Orçamento de obras

of 22 /22
INTRODUÇÃO Os Orçamentos de Obras geralmente, e particularmente no EngWhere, são subdivididos nos seguintes grupos e subgrupos: 1. CUSTOS DIRETOS 2. CUSTOS INDIRETOS 2.1. Despesas Indiretas 2.2. Taxas do BDI Será necessário (estando dentro ou fora de uma obra) entendermos conceitualmente o que representam os Grupos acima, o que falaremos mais adiante, assim como diferenciar "custo" de "venda" ou seja, saber que aplicando-se as Taxa do BDI sobre a somatória dos Custos Diretos e Indiretos, encontraremos o Preço de Venda. Nestas nossas anotações não iremos nos referir a alguns assuntos ou termos como: Despesas Fixas Diretas ou Indiretas, Taxas Mensais Variáveis, Curvas de Gauss, ou mesmo o Levantamentos de Custos Horários de Equipamentos, desnecessários ao nosso estudo. Não faremos também distinção entre materiais permanentes, materiais de consumo, ou de outra espécie ou rótulo. Poderemos encontrar, outrossim, outras classificações ou nomenclatura já que algumas empresas definem o BDI como sendo Bonificação e Despesas Indiretas, representando a somatória dos itens 2.a e 2.b (que convertidos em taxa, deverá ser lançada sobre as Composições de Preços para se obter o Preço de Venda), enquanto que outras utilizam o termo para definir tão somente a somatória dos lucro com alguns impostos (aplicando a taxa encontrada sobre os custos diretos+indiretos ou 1 + 2.a). Atenção: o suporte a este texto está sendo oferecido apenas ao usuário do EngWhere.

Embed Size (px)

Transcript of Orçamento de obras

  • 1. INTRODUO Os Oramentos de Obras geralmente, e particularmente no EngWhere, so subdivididos nos seguintes grupos e subgrupos: 1. CUSTOS DIRETOS 2. CUSTOS INDIRETOS 2.1. Despesas Indiretas 2.2. Taxas do BDI Ser necessrio (estando dentro ou fora de uma obra) entendermos conceitualmente o que representam os Grupos acima, o que falaremos mais adiante, assim como diferenciar "custo" de "venda" ou seja, saber que aplicando-se as Taxa do BDI sobre a somatria dos Custos Diretos e Indiretos, encontraremos o Preo de Venda. Nestas nossas anotaes no iremos nos referir a alguns assuntos ou termos como: Despesas Fixas Diretas ou Indiretas, Taxas Mensais Variveis, Curvas de Gauss, ou mesmo o Levantamentos de Custos Horrios de Equipamentos, desnecessrios ao nosso estudo. No faremos tambm distino entre materiais permanentes, materiais de consumo, ou de outra espcie ou rtulo. Poderemos encontrar, outrossim, outras classificaes ou nomenclatura j que algumas empresas definem o BDI como sendo Bonificao e Despesas Indiretas, representando a somatria dos itens 2.a e 2.b (que convertidos em taxa, dever ser lanada sobre as Composies de Preos para se obter o Preo de Venda), enquanto que outras utilizam o termo para definir to somente a somatria dos lucro com alguns impostos (aplicando a taxa encontrada sobre os custos diretos+indiretos ou 1 + 2.a). Ateno: o suporte a este texto est sendo oferecido apenas ao usurio do EngWhere.

2. OS CUSTOS DIRETOS (SEM BDI) So os custos oriundos da mo de obra aplicada, dos materiais utilizados, dos equipamentos empregados, ou subempreiteiros contratados para os servios da obra propriamente dita, tais como, o cimento, a areia, as horas de pedreiros, carpinteiros, ajudantes, etc., para elevao da alvenaria, para o revestimento das paredes, para execuo da estrutura da obra, por exemplo. Podero incluir, ainda, os Custos Diretos, em alguns casos, o operador, o combustvel, e os custos com sua manuteno e mobilizao, quando so agrupados para compor os preos horrios do equipamentos. Todas estas despesas sero agrupadas e formaro as Composies de Preos Unitrios, para cada tipo de servio. Os recursos referentes aos Custos Diretos mantm certa proporcionalidade com a Produo, ou seja, aumentando-se, por exemplo a quantidade da mo de obra aplicada, teoricamente, os servios sero tambm realizados em menor tempo. Observamos que os mesmos insumos, quando utilizados na construo do Canteiro de Obra, por exemplo, faro parte, como este, dos Custos Indiretos. As Composies de Preos Unitrios So os custos unitrios dos servios e representam a maneira mais comum, e eficiente, para se calcular os custos das obras. Atravs da apropriao da mo de obra e equipamentos empregada em servios anteriormente executados (em uma ou vrias obras) ou da apropriao ou clculo de consumo dos materiais gastos, so elaboradas as CPU's (Composies de Preos Unitrios), que com relativa preciso, iro nos fornecer o custo unitrio dos servios. Vejamos um exemplo de CPU e de sua elaborao: SERVIO: BLOCO DE CONCRETO APARENTE 19CM Unidade: m A - MO DE OBRA Un ndice Preo Unit. Total Pedreiro h 0,63 R$ 2,22 R$ 1,21 Serventes h 0,63 R$ 1,49 R$ 0,82 SOMA R$ 2,03 Encargos Sociais (126,10%) R$ 2,56 Total da Mo de Obra R$ 4,59 B - MATERIAIS Bloco de concreto 19x19x39 un 13 R$ 0,88 R$ 11,44 Cimento kg 2,5 R$ 0,20 R$ 0,50 Areia m 0,1216 R$ 24,90 R$ 3,03 Total dos Materiais R$ 14,97 C - EQUIPAMENTOS / FERRAMENTAL Betoneira 380 l h - - - Ferramentas diversas vb - - - Total dos Equipamentos / Ferramental - D - Total dos Custos Diretos (A + B + C) R$ 19,56 E - Custos Indiretos (por exemplo: 70,50% s/ a somatria de todas as CPU's desta obra) R$ 13,79 Soma D + E R$ 33,35 F - Taxas do BDI (por exemplo 30,00% s/ D + E) R$ 10,01 TOTAL GERAL D + E + F (Preo de Venda) R$ 43,36 Observao: durante a oramentao as Taxas dos itens E e F acima so unificadas para se facilitar os clculos. Assim: - D - Total dos Custos Diretos: R$ 19,56 Preo de venda: R$ 43,36 Taxa de converso (ou BDI a ser aplicado sobre a planilha de custo para gerar a planilha de venda): 121,68% (ou 2,2168), ou seja, R$ 19,56 x 2,2168 = R$ 43,36. Lembrete Observar que trabalhamos com 3 taxas distintas: 70,50% (dos custos indiretos), 30,00% (taxas do BDI) e 121,68% (BDI propriamente dito j que somatria final). 3. Por incrvel que parea nem todos oramentistas, rgos contratantes e empresas, fazem distintino entre entre essas taxas e as rotulam simplesmente como BDI. Antes de passarmos s etapas, ou dicas, para se elaborar uma Composio de Preos Unitrios ser necessrio ter em mente as seguintes regras: Regra Primeira - O CHUTE No existem estimativas em oramento. O Engenheiro tem, ou precisa obter, todas as condies de calcular ou cotar a totalidade dos valores com preciso e tranquilidade. O "chute" dever sempre ser dispensado, mesmo a ttulo de se adiantar os servios, pois com o tempo e a experincia, os oramentos inevitavelmente acabaro se tornando cada vez mais rpidos e precisos. Nosso pel-oramentista trabalha, pois, muito mais com a pacincia e persistncia, que com a canela. Regra Segunda - O ARREDONDAMENTO To nocivo quanto o "Chute" poder ser o Arredondamento, inexplicvel prtica feita obstinadamente por quem parece no gostar de todo e qualquer nmero que no termine com 0(zero). ... expressamente proibido ao Oramentista. No iremos nos prender nos erros que este podem ocasionar, mormente se acumulativos, porm em um detalhe: no h condies de se conferir uma srie longa de clculos, quando se pratica o Arredondamento. Ao serem refeitos os clculos, cada vez se encontrar um valor final diferente, j que os Arredondamentos dificilmente sero, em rigor, os mesmos. Regra Terceira - O CALDO O Engenheiro termina seus clculos e, por insegurana no que est fazendo, e por sentir-se com direto de dormir tranquilo, acrescenta uns 10% ou 20% a mais nos resultados. J os superconfiantes, acreditando no poder de suas posteriores negociaes ou de seu desempenho durante a execuo da obra, reduz suas contas em iguais percentuais. Lembrando que entre as Taxas do BDI existe o campo