Nem tudo se perde, muito pode ser reaproveitado

Click here to load reader

  • date post

    30-Mar-2016
  • Category

    Documents

  • view

    227
  • download

    5

Embed Size (px)

description

Já pensou que aquela roupa que você não gosta pode ser exatamente o que outra pessoa procura? Ou naqueles livros que você sabe que não vai reler e continuam juntando poeira na estante? E que em vez de comprar um móvel novo, você pode reaproveitar a mobília que já foi usada por alguém? O costume de reciclar e renovar envolve exatamente o que o mundo precisa: ações racionais. O Página 3 foi em busca de empresas locais que apostam nesse filão e descobriu que há muito mais que nostalgia e economia por trás da cultura do reaproveitamento.

Transcript of Nem tudo se perde, muito pode ser reaproveitado

  • Balnerio Cambori, 27 de fevereiro de 2010 15EspecialNem tudo se perde, muito pode ser reaproveitado

    J pensou que aquela roupa que voc no gosta pode ser exatamente o que outra pessoa procura? Ou naqueles livros que voc sabe que no vai reler e continuam juntando poeira na estante? E que em vez de comprar um mvel novo, voc pode rea-proveitar a moblia que j foi usada por algum? O costume de reciclar e renovar envolve exata-mente o que o mundo precisa: aes racionais. O Pgina 3 foi em busca de empresas locais que apostam nesse filo e descobriu que h muito mais que nostalgia e economia por trs da cultura do reaproveitamento.

    Exclusividade e mveis usados cheios de personalidade

    Pilhas de sofs, armrios, mesas, cadeiras de instituto de beleza. Nas lojas de mveis usados - os famosos pulges - no existe nada de sujo ou inu-tilizvel, muito pelo contrrio. As dezenas de mercadorias que cada um desses estabelecimen-tos oferece so praticamente da mesma qualidade das lojas de

    mveis novos, alguns produtos inclusive so to bem conser-vados que poderiam ser reven-didos como novos.Um dos maiores motivos para que estas lojas atraiam uma clientela considervel jus-tamente o preo. De acordo com a proprietria do Briko,

    Umbelina Kramer, os valores abaixo do mercado e as con-dies facilitadas contribuem muito para manter movimento de compra e venda durante o ano todo.Ela explica que o espao para acomodar tanta mercadoria sempre um problema, j que

    existe uma oferta muito grande de pessoas tambm querendo vender os produtos. Isso acon-tece muito em Balnerio por-que as pessoas vm morar aqui e encontram apartamentos j mobiliados, ou ento os donos desses apartamentos precisam se desfazer dos mveis porque seus inquilinos tm mveis e

    assim vai, disse Umbelina.

    Justamente por esse motivo, necessrio realizar uma boa avaliao da mercadoria antes de aceit-la para revenda. Se necessrio, vamos at os apar-tamentos dar uma avaliada nos mveis, pontuou.

    Daniele Sisnandes

    Alm de clientes em busca de bons preos, existe uma parte da clientela de lojas de mveis usados que v nesses estabe-lecimentos oportunidades e exclusividade. Segundo a proprietria do Mveis Usa-dos Avenida, localizado na 4 Avenida, Lucimar Aparecida Barbosa, como est sempre recebendo mercadoria nova, os clientes esto acostumados a visitar frequentemente a loja em busca de peas nicas - o famoso ato de garimpar.Isso acontece porque ofere-cemos mveis de um padro diferente dos vendidos nas grandes redes. Muitos nem so mais encontrados em lojas de novos. As pessoas procuram geralmente por mobilirio em madeira, na maioria das vezes pra fazer reformas, persona-

    lizar esses produtos, revelou Lucimar. J por esse motivo, a loja oferece diversos mveis em madeira crua, prontos para serem pintados de acordo com a inteno de cada cliente e com a cara de cada ambiente.Mas ela explica que apesar da exclusividade de vrios pro-dutos e do preo baixo, esta-belecimentos especializados em usados sofrem muito com as condies super facilitadas das empresas que se dedicam aos mveis novos, principal-mente s grandes redes. Esse o nosso maior problema, por-que essas lojas oferecem parce-lamento a perder de vista, mas incluem juros exorbitantes, uma coisa que no temos aqui. Mesmo assim as pessoas com-pram, porque querem parcelas baixas, reclamou.

    Fotos Daniele Sisnandes

    Por Daniele Sisnandes

  • Balnerio Cambori, 27 de fevereiro de 201016 EspecialSebo: luta de anos pela conquista da clientela As paredes forradas por exem-plares dos mais variados estilos impressionam. So centenas de edies, inclusive de revistas e gibis. Para Mara Frahm, dona do sebo Opo Leitura, locali-zado na Rua 1500 h mais de sete anos, finalmente agora, depois de tanto tempo insis-tindo no reaproveitamento de livros e no incentivo leitura, parece que os sebos conquis-taram os moradores de Balne-rio Cambori.Ela acredita que nos ltimos tempos a procura por livros tem aumentado consideravelmente por parte dos mais jovens. Isso uma vitria e me deixa muito feliz. Sempre falavam que com a internet os livros desaparece-riam, mas isso no verdade. Via esses meninos procurarem por gibis e hoje se tornaram lei-tores fiis, ressaltou.Nos fundos do estabeleci-mento, um pequeno quarto rene diversos lbuns em vinil, local preferido dos senhores de

    meia idade e dos jovens. Eles passam horas escolhendo, olhando e revendo as capas e

    comumente esto atrs de edi-es raras. Os mais novos pre-ferem MPB e rock, revelou.

