Módulo 2 • Unidade 1 A Prescrição - cejarj.cecierj.edu.br · a função conativa/apelativa da...

Click here to load reader

  • date post

    11-Nov-2018
  • Category

    Documents

  • view

    216
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Módulo 2 • Unidade 1 A Prescrição - cejarj.cecierj.edu.br · a função conativa/apelativa da...

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 5

    Mdulo 2 Unidade 1

    A PrescrioPara incio de conversa...

    Voc j imaginou o que aconteceria se andssemos pelas estradas e ruas

    sem nenhuma orientao sobre onde dobrar, parar, estacionar ou mesmo reduzir

    a velocidade? Ou se junto aos produtos eletroeletrnicos que adquirimos, no

    houvesse instrues para sua instalao e uso?

    Como seria se, ao consultarmos um mdico, ele no nos orientasse sobre

    como realizar um tratamento? Ou se, na academia, no nos apontassem como

    executar os exerccios fsicos?

    E se tentssemos fazer um prato novo sem uma receita culinria? Ou se

    fssemos a um restaurante onde no houvesse certas regras de comportamento?

    Ou, ainda, j pensou como seria infernal a nossa vida num condomnio

    sem regras e normas

    Figura 1: Voc j se sentiu perdido alguma vez, sem saber para onde ir, o que fazer ou como manusear determinado aparelho? Pois , assim uma vida sem orientaes.

  • Mdulo 2 Unidade 16

    Devem ter passado pela sua cabea vrias cenas em que o resultado provocado pela inexistncia de orienta-

    es, instrues e normas seria bem negativo, ou at desastroso, no ?

    Esta Unidade vai abordar o tipo de texto que tem a funo de orientar nossas aes no dia a dia e nossa vida

    em sociedade. Vamos trabalhar com a prescrio e com os textos de natureza prescritiva, suas manifestaes, elemen-

    tos e estrutura. Vamos nessa?

    Figura 2: Se mesmo com placas e leis previstas algumas pessoas ainda desrespeitam as normas de trnsito, imagine se no houvesse nenhum tipo de regulamentao... O mundo seria um caos!

    Objetivos de aprendizagem

    Reconhecer as caractersticas de textos prescritivos.

    Reconhecer textos prescritivos em diferentes situaes do cotidiano.

    Analisar textos prescritivos a partir de suas caractersticas lingusticas.

    Reconhecer os modos verbais e empreg-los adequadamente.

    Identificar a formao do modo imperativo.

    Usar o modo imperativo na produo de textos prescritivos.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 7

    Voc sabia que as placas de sinalizao so classificadas em trs categorias,

    com funes e caractersticas especficas? So elas:

    Regulamentao

    regulamentam o uso da via, definindo suas proibies, permisses e restri-

    es, devendo ser obedecidas pelos condutores e pedestres, sob pena de

    cometerem infrao de trnsito. Ex: placa de proibido estacionar.

    Advertncia

    tm a funo de alertar, orientar e advertir o condutor sobre uma situao

    que ele vai encontrar mais frente, normalmente situaes em que deva ter

    mais ateno e cuidado.

    curva acentuada em "S" a esquerda

    Indicao

    tm a finalidade de indicar, orientar e dar localizao ao condutor. Indica o

    caminho a ser tomado para um determinado destino, a quilometragem a ser

    percorrida, a quilometragem da via naquele local, a proximidade de cidades,

    praias, restaurantes e postos de gasolina, o nome ou prefixo da rodovia, etc.

    Para saber mais sobre a sinalizao de trnsito, voc pode consultar:

    http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sinais-de-transito/sinais-de-transito.

    php

  • Mdulo 2 Unidade 18

    Seo 1Prescrio

    Para evitar as cenas caticas que voc deve ter imaginado e para facilitar a nossa vida, h um determinado tipo

    de texto que responsvel pela manifestao e explicitao de regras, normas, instrues, orientaes, etc. Chama-

    mos esse texto de prescrio, ou ainda, segundo alguns autores, injuno.

    Para iniciarmos a discusso, analise os textos a seguir e responda s questes propostas.

    Texto 1

    Modo de preparo :

    Coloque o sach em uma xcara de ch e adicione gua fervente. Deixe de 3 a 5 mi-

    nutos ou at atingir a cor e o sabor desejado. Adoce a gosto.