Taxa de Risco, calculvel, e que no estamos fazendo sonoterapia ou preparando macarronada... ... expressamente proibido ao Engenheiro. Regra Quarta Antiburriquice - O BDI J que estamos falando de erros gerais, contrrios prtica da Engenharia, nos referiremos rapidamente ao BDI: dever ser calculado e no estimado, imposto ou sei l o qu mais. Tabelar o BDI com taxas fictcias (ou impraticveis) querer tampar o sol com a peneira. BDI se calcula (tm milhares de ndices) e temos inclusive um software para facilitar isto. AS COTAES Todos os preos lanados numa CPU, a menos dos salrios que so os praticados pela Empresa, devero ser cotados preferivelmente com mais de um fornecedor. Observar sempre, nas cotaes: O local da obra e do fornecedor (h diferenas significativas entre o mesmo material em regies distintas); O valor do transporte at a obra; Os impostos (IPI, ICMS, etc.); As condies de pagamento; Os prazos de entrega; As dimenses, peso e caractersticas do material a ser cotado (tendo nosso bloco aparente 18,5 x 18,5 x 38,5 devero ser alterados seus ndices de consumo); A logstica do fornecimento: so estudos, a maioria das vezes agradabilssimos e gratificantes, que podem influir no resultado de uma concorrncia. No seria possvel, por exemplo, adquirir nosso cimento diretamente em uma fbrica e transport-lo, talvez via ferroviria, at nossa obra? A logstica do transporte, em funo da quantidade do material adquirido ou possibilidade de transport-lo juntamente com materiais de outra aquisio. Regra para as cotaes Em vista do acima disposto, os preos informados em revistas ou jornais, mesmo que especializadas, devero, somente em ltimo caso, placidamente aceitas. A APROPRIAO Os ndices de mo de obra de nossa CPU devero ter sido apropriados diretamente em campo e em mais de uma obra e regio, devido s variaes que so sujeitos. Os ndices encontrados na literatura a respeito devero, sempre que possvel, serem constantemente aferidos, servindo sua itemizao apenas orientativamente. Ao se apropriar os ndices em uma obra, pelo menos 2 (dois) critrios devero ser obedecidos: 4. A Apropriao direta do tempo gasto pelos profissionais envolvidos, que feita por apropriadores, sob instrues de Engenheiro Oramentista, que tambm calcular os quantitativos destes servios e A Apropriao geral de todos os servios executados e afins (pelo setor de medio), confrontando-os com as horas da folha de pagamento (que elaborada no Departamento de Pessoal); Ambas as apropriao devero fornecer, evidentemente, os ndices ou sua somatria idntica, para muitos grupos de atividades. A apropriao da mo de obra - Ao se apropriar a mo de obra, dever ser levada em conta a relao entre oficiais e ajudantes usualmente empregada em campo, segundo os critrios de cada Empresa. Assim, como exemplo, as seguintes relaes podero ser empregadas em turma de 12 operrios: 4 ajudantes de carpinteiro para 8 carpinteiros; 5 serventes para 7 pedreiros; 6 ajudantes de armadores para 6 armadores; 6 ajudantes de montagem para 6 montadores; etc. Serventes x Ajudantes - sempre conveniente, distinguir nas CPU's, funes como Serventes, Ajudantes, Ajudantes de Armador, Ajudantes de Carpinteiro, embora com mesmo salrios, para que se obtenha melhores informaes dos servios, ao serem extradas os Cronogramas e Curvas de mo-de-obra. Taxas de Leis Sociais e Riscos do Trabalho - Sobre os salrios constantes nas CPU's devero ser consideradas as Taxas de Leis Sociais e Riscos do Trabalho, que, para os mensalistas compreendem-se de: ENCARGOS SOCIAIS BSICOS 20.00 A.1 Previdncia Social 8.00 A.2 Fundo de Garantia por Tempo de Servio 2.50 A.3 Salrio Educao 1.50 A.4 Servio Social da Indstria (SESI) 1.00 A.5 Servio Nacional de Aprendizagem Industrial(SENAI) 0.60 A.6 Servio Apoio . Pequena e Mdia Empresa (SEBRAE) 0.20 A.7 Instituto Nacional Coloniz. e Ref. Agrria INCRA) 3.00 A.8 Seguro contra os acidentes de trabalho (INSS) 37.80 1.00 A.9 SECONSI - Serv. Soc. da Indst.da Const.e Mobil. B. ENCARGOS SOCIAIS QUE RECEBEM A INCIDNCIA DE A 22.53 B.1 Repouso Semanal e Feriados 14.74 B.2 Frias 0.83 B.3 Auxlio-enfermidade 0.36 B.4 Licensa-paternidade 49.54 11.08 B.5 13 salrio C.ENCARGOS SOCIAIS QUE NO RECEBEM A INCIDNCIA DE A 4.78 C.1 Depsito por despedida injusta 40% * A2 + A2*B 18.53 13.75 C.2 Aviso prvio indenizado D. TAXAS DAS REINCIDNCIAS 18.73 18.73 D.1 Reincidncia de A sobre B (37,80% * 49,54%) 1.50 E. DIAS DE CHUVAS E OUTRAS DIFICULDADES 126,10% PERCENTAGEM TOTAL Esta taxa se reduzir para cerca de 70,00 % para os mensalistas e devero ser analisadas e entendidas. O Engenheiro dever estar atento em eventuais mudanas ou variaes na Legislao, que possam alter-las. Os equipamentos Tendo em vista a maior preciso (e facilidade) em se dimensionar certos equipamentos de forma global, como o caso da Betoneira e do Ferramental, iremos lanar estas despesas nos Custos Diretos. Exemplificando, imaginemos que baseados em nossa experincia em obras desta natureza sero necessrias para execuo de todos os servios de alvenaria, chapisco, revestimentos, pisos, concreto magro, e outros, 2(duas) betoneiras pelo perodo de 6 (seis) meses. Ser, evidentemente uma macro estimativa que se aproximar muito mais da realidade (e dos preos da obra) que se levantarmos os ndices em cada uma destas frentes e as lanarmos em suas composies de preos. Da mesma forma se comportar a maioria dos equipamentos. Assim, somente lanaremos em nossas Composies os equipamentos especficos a cada atividade, como, por exemplo, um guindaste que ser mobilizado para a montagem de determinadas peas ou equipamentos. A quantidade de horas necessrias, apropriadas anteriormente, ou estimadas, sero lanadas nas CPU's respectivas. 5. Levantamento dos quantitativos dos projetos Concludas as CPU's (Composies dos Preos Unitrios) ser necessrio quantific-las, para se encontrar o Custo Indireto Total. Os quantitativos so, na maior parte das vezes levantados dos projetos. Para o levantamento dos quantitativos do projeto 2 ferramentas so disponibilizadas pelo EngWhere: Os Critrios de Medio, que se encontram nos Textos do EngWhere e O formulrio Levantamento dos Quantitativos do Projeto acessado atravs do formulrio Opes do Oramento. As perdas So parte importante nas composies de preos e devero ser estudadas minuciosamente. As perdas so includas nos ndices das CPU's e no no Levantamento do Projeto. Algumas das perdas usualmente adotadas: Ao: 15% - devida ao desbitolamento das barras, principalmente, e s pontas (quando os projetos especificarem as perdas nas tabelas resumo, estas devero ser descontadas); Azulejos: 10% - devida ao transporte, manuseio com a imerso e cortes para arremates; Cimento: 5% - preparo do concreto com betoneira e 10% - preparo do concreto sem betoneira. Blocos de concreto: 4% - devida ao transporte, manuseio e arremates Devero, tambm, ao serem lanadas as horas de locao de alguns equipamentos, serem consideradas as horas de seu deslocamento locadora-obra e obra-locadora, e, quando for o caso, as horas mnimas da locao, geralmente cobradas pelos locadores. Iremos repetir aqui alguns trechos dos CRITRIOS DE MEDIO, lembrando-se que alguns itens podero ser alterados, porm, para dar coerncia aos oramentos, as alteraes devero ser mantidas indefinidamente: OS CLCULOS Os quantitativos dos blocos de concreto 19 x 19 x 39, cimento e areia foram calculados. A quantidade de blocos em funo de suas dimenses e os 2 outros insumos em funo do volume aplicado e do trao especificado. Vejamos o clculo da quantidade de blocos de concreto para 1,00m de alvenaria: Considerando a espessura da argamassa de 1,0cm: sero necessrios em 1,00m de