Orientações para Coleta, Transporte, Processamento, Análise e Meios de Cultura....

Click here to load reader

  • date post

    07-Apr-2016
  • Category

    Documents

  • view

    213
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Orientações para Coleta, Transporte, Processamento, Análise e Meios de Cultura....

  • Orientaes para Coleta, Transporte, Processamento, Anlise e Meios de Cultura. ARTIGOS PARA OS SEMINRIOS; CONTEDO PROGRAMTICO; CASOS CLNICOS;blog do professor:http://chitoteixeira.wordpress.com

  • Colheita de AmostrasQuando se suspeita de doena infecciosaTcnicas dirigidas deteco sorolgica de antgenos e anticorposAnticorpos monoclonaisSondas de DNA - PCROutros procedimentos sem cultivo

  • Na instituio de uma terapia incorreta e ainda danosa, caso o tratamento seja dirigido para um comensal.Colheita de AmostrasUma amostra mal colhida: possvel que a colheita apropriada de uma amostra para cultivo seja a etapa mis importante na confirmao final de que um microrganismo responsvel pelo processo de enfermidade infecciosa.Fracasso no isolamento de microrganismos importantes.

  • Exemplo: (caso clnico)Klebsiella pneumoniae foi isolada do escarro de um paciente com pneumonia clnica;Escarro colhido de forma inadequada sendo constitudo principalmente de saliva;pneumoniaNasofaringe

  • O pior:O tratamento seria inadequado e s resultaria efetivo, por casualidade, se a espcie causadora da pneumonia tivesse um padro de susceptibilidade a antibiticos similar de K. pneumoniae.A terapia eleita poderia ter sido errnea.Pseudomonas aeruginosa

  • A amostra deve ser material do stio real de infeco, devendo ser colhida com o mnimo de contaminao dos tecidos, rgos e secrees adjacentes;Consideraes fundamentais na colheita de amostras.Colheita de AmostrasDeve-se estabelecer o momento timo para a colheita de amostras, com o objetivo de contar com melhor possibilidade de isolar microrganismos causadores de enfermidades;

  • Deve-se obter uma quantidade suficiente de amostra para realizao das tcnicas de cultivo solicitadas;Enviar ao laboratrio swab seco ou secrees escassas uma prtica intil e de custo considervel para o paciente;Consideraes fundamentais na colheita de amostras.Colheita de AmostrasDevem ser utilizados dispositivos de colheita, recipientes de amostras e meios de cultura apropriados para assegurar isolamento timo de microrganismos.;Calcularam que o rendimento do isolamento de microrganismos a partir de culturas de sangue aumentava em cerca de 3% por mL de sangue colhido; (Mermel e Maki).Com demasiada freqncia, so enviados ao laboratrio 0,5 mL ou menos de material identificado como escarro ou lavado brnquico;Swabs retais para isolar espcies de Shigella, o material colhido deve ser inoculado diretamente na superfcie de gar Mac Conkey ou caldo enriquecido para gram-negativos

  • Consideraes fundamentais na colheita de amostras.Colheita de AmostrasSempre que possvel, deve-se obter amostras antes da administrao de antibiticos;Etiqueta legvel com nome, nmero de idenficaco, origem, mdico e a data/hora da colheita;O recipiente da amostra deve ser rotulado de forma correta;

  • Colheita de AmostrasOutros exemplos importantes.

  • O objetivo primrio no transporte de amostras para diagnstico consiste em manter a amostra o mais prximo possvel de seu estado original, com deteriorao mnima, e minimizar os riscos para os transportadores das amostras, utilizando-se dispositivos protetores do recipiente da amostra inseridos no interior de um recipiente adequado.Transporte de Amostras

  • Transporte de AmostrasDeve-se evitar:Condies ambientais adversas

  • Transporte de AmostrasSe for previsto:Um atraso prolongado (acima de 4 dias por exemplo) antes da amostra ser processada; prefervel congelar a amostra a -70C, podendo ser utilizado um congelador a -20C, se o perodo de estocagem for breve.

  • Transporte de AmostrasAs amostras de escarro colhidas principalmente para o isolamento:Podem ser remetidas sem qualquer tratamento desde que colhidas em recipientes de propileno ou polietileno esterilizados.

  • Transporte de AmostrasA maioria das amostras lquidas, em particular amostra de urina, deve ser transportada ao laboratrio o quanto antes possvel:Contexto hospitalarRecomenda-se um limite mximo de 2 horas entre a colheita e a chegada da amostra ao laboratrio.

  • Transporte de AmostrasO limite de tempo representa um problema quando as amostras so colhidas em consultrios particulares.Amostras de urinaPodem ser utilizados recipientes contendo uma pequena quantidade de cido brico, se o transporte rpido no for possvel.

  • Transporte de AmostrasPara a maioria das amostras pode ser utilizado um meio de manuteno ou transporte, seguindo-se as instrues do fabricante.Meio de transporte StuartSoluo tampo, isenta de nutrientes e fatores de crescimento, conserva a viabilidade sem permitir a multiplicao das bactrias durante o transporte.

