Plano Estratégico de Azambuja

of 137

  • date post

    19-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    242
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Plano Estratégico para o concelho de Azambuja, elaborado pelo gabinete de Augusto Mateus, a solicitação da Câmara Municipal de Azambuja

Transcript of Plano Estratégico de Azambuja

AZAMBUJA 2025 UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADESEstratgia de Desenvolvimento 2025 e Plano de Aco 2030

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Ficha Tcnica:

Plano Estratgico de AzambujaAzambuja 2025Agosto de 2011

Plano de Aco

Cmara Municipal de Azambuja

Com base no Estudo Tcnico elaborado por:Augusto Mateus & Associados Sociedade de Consultores www.amconsultores.pt e-mail: [email protected] Laura Alves, 12 - 3 Andar 1050-138 Lisboa Tel.: +351 21 351 14 00

Coordenao Global Augusto Mateus Direco de Planeamento e Desenvolvimento Territorial Paulo Madruga e Vnia Rosa Coordenao Operacional Ricardo Veludo Equipa Tcnica Ana Cristina Silva, Ana Caetano, Antnio Marques, Filipa Lopes, Susana Mateus

Pgina 2 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

ndiceINTRODUO _________________________________________________________________________________________7 1. UMA VISO PARA A AZAMBUJA _______________________________________________________________________8 2. ESTRATGIA DE DESENVOLVIMENTO PARA A AZAMBUJA _______________________________________________172.1 Eixo 1: Qualificao e valorizao dos espaos empresariais [ Dimenso do Territrio: para Trabalhar ] _________________ 25 2.2 Eixo 2: Valorizao do patrimnio cultural e natural [ Dimenso do Territrio: para Visitar ] ___________________________ 29 2.3 Eixo 3: Qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial [ Dimenso do Territrio: para Viver ] ____________ 33 2.4 Dimenso Transversal de Interveno Governana e Capacitao _____________________________________________ 36 2.5 Dimenso Transversal de Interveno Sustentabilidade e eficincia ____________________________________________ 37 2.6 Dimenso Transversal de Interveno Marketing Territorial e Promoo _________________________________________ 39

3. DIAGNSTICO PROSPECTIVO DE AZAMBUJA __________________________________________________________403.1 Uma das principais Portas a Norte de Lisboa_______________________________________________________________ 40 3.2 Crescimento migratrio acompanhado de envelhecimento da populao __________________________________________ 41 3.3 Dinamismo econmico e empresarial num territrio de baixas qualificaes _______________________________________ 44 3.4 Atractividade pendular e boas acessibilidades _______________________________________________________________ 55 3.5 Carcter rural e atractividade territorial _____________________________________________________________________ 60 3.6 Azambuja no caminho para a qualificao dos servios complementares funo residencial _________________________ 72 3.7 Frente Tejo e patrimnio cultural uma oportunidade para o desenvolvimento turstico ______________________________ 75

4. PLANO DE ACO__________________________________________________________________________________81 ANEXOS ___________________________________________________________________________________________123Anexo 1 - Participao pblica na construo da estratgia para o concelho de Azambuja ______________________________ 124 Anexo 2 - Orientaes e directrizes dos Instrumentos de Planeamento de base territorial superior ________________________ 132

Pgina 3 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

ndice de CaixasCaixa 1: Turismo Fluvial e Estuarino Benchmarking Internacional ____________________________________________________ 30 Caixa 2: Portugal Logstico____________________________________________________________________________________ 46 Caixa 3: Azambuja A evoluo natural________________________________________________________________________ 54 Caixa 4: Acessibilidades rodovirias e ferrovirias ao nvel nacional ___________________________________________________ 59 Caixa 5: Gesto do Territrio em Azambuja PDM em vigor _________________________________________________________ 65 Caixa 6: Equipamento Escolar principais valncias e caractersticas__________________________________________________ 72 Caixa 6: Equipamento de Segurana Social principais valncias e caractersticas _______________________________________ 72 Caixa 6: Equipamento de Sade principais valncias e caractersticas ________________________________________________ 73 Caixa 6: Equipamentos Culturais e Recreativos principais valncias e caractersticas ____________________________________ 73 Caixa 6: Equipamentos Desportivos principais valncias e caractersticas _____________________________________________ 73 Caixa 6: Outros Equipamentos principais valncias e caractersticas _________________________________________________ 74 Caixa 7: Orientaes nacionais para o sector do turismo ____________________________________________________________ 75 Caixa 8: reas urbanas com valor de conjunto ____________________________________________________________________ 76 Caixa 9: Patrimnio classificado em Azambuja ____________________________________________________________________ 78 Caixa 10: Frente Tejo Lezria e Esturio ________________________________________________________________________ 79 Caixa 11: Eixos Prioritrios propostos pelo Programa Operacional Regional do Alentejo, 2007-2013 _________________________ 132 Caixa 12: Directrizes Nacionais (PNPOT) e regionais (PROT-OVT) de Ordenamento do Territrio posicionamento de Azambuja _ 133 Caixa 13: Programa de Aco AMO/4LT 2008-2017 _______________________________________________________________ 135 Caixa 14: Programa de Aco Territorial Alenquer / Azambuja _______________________________________________________ 136

ndice de FigurasFigura 1: Dinmicas e factores estratgicos com impacte no territrio de Azambuja _______________________________________ 12 Figura 2: Da Viso Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja _________________________________________________ 17 Figura 3: Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja encadeamento esquemtico de motivaes e justificaes __________ 20 Figura 4: Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja sntese conceptual _________________________________________ 21 Figura 5: Enquadramento do concelho face s NUTS III _____________________________________________________________ 40 Figura 6: Mapa esquemtico de insero do municpio de Azambuja na sua envolvente territorial ____________________________ 40 Figura 7: Densidade Populacional (hab./Km2) _____________________________________________________________________ 41 Figura 8: Taxas de Crescimento Efectivo e Migratrio, 2001 _________________________________________________________ 41 Figura 9: Taxas de atraco e de repulso interna, 2001 ____________________________________________________________ 43 Figura 10: ndices de dependncia de jovens e de envelhecimento, 2001 _______________________________________________ 43 Figura 11: Evoluo da populao por grupos etrios _______________________________________________________________ 44 Figura 12: Populao residente por sector de actividade ____________________________________________________________ 44 Figura 13: Principais culturas permanentes _______________________________________________________________________ 45 Figura 14: Padro de actividade________________________________________________________________________________ 48 Figura 15: Populao empregada por profisso ___________________________________________________________________ 48 Figura 16: Populao desempregada ___________________________________________________________________________ 48 Figura 17: Populao sem actividade econmica __________________________________________________________________ 48 Figura 18: Evoluo do desemprego Centro de Emprego de V. F. de Xira, Jan. 2004 a Jan. 2010 __________________________ 48 Figura 19: Evoluo do desemprego no concelho de Azambuja, Jan. 2004 a Jan. 2010 ____________________________________ 48 Figura 20: Populao residente por qualificao acadmica __________________________________________________________ 49 Figura 21. PIB per capita (PT=100) _____________________________________________________________________________ 53 Figura 22: Movimentos pendulares Entradas e Sadas de Azambuja (Trabalho) _________________________________________ 55 Figura 23: Esquema dos fluxos de entrada e de sada em Azambuja, por sub-regio/concelho de origem/destino e motivo. ________ 56 Figura 24: Movimentos na AML, 2001 ___________________________________________________________________________ 58 Figura 25: Integrao de Azambuja nas redes rodo e ferroviria ______________________________________________________ 58