alvenaria: [100 / (39+1)] x [100 / (19 + 1)] = 2,5 x 5 = 12,5 blocos considerando, ainda, a perda com quebras em transporte, diferenas de bitola e cortes, de 4,0%, teremos: 12,5 x 1,04 = 13 un 6. AS DESPESAS INDIRETA As Despesas Indiretas so, sem se restringir, aquelas referentes administrao da obra, ao canteiro, tapumes, transporte, alimentao de pessoal, os equipamentos no lanados nas CPU's, os mensalistas, contas de telefone, gua, luz, xerox, etc. Aqui no EngWhere so acessadas atravs do formulrio Opes do Oramento, boto Despesas Indiretas, contendo algumas ferramentas para seu lanamento e clculo agilizado. As variaes dos quantitativos das Despesas Indiretas, de uma maneira geral, no influem proporcionalmente na produo, ou seja, construindo-se um canteiro maior, ou duplicando o nmero dos engenheiros na Administrao, no se ir necessariamente, construir a obra na metade do tempo (sobre esta proporcionalidade, e outras confuses, vide A Arca de No na pgina 8 dos Textos do EngWhere). As Taxas do BDI As Taxas do BDI so as despesas (calculadas, para facilitar o oramento, como taxas ou percentuais) que incidem sobre o somatrio das Despesas Diretas e Despesas Indiretas. So os impostos (Renda, PASEP, COFINS, ISS, PIS - que se comporta como um imposto, etc.) os riscos do Empreendimento, as despesas financeiras, as taxas de negociao e, finalmente, a bonificao ou lucro da Construtora. Aqui no EngWhere podero ser acessadas atravs do formulrio Opes do Oramento, clicando-se no boto Taxas do BDI, estando estas subdivididas em taxas que incidem sobre o custo da obra (o somatrio das Despesas Diretas e Despesas Indiretas) e as taxas que incidem sobre o Faturamento Bruto da obra. A diferena entre as taxas sobre os custos e sobre o faturamento poder ser significativa, conforme demonstrado no exemplo a seguir: "Suponhamos que na negociao para se "vencer" a concorrncia da obra, ser necessrio um PF ("Por fora", ou um outro nome entre os tantos que recebem as negociatas) de 20% (as taxas esto se elevando cada vez mais desde quando, uns 30 anos, eram quase que fixadas em 5%). O oramentista desprevenido lana, ento, por exemplo: Custos Diretos + Indiretos = R$ 100.000,00 PF (20%) = R$ 20.000,00 E a obra vendida por = R$ 120.000,00 Entretanto, durante as medies da obra sero requeridos os seguintes valores da Empreiteira, conforme o acordo preestabelecido: 20% x R$ 120.000 = R$ 24.000, ou seja, o valor total da obra deveria ser, ento, R$ 124.000 ou, 3,33% maior, e, l se vai prejuzo. (Observar que elevando-se estas taxas, as diferenas sero exponencialmente maiores). As taxas constantes na Composio do BDI do EngWhere so, a seguir, melhor explicadas: Taxas que incidem sobre os custos Despesas Financeiras - So as provenientes de emprstimos bancrios ou simplesmente recursos prprios da Construtora necessrios ao suprimento da obra, devido a medies iniciais inferiores aos valores investidos. No caso de ocorrer altas medies iniciais, de forma a manter o caixa sempre em supervit a taxa poder ser lanada em negativo. Taxa de Risco - Funcionando como um seguro, devero ser lanadas em caso de insegurana no oramento por falta de especificaes adequadas ou mesmo devido insegurana em se executar a obra dentro de padres normais. Diferena de Reajuste - Quando o reajuste estipulado no Edital insuficiente para cobrir o esperado. Reajuste - Complementa o item anterior. Quando no houver reajuste previsto para as medies. Taxas que incidem sobre o faturamento Despesas do Escritrio Central - So a totalidade das despesas do escritrio central da Empresa, diludas, ou rateadas, sobre todas as suas obras ou fontes de faturamento. A taxa dever ser calculada periodicamente em funo das despesas gerais do escritrio (salrios, retiradas da diretoria, aluguis, automveis, copa, etc.) contra o faturamento mdio. O valor geralmente sugerido de 6.00% a 8,00% do faturamento para a maioria das Empresas de porte mdio. A taxa, pois, varia tambm em funo da quantidade de obras que a Empresa estiver construindo. Bonificao - o lucro da obra esperado pela diretoria. Incidindo sobre o faturamento, ir incidir sobre todos os gastos previstos, inclusive financeiros, de administrao, da compra de todos os materiais e do salrio de todo o pessoal, todos os impostos e riscos, no dever ser exorbitado. A taxa sugerida para obras mdias de construo civil de 4,00 a 5,00%. Imposto de Renda - Informao a ser repassada pelo departamento financeiro da Empresa. Adotamos empiricamente como 20% do lucro. Despesas com cauo / reteno- Quando o Edital exigir os custos financeiros e bancrios referentes a estes servios devero ser calculados. 7. Negociao / despesas comerciais - Despesas j referidas e exemplificadas. Podero ser lanados neste item, ainda, as despesas com o edital e com seguros diversos. Taxa de desenvolvimento - As Empresas, querendo provisionar um percentual do faturamento para aquisies de equipamentos, ampliaes e reformas da sede, expanso, podero lanar neste item suas taxas, onerando, outrossim, seus oramentos. Converso para incidir sobre o custo - O EngWhere traz uma formulazinha mgica que converte as taxas que incidem sobre o faturamento em novas taxas a serem incididas sobre a somatria dos custos diretos e indiretos e fornece o Total A + B. Este total que dever ser utilizado nos oramentos, como no exemplo a seguir: Custos Diretos ... R$ 150.000,00 Custos Indiretos ... R$ 120.000,00 Soma ... R$ 270.000,00 BDI (30%) ... R$ 81.000,00 VENDA --- R$ 351.000,00 A elaborao da Planilha de Vendas Passaremos ao clculo do "BDI" que dever ser lanado nas CPU's para gerar a Planilha de Vendas. Note que o BDI que acabamos de descrever e o lanado nas CPU's tm percentuais, valores e diferentes sentidos, embora idntica nomenclatura. Assim: Custos Diretos (CPU's) ... R$ 150.000,00 Custos Indiretos ... R$ 120.000,00 Taxas do BDI (30%) ... R$ 81.000,00 Soma ... R$ 201.000,00 BDI ( a ser lanado nas CPU's) = (201.000 / 150.000) x 100 = 134% ou seja, VENDA = R$ 150.000,00 x 134% = R$ 351.000,00 CRITRIOS DE MEDIO Levantamento dos Quantitativos do Projeto - Praxe e Sugestes Escavao manual Blocos e Baldrames Altura da escavao at 80cm: Acrescentar 30cm de cada lado s suas dimenses. Altura da escavao acima de 0,80m: considerar escavao do talude com inclinao 1:2 (dependendo do terreno), acrescida de 30cm de cada lado s suas dimenses. Escavao de Vala A medio feita pelo volume medido no corte. Para o transporte do material, considerar empolamento (dependendo do terreno) de 25%. Reaterro O volume do reaterro a diferena entre o volume escavado e o volume do concreto existente (magro + estrutural). Lastro de Concreto Acrescer s dimenses dos blocos e baldrames em contato com o solo, 5cm para cada lado. Alvenaria Descontar apenas a rea que exceder, em cada vo, a 2,00m.