Newsletter nº5

Click here to load reader

Embed Size (px)

Transcript of Newsletter nº5

  1. 1. JUVENTUDE SOCIALISTA ELEGE COMISSO POLTICA CONCELHIA CASCAIS ENTRELINHAS EDIO N5 | OUTUBRO A DEZEMBRO 2013 | GRAFISMO: ALEXANDRA DOMINGOS | REDAO: SECRETARIADO JS/CASCAIS Nesta edio: JS/Cascais 1 Atividade dos Jovens Autarcas 2 Ns e o Municpio 3 Entrevista com... 4 Espao de opinio 5 | 2013 JS Cascais | www.facebook.com/JSCascais | [email protected] | 1 No passado dia 23 de Novembro os militantes tiveram oportunidade de escolher os novos membros da CPC para o binio 2013-2015 A Juventude Socialista de Cas- cais elegeu os novos membros da Comisso Poltica Concelhia atravs de ato eleitoral realizado no passa- do dia 23 de Novembro. A concelhia reuniu nos ltimos anos condies propcias existn- cia do rgo de Comisso Poltica, o que se tornou agora uma realidade. A coordenao pertence agora a Marcelo Sanches, que ir liderar os destinos da concelhia nos prximos dois anos, atravessando por isso dois atos eleitorais, eleies euro- peias e legislativas. Os 15 eleitos tomaram posse numa sesso realizada no dia 8 de Dezembro, que contou com a pre- sena do Secretrio-Geral da JS (Joo Torres) e o Vice-Presidente da JS/FAUL e Secretrio-Geral Adjunto (Diogo Leo). Ainda neste momento, foi apresentado e eleito o respetivo Secretariado para o mandato 2013- 2015. Ana Paula Santiago assim a nova Presidente da Mesa da CPC, com Andreia Nunes e Rodrigo Gui- mares como seus secretrios. COMISSO POLTICA CONCELHIA: 1. Marcelo Sanches 2. Ana Paula Santiago 3. Bruno Bernardes 4. Alexandra Domingos 5. Frederico Martins 6. Afonso Catado 7. Ana Santos 8. Joo Robalo 9. Andr Gomes 10. Andreia Nunes 11. Rodrigo Guimares 12. Rben Correia 13. Marta Rocha 14. Joo Temudo 15. Catarina Henriques SECRETARIADO: Marcelo Sanches (Coordenador) Bruno Bernardes Alexandra Domingos Joo Pinto Frederico Martins Ana Santos Afonso Catado Joo Robalo Catarina Henriques MESA DA CPC: Presidente: Ana Paula Santiago 1 secretria: Andreia Nunes 2 secretrio: Rodrigo Guimares Tomada de Posse eleitos CPC por Joo Rocha, Presidente de Mesa cessante Interveno do Secretrio-Geral da JS EDITORIAL: Entrmos em 2014 e para trs deixamos 2013, um ano de lutas, batalhas, vitrias e derrotas. O ltimo trimestre de 2013 constitui o balano dos resultados das elei- es autrquicas e a construo de novas equipas nos destinos dos rgos concelhios da Juventude Socialista e do Partido Socialista. Um momento de reflexo interna, onde Cascais e os muncipes foram colo- cados como principal prioridade do trabalho futuro. 2014 apresenta-se reple- to de desafios, destacan- do-se o fim do programa de assistncia da Troika e as eleies europeias. O que nos trar 2014?