Pgina 4 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Figura 26: Relevo do concelho _________________________________________________________________________________ 60 Figura 27: Ocupao do Solo __________________________________________________________________________________ 61 Figura 28: Densidade Pop., 2001 _______________________________________________________________________________ 62 Figura 29: Var. Pop, 91-2001 __________________________________________________________________________________ 62 Figura 30: Tipologia reas Urbanas _____________________________________________________________________________ 62 Figura 31: Evoluo da populao residente no concelho de Azambuja, por naturalidade___________________________________ 63 Figura 32: Valor mdio dos prdios transaccionados urbanos e rsticos, 2001 __________________________________________ 64 Figura 33: Fogos licenciados (construo nova) para habitao familiar ________________________________________________ 64 Figura 34: Esquema da proposta de ordenamento do PDM em vigor ___________________________________________________ 67 Figura 35: Exerccio de projeco da populao (Curva Logstica) _____________________________________________________ 70 Figura 36: Sistema urbano e acessibilidades _____________________________________________________________________ 133 Figura 37: Modelo Territorial PROT-OVT ________________________________________________________________________ 134 Figura 38: Estratgia Territorial do PAT Alenquer / Azambuja _______________________________________________________ 136

ndice de FotografiasFotografia 1: Habitao colectiva em (1) V. Nova da Rainha, (2) Virtudes e (3) Azambuja. __________________________________ 68 Fotografia 2: Azambuja - Loteamentos a Nascente _________________________________________________________________ 68 Fotografia 3: Azambuja Loteamentos perto da EM641 _____________________________________________________________ 68 Fotografia 4: Casais da Lagoa - Loteamento ______________________________________________________________________ 68 Fotografia 5: Casais dos Britos - Loteamento infraestruturado ________________________________________________________ 68 Fotografia 6: Passagem area sobre a linha de caminho-de-ferro, Azambuja e Virtudes ____________________________________ 69 Fotografia 7: Solues existentes / Intervenes recentes a replicar ___________________________________________________ 69 Fotografia 8: Vista do Castro de V. N. S. Pedro sobre a ribeira de Almoster _____________________________________________ 78 Fotografia 9: Workshop Logstica, Indstria, Servios e Agricultura __________________________________________________ 124 Fotografia 10: Workshop Sustentabilidade, Ambiente, Qualidade de Vida e Desenvolvimento Turstico ______________________ 128

ndice de QuadrosQuadro 1: Leitura do Municpio de Azambuja luz das suas foras, fraquezas, oportunidades e ameaas (SWOT) _______________ 9 Quadro 2: Modelo de Interveno Estratgica e Factores Crticos dos Eixos Estratgicos de Desenvolvimento de Azambuja ______ 23 Quadro 3: Modelo de Interveno Estratgica e Factores Crticos das Dimenses Transversais de Interveno da Estratgia de Desenvolvimento de Azambuja ___________________________________________________________________________ 24 Quadro 4: Objectivos do Eixo 1: Qualificao e Valorizao dos espaos empresariais ____________________________________ 27 Quadro 5: Objectivos do Eixo 2: Valorizao do patrimnio cultural e natural Territrio para Visitar __________________________ 32 Quadro 6: Objectivos do Eixo 3: Qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial - Territrio para Viver __________ 35 Quadro 7: Objectivos da Dimenso Transversal Governana e Capacitao ___________________________________________ 36 Quadro 8: Objectivos da Dimenso Transversal - Sustentabilidade e Eficincia __________________________________________ 37 Quadro 9: Dimenses Transversais Marketing Territorial e Promoo Quadro-resumo da estratgia ________________________ 39 Quadro 10: Evoluo da populao residente, entre 1991 e 2001 _____________________________________________________ 42 Quadro 11: Estabelecimentos e emprego ________________________________________________________________________ 51 Quadro 12: Grau de Especializao do Emprego por Sectores de Actividade ____________________________________________ 52 Quadro 13: Indicadores de mobilidade de Azambuja _______________________________________________________________ 57 Quadro 14: Oferta turstica em Azambuja ________________________________________________________________________ 80 Quadro 15: Indicadores de hotelaria, 2007 _______________________________________________________________________ 80 Quadro 15: Projectos que compem o Plano de Aco, por __________________________________________________________ 82

Pgina 5 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Siglas e AcrnimosAML AMO CIMLT CM | CMA CTA DGOTDU IGT INE JF LT LVT NAL NERSANT NUTS OVT PA AMO/4LT PAT PDM PENT PMOT PNPOT PO PP PRN PROT PU QREN RGA SAU UE rea Metropolitana de Lisboa Associao de Municpios do Oeste Comunidade Intermunicipal da Lezria do Tejo Cmara Municipal | Cmara Municipal de Azambuja Campo de Tiro de Alcochete Direco-Geral de Ordenamento do Territrio e Desenvolvimento Urbano Instrumento de Gesto Territorial Instituto Nacional de Estatstica Junta(s) de Freguesia Lezria do Tejo Lisboa e Vale do Tejo Novo Aeroporto de Lisboa Associao Empresarial da Regio de Santarm Nomenclatura das Unidades Territoriais para fins Estatsticos Oeste e Vale do Tejo Programa de Aco para os Municpios do Oeste e Quatro Municpios da Lezria do Tejo 2008 2017 Programa de Aco Territorial Plano Director Municipal Plano Estratgico Nacional do Turismo Plano Municipal de Ordenamento do Territrio Programa Nacional da Poltica de Ordenamento do Territrio Plano Operacional Plano de Pormenor Plano Rodovirio Nacional Plano Regional de Ordenamento do Territrio Plano de Urbanizao Quadro de Referncia Estratgico Nacional (2007-2013) Recenseamento Geral de Agricultura Superfcie Agrcola Utilizada Unio Europeia

