Não Sabia

of 23/23
2 Objetivo Este projeto visa à produção de uma intervenção cênica de nome provisório não sabia que gente morava lá, e a sua apresentação nas cidades de Guarujá e Bragança Paulista, através de um processo que contemple aspectos artísticos e pedagógicos para a capacitação e o desenvolvimento dos artistas amadores (de idades variadas) da cidade de Guarujá buscando a formação de um núcleo de trocas artísticas nessa cidade. Justificativa O projeto Talvez por ser conhecida por seu potencial turístico, suas lindas praias e, muitas vezes, por sua infraestrutura urbana precária “Não sabia que gente morava lá” é uma frase comum que aqueles que moram no Guarujá escutam quando dizem ser de lá. Essa frase revela a invisibilidade de seus moradores para a massa de turistas que, em tempos de alta temporada, é o dobro da de moradores. Essa invisibilidade também afeta a cidade em seus aspectos culturais: aqueles que fazem arte em Guarujá são, em geral, invisíveis. A cidade tem sua importância desde a época colonial, com prédios que foram parte da história do país (e hoje, muitos demolidos), além de eventos ocorridos em sua fase áurea durante o século XX. Embora cheia de história e manifestações de cultura, essas atividades muitas vezes são colocadas de escanteio por não interessarem à massa de turistas (desejosos por belas praias) e à especulação imobiliária. A esse processo de esquecimento histórico, junta se o baixo enfoque dado às atividades culturais atuais da cidade. O único edifício teatral está em reforma desde 2011, sempre adiando sua data de entrega. Os maiores eventos artísticos
  • date post

    07-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    223
  • download

    3

Embed Size (px)

description

nao sabia

Transcript of Não Sabia

  • 2

    Objetivo

    Este projeto visa produo de uma interveno cnica de nome provisrio no sabia que gente morava l, e a sua

    apresentao nas cidades de Guaruj e Bragana Paulista, atravs de um processo que contemple aspectos artsticos e

    pedaggicos para a capacitao e o desenvolvimento dos artistas amadores (de idades variadas) da cidade de Guaruj

    buscando a formao de um ncleo de trocas artsticas nessa cidade.

    Justificativa

    O projeto

    Talvez por ser conhecida por seu potencial turstico, suas lindas praias e, muitas vezes, por sua infraestrutura urbana

    precria No sabia que gente morava l uma frase comum que aqueles que moram no Guaruj escutam quando dizem

    ser de l. Essa frase revela a invisibilidade de seus moradores para a massa de turistas que, em tempos de alta temporada,

    o dobro da de moradores. Essa invisibilidade tambm afeta a cidade em seus aspectos culturais: aqueles que fazem arte em

    Guaruj so, em geral, invisveis. A cidade tem sua importncia desde a poca colonial, com prdios que foram parte da

    histria do pas (e hoje, muitos demolidos), alm de eventos ocorridos em sua fase urea durante o sculo XX. Embora cheia

    de histria e manifestaes de cultura, essas atividades muitas vezes so colocadas de escanteio por no interessarem

    massa de turistas (desejosos por belas praias) e especulao imobiliria.

    A esse processo de esquecimento histrico, junta se o baixo enfoque dado s atividades culturais atuais da cidade. O

    nico edifcio teatral est em reforma desde 2011, sempre adiando sua data de entrega. Os maiores eventos artsticos

  • 3

    promovidos se restringem aos shows de vero a preos que barram a entrada de uma grande parcela da populao, ou

    eventos pontuais como um festival de Jazz ao ar livre. Quaisquer outras atividades que tentem se firmar no cenrio cultural

    da cidade, que possui poucas companhias teatrais, alguns coletivos de artistas plsticos, escritores e msicos, acaba

    passando despercebida.

    No sabia que gente morava l, surge como a primeira direo do proponente Eduardo Bordinhon que tem sua

    formao ligada ao fazer de ator e que nos ltimos anos exerceu a funo como assistente de direo em trabalhos pontuais.

    Alm disso, o projeto engloba a ideia do surgimento de um coletivo de trocas artsticas, um espao onde interessados no

    fazer artstico possam encontrar pares, pensar e realizar projetos em conjunto. O Guaruj uma cidade com diversos artistas

    que, muitas vezes no encontrando possibilidade de realizar seus projetos, acabam mudando para outra cidade Santos,

    So Paulo... ou desistindo do seu fazer artstico. o desejo desse projeto juntar esses artistas em diversos graus de

    formao para uma criao conjunta, um fazer artstico. Assim, essa gente que mora l experiencia sua existncia em um

    espetculo que busca suas memrias e seus processos histricos em uma afirmao de sua arte na rua, dialogando com essa

    gente que tambm mora por ali.