    Texto 2

    Placas de regulamentao

    D a preferncia Pare Proibido virar esquerda Siga em frente-

    Texto 3

    Dicas para ser feliz

    1 - Seja tico. A vitria que vale a pena a que aumenta a sua dignidade e reafirma

    valores profundos.

    2 Estude sempre e muito.

    3 Acredite sempre no amor. No fomos feitos para a solido.

    4 Seja grato(a) a quem participa das suas conquistas. O verdadeiro campeo sabe

    que as vitrias so alimentadas pelo trabalho em equipe.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 9

    (...)

    7 Tenha metas claras. Ter objetivos claros evita desperdcios de tempo, energia e

    dinheiro.

    8 Cuide bem do seu corpo. Alimentao, sono e exerccio so fundamentais para

    a vida saudvel.

    (...)

    10 Amplie os seus relacionamentos profissionais. Os amigos so a melhor refern-

    cia em crises e a melhor fonte de oportunidades na expanso. Ter bons contatos essencial

    em momentos decisivos.

    (...)

    20 Celebre as vitrias. Compartilhe o sucesso, mesmo as pequenas conquistas,

    com pessoas queridas.

    (Extrato de texto de Roberto Shinyashiki, Jornal Lourdes, janeiro de 2012, Caxias do Sul RS.)

    1. Qual o objetivo de cada um dos textos e em que situaes eles se encontram?

    2. Que palavras e elementos so utilizados em cada um dos textos para dar conta

    dos objetivos propostos?

    3. Como os textos esto estruturados? Quais so as partes que os compem?

  • Mdulo 2 Unidade 110

    Encontro presencial

    Faa um levantamento de cinco situaes no seu dia a dia nas quais voc se depara

    com textos prescritivos ou tem de produzi-los. Leve o resultado da pesquisa para socializar

    e discutir com o professor e com os seus colegas. Compare as suas situaes com as dos

    colegas e estabelea os pontos em comum.

    Aps realizar as atividades, observe que as suas respostas devem ter apontado para o fato de que, apesar de

    tratarem de assuntos diferentes e de encontrarem-se em situaes diferenciadas, os trs textos da Atividade 1 tm um

    objetivo comum, que o de orientar nossas aes.

    No primeiro texto, temos os passos para preparao de um ch (coloque, deixe, adoce). No segundo, instru-

    es precisas sobre como agir no trnsito (placas de sinalizao e o que elas significam d a preferncia, proibido,

    siga, etc.). E no terceiro, como devemos agir para conquistar a felicidade (seja tico, estude muito, acredite, etc.).

    Dessa maneira, podemos constatar, nos trs textos, a expresso de exerccios de prescrio.

    A prescrio, assim como a narrao, a descrio e a argumentao, constitui uma espcie de tipologia textual

    e atua como uma funo da linguagem que nos permite apresentar e receber, de forma precisa e organizada, os pas-

    sos de uma sequncia, instrues, conselhos, ordens, orientaes sobre como agir e se comportar e de como executar

    certas aes concretas.

    Fornecemos informaes e temos contato com textos prescritivos quando somos condutores de um processo

    ou temos de seguir ordens ou orientaes, como por exemplo, quando damos ordens, quer no ambiente familiar ou

    no trabalho, quando orientamos o que as pessoas devem fazer em uma sequncia (primeiro faa isso, depois, realize

    tal ao, etc.), quando vamos ao mdico e ele nos d uma receita de como tratar nossos sintomas, etc.

    Prescrever se relaciona com ordenar, instruir, determinar regras, fixar limites. Nos textos prescritivos predomina

    a funo conativa/apelativa da linguagem (voltada para o receptor) e eles visam tentar convencer ou persuadir quem

    ouve a obedecer a uma vontade, a fazer, ou a no fazer algo, seja ordenando ou pedindo gentilmente.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 11

    Os textos prescritivos so, portanto, aqueles que trazem informao sobre como realizar aes. Eles esto pre-

    sentes com frequncia em nosso dia a dia, podendo ser extremamente simples, como uma receita de bolo e ordens

    de exerccios escolares, ou assumir uma natureza mais complexa, como bulas de medicamentos, regulamentos de

    cursos, leis, instrues de montagem e utilizao de mquinas e equipamentos, dentre outras formas.

    Eles tm a funo de regular com preciso o comportamento humano para a realizao de algum objetivo,

    e so constitudos por uma explicao detalhada de como fazer determinada tarefa, e, muitas vezes, contam com o

    auxlio de grficos e sinais para ilustrar o contedo.