Pgina 6 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

IntroduoAzambuja 2025 Uma Estratgia com um Rio de Oportunidades consubstancia o Plano Estratgico para o Desenvolvimento de Azambuja no horizonte de 2025 e resulta da anlise e diagnstico efectuada ao concelho e de um processo de participao, debate e reflexo promovido pela Cmara Municipal, que permitiu construir e consolidar as bases de uma leitura partilhada sobre os desafios e as oportunidades que se colocam ao concelho e ao seu espao de insero regional, e sustentar as opes agora propostas. O Plano Estratgico para o Desenvolvimento de Azambuja representa o resultado da reflexo tcnica levada a cabo pela Augusto Mateus & Associados relativamente aos moldes e formatao da estratgia a adoptar pelo municpio de Azambuja at 2025, tendo por base o conjunto de reunies efectuadas entre a equipa de trabalho da Augusto Mateus & Associados e a equipa da Cmara Municipal de Azambuja, as directivas delas resultantes, as reunies realizadas com actores do concelho e espao supra-municipal, o processo de recolha e tratamento de informao estatstica e documental e as workshops, que permitiram no s alargar o espao de reflexo e discusso a todos os cidados interessados em contribuir, mas tambm recolher contributos empricos importantes para contextualizar os processos dinmicos que influenciam o desenvolvimento e posicionamento do concelho. A abordagem deste documento deixa em evidncia o esprito de articulao aplicado ao longo deste processo de reflexo estratgica sobre o futuro de Azambuja, considerando aspectos que tm influenciado a formao e progresso do concelho, e aspectos relacionados com o seu posicionamento face ao Pas (enquanto realidade econmica, social e institucional) e face sua insero no espao territorial da Lezria do Tejo. Azambuja uma Estratgia com um Rio de Oportunidades o documento onde se apresenta uma Viso para o concelho no horizonte de 2025 suportada por um processo validado e largamente participado de diagnstico prospectivo. o documento onde se define a Estratgia de Desenvolvimento consentnea com a operacionalizao da Viso delineada, e onde se elencam as linhas directivas do correspondente Plano de Aco, enquanto instrumento que articula intenes de investimento e interveno. Pretende-se que seja um instrumento ao servio do desenvolvimento integrado e sustentado de Azambuja, com que todos dos autarcas comunidade, dos investidores aos actores econmicos se identifiquem e para o qual contribuam. Este documento est organizado em quatro captulos o Captulo 1 apresenta a Viso definida para a Azambuja no horizonte de 2025, e suportado pelo diagnstico e pelas concluses do Captulo 3, na anlise de instrumentos e programas de mbito nacional, regional e supra-municipal que influenciam a Azambuja e no resultado do processo de participao, debate e reflexo que resultou das reunies de trabalho temticas organizadas, permitindo assim identificar as foras e fraquezas do concelho e as dinmicas das suas ameaas e oportunidades. No Captulo 2 apresenta-se o caminho operacional de concretizao da Viso, numa Estratgia de Desenvolvimento organizada em torno de trs eixos estratgicos de desenvolvimento e trs dimenses transversais de interveno. No Captulo 4 procede-se materializao da Estratgia preconizada para o concelho de Azambuja num conjunto de projectos Plano de Aco - que se pretende contribuam para um melhor posicionamento do concelho no seu espao alargado, para a capitalizao de dinmicas e recursos internos e para o cabal aproveitamento das vantagens e oportunidades que se colocam ao territrio em que Azambuja est inserido.

Pgina 7 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

1. Uma Viso para a AzambujaA formulao da orientao estratgica que um territrio pode ou deve assumir (consoante os cenrios que se lhe colocam permitam uma postura mais optativa, ou recomendem uma postura mais assertiva) suportada por um processo que articula as diferentes leituras que se fazem sobre esse territrio, conjugando a evoluo do municpio e a da regio em que este est inserido, com um conjunto alargado de aspectos relacionados com o seu posicionamento actual no contexto nacional e relativamente s NUTS III Lezria do Tejo, Oeste e Grande Lisboa, com os grandes objectivos e metas de desenvolvimento preconizados em documentos estratgicos de mbito nacional, regional e supra-municipal e com as recomendaes da Administrao Local, e com a viso partilhada de actores relevantes e da comunidade local sobre o percurso recente e sobre as opes de desenvolvimento futuro do concelho. A reflexo estratgica para o concelho de Azambuja visa promover a articulao e garantir a coerncia da actuao do Municpio nas suas mltiplas reas de interveno, com vista a:

Identificar as oportunidades que se apresentam ao territrio municipal e supra-municipal, aprofundando o conhecimento sobre o posicionamento relativo do municpio no contexto nacional e regional e articulando a estratgia de desenvolvimento ao nvel sub-regional/regional; Promover a potenciao das oportunidades identificadas num quadro de cooperao com os municpios vizinhos, com a Administrao Central e com parceiros pblicos ou privados, numa lgica de explorao de complementaridades que permita o estabelecimento de redes e circuitos; Identificar eixos estratgicos de interveno e estabelecer um programa de aco, definindo os espaos e os territrios prioritrios de interveno que garantam o desejvel equilbrio entre as diversas dimenses relevantes espao urbano e rural, actividades tradicionais e inovao, reas habitacionais e empresariais, atraco de populao e preservao ambiental, etc.; Focar o investimento em iniciativas que permitam cumprir objectivos prioritrios com impacte fundamental em termos econmicos e sociais, valorizando a dimenso dos projectos.

A viso estratgica de desenvolvimento para o concelho de Azambuja no horizonte 2025 construda com base num quadro de referncia, onde as foras (a potenciar) e as fraquezas (a debelar) identificadas Azambuja se revelam essenciais prossecuo de uma estratgia coerente de desenvolvimento, suportada por cenrios de desenvolvimento que ponderem os mecanismos em que as oportunidades que se afiguram ao concelho sejam utilizadas como forma de fazer frente s possveis ameaas que o possam condicionar, numa lgica que se pretende pr-activa. Este referencial de anlise (sistematizado no quadro seguinte) resulta de um processo que conjuga a anlise e diagnstico do Concelho (nas dimenses aprofundadas no captulo 3), os contactos, reunies e entrevistas havidos com a autarquia e com actores actuantes no seu territrio alargado, a percepo resultante das visitas realizadas ao concelho, e os resultados dos workshops temticos efectuados com o objectivo de incorporar os contributos e sensibilidade operativa dos utilizadores do territrio, enquanto efectivos parceiros com interveno no seu desenvolvimento (ver Anexo 1).