(Ex: vos com 5,00m, descontar 3,00m). Chapisco Descontar os vos no aplicados. Emboo e Reboco Descontar a rea que exceder, em cada vo, a 2,5m. Elementos decorativos, multiplica-se por 2 a rea calculada. Azulejos Medir a rea efetivamente aplicada, descontando os vos. Pastilhas / Cermicas / Diversos Medir a rea efetivamente aplicada, descontando os vos. Revestimento de Pisos Medir a rea efetivamente aplicada, descontando os vos. Revestimento de Soleiras e Peitoris Medir a rea efetiva, descontando vos. Pintura LATEX EM PAREDES E FORROS No descontar vos at 2,00m. LATEX COM MASSA ACRLICA Descontar todos os vos. 8. ESQUADRIAS DE MADEIRA Com Batentes: multiplicar a rea do vo-luz por 3. Sem Batentes: multiplicar a rea do vo-luz por 2. VENEZIANAS E PERSIANAS DE ENROLAR Multiplicar a rea do vo-luz por 5. ESQUADRIAS DE FERRO Caixilhos: medir a rea do vo-luz PORTAS E GRADES DE ENROLAR Multiplicar a rea do vo-luz por 2,5. ESTRUTURAS DE AO Medir a rea de projeo no plano horizontal ESTRUTURAS DE CONCRETO Estimativas de Consumo (empricas) Peso do Ao = 80 a 120 kg/m de concreto aplicado rea de formas = 10 a 12 m/m de concreto aplicado Agregados para concreto: a soma dos volumes de Areia + Brita 1 + Brita 2 para a preparao de 1 m de concreto aproximadamente 1,670m. Inchamento da Areia mida = 30% EXTRATOS DA REVISTA ENGWHERE Oramento Padro A dica maior ao Oramentista iniciante que procure estabelecer seus prprios critrios para orar. Dever elaborar pelo menos 1 oramento completo, defini-lo como padro e corrigi-lo e ampli-lo medida que ganha experincia e obtm novas informaes. Com o tempo seus oramentos sero cada vez mais geis, precisos e principalmente coerentes. Exerccio ao Oramentista Lanar ndices em uma composio de preo requer profundos conhecimentos de regra de trs. Teste suas possibilidades (sem a calculadora): Uma lata de spray d para pintar uma superfcie com 3 m. Uma letra grande ocupa uma rea de 0,5 m. Quantas letras grandes podero ser pintadas com 3 latas de spray? O Caldo O Inseguro termina seu oramento e, sem muito acreditar em seus resultados ou sentindo-se no direito de dormir tranquilo, acrescenta uns 10% a 20% a mais nos resultados. J o Superconfiante, valorizando o poder de suas posteriores negociaes, ou de seu desempenho durante a execuo da obra, reduz as contas em semelhantes percentuais. Lembrando que entre as Taxas do BDI existe o campo Taxa de Risco, calculvel, e o que se est fazendo no sonoterapia ou preparando macarronada, o "caldo" expressamente proibido ao Oramentista. Curva A-B-C Uma relao de preos qualquer, como de insumos, ou de servios, quando disposta do item de maior valor para o item de menor valor, ir lhe propiciar outra viso do todo. Poder fazer com que ganhe tempo, estudando apenas os itens mais significativos e ajudar na deteo de eventuais erros nos itens com valores excessivamente baixos. Nos oramentos de obras a Curva A-B-C fundamental. COLUNA DO PIMPO ndice Obsoleto ou Chutado? Se na prtica, na grande maioria das obras, a distribuio da mo-de-obra sempre proporcional (4 ajudantes para 8 carpinteiros, 6 ajudantes para 6 pedreiros, etc. e sempre juntos), ao deparar com alguma composio de preo que no mantm a mesma proporo (e no sero poucas), desconfie e analise o motivo para a diferena. Chutes Horrios de Equipamentos Se voc estiver orando obra que utiliza poucos equipamentos, cote o preo de mercado de sua locao para lanar nas composies de preos. Se os equipamentos predominam em sua obra, utilize os ndices de consumo e manuteno de sua prpria empresa. No fie-se nos ndices dos fabricantes, que so demais otimistas, e menos ainda em qualquer das coletneas disponveis no Mercado, muito tericas, confusas e no acertam uma. COLUNA DO BORDUNA 9. Adotando Valores Se o mdico ao aplicar uma injeo no acertar a veia de primeira ir cair na boca do povo. J o engenheiro se v no direito de chutar, ou copiar o chute alheio, e se safar afirmando em tom de madre superiora que "o valor foi adotado". Estar praticando Engenharia? NDICES PARA ORAR, CHOVER E PASSAR DIFICULDADES Nossas pretenses sero alertar o oramentista sobre a inconsistncia dos ndices quando no aferidos constantemente (ou at mesmo a cada obra orada) e mostrar que muitos deles, convertendo-se ao longo do tempo em valores absolutos (e imutveis) nos clculos, podero provocar erros grosseiros nos oramentos. Tomaremos como exemplo 2 ndices de mo-de-obra, um relacionado aos custos diretos e outro aos indiretos, verificando os fatores que os influenciam e, ainda que cientes de serem as mais apropriadas ferramentas do oramento, recomendar bom senso na utilizao de praticamente todos eles. Um de nossos exemplos de ndices inquestionveis tambm um dos mais antigos nos oramentos: os tais "Dias de chuvas e outras dificuldades". Na literatura mais antiga h algumas referncias: Ptcek (O Custo de Construo - 1959) refere-se aos riscos e recomenda pensar em imprevistos. Stabile (Composies de Custo - tambm de 1959) sugere 1,5% sobre o salrio direto para cobrir custos com chuvas e imprevistos de entrega de materiais. O nome pomposo parece ter sido inventado pela Pini (TCPO), que tambm adota os mesmos 1,5% sobre o salrio. De nossa amostragem deduz-se ser Stabile o pai da criana e, ousamos dizer, com base apenas terica pois o ndice extremamente abrangente. Que chuva seria esta? A amaznica de todos os dias do ano ou as tempestades de dezembro a fevereiro no Pantanal? A nordestina evidentemente que no : o peo at trabalha mais satisfeito quando chove (para desespero de um dos fiscais, inconformado e querendo parar a obra pois seno "amanh estar todo mundo gripado"). Ou no seria em determinadas obras, a literatura omissa, que seria aplicado? O ndice no incidiria diferentemente sobre as obras de terraplenagem ou reaterro, que so totalmente paralisadas durante e muito alm das horas de chuva, das reformas internas, que pouco so afetadas por maior que seja o temporal? E as tais dificuldades quais seriam? Antigamente eram bastante comuns os atrasos na entrega dos materiais. Hoje impensveis, as dificuldades na maioria das vezes so financeiras, o que no imaginaria Miguel Stabile Sobrinho talvez por no acreditar ser possvel uma obra sem suficiente proviso, fato nem to incomum atualmente e que os 1,5% podero nem ser suficientes. E o que estaria querendo dizer a Pini com "outras dificuldades" para ir j lanando 1,5% sobre a totalidade da mo-de-obra? No estaria abstendo-se de praticar Engenharia? No seria, pois, mais conveniente considerar a variao do ndice de chuvas em funo da regio que ser implantada e do perodo que sero executados determinados servios da obra, e diluir as demais dificuldades nos ndices de produtividade das composies de preos? No seria prefervel introduzir, para os imprevistos inimaginveis, uma taxa de risco, perfeitamente calculvel, alis, como j prognosticara Frantisek Ptcek em 1959? Nossa proposta a adoo de ndices melhor definidos, de fatores de correo dependentes das variveis que os influenciam e que cada um de ns adotemos nossas prprias variveis, sem fiar-nos cegamente nas consideraes de meio-sculo atrs e menos ainda nos petardos modernos. A melhor maneira de se levantar os ndices de produtividade da mo-de-obra atravs das apropriaes em campo. Passemos aos ndices de produtividade de algumas das composies mais utilizadas no oramento: "forma plana de madeirit - 5 usos - m" e suas similares, que muitas vezes so empregados indiscriminadamente em construes trreas, edifcios de qualquer nmero de pavimentos ou em obras industriais. Para incio de conversa a composio s vlida se as peas forem mltiplas de 5, o que nem sempre acontece, mas, ainda neste caso, todos os consumos variam em funo tambm da qualidade da madeira, do nmero de peas, andares-tipo, da qualidade dos servios de desforma, da regio, etc. No seria prefervel, pois, que o oramentista elaborasse antes um rascunho do que estaria idealizando para as formas e utilizasse as especificaes tcnicas ou mesmo seu bom senso para definir o nmero de reaproveitamentos, a quantidade de madeira necessria, o tipo e bitola da madeira e a trabalhabilidade da mesma? No seria muito mais adequado abandonar de vez sua literatura tacanha e calcular ele prprio seus ndices de consumo? Os ndices precisariam ser, por cada um, sempre questionados e depurados. Ser obrigatrio muito pens- los, pes-los, e habituar-se a aferi-los constante, tenaz e insistentemente, evitando-se o hbito de aceitar passivamente as coisas mastigadas. Para tanto apropriaes mnimas precisariam ser rotina nas obras, e, ainda que isto no acontea, base-los na maior ou menor experincia, e disposio, de cada um. Quem executou recentemente um servio poder definir ndices bastante confiveis. Nas apropriaes em obras de ndices de produtividade dois critrios devero ser adotados e confrontados: 1. A apropriao direta em campo em diversificadas frentes do mesmo servio. 