    Figura 3: Voc j imaginou como a nossa vida seria complicada se no fossem os manuais? Como seria difcil, por exemplo, manusear esta mquina de costura se no houvesse um manual, no verdade?

  • Mdulo 2 Unidade 112

    Seo 2Organizao estrutural e lingustica do texto prescritivo

    Como se constituem os textos prescritivos? Para respondermos a essa questo, vamos retomar as respostas

    que voc deu s questes 2 e 3 da Atividade 1.

    Conforme j apresentado, por meio das palavras, dos elementos grficos e estruturao que podemos reco-

    nhecer a tipologia de um texto. No caso dos textos analisados, as palavras e expresses que nos indicam a existncia

    da prescrio so:

    coloque, adicione, deixe, adoce (Texto 1);

    as imagens das placas e o que elas significam: d, pare, proibido, siga (Texto 2);

    seja, acredite, tenha, cuide, amplie, celebre (Texto 3);

    e associadas a elas, as expresses modo de preparo, regulamentao e dicas, que nos apontam o que vai

    ser apresentado.

    Podemos perceber por esse levantamento que na linguagem prescritiva so predominantemente utilizados

    verbos de ao.

    Lembre-se que no Mdulo 1 definimos os verbos como palavras que indicam um processo inserido no tempo,

    ou seja, palavras que exprimem aes:

    feitas ou sofridas por algum (correr, passear, etc.);

    fenmenos da natureza (chover, nevar, ventar, etc.)

    um estado (ser, estar) ou mudana de estado (ficar, tornar-se).

    Tambm destacamos que os verbos tm papel fundamental na frase, pois so os termos essenciais dos enunciados.

    Mas ser que diante desses processos assumimos sempre o mesmo tipo de atitude enquanto falantes?

    evidente que no, pois dependendo dos nossos objetivos, escolhemos diferentes formas de expresso para

    indicar o que queremos. Podemos apenas declarar o que fazemos ou o que pensamos; podemos apresentar nossos

    desejos, hipteses e condies sobre determinados assuntos ou assumir postura de ordem, de organizao de aes.

    Surge aqui, ento, a noo de MODO VERBAL.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 13

    Modo Verbal

    O modo verbal expressa a atitude do sujeito que fala em relao aos processos expressos pelo verbo. So trs

    os modos verbais em Portugus:

    Indicativo:

    modo da realidade, da informao, da certeza.

    Os tempos do modo indicativo so:

    presente;

    pretritos perfeito, imperfeito e mais que perfeito;

    Exemplos :

    Estou de sada; j fiz o que vim fazer. Gosto muito daqui. (presente)

    O computador surgiu para promover desenvolvimento aos povos. (pretrito perfeito)

    Ele sempre dizia que adorava futebol. (pretrito imperfeito)

    Ele me falou agora h pouco que esquecera (havia esquecido) de fazer a tarefa. (pret-

    rito mais que perfeito)

    Viajarei na tera-feira e devo estar de volta no prximo sbado. (futuro do presente)

    Eu adoraria ter tempo para viajar mais. (futuro do pretrito)

  • Mdulo 2 Unidade 114

    Subjuntivo:

    modo da hiptese, da suposio, da dvida, do desejo.

    Os tempos deste modo so:

    presente

    pretrito imperfeito

    futuro

    Exemplos:

    Quero que voc chegue em casa cedo. Talvez eu compre alguma roupa naquela promoo. (presente)

    Eu sairia mais de casa se no fosse to frio. (pretrito imperfeito)

    Se ele fizer o que eu digo, tudo dar certo. (futuro)

    Imperativo:

    modo do mando, da ordem, do pedido, do conselho.

    Exemplos:

    Saia agora daqui.

    No esquea de levar o material para a aula.

    Mantenha este produto fora do alcance das crianas.

    Se for dirigir, no beba.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 15

    Para saber mais sobre os modos e tempos verbais, consulte as gramticas indicadas na Unidade 7 do

    Mdulo 1 deste Curso.

    Como a prescrio pressupe a ordenao, a instruo, a orientao, assumimos uma postura de controladores

    dos processos e das aes, e o modo imperativo aquele que nos permite assumir tal postura. E isso pode ser feito

    de forma afirmativa (quando queremos que algum faa algo) ou de forma negativa (quando manifestamos o que

    no queremos que algum faa). Da decorrem o que se denomina de Imperativo Afirmativo e Imperativo Negativo.

