Mídias alternativas VS Mídias tradicionais: as ...· Mídias alternativas VS Mídias tradicionais:

download Mídias alternativas VS Mídias tradicionais: as ...· Mídias alternativas VS Mídias tradicionais:

of 15

  • date post

    12-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Mídias alternativas VS Mídias tradicionais: as ...· Mídias alternativas VS Mídias tradicionais:

Centro Internacional de Semitica e Comunicao CISECO

II COLQUIO SEMITICA DAS MDIAS ISSN 2317-9147

Praia Hotel Albacora Japaratinga Alagoas 25 de setembro de 2013

1

Mdias alternativas VS Mdias tradicionais:

as manifestaes de junho de 2013

Marcos Reche vila1

Resumo

Pretende-se neste trabalho descrever algumas diferenas das abordagens miditicas

realizadas em junho de 2013 sobre os acontecimentos relacionados com as

manifestaes em ruas de vrias cidades brasileiras. Foram estudados recortes das

coberturas feitos por veculos de jornalismo televisivos, impressos, de webjornalismo; e

outras mdias que se propem comunicao em redes sociais. Estas ltimas sero

chamadas aqui de mdias sociais2 o conceito de mdia social utilizado aqui vem do

marketing digital, ou seja, converge com o interesse neste artigo em apresentar uma

definio deste conceito no campo da internet. Levam-se em conta duas angulaes, de

um lado a chamada grande mdia e de outro as mdias sociais e veculos

jornalsticos alternativos. A grande mdia, de incio, se fixou na cobertura dos atos de

depredao de patrimnio pblico e privado por parte de manifestantes. As mdias

sociais divulgaram e criaram releituras de materiais contrrios, como fotos dos

manifestos, mostrando o nmero majoritrio de pessoas em passeatas pacficas,

diminuindo a generalizao e categorizando, mesmo que superficialmente, os tipos de

manifestantes. Finalmente enfatizamos que nos apoiamos em um conjunto de peas

jornalsticas matrias e reportagens produzidas pela mdia tradicional e em fotos e

vdeos produzidos pelas mdias sociais, para a realizao desta reflexo.

Palavras-chave:

Midiatizao; Acontecimento; Mdia.

1 Graduando em Comunicao Social: Habilitao Jornalismo na Universidade do Vale do Rio dos Sinos

UNISINOS e bolsista de Iniciao Cientfica CNPq Projeto de Pesquisa Afetaes da midiatizao

sobre o ofcio jornalstico: ambincia, identidades, discursividades e processos interacionais, coordenado

pelo Prof. Dr. Antnio Fausto Neto.

2Cludio Torres v as mdias sociais como as que permitem a criao e compartilhamento de

informaes e contedos pelas pessoas e para as pessoas. So mdias transmissoras de informao de

forma livre e aberta a colaborao e interao de todos (Torres: 2009).

Centro Internacional de Semitica e Comunicao CISECO

II COLQUIO SEMITICA DAS MDIAS ISSN 2317-9147

Praia Hotel Albacora Japaratinga Alagoas 25 de setembro de 2013

2

Introduo

H alguns anos, movimentos formados por centenas de pessoas tem ido s ruas exigir

o passe livre nos transportes coletivos. Movimentos estes que ganharam muita

visibilidade nas redes sociais e nas mdias tradicionais em eventos pontuais, e no ms de

junho receberam o apoio de milhares de pessoas, que saram s ruas para somar aos

movimentos em todo o pas. medida que os protestos se tornavam maiores, eventos

criados em redes sociais incitavam as pessoas adeso a luta, mas agregavam

particularidades: pautas diversas comearam a surgir. Gritos de guerra como o

gigante acordou entoaram as manifestaes virtuais e fsicas. Ativistas reforaram a

onda de indignao generalizada com os servios pblicos do pas e colocaram em

pauta reivindicaes contra leis especficas em processo de votao pelo poder

legislativo. As ruas passaram a abrigar uma massa3 de milhares em marcha, mas com

propsitos prprios, que no necessariamente convergiam uns com os outros.

As manifestaes foram expressas em palavras, pixos, cartazes e depredaes. O

universo de expresses foi grande e no foi homogneo. Os movimentos pelo passe

livre nos transportes pblicos tentaram manter a liderana de alguma forma, mas apenas

parte dos manifestantes esteve nas ruas por esta causa. Muitos agiam seguindo seu

prprio entendimento sobre o que deveria ser pautado como, problemas na rea da

sade, educao, a chamada lei da cura gay, etc. Havia quem clamasse pelo fim da

corrupo, expressando fisicamente com cartazes ou em ciberativismo nas redes sociais

as redes sociais so alguns exemplos desta prtica.

