O PROBLEMA DA TRANSMISSÃO NA EPISTEMOLOGIA DO · PDF file Palavras-chave:...

Click here to load reader

  • date post

    07-Dec-2020
  • Category

    Documents

  • view

    4
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of O PROBLEMA DA TRANSMISSÃO NA EPISTEMOLOGIA DO · PDF file Palavras-chave:...

  • PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

    ESCOLA DE HUMANIDADES

    PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

    MESTRADO

    ROSSUL CHAUDON PADILHA

    O PROBLEMA DA TRANSMISSÃO NA EPISTEMOLOGIA DO

    TESTEMUNHO DE JENNIFER LACKEY

    Porto Alegre

    2016

  • 2

    ROSSUL CHAUDON PADILHA

    O PROBLEMA DA TRANSMISSÃO NA EPISTEMOLOGIA DO

    TESTEMUNHO DE JENNIFER LACKEY

    Dissertação apresentada como requisito para a

    obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-

    Graduação em Filosofia da Pontifícia

    Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

    Orientador: Prof. Dr. Felipe de Matos Müller

    Porto Alegre

    2016

  • 3

    ROSSUL CHAUDON PADILHA

    O PROBLEMA DA TRANSMISSÃO NA EPISTEMOLOGIA DO

    TESTEMUNHO DE JENNIFER LACKEY

    Dissertação apresentada como requisito para a

    obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-

    Graduação em Filosofia da Pontifícia

    Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

    Aprovada em ______ de ______________________ de ________.

    BANCA EXAMINADORA:

    Prof. Dr. Felipe de Matos Müller – PUCRS

    Profa. Dra. Kátia Martins Etcheverry – PUCRS

    Profa. Dra. Patrícia Ketzer – UPF

  • 4

    Aos meus colegas, amigos e familiares.

  • 5

    AGRADECIMENTOS

    Ao CNPQ, pela concessão de bolsa integral de estudos durante todo o período de

    vigência do mestrado, possibilitando que tal empresa viesse a ser possível.

    Ao programa de Pós-Graduação em Filosofia da PUC-RS, estendidos à

    comunidade universitária como um todo, que disponibilizou estrutura e condições

    necessárias ao desenvolvimento acadêmico.

    A todos os docentes com quem tive a oportunidade de aprender sempre mais. Um

    especial agradecimento ao Prof. Dr. Felipe de Matos Müller por ter me acompanhado na

    empresa durante o período do mestrado, sempre muito atencioso, solícito e demonstrando

    interesse e entusiasmo pelos projetos de pesquisa em que está engajado, ao Prof. Dr.

    Cláudio Gonçalves de Almeida e aos Profs. Drs. Rogel Esteves, Kátia Martins Etcheverry

    e Patrícia Ketzer.

    Aos colegas todos do Programa de Pós-Graduação, com os quais aprendi e troquei

    muito nesse tempo em que nos foi possível conviver. Em especial aos colegas que

    compartilharam a mesma linha de pesquisa: José Leonardo Annunziato Ruivo, Luiz Paulo

    da Cas Cichoski, Thiago Rafael Santin, André Luiz de Almeida Lisbôa Neiva, Luis

    Fernando Munaretti da Rosa, Ricardo Rangel, João Rizzo Fett, Felipe Mendes Sozzi

    Miguel, Lucas Roisenberg Rodrigues, Valentine Serpa e, novamente, Patricia Ketzer.

    A todos os funcionários do PPG de Filosofia do Prédio 5 da PUC-RS, que sempre

    com ótima disposição tornaram a atividade de pesquisa possível. Também aos demais

    funcionários da Universidade como um todo que propiciam um ambiente saudável e

    aprazível para o estudo.

    Por fim à minha família e amigos que além de suporte material sempre estiveram

    presentes, embora por vezes distantes geograficamente, aportando o que de mais valioso

    há: amor.

  • 6

    Como isso lhe pareceu irrefutável, Alice tentou uma outra pergunta. “Que espécie de

    gente vive por aqui? ”

    “Naquela direção”, explicou o Gato, acenando com a pata direita, “vive um

    Chapeleiro; e naquela direção” acenando com a outra pata, “vive uma Lebre de Março.

    Visite qual deles quiser: os dois são loucos. ”

    “Mas não quero me meter com gente louca”, Alice observou.

    “Oh! É inevitável”, disse o Gato; “somos todos loucos aqui. Eu sou louco. Você

    é louca. ”

    “Como sabe que sou louca? ”, perguntou Alice.