    E como se forma o modo imperativo de um verbo? A frmula sempre a mesma, e muito simples. Envolve

    apenas o conhecimento das conjugaes do Presente do Indicativo e do Presente do Subjuntivo. Veja um exemplo

    utilizando o verbo acreditar.

    Pronomes pessoais (pessoas

    do discurso)

    Presente

    do IndicativoImperativo Afirmativo Imperativo Negativo

    Presente

    do Subjuntivo

    Eu acredito ----------------- --------------- acredite

    Tu acreditas acredita no acredites acredites

    Ele/Ela/Voc acredita acredite no acredite acredite

    Ns acreditamos acreditemos no acreditemos acreditemos

    Vs acreditais acreditai no acrediteis acrediteis

    Eles/Elas/Vocs acreditam acreditem no acreditem acreditem

    Pelo quadro anterior, podemos perceber que o Imperativo Negativo formado a partir do Presente do Subjun-

    tivo, e que no Imperativo Afirmativo, as segundas pessoas (tu e vs) so oriundas do Presente do Indicativo sem o s

    final da conjugao, e as outras pessoas se originam do Presente do Subjuntivo.

    Agora, preste bastante ateno em alguns aspectos importantes envolvidos na formao do Imperativo:

    1. No utilizamos o imperativo para a primeira pessoa, pois as ordens sempre se destinam a uma segunda

    pessoa.

    2. A forma do imperativo afirmativo a ser utilizada depende da pessoa gramatical que empregamos para nos

    dirigir aos nossos receptores.

    Se utilizamos tu (2 pessoa) como forma de tratamento, ento teremos como forma do Imperativo Afirmativo

    aquelas decorrentes do Presente do Indicativo. Se utilizamos voc (3 pessoa), ento teremos as formas do Presente

    Do Subjuntivo como fonte.

  • Mdulo 2 Unidade 116

    Considerando que apenas em algumas regies do nosso pas usam a 2 pessoa, o que encontraremos em tex-

    tos de domnio pblico, na publicidade, nas campanhas, nos manuais de instruo, nas normas, etc., ser a forma do

    Imperativo decorrente do uso da 3 pessoa. O mais importante no a pessoa usada, mas sim a utilizao da forma

    correspondente correta do Imperativo

    Por exemplo, podemos dizer:

    Evita (tu) o desperdcio.

    Evite (voc) o desperdcio.

    Utilizando-se do quadro de referncia, forme o Modo Imperativo dos verbos ter e

    seguir a partir da sua conjugao no Presente do Indicativo e Presente do Subjuntivo

    Verbo ter

    Pronomes pessoais (pessoas

    do discurso)

    Presente

    do Indicativo

    I m p e r a t i v o

    Afirmativo

    I m p e r a t i v o

    Negativo

    Presente

    do Subjuntivo

    Eu

    Tu

    Ele/Ela/Voc

    Ns

    Vs

    Eles/Elas/Vocs a

    Verbo seguir

    Pronomes pessoais (pessoas

    do discurso)

    Presente

    do Indicativo

    I m p e r a t i v o

    Afirmativo

    I m p e r a t i v o

    Negativo

    Presente

    do Subjuntivo

    Eu

    Tu

    Ele/Ela/Voc

    Ns

    Vs

    Eles/Elas/Vocs a

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 17

    . Reescreva as frases, transformando os verbos e expresses destacadas por verbos

    no Modo Imperativo.

    1. proibido estacionar aqui.

    2. Voc deve trazer a tarefa amanh sem falta

    3. necessrio que tu evites o consumo excessivo de lcool.

    4. Aps aberto, o produto deve ser mantido em geladeira por no mximo 30 dias.

    5. A recomendao do professor para seus alunos prestarem ateno s ordens

    dadas se eles quiserem ter sucesso nas tarefas.

    6. vedada a utilizao de produtos qumicos nesta rea de agricultura.

    Que estrutura os textos prescritivos apresentam de modo geral?

    Retomando os textos analisados na Atividade 1, encontramos, na Questo 3, textos curtos, com frases curtas,

    separadas por sinais de pontuao e com informaes organizadas numa determinada ordem, quer de forma de pre-

    parar (Texto 1), quer de prioridade (Texto 3). Ou ainda, sob a forma de imagens, que trazem em si o significado, sem a

    necessidade das palavras, no caso do Texto 2.

