sido to abundan-te, os preos da azeitona haviam baixado e eu necessitava de recursos espe-cialmente para sustentar a educao superior de meus filhos. Sempre havia sido fiel no dzimo e nas bnos da fidelidade. Nunca passei necessidade.

    Porm, havia algo que no me deixava em paz. Tinha dvidas especial-mente sobre a promessa de Malaquias 3:10. A passagem diz que Deus derra-maria sobre ns bnos sem medida, e eu ainda no conhecia essa fartura. Um dia, conversei com Deus sobre isso e Lhe pedi que me ajudasse a enten-der essa promessa. Aps alguns dias, me veio memria o testemunho de um pastor que havia posto nas mos de Deus suas economias que davam para cobrir os trs primeiros meses de estudo na Universidade Peruana Unio.

    Depois de recordar essa histria, orei a Deus, fiz meu pacto de f com Ele, entreguei-Lhe novamente meu corao e junto com ele, o dzimo, como sempre havia feito. Alm disso, dei mais 10% como oferta ao Senhor. Dias de-pois, como uma resposta direta minha petio, realizei a venda de azeitonas mais rpido que nunca. Haviam me pagado e a um bom preo. Para que essa experincia de f se fixasse em minha vida, Deus me deu a oportunidade de engrandecer meu negcio como eu jamais havia pensado.

    Aprendi que o dzimo e a oferta so como o casal de cnjuges, que nunca devem viver separados. Aprendi que a ingratido que provm do egosmo o pecado que nos impede de recebermos as maiores bnos do Cu. Deus justo quando diz: Vocs esto me roubando [...] nos dzimos e nas ofertas (Ml 3:8, Nova Verso Internacional).

    Carmen FidelinaPeru

    Sexta, 1 de abrilSexta, 25 de maro

    deus CuidA de nsOs meus olhos procuraro os fiis da Terra, para que habitem comigo; o que anda em reto caminho, esse me servir. Salmo 101:6

    em uma rua de Cuiab, em frente Casa Cuiabana, um centro cultural da capital mato-grossense, possvel encontrar uma mulher muito simples e dedicada chamada Vanusa. Ela trabalha com um carrinho de gua de coco e vende po de queijo, bolinho de arroz, entre outras coisas. Vanusa carrega em seu rosto as marcas de uma vida de sofrimento e privao. Um dia, atravs de sua tia, conheceu a Igreja Adventista e seus princpios. Na primeira vez que entrou em uma igreja, na cidade de Vrzea Grande, estava realmente desesperada e com dificuldade financeira. No entanto, em contato com os irmos da igreja, ela se sentiu amada e abraada. Recebeu diversos utenslios, roupas e alimentos para auxiliar no seu sustento. Em pouco tempo, comeou a receber estudos bblicos.

    Ela decidiu se batizar, mas no sem antes devolver o primeiro dzimo. De-cidiu dedicar a Deus a dcima parte de todos os seus ganhos. A sensao que experimentou foi de muita gratido e que devia muito mais para Ele. Ento, decidiu fazer o pacto de acrescentar mais 10% para dar de oferta.

    Depois que comeou a ser fiel a Deus com os dzimos e ofertas, ela sentiu como se Deus abrisse as janelas do Cu e derramasse muitas bnos. Quan-do obtm seus ganhos, ela logo separa a parte de Deus. Certa vez, aps haver se separado do marido, devido a alguma dificuldade decidiu usar o dzimo para pagar uma conta. Sentiu-se muito mal, perdeu a paz, no conseguia o dinheiro para repor o dzimo e sentiu em seu corao que estava colocando a mo em dinheiro que no era seu. Apesar de ter uma profisso simples, ela ajuda seus filhos a estudarem, sua filha e netos com aluguel e sustento, e tem planos de comprar um trailer para ampliar seus negcios.

