O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie. Adailton Medeiros. · confeccionado. O Personagem...

of 27/27
O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie . Adailton Medeiros. Trabalho de conclusão de curso de Artes Cênicas / Indumentária Escola de Bela Artes UFRJ Aluna: Rafaela dos Santos Medeiros DRE: 109011067 Orientador: Madson Oliveira Data da Defesa: 05/12/2018
  • date post

    21-Jul-2020
  • Category

    Documents

  • view

    0
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie. Adailton Medeiros. · confeccionado. O Personagem...

  • O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie.

    Adailton Medeiros.

    Trabalho de conclusão de curso de Artes Cênicas / Indumentária

    Escola de Bela Artes – UFRJ

    Aluna: Rafaela dos Santos Medeiros

    DRE: 109011067

    Orientador: Madson Oliveira

    Data da Defesa: 05/12/2018

  • Resumo do Projeto

    O Projeto foi feito em cima do livro “O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie”.

    Foram produzidos figurinos para 16 personagens da obra, todos com uma característica dos anos 70.

    Os personagens são fictícios e ficcionais e foram criados com base em estereótipos ou arquétipos, que vivem histórias que poderiam

    acontecer com pessoas comuns.

    O personagem confeccionado trata-se de Jorge Maluco, um homem que vive um conflito entre ser humano ou animal (cavalo).

  • Sinopse

    A ficção é narrada em 7 dias e conta a transformação de uma praça em lagoa, e a cada passagem relata um pouco da história dos moradores de Narcisópolis. Seus amores, sonhos, relatos, frustações, medos, crenças e descrenças, política, exclusões sociais, desde a deficiência nos transportes públicos à falta de oportunidades do bairro. E mais alguns desejos e pensamentos que suburbanos criam e vivem.

  • Tabela de coresArtista Plástico Raimundo Rodrigues.

  • Oberdan: Operário, simples, chefe de família,deixado pela esposa.

  • Nelson: Velho, aposentado e odiado pela garotada.

  • Persiliana: Negra, doméstica, sonhava, casar, ter um filho, emprego e comprar um vídeo cassete.

  • Toyota: Gordinho chileno que todos achavam ser japonês.

  • Wanda: Mãe exemplar, viúva e adorava fazer jogo de bicho.

  • Luiz Pé de Anjo: Usuário de drogas, bêbado e largado.

  • Julim: Esperto, galanteador, charmoso e pegador.

  • Regi: Conhecida como a escorpiana, muito sedutora.

  • Iluminado: Liderança e religiosidade.

  • Bete: Peixe que virou uma linda mulher.

  • André Barreto: Radialista, cantor, compositor, poeta, músico, alegre e divertido.

  • D.Ercília: Velha e rezadeira do bairro.

  • Samuca: Aspectos primatas com apelido de Chita. Moleque endiabrado.

  • Eurídice: Maluca, rebelde e agressiva.

  • Carioca: Ex combatente de guerra que ficou louco.

    Jorge Maluco: Renegado por todas as moças. Se flagelava como penitência ao mesmo tempo que imaginava estar chicoteando seu cavalo e chorava mas não se sabe se era pelas rejeições ou chibatadas.

  • Figurino Confeccionado

  • Memorial Descritivo

    O Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie é um texto cheio de criatividade e narração em um mundo fantástico irreal mas que se

    mistura a memórias reais de todos os suburbanos.A escolha como tema do meu trabalho de conclusão de curso foi feita

    em cima do encontro de história entre leitor e personagens e também em homenagem a um grande símbolo de amor na minha vida que é meu

    pai.Quando comecei a ideia, a levei além dos personagens de uma ficção.

    Eu a trouxe para minha infância e lembranças e assim dei vida e cor para a estória.

  • Imaginando um subúrbio de contos de fadas em uma cartela de cores sensíveis aos olhos de quem vê e doce aos sonhos de quem os sonha.

    Trouxe ao projeto uma inspiração nas obras do artista plástico Raimundo Rodriguez. Um artista que traz na exposição “Latifundios”

    obras recortadas de latas de tintas que compõem poemas para serem decifrados assim como a obra de Adailton Medeiros que narra histórias

    para serem imaginadas. O trajeto para a conclusão do projeto de graduação começa com a

    decupagem dos personagens e as semelhanças associadas a cada um para criar um biotipo, sempre atenta ao que o autor descreve ou

    menciona.

  • Como a estória descreve 7 dias da construção de uma lagoa no bairro, trouxe como principal exemplo o Piscinão de Ramos e a

    riqueza de figuras emblemáticas que o frequenta.A maioria das colagens foram feitas em cima de fotos do fotografo

    Julio Bittencourt da Mostra que se chama “Ramos” que captura um pouco da vida nos finais de semana do Piscinão.

    Juntos as fotos tem exemplos de características físicas e psicológicas associadas a cada personagem.

    Os Beneficiamentos foram experimentos e reproduções de trabalhos feitos nas aulas de oficinas textil para tentar trazer mais o subúrbio a

    cada personagem, onde pude me identificar e conduzir de uma forma melhor o conteúdo que gostaria que fosse exposto.

  • Após as colagens e os beneficiamentos finalizados o contexto se montou e foi feita a escolha do figurino que deveria ser

    confeccionado. O Personagem escolhido foi o Jorge Maluco por representar o simples medo dos sonhos. Jorge Maluco é um homem que as vezes se confunde com o “ser”: uma hora é

    homem e se martiriza. Ele chicoteia-se como penitencia por não ser amado e nesse mesmo ato se confunde entre ser homem ou

    cavalo.

  • Se fosse uma historia convencional, o final dela seria ele encontrar o seu verdadeiro amor, se entregar e esquecer a ideia de um dia ter pensado ser cavalo. Mas como se trata do Espelho de Narcisópolis na Era da Selfie, ele encontra com seu verdadeiro amigo que o vê como cavalo e resolve ser o cavalo do mesmo. Um resumo de que somos escravos de nossas mentes e traduzimos nossa vida da forma que a criamos e desenhamos.

  • Para esse personagem eu quis que seu figurino fosse bem narrativo, que fala-se por si só sem auxilio de nada externo. Onde o expectador

    o entende sem ter que ser decifrado.O adereço de cabeça reproduz uma gaiola prendendo esse animal

    que quer se soltar e mostrando também que ele é prisioneiro da sua mente. A sua blusa, que é uma simples camisa de transparência, para dar base as suas cicatrizes e uma bermuda que carrega seu rabo que ora será a representação de um rabo de cavalo e ora a do chicote que ele se chicoteia através de adereços presos aos punhos e tornozelos

    levando a entender que são selas de cavalos.

  • O personagem trás em seu figurino uma semelhança à vestimenta de escravos, mas sendo ele escravo do seu imaginário.

    O projeto é uma realização profissional por finalizar minha graduação e emocional pelo a escolha dele e o caminho trilhado

    na produção. Junto dele veio o medo, a responsabilidade, o conhecimento e o desabafo de uma população que tem que ser

    mais representada e descrita.