    Os textos prescritivos, em funo da sua natureza, apresentam, de modo geral, as seguintes caractersticas:

    so textos geralmente curtos, com frases curtas e precisas e com lxico especfico do tema, especialmente verbos

    de ao;

    utilizam verbos no imperativo ou no infinitivo quando h a indicao de passos;

    possuem expresses temporais para ordenar a sequncia de aes, ou formas de ordenao e esquematiza,

    como a numerao de passos a serem seguidos, roteiros, etc.;

    utilizam imagens, grficos e ilustraes como complemento da informao textual.

  • Mdulo 2 Unidade 118

    Figura 4: A funo dos manuais nos orientar a realizar algu-ma atividade com xito. Mas, s vezes, no bem assim! No difcil encontrar alguns manuais enormes, com linguagem e desenhos confusos, que mais nos atrapalham do que aju-dam, no verdade?

    A cultura constitui-se a partir do desenvolvimento da fala e da capacidade do homem de criar instrumentos de

    atuao sobre a natureza. Nesses dois pontos, funda-se a caracterstica humana da cultura.

    Foi o desenvolvimento da linguagem oral pelo homem que gerou potencialidades extraordinrias para a cul-

    tura. A primeira delas a capacidade de o ser humano acumular conhecimento (de toda natureza), o que tem como

    consequncia o avano incessante da cultura.

    Seo 3 Outras manifestaes de textos prescritivos e suas caractersticas

    At agora trabalhamos com textos prescritivos que apresentam ordens e instrues diretas. No entanto,

    conforme j mencionamos no incio desta Unidade, h outros textos que trazem informaes de condutas a

    serem adotadas, alm de normas e regras que no so expressas de forma direta. Entre eles esto, por exemplo,

    as regras dos jogos, os regulamentos e as bulas dos remdios, onde so utilizadas outras formas para marcar as

    orientaes, que no o verbo no Imperativo.

    Regulamentos

    Vamos comear analisando um trecho de um modelo de regulamento. O texto que segue, apenas um

    modelo de regulamento de um condomnio, e est disponvel no site www.jurisway.org.br.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 19

    Regulamento Interno do Condomnio

    1 - DAS NORMAS REGULAMENTARES

    1.1 - Todos os condminos, seus inquilinos e respectivos familiares, seus prepostos e

    os empregados do condomnio so obrigados a cumprir, respeitar e, dentro de sua compe-

    tncia, a fazer cumprir e respeitar as disposies deste regulamento.

    1.2 - Fica estabelecido que, conforme a conveno do condomnio, no perodo de

    22h s 6h, cabe aos moradores guardarem silncio, evitando-se rudos ou sons que possam

    perturbar o sossego e o bem-estar dos demais moradores.

    1.3 - Durante 24 horas, o uso de aparelhos que produzam som ou instrumentos mu-

    sicais deve ser feito de modo a no perturbar qualquer morador, observadas as disposies

    legais vigentes, salvo em ocasies especiais, devidamente comunicadas com antecedncia

    ao sndico, mas respeitando o horrio estabelecido no item 1.2.

    1.4 - Os jogos e/ou brincadeiras infantis somente podero ser praticadas em locais

    apropriados, em geral das 9h s 22h, ressalvados os especficos para locais expressamente

    determinados, na forma e condies previstas neste Regulamento Interno, ou definidas

    previamente pelo sndico.

    (...)

    2 - DO USO DAS REAS COMUNS

    2.1 - permitido aos moradores usar e usufruir das partes comuns do Condomnio,

    desde que no impeam idntico uso e fruio por parte dos demais condminos.

    2.2 - vedado, a qualquer ttulo, ceder ou alugar as partes comuns do edifcio, no

    todo ou em parte, a pessoa que no residir no mesmo, para grupos, agremiaes ou enti-

    dades de qualquer natureza, com ou sem fins lucrativos.

    (...)

    2.6 - proibido o uso de bicicletas, skates, patins e similares nas reas comuns,

    salvo se existir local apropriado e previamente determinado por este Regimento ou pela

    administrao.

  • Mdulo 2 Unidade 120

    2.7- E expressamente proibida a utilizao da recepo como extenso de sala de

    jogos ou lazer, como tambm colocar os ps ou deitar sobre os sofs, realizar brincadeiras

    ou qualquer outro jogo que possa causar danos aos mveis e guarnies das mesmas, fi-

    cando seus transgressores sujeitos ao pagamento das multas previstas neste Regimento.

    (...)