    Deus cuida de mim. s vezes, eu me preocupo se vou ter o dinheiro para pagar certas contas e, quando eu menos espero, o dinheiro est na minha mo.

    Vanusa Marques PortelaAssociao Mato-Grossense (Ucob)

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

  • www.mordomiacrista.com.br 19

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus Cumpre suAs promessAsFui moo e j, agora, sou velho, porm jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendncia a mendigar o po. Salmo 37:25

    meu nome Carmen Fidelina. Esta histria aconteceu depois da colheita de azeitonas de minha chcara. A colheita no havia sido to abundan-te, os preos da azeitona haviam baixado e eu necessitava de recursos espe-cialmente para sustentar a educao superior de meus filhos. Sempre havia sido fiel no dzimo e nas bnos da fidelidade. Nunca passei necessidade.

    Porm, havia algo que no me deixava em paz. Tinha dvidas especial-mente sobre a promessa de Malaquias 3:10. A passagem diz que Deus derra-maria sobre ns bnos sem medida, e eu ainda no conhecia essa fartura. Um dia, conversei com Deus sobre isso e Lhe pedi que me ajudasse a enten-der essa promessa. Aps alguns dias, me veio memria o testemunho de um pastor que havia posto nas mos de Deus suas economias que davam para cobrir os trs primeiros meses de estudo na Universidade Peruana Unio.

    Depois de recordar essa histria, orei a Deus, fiz meu pacto de f com Ele, entreguei-Lhe novamente meu corao e junto com ele, o dzimo, como sempre havia feito. Alm disso, dei mais 10% como oferta ao Senhor. Dias de-pois, como uma resposta direta minha petio, realizei a venda de azeitonas mais rpido que nunca. Haviam me pagado e a um bom preo. Para que essa experincia de f se fixasse em minha vida, Deus me deu a oportunidade de engrandecer meu negcio como eu jamais havia pensado.

    Aprendi que o dzimo e a oferta so como o casal de cnjuges, que nunca devem viver separados. Aprendi que a ingratido que provm do egosmo o pecado que nos impede de recebermos as maiores bnos do Cu. Deus justo quando diz: Vocs esto me roubando [...] nos dzimos e nas ofertas (Ml 3:8, Nova Verso Internacional).

    Carmen FidelinaPeru

    Sexta, 1 de abrilSexta, 25 de maro

    deus CuidA de nsOs meus olhos procuraro os fiis da Terra, para que habitem comigo; o que anda em reto caminho, esse me servir. Salmo 101:6

    em uma rua de Cuiab, em frente Casa Cuiabana, um centro cultural da capital mato-grossense, possvel encontrar uma mulher muito simples e dedicada chamada Vanusa. Ela trabalha com um carrinho de gua de coco e vende po de queijo, bolinho de arroz, entre outras coisas. Vanusa carrega em seu rosto as marcas de uma vida de sofrimento e privao. Um dia, atravs de sua tia, conheceu a Igreja Adventista e seus princpios. Na primeira vez que entrou em uma igreja, na cidade de Vrzea Grande, estava realmente desesperada e com dificuldade financeira. No entanto, em contato com os irmos da igreja, ela se sentiu amada e abraada. Recebeu diversos utenslios, roupas e alimentos para auxiliar no seu sustento. Em pouco tempo, comeou a receber estudos bblicos.

    Ela decidiu se batizar, mas no sem antes devolver o primeiro dzimo. De-cidiu dedicar a Deus a dcima parte de todos os seus ganhos. A sensao que experimentou foi de muita gratido e que devia muito mais para Ele. Ento, decidiu fazer o pacto de acrescentar mais 10% para dar de oferta.