    O Local

    Como a primeira ideia que se tem da cidade so suas praias, o projeto optou por se distanciar desse local, por buscar

    um espao onde a identidade praiana e caiara ainda existisse, mas que fosse aonde o turista no vai. Assim, optou-se pela

    realizao da pea no distrito de Vicente de Carvalho, localizado ao longo do Canal de Santos e que tem seu desenvolvimento

    histrico ligado ao canal e ao porto instalado em suas margens. Em Vicente de Carvalho, escolheu-se a rua, mais

    precisamente a Praa 14Bis, localizada no centro do distrito e que possui intensa movimentao aos fins de semana devido

  • 4

    sua atividade comercial. Queremos ocupar a rua e utilizar todo o poder que o espao pblico nos d para intervir diretamente

    no cotidiano das pessoas que vivem na cidade, criando uma fresta potica inserida diretamente em seu pequeno caos

    urbano. Queremos fazer uma obra que dialogue diretamente com aqueles que moram no Guaruj, afirmar nossa existncia

    como coletivo que entra em contato com ns que habitamos esse espao e no um provedor de belas paisagens para os

    turistas que aqui aparecem no vero.

    O carter artstico pedaggico

    Alm dos aspectos artsticos da montagem, destaca-se a importncia de um carter formativo no projeto. Guaruj

    tem hoje seu edifcio teatral em eterna reforma e poucos so os centros culturais ou as atividades de formao artstica na

    cidade, que se resumem a alguns projetos em msica, desenho, audiovisual, ou atividades inseridas no currculo das escolas,

    mas que, por seu carter pontual, no configuram a formao de artistas pensadores em seu fazer artstico.

    Assim, para somar foras a esses projetos, no sabia que gente morava l surge como um formador de novos

    artistas e aglutinador de artistas em formao a exemplo do projeto Bragana (En) Cena. Realizado desde 2011 em Bragana

    Paulista, o projeto busca, basicamente, incentivar nos alunos/artistas uma investigao do que faz ou no sentido dentro de

    um processo de criao artstica, e tambm desenvolver sensibilidade e ferramentas (tanto tericas quanto tcnicas) para

    concretizar a produo de uma obra. Ali, entende-se que no existe uma ideia geral pr-concebida de como fazer arte mas a

    investigao da construo de uma obra de arte especfica, com uma coerncia que interna entre conceito, forma e

    contedo, e todos os outros elementos que juntos do concretude poesia. Do Bragana (Em) Cena surgiram os espetculos

    Lia Encontra Jackson e Juntos constroem uma Canoa (PROAC 2012) e Vestgios (PROAC 2013) nos quais o proponente

    atuou como assistente de direo. Com a concretizao do projeto no sabia que gente morava l, inicia-se uma possvel

    rede de trocas artsticas entre cidades que no figuram nos grandes circuitos do estado.

  • 5

    Proposta de Dramaturgia

    Quantas histrias passaram por essa cidade desde sua ocupao pelos portugueses? E os ndios que aqui habitaram e

    deixaram como legado o nome dessa cidade? Ser que ainda habitam? Quem so os imigrantes que compem nossa

    populao? Quais as suas histrias? Quantas histrias se repetem todos os dias? Quantas so esquecidas? Quantas esto

    tendo seus desfechos no exato momento em que este texto lido?

    A rua est repleta de poesia e de memria. Nossa rotina, que no nos permite parar, torna impossvel o re-parar.

    Nossos olhos e nossa sensibilidade como um todo esto desgastados por um mundo acelerado que no quer perder tempo.

    Time is Money. Nosso cio investido em descanso fsico e mental para retomar o trabalho mecnico e cotidiano. Como abrir

    uma fresta neste caos? A praia ainda nossa grande fresta? Ou a ela s vo os turistas? Somos turistas em nossas prprias

    praias? Onde esto os moradores de Guaruj? Quem so nossos ilustres moradores? Por que essa praa se chama 14BIS?

