Ocupação antrópica e problemas de ordenamento

of 16 /16
Ocupação antrópica e problemas de ordenamento Trabalho realizado no âmbito de Biologia/ Geologia 2007/2008 Trabalho de grupo: * Inês Rodrigues * Márcia Barata * Susana Varandas * Vania Castro 1.1- Bacias hidrográficas

Embed Size (px)

description

Ocupação antrópica e problemas de ordenamento. Trabalho realizado no âmbito de Biologia/ Geologia 2007/2008 Trabalho de grupo: * Inês Rodrigues * Márcia Barata * Susana Varandas * Vania Castro 1.1- Bacias hidrográficas. - PowerPoint PPT Presentation

Transcript of Ocupação antrópica e problemas de ordenamento

  • Ocupao antrpica e problemas de ordenamento

    Trabalho realizado no mbito de Biologia/ Geologia

    2007/2008

    Trabalho de grupo:* Ins Rodrigues* Mrcia Barata* Susana Varandas* Vania Castro

    1.1- Bacias hidrogrficas

  • A gua corri as montanhas e enche os vales e, se pudesse, transformava a Terra numa esfera perfeitamente redonda.

    Leonardo da Vinci

  • Bacias hidrogrficasDesde o incio das civilizaes humanas que os povos se fixam nas margens dos rios.

    Figura 1: Vista area da bacia hidrogrfica do rio Douro

  • Definio de bacia hidrogrfica

    Uma bacia hidrogrfica definida em funo de um curso de gua e constitui a rea em que as guas precipitadas so conduzidas para uma rede hidrogrfica, ou seja, a rea total drenada por um rio e seus afluentes. Cada rio, seja pequeno ou grande, tem a sua bacia hidrogrfica. Separa-se das bacias prximas por divisrias continentais, geralmente constitudas por longas montanhas e outras regies altas.

  • Definio de LeitoO leito do rio o espao que pode ser ocupado pelas guas, sendo possvel distinguir o leito aparente, o leito maior ou o leito de inundao e o leito menor.

    Figura 2 Esquema

  • Tipos de leitoLeito aparente o sulco por onde normalmente correm as guas e os materiais que elas transportam. Leito de inundao o espao do vale que inundvel em poca de cheias. Leito menor ou leito de estiagem Zona ocupada pelas guas de um rio durante o Vero.

    Figura 3 -Legenda:I- SedimentosII- Leito de SecaIII- Leito AparenteIV Leito de CheiaV Margens do rio

  • Leito aparente(figura 4)

    Leito de cheia(figura 5)

    Leito de seca(figura 6)

  • No percurso de um rio pode considerar-se trs zonas:

    Curso superior Curso mdioCurso inferior

    Figura 7 Esquema que exemplifica o curso superior, mdio e inferior.

  • Rede hidrogrficaUm conjunto formado por um rio e por todos os cursos de gua que nele debitam as suas guas constitui uma rede hidrogrfica.

    Figura 8 rede hidrogrfica portuguesa

  • Trabalho geolgico dos riosOs rios desempenham um triplo trabalho geolgico, que compreende:Eroso Transporte Sedimentao

    Figura 9 - exemplificao

  • Eroso Remoo dos materiais resultantes da meteorizao das rochas que afloram, feita pela gua, pelo vento ou pelo gelo.Transporte Aps a remoo, os materiais podem ser levados para maiores distncias. Sedimentao consiste na deposio dos materiais, quer ao longo do leito, quer nas suas margens.

  • AluviesNa plancie de inundao ficam depsitos chamados aluvies que tornam essas zonas muito frteis.

    O aluvio um depsito sedimentar, formado por materiais em geral grossos, mal enrolados, soltos, transportados por guas correntes (rios, ribeiros, etc.).

  • BarragensUma barragem uma barreira artificial, feita em cursos de gua para a reteno de grandes quantidades de gua. A sua utilizao sobretudo para abastecer zonas residenciais, agrcolas, industriais, produo de energia elctrica (energia hidrulica), ou regularizao de um caudal.

    Figura 10 Barragem Castelo de Bode

  • ResumindoBacia hidrogrfica toda a rea cujas aguas pertencem a uma mesma rede hidrogrfica.Leito - o espao ocupado pelas guas.Rede hidrogrfica - Um conjunto formado por um rio.Trabalho geolgico dos rios Eroso, transporte e sedimentao.Aluvies - um depsito sedimentar, formado por materiais em geral grossos, mal enrolados, soltos, transportados por guas correntes.Barragens - uma barreira artificial.

  • Bibliografiahttp://images.google.pt/imgres?imgurl=http://www.mat.uc.pt/~jmfs/blogs/fotos/FigFoz2003SerraF.jpg&imgrefurl=http://figueiracriativa.blogs.sapo.pt/2007/11/&h=328&w=502&sz=114&hl=pt-PT&start=1&um=1&tbnid=hxJz7jLiWC6fMM:&tbnh=85&tbnw=130&prev=/images%3Fq%3Docupa%25C3%25A7%25C3%25A3o%2Bantr%25C3%25B3pica%2BCoimbra%26ndsp%3D20%26svnum%3D10%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DNhttp://images.google.pt/images?q=Leonardo+da+vinci&ndsp=20&svnum=10&um=1&hl=pt-PT&start=0&sa=Nhttp://images.google.pt/imgres?imgurl=http://geoportal.no.sapo.pt/images/maturidade.gif&imgrefurl=http://geoportal.no.sapo.pt/meio_natural.htm&h=212&w=448&sz=42&hl=pt-PT&start=2&um=1&tbnid=qMtX7OvZpOaxGM:&tbnh=60&tbnw=127&prev=/images%3Fq%3Dleito%2Bdo%2Brio%26svnum%3D10%26um%3D1%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DGhttp://prizinhadesigner.files.wordpress.com/2007/02/cataratas_.jpghttp://www.igeo.pt/atlas/Cap1/Cap1d_5.htmlhttp://geodinamica.no.sapo.pt/html/pagesgex/imagensrios/image3_37.htmhttp://dminas.ist.utl.pt/Geomuseu/MINGEO%20LEC2006LET/Aulas%20Te%F3ricas%202006/Eros%E3o%20e%20Transporte.pdfSilva, Amparo Dias/ Gramaxo, Fernanda/ Santos, Maria Ermelinda/ Mesquita, Almira Fernandes/ Baldaia, Ludovina/ Flix, Jos Mrio, Terra, Universo de Vida 2 parte Geologia, 11ano, 2007, Pg 11-17