Módulo 3 - Carlos Gomes

of 12 /12
Música Brasileira I Módulo XIII Carlos Gomes (1836-1896) Diósnio Machado Neto

Embed Size (px)

Transcript of Módulo 3 - Carlos Gomes

  • Msica Brasileira I

    Mdulo XIIICarlos Gomes (1836-1896)Disnio Machado Neto

  • FormaoNasceu em Campinas, em 1836, em uma famlia de msicosSeu pai Manual Jos Gomes era diretor de msica.Manuel Jos, conhecido como Maneco Msico, provavelmente participou junto aos msicos associados ao grupo de Jesuno do Monte Carmelo.Maneco Msico mantinha estreitas relaes com o principal compositor paulista da virada do sculo: Andr da Silva GomesCarlos Gomes reflete como nenhum outro o momento histrico.A formao de Gomes tpica da maioria dos msicos brasileiros da poca: associada ao maestro da banda local. Falta de estrutura educacional leva jovens estudantes ao estudo longe de sua terra.A corte do Rio de Janeiro o principal destino.Carlos Gomes se fixa no Rio de Janeiro Estuda com Giannini.

  • peras, canes e cantatasSua principal contribuio foram as peras:Desconsiderando o oratrio em 4 atos Colombo (escrita para comemorar o quarto centenrio do descobrimento da Amrica), Carlos Gomes escreveu 8 perasA noite do Castelo (1861); Joana de Flandres (1863); Il Guarany (1870); Fosca (1873); Salvator Rosa (1874); Maria Tudor (1879); Lo Schiavo (1889 dedicado princesa Isabel); Condor (1891).Aps Il Gaurany, Carlos Gomes escreveu uma pera com certa influncia de Wagner (Fosca). As reaes negativas o fazem voltar ao estilo italiano. Escreveu msica sacra e um considervel nmeros de canes, entre modinhas, hinos e cantigas. Escreveu ademais cantatas (Colombo de 1892) e uma missaNotabilizou-se na poca, assim como Francisco Manuel, pelos seus hinos. Msica instrumentalEscreveu msica orquestral, destacando-se A caiumba (congada de 1857)Suas composies para piano concentram-se na msica de saloPolcas e quadrilhas. Alm dessas duas danas, escreveu modinhas para piano.Escreveu uma sonata para quinteto ou quarteto de cordas (Burrico de Pau), de 1894CanesCarlos Gomes foi o primeiro compositor brasileiro a escrever um considervel nmero de canes.Somente algumas em portugus, o restante em italianoA Cames (1880); A mocidade acadmica; Minha irm; teus lindos olhos.

  • As obras anteriores 1860Missa e modinhasSuas primeiras composies forjam-se nos usos da prtica musical cotidiana brasileiraEscreve a Missa de Nossa Senhora da Conceio, em 1859.Estreada em Campinas.ModinhasSua primeira apresentao musical justamente foi cantanto modinhas.Uso de harmonia simples, com pequenas depresses tonais (T-Tr)Quem sabe?!...j traz, no entanto, gestos tpicos do bel canto italiano.Os grandes saltos, recorrente nas primeiras canes de Gomes, tambm revelam uma distncia da tradio da modinha da virada do sculo.Msica para pianoPequenas peas, na sua maioria danas de salo (polkas, valsas, galopes, schottisches.Destaca-se a quadrilha Quilombo (qudrilha brasileira, sobre os motivos brasileiros dos negros de Ramalhete de Quadriglias), escrita em forma de sute (A Cayumba, Bananeira, Quimgomb, Bamboula, Final).Bamboula teve como matriz a pea homnina do compositor franco-americano L. M. de Gottschalk)

  • peras de estriapera Lrica Nacional A noite do CasteloNo bojo dos movimentos institucionais para fomentar a pera em lngua portuguesa surge A noite do Castelo.Com libreto de Antnio Jos Fernandes dos Reis, baseado no poema narrativo de Antnio Feliciano de Castilho, estreou em 4 de setembro de 1861, no Teatro Lrico Fluminense. Teve como uma das interpretes Luza Amat.A histria de Leonor, dividida entre a paixo por Fernando e a promessa de fidelidade a seu noivo, Henrique, que partiu para as Cruzadas e ela o cr morto h tempos Como no poderia deixar de ser, Gomes demonstra o conhecimento do estilo de Bellini, porm o seu modelo Verdi do Il Trovatore.Esquema de cena: scena (recitativo) tempo datacco cantabile (ria) tempo di mezzo cabaletta.Recebe crticas no tratamento prosdico.Joana de FlandresObra estreada em 1863, com libreto de Salvador de Mendona Tambm se passa no tempo das Cruzadas e conta a histria de Joana, apaixonada pelo libertino trovador Raoul de Mauleon. Ela acusa de impostor o prprio pai, o conde Balduno, que volta da Terra Santa aps muitos anos de ausncia, pois no quer lhe devolver o trono, no qual pretende instalar o amante. Foi recebida com moderao: tem ele [Carlos Gomes] muita facilidade e espontaneidade na composio; essa mesma facilidade, contudo, o faz s vezes descer da altura em que poderia manter-se e cai, aqui e ali, no trivial. O estilo puramente italiano, sendo, talvez, a falta de cunho prprio que, por vezes, faz parecer imitao o que, todavia, no de ningum, antes, quando muito, seria de todos