    So essas perguntas o motor dramatrgico do espetculo em devir que tem como grande inspirao para a criao o

    texto A hora em que no sabamos nada uns dos outros, de Peter Handke. O texto, como uma grande rubrica, puramente

    descritivo e sem falas, sugere imagens e personagens que cruzam o espao de uma praa, sem compromisso com uma

    verossimilhana realista figuras cotidianas, mitolgicas e histricas dividem o mesmo espao. Tambm contaremos com o

    impulso de uma pesquisa de campo neste cotidiano em que pretendemos intervir. Investigar o lugar no qual o espetculo se

    dar no caso, a praa 14 BIS , em Vicente de Carvalho, Guaruj , seus personagens e suas histrias. Descobrir quais so

    os tipos que por ali passam, quem so e o que fazem os frequentadores assduos do local, primeiro atravs de uma

    observao distncia para depois sentar, prosear e ouvir seus relatos. Outras praas e ruas, da cidade e do mundo,

    serviro de inspirao tambm para povoar e enriquecer ainda mais nosso imaginrio.

  • 6

    No temos compromisso, porm, com nenhuma narrativa. A ideia dar forma a todo este material e universalizar o

    que particular atravs de imagens, situaes e intervenes poticas e performticas, que podem incluir tambm a palavra,

    mas explode para alm dela, visando criar uma obra de arte total, com toda a liberdade adquirida pela arte ao longo dos

    sculos. Trabalhar alquimicamente e transformar o pesado chumbo cotidiano em ouro, atravs de uma poesia que transita

    por diferentes atmosferas e abordagens.

    Proposta de Encenao

    a praa 14 BIS quer voar

    A encenao do espetculo ser concebida dentro do conceito de site specific, elaborada especialmente para um

    determinado local com suas caractersticas, ainda que possa eventualmente ser adaptada para outro local. Pretende-se,

    dessa forma, dialogar diretamente com o espao urbano da rea central do distrito de Vicente de Carvalho, em Guaruj,

    sobretudo a Praa 14 BIS e seu entorno.

    A proposta observar e estudar os fluxos, as lgicas e as relaes atuantes neste determinado espao e assim

    desenvolver e operar uma ao que dialogue com questes locais e globais, atravs de uma grande interveno cnica, que

    visa exploso do espao urbano em um boom potico. Para isso, a pesquisa se dar na busca de recursos diversos, como a

    live art (a criao de uma obra de artes plsticas ao vivo, atravs de uma atitude performtica do artista), projees

    inspiradas no trabalho da artista americana Jenny Holzer e na tcnica de video-mapping (que utiliza projees em dilogo

    com as caractersticas de um determinado anteparo, como uma fachada), alm de instalaes auditivas (como colocar alto-

    falantes nas lixeiras da praa, com gravaes de textos ou outros sons) e visuais (tambm inspiradas no trabalho de Holzer).

    Paralelo e concomitante a isso, a partir das caractersticas e da arquitetura da praa, sero criadas composies corporais,

  • 7

    teatrais, performticas e coreogrficas, ancoradas principalmente na fora da coletividade, da msica e da imagem,

    inspiradas no texto de Peter Handke, na pesquisa de campo que ser desenvolvida e em outras obras de interveno urbana

    (cuja prtica tem sido bastante comuns na contemporaneidade). Dentre outras, destacamos os seguintes trabalhos como

    referncias:

    Flash mobs, como o Frozen Grand Central (EUA), cujo intuito , de maneira coletiva e pontual, criar uma

    fenda no espao/tempo cotidiano (em prol ou no de uma causa);

    ver [ ] ter, (Cia Les Commediens Tropicales SP), que, concebido a partir das obras do artista ingls Banksy,

    prope uma interveno ancorada na imagem e na performatividade de forma bastante contempornea, sem

    compromisso algum com qualquer narrativa ou mesmo com a criao de um espetculo com comeo, meio e fim

    tornando-se, desta forma, algo parecido com uma paisagem ou instalao cnico-performtica;

    A cena pblica (Teatro de Operaes RJ), que se apresenta na forma de uma operao artstica site

    specific, na qual o espao geogrfico (fsico e poltico) pensado como dramaturgia. O pblico encontra-se livre

    pelo espao povoado de figuras e aes performticas que reforam a atitude poltica do grupo de ir pra rua;

    Bom Retiro 954 metros (Teatro da Vertigem SP), uma caminhada cnica que traz como temtica o prprio

    bairro em que encenado, atravs de formas que se afastam de um realismo e que transformam o espao da

    rua em outro espao, criando fico dentro de uma realidade fortssima a prpria rua;

    Barafonda (Cia So Jorge de Variedades SP), com um dilogo direto com a histria e os personagens do

    bairro, que so trazidos cena de forma imagtica, performativa e absolutamente intervencionista;

    Matadouro; De repente tudo fica preto de gente e Batucada de Marcelo Evelin que abordam a construo

    de um coro, uma massa, que por meio de sua existncia seus deslocamentos capaz de quebrar, provocar

  • 8

    rachaduras nas relaes polticas, sociais, humanas, de relacionamento, criando uma nova possibilidade de

    existncia.

