O conceito de saúde na saúde coletiva: contribuições a ... · PDF...

Click here to load reader

  • date post

    17-Mar-2020
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of O conceito de saúde na saúde coletiva: contribuições a ... · PDF...

  • Marcelo José de Souza e Silva

    O conceito de saúde na saúde coletiva: contribuições a partir da crítica social e

    histórica à tomada do corpo e seu adoecimento na medicina da modernidade

    Tese apresentada à Faculdade de Medicina da

    Universidade de São Paulo para obtenção do título

    de Doutor em Ciências

    Programa de Medicina Preventiva

    Orientadora: Profa. Dra. Lilia Blima Schraiber

    Coorientador: Prof. Dr. André Mota

    São Paulo

    2017

  • Marcelo José de Souza e Silva

    O conceito de saúde na saúde coletiva: contribuições a partir da crítica social e

    histórica à tomada do corpo e seu adoecimento na medicina da modernidade

    Tese apresentada à Faculdade de Medicina da

    Universidade de São Paulo para obtenção do título

    de Doutor em Ciências

    Programa de Medicina Preventiva

    Orientadora: Profa. Dra. Lilia Blima Schraiber

    Coorientador: Prof. Dr. André Mota

    São Paulo

    2017

  • Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

    Preparada pela Biblioteca da

    Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

    reprodução autorizada pelo autor

    Silva, Marcelo José de Souza e

    O conceito de saúde na saúde coletiva : contribuições a partir da crítica social e

    histórica à tomada do corpo e seu adoecimento na medicina da modernidade /

    Marcelo José de Souza e Silva. -- São Paulo, 2017.

    Tese(doutorado)--Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

    Programa de Medicina Preventiva.

    Orientadora: Lilia Blima Schraiber.

    Coorientador: André Mota.

    Descritores: 1.Saúde coletiva 2.Formação de conceito 3.Saúde 4.Trabalho

    5.Corpo humano 6.Conhecimento 7.Medicina 8.Saúde pública

    USP/FM/DBD-119/17

  • NOME: SILVA, Marcelo José de Souza e

    Título: O conceito de Saúde na Saúde Coletiva: contribuições a partir da crítica social e

    histórica à tomada do corpo e seu adoecimento na medicina da modernidade

    Tese apresentada à Faculdade de Medicina da

    Universidade de São Paulo para obtenção do título de

    Doutor em Ciências

    Aprovado em: ___ / ___ / _____

    Banca Examinadora

    Prof. Dr.: _______________________________________________________________

    Instituição: _____________________________________________________________

    Julgamento: ____________________________________________________________

    Prof. Dr.: _______________________________________________________________

    Instituição: _____________________________________________________________

    Julgamento: ____________________________________________________________

    Prof. Dr.: _______________________________________________________________

    Instituição: _____________________________________________________________

    Julgamento: ____________________________________________________________

    Prof. Dr.: _______________________________________________________________

    Instituição: _____________________________________________________________

    Julgamento: ____________________________________________________________

    Prof. Dr.: _______________________________________________________________

    Instituição: _____________________________________________________________

    Julgamento: ____________________________________________________________

  • AGRADECIMENTOS

    Qualquer produto do trabalho humano é concebido tendo como base toda a

    humanidade por trás dele, pois todo objeto fruto do trabalho humano, mesmo que

    realizado por um único indivíduo, é um objeto social, fruto da sociabilidade humana e

    tudo que foi produzido por ela. Dessa forma, essa tese só existe devido à essa

    sociabilidade, o que torna difícil fazer agradecimentos, já que, de forma direta ou indireta,

    diversas pessoas participaram da elaboração desse estudo. Entretanto, algumas pessoas

    participaram de forma mais próxima e, mesmo que com toda a humanidade como base,

    sem elas esse trabalho não teria saído do mundo das ideias.

    Agradeço imensamente à Lilia por ter aceitado me orientar neste trabalho e que

    nesses quase 4 anos que passamos juntos discutindo sobre o que é o conceito de saúde,

    aprendi muito sobre como ser um bom pesquisador e um bom orientador e realmente

    ajudar alguém com menos experiência, sobre como me portar quando aparecem as

    divergências e também as igualdades de pensamento, de agir sempre disposto a ajudar,

    lendo atentamente os textos, respondendo aos e-mails rapidamente, ou seja, realmente

    orientar um estudante. Levo essa experiência para a vida, já replicando o possível com

    meus atuais orientados.