    Mas certo que todos dividem uma certa nostalgia em manter o hbito da procura constante

    por novidades tantas vezes j ouvidas. Para os clientes que quise-rem trocar materiais, o sebo est sempre aberto. Quando o material que chega at a loja no pode ser aproveitado, Mara j possui destino certo para os exemplares e nem por um segundo pensa na ideia de jog-los fora. Eu guardo tudo em uma caixa, geralmente so apostilas de escolas particu-lares e material didtico, que eu envio para escolas pbli-cas da cidade. uma forma de colaborar, visto que tantas delas so to desaparelhadas, argumentou. Mas ela revela que nenhum cliente que est em busca de algo especfico fica sem res-posta e que indicar outros sebos uma coisa comum na cidade. Geralmente, quem vai a um, vai a todos quando est atrs de alguma coisa especial, finaliza Mara.

    Daniele Sisnandes

    Promoes e atualidade para incentivar o consumo

    Parece que a paixo pelos sebos no vem s dos clientes. Seus proprietrios, no caso de Balnerio, as proprietrias, se rendem e confessam que o amor por esses estabelecimen-tos reflete exatamente a perso-nalidade de cada uma. o caso do Sebo Criativu s, instalado na Alvin Bauer, que esbanja organizao. O ambiente claro quase causa dvidas se aquele

    mesmo um sebo tradicional. Para a proprietria, Amanda Moreno, cada sebo a cara de sua dona. O seu, por exem-plo, exibe uma coleo super diversificada de exemplares de revistas. Os preos podem ser menores at que as edies da promoo do dia, vendidas por R$ 0,49. Tenho uma distribui-dora de revistas, por isso, essa grande variedade, contou.

    Ela afirma ainda que traba-lha bastante na base da troca e acredita que isso incentiva os clientes. Quando comprou o sebo, h cerca de um ano e meio, Amanda encontrou uma coleo grande de livros espritas e mesmo sem querer acabou reunindo um acervo considervel sobre o tema. Pra movimentar essa rea, o cliente paga R$ 20 no primeiro

    e depois pode pegar outro por R$ 5, disse.Outro ponto que aposta ser essencial para movimentar as vendas manter sempre o acervo atualizado. Eu cos-tumo checar na Revista Veja quais so os vinte livros mais vendidos e direciono as com-pras desses exemplares. Acho que isso cria uma identidade e no torna o sebo um lugar s

    de relquias. Amanda percebe que a prateleira de vinis mais cobiada por artistas plsticos do que por ouvintes ou cole-cionadores. Quando o curso de DJ que existe em Balnerio entra na reta final, os forman-dos vm at aqui em busca de material prtico, se no, esses vinis costumar virar peas de decorao e at relgios, declara.

    Fotos Daniele Sisnandes

  • Balnerio Cambori, 27 de fevereiro de 2010 17EspecialRenovar o guarda roupa pode ficar barato e estiloso

    Gastar pode ser uma tarefa indesejada para muitas pes-soas. Gastar com roupas ento, pode ser terrvel. Mas mesmo em uma cidade como Balne-rio Cambori, onde a imagem indiscutivelmente supervalo-rizada, renovar o guarda roupa pode ser muito mais acessvel e divertido do que se imagina. O que muita gente nem desconfia que existem por aqui diversos brechs, com particularida-des fascinantes e claro, preo baixo. A proprietria do brech Uni-versal, localizado na 3 Avenida, Vera Lcia Linhares, revela que so cerca de dez lojas como a sua na cidade e que mesmo assim o mercado vive movimentado. A oferta variada de produtos tam-bm responsvel pela clientela ecltica. Temos roupas mas-culinas, femininas, sapatos,

    acessrios. Analiso tudo o que chega, mando lavar e s ento coloco venda, disse.

    EstiloSegundo Vera, os preos variam de R$ 2 a R$ 60. Mas para aque-les que imaginam que os bre-chs so opes somente para quem no quer gastar muito, est apenas 50% certo. Os clien-tes desse tipo de loja querem muito mais do que baixo custo. Temos sim aquelas pessoas que querem pechinchar, mas sem-pre explicamos que trabalha-mos com peas nicas, muitas so difceis de serem encontra-das em lojas convencionais. J outras pessoas esto acostuma-das com esse tipo de comrcio, as brechozeiras, que so mais jovens e esto atrs justamente de peas nicas, salienta a proprietria.

    Brechs-boutique conquistam mais adeptos em BalnerioAssim como em grandes cen-tros, o filo do brech boutique chegou a Balnerio e parece ter conquistado uma clientela fiel. No calado da Rua 11, o Armrio da Maria o exem-plo que roupas de grife podem sim estar ao alcance de qual-quer um. Com cabides e araras forrados de produtos de alta qualidade e roupas de marcas reconhecidas, a loja de roupas usadas atrai um pblico que vai desde jovens descolados at senhoras de estilo mais clssico.

    FornecedoresPara quem possui roupas desse perfil e quer renovar o guarda roupa gastando pouco, o

    Armrio da Maria aceita peas sob consignao, mas segundo a proprietria, Janete Luthten-berg, necessrio que ainda tenham as etiquetas da marca e devem estar em bom estado de conservao. Os valores geralmente so definidos com base no tempo de uso e estado da pea. Aqui os produtos so vendidos por 10% a 30% do valor que seriam comercializados em outras lojas. O fornecedor, por sua vez, recebe cerca de 30% do valor da venda. Porm, a loja aceita apenas fornecedores com pelo menos 25 peas de cada vez, entre roupas e acessrios, para fechar uma espcie de pacote.

    Roupas de grife tambm para os pequenosNo necessrio ter um filho para saber que o tempo til de roupas de crianas muito curto. Foi pensand