    1000 Casas (Ncleo do Dirceu - PI), que buscou um dialogo profundo com os moradores do Grande Dirceu em

    Teresina por meio de aes performativas dentro das casas, trazendo para o ntimo a relao entre performador

    e espectador e muitas vezes invertendo ou amalgamando essas relaes.

    Sinopse

    A praa 14 BIS quer decolar. Um boom potico toma conta dessa praa por meio de uma interveno cnico-

    performativa. O espao/tempo cotidiano rasgado por voos que ocupam toda a rea de modo quntico, possibilitando um

    novo olhar para um lugar cansado de ser visto s de passagem.

  • 9

    Contrapartida

    Este projeto possui trs principais formas de contrapartida:

    I. A criao de um ncleo teatral na cidade do Guaruj que, atravs do carter pedaggico proposto pelo

    processo de criao e montagem, visa troca e o encontro entre artistas e interessados no fazer artstico.

    Para a formao desse ncleo, sero selecionadas at 20 pessoas por meio de quatro encontros de atividades

    abertas (sem restrio no nmero de participantes) nos quais sero realizadas aulas e entrevistas com os

    interessados. A esses 20 selecionados ser dada uma ajuda de custo para participao. Vale ressaltar o

    desejo de continuidade desse ncleo, mesmo com o encerramento deste projeto de primeiras obras.

    II. Quatro oficinas para os participantes do projeto sendo trs ligadas diretamente criao do espetculo e

    uma de produo teatral. So elas:

    a. Oficina de Prticas Teatrais com Carlos Canhameiro.

    b. Oficina de Teatro de Rua com Kad Verssimo.

    c. Oficina de Dana com Chico Lima.

    d. Oficina de Elaborao de Projetos Teatrais com Ivan Montanari.

    A Oficina de Elaborao de Projetos Teatrais, a ser realizada na etapa final do projeto, visa dar aos

    participantes ferramentas para viabilizar seus prprios projetos artsticos, focando na escrita dos editais a

    serem abertos no ano de 2015 e apontando outras maneiras possveis de viabilizao de um projeto

  • 10

    cultural. Essa uma etapa muito importante e visa continuidade do ncleo como plataforma de criaes

    coletivas, pluralizando as propostas artsticas na cidade de Guaruj.

    III. Cinco apresentaes da interveno urbana no sabia que gente morava l (nome provisrio), sendo

    quatro na praa 14 BIS, em Guaruj, nos dias 04, 11, 18 e 25 de julho, em horrio ainda a ser definido, e

    uma na praa Raul Leme, em Bragana Paulista, no dia 01 de agosto. As apresentaes sero gratuitas.

    Estimamos que cerca de 200 pessoas por apresentao vejam a interveno inteira ou em parte, totalizando

    assim um pblico flutuante de 1000 pessoas.

    Ainda como exerccio pedaggico, a apresentao na cidade de Bragana visa, alm de levar a obra para outros

    pblicos, desenvolver e exercitar a capacidade de adaptar uma obra como esta para outros lugares, respeitando e utilizando

    as caractersticas deste outro local como disparador para novas proposies dentro de uma mesma estrutura (ou novos jeitos

    de se fazer uma mesma coisa). Alm disso, a viagem permitir a troca entre os alunos com os integrantes do Bragana (En)

    Cena, promovendo o intercmbio entre artistas em diversos graus de formao.

    Todas as atividades do projeto sero gratuitas.

  • 11

    Plano de Divulgao

    Para divulgao do projeto a fim de selecionar os alunos/artistas, contaremos com o apoio da Casa3de Artes, escola j

    atuante no cenrio cultural da cidade que auxiliar na divulgao por meio de seus contatos na imprensa local e entre seus

    alunos. Alm disso, teremos o apoio da Secretaria de Cultura de Guaruj que divulgar em seus meios oficiais a seleo do

    projeto e as apresentaes na praa 14BIS. Para a seleo, criaremos pginas em redes sociais, um site com o chamamento

    para o projeto, alm de cartazes em pontos de circulao da cidade.