    Depois que comeou a ser fiel a Deus com os dzimos e ofertas, ela sentiu como se Deus abrisse as janelas do Cu e derramasse muitas bnos. Quan-do obtm seus ganhos, ela logo separa a parte de Deus. Certa vez, aps haver se separado do marido, devido a alguma dificuldade decidiu usar o dzimo para pagar uma conta. Sentiu-se muito mal, perdeu a paz, no conseguia o dinheiro para repor o dzimo e sentiu em seu corao que estava colocando a mo em dinheiro que no era seu. Apesar de ter uma profisso simples, ela ajuda seus filhos a estudarem, sua filha e netos com aluguel e sustento, e tem planos de comprar um trailer para ampliar seus negcios.

    Deus cuida de mim. s vezes, eu me preocupo se vou ter o dinheiro para pagar certas contas e, quando eu menos espero, o dinheiro est na minha mo.

    Vanusa Marques PortelaAssociao Mato-Grossense (Ucob)

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

  • www.mordomiacrista.com.br20

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    no. No outro dia foram ao shopping e ela comprou um terno belssimo, que no poderiam comprar to cedo. Ao agradecer-lhe, disseram: Irm, a senho-ra um anjo! Ela respondeu: No, sou apenas um instrumento de Deus. Ele quer lhe dar este presente e est me usando paraisso.

    Naquela mesma quarta-feira, depois do culto, outro irmo lhe disse: Sabe, estive pensando em voc, quero lhe pagar os estudos. Que culto de quarta-feira abenoado!

    Gislene sempre ouviu histrias surpreendentes sobre como Deus fiel a quem Lhe fiel. Mas no imaginava quantas bnos o Senhor poderia der-ramar sobre ela, quando comeasse a prov-Lo. E ela viu que Deus muito bom! Gislene tem certeza de que novos milagres ainda viro.

    Quando somos fiis ao Senhor e resolvemos ajudar os outros, ns come-amos a ser ajudados de maneiras que no espervamos. Quando retorna-mos ao colgio, estvamos cheios de alegria pelas maravilhas que Deus havia feito por ns. E ainda pudemos ajudar outra pessoa com a porcentagem do pacto que havamos feito.

    Gislene Goulart NiderstrasserAssociao Bahia Central (Uneb)

    deus fielCantarei para sempre as Tuas misericrdias, Senhor; os meus lbios procla-maro a todas as geraes a Tua fidelidade. Salmo 89:1

    gislene Goulart era professora em uma escola adventista e vivia um dile-ma: o salrio s dava para duas semanas do ms. Nas prximas semanas, as compras eram no carto de crdito. No ms seguinte, metade do salrio era s para pagar o carto j utilizado, e a outra metade acabava emdias.

    O presidente de Associao Bahia Central, escritrio que administra as igrejas e instituies adventistas na regio central do estado, fez uma semana de orao sobre mordomia na igreja de Gislene. Falou sobre a devoluo no apenas do dzimo, mas tambm do pacto. Gislene e o marido decidiram devolver 10% de pacto. Antes mesmo de receber o prximo salrio e cumpri-rem a promessa, o Senhor j comeou a lhes abenoar. Duas de suas alunas passaram a ir para a escola com Gislene, pagando o equivalente ao combus-tvel que gastava por ms. Alm dessa economia, o Senhor fez com que o dinheiro esticasse, acabando s um dia antes de o prximo salrio chegar, e nunca mais deixou de ser assim.

    No final daquele ano, o marido de Gislene decidiu estudar Teologia no Iae-ne. Tudo estava dando certo at chegar metade do primeiro ano, quando ela e o marido foram colportar. Saram do trabalho com apenas R$ 500,00 de lu-cro. Precisavam pagar a faculdade dele, pagar o aluguel e ainda se manter com a alimentao durante todo o semestre. Resolveram vender o carro, um Gol 86. No mesmo dia em que anunciaram a venda do carro, apareceu comprador disposto a pagar vista. Eles viveram dois meses com aquele dinheiro. Quando estava terminando, receberam o pagamento de uma empresa que lhes devia por palestras realizadas pelo marido de Gislene havia uns 9 meses. Viveram o restante do ano com aquele valor. Ento, chegou a colportagem novamente.