Surgiu, em meio a esta onda de protestos, um grupo no liderado e autointitulado

Black Bloc, cujas mdias tradicionais optaram por no dar-lhe muita visibilidade e os

integrantes passaram a ser chamados de vndalos ou mascarados. Este ltimo no era

um grupo institucionalizado como um movimento social convencional e no pretendia

ser visto como tal. Atuaram como um bloco. Vestiam roupas pretas para impactar e

vendavam o rosto com lenos ou camisetas para no serem identificados. Os

manifestantes que formaram o Black Bloc foram os que se expressaram atravs de

depredaes, como a quebra de portas de vidro das agncias bancrias, e pixos

3 Aqui expresso o termo segundo a ideia de Elias Canetti sobre massa aberta: no se sabe o quanto pode

crescer; no tem uma medida; deseja crescer at o infinito e precisa de mais e mais pessoas para isto

(Canetti: 1995).

Centro Internacional de Semitica e Comunicao CISECO

II COLQUIO SEMITICA DAS MDIAS ISSN 2317-9147

Praia Hotel Albacora Japaratinga Alagoas 25 de setembro de 2013

3

pichaes. No decorrer do texto, dentro do recorte trazido aqui sobre a cobertura da

mdia Ninja, o reprter traz um dos atos como simbolismo. Isto destoa das demais

coberturas que os trataram como vndalos.

Dado o fenmeno, as mdias4 comearam a noticiar os acontecimentos que o

envolviam e todos os indivduos da sociedade se informam de alguma forma. Significa

dizer que as mdias auxiliam na construo das realidades sociais. Sabendo disto,

necessrio o entendimento da relao dos atores sociais neste caso so todos os

cidados da nao - com as mdias. Alsina desenvolve uma importante reflexo a

respeito, onde toda a atividade discursiva pressupe a produo de interpretaes na

construo do que se enuncia. Todas as pessoas constroem a realidade do que as cerca,

porm o jornalista constri a realidade pblica do dia-a-dia. Cada sistema cultural

define que fato ou fenmeno merece ser considerado um acontecimento. As empresas

jornalsticas transformam os acontecimentos em notcias, quando adquirem valor para

isto (Alsina: 2009).

preciso entender que vivemos em uma sociedade midiatizada, ou seja, os difusores

de informao no so apenas transportadores das informaes dos atores sociais

envolvidos em um acontecimento. Antnio Fausto Neto define o trabalho da

midiatizao como gerador de fluxos de interaes de natureza tcnico-discursiva e

sempre afetam os campos sociais e os atores sociais envolvidos nestes campos. O

foco da promoo destes fluxos de interao est na cultura, nas lgicas e operaes

enunciativas inseridas na sociedade. Os mediadores constroem as formas de

organizao e funcionamento. Definem, ainda, as condies de acesso e consumo dos

indivduos. A midiatizao , tambm, o processo de auto-operaes que transforma o

enunciado no prprio acontecimento e utilizado em diversos setores da prtica social,

produzindo diferentes consequncias em cada um deles (Fausto Neto: 2009).

de conhecimento tambm que a imprensa - ou a mdia - se baseia em agendamentos

para produzir notcias. A seleo de objetos e enquadramentos nos dizem o que pensar e

como pensar sobre o acontecimento (McCombs e Shaw: 1993, apud Traquina:

2001). Estes conceitos foram fundamentais para mostrar a importncia desta anlise.

4 Somos habituados a ver o dispositivo miditico aparelho de tv, rdio, pc (personal computer), etc.

como o disseminador do acontecimento. Mcluhan recupera este conceito de diferentes formas e aponta

qualquer meio como a mensagem em si. Isto porque a forma como o meio utilizado define a produo

das mensagens (Mcluhan: 2007).

Centro Internacional de Semitica e Comunicao CISECO

II COLQUIO SEMITICA DAS MDIAS ISSN 2317-9147

Praia Hotel Albacora Japaratinga Alagoas 25 de setembro de 2013

4

Isto porque alm das questes j muito discutidas sobre este tipo de anlise e inerentes

ao ofcio do jornalismo, surgiram novas modalidades de recursos tcnico-discursivos

jornalsticos. As redes sociais so algumas destas proponentes.

Neste artigo ser analisado o trabalho jornalstico e construtor de realidades sociais de

trs mdias. Uma destas mdias jornalsticas novas ganhou muita fora durante as

manifestaes de rua: a mdia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ao),

cujas narrativas utilizadas por cada profissional so independentes. As outras duas

mdias so tradicionais e legitimadas pelo seu trabalho h muito tempo, a Folha de So

Paulo (FSP) e o Jornal Nacional (JN). Isto a fim de enxergamos pelo menos uma

pequena frao do panorama da midiatizao jornalstica no Brasil.

Todo o material utilizado para a anlise foi coletado a partir de vdeos gravados e

textos impressos ou digitais recuperados ps-data de publicao. Devido ao espao e o

flego possveis para este trabalho, o universo de materiais analisado