    Para a apresentao na cidade de Bragana Paulista, contaremos com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura que,

    por meio de seus veculos oficiais, se compromete no auxilio da divulgao da apresentao na cidade.

    Cronograma

    O processo ser construdo em algumas partes dentro das etapas de criao e montagem, sempre permeadas pelo vis

    pedaggico proposto por este projeto (tal diviso no cronolgica, podendo as etapas seguintes se sobreporem, se

    influenciarem e se contradizerem mutuamente):

    (1) Divulgao do projeto, inscries e seleo dos participantes por entrevista;

    (2) Leituras, estudos tericos, pesquisa de referncias, discusses. Questionamento sobre a linguagem, a temtica, suas

    correspondncias e desdobramentos na atual situao da sociedade e do modo de produo artstico;

  • 12

    (3) Treinamento vocal e corporal, em espaos fechados e abertos, conduzido pelos professores;

    (3) Pesquisa de campo: investigao e familiarizao com o espao que receber a interveno; coleta de material potico

    dentro da realidade da rea central de Vicente de Carvalho;

    (4) Oficinas de teatro e dana;

    (4) Pesquisa, criao e experimentao pblica de material cnico-potico-intervencionista, partindo dos diferentes locais,

    referncias e discusses, podendo-se explorar diversas linguagens (p. ex. artes plsticas, teatro ps-dramtico, dana,

    performance, vdeo, msica);

    (5) Discusso do material criado com os professores, com o intuito de fomentar discusso, problematizar a criao, estimular

    a complexidade das propostas e instigar a postura crtica em relao ao trabalho e proposta;

    (6) Seleo, organizao e experimentao das propostas em diferentes possibilidades de lugar e roteiro;

    (7) Concepo e confeco de cenrio, figurinos, adereos e outras instalaes que venham a ser concebidas;

    (8) Seleo e organizao das cenas para criao do roteiro final da interveno;

    (9) Apresentaes do espetculo no sabia que gente morava l

    (9) Oficina de Produo teatral com o intuito de pluralizar as aes do projeto.

    As etapas de criao e montagem tero durao aproximada de 6 meses e contaro com ensaios de no mnimo 10

    horas semanais. No penltimo ms do projeto acontecero as cinco apresentaes do resultado final. A estreia se dar na

    Praa 14 Bis em Guaruj, onde cumprir uma curta temporada de 04 apresentaes, seguindo depois para a Praa Raul

    Leme, em Bragana Paulista, para uma apresentao nica.

  • 13

    ANO 2015

    ATIVIDADE Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set

    1 Etapa: Criao

    Pr-produo

    Divulgao e seleo dos participantes do projeto

    Estudos, discusses e pesquisa de referncias

    Oficina de teatro com Carlos Canhameiro

    Oficina de teatro com Kadu Verssimo

    Oficina de dana com Chico Lima

    Pesquisa de campo com os moradores da cidade

    Pesquisa, criao e experimentao do material

    Seleo do material criado

    2 Etapa: Montagem

    Aprofundamento do material selecionado

    Confeco de cenrio, figurinos, adereos e

    instalaes

    Elaborao e ensaios do roteiro final

    Confeco de material grfico

  • 14

    3 Etapa: Apresentao

    ATIVIDADE

    Apresentaes em Guaruj (dias 4, 11, 18 e 25)

    Apresentao em Bragana Paulista (dia 01/08)

    4 Etapa: Ps-produo

    Oficina de Elaborao de Projetos Culturais com Ivan

    Montanari

    Fechamento das contas, elaborao e entrega do

    relatrio final

  • 15

    Ficha Tcnica

    direo Eduardo Bordinhon

    produo Marcelo Wallez

    assistente de direo a definir

    estagirio de produo a definir (entre os participantes do projeto no sabia que gente morava l)

    elenco participantes da oficina de montagem do projeto no sabia que gente morava l

    sonoplastia, cenrios e figurinos a definir

    professores Eduardo Bordinhon e Marcelo Wallez

    oficina de Prticas Teatrais Carlos Canhameiro

    oficina de Teatro de Rua Kadu Verssimo

    oficina de Dana Chico Lima

    oficina de Elaborao de Projetos Culturais Ivan Montanari

  • 16

    Currculos

    Eduardo Bordinhon - professor, diretor e proponente

    Ator formado pela Unicamp, iniciou seus estudos em teatro entre 2003 e 2006 na Casa3deArtes (Guaruj).

    integrante da Cia de Teatro Acidental, tendo trabalhado com artistas como Rubens Brito, Marcelo Lazzaratto e Carlos