  2. 2. EDIO N 5 CASCAIS ENTRELINHAS OUTUBRO A DEZEMBRO 2013 | 2014 JS Cascais | www.facebook.com/JSCascais | [email protected] | 2 BARMETRO MUNICIPAL O mau tempo e a forte ondula- o, provocaram enormes danos em bares e res- taurantes junto s praias em toda a linha de Cascais, desde o Guincho a Carca- velos. ATIVIDADE DOS JOVENS AUTARCAS Nesta nova seco poders ficar a conhecer a atividade dos jovens autarcas socialistas, nomeadamente sobre as suas posi- es e intervenes nos rgos autrquicos ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE CASCAIS Assembleias Municipais: Tomada de Posse, 20/11, 27/11, 30/12 Nas Reunies de Assembleia Municipal de Cascais, os deputados municipais mili- tantes da JS, Joo Rocha e Alexandra Domingos intervieram na reunio de dia 27 de Novembro por ocasio do Perodo Antes da Ordem do Dia (PAOD). A deputada Alexandra Domingos interveio em primeiro lugar, centrando a sua inter- veno em dois pontos essenciais: obras do Largo 5 de Outubro (Alcabideche) e o investimento no Autdromo do Estoril. Quanto ao primeiro assunto, considerou essencial a responsabilizao da entidade construtora bem como o dilogo perma- nente com os comerciantes e fregueses que diariamente usufruem deste espao e dos acessos envolventes, na perspetiva de alcanar melhores solues e alteraes adequadas ao projeto inicialmente reali- zado. Quanto ao Autdromo do Estoril procurou aferir a razo da falta de inves- timento do municpio na infraestrutura, que outrora desenvolveu a economia local. O deputado Joo Rocha centrou a sua interveno na reflexo sobre os nmeros da absteno no concelho de Cascais. Ini- ciou porm a sua interveno saudando a Associao Humanitria dos Bombeiros Voluntrios de Cascais pelo seu anivers- rio, de seguida saudou o Clube Naval de Cascais pela condecorao do Presidente da Repblica com a Ordem do Infante D. Henrique, e saudou ainda o jovem surfista Cascalense Frederico Morais pelos extraordinrios e prestigiantes resultados obtidos em competies da modalida- de. A sua reflexo sobre a absteno dos eleitores nas ltimas eleies autrqui- cas, pretendeu sobretudo chamar a ateno das diversas foras polticas para o afastamento dos cascalenses face poltica local, realando a importncia de em conjunto se definirem estratgias que contornem a situao. ASSEMBLEIA FREGUESIA DE ALCABIDECHE Assembleias Freguesia: Tomada de Posse, 31/10 A jovem autarca da bancada socialista Alexandra Domingos, interveio na primei- ra reunio de Assembleia de Freguesia de Alcabideche, questionando em primei- ro lugar o Presidente da JF sobre a demolio de um espao na Amoreira e con- sequente reorganizao de trnsito. De seguida questionou-o sobre o acompa- nhamento que estaria a desenvolver junto dos alunos dos Cursos PIEF da Escola 2+3 de Alcabideche. Cristiano Ronaldo e a Pepsi chega- ram a acordo na d o a o d e 150.000 para a construo da Casa dos Rapa- zes, na Parede. Os cinco andares do edifcio Nau, junto estao ferroviria de Cascais, vo ser demolidos em breve. Muitos Cascalen- ses saram rua na noite de passa- gem de ano para verem o prometi- do fogo de artif- cio na Baa, que para espanto geral no se reali- zou.