    Mesmo com as dificuldades financeiras, eles nunca deixaram de devolver o dzimo e o pacto. Seu marido, nos momentos de orao de madrugada, comeou a sentir vontade de fazer um novo pacto: separar mais 10% do re-sultado daquelas frias para ajudar os necessitados. Com isso, 30% j estavam comprometidos para o Senhor.

    No ltimo culto de quarta-feira daquelas frias de colportagem, uma irm disse ao marido de Gislene: Quero lhe dar um presente. Vou lhe dar um ter-

    Sexta, 8 de abril

  • www.mordomiacrista.com.br 21

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    no. No outro dia foram ao shopping e ela comprou um terno belssimo, que no poderiam comprar to cedo. Ao agradecer-lhe, disseram: Irm, a senho-ra um anjo! Ela respondeu: No, sou apenas um instrumento de Deus. Ele quer lhe dar este presente e est me usando paraisso.

    Naquela mesma quarta-feira, depois do culto, outro irmo lhe disse: Sabe, estive pensando em voc, quero lhe pagar os estudos. Que culto de quarta-feira abenoado!

    Gislene sempre ouviu histrias surpreendentes sobre como Deus fiel a quem Lhe fiel. Mas no imaginava quantas bnos o Senhor poderia der-ramar sobre ela, quando comeasse a prov-Lo. E ela viu que Deus muito bom! Gislene tem certeza de que novos milagres ainda viro.

    Quando somos fiis ao Senhor e resolvemos ajudar os outros, ns come-amos a ser ajudados de maneiras que no espervamos. Quando retorna-mos ao colgio, estvamos cheios de alegria pelas maravilhas que Deus havia feito por ns. E ainda pudemos ajudar outra pessoa com a porcentagem do pacto que havamos feito.

    Gislene Goulart NiderstrasserAssociao Bahia Central (Uneb)

    deus fielCantarei para sempre as Tuas misericrdias, Senhor; os meus lbios procla-maro a todas as geraes a Tua fidelidade. Salmo 89:1

    gislene Goulart era professora em uma escola adventista e vivia um dile-ma: o salrio s dava para duas semanas do ms. Nas prximas semanas, as compras eram no carto de crdito. No ms seguinte, metade do salrio era s para pagar o carto j utilizado, e a outra metade acabava emdias.

    O presidente de Associao Bahia Central, escritrio que administra as igrejas e instituies adventistas na regio central do estado, fez uma semana de orao sobre mordomia na igreja de Gislene. Falou sobre a devoluo no apenas do dzimo, mas tambm do pacto. Gislene e o marido decidiram devolver 10% de pacto. Antes mesmo de receber o prximo salrio e cumpri-rem a promessa, o Senhor j comeou a lhes abenoar. Duas de suas alunas passaram a ir para a escola com Gislene, pagando o equivalente ao combus-tvel que gastava por ms. Alm dessa economia, o Senhor fez com que o dinheiro esticasse, acabando s um dia antes de o prximo salrio chegar, e nunca mais deixou de ser assim.

    No final daquele ano, o marido de Gislene decidiu estudar Teologia no Iae-ne. Tudo estava dando certo at chegar metade do primeiro ano, quando ela e o marido foram colportar. Saram do trabalho com apenas R$ 500,00 de lu-cro. Precisavam pagar a faculdade dele, pagar o aluguel e ainda se manter com a alimentao durante todo o semestre. Resolveram vender o carro, um Gol 86. No mesmo dia em que anunciaram a venda do carro, apareceu comprador disposto a pagar vista. Eles viveram dois meses com aquele dinheiro. Quando estava terminando, receberam o pagamento de uma empresa que lhes devia por palestras realizadas pelo marido de Gislene havia uns 9 meses. Viveram o restante do ano com aquele valor. Ento, chegou a colportagem novamente.