  • Transporte de AmostrasTioglicolato de sdio tem funo de agente redutor para melhorar o isolamento de bactrias anaerbias;gar (pequena quantidade) proporciona uma consistncia semi-slida que impede a oxigenao e o derrame durante o transporte;

  • Transporte de AmostrasSoluo de borato de sdioTampo com sacarose, fosfato e glutamato

  • Transporte de AmostrasAs amostras devem ser embaladas de modo a suportar golpes ou mudanas de presso que podem ocorrer durante a manipulao e causar vazamento do contedo;Um recipiente que vaza no apenas predispe a amostra a uma potencial contaminao, mas tambm expe os microrganismos ao pessoal que transporta ou recebe a amostra;

  • Transporte de AmostrasTcnica apropriada para embalar e rotular agentes etiolgicos:Recipiente primrio com tampa prova dguaRecipiente secundrio de preferncia de metalEmbalagem para envio fabricada em carto ondulado, carto grosso ou gomaespuma

  • Recepo de Amostrasjalecosluvasmscaras

  • Processamento de AmostrasIngresso de dados essenciais em um livro de registros ou em um terminal de computador;Exame visual e determinao do cumprimento de todos os critrios para aceitao da amostra;Para certas amostras, o exame microscpico de montagens midas ou de esfregaos corados, para estabelecer um diagnstico presuntivo;

  • Processamento de AmostrasUSO DE CORANTES EM MICROBIOLOGIA: recomendvel que os microbiologistas efetuem exames microscpicos diretos das amostras enviadas para cultivo;

  • Processamento de AmostrasColorao de GramCristal violeta serve como colorao primria, unindo-se parede celular bacteriana aps tratamento com uma soluo de iodo fraca (mordente para a ligao do corante);Descorante (mistura etanol 95% e acetona) as bactrias que retm o corante aparecem azuladas se observadas ao microscpio e so denominadas gram-positivas;

  • Processamento de AmostrasColorao de GramContracorante Safranina certas bactrias perdem a colorao primria com cristal violeta quando so tratadas com o descorante e captam a contracolorao com safranina e aparecem em vermelho quando observadas ao microscpio, denominando-se gram-negativas;A colorao de Gram pode ser utilizada para efetuar identificaes presuntivas.

  • Processamento de AmostrasColoraes de lcool-cido-resistnciaRecobertas por um espesso material ceroso que resiste colorao, entretanto, uma vez coradas, resistem descolorao mesmo por solventes orgnicos fortes, como o lcool-cido. Fenmeno descoberto por Ziehl e Neelsen (1881).

  • Processamento de AmostrasAzul de toluidina e Azul de MetilenoOUTROS CORANTES:Laranja de acridinaColorao com PrataColorao com Wright-Giemsacido peridico de Schiff

  • Processamento dos CultivosAps recebimento de amostras para cultivo no laboratrio de microbiologia, devem ser tomadas as seguintes decises:Selecionar os meios de cultura primrios apropriados para o tipo de amostra particular;Determinar a temperatura e a atmosfera de incubao para isolar todos os microrganismos potencialmente significativos;

  • Processamento dos CultivosDeterminar qual dos microrganismos isolados em meios primrios requer uma maior caracterizao;Determinar se so necessrias provas de suscetibilidade a antibiticos, uma vez conhecida a identidade do organismo;Comum a todos o reconhecimento das dificuldades envolvidas na manuteno da qualidade dos servios, em vista das polticas de reduo de custos, cada vez mais rigorosas;

  • Seleo de Meios de Cultura PrimriosMeios no-seletivos so isentos de inibidores e permitem o crescimento de microrganismos encontrados freqentemente em laboratrios clnicos;

  • Seleo de Meios de Cultura PrimriosPode-se tornar o gar sangue seletivo mediante a adio de um ou mais antibiticos ou de certas substncias qumicas;

  • Seleo de Meios de Cultura PrimriosO caldo de enriquecimento empregado para isolar microrganismos patognicos de amostras, como fezes, nas quais existe uma elevada concentrao de microrganismos comensais;Salmonella e ShigellaEscherichia coli e outros comensais entricosFase logaritmicaFase de latncia

  • Uma vez que a amostra tenha ultrapassado os vrios critrios para rejeio e tenha sido aceita para cultivo, pores apropriadas da mesma devem ser transferidas aos vrios meios de cultura descritos no item anterior. Essa atividade tambm usualmente realizada em uma parte separada de outras reas do laboratrio, conhecida como rea de semeadura;Transferncia e Cultivo de Amostras Biolgicasjalecosluvasmscaras

  • Transferncia e Cultivo de Amostras BiolgicasO equipamento necessrio para a inoculao primria de amostras relativamente simples:

  • Transferncia e Cultivo de Amostras BiolgicasEspalhamento nos quatro quadrantes

  • Transferncia e Cultivo de Amostras BiolgicasO meio nos tubos pode ser lquido, semi-slido (0,3 a 0,5% de gar) ou slido. O gar semi-slido adequado para as provas de motilidade;

  • Transferncia e Cultivo de Amostras BiolgicasOs microrganismos diferem quanto temperatura tima de incubao. Porm, a maioria dos microrganismos cresce a 35C; assim, se o laboratrio dispe apenas de uma estufa, esta dev