  • Bolseiro de Dom Pedro IIChega na Itlia em 1864, patrocinado pelo Imperador brasileiroChega a Milo, no ano da morte de Meyerbeer, com uma bolsa de 1:800$000800$000 era a renda anual que um cidado precisava comprovar, se quisesse candidatar-se a senador do Imprio; e 400$000, caso almejasse a uma cadeira de deputado. Limite de idade (27 anos) e o fato de ser um estrangeiro de Alm-Mar o impediram de matricular-se no Conservatrio de Milo.Passou a estudar particularmente com o diretor da escola, Lauro Rossi. Posteriormente passou a ser orientado por Alberto Mazzucato. Em 1866, recebeu o diploma do Conservatrio, aps render os exames.Escreveu, em parceria com Antnio Scalvini, a revista Se S Minga.Quadros estanques, com referncias a fatos ocorridos naquela poca ou a personalidades em vista.O sucesso da revista levou a dupla ao planejamento de O Guarani, de Jos de Alencar.

  • Il Guarany (1870)Uma pera por contrato.Como parte das obrigaes imposta pela bolsa, Carlos Gomes deveria dedicar-se a uma obra de vulto.A trama de Alencar trazia todos os estmulos caros pera da poca: triangulo amoroso, luta do bem contra o mal, o herosmo da raa!Uma pera ecltica: elementos da grand-opera com o estilo italiano.Da pera sria italianaA fora das rias contra a grandiloquncia faustosa dos grandes corais. Carlos Gomes assimila bem o estilo bel canto italianoA pera antes de tudo deve tratar de um drama humano.Da grand-opera francesaElementos de conotao ideolgica no tratamento de alguns temas de Carlos Gomes (Guarani e Lo Schiavo) que poderiam ser categorizados dentro do raio de influncia da grand-opera. A grand-opera requeria um melodrama simples travestido de tragdia aristocrtica (Dramas Histricos). A nica seriedade real provinha da direta demonstrao de fortes emoes; a nica complexidade, da incorporao parcialmente suprimida de aspiraes polticas.As peras representam, mesmo que veladamente, as tenses sociais, muitas vezes incitando a insurreio, ao patriotismo demaggico, etc.Nesse sentido, alguns elementos da grand-opera poderiam ser encontrados pela conotao do indianismo (Guarani e Lo Schiavo)Ampliao do conceito de poltica (na Europa existia j uma forte polarizao entre burguesia e proletariado) para o sentido da construo da identidade nacional.Assim como Meyerbeer, Carlos Gomes centraliza o drama em um nmero de dana.Maria Alice Volpe afirma que Carlos Gomes estabelece os paradigmas nacionalistas na arte brasileira.Peri e Ceci, por exemplo, seria um encontro mitolgico (arqutipos) com o intuito de construir a identidade nacional sobre o ponto de vista historicista, razes histricas.O Scala e a grand-operaA grand-opera j havia sido utilizada por Rossini (Guillaume Tell) e Verdi (Don Sbastien, Vsperas Sicilianas e Don Carlos) Felippo Marchetti foi o primeiro a aplicar o modelo meyerbeeriano a uma pera escrita especialmente para o Scala, com libreto de Carlo dOrmevilleCarlos Gomes recorreu a dOrmeville para concluir O Guarani.O texto de Alencar sofreu inmeras alteraes, principalmente suprimindo personagens. Diz Jos de Alencar: O Carlos Gomes fez do meu Guarani uma embrulhada sem nome, cheia de disparates, obrigando a pobrezinha da Ceci a cantar duetos com o cacique dos aimors, que lhe oferece o trono de sua tribo, e fazendo Peri jactar-se de ser o leo de nossas matas. Desculpo-lhe, porm, tudo, porque daqui a tempos, talvez por causa das suas espontneas e inspiradas melodias, no poucos ho de ler esse livro, seno rel-lo, e maior favor no pode merecer um autor.