    Ao Guilherme e Rogério, que interviram junto à Lilia para que ela aceitasse

    conversar comigo e, consequentemente, aceitasse me orientar e que, como colegas de

    trabalho, têm me ajudado nos desafios da docência.

    Ao André, que aceitou me coorientar e que trouxe outras perspectivas para

    dentro do estudo, além de sempre me receber de forma muito carinhosa no Museu,

    juntamente com a Graça, o Gustavo e o Clebison.

    À Vivian e ao Yuri, que me ajudaram a enfrentar São Paulo, tanto nas conversas

    (principalmente nas reclamações) quanto em infraestrutura, que se tornaram grandes

    amigos que espero levar para a vida toda.

    À Lilian por me acompanhar em todos esses anos e me apoiar e que, se

    tivéssemos nos aproximado alguns meses mais tarde, eu provavelmente não seria o que

    sou hoje.

  • À Lígia e à Maria, que me deram as bases marxistas com as quais eu também

    não seria o que sou hoje, além de todo carinho e amizade, que, mesmo um pouco mais

    longe hoje em dia, não diminuíram.

    Ao meu círculo de amigos mais próximos, Rhayane, Jamile, Patrícia e Mozart,

    com quem divido as alegrias e as tristezas da vida.

    E ao meu pai e minha mãe, que sempre me apoiaram em tudo que faço e que

    espero conseguir atender suas expectativas.

  • Um marxista-historiador nunca diria: “história marxista da Rússia”. Consideraria que isto se

    depreende dos próprios fatos. “Marxista” é para ele sinônimo de “verdadeiro, científico”; não

    reconhecemos outra história a não ser a marxista. E para nós a questão deve ser formulada

    assim: nossa ciência se tornará marxista na medida em que se tornar verdadeira, científica; e é

    precisamente à sua transformação em verdadeira, e não a coordená-la com a teoria de Marx,

    que nos dedicamos.

    Lev Semenovitch Vigotski

    Eritis sicut Deus, scientes bonum et malum.

    Mefistófeles (Fausto I, Johann Wolfgang von Goethe)

  • SUMÁRIO

    LISTA DE SIGLAS

    LISTA DE ILUSTRAÇÕES

    RESUMO

    ABSTRACT

    1. INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 12

    2. A SAÚDE COLETIVA ............................................................................................. 14

    2.1. AS BASES HISTÓRICAS E O MOVIMENTO DA SAÚDE COLETIVA ...... 14

    2.2. A SAÚDE COLETIVA COMO CAMPO CIENTÍFICO CRÍTICO .................. 33

    3. O CORPO: BASE SOCIAL DA MEDICINA DO INDIVÍDUO .......................... 42

    3.1. A EXPRESSÃO SOCIAL DO CORPO NO CAPITALISMO .......................... 44

    4. O CONCEITO DE SAÚDE NA SAÚDE COLETIVA: A NÃO CONCEITUAÇÃO

    ......................................................................................................................................... 53

    4.1. O CONCEITO NO SENSO COMUM ............................................................... 54

    4.2. TRABALHO: ATIVIDADE TELEOLÓGICA DO SER HUMANO ................ 58

    4.3. CONCEITO: A DIALÉTICA DO ABSTRATO E DO CONCRETO ............... 62

    5. O CONCEITO DE SAÚDE NA SAÚDE COLETIVA: A POLISSEMIA ........... 72

    5.1. A ANÁLISE EMPÍRICA DO CONCEITO DE SAÚDE E DA TOMADA DO

    CORPO NA SAÚDE COLETIVA ............................................................................ 72

    5.1.1. A saúde como noção .................................................................................. 76

    5.1.2. A saúde como lema .................................................................................... 82

    5.1.3. A saúde como construções conceituais em curso .................................... 85

    5.1.4. A tomada do corpo na construção do conceito de saúde ....................... 89

    5.2. APROXIMAÇÕES PARCIAIS DA ESSÊNCIA DO OBJETO SAÚDE .......... 90

    6. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................... 93

    7. ANEXOS .................................................................................................................... 96

    8. REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 99

  • LISTA DE SIGLAS

    ABRASCO ASSOC