    Canhameiro. Entre 2009 a 2012 tambm fez parte da Cia SeisAcessos. orientador e professor do projeto Bragana (En)

    Cena Bragana Paulista - onde foi assistente de direo dos espetculos Lia encontra Jackson e juntos constroem uma

    canoa e Vestgios (em produo).

    ator do espetculo O Mistrio Bufo, com direo de Fernando Neves, tendo tambm realizado trabalhos no teatro

    com Vernica Fabrini e Marina Elias e no cinema com Cristiano Burlan, alm de cursos com Newton Cannito (Artista

    Residente Unicamp 2010), Beto Brant e Luciana Brites (Cinedana - Festival de Arte da Serrinha 2012), Elias Cohen (Teatro

    fsico - KIM, Bolvia, 2009), Fernando Leal (Interpretao para cinema -So Paulo, 2011). Integrou ainda o Levante, grupo

    de pesquisa de dana na rua, coordenado por Mirtes Calheiros e foi artista colaborador da residncia de Marcelo Evelin nos

    projeto Lote#1 e Lote#3 com coordenao de Cristian Duarte. Em 2014, finaliza seu mestrando em Artes da Cena pela

    Unicamp onde estuda o ator no cinema clssico americano sob a orientao de Marcelo Lazzaratto.

    Marcelo Wallez - produtor executivo e professor

    professor, ator e produtor teatral na cidade de Guaruj, tendo, desde 1988 feito diversas produes locais para

    espetculos com Reginaldo Faria, Ronaldo Ciambroni, Esther Ges, Ary Toledo, Osmar Prado e diversas companhias de teatro

    e dana de todo o Brasil. Desde 2003 responsvel pela produo executiva da Casa 3, escola e espao cultural situado no

  • 17

    Guaruj, onde produziu diversos espetculos teatrais e eventos culturais representando o espao em todo o territrio

    brasileiro. Tambm foi produtor executivo das nove edies do FECASTRE (Festival de Cenas Teatrais do Guaruj). Dentre os

    mais de 30 espetculos que produziu, atualmente responsvel por: RapunzeLee, MPB I Msica Para Brincar e Projeto

    Bispo Tratados como bicho, comportam-se como um. Em sua formao, teve contato por meio de cursos e workshops com

    artistas como Cristiane Paoli Quito, Tadashi Endo, Elias Cohen, Morena Nascimento e Angel Vianna. Como professor,

    coordena desde 2003 os cursos livres de teatro da Casa 3, alm de atuaes como coordenador do Curso Livre de Teatro de

    Guaruj (2003-2004) e da Escola Livre de Teatro de Santos (2005-2009). Entre 2006 e 2009, em parceria com a Secretaria

    de Educao de Guaruj, desenvolveu diversas atividades com os alunos da rede municipal de educao. Atualmente conclui

    sua ps-graduao em Polticas Publicas, Educao e Sociedade com enfoque em polticas pblicas culturais para a cidade de

    Guaruj.

    Carlos Canhameiro Oficina de Teatro

    diretor, produtor, ator, dramaturgo e professor. Mestre em Artes pela Unicamp, onde tambm bacharel em Artes

    Cnicas e fez dois anos em Dana. Integrante fundador da Cia. Les Commediens Tropicales, que tem mais de oito anos de

    atividades artsticas, onde criou e produziu os espetculos: Conclio da Destruio, (ver[ ]ter), O Pato Selvagem, de Henrik

    Ibsen, 2 d.pedro 2, com provocao cnica de Fernando Villar; A ltima Quimera, com provocao cnica de Georgette

    Fadel e Vernica Fabrini; CHALAA a pea, encenado por Marcio Aurlio; Galvez Imperador do Acre, encenado por Marcio

    Aurlio; e Terror e Misria no III Reich, de Bertolt Brecht, encenado por Marcelo Lazzaratto. Como dramaturgo escreveu as

    obras: Conclio da Destruio (finalista do Prmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia/2010), Canto das Mulheres do Asfalto,

    Penlope Vergueiro, Definitivo, Tudo que no pode ser dito precisa ser calado, Ensaio Sobre a Queda, 2 d.pedro 2, A ltima

    Quimera, CHALAA a pea, A Vida Como Ela [No] ! e Stirkoff. Dirigiu os espetculos: O Defunto (Cia. das Atrizes), [outras]

  • 18

    histrias reais (Cia. 4 pra Nada), Quereres e tentativas contra a vida dElla (Cia. Teatro de Riscos) em 2012; O Rinoceronte

    (Cia. Acidental), O Pato, a Morte e a Tulipa (Cia. De Feitos), Penlope Vergueiro, [AMOR em fragmentos] (Cia. 4 pra Nada) e

    voiZquy do brazil, todos em 2011, O Horcio (Cia. Teatro de Riscos), em 2010, Stirkoff em 2003 e A Vida Como Ela [No]

    ! em 2002. Foi provocador cnico da obra Macacos me Mordam (Cia. Acidental) e fez assistncia de direo em Mahagonny

    (Cia. Acidental) ambos em 2009.