  • O estrondoso sucessoA msica de Carlos Gomes traz o exotismo musical apregoado pela grand-opera francesa.LAfricane, de Meyerbeer, era um exemplo dessa busca sonora.Pauta romntica pelo extico, pelo longnquo.Verdi, posteriormente em Ada (1871), segue a trilha dos romnticos franceses.Usa temas que ficam entre os modos maior e menor, ballets, grandes corais, procisses, etc .A abertura, em si, no traz grandes novidades, a no ser uma fora dramtica similar Fora do Destino de Verdi.Sonoridade peculiar.Apesar de utilizar procedimentos meldicos bastante italianizantes no deixou de incorporar, explicita ou veladamente, elementos rememorativos de brasilidade. No baile dos aimors existe uma insinuao de msica indgena. Melodias modinheiras tambm esto presentes, como no nmero Poi saverr un lieto d risciogliere il voto sugli altar, cantado por Don Antnio, lvaro e Ceci; e Sento una forza indomita, de Peri.Outros elementos igualmente trazem o gesto braslico exigido pela grand-opera:Os acordes e escalas de stima diminuda moda da msica popular brasileira da poca, a fuga a modelos de nmeros fechados, as combinaes tmbricas das marchas do terceiro ato, os acompanhamentos em quilteras. Ademais, uso sistemtico de sncopas, acompanhamentos e nmeros de esquisita inclinao brejeira, como na introduo da balada de Ceci, no ato II.Porm, um dos maiores logros de Carlos Gomes foi conseguir uma continuidade dramtica singular ao eliminar das cenas o estanco do recitativo-ria-cabeletta.Carlos Gomes imprimiu uma soluo de continuidade maior, diminuindo a importncia das cadncias finais.Esse plano estilstico foi, mais tarde, incorporado por inmeros compositores, como Ponchiello e o prprio Verdi.

  • Fosca (1873)A busca por solues de ordem dramtica.Em Fosca, o compositor inclinou-se decididamente pelo modelo do leitmotiv.A malha orquestral, fiel ao princpio, tornou-se extremamente mais complexa do que em Il Guarany.Os recitativos ganharam uma liberdade inusualAs indicaes para a cantora pedem, de uma palavra para a outra praticamente, mudanas de dinmica e estilo de canto de uma flexibilidade surpreendente: parlato, interroto, convulso... cantabile grandioso e con forza... parlato piano... agitato forte... dolce piano... ritenuto pianissimo...Essa declamao, que transita constantemente do parlato para o arioso, e dali para o cantabile, contribui para tornar as fronteiras entre os nmeros menos definidas, o que resulta em cenas construdas com blocos mais contnuos. Pode-se observar esse estilo, por exemplo, no nmero Quale orribile peccato (Fosca, ato II) . Mrio de Andrade e o estudo do leitmotiv na Fosca.Em um texto de 1936, Mrio relaciona todos os motivos e suas reiteraes no decorrer da obraHarmoniaUso de uma harmonia mais cromtica, se comparados trabalhos anteriores.Na sinfonia o prprio tema, em cnon, apresentado em R M, Sol M (R M como Dominante) e nas mediantes, F M, F#M [alcanada pela cadncia F M Sib m Sib m 9/7 Mib m (notas pivos enharmnicas de Fa#)].No entanto, o procedimento distante da ambigidade harmnica de Liszt e Wagner, ou seja, a concepo fundamentalmente tonal.Uma nova concepo do cantoFosca, por sua personalidade selvagem e por sua tessitura incisiva, dramtica, com emisses na zona central e aguda alternadas a violentas subidas para a regio aguda (Rodolfo Celletti), situa-se, trs anos antes da Gioconda (Ponchielli), como a primeira precursora das personagens veristas. Fosca o papel tpico de uma poca em que apareciam cantoras de voz potente e presena cnica forte, como: Maria Durand, Maddalena Mariani, Romilda Pantaleoni.

  • Maria TudorSalvator Rosa (1874)Aps Fosca, Carlos Gomes retornou ao modelo verdiano. Salvator Rosa e Maria Tudor retomam a trilha da pera de nmeros.Apesar dos nmeros fechados e harmonia mais simples do que a da Fosca, a orquestrao segue a mesma qualidade.Maria Tudor (1879)pera de difcil gestaoLibreto baseado no drama de Vitor Hugo. Maria Tudor , herdeira do Reino Ingls casou-se com Felipe filho de Carlos V da Espanha. A unio foi mal aceita pela nobreza anglicana, que se rebelou. A reao da soberana foi restaurar o Catolicismo e mover aos anglicanos perseguio implacvel, que a fez passar Histria com o nome de Bloody Mary. A queda de sua popularidade, agravada por uma desgastante guerra contra a Frana, e a depresso por no conseguir dar um herdeiro ao trono, apressaram a sua morte, em 1558, sem deixar filhos. Sucedeu-a a meio-irm Elizabeth, filha bastarda de Anna Bolena. Como de hbito, o poeta d aos fatos histricos uma interpretao livre. Imagina o envolvimento de Maria com o aventureiro italiano Fabiano Fabiani, a quem protege, por mais que a corte o despreze. Este, porm, a trai com Jane, moa do povo a quem seduziu por ter descoberto que ela , na realidade, a herdeira da rica famlia dos Talbot. A crtica atual a considera uma pera bastante equilibrada, onde, e apesar do retorno s cenas tripartidas, o fluxo dramtico bastante dinmico.Pr-verismoAlguns especialistas encontram sonoridades que s foram repetidas em Mascagni.A complexidade tcnica da personagem principal.Maria se transforma numa personagem pr-verista, de tessitura dramtica e colorido vocal muito mais pesado, a partir do momento em que descobre estar sendo enganada por Fabiani.A mudana da concepo tcnica da personagem ocorre no final do ato II, no nmero 14.