2. A apropriao da totalidade dos servios em determinado perodo, sendo comparadas as horas apropriadas com as da folha de pagamento, que fornece com exatido o total das horas trabalhadas por funo. ROTINAS PARA SE AGILIZAR O ORAMENTO 10. importante serem agilizados os oramentos para se esquecer de vez os ndices relmpagos para orar obras (como, por exemplo, os que estimam o valor final da construo baseados em 3 nicas variveis: alto, mdio e baixo padro de acabamento), um equvoco no permitido ao Engenheiro. Com a agilidade que permite os softwares de oramento, perfeitamente possvel orar com quase igual rapidez, preciso incomparavelmente maior, e dispensar tais "chutes". Os ndices prestar-se-iam to somente para estimar as ordens de grandeza ou, quando muito, para se confrontar resultados, no caso de suspeita de incoerncia nos clculos. I. O oramento padro A dica maior ao Oramentista, principalmente se iniciante, que procure estabelecer seus prprios critrios para orar. Dever elaborar pelo menos 1 oramento completo, defini-lo como padro e corrigi-lo e ampli-lo medida que ganha experincia ou obtm novas informaes. Com o tempo, seu arquivo padro estar cada vez mais coerente e seus oramentos sero cada vez mais geis e precisos. Estes critrios devero ser estendidos ao Levantamento dos Quantitativos, s Composies de Preos e ao clculo dos Custos Indiretos e do BDI, subentendendo-se ainda a no aceitao de todo e qualquer ndice preestabelecido (como os dos Encargos Sociais, taxas e ndices de produtividade) sem antes serem checados e entendidos. II. Os softwares de oramento Os Softwares de Oramento, que apresentam instantaneamente as Curvas de Insumos, Cronogramas de Execuo e outras importantes ferramentas de Planejamento e Controle de Obras e que fornecem fartas informaes sobre a obra orada e facilitam a definio dos mtodos construtivos, um setor importante do oramento, so obrigatrios no computador do Oramentista e do Planejador. III. Criando ndices prprios para os custos indiretos Com base num banco de dados composto por alguns oramentos, os servios de menor valor que compem os Custos Indiretos, devero ter uma rotina de clculo que os agilize e lhes d coerncia. Alguns exemplos de ndices possveis de serem extrados ou criados: Material de escritrio = U$ xx,xx / funcionrio com mesa; Material de limpeza = U$ xx,xx / sala no canteiro; Fotografias = U$ xx,xx / ms de obra padro; Homem-hora total = xx / m de construo. E at mesmo para valores mais significativos: Imposto de renda = xx% sobre a Bonificao; Controle tecnolgico = U$ xx,xx / m de concreto. IV. Liberando as cotaes de preos Por meio de clculos rpidos (no definitivos) ser possvel estimar a ordem de grandeza dos quantitativos dos insumos e, sendo o caso, envi-los ao Setor de Compras para cotao, processo este muitas vezes to demorado como o prprio oramento. Alguns ndices permitidos nestes levantamentos provisrios: Ao = 80 a 120 kg/m de concreto; Forma = 10 a 14 m / m de concreto; Volume dos agregados (areia + brita 1 + brita 2) = 1,65 m / m de concreto; Cimento = 7 a 7,5 sacos / m de concreto; Somatria das reas de piso = rea de construo; Blocos de concreto = 13 un / m de alvenaria. Enquanto os preos so cotados, o levantamento definitivo e outras tarefas, vo sendo finalizadas. Estes ndices prestar-se-o, ainda, para checagem dos levantamentos, no os substituindo embora. V. Utilizando a internet Antes de tudo a Internet dispe de informaes sobre Licitaes e sobre os Editais de Concorrncia. As principais facilidades que oferece ao Oramentista esto ligadas s cotaes de preos e oferta de novos fornecedores, prestadores de servio e locadoras de equipamentos. Disponibiliza profissionais especializados para consultoria nas mais diversas reas e mesmo parceiros para a elaborao dos oramentos. Com os recursos de importao de dados de alguns (pouqussimos) softwares de oramento, em que os insumos so lanados diretamente nas Composies de Preos, a tarefa para a criao destas composies se resume em digitar seus ttulos e lanar os ndices. Os preos de insumos disponibilizados na Internet devero ser, outrossim, confirmados junto aos prprios fornecedores, como tambm, os preos extrados de jornais e revistas especializadas. VI. Roteiro do oramento 11. Roteiro de um oramento de obra de mdio / grande porte, com utilizao de 2 Oramentistas e 1 Comprador Tcnico. Na falta deste ltimo, suas funes seriam assumidas pelo Oramentista 2. FASE 1 Oramentistas 1 e 2 Leitura da documentao e estudo dos projetos. Oramentista 1 Levantamento preliminar dos quantitativos e envio da relao de insumos para cotao; Levantamento definitivo dos quantitativos do projeto; Preparo das Composies de Preos e lanamento dos quantitativos. Oramentista 2 Envio de cpias da documentao dos Servios Especiais para cotao. Comprador tcnico Cotaes de preos e coleta de informaes sobre os insumos e sobre servios ou contrataes especiais. FASE 2 Oramentista 1 Recebimento das cotaes e informaes, e atualizao dos preos dos insumos; Gerao da Planilha de Custo e Curvas dos Insumos. Oramentista 2 Recebimento das cotaes e informaes, e clculo dos Custos Indiretos e do BDI. Oramentistas 1, 2 e Comprador Tcnico Estudo dos Mtodos Construtivos FASE 3 Oramentistas 1 e 2 Simulaes de oramentos; Gerao da Planilha de Venda. 12. Curva ABC da Planilha Curva ABC dos Insumos As Curvas ABC so relaes cujos dados so dispostos do maior para o de menor valor, e que destacam, desta forma, os itens mais significativos e permitem ao oramentista, entre outras melhorias em seu oramento, refinar apenas alguns poucos itens principais para alterar significativamente o valor final. Na Curva abaixo, por exemplo, uma melhoria nos preos do Ao Ca-50, do Madeirit e dos tijolos to somente, atravs de cotaes melhor negociadas, ou parcerias, o valor de seu oramento poderia ser substancialmente modificado. CURVA ABC DA PLANILHA DE SERVIOS ID SERVIOS UNID. QUANTID PREO UNIT. TOTAL % d027 Ferragem CA-50 mdia (1/4" a 3/8") kg 50.000,00 R$3,11 R$155.430.00 21,42% d010 Forma Madeirit plastificada 12mm (5 usos) m 4.000,00 R$22,40 R$89.592.40 12,35% c001 Alvenaria de embasamento tijolos comuns m 400,00 R$173,94 R$69.577.92 9,59% e007 Alvenaria tijolos cermicos 10x20x20 - argamassa 1:2:8 - a chato (parede 20cm) m 2.000,00 R$34,13 R$68.264.60 9,41% a002 Abrigo de 2 pavimentos para depsito de materiais e ferramentaria m 180,00 R$189,26 R$34.067.56 4,70% d009 Forma de Madeirit resinada 12mm - (3 usos) m 1.010,00 R$27,35 R$27.618.96 3,81% a003 Bandeja salva-vidas m 200,00 R$127,50 R$25.499.42 3,51% d007 Forma de tbua para fundaes (5 reaproveitamentos) m 1.200,00 R$19,26 R$23.108.28 3,19% d040 Lanamento e aplicao de concreto em estrutura m 300,00 R$71,53 R$21.459.72 2,96% d011 Forma curva de Madeirit 6mm (2 usos) m 500,00 R$38,77 R$19.382.95 2,67% d028 Ferragem CA-50 grossa (1/2" a 1") kg 6.000,00 R$3,00 R$17.988.60 2,48% h003 Caixilhos de alumnio vos 1 a 2m c/ contramarcos un 80,00 R$219,17 R$17.533.65 2,42% n005 Pintura: Latex interno 2 demos m 1.800,00 R$7,07 R$12.732.66 1,76% q007 Emboo para paredes internas ou externas com argamassa mista 1:2:11 m 1.200,00 R$10,01 R$12.011.40 1,66% n004 Pintura: Latex externo 