    Mesmo com as dificuldades financeiras, eles nunca deixaram de devolver o dzimo e o pacto. Seu marido, nos momentos de orao de madrugada, comeou a sentir vontade de fazer um novo pacto: separar mais 10% do re-sultado daquelas frias para ajudar os necessitados. Com isso, 30% j estavam comprometidos para o Senhor.

    No ltimo culto de quarta-feira daquelas frias de colportagem, uma irm disse ao marido de Gislene: Quero lhe dar um presente. Vou lhe dar um ter-

    Sexta, 8 de abril

  • www.mordomiacrista.com.br22

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus em primeiro lugArTrazei todos os dzimos casa do tesouro, para que haja mantimento na Mi-nha casa; e provai-Me nisto, diz o Senhor dos Exrcitos, se Eu no vos abrir as janelas do Cu e no derramar sobre vs bno sem medida. Malaquias 3:10

    deus nunca nos deixou sem nenhuma evidncia de Seu amor, pelo fato de nos ter feito o bem. [...] Cada momento somos mantidos pelo cuida-do de Deus e sustentados pelo Seu poder. Ele enche nossa mesa de alimento. D-nos sono pacfico e refrigerador. [...] Acima de tudo, est o dom infinito do querido Filho de Deus, atravs do qual fluem todas as outras bnos para esta vida e para a vida vindoura. [...] Com corao alegre levemos ao nosso Criador as primcias de toda a Sua liberalidade as nossas mais acariciadas posses, nosso melhor e mais santo servio (Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, p.17, 18).

    O irmo Elicio Jaramillo frequenta a Igreja Adventista de Arenillas, na Re-pblica do Equador, onde serve como ancio. o primeiro adventista converti-do na cidade de Arenillas, e hoje a igreja formada por mais de 100membros.

    Elicio trabalha como professor no colgio mais antigo daquela localidade. Alm disso, ele possui um stio e, como passatempo, cuida de seu gado. Ele diz que o contato com a natureza sempre uma oportunidade de recordar as grandes maravilhas do Criador. Todos os meses, ele separava seus dzimos e ofertas, mas um dia, para liquidar outras dvidas e compromissos, ele se esqueceu de separar o dzimo e a oferta.

    Ao voltar ao seu stio, ele percebeu que duas de suas cabritas recm-pari-das haviam ficado enredadas nas cercas de arame da propriedade e morrido. Isso o levou a pensar. Ento, se deu conta de que havia se esquecido de uma coisa muito importante: devolver a Deus o que Lhepertence.

    Se Deus sempre pensa em mim, parece que o mnimo que posso fazer pensar nEle em primeiro lugar. A partir desse dia, decidi fazer um pacto pessoal com Deus: devolver seus dzimos fielmente e entregar a primeira cria das vacas durante o ano como pacto. Como resultado desse pacto, os irmos conseguiram instalar na igreja uma antenaparablica.

    Elicio JaramilloEquador

    deus est no ControleSe desviares o p de profanar o sbado e de cuidar dos teus prprios inte-resses no meu santo dia [...], Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herana de Jac, teu pai, porque a boca do Senhor o disse. Isaas 58:13, 14

    francisco Jos Arajo Martins tinha um objetivo no ltimo trimestre de 2008: junto com amigos, ele saiu de Chapadinha e viajou para Estreito, Maranho, esperando trabalhar nessa cidade e em cidades vizinhas de To-cantins. O plano era juntar dinheiro e voltar em seguida.

    Mas, na metade de 2009, Francisco experimentou uma provao. O chefe do setor na empresa onde trabalhava disse que precisaria de seu servio no sbado. No virei, pois o sbado no pertence a mim, mas ao Deus a quem sirvo, disse Francisco. Seu chefe insistiu; disse que, se no viesse, perderia o emprego. Era sexta-feira, e Francisco telefonou para sua esposa Qusia e contou o que havia acontecido. Falou tambm de seus compromissos finan-ceiros. Qusia era uma dedicada serva do Senhor que reconhecia a soberania de Deus e era fiel nos dzimos, nas ofertas e na observncia do sbado. Seja fiel a Deus, e Ele cuidar de nossa vida financeira, disse Qusia ao marido.