    2.16- As portas corta-fogo devero ser mantidas permanentemente fechadas.

    (...)

    4 - DOS DIREITOS E DEVERES DOS CONDMINOS

    4.2- DOS DEVERES

    Constituem deveres dos condminos, seus inquilinos e respectivos familiares (en-

    tendidos como tais os que com eles coabitarem);

    4.2.1- Cumprir e fazer cumprir a Conveno e o presente Regimento Interno e as

    normas de Procedimento editadas pela administrao.

    4.2.2- Contribuir para as despesas comuns do edifcio na proporo constante na

    Conveno do Condomnio, efetuando o recolhimento nas ocasies oportunas.

    4.2.3- Guardar decoro e respeito no uso das coisas e partes comuns, no as usando

    nem permitindo que as usem, bem como as unidades autnomas, para fins diversos da-

    queles a que se destinam.

    (www.jurisway.org.br)

    Alm disso, voc deve ter notado que o texto est estruturado em itens e subitens (1; 1.1; 2; 2.1; etc.), conforme

    categorias de espaos, condutas, e natureza das normas. Isso permite a consulta a itens desejados e ordena as aes

    a serem respeitadas.

    Pois bem, essas so formas e estruturas utilizadas nesse tipo de documento para expressar o que deve e o que

    no pode ser feito. A utilizao dessas expresses garante que todos tenham clareza sobre os seus deveres e respon-

    sabilidades.

    Como os Regulamentos dirigem-se a uma coletividade e servem como documento pblico, a utilizao dessas

    formas tm um papel no de ordem direta, mas sim de guia de comportamento geral e coletivo.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 21

    Regras de jogos

    Outras formas so utilizadas nos textos que acompanham jogos de baralho, de tabuleiro, etc. Vejamos, por

    exemplo, um pequeno extrato de um texto com regras do jogo de damas.

    Jogo de Damas: Regras Oficiais

    O jogo de damas praticado em um tabuleiro de 64 casas, claras e escuras.

    A grande diagonal (escura) deve ficar sempre esquerda de cada jogador. O

    objetivo do jogo imobilizar ou capturar todas as peas do adversrio.

    O jogo de damas praticado entre dois parceiros, com 12 pedras brancas de

    um lado e 12 pedras pretas de outro lado.

    O lance inicial cabe sempre a quem estiver com as peas brancas. Tambm

    jogam-se damas em um tabuleiro de 100 casas, com 20 pedras para cada lado

    - Damas Internacional.

    A pedra anda s para a frente, uma casa de cada vez. Quando a pedra atinge

    a oitava linha do tabuleiro, ela promovida dama.

  • Mdulo 2 Unidade 122

    A dama uma pea de movimentos mais amplos. Ela anda para a frente e

    para trs, quantas casas quiser. A dama no pode saltar uma pea da mesma

    cor.

    Se, no mesmo lance, se apresentar mais de um modo de capturar, obriga-

    trio executar o lance que capture o maior nmero de peas (Lei da Maioria)..

    www.xadrezregional.com.br

    Nesse tipo de texto, percebe-se que, alm do uso de expresses que indicam os movimentos ( obrigatrio

    executar, a dama no pode saltar, etc.), so apresentados elementos descritivos e de constituio do jogo (nmero de

    peas, objetivo do jogo, nmero de jogadores, caractersticas do tabuleiro, etc.).

    Bulas de medicamentos

    As bulas de medicamentos apresentam mais ou menos caractersticas similares aos textos de regras de jogos.

    Como o objetivo das bulas fornecer informaes sobre o medicamento aos usurios e orientar para uma administra-

    o segura, o texto contm desde a composio, at as indicaes legais. A estrutura das bulas, em geral, contempla

    vrias partes e, cada uma delas, dependendo da sua funo, apresenta formas descritivas e prescritivas.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 23

    Encontro presencial

    Escolha uma bula de um medicamento e apresente as partes que a compem, iden-

    tificando quais so de carter prescritivo. Discuta anlise feita com o professor e seus co-

    legas.

    Para saber mais sobre a forma de constituio das bulas,

    voc pode acessar os sites:

    http://bulario.net/,

    www.helpsaude.com/bulas,

    www.anvisa.gov.br

    Instrues de exerccios fsicos

    Os textos instrucionais de exerccios fsicos, quer aqueles de relaxamento, de musculao, laborais, aerbicos,

    ou at aqueles de ginstica olmpica, apresentam uma sequncia de passos bem marcados que devem ser seguidos

    risca para garantir o efeito desejado do exerccio e no haver prejuzos para a sade. Eles vm geralmente acompa-

    nhados de ilustraes e imagens que auxiliam na identificao dos movimentos e facilitam a sua execuo correta.