3 demos m 1.200,00 R$9,57 R$11.479.32 1,58% d041 Bombeamento de concreto (transporte vert. e horizontal) m 300,00 R$32,89 R$9.866.64 1,36% d055 Laje pr para pisos coberturas forros e terraos m 200,00 R$43,67 R$8.734.84 1,20% d039 Lanamento e aplicao de concreto em fundao m 200,00 R$43,02 R$8.603.10 1,19% q030 Mosaico vidroso com argamassa 1:2:8 e rejuntamento com argamassa 1:1:2 m 200,00 R$39,81 R$7.962.54 1,10% h001 Caixilho de ferro basculante ou fixo m 60,00 R$130,64 R$7.838.65 1,08% e048 Alvenaria estrutural em blocos de concreto 14x19x39 com argamassa 1:0.25:3 inclusive ferragem e argamassa 1:0.1:3:2 m 200,00 R$38,31 R$7.662.62 1,06% b009 Escavao manual de valas at 2.00m (solo qq) m 400,00 R$16,72 R$6.686.92 0,92% e029 Alvenaria de elevao com bloco de concreto 19x19x39 cm c/ cimento colante (parede 19cm) m 200,00 R$32,17 R$6.434.38 0,89% d029 Ferragem CA-60 fina (3.4 a 6) kg 2.000,00 R$3,12 R$6.241.60 0,86% e003 Alvenaria tijolos comuns 5x10x20cm com argamassa 1:2:8 (parede 20cm) m 120,00 R$51,25 R$6.150.10 0,85% q033 Pastilhas de porcelana empregando argamassa mista 1:1:6 com areia seca e peneirada m 100,00 R$54,53 R$5.452.52 0,75% k001 Regularizao de base p/ assentamento de piso cermico m 300,00 R$13,17 R$3.950.46 0,54% e014 Alvenaria de elevao com blocos de concreto 9x19x39cm com argamassa 1:7 (parede 9cm) m 200,00 R$17,38 R$3.476.36 0,48% a005 Demolio de alvenaria de tijolos comuns c/ m 100,00 R$34,51 R$3.450.85 0,48% 13. reaproveitamento b005 Carga manual de terra em caminho basculante de 6.5t m 180,00 R$18,09 R$3.255.53 0,45% e002 Alvenaria tijolos comuns 5x10x20cm com argamassa 1:2:8 chato (parede 10cm) m 100,00 R$27,56 R$2.755.83 0,38% d031 Tela de ao tipo Telcon m 400,00 R$6,17 R$2.467.16 0,34% a001 Locao da Obra m 1.000,00 R$2,40 R$2.400.80 0,33% l001 Cobertura com telha paulista ou colonial m 120,00 R$17,38 R$2.086.15 0,29% i003 Tubos cermicos =100mm p/ esgoto m 50,00 R$32,61 R$1.630.28 0,22% n003 Pintura: Grafite em esquadrias de ferro m 100,00 R$11,97 R$1.197.24 0,17% j002 Eletroduto PVC rosquevel (3/4") m 180,00 R$6,65 R$1.196.48 0,16% b006 Carga mecanizada de entulho em caminho basculante de 6.5t m 170,00 R$6,71 R$1.140.02 0,16% a020 Tapume de Madeirit 6mm (inclusive porto) m 50,00 R$20,79 R$1.039.25 0,14% b010 Escavao mecanizada de valas at 4.00m (solo qq) m 300,00 R$3,23 R$968.43 0,13% j003 Eletroduto PVC rosquevel (1") m 100,00 R$8,33 R$833.40 0,11% k012 Soleira de cermica 15cm m 50,00 R$15,27 R$763.62 0,11% e010 Painel-divisria de concreto celular autoclavado e armado 7.5x40x280 com argamassa especial m 450,00 R$1,62 R$728.37 0,10% q101 Peitoris de cermica boleada 17cm m 100,00 R$7,14 R$714.12 0,10% q001 Chapisco 1:3 sobre superfcies verticais com argamassa 1:3 e espessura 5mm m 300,00 R$2,33 R$700.38 0,10% q002 Chapisco 1:3 sobre superfcies verticais com argamassa de cimento e pedrisco no trao 1:4 m 190,00 R$3,59 R$681.91 0,09% n002 Pintura: Esqudrias de madeira - emassamento m 100,00 R$6,64 R$663.86 0,09% q100 Papel de parede m 300,00 R$1,24 R$373.08 0,05% g001 Vedao de juntas de dilatao 2x1cm com Silicone Selante m 180,00 R$1,63 R$293.02 0,04% j004 Eletroduto PVC rosquevel (1/2") m 50,00 R$5,19 R$259.26 0,04% q023 Azulejos - retirada das caixas e imerso em gua m 300,00 R$0,77 R$231.48 0,03% b014 Transporte de material de qq categoria-exceto rocha-em caminho basculante 6.5t - distncia 0.5km m 400,00 R$0,50 R$201.00 0,03% a011 Demolio de pavimentao asfltica c/ martelete pneumtico m 50,00 R$3,95 R$197.60 0,03% a017 Ligao provisria de luz e fora para obra, com distribuio interna un 1,00 R$162,79 R$162.79 0,02% a004 Corte de capoeira fina a foice m 120,00 R$1,29 R$154.31 0,02% d042 Adensamento e regularizao de superfcies de concreto com rgua simples de 3m e prof at 15cm m 300,00 R$0,46 R$138.87 0,02% Soma 725.493,23 100 % 14. J a Curva abaixo pede um estudo mais apurado da Mo de Obra. Est representando cerca de 44% do total. No seria o caso de terceirizar ou subempreitar tais insumos? Por outro lado a quantidade de areia fina (penltimo item, 0,50m) seria suficiente ou no haveria um erro de levantamento? Curva ABC dos Insumos DESCRIO UN P UN QUANT. TOTAL % Ao CA-50 (1/4"a 3/8") kg R$1,55 58.226,80 R$90.251,54 15,55 Serventes h R$1,82 16.632,94 R$68.444,88 11,79 Pedreiros h R$2,15 10.312,00 R$50.128,18 8,64 Ajudantes h R$1,49 14.378,98 R$48.441,20 8,35 Carpinteiros h R$1,92 10.246,20 R$44.479,98 7,66 Tbua de 1 x 12 pol. m R$3,13 11.264,80 R$35.258,82 6,07 Pontaletes 3x3 pol. m R$1,80 12.937,50 R$23.287,50 4,01 Armadores h R$2,15 4.773,28 R$23.203,63 4,00 Tijolos comuns 5x10x20cm un R$0,07 319.360,00 R$22.355,20 3,85 Tijolos cermicos furados un R$0,20 92.000,00 R$18.400,00 3,17 Cimento (kg) kg R$0,28 44.580,91 R$12.482,65 2,15 Caixilho Al. Completo un R$99,00 120,00 R$11.880,00 2,05 Madeirit plastificado 12mm fl R$11,00 1.040,00 R$11.440,00 1,97 Ao CA-50 (1/2"a 1") kg R$1,31 6.900,00 R$9.039,00 1,56 Chumbador =3/8" un R$15,00 600,00 R$9.000,00 1,55 Servio de bombeamento de concreto m R$25,00 300,00 R$7.500,00 1,29 Sarrafo de 10cm m R$0,87 8.370,30 R$7.282,16 1,25 Pintores h R$2,11 1.435,00 R$6.845,97 1,18 Cal Hidratada sc R$0,16 41.234,56 R$6.597,53 1,14 Areia Mdia m R$24,90 264,53 R$6.586,75 1,13 Caixilho de ferro un R$96,00 60,00 R$5.760,00 0,99 Ao CA-60 (3.4 a 6mm) kg R$1,63 2.300,00 R$3.749,00 0,65 Tinta Latex p/ Exteriores l R$8,50 384,00 R$3.264,00 0,56 Desmoldante para formas l R$3,10 1.031,00 R$3.196,10 0,55 Viga de peroba 6x12cm m R$4,50 700,00 R$3.150,00 0,54 Caminho basculante h R$60,00 49,92 R$2.995,02 0,52 Prego (preo mdio das bitolas) kg R$1,70 1.720,00 R$2.924,00 0,50 Arame Recozido n 18 kg R$2,30 1.220,00 R$2.806,00 0,48 Tinta Latex p/ Interiores l R$7,00 396,00 R$2.772,00 0,48 Madeirit resinada 12mm fl R$5,97 434,30 R$2.592,77 0,45 Telha ondulada fibrocim 8mm 60x230 un R$12,00 216,00 R$2.592,00 0,45 Pastilheiros h R$2,53 450,00 R$2.574,15 0,44 Bloco de concreto 19x19x39 un R$0,99 2.600,00 R$2.574,00 0,44 Pastilhas de porcelana m R$25,00 102,00 R$2.550,00 0,44 Aguarrs mineral l R$14,00 157,00 R$2.198,00 0,38 Cimento-colante kg R$3,00 700,00 R$2.100,00 0,36 Blocos de concreto 14x19x39 (estrutural) un R$0,95 2.200,00 R$2.090,00 0,36 Tela Telcon soldada kg R$4,50 412,00 R$1.854,00 0,32 Madeirit plastificada 6mm fl R$5,58 325,00 R$1.813,50 0,31 Brita 2 m R$25,00 66,14 R$1.653,50 0,28 Blocos de concreto 9x19x39 un R$0,60 2.600,00 R$1.560,00 0,27 Mosaico vidroso m R$7,50 204,00 R$1.530,00 0,26 15. Lixa fl R$2,00 750,00 R$1.500,00 0,26 Eletricistas h R$2,40 194,00 R$1.052,72 0,18 Retro Escavadeira h R$42,00 16,80 R$705,60 0,12 Asfalto preparado sc R$12,00 45,00 R$540,00 0,09 Ladrilhistas h R$2,53 90,00 R$514,83 0,09 Serralheiros h R$2,50 80,00 R$452,20 0,08 Cimento branco sc R$2,00 200,00 R$400,00 0,07 Manilha =100 x 60cm un R$7,00 50,50 R$353,50 0,06 Areia Grossa m R$24,90 12,90 R$321,21 0,06 Aplicadores (P.Parede) h R$4,00 33,00 R$298,45 0,05 Soleira cermica 15cm m R$5,00 55,00 R$275,00 0,05 Estopa kg R$9,00 30,00 R$270,00 0,05 Chapa compensada 6mm fl R$5,00 52,50 R$262,50 0,05 Prego 18x27 kg R$1,45 180,00 R$261,00 0,04 Lixa para madeira fl R$5,00 50,00 R$250,00 0,04 Oficiais h R$1,92 54,00 R$234,42 0,04 Lixa p/ ferro fl R$6,00 30,00 R$180,00 0,03 Betoneira h R$5,60 31,72 R$177,63 0,03 Eletroduto PVC rgido 3/4" rosquevel br R$0,92 180,00 R$165,60 0,03 P-carregadeira h R$50,00 3,08 R$153,85 0,03 Eletroduto PVC rgido 1" rosquevel br R$1,39 100,00 R$139,00 0,02 Compressor de ar 80 a 85 HP h R$20,00 5,00 R$100,00 0,02 Zarco l R$8,00 12,00 R$96,00 0,02 Pedrisco m R$25,00 3,79 R$94,75 0,02 Ao CA-50 (1/8"a 3/16") kg