    No dia seguinte, quando chegou para trabalhar, o chefe de seu setor o de-mitiu, como havia prometido. Francisco estava se preparando para ir embora, quando o diretor-geral da empresa o viu e o cumprimentou, perguntando se estava tudo bem. Francisco falou que estava indo embora, pois havia sido demitido naquele momento.

    A reao do diretor foi de espanto. Ele mandou chamar o chefe do setor em que Francisco trabalhava e o demitiu. A demisso de Francisco foi can-celada, e ele ainda teve um aumento de 30% em seu salrio. Estava dado o testemunho de que Deus estava no comando da empresa e guiava a vida de Francisco, o servo que apesar da adversidade, decidiu permanecer fiel.

    Luis CludioAssociao Maranhense (UNB)

    Sexta, 15 de abril Sexta, 22 de abril

  • www.mordomiacrista.com.br 23

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus em primeiro lugArTrazei todos os dzimos casa do tesouro, para que haja mantimento na Mi-nha casa; e provai-Me nisto, diz o Senhor dos Exrcitos, se Eu no vos abrir as janelas do Cu e no derramar sobre vs bno sem medida. Malaquias 3:10

    deus nunca nos deixou sem nenhuma evidncia de Seu amor, pelo fato de nos ter feito o bem. [...] Cada momento somos mantidos pelo cuida-do de Deus e sustentados pelo Seu poder. Ele enche nossa mesa de alimento. D-nos sono pacfico e refrigerador. [...] Acima de tudo, est o dom infinito do querido Filho de Deus, atravs do qual fluem todas as outras bnos para esta vida e para a vida vindoura. [...] Com corao alegre levemos ao nosso Criador as primcias de toda a Sua liberalidade as nossas mais acariciadas posses, nosso melhor e mais santo servio (Ellen G. White, Conselhos Sobre Mordomia, p.17, 18).

    O irmo Elicio Jaramillo frequenta a Igreja Adventista de Arenillas, na Re-pblica do Equador, onde serve como ancio. o primeiro adventista converti-do na cidade de Arenillas, e hoje a igreja formada por mais de 100membros.

    Elicio trabalha como professor no colgio mais antigo daquela localidade. Alm disso, ele possui um stio e, como passatempo, cuida de seu gado. Ele diz que o contato com a natureza sempre uma oportunidade de recordar as grandes maravilhas do Criador. Todos os meses, ele separava seus dzimos e ofertas, mas um dia, para liquidar outras dvidas e compromissos, ele se esqueceu de separar o dzimo e a oferta.

    Ao voltar ao seu stio, ele percebeu que duas de suas cabritas recm-pari-das haviam ficado enredadas nas cercas de arame da propriedade e morrido. Isso o levou a pensar. Ento, se deu conta de que havia se esquecido de uma coisa muito importante: devolver a Deus o que Lhepertence.

    Se Deus sempre pensa em mim, parece que o mnimo que posso fazer pensar nEle em primeiro lugar. A partir desse dia, decidi fazer um pacto pessoal com Deus: devolver seus dzimos fielmente e entregar a primeira cria das vacas durante o ano como pacto. Como resultado desse pacto, os irmos conseguiram instalar na igreja uma antenaparablica.