  3. 3. | 2014 JS Cascais | www.facebook.com/JSCascais | [email protected] | 3 EDIO N 5 CASCAIS ENTRELINHAS OUTUBRO A DEZEMBRO 2013 NS E O MUNICPIO O Turismo em Cascais, por Sofia Pinho Ouve-se, na vila de Cascais, uma multiplicidade de lnguas e de culturas que se misturam com a lngua nacio- nal. O concelho de Cascais recebeu, em 2012, 1,1 milhes de visitantes estrangeiros, um nmero que tem vindo a cres- cer de ano para ano, bom pressgio, sem dvidas. Porm, at que ponto estes turistas nos visitam de forma contnua e regular ao longo do ano? O problema da sazonalidade em Cascais, e em todo o continente, um caso preocupante assumido como priorida- de na agenda do Turismo de Portugal. No entanto, parte da soluo para este problema reside nas atividades e rotas tursticas e nas infraestruturas que os municpios podem oferecer no decorrer do ano. Cascais tem indubitavelmente os seus pontos tursti- cos fortes mas, tambm, tem vrios pontos fracos. Na Marina de Cascais, impera o silncio, seja manh, seja meio da semana ou sexta-feira noi- te. A Marina simplesmente no funciona! Existe um cenrio de abandono onde se vem lojas fechadas e montras cobertas por autocolantes. necessrio estimular as atividades tursticas e as infraestruturas, no s para o consumo do turismo externo mas, tambm, para o consumo do turismo interno, pois os nossos residentes so, tam- bm, os turistas que investem o ano inteiro . Promover rotas tursticas, melhorar os acessos e a rede de transportes, criar novos espaos para eventos e festas noturnas e melhorar a qualidade dos espaos existentes so apenas alguns exemplos para que Cascais se possa tornar mais atrativo, no s para quem nos visita mas, tambm, para quem c vive. Vista area da Marina de Cascais (Portal do Mar) 1890 Ponte de ligao entre a Rua Direita e o Largo de Cames, sobre o rio da vila de Cascais (Ribeira das Vinhas) Crditos de Foto: Real Villa de Cascaes
  4. 4. | 2014 JS Cascais | www.facebook.com/JSCascais | [email protected] | 4 EDIO N 5 CASCAIS ENTRELINHAS OUTUBRO A DEZEMBRO 2013 ENTREVISTA COM... Nesta nova seco daremos a conhecer casos de jovens do concelho de Cascais que participam de forma ativa e dinmica na vida diria da comunidade JOANA GONALVES, 22 anos Joana Gonalves tem 22 anos e est a terminar a licenciatura em Cincias da Cultura, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. O esprito associativo foi-lhe incutido desde muito cedo, pela sua famlia, desde sempre envolvida nas ativida- des da Sociedade Familiar e Recreativa da Malveira da Serra (SFRMS). No ano de 2012, fez parte da Direo da SFRMS, assumindo um cargo importante na gesto do Coletividade. 1 Quando e como te envolveste nas atividades da SFRMS? Desde muito, muito cedo. Aos trs anos de idade, comecei a participar na Dana-Jazz, o grupo de dana da Coletividade, do qual fui diretora aos 18 anos, estando responsvel pela sua organizao. Aos seis anos, ingressei na escola de msica da SFRMS e, mais tarde, fiz parte da Banda Filarmnica onde fui executante de flauta transversal. Fiz tambm parte do Grupo Cnico e hoje fao parte da Escola de Dana, na classe de Contemporneo. No perco um Carnaval e sempre que possvel l estou, com alguns amigos, pronta para ajudar no que for preciso. Como vem, foi algo que cresceu comigo, a SFRMS , para mim, como uma segunda casa. 2 - No ano de 2012/2013, ocupaste um cargo na Direo da SFRMS. Quais as razes pelas quais decidiste abraar este desafio? O principal motivo para me ter lanado nessa aventura foi o de no querer deixar que a Coletividade fechasse as suas portas. Em segundo lugar porque acredito que todos devemos fazer algo pela comunidade onde estamos inseridos, e achei que estava na hora de retribuir e dar a cara por uma instituio na qual acredito. 3 - Quais foram as maiores dificuldades enquanto ocupavas esse cargo? E pontos positivos? A maior dificuldade foi gerir o tempo, entre os estudos, o estgio em produo cultural e a SFRMS; no final tudo se con- segue, mas no foi fcil. Foi necessrio gerir equipas, organizar eventos, tratar de burocracias todos os dias, somando tudo isto minha vida aca- dmica, profissional e pessoal. De positivo, trago comigo uma bagagem cheia, a capacidade de concretizao em prol de um bem comum, a unio de um grupo de