    Kadu Verssimo Oficina de Teatro de Rua

    Autor, arte-educador, ator e diretor teatral, tem como formao acadmica a Faculdade de Artes Visuais Santa Ceclia em

    Santos. Em sua formao artstica, teve contato com artistas como Cristiane Paoli Quito, Tadashi Endo, tendo realizando

    parcerias com Renato di Renzo e a companhia Tablado de Arruar. Em Guaruj mantm um espao de criao e sede de seu

    grupo chamado Casa 3, onde tambm responsvel pelo curso livre de teatro para adolescentes. Integra a equipe artstica

    do Projeto Teatro a Bordo, onde atuou no espetculo A Bufunfa do Bufo e atualmente viaja as cidades brasileiras

    encenando o espetculo Cinderela Brasileira Dirigiu mais de 30 espetculos, entre teatro infantil e adulto, muitos deles

    concebidos ou adaptados para a rua, sendo o mais recente o Projeto Bispo Tratados como bicho, comportam-se como

    um.

    Chico Lima Oficina de Dana

    Chico Lima artista da cena, pesquisador e propositor de aes. Graduado em Artes Cnicas pela Unicamp (Campinas,

    2010), trabalha e desenvolve pesquisas em diferentes coletivos nas diferentes formas e linguagens das artes performticas.

    Desde 2006, quando integrou a Cia. SeisAcessos (grupo de pesquisas vinculado ao mestrado e ao doutorado de Marina Elias,

    professora do curso de dana da UFRJ), estuda a improvisao nas artes da cena. integrante fundador da Cia. De Teatro

  • 19

    Acidental, e atua em 3 peas da companhia: Mahagonny, sob direo de Marcelo Lazzaratto; O Rinoceronte e O que Voc

    Realmente Est Fazendo Esperar o Acidente Acontecer, ambas sob direo de Carlos Canhameiro. No comeo de 2009,

    participou do KiM (Kosmos in Movement), workshop de teatro fsico e dana experimental com Elias Cohen (Chile) e Se-Rok

    Park (Alemanha) na Isla del Sol, Bolvia. Ainda em 2009, atravs de uma bolsa do DAAD, teve a oportunidade de cursar o

    Muse9, curso de vero da Palucca Schule Dresden, escola alem de dana, onde teve aulas com Ori Flomin (EUA), Yossi

    Yungman (Israel) e Ivan Wolfe (Repblica Tcheca) e no final deste mesmo ano, participou da montagem do espetculo de

    dana Estudos para Claraboia, de Morena Nascimento e Andreia Yonashiro. Em 2013, foi selecionado para o workshop

    intensivo de performance fsica experimental SMASH, realizado em Berlin durante 3 meses, onde teve contato com artistas

    de diferentes pases como Dani Brown (EUA), Maria Scaroni (Itlia), Diego Agull (Espanha), Lea Martini (Alemanha) e

    Matthieu Burner (Frana). Atualmente, ator na Cia. de Teatro Acidental e bailarino convidado nos espetculos Fandango a

    Cu Aberto e "Ciclo: Da Velhice Infncia", da Cia. 8 Nova Dana, sob direo de Lu Favoreto.

    Ivan Montanari Oficina de Elaborao de Projetos Teatrais

    Bacharel em Artes Cnicas pela UNICAMP e graduando em Letras pela USP. ator e produtor da Cia de Teatro

    Acidental, participando como criador e ator dos espetculos: "Sacra Folia", com direo de Rubens Britto; "De onde se v o

    mar", com direo de Vernica Fabrini; "Mahagonny", dirigido por Marcelo Lazzaratto; "Sou teu eu ou meu", orientado por

    Marcelo Lazzaratto; e "O Rinoceronte", com direo de Carlos Canhameiro. Atua tambm nos espetculos Encontro de dois

    (Quase9 Teatro, com direo de Mariana Muniz) e Cuidado co bravo (Cia Ns no fazemos pera, direo de Luiza Torres).