    Por essa natureza instrucional, so utilizados marcadores temporais de sequncia (primeiro, segundo, em

    seguida, aps, etc.) e verbos no Modo Imperativo (dobre, gire, puxe, erga, etc.).

    Esses textos so encontrados em revistas especializadas em sade e beleza e tambm em vdeos.

  • Mdulo 2 Unidade 124

    Para voc conferir exemplos do assunto que foi

    exposto nesta aula, sugerimos acessar os sites:

    www.furg.br

    www.minhavida.com.br

    www.anvisa.gov.br

    Para finalizar, devemos reconhecer a funo e importncia que os textos prescritivos tm em nossa vida en-

    quanto seres humanos e como cidados.

    Por meio dos textos prescritivos, podemos ter informaes importantes para cuidar da nossa sade, controlar

    a utilizao de produtos na nossa alimentao, conhecer e estabelecer normas de convivncia em sociedade, saber

    operar aparelhos e mquinas, executar aes de forma orientada e orientar a ao de outras pessoas, dentre outras

    possibilidades.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 25

    6

    Agora que j vimos que as manifestaes

    prescritivas fazem parte da nossa vida e do nos-

    so dia a dia e permitem a construo de espaos

    de respeito e cidadania, bem como orientam as

    nossas aes cotidianas, que tal aproveitarmos o

    tema da Campanha da Fraternidade 2012 - Sade

    Pblica - para realizar nossa produo de final de

    unidade?

    A proposta de texto que voc elabore um pe-

    queno guia com dicas e cuidados de alimentao, sa-

    de, exerccio e convivncia que possam fazer com que

    sejamos mais saudveis e tenhamos mais qualidade de

    vida.

    O seu texto deve ter em torno de dez dicas, e

    dever ser apresentado aos seus colegas sob a forma

    de folheto, panfleto, ou cartaz, como se voc estivesse

    liderando uma campanha. Voc escolhe!

    Mas no se esquea de colocar um ttulo e de

    organizar as informaes levando em conta os elemen-

    tos lingusticos e estruturais estudados.

    Bom trabalho!

  • Mdulo 2 Unidade 126

    Atividade 1

    1. Qual o objetivo de cada um dos textos e em que situaes eles se encontram?

    Texto 1: Orientar a preparao de um ch, indicando os passos.

    Texto 2: Regular o trnsito, orientar os motoristas sobre os procedimentos e direes a se-

    rem adotados.

    Texto 3: Ensinar como se pode ser feliz, indicar o que se deve levar em considerao, dar

    conselhos sobre como agir para ser feliz.

    2. Que palavras e elementos so utilizados em cada um dos textos para dar conta dos

    objetivos propostos?

    Texto 1: coloque, adicione, deixe, adoce.

    Texto 2: as imagens das placas e o que elas significam: d, pare, proibido, siga.

    Texto 3: seja, estude, acredite, tenha, cuide, amplie, celebre

    Associadas a essas palavras, as expresses modo de preparo, regulamentao e dicas.

    3. Como os textos esto estruturados? Quais so as partes que os compem?

    So textos curtos, com frases curtas, estruturados em partes que apontam uma sequncia

    especfica de passos (Texto 1), ou de prioridade (Texto 3). No caso do Texto 2, h utilizao de ima-

    gens que, para os motoristas, trazem significado, independente das palavras.

    .Atividade 2

    no caf da manh, quando temos nossa frente produtos alimentcios, cujos rtulos indicam

    as condies de conservao, de validade, etc.

    na rua, quando nos dirigimos ao trabalho e vemos placas de NO PISE NA GRAMA

    ou outdoors de propagandas de cursos ESTUDE INGLS NA ESCOLA .....

    em nibus e restaurantes, quando vemos o aviso de NO FUME.

    na escola, quando vemos as regras de boa convivncia expostas em cartazes nas salas de aula.

    - na livraria, quando vemos livros de auto-ajuda, que nos dizem como viver melhor.

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 27

    Atividade 3

    Utilizando-se do quadro de referncia, forme o modo imperativo dos verbos ter e seguir a

    partir da sua conjugao no Presente do Indicativo e do Presente do Subjuntivo.