    “Só pode ser”, respondeu o Gato, “ou não teria vindo parar aqui. ”

    (Lewis Carroll, Aventuras de Alice no país das maravilhas)

  • 7

    RESUMO

    O testemunho foi negligenciado no estudo epistemológico durante muito tempo. Muito

    embora tal disciplina específica se utilize de autores clássicos como David Hume, John

    Locke e Thomas Reid, a sua aparição no cenário contemporâneo só se deu, de fato, após

    a publicação de Testimony – a philosophical study por C. A. J. Coady no ano de 1992. Os

    desdobramentos que daí se seguiram foram exaustivos na tentativa de resolver as questões

    levantadas a partir desse viés da relação que se observa entre dois agentes epistêmicos –

    anteriormente tomados separadamente. Isso demonstra também que a disciplina, agora

    chamada de Epistemologia do Testemunho, pode ainda ser melhor inserida como um

    subtema do campo que surge com Alvin Goldman chamado de Epistemologia Social. Ou

    seja, o tema aqui abordado é permeado tanto por questões epistêmicas – analíticas – como

    por questões que tocam o âmbito do social. Mais especificamente, o trabalho que se segue

    tem por objetivo geral apresentar o ponto de vista da filósofa Jennifer Lackey, que tem o

    corolário da sua tese sobre a epistemologia do testemunho reunida no livro Learning from

    Words – Testimony as a Source of Knowledge, de 2008. Como objetivos específicos do

    trabalho são trazidos os debates em torno da Natureza do Testemunho e da Transmissão

    vs. Geração de conhecimento percebidas dentro do contexto social-epistêmico. Ambos os

    temas em foco são cruciais para uma melhor compreensão não só do trabalho de Lackey

    como para o entendimento crítico da disciplina de modo geral. O rico aporte que a autora

    traz em sua obra por meio de exaustivos exemplos e contraexemplos são apresentados e

    debatidos em larga medida para que os mesmos sejam passíveis de análise por um viés

    crítico.

    Palavras-chave: epistemologia, testemunho, epistemologia social, natureza do

    testemunho, transmissão de conhecimento.

  • 8

    ABSTRACT

    Testimony has been neglected for a long time during the epistemological study. Although

    this specific discipline makes use of classical authors such as David Hume, John Locke

    and Thomas Reid, ist apparition in the contemporary scenario just happened, in fact, after

    the release of Testimony – a philosophical study by C. A. J. Coady in the year of 1992.

    The developments that followed from that were exhaustive in the sense of solving the

    issues set forward in the context of the relationship between two epistemic agents –

    considered alone before. This shows that the discipline, now called Epistemology of

    Testimony, can be better understood as a branch of the field forged by Alvin Goldman

    called Social Epistemology. That is, the subject addressed here it is surrounded by

    epistemic issues – analytical – as for issues that touch the social field. More specifically,

    the work that follows has as its main goal present the point of view of the philosopher

    Jennifer Lackey, that has its upshot a thesis about the epistemology of testimony

    presented in the book Learning from Words – Testimony as a Source of Knowledge, from

    2008. As for specific goals are brought up the debates around the Nature of Testimony

    and Transmission vs. Generation thesis of knowledge, perceived in the social-epistemic

    context. Both themes are crucial for a better understanding not just of Lackeys work but

    also for a more critical view of the discipline in a general way. The great contribution that

    the author brings in its work by means of exhaustive examples, are here presented and

    debated largely for a more critical understanding of them.

    Key words: epistemology, testimony, social epistemology, nature of testimony,

    knowledge transmission.

  • 9

    SUMÁRIO

    INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 10

    1. NATUREZA DO TESTEMUNHO .................................................................. 17

    1.1. VISÃO ESTREITA ......................................................................................... 19

    1.2. VISÃO AMPLA .............................................................................................. 21

    1.3. VISÃO MODERADA ..................................................................................... 24

    1.4. VISÃO DISJUNTIVA ..................................................................................... 25

    2. TRANSMISSÃO DE CONHECIMENTO ...................................................... 31

    2.1. CONTRAEXEMPLOS À TEP-N E TEP-N* ...................................................... 34

    2.2. CONTRAEXEMPLO À TEP-S ........................................................................... 36

    3. TRANSMISSÃO VS GERAÇÃO .................................................................... 38

    3.1. CRÍTICAS E RESPOSTA ÀS CRÍTICAS ..................................................... 40

    CONSIDERAÇ