    Elicio JaramilloEquador

    deus est no ControleSe desviares o p de profanar o sbado e de cuidar dos teus prprios inte-resses no meu santo dia [...], Eu te farei cavalgar sobre os altos da terra e te sustentarei com a herana de Jac, teu pai, porque a boca do Senhor o disse. Isaas 58:13, 14

    francisco Jos Arajo Martins tinha um objetivo no ltimo trimestre de 2008: junto com amigos, ele saiu de Chapadinha e viajou para Estreito, Maranho, esperando trabalhar nessa cidade e em cidades vizinhas de To-cantins. O plano era juntar dinheiro e voltar em seguida.

    Mas, na metade de 2009, Francisco experimentou uma provao. O chefe do setor na empresa onde trabalhava disse que precisaria de seu servio no sbado. No virei, pois o sbado no pertence a mim, mas ao Deus a quem sirvo, disse Francisco. Seu chefe insistiu; disse que, se no viesse, perderia o emprego. Era sexta-feira, e Francisco telefonou para sua esposa Qusia e contou o que havia acontecido. Falou tambm de seus compromissos finan-ceiros. Qusia era uma dedicada serva do Senhor que reconhecia a soberania de Deus e era fiel nos dzimos, nas ofertas e na observncia do sbado. Seja fiel a Deus, e Ele cuidar de nossa vida financeira, disse Qusia ao marido.

    No dia seguinte, quando chegou para trabalhar, o chefe de seu setor o de-mitiu, como havia prometido. Francisco estava se preparando para ir embora, quando o diretor-geral da empresa o viu e o cumprimentou, perguntando se estava tudo bem. Francisco falou que estava indo embora, pois havia sido demitido naquele momento.

    A reao do diretor foi de espanto. Ele mandou chamar o chefe do setor em que Francisco trabalhava e o demitiu. A demisso de Francisco foi can-celada, e ele ainda teve um aumento de 30% em seu salrio. Estava dado o testemunho de que Deus estava no comando da empresa e guiava a vida de Francisco, o servo que apesar da adversidade, decidiu permanecer fiel.

    Luis CludioAssociao Maranhense (UNB)

    Sexta, 15 de abril Sexta, 22 de abril

  • www.mordomiacrista.com.br24

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus tem CompAixo de seus filhosFui moo e j, agora, sou velho, porm jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendncia a mendigar o po. Salmo 37:25

    meu nome Dara Rufina Ferreira. Deus permitiu que eu passasse por aflies financeiras e, em apenas 21 dias, perdi dinheiro e amizades devido aos maus negcios que realizei. A nica forma de pagar minhas d-vidas acumuladas foi viajar aos Estados Unidos para juntar dinheiro. Certo dia, uma famlia adventista me convidou para ir igreja. Como aqueles anos eram dif ceis em todos os sentidos, aceitei o convite e comecei a sentir algo especial, como uma angstia e desespero, porque ouvia a voz de Deus, mas no queria atender ao que Ele me dizia.

    Algo que exerceu grande impacto sobre mim foi saber que, no Paraguai, meus familiares comearam a realizar um grupo de orao intercessria em meu favor. Em 2005, voltei ao Paraguai e, um dia, senti vontade de ir igreja com meu irmo Epifnio, mas minha me, que no era adventista, comeou a fomentar uma guerra espiritual. A despeito disso, fiz vrios estudos bblicos.

    Em 2007, Deus me abenoou. Iniciei meu prprio negcio e abri uma ser-ralheria, passando a ter vrios compromissos financeiros. Fiquei em dvida quanto deciso de guardar o sbado, apesar de que meu irmo e sua esposa sempre me animaram.

    Certo dia, o meu irmo me convidou para assistir s conferncias via sa-tlite do pastor Mark Finley. No foi fcil, mas por fim tomei a deciso de ser batizada e me entregar totalmente a Cristo. Decidi confiar no Senhor e Lhe en-treguei minhas contas, meus problemas financeiros e pedi que os solucionasse.