    Verbo Ter

    Pronomes pessoais

    (pessoas

    do discurso)

    Presente

    do IndicativoI m p e r a t i v o

    Afirmativo

    I m p e r a t i v o

    Negativo

    Presente

    do Subjuntivo

    Eu tenho ---------------- ---------------- tenha

    Tu tens tem no tenhas tenhas

    Ele/Ela/Voc tem tenha no tenha tenha

    Ns temos tenhamos no tenhamos tenhamos

    Vs tendes tende no tenhais tenhais

    Eles/Elas/Vocs tm tenham no tenham tenham

    Verbo seguir

    Pronomes pessoais

    (pessoas

    do discurso)

    Presente

    do IndicativoI m p e r a t i v o

    Afirmativo

    I m p e r a t i v o

    Negativo

    Presente

    do Subjuntivo

    Eu sigo ------------------- ----------------- siga

    Tu segues segue no sigas sigas

    Ele/Ela/Voc segue siga no siga siga

    Ns seguimos sigamos no sigamos sigamos

    Vs seguis segui no sigais sigais

    Eles/Elas/Vocs seguem sigam no sigam sigam

  • Mdulo 2 Unidade 128

    Atividade 4

    Reescreva as frases, transformando os verbos e expresses destacadas por verbos no

    Modo Imperativo

    1. proibido estacionar aqui.

    No estacione aqui.

    2. Voc deve trazer a tarefa amanh sem falta

    Traga a tarefa amanh sem falta.

    3. necessrio que tu evites o consumo excessivo de lcool.

    Evita o consumo excessivo de lcool.

    4. Aps aberto, o produto deve ser mantido em geladeira por no mximo 30 dias.

    Aps aberto, mantenha o produto em geladeira por no mximo 30 dias.

    5. A recomendao do professor para seus alunos prestarem ateno s ordens dadas se

    eles quiserem ter sucesso nas tarefas.

    Prestem ateno s ordens dadas para terem sucesso nas tarefas.

    6. vedada a utilizao de produtos qumicos nesta rea de agricultura.

    No utilize produtos qumicos nesta rea de agricultura.

    Atividade 5

    As partes mnimas que devem estar presentes em uma bula:

    nome do produto;

    identificao do produto (forma farmacutica e composio);

    informaes ao paciente (condies de armazenamento, prazo de validade, contra-indica-

    es, precaues e cuidados com o uso);

    informaes tcnicas (caractersticas, indicaes, contra-indicaes, precaues e advertn-

    cias, interaes medicamentosas, posologia , cuidado de uso, modo de usar, superdosagem);

    informaes sobre o nnero de registro, farmacutico responsvel, nmero do lote, dados so-

    bre o laboratrio (nome, endereo, telefone, CNPJ).

  • Linguagens, Cdigos e suas Tecnologias Lngua Portuguesa 29

    Atividade 5

    As partes mnimas que devem estar presentes em uma bula:

    nome do produto;

    identificao do produto (forma farmacutica e composio);

    informaes ao paciente (condies de armazenamento, prazo de validade, con-

    tra-indicaes, precaues e cuidados com o uso);

    informaes tcnicas (caractersticas, indicaes, contra-indicaes, precaues

    e advertncias, interaes medicamentosas, posologia , cuidado de uso, modo

    de usar, superdosagem);

    informaes sobre o nnero de registro, farmacutico responsvel, nmero do

    lote, dados sobre o laboratrio (nome, endereo, telefone, CNPJ).

    Atividade 5

    Esta questo pessoal, porm preparamos um modelinho de panfleto para voc se

    orientar melhor.

  • Mdulo 2 Unidade 130

    http://www.sxc.hu/browse.phtml?f=view&id=992762 MajorosAttila.

    http://www.sxc.hu/photo/418215-Autor:BobSmith

    http://www.flickr.com/photos/cbnsp/3570818895/sizes/m/in/photostream/

    http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/sinais-de-transito/sinais-de-transito.php

    http://www.flickr.com/photos/ateliervanessamaurer/2802891625/sizes/m/in/photostream/ -VanessaMau-rer.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Ariano_Suassuna.jpgAutor:WilsonDias/ABr.

    http://www.sxc.hu/photo/1153877-OruGaziKutluer

    http://www.sxc.hu/photo/1023776-diegomedrano

    http://www.cnbb.org.br

    http://www.sxc.hu/photo/984791-GabriellaFabbri