    Participou de residncias artsticas com Luis Garay e com Cristian Duarte, ambas dentro do projeto LOTE#1. Foi aluno do

    curso de Cinedana com Beto Brant e Luciana Brites, durante o XI Festival de Arte Serrinha, em Bragana Paulista.Produziu

    os projetos No vamos tocar pra frente? (ProAC/2010), Ocupao Coletivos UNICAMP (Edital de ocupao da Sala Carlos

  • 20

    Miranda do Complexo Cultural da FUNARTE/SP) e Bragana (En)cena na rua (ProAC/2012). Concebeu e dirigiu os

    espetculos cincotempos e Lia encontra Jackson e juntos constroem uma canoa (ProAC/2012) e Vestgios em

    produo (ProAC/2013). Desenvolve tambm trabalhos na rea de educao e formao em artes e teatro, como no projeto

    Bragana (En)cena, no qual atua como coordenador e diretor artstico. Foi tambm professor de teatro no Colgio Porto

    Bragana, e ministrou a oficina terico-prtica Educao, teatro e a experincia, no curso superior de pedagogia da

    Universidade So Francisco (USF), todos na cidade de Bragana Paulista/SP. Atualmente dedica-se a rea de gesto cultural

    e polticas pblicas para a cultura, sendo responsvel pela implementao do plano municipal de cultura de Bragana

    Paulista.

  • 21

    Oramento

    Descrio Quantidade Valor Unitrio Total da linha

    1 EQUIPE

    Diretor artstico 1 7.000,00 7.000,00

    Diretor de produo 1 5.000,00 5.000,00

    Assistente de direo 1 2.000,00 2.000,00

    Estagirio de produo (ajuda de custo) 1 750,00 750,00

    Ajuda de custo participantes 20 750,00 15.000,00

    Total Equipe R$ 29.750,00

    2 PROCESSO PEDAGGICO DE CRIAO E APRESENTAES

    Oficinas 04 700,00 2.800,00

    Cenografia e adereos 01 verba 5.250,00 5.250,00

    Figurinos 01 verba 5.520,00 5.520,00

    Viagem Bragana (micronibus) 01 verba 1.080,00 1.080,00

    Alimentao Bragana 24 20,00 480,00

  • 22

    3 DIVULGAO E REGISTRO

    Designer Grfico 1 1.000,00 1.000,00

    Cartazes 40 3,00 120,00

    Programas 500 1,00 500,00

    Registro fotogrfico do espetculo 1 800,00 800,00

    Registro do espetculo em vdeo 1 2.000,00 2.000,00

    Total Divulgao e Registro R$ 4.420,00

    4 PRODUO

    Gastos gerais (cpias, telefone, correios, transporte,

    papelaria, etc)

    01 verba 200,00 200,00

    Taxas Bancrias 1 500,00 500,00

    Total Produo R$ 700,00

    TOTAL DO PROJETO

    (Somatria de 1 a 4)

    R$ 50.000,00

  • 23

    Termo de Compromisso

    Ns, abaixo assinados, declaramos cincia e compromisso com a execuo do projeto no sabia que gente morava l

    proposto por Eduardo Bordinhon de Moraes no Edital n 10/2014 1as OBRAS DE PROD. DE ESPETC. E TEMPORADA

    TEATRO.

    Guaruj, 15 de agosto de 2014.

    _______________________________

    Eduardo Bordinhon de Moraes

    RG 43.734.790-4

    CPF 370.067.108-39

    _______________________________

    Carlos Eduardo Verssimo (Kadu Verssimo)

    RG 33.877.046-X

    CPF 308.463.938-

    _______________________________

    Marcelo da Silva Souza (Marcelo Wallez)

    RG 24.032.339-9

    CPF 199.363.14-39

    _______________________________

    Francisco Lima Dal Col (Chico Lima)

    RG 37.969.764-6

    CPF 368128678-70

    _______________________________

    Ivan Montanari Lima

    RG 28.238.468-6

    CPF 357.463.208-89

    _______________________________

    Carlos Eduardo Canhameiro

    RG: 29.421.700-9

    CPF: 262.806.025-00

  • 24

    Anexos

    1 Carta de apoio e compromisso da Secretaria de Cultura de

    Guaruj

    2 Carta de apoio e compromisso da Casa 3

    3 Carta de apoio e compromisso da Secretaria de Cultura de

    Bragana Paulista