R$1,56 60,00 R$93,60 0,02 Encan/Eletricistas h R$2,40 16,00 R$86,82 0,01 Vibrador de imerso h R$2,00 30,00 R$60,00 0,01 Arame Galvanizado 18 BWG kg R$2,75 20,00 R$55,00 0,01 Martelete pneumtico h R$2,50 15,00 R$37,50 0,01 Eletroduto PVC rgido 1/2" rosquevel br R$0,63 50,00 R$31,50 0,01 Massa base de leo kg R$0,29 45,00 R$13,05 0,00 Areia mdia ou fina m R$24,90 0,50 R$12,45 0,00 Ferragem p/ porto gl R$10,00 0,15 R$1,50 0,00 Total Geral (s/ BDI) 580.392,73 16. CUSTOS INDIRETOS NO ENGWHERE - SUGESTO DE CLCULO ITENS SUB-ITENS Servios Tcnicos Levantamentos Topogrficos Estudos / Percias Planejamento / Assessoria Controles Tecnolgicos Fotografias Outras Servios Preliminares Demolies Cpias (Xerox / Heliogrficas) Despesas Legais Impostos / Multas Seguros Multas Despesas Gerais Materiais de Escritrio Materiais de Limpeza Contas de gua Contas de Luz Contas Telefones Equipamentos de Segurana Estadias / Viagens Equipamentos de Escritrio Malotes Outras Legalizaes Ligaes Definitivas Vistorias Oficiais Certides Habite-se Licena de Funcionamento Alvars Transporte Caminhes / nibus Carretas Utilitrios Veculos Leves Retro Escavadeira Outras Administrao Engenheiro Residente Engenheiro Encarregado Administrativo Encarregado Pessoal / Almoxarifado Encarregados Segurana / Vigilncia Apropriao Apontadores Motoristas Topgrafo Nivelador Auxiliares de Topografia Outras Equipamentos de Elevao Gruas 17. Guindastes Guinchos Andaimes Talhas Outros Equipamentos de Concreto Central de Concreto Betoneiras P de Arraste Vibradores Mangotes de Vibradores Outros Carpintaria / Armao Serra Fita Serra Circular Tupia Desempenadeira Desengrossadeira Serra manual Furadeira / Lixadeira Mquina de Cortar Ferro Mquina de Dobrar Ferro Outras Equipamentos Diversos Bombas Mquina de Solda Compressor Marteletes Giricas Colches Ferramental / Manuteno Ferramentas Gerais Teodolito Nvel Gastos Gerais Manuteno Peas de Reposio Abastecimento / Especiais Combustveis Lubrificantes Lavagens Residncias Salas para Escritrios Formas Metlicas Motoniveladoras Dumper / Bob Cat Equipamentos de Cozinha Instalaes Provisrias Tapumes Cercas Barraces (Carpintaria / Armao) Alojamentos Cantina Escritrios Almoxarifados Sanitrios 18. Vestirios Portaria Placas / Torres / Sinalizao Protees Montagem Equipamentos Canteiro Instalao gua Instalao fora e luz Instalao telefone Instalao Esgoto Locao da obra Desmobilizao Equipamentos de Terraplenagem Refeies Outras Observaes: 1. Sobre a somatria dos Custos Diretos e Indiretos dever incidir a Taxa do BDI; 2. O EngWhere e o EngWhere BDI apresentam formulrio para calcular tanto as Despesas Indiretas (itemizao acima) quanto as Taxas do BDI. 19. ENCARGOS SOCIAIS E TRABALHISTAS GRUPO A ENCARGOS SOCIAIS BSICOS SEM HORAS EXTRAS 1 INSS 0,200 2 FGTS 0,080 3 SESI 0,018 4 SENAI 0,013 5 SENAI Adicional (+de 500 empregados) 0,000 6 INCRA 0,002 7 Salrio Educao 0,025 8 Seguro contra Acidentes Trabalho 0,030 9 SECONCI 0,010 10 SEBRAI 0,006 Total do Grupo A 38,40 % Grupo B Encargos que recebem incidncia de A 1 Repouso Semanal Remunerado 0,195 2 Feriados e Dias Santificados 0,035 3 Frias Acrescidas de 1/3 CF 0,125 4 Auxlio Enfermidade 0,011 5 Auxlio AC. Trabalho 0,011 6 Horas Extras 0,000 7 13 Salrio 0,110 8 Licena Paternidade 0,001 Total do Grupo B 48,89% Grupo C Encargos que no recebem incidncia de A 1 Multa Resciso Contrato Trabalho sem Justa Causa 0,042 2 Aviso Prvio Idenizado 0,205 3 Indenizao Adicional (Art. 9 L. 7238) 0,017 Total do Grupo C 26,71% Grupo D Taxas de reincidncias 1 Incidncia do Grupo A sobre o B 0,188 2 Incidncia Multa FGTS sobre o 13 0,003 3 Licena Maternidade 0,001 4 Aviso Prvio sobre Frias 0,030 5 Aviso Prvio sobre 13 0,023 Total do Grupo D 24,48% Total Geral 138,48% AGREGADOS DO CONCRETO CONSUMO: Se somarmos os volumes de brita (1 e 2) e areia, nas tabelas de preparo de concreto, teremos cerca de 1,65m de agregado para cada metro cbico de concreto. Tanto o Cimento Portland Comum (conforme EB1) como o Cimento Portland de Alta Resistncia Inicial (EB2) devem ser armazenados sobre entrado de madeira em pilhas de no mximo 10 sacos. VOLUME DA AREIA: A areia mida tem um ganho de volume (inchamento) de cerca de 30% em relao areia seca. ESCAVAO EM ROCHA - 1m de rocha fornece cerca de 1,35m de pedra. Em um silo de 30m de altura a densidade do cimento CPE-32 varia de 1,4 a 1,6t/m conforme esteja na superfcie ou no fundo do silo (a do Cimento AF-40 varia de 1,25 a 1,5 t/m). CLCULOS EMPRICOS Para cada m de telhado sero necessrios 1,5cm de seo de calha e 1,0 cm de seo de condutor. Dimensionamento das Fossas Spticas Toma-se como base a capacidade de 175 a 265 litros por pessoa e o mnimo de 1.200 litros por fossa. 20. Chicana de entrada com altura de 70cm e chicana de sada com 90cm. A presso do concreto na forma nunca ultrapassa os 4.500 kg/m qualquer que seja a altura e velocidade de lanamento. A presso no se transmite alm dos 2,20m de profundidade. CONCRETO / ARGAMASSAS OS ENSAIOS ACELERADOS DE CONCRETO CONSISTEM-SE EM AQUECER OS CORPOS DE PROVA EM GUA FERVENTE (BANHO-MARIA) PARA OBTENO PRVIA DE SEUS RESULTADOS Ensaio: 24 horas aps a moldagem. Aquecimento: 3,50 horas (a 100 graus Centgrados). Moldagem e Cura: as mesmas do processo convencional. Resultado: equivalente aos de 28 dias (sendo necessria a aferio dos primeiros rompimentos). O USO DA POZOLANA - As pozolanas so materiais naturais ou artificiais que contm silica em forma reativa. So materiais silicosos ou silico-aluminosos que tm pouca qualidade cimentante intrnseca mas finamente pulverizadas e na presena de umidade, reagem com o hidrxido de clcio temperatura normal, formando produtos com capacidade cimentante. Os materiais pozolnicos mais comuns so: a pozolana original (pumicita), as calcednias e as opalas, terras diatomceas calcinadas, argilas calcinadas e as cinzas volantes. As cinzas volantes so precipitadas eletrostaticamente dos fumos de exausto das centrais termeltricas a carvo e so as pozolanas artificiais mais comuns. As cinzas volantes quando adicionadas ao cimento podem alterar a cor do concreto. A adio de cinzas volantes ao cimento tipo Portland feita em proporo que varia de 15% a 40%. A principal vantagem na adio de pozolanas ao cimento comum reside na sua hidratao lenta e, portanto, com baixo despreendimento de calor, fator importante nas obras de concreto massa. Outra vantagem em seu emprego o aumento de resistncia do concreto aos sulfatos e outros agentes agressivos. A reao pozolnica deixa menos hidrxido de clcio para ser lixiviado, reduzindo tambm a permeabilidade do concreto. Com a substituio de parte do cimento por pozolana, os concretos passam a ter menores resistncias iniciais, s desaparecendo essa desvantagem aps cerca de 3 meses, a partir de onde suas resistncias so cerca de 10 a 15% superiores aos dos concretos comuns. CORPOS DE PROVA DE CONCRETO HASTE: comprimento 600mm - dimetro 16mm (pode ter punho). MOLDES: 6 unidades - 2 aos 7, 2 aos 28 e 2 aos 90 dd. AMOSTRA: no colher no incio ou final da betonada. ADENSAMENTO: 4 camadas iguais - 30 golpes por camada - a haste no deve penetrar na camada j adensada - pode-se bater levemente na face externa do molde para fechar os vazios criados com a haste - alisar a superfcie. CURA: cobrir com panos ou papis molhados - conservar sombra - mant-los, por 12 horas, em superfcie horizontal. SLUMP-TESTE HASTE: comprimento 600mm - dimetro 16mm. ENSAIO: untar os moldes com leo fino - manter os moldes firmemente com os ps - 3 camadas iguais - 25 golpes por camada uniformemente distribudos - na primeira camada aplicar a metade dos golpes prxima borda - a haste deve penetrar