Oficina analise-e-solucao-de-problemas

download Oficina analise-e-solucao-de-problemas

of 136

Embed Size (px)

Transcript of Oficina analise-e-solucao-de-problemas

  1. 1. 1 A teoria na prtica. GROUP CONSULTING MASP METODOLOGIA DE ANLISE E SOLUO DE PROBLEMAS
  2. 2. 2 Comportamentos e Valores Fundamentais de Soluo de Problemas Tratar todos os funcionrios com confiana e respeito mtuo Reconhecer o valor e a contribuio dos Recursos Humanos Ver problemas como oportunidades Adotar uma cultura que evite que pessoas escondam os problemas Expor cedo os problemas e resolv-los usando a soluo eficaz Adotar cultura que incentive a proatividade dos funcionrios em encontrar problemas Usar a soluo de problemas em todas as funes e nveis Disseminao da prtica de resoluo eficaz de problemas Avaliar o uso da soluo eficaz de problemas Os problemas devem ser resolvidos de modo a no serem recorrentes Fornecer sustentao necessria para o uso do MASP Treinamento, aconselhamento, sistemas, recursos e tempo. Reconhecer e recompensar funcionrios pela soluo de problemas
  3. 3. 3 PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Problemas
  4. 4. 4FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Problemas PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  5. 5. 5 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Problemas PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  6. 6. 6 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Probl PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  7. 7. 7 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Probl PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  8. 8. 8 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Probl CAUSA RAIZ DE PROCESSO CAUSA RAIZ DE CONTROLE CAUSA RAIZ DE SISTEMA PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  9. 9. 9 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Probl AO CORRETIVA DE PROCESSO AO CORRETIVA DE CONTROLE AO CORRETIVA DE SISTEMA PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  10. 10. 10 FONTE: AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Probl AO CORRETIVA DE PROCESSO AO CORRETIVA DE CONTROLE AO CORRETIVA DE SISTEMA PROCESSO DE SOLUO EFICAZ DO PROBLEMA
  11. 11. 11 MATRIZ DE SOLUO DE PROBLEMAS Identificao do Problema Conteno Anlise de Modo de Falha e Causa Raiz Escolha e Implementao de Aes Corretivas Controlar e Padronizar FERRAMENTASDENVELBSICO Anlise de Pareto ndice de Capacidade (Qualidade) Folha de Verificao /No (anlise de estratificao) GUT R&R de instrumentos de medio Processo de conteno Estatstica descritiva Anlise de 5 por qus Diagrama de Causa e Efeito Matriz de Causa e Efeito Brainstorming Histograma Fluxograma Anlise do Fluxo de Trabalho Benchmarking Diagrama de Disperso Diagrama de Concentrao Matriz de Deciso Grfico de Gantt Carta seqencial / Carta de tendncia Carta de Controle Plano de Controle de Processo Poka-Yoke Releitura/ Replicao Banco de Dados de Lies Aprendidas
  12. 12. 12 MATRIZ DE SOLUO DE PROBLEMAS Identificao do Problema Conteno Anlise de Modo de Falha e Causa Raiz Escolha e Implementao de Aes Corretivas Controlar e Padronizar FERRAMENTASDENVELINTERMEDIRIO SIPOC (Fornecedor Entrada Processo Sada Cliente) Anlise de Modo e Efeito de Falha (FMEA) Anlise de rvore de Falhas Anlise de Regresso Linear Testes de Hiptese Grfico de Paytner Anlise Multivari Diagrama-P / Projeto de Parmetro Controle Estatstico do Processo Grfico Pr- Controle
  13. 13. 13 MATRIZ DE SOLUO DE PROBLEMAS Identificao do Problema Conteno Anlise de Modo de Falha e Causa Raiz Escolha e Implementao de Aes Corretivas Controlar e Padronizar FERRAMENTASDENVELAVANADO Desdobramento da Funo Qualidade (QFD) Projeto de Experimentos (Fatorial Completo e Fatorial Fracionado) Tolerncia Estatstica Teste At Falhar Simulaes de Monte Carlo Projeto Robusto (Taguchi) FONTE: adaptado de AIAG. CQI-10 Soluo Eficaz de Problemas
  14. 14. 14 7 Ferramentas da Qualidade Histograma Folha de Controle Grfico de Pareto Diagrama de causa-efeito Diagrama de concentrao de defeito Diagrama de disperso Grfico de Controle
  15. 15. 15 FOLHA DE CONTROLE (OU DE VERIFICAO) Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO 7
  16. 16. 16 FOLHA DE CONTROLE Trata-se de um documento usado para registrar dados. Permite a visualizao simples das ocorrncias de problemas. 2005 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Parede danificada 1 2 3 1 3 1 Problema de mquina 3 4 Revestimento insuficiente 6 7 4 3 4 7 8 10 6 4 2 5 Solda desalinhada 2 1 1 2 1 2 3
  17. 17. 17 ANLISE DE PARETO Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO 7
  18. 18. 18 ANLISE DE PARETO Mostra a freqncia da ocorrncia dos itens e os organiza do mais freqente para o menos freqente. Meio visualmente eficaz de demonstrar a importncia relativa de cada causa, problema ou outra condio. Princpio de Pareto: 80% dos efeitos so causados por 20% das causas.
  19. 19. 19 ANLISE DE PARETO Nmero de Defeitos detectados em vrias operaes de um processo
  20. 20. 20 NDICE DE CAPACIDADE Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO
  21. 21. 21 NDICE DE CAPACIDADE Medido atravs dos indicadores Cp / Cpk Mede a habilidade de um processo em atender as especificaes numricas. 100 6 DPI tolerncia Cp 100 3 Zmenor Cpk Cp/Cpk < 1 no capaz Cp/Cpk >1,33 capaz Bilateral Unilateral
  22. 22. 22 /NO (ANLISE DE ESTRATIFICAO) Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO
  23. 23. 23 / NO um processo que distingue os aspectos associados com um problema daqueles que poderiam ser, mas no so. Benefcios: Padronizao (entendimento comum para todos) Comunicao (acomoda as diversidades entre os membros da equipe) Plano de Ao (obter informaes torna-se atividades do plano de ao)
  24. 24. 24
  25. 25. 25 NO OQUE Qual o objeto que est dando problema? Qual objeto poderia estar dando problema, mas no est? Ao qu diz respeito o problema? Ao que o problema poderia dizer respeito, mas no diz? ONDE Onde est o problema no objeto? Onde no est visto o problema? O problema abrange todo o projeto? Onde ocorre a primeira observao (geograficamente e/ou no processo)? Onde mais no est vista a observao? QUANDO Quando est sendo relatado o problema inicial? (tempo) Quando o problema inicial poderia ter sido observado, mas no o foi? A partir do estabelecimento do problema, quando a condio volta a ocorrer? Em que outras ocasies voc poderia ter observado o defeito, mas no o fez? TAMANHO Qual a tendncia? Ela se estabilizou? Ela desapareceu? Est piorando? Em que outras tendncias poderiam ter sido observadas, mas no o foram? Quantos objetos tm o defeito? Quantos objetos poderiam ter tido defeito, mas no o tem? Que porcentagem representa o defeito em relao ao total? Quo grande o defeito poderia ter sido, mas no ? Perguntas a fazer para a comparao E/NO
  26. 26. 26 G.U.T Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO
  27. 27. 27 G.U.T. uma ferramenta que consiste, basicamente, em separar e priorizar os problemas para fins de anlise e posterior resoluo. Sua base fundamentada no trip: G Gravidade avaliar as conseqncias negativas que podem trazer para os clientes; U Urgncia avaliar o tempo necessrio ou disponvel para corrigir os problemas levantados; T Tendncia avaliar o comportamento evolutivo (ir melhorar ou piorar) da situao.
  28. 28. 28 G.U.T. Como construir o Diagrama GUT Para cada um dos fatores deve ser atribuda uma nota de acordo com a relevncia de cada problema levantado, (1 = baixo; 3 = mdio e 5 = alto). Em seguida multiplicam-se os trs fatores por eles prprios (G x U x T = OP), onde o OP o resultado que estabelece a Ordem de Prioridade para resoluo dos problemas apresentados. Exemplo de um Diagrama GUT Para facilitar os clculos e definir as prioridades, deve-se utilizar o Quadro de Prioridades, onde cada participante analisa e avalia cada fator, atribuindo-lhes notas 1, 3 ou 5, relacionadas ao problema levantado.
  29. 29. 29 G.U.T. RELAO DOS PROBLEMAS G U T OP 1 Inexistncia de normas procedimentais 5 4 4 80 2 Baixo ndice de produtividade 5 5 5 125 3 M distribuio dos recursos humanos 3 4 3 36 4 Ausncia de sinergia 4 4 4 64 5 Estrutura hierrquica desatualizada 2 3 3 18 QUADRO DE PRIORIDADES O Quadro de Prioridades acima demonstra que os problemas devero ser resolvidos na seguinte ordem: 2, 1, 4, 3 e finalmente o problema 5.
  30. 30. 30 Anlise de sistema de medio MSA Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA BSICO
  31. 31. 31 MSA Determina a variao do sistema de medio proporcionalmente variao do processo e/ou tolerncia permitida. Processo pelo qual o sistema de medio analisado para avaliar se a qualidade deste sistema est adequada ao uso Anlises: Linearidade Estabilidade Tendncia Repetitividade Reprodutibilidade
  32. 32. 32 SIPOC (Fornecedor entrada processo sada cliente) Ferramentas de soluo de problemas IDENTIFICAO DO PROBLEMA INTERMEDIRIO
  33. 33. 33 SIPOC uma ferramenta que possibilita uma simples viso geral das fronteiras, clientes, fornecedores e requisitos de um processo que circunda o problema a ser resolvido. Benefcios: Identifica claramente as fronteiras do processo em estudo Resolve conflitos da equipe Assegura que o analista tenha alcance e controle sobre o processo a serestudado. Assegura que a abrangncia da soluo capture a questo Identifica os requisitos (mensurveis e no-mensurveis)
  34. 34. 34 Nome do processo: Dono do processo (responsvel): Forneced ores Entradas Processo Sadas Clientes Quem fornece cada entrada? Quais so os recursos solicitados pelo processo? O que o processo espera de cada entrada? Produto dos processos O que cada cliente espera de cada sada? Quem o cliente de cada sada? 1 2 3456 7
  35. 35. 35 Nome do processo: PREPARAO DE CAF Dono do processo (responsvel): FULANO Forneced ores Entradas Processo Sadas Clientes Fornecedor de servio de caf Caf gua Preparador de caf Filtro Tipo: colombiano Fria de torneira Preparao de caf padro Filtros padres Rapidez operacional < 10min Caf de boa qualidade Intensidade: (forte e escuro) Temperatura: qu