    Eu mudei, minha fidelidade mudou, meu rosto mudou e tudo mudou para melhor. Antes, eu era marcada pela amargura e falta de esperana, minha atitude diante da vida era de incredulidade, de constante nervosismo. O que agora mudou no foram meus problemas (nem todos desapareceram), mas sim a minha atitude. Tenho gratido ao Deus todo-poderoso que me protege, sustenta e guarda.

    Dara FerreiraParaguai

    Sexta, 6 de maio

    deus no se esqueCe de nsO Senhor fiel em todas as Suas palavras e santo em todas as Suas obras. Salmo145:13

    quando Donizete de Mendona Jnior conseguiu seu primeiro trabalho, ele passou a ganhar cerca de R$ 400,00 por semana. Em seguida, co-meou a estudar a Bblia e decidiu entregar a vida a Cristo. Tempo depois, Donizete saiu desse emprego e foi trabalhar com um membro da sua igreja, ganhando R$ 70,00 por semana. Donizete passou por momentos dif ceis. Pa-gava aluguel e tinha de sustentar a famlia. Ele sabia, entretanto, que Deus iria lhe recompensar.

    Passaram-se dois anos e Donizete conseguiu crdito no comrcio para tra-balhar com jeans. Seu sogro lhe chamou para trabalhar com ele em sociedade. Ento, comprou em seu nome todas as mercadorias, e seu sogro vendia. Com o tempo, as mercadorias foram vendidas e os cheques voltaram. Foram mais de R$ 100.000,00 em cheques devolvidos. Ficaram devendo a 32 pessoas.

    Nesse perodo, Donizete e sua esposa receberam o convite da jornada espiritual e comearam a se levantar de madrugada para meditar e orar. Pe-diram a Deus uma soluo.

    Donizete sofreu muito, pois no tinha mais crdito no comrcio. Mas ele orou a Deus durante a jornada espiritual para que a situao fosse resolvida e pudesse trabalhar. Donizete contou a situao a um empresrio, que lhe deu crdito. Donizete conseguiu pagar todas as pessoas para quem devia. Deus lhe devolveu o triplo. Ele deu para Donizete e os familiares mais do que mereciam. Compraram cinco casas, inclusive uma para a sogra de Donizete.

    E devia muito, mas atravs do meu pacto e da jornada espiritual, Deus me abenoou para administrar hoje uma microempresa de confeces e um patrimnio de casas e carros em um valor muito maior do que pedi a Deus. Ele colocou no meu corao o desejo de ajudar em ofertas para construo de novas igrejas. Sei que seu patrimnio se deve bondade de Deus. Tudo que tem para glria de nosso Deus e para o crescimento de Sua obra.

    Donizete de MendonaMisso Pernambucana Central (Uneb)

    Sexta, 29 de abril

    Se voc tem uma histria inspiradora para compartilhar conosco, escreva para: [email protected]

  • www.mordomiacrista.com.br 25

    VANDIR

    Designer

    Editor

    C. Q.

    Depto. Arte

    2366

    8 - M

    edita

    o

    de p

    or d

    o so

    l 201

    1

    deus tem CompAixo de seus filhosFui moo e j, agora, sou velho, porm jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendncia a mendigar o po. Salmo 37:25

    meu nome Dara Rufina Ferreira. Deus permitiu que eu passasse por aflies financeiras e, em apenas 21 dias, perdi dinheiro e amizades devido aos maus negcios que realizei. A nica forma de pagar minhas d-vidas acumuladas foi viajar aos Estados Unidos para juntar dinheiro. Certo dia, uma famlia adventista me convidou para ir igreja. Como aqueles anos eram dif ceis em todos os sentidos, aceitei o convite e comecei a sentir algo especial, como uma angstia e desespero, porque ouvia a voz de Deus, mas no queria atender ao que Ele me dizia.

    Algo que exerceu grande impacto sobre mim foi saber que, no Paraguai, meus familiares comearam a realizar um grupo de orao intercessria em meu favor. Em 2005, voltei ao Paraguai e, um dia, senti vontade de ir igreja com me