na camada imediatamente inferior - remover o excesso da ltima camada com a haste - desmoldar em seguida - tomar a medida do centro do cone - havendo desmoronamento, repetir o ensaio. ARGAMASSAS - A resistncia das argamassas para o chapisco, para o reboco e para o emboo, deve diminuir de dentro para fora, nunca confinando uma camada mais fraca entre outras de trao relativamente mais rico em cimento. CURIOSIDADES O Palmo, a Braa, o P, a Polegada, etc, so antigas Medidas Inglesas que correspondiam, na poca, aos tamanhos dos respectivos membros do Soberano em exerccio. Nos EEUU um Galo mede o correspondente a 3,785 litros. Na Inglaterra 4,456 litros. O Galo Tupiniquim 3,60 litros rasos. EQUIPAMENTOS POTNCIA DOS EQUIPAMENTOS Mquina de Solda Bambozzi 60/375A: 18.0 CV - Betoneira 580l: 7.5 CV - Betoneira 320l: 5.0 CV - Serra Circular/Desengrossadeira: 5.0 CV - Esmerilhadeira Porttil: 1.0 CV - Guincho de Elevao: 5.0 CV - Vibrador de Imerso(motor): 2.0 HP - Esmeril de Bancada: 0.5 HP - Circulador de Ar: 1.25HP. APAGO - POTNCIA ELETRODOMSTICOS (em Watts) Aparelho de Som: 100 - Aspirador de P: 600 - Bomba d'gua: 300 - Cafeteira Eltrica: 600 - Chuveiro eltrico: 4400 - Enceradeira: 300 - Ferro Eltrico: 1000 - Forno Eltrico: 1500 - Forno Microondas: 1300 - Freezer: 400 - Geladeira Duplex: 300 - Geladeira Simples: 200 - Impressora Jato Tinta: 50 - Impressora Laser: 400 - Impressora Matricial: 200 - Lmpada Fluorecente: 20 - Lmpada Fluorecente: 40 - Lmpada Incandescente: 60 - Lmpada Incandescente: 100 - Lavadora de Louas: 1500 - Lavadora de Roupas: 1000 - 21. Limpadora a Vapor: 2200 - Micro-Computador: 200 - Secador de Cabelo: 900 - Secadora de Roupas: 3500 - Tanquinho: 300 - Torneira Eltrica: 3000 - Torradeira: 800 - TV Cor -14 pol.: 80 - TV Cor-20 pol.: 200 - TV Cor-29 pol.: 320 - TV Preto e Branco: 100 - Ventilador/Circulador: 150 - Vdeocassete: 100 CONSUMO DE COMBUSTVEL(em l/h) GRUPO GERADOR (M.Perkins-60KVA): 15.1 - YAMAR N/NS/NSB/B: 1.3 - AGRALE M-73: 1.3 - AGRALE M80/M85/M90: 1.5 - GSDB(Motor Perkins 3.152): 3.6 - XA-60/XA-80: 6.5 - CBT 2105: 10.5 - 580H: 6.0 - CA-15: 6.5 - TC-15B: 12.0 - TC-18: 16.0 - TH-10: 5.5 - SP-8.000: 10.0 - TS-14 (cada motor): 14.0 - D4-E: 12.0; D6-C/D: 19.0 - D8-K: 36.0 - D8-L: 38.0 - D155 (Motor Cumins): 32.0 - 120 B: 18.0 - 120 G: 17.0 - 966 C/R: 23.0 - S90 / FE 105: 16.0 - 930R: 14.0 - W 20: 15.5 - W 36: 23.0 - LC-80//LY-2P: 16.0 - SA-37S: 6.5. ANTES DE UTILIZAR UMA BOMBA ELTRICA, ATENO: a Bomba Trifsica deve funcionar em sentido ANTI-HORRIO. Feita a ligao eltrica e observando-se, fora d'gua, o sentido do tranco, inverter as fases do cabo, se necessrio. EQUIPAMENTOS - PARTE RODANTE Aumentando a vida til: Use sempre a sapata mais estreita que proporcione flutuao adequada. Aumentando a vida til: Ajuste a esteira quanto tenso correta. Ajuste sempre a esteira em seu local de trabalho. Aumentando a vida til: Efetue inspees dirias do equipamento. Verifique quanto a parafusos soltos, retentores com vazamento e desgaste anormal. Aumentando a vida til: Conserve o material rodante livre de lama e entulho, de modo que os roletes possam girar livremente. Aumentando a vida til: Os protetores de roletes podem ser eficientes em muitas aplicaes para reduzir o desgaste e a avaria dos componentes. Entretanto podero reter entulho e aumentar os efeitos do acmulo. Eles so projetados para uso em condies de alto impacto. Aumentando a vida til: No estacione a mquina sobre lama, gua ou corrosivos como leo ou graxa. Aumentando a vida til: Aperte corretamente as ferragens da esteira utilizando o mtodo do giro adicional. Aumentando a vida til: Mantenha registros adequados do material rodante. Pontos de operao: Minimize operaes em marcha r ou a alta velocidade em situaes no produtivas. Pontos de operao: Alterne a direo. Efetuar curvas constantes somente para um lado desgastar uma esteira mais rapidamente que a outra. Pontos de operao: Se sua tendncia trabalhar mais com um lado da mquina do que com o outro, faa o rodzio das esteiras. Pontos de operao: No patine as esteiras. Isto aumenta a proporo do desgaste nas sapatas, mais do que em qualquer outro componente. INFORMATIVO / DIVERSOS FBRICAS DE CIMENTO NO BRASIL... Perus-SP, Guaxindira-RJ, Joo Pessoa-PB, Santa Helena-SP, C. Itapemirim-ES, Ita-MG, BH-MG, Paulista- PE, P.Machado-RS, Campos-RJ, Volta Redonda-RJ, Morretes-RGS, George Oeteres-SP, Arat-BA, Rio B. do Sul-PR, Uberaba-MG, I.de Itapessoca-PE, Itapeva-SP, Rio de Janeiro-RJ, Barroso-MG, Pedro Leopoldo-MG, Corumb-MT, Itapevi-SP, Itaja-SC, Matosinho-MG, Capanema-PA, Arcos-MG, Aracaj-SE, Sobral-CE, Montes Claros-MG, Goinia-GO, Val de Parmas-RJ, Mossor-RN, Braslia-DF, Corumb-GO, Apia-SP, Jacupiranga-SP, Rio Branco-PR, Salvador-BA. CORES PADRES DAS TUBULAES INDUSTRIAIS - Combate Incndio: vermelho - gua fria: verde - Gases no liquefeitos: amarelo - cidos: laranja - Cor vaga: marrom - Vapor: branco - Vcuo: cinza claro - Eletrodutos: cinza escuro - lcalis: lils - Ar comprimido: azul - Inflamveis e comb. alta viscosidade: preto - Gases liquefeitos e comb. baixa viscosidade: alumnio. A NR 17 da Portaria Mtb 3.214 admite: Transporte e descarga individual de peso: mximo de 60kg. Levantamento individual de peso: mximo de 40kg. MADEIRAS DENSIDADE DA MADEIRA (15% de umidade) Ip Preto: 0,96t/m Ip Amarelo: 1,3t/m Peroba: 0,78t/m Eucalipto: 0,78 a 0,95t/m Pinho: 0,54t/m. MADEIRAS BRASILEIRAS acapu, amendoim, andiroba, angelim-pedra, angelim-vermelho, angico preto, angico vermelho, aroeira do serto ou urundeva, bicuba rosa, brana-preta, cabreva-parda, cabreva-vermelha ou blsamo, canafstula ou guarucaia, canela-sassafrs, carvalho-brasileiro, cavina, cedrinho ou quarubarana, cedro, cerejeira, cumaru ou champagne, cumbaru ou baru, capiba, faveiro, freij, garapa ou grapiapunha, imbuia, 22. ip ou ip pardo, itaba-preta, jacarand ou jacarand da bahia, jarana, jatob ou jata, louro pardo ou louro claro, maaranduba ou paraju, mogno ou aguano ou marhogany, muiracatiara, oiti, pau-amarelo ou pau- cetim, pau-marfim ou marfim, pau-rocho, pequi ou piti, peroba de campos, pinho-de-riga, pinho-do- paran, pinus eliotti, sucupira, sucupira amarela ou guaiara, taiva ou amoreira, tatajuba, tauari, virola ou bicuba-branca. ORAMENTO DE OBRAS CONFERINDO SEUS LEVANTAMENTOS: O peso do ao calculado dever estar entre 80 a 120 kg por m do concreto estrutural empregado. CONFERINDO SEUS LEVANTAMENTOS: A rea de forma levantada, dever estar entre 10 e 14 m por m do concreto estrutural empregado. CONFERINDO SEUS LEVANTAMENTOS: A rea de pisos levantada, dever estar bem prxima de sua rea Construda, a menos da rea de garagens ou outras sem revestimento, e acrescentando-se eventuais reas externas revestidas. ESTIMATIVA DO CONSUMO DE GUA - Fabricao de concreto na obra: 250 l/m - Lanamento de concreto: 250 l/m - Operrio no alojado: 45 l per capita - Alojamentos provisrios: 80 l per capita - Escritrios: 50 l per capita - Refeitrios: 20 l/refeio - Fbricas em geral (uso pessoal): 70 l/operrio - Edifcios pblicos/comerciais: 50 l per capita - Ambulatrios: 25 l per capita - Postos de servio: 150 l por veculo - Casas populares ou rurais: 120 l per capita - Limpeza obra tamanho mdio 1.000 l/dia. TRANSPORTE DE EQUIPAMENTOS A carreta Prancha, ou a seca, transportam 2 RETRO CASE 580 H. A prancha transporta a CAT-966 e ainda um rolo CA-15. O Transporte de uma carga de at 25 ton. e at 3,20m de largura, em Carreta de 3 eixos, dispensa Batedores. Caminho Carroceria Truck suporta o TRATOR CAT D6, mas no passar na balana da Polcia Rodoviria! Apenas com carreta Prancha deve-se transportar a S-90 ou a 966. FONTE: EngWhere