Pgina 8 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Quadro 1: Leitura do Municpio de Azambuja luz das suas foras, fraquezas, oportunidades e ameaas (SWOT)

Foras

Fraquezas

Proximidade AML/Lisboa - principal plo de emprego do Pas e maior mercado de consumo e posicionamento estratgico junto a importantes vias de comunicao (A1/IP1-A2, A1/IP1-A23, A10/A13-A6, A15, IC2, ); Enquadramento estratgico do concelho nos instrumentos de planeamento de nvel superior e supra-municipal (Arco Metropolitano de Lisboa, Porta Norte de Lisboa); Integrao do concelho numa regio de Convergncia (NUTS II Alentejo), que confere maiores possibilidades de acesso a fundos comunitrios do que se se mantivesse a anterior insero da Lezria do Tejo (e de Azambuja, por inerncia) na NUTS II Lisboa (regio em objectivo Competitividade Regional e Emprego); Excelente posicionamento de Azambuja face procura no sector logstico e industrial; Existncia de dinmica econmica e empresarial, criadora de postos de trabalho Azambuja receptor lquido de mo-de-obra. Actividade agrcola com boa produtividade; Beleza natural e valor ecolgico do Esturio do Tejo e dos vales aluvionares; Crescimento populacional associado ao dinamismo econmico e atractividade residencial do concelho; Evoluo positiva em matria de equipamentos colectivos e taxas de cobertura satisfatrias e Existncia de associativismo e estruturas comunitrias com servios de apoio escala local; Existncia de patrimnio edificado relevante; Crescimento do turismo residencial e residncias secundrias (entre 1991 e 2001, os alojamentos para uso sazonal ou secundrio aumentaram 9%); Existncia de uma rede urbana polinucleada. Existncia de diversos PMOT em elaborao; Existncia de uma campanha de promoo do concelho.

Existncia de importantes constrangimentos ao nvel das acessibilidades relevantes para o sector logstico e desconsiderao da rea logstica de Azambuja no Portugal Logstico. Existncia de um tecido produtivo atomizado e de carncias em termos de espaos infraestruturados e qualificados para implantao de PME; Empreendedorismo empresarial pouco expressivo e baixos nveis de inovao e de ligao ao sistema de ensino e investigao; Dificuldades de concertao entre possveis parceiros; Fraca projeco exterior do concelho; Atravessamento do concelho por importantes Espaos-Canal que condicionam o ordenamento do territrio; Existncia de constrangimentos decorrentes da aplicao do Plano Director Municipal e do seu grau de desajuste; Persistncia de importantes debilidades no que se refere escolarizao e qualificaes do capital humano e falta de alternativas de progresso curricular dos alunos adequadas s necessidades da estrutura econmica local e regional; Relevante nvel de envelhecimento da populao e Isolamento e dependncia de idosos, particularmente no Alto Concelho; Abandono das reas rurais, particularmente no Alto Concelho; Crescimento urbano recente difuso e pouco estruturado, que contribu para a desestruturao da actividade agrcola e para o abandono das reas centrais dos aglomerados; Existncia de debilidades ao nvel da integrao e intensidade na oferta de transportes pblicos; Necessidade de reforar e qualificar algumas redes de equipamentos e de diversificar a oferta; Fraco dinamismo do mercado imobilirio.

Oportunidades

Ameaas

Crescimento populacional associado capacidade de atraco de populao e criao de emprego; Planos e projectos para criao, ampliao e qualificao de espaos para implantao de novas actividades econmicas; Localizao numa regio elegvel no mbito do objectivo de convergncia (2007-2013), criando condies para a localizao preferencial de actividades econmicas e infraestruturas da rea de influncia de Lisboa; Presena no concelho de importantes empresas e operadores logsticos, ligados inovao e ao mercado; Existncia de fortes potencialidades ao nvel das actividades associadas ao sector primrio e aos recursos endgenos; Crescente conscincia ambiental e de valorizao paisagstica, associada importncia biofsica, beleza natural e potencialidades tursticas da Frente Tejo e da Lezria, dos vales aluvionares e do Alto Concelho; Polis Tejo; Marketing territorial direccionado para a projeco de uma imagem coerente do concelho, valorizadora da sua baixa densidade de ocupao; Existncia de aglomerados urbanos com valor de conjunto e de projectos para sua valorizao e regenerao urbana; Existncia de projectos e planos para expanso planeada dos aglomerados urbanos; Construo do Novo Aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete e da linha ferroviria de alta velocidade, potenciando actividades econmicas de suporte directo ao NAL e que valorizem a proximidade de localizao; Plano Estratgico da linha do Oeste, em que Azambuja pode posicionar-se como possvel soluo na ligao a Lisboa.

Incapacidade em qualificar espaos logsticos e empresariais que possam competir com as novas plataformas logsticas existentes no Pas; Especializao nos servios pessoais e empresariais de menor produtividade, associados a fenmenos de deslocalizao do centro da AML; Incapacidade em criar sinergias entre os operadores e empresas de maior dimenso e a estrutura empresarial local; Concentrao do investimento na sede de concelho e em algumas reas do concelho, contribuindo para a perda de atractividade relativa dos aglomerados rurais e seu despovoamento; Ocupao das margens ribeirinhas e zonas inundveis; Risco de suburbanizao; Disperso da ocupao edificada do solo pelas zonas rurais com a consequente degradao da paisagem, ocupao de reas agrcolas e criao de dificuldades acrescidas implementao de um sistema de transportes pblicos sustentvel; Forte dependncia relativamente ao transporte individual; Agravamento da tendncia de envelhecimento da populao; Abandono das reas rurais (despovoamento, risco de incndio, degradao do territrio); Incapacidade em qualificar e povoar os ncleos antigos dos aglomerados urbanos; Incapacidade em integrar e desenvolver produtos tursticos de excelncia em rede com outros municpios que permitam promover os valores tursticos nicos do concelho e da sua envolvente; Incapacidade em mobilizar os investidores tursticos para se aliarem como parceiros na construo de um caminho comum.

Pgina 9 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Identificou-se um conjunto de dinmicas que influenciam e condicionam o desenvolvimento futuro de Azambuja (esquematizadas na figura seguinte) e que permitem colocar questes a que a estratgia ter que responder operacionalmente, sobre:

a relao com Lisboa-Cidade, com Lisboa-AML e com Lisboa-Regio: Azambuja poder posicionar-se como fim de linha (a ltima paragem da linha de Azambuja, um concelho para l da fronteira da AML), ou como corredor de ligao, assumindo um papel activo nas dinmicas empresariais, logsticas e de transportes que se estabelecem com a AML e entre a AML e o exterior (a nvel nacional e internacional). A reestruturao que se prev, nos prximos anos, das lgicas de articulao em torno de Lisboa, permite antecipar um maior equilbrio nas relaes norte-sul, com uma valorizao das lgicas nascente-poente que reforaro a definio de circulares a partir de Lisboa-Cidade, atenuando o modelo tpico de diviso entre centro e periferia, e criando condies para que a afirmao de cidades pequenas fora da AML seja uma realidade da Lisboa-Regio, possibilitada pela mudana dos raciocnios de medio de distncias que os eixos radiais (CRIL, CREL, ) tm vindo a introduzir, dando mais relevncia medio das distncias em tempo e minimizando a medio das distncias em kms.

a relao com os vizinhos: Azambuja tem em comum com as regies do Oeste e da Lezria do Tejo (NUTS III) o carcter rural e descongestionado da sua paisagem, o interesse dos valores culturais e patrimoniais e muitas das suas actividades de base, que sugerem a dinamizao de sinergias e complementaridades. O Plano Estratgico da Linha do Oeste prope-se analisar uma possvel conexo da Linha do Oeste, a partir da zona de Torres Vedras, a Lisboa, independente da Linha de Sintra. Caber Azambuja posicionar-se como soluo, garantindo a ligao suburbana a Lisboa, mas tambm a ligao linha do Norte e, eventualmente, ao Novo Aeroporto de Lisboa, reconfigurando a relao entre a Lezria e o Oeste. A relao com o Alentejo (NUTS II) assume relevo particular pelo facto de, do ponto de vista do acesso a fundos estruturais, Azambuja se inserir numa regio de convergncia que lhe pode proporcionar o acesso a patamares superiores de captao de novos investimentos, induzido pela possibilidade que o concelho tem de oferecer uma localizao relativamente prxima a Lisboa, mas que beneficie de taxas superiores de co-financiamento comunitrio.

A ligao entre o patrimnio, o ambiente e a sustentabilidade, como elos de uma imagem de qualidade de vida e com potencial de projeco turstica: Azambuja poder projectar uma imagem consistente de qualidade de vida, associada no s paisagem rural e imagem preservada do concelho, mas tambm a factores estratgicos de atractividade residencial, razo pela qual haver que investir na qualificao, modernizao e inovao das funes inerentes funo residencial, enquanto aposta na melhoria da qualidade de vida das pessoas e na atractividade residencial para uma populao jovem e qualificada, numa conjugao de foras entre os concelhos com modelos residenciais coerentes (como Azambuja, Salvaterra de Magos, Arruda dos Vinhos, Alenquer, Sobral de Monte Agrao, Cadaval, Bombarral, Cartaxo, Almeirim e Santarm) que permita reforar a sua identidade em torno de um modelo residencial caracterstico e contrariar tendncias de suburbanizao que possam vir a acentuar-se como resultado de presses associadas ao NAL.

Pgina 10 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

A preservao e valorizao da natureza, beneficiando da beleza natural da Frente Tejo e da Lezria, so factores a equacionar enquanto elementos de dinamizao de actividades ligadas ao turismo. Os ganhos de projeco exigidos, que se dever assumir que s sero efectivamente relevantes se pensados escala do recurso contnuo que constitui o Esturio e a frente ribeirinha do Tejo (ultrapassando fronteiras municipais), exigem que a Azambuja participe activamente no desenvolvimento de Planos e projectos intermunicipais que dem projeco e confiram escala aos produtos tursticos do concelho, procurando parceiros adequados a cada programa.

A insero privilegiada nas rotas nacionais de circulao logstica: beneficiando da sua localizao, das infraestruturas e espaos qualificados e do facto de j estarem sediados no concelho importantes empresas e operadores logsticos, ligados inovao e ao mercado, Azambuja poder manter a sua posio de destaque no sistema logstico nacional e promover a dinamizao da base empresarial local. Os desafios actuais do sector e a presso concorrencial so factores a considerar; A alterao nos modelos sectoriais de criao de riqueza e emprego: Azambuja insere-se numa regio homognea do ponto de vista dos desafios que se colocam ao mix de actividades que estruturam o respectivo modelo de criao de riqueza e de sustentao de postos de trabalho. um concelho inserido numa rea agrcola com interesse estratgico, para a qual se identificam tambm tendncias mais ou menos vincadas de afirmao progressiva do papel do comrcio e servios enquanto motores de criao de riqueza e de emprego. Por outro lado, a importncia da base logstica instalada na Azambuja coloca-lhe uma oportunidade especfica relevante, no posicionamento face tendncia crescente de diminuio das fronteiras entre as actividades industriais e logsticas. Na agricultura, as fileiras de produo agrcola e agro-pecuria tm um papel relevante na densificao da base empresarial do concelho, cuja potenciao exige que estas actividades possam ser agregadoras e alavancar no s o crescimento e modernizao das actividades do sector primrio (no territrio supra-municipal), mas tambm a evoluo da agro-indstria, tirando proveito da dinmica da logstica no concelho. Haver que equacionar estratgias adequadas s caractersticas dos diferentes espaos agrcolas regadio e sequeiro aos quais se colocam desafios diferenciados. Nas actividades comerciais e de servios, a tendncia que se identifica a de um aumento da sua relevncia na criao de riqueza, que tender a ser replicado nos territrios que integram, com a Azambuja, esta bacia territorial coerente, colocando-se como desafio a capacidade de garantir a conjugao mais vincada da tendncia de convergncia entre servios s empresas e s famlias. Territrios que vierem a afirmar-se numa vertente efectivamente terciria tendero a ser os que se afirmarem simultaneamente na prestao dos melhores servios s dimenses trabalhar e viver do territrio, beneficiando de um mecanismo cumulativo de atractividade fixao de novas actividades empresariais induzida pela atractividade que o territrio apresenta fixao de pessoas (enquanto bacia de recursos humanos), atractividade essa que se baseia na diversidade da sua estrutura comercial, de servios e de solues de lazer. Na indstria, a tendncia vincada de aproximao logstica coloca Azambuja uma especificidade, que se traduz numa oportunidade de tirar partido da base logstica ali existente, pela atractividade que exerce sobre actividades industriais cujo modelo competitivo passa cada vez mais por uma articulao muito prxima com a logstica associada respectiva actividade.

Pgina 11 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Figura 1: Dinmicas e factores estratgicos com impacte no territrio de Azambuja

Reestruturao da actividade e dos canais logsticos

4

Traado previsto da Nova Linha do Oeste

5

reas agrcolas com interesse estratgico

Territrio com potencial de projeco turstica associada ao ambiente e sustentabilidade

3 3 5

2

Territrio homogneo face ao Oeste e Lezria

Articulao com Oeste e Lezria na coerncia do modelo residencial Aumento da relevncia do Comrcio e Servios na criao de emprego e riqueza

Territrio inserido numa Regio de Convergncia

2

1

Corredor ou fim de linha?

Fronteira da Atractividade Residencial de Lisboa

1

Reestruturao da actividade e dos canais logsticos

4

LEGENDAFronteira da Atractividade Residencial de Lisboa Corredor ou fim de linha? Territrio homogneo face ao Oeste e Lezria Territrio inserido numa Regio de Convergncia

1

A relao da Azambuja com as vrias Lisboas

4

Reestruturao da actividade e dos canais logsticos

Insero privilegiada nas rotas nacionais de circulao logstica reas agrcolas com interesse estratgico

5

Alteraes nos modelos sectoriais de criao de riqueza e emprego

2

A relao da Azambuja com os vizinhos

Aumento da relevncia do Comrcio e Servios na criao de emprego e riqueza

3

Ambiente e sustentabilidade como imagem partilhada de qualidade de vida com potencial de projeco turstica

Territrio com potencial de projeco turstica associada ao ambiente e sustentabilidade Articulao com Oeste e Lezria na coerncia do modelo residencial

Tendncias e articulaes de territrios com perfil homogneo Eixo de presso induzido pelo NAL (Novo Aeroporto de Lisboa) Traado previsto da nova linha do Oeste

Pgina 12 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

A viso estabelecida para o territrio de Azambuja pondera estas questes e assume opes claras, tendo presente que planear, definir objectivos e dar-lhes corpo numa imagem antecipada do que poder ser o territrio de Azambuja no horizonte de mdio prazo, significa:

compreender, em toda a sua extenso, o desafio logstico concreto que suportou o sucesso histrico de Azambuja, estruturando um mecanismo de canalizao das vantagens acumuladas por uma localizao que historicamente beneficiou de uma preferncia indiscutvel fixao de actividades logsticas, em termos de maturidade e enraizamento da base empresarial do sector no concelho e da solidez da bolsa de mo-de-obra ali existente, para a adaptao aos desafios futuros que se identificam para o sector no Pas, em que as opes para localizao de actividades logsticas esto a tornar-se mais competitivas. O elemento de diferenciao de Azambuja est associado solidez da sua base empresarial instalada, que lhe permite poupar esforos na captao de investimentos novos e canaliz-los para a implementao de mecanismos inovadores de sustentao de um patamar de atractividade que entretanto enfraqueceu; Tomar uma posio afirmativa no que respeita ao posicionamento de Azambuja enquanto territrio de ligao rea Metropolitana de Lisboa, que se obtm por aprofundamento da sua posio j firmada enquanto espao de localizao empresarial e logstica, e por intensificao do papel das empresas na captao dos fluxos nacionais e internacionais de trocas de e para a AML; Estabelecer uma posio concertada com os municpios do Oeste e da Lezria que compem a coroa envolvente da AML com modelo residencial homogneo no descongestionamento e envolvncia rural, no sentido de criar condies para afirmar um modelo residencial qualificado e impedir a desqualificao do respectivo perfil residencial; Tomar uma posio impulsionadora da dinamizao turstica do concelho, valorizando a mancha verde de um territrio dominado por espaos florestais e espaos agrcolas (quer integrados quer no integrados em reserva agrcola) e por uma extensa frente ribeirinha do Tejo, no s enquanto emblema de promoo e desenvolvimento de uma vocao turstica, ainda incipiente, no concelho, mas sobretudo enquanto argumento de robustecimento de um perfil de atractividade residencial baseado na conjugao entre bolsa de postos de trabalho e local aprazvel de morada; Valorizar as diferentes dimenses de governana que devem ganhar consistncia no concelho, quer enquanto modelos de cooperao e posicionamento escala supra-municipal, quer enquanto modelos de organizao e articulao de diferentes agentes econmicos escala municipal.

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES VISOPARA A UM CONCELHO QUE AFIRMA O EQUILBRIO ENTRE A SUA VOCAO LOGSTICA E EMPRESARIAL E A SUA BASE AGRCOLA

AZAMBUJA DE 2025

COMO CORREDOR DE ARTICULAO COM A REA METROPOLITANA DE LISBOA E QUE OFERECE A FRENTE TEJO COMO ARGUMENTO DE AFIRMAO DE UM MODELO RESIDENCIAL ALTERNATIVO E COMO EMBRIO DE VALORIZAO TURSTICA.

Pgina 13 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Subjacente definio da Viso para a Azambuja no horizonte de 2025 esto parmetros metodolgicos com repercusses operacionais que devem ser assumidas, em termos da fixao de objectivos e da respectiva abrangncia, da deciso de afectao de meios de financiamento, da articulao entre impactes e assumpo de responsabilidades executivas partilhadas, e da justificao para a validao de mecanismos de definio estratgica com preocupaes de articulao supra-municipal, quer enquanto processo de trabalho conducente definio estratgica, quer enquanto exigncia subjacente garantia de coerncia com as orientaes em matria de coeso, ordenamento e directrizes de planeamento de base territorial superior. Em termos sintticos, salienta-se que:

a Viso para a Azambuja traduz o modelo conceptual ambicionado para o percurso futuro do concelho. A sua concretizao depende de um processo complexo, que articula vrias dimenses de interveno, protagonistas e iniciativas, que precisam estar identificados e articulados numa Estratgia de Desenvolvimento, que se recomenda que seja mais incisiva e restritiva, porque orientada para os objectivos e condicionada por restries financeiras e tcnicas, e menos simptica e lata, porque no dever cobrir todas as reas e expectativas (da populao e dos agentes econmicos e sociais) com igual intensidade na afectao de meios. Definir uma estratgia de desenvolvimento implica fazer apostas e uma afectao desigual de meios, ou seja, implica a opo por reas de actuao prioritrias (necessariamente em nmero reduzido e ligadas por relaes de causalidade) e que possam ancorar outros processos de desenvolvimento. a Viso para a Azambuja deve ser passvel de traduo numa estratgia de desenvolvimento que incorpore a necessidade de promover uma concentrao dos recursos disponveis (financeiros, tcnicos, etc.) em iniciativas e projectos estruturantes para a prossecuo de objectivos assumidos como prioritrios, potenciando a obteno de resultados econmicos e sociais com impacte real na vida das populaes. Esta abordagem salienta a importncia do estabelecimento ou do fortalecimento das lgicas de cooperao pblico-pblico, entre os diversos nveis e mbitos da Administrao Pblica, e pblico-privado, de modo a sustentar estratgias de competitividade e coeso territorial duradouras no tempo e verdadeiramente impactantes. a Viso para a Azambuja estrutura um conjunto de objectivos globais definidos em funo do potencial individual de afirmao do concelho, tomando como referncia conceptual o seu quadro de insero regional e o mapa geral de temticas de articulao e de afirmaes individuais que faz sentido equacionar escala local e supra-municipal. A intensificao da concorrncia entre mercados e territrios tem vindo a introduzir mudanas nos mecanismos de planeamento estratgico e de afirmao de hierarquias. A qualificao, a diferenciao, a capacidade prospectiva e de concretizao dos objectivos fixados para um territrio, ditam a sua resilincia e a sua capacidade de se adaptar a diferentes contextos. Isto implica uma ateno e adequao da estratgia de cada territrio num processo continuado, que deve ser monitorizado e desenvolvido com parcerias estratgicas que maximizem as possibilidades de xito, construindo-se um plano-processo sustentado numa viso sistmica do territrio, que necessariamente considera as restries e os objectivos do planeamento estratgico de nvel superior.

Pgina 14 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Os objectivos de carcter estratgico desenhados para o Municpio de Azambuja devem, portanto, garantir coerncia com as orientaes em matria de coeso, ordenamento e directrizes de planeamento de base territorial superior, beneficiando de uma recomendada harmonia de planeamento entre os diferentes instrumentos de poltica pblica e da concertao com as polticas e estratgias de mbito supra-municipal (Anexo 2). Salienta-se:

a imperatividade desta coerncia estratgica supra-municipal, nomeadamente escala da NUTS III Lezria do Tejo, como mecanismo de acesso aos instrumentos de financiamento definidos ao abrigo do QREN 2007-2013, cujas orientaes recomendam a estruturao de estratgias e de prioridades/objectivos ao nvel supra-municipal; a recomendao de uma articulao operativa com os objectivos fixados no Programa Operacional Regional do Alentejo, induzida pela internalizao das implicaes no Territrio de Azambuja, derivadas da conjugao entre a sua polarizao face Grande Lisboa e a sua integrao, no que se refere ao acesso aos fundos estruturais, numa regio de Convergncia (sub-regio Lezria do Tejo, agora integrada na regio Alentejo), as implicaes que derivam para a Azambuja, das articulaes da estratgia nacional e das directrizes de ordenamento do territrio do PNPOT face aos objectivos especficos gizados no quadro comunitrio, ao nvel dos PROT aplicveis Azambuja (PROT-OVT e PROT-AML). A estratgia de desenvolvimento definida para o municpio de Azambuja deve garantir uma coerncia estratgica com as opes de desenvolvimento assumidas pelo PROT-OVT, onde se destaca: a promoo de um sistema de mobilidade e transportes mais eficiente e sustentvel, a estruturao do sistema urbano sub-regional/regional, a promoo dos recursos endgenos e a preservao da competitividade da agricultura e das exploraes, a proteco dos solos agrcolas da presso de urbanizao, a promoo turstica sustentvel, a minimizao das agresses ambientais e dos riscos ou a valorizao da paisagem. A integrao de Azambuja na rea de polarizao da AML assumida pelo PROT-AML (RCM n. 68/2002, de 8 de Abril; em reviso), que coloca o municpio de Azambuja na zona de articulao principal Norte da AML (segundo anel metropolitano) e no plo Carregado/Azambuja/Ota (apoiado por Alenquer, em equipamentos e servios), vocacionado para indstria, armazenagem e logstica (rea de ordenamento e requalificao prioritria plataforma logstica metropolitana). Azambuja surge associado a duas Unidades Territoriais: (1) Carregado/Ota/ Azambuja: rea de grande dinamismo em termos de localizao industrial, de armazenagem e de actividades logsticas, a ser potenciada pela localizao geogrfica, pela implementao do PRN2000 (IC11 e IC2) e pela construo do novo aeroporto de Lisboa (ainda se considerando a sua localizao na Ota); e (2) Lezria do Tejo: rea agrcola de excelncia da AML com elevado interesse em termos naturais, aspectos a exigir uma ponderao cuidada.

As implicaes que derivam para a Azambuja, da estratgia de desenvolvimento definida no documento Lisboa 2020 (CCDR-LVT, 2005), sob o lema Lisboa, uma regio interactiva centrada nas pessoas e distingue quatro eixos de desenvolvimento: Competitividade, Dinmica Territorial, Dinmica Social e Governabilidade. No tema da Dinmica Territorial salientam-se as implicaes derivadas do

Pgina 15 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

objectivo de articular e conectar Lisboa, interna e externamente, atravs de um desenvolvimento territorial sustentado e qualificado num modelo territorial que aplique os princpios da cidade compacta (privilegiar a reabilitao e qualificao de espaos construdos, controlar o crescimento urbano extensivo, etc.) e da polinucleao (complementaridade interna, emergncia de novas centralidades, organizao sistmica). Pretende-se abandonar o actual modelo radiocntrico e fragmentado e afirmar uma regio metropolitana polinucleada.

As implicaes associadas ao reconhecimento, pela Administrao Central, de que os municpios abrangidos pelos condicionalismos e medidas de excepo nos territrios adjacentes Ota, deveriam ser compensados, na sequncia da deciso de localizao do Novo Aeroporto de Lisboa (NAP) no Campo de Tiro de Alcochete. Esta compensao aos concelhos lesados levou definio de um Programa de Aco para os Municpios do Oeste e Quatro Municpios da Lezria do Tejo 2008 2017 (Programa de Aco AMO/4LT) e foi estruturada atravs da articulao de projectos/iniciativas que permitissem alavancar processos de desenvolvimento, onde se incluem projectos considerados como estruturantes na estratgica de desenvolvimento de Azambuja. Da conjugao deste Programa de Aco com as orientaes emanadas pelo PROT-OVT para a Porta Norte de Lisboa, e da assumpo de que a rea envolvente aos ns de Carregado e Aveiras coloca Alenquer e Azambuja em clara vantagem competitiva no quadro regional, gerando procura em actividades econmicas e mercado habitacional, surgiu o Programa de Aco Territorial da Zona Estratgica de Desenvolvimento de Alenquer/Azambuja, enquanto instrumento estratgico que permitisse coordenar e sustentar ambientalmente a presso urbana que se faz sentir sobre este territrio da rea Metropolitana Alargada e que constitui o principal territrio de entrada no maior mercado do pas, uma das principais Portas a Norte de Lisboa.

Pgina 16 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

2. Estratgia de Desenvolvimento para a AzambujaA Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja suportada por uma Viso formulada para o territrio de Azambuja no horizonte de 2025 que pretende dar corpo a uma percepo futura do territrio que integre elementos de ambio e de sonho, mas tambm de realismo e pragmatismo. A Viso define e selecciona objectivos prioritrios para um territrio diagnosticado prospectivamente luz do equilbrio entre as suas potencialidades e constrangimentos, cabendo Estratgia operacionalizar a sua concretizao. O realismo e o pragmatismo desta Viso esto associados percepo consciente dos desafios que se colocam base empresarial e logstica do concelho, que enfatizam a necessidade de se encontrarem caminhos que sustentem a atractividade do concelho enquanto plataforma de afirmao de novas tendncias da integrao entre a produo industrial e logstica. A apetncia complementar do concelho para a produo agrcola desempenhar um papel importante nesta reorientao dos mecanismos de afirmao produtiva de Azambuja, sobretudo se se conseguirem implementar os canais de organizao e governao exigidos a um concelho no qual se vo passar a fazer sentir presses concorrenciais at agora inexistentes. Nesta rea, a Estratgia dever estruturar uma interveno que garanta a continuidade da relevncia produtiva de Azambuja, considerando as alteraes que o contexto regional e sectorial introduzem. A ambio e o sonho desta Viso esto associados aos objectivos de valorizao de um patrimnio natural que deve fazer integrante dos vectores de atractividade e da imagem projectada pela Azambuja, e que, em paralelo, permite afirmar uma funo residencial mais atractiva, que acrescente j existente dimenso trabalho uma ainda incipiente dimenso de vivncia. A Estratgia dever estruturar mecanismos de interveno que projectem o contacto com a natureza como vector embrionrio de um modelo residencial equilibrado, que beneficie da complementaridade entre a atractividade do concelho para trabalhar e visitar.Figura 2: Da Viso Estratgia de Desenvolvimento para a AzambujaUM CONCELHO QUE AFIRMA O EQUILBRIO ENTRE A SUA VOCAO LOGSTICA E EMPRESARIAL E A SUA BASE AGRCOLA

VISO PARA A AZAMBUJA

SUPORTADA PELODIAGNSTICO PROSPECTIVO

COMO CORREDOR DE ARTICULAO COM A REA METROPOLITANA DE LISBOA E QUE OFERECE A FRENTE TEJO COMO ARGUMENTO DE AFIRMAO DE UM MODELO RESIDENCIAL ALTERNATIVO E COMO EMBRIO DE VALORIZAO TURSTICA.Capacidade Produtiva Interveno eficaz Preparar a visitao

Recomendaes do DiagnsticoCapacidade de Organizao Projeco de Imagem Valorizar com sustentao

Preparar o desafio logstico do futuro e reforar a capacidade de sustentao da base empresarial

Tornar o modelo residencial mais atractivo, valorizando a articulao com o espao natural envolvente

Canalizar benefcios associados ao patrimnio e beleza natura do concelho

A OPERACIONALIZAODA VISO

DEFINIO DE REAS PRIORITRIAS DE INTERVENO DITADA PELO EQUILBRIO ENTRE O POSICIONAMENTO ACTUAL DO CONCELHO E A FIXAO DE OBJECTIVOS FUTUROS DE AFIRMAO E DESENVOLVIMENTO: A ESTRATGIA COMO CAMINHO PARA CONSUBSTANCIAR A VISO

ATRAVS DAESTRATGIA

Uma Estratgia suportada por 3 Eixos Estratgicos e 3 Dimenses Transversais de Interveno

Pgina 17 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

A identificao dos trunfos de Azambuja constitui o mecanismo de correspondncia entre a Viso ambicionada para este territrio e a sua operacionalizao em caminhos que traduzem a hierarquizao de prioridades. Este mecanismo traduz-se na definio de Eixos Estratgicos de Interveno e na definio de Dimenses Transversais de Interveno, enquanto mecanismos facilitadores dessa mesma interveno. Azambuja um concelho que beneficia de dois trunfos diferenciadores. Beneficia da apetncia de uma localizao face aos eixos virios de circulao que levou a que no concelho se formasse um verdadeiro monumento artificial formado pela base logstica a existente e por uma significativa concentrao de empresas. E beneficia da insero num territrio onde o Rio Tejo e a sua frtil Lezria se conjugam num verdadeiro monumento natural. A estes trunfos diferenciadores esto, porm, associados um bloqueio e uma restrio. Um bloqueio que se prende com o aumento substancial da concorrncia entre opes de localizao logstica, que vieram retirar Azambuja a soberania de outrora, enquanto localizao que colhia todas as decises de fixao de operadores logsticos cuidar do bloqueio que pode colocar a Azambuja numa posio de fim de linha um imperativo exigido a um concelho que apenas precisa de sustentar o patamar de atractividade da base logstica que j ali est instalada, sem ter de desenvolver os esforos iniciais de promoo da atractividade fixao de empresas. Uma restrio que se prende com os padres de sustentabilidade, conservao e proteco que preciso garantir ao Rio Tejo, s suas margens ribeirinhas, Lezria e mancha verde existente na Azambuja incorporar esta restrio nas definies estratgicas a assumir pode favorecer o concelho na montagem de um perfil residencial que incorpore uma ligao facilitada ao meio natural envolvente e impedir que esse patrimnio natural seja danificado, antes mesmo de se terem capitalizado os benefcios potenciais desta articulao. Pensar o desenvolvimento futuro de Azambuja implica equacionar em que moldes estes trunfos diferenciadores podem ser utilizados com benefcio para o concelho e avaliar em que medida devem ser estruturadas intervenes em torno destes trunfos por forma a canalizar benefcios para outras temticas em que sejam tambm necessrios investimentos, mas em que eventualmente no existam trunfos. Implica, igualmente, considerar os bloqueios e restries existentes, incorporando-os na estruturao do perfil global de iniciativas e intervenes estratgicas. A estratgia de desenvolvimento para o concelho de Azambuja valoriza o papel que estes trunfos podem ter no concelho, estruturando intervenes orientadas para actuar directamente em reas que no constituem o topo da hierarquia de intervenes tpicas de um executivo municipal, como sejam os domnios empresarial e turstico, onde o papel dos agentes privados tende a ser mais activo, e estruturando a canalizao de benefcios indirectos resultantes dessas intervenes para as reas tpicas de interveno municipal, com forte conotao em termos dos vectores explicativos da qualidade de vida, e onde a responsabilidade de interveno primordialmente pblica. A estratgia de desenvolvimento para a Azambuja deve, portanto, ser pensada como uma estratgia autrquica alargada, estruturando-se com base numa deciso consciente de concentrao essencial de recursos financeiros nas apostas estratgicas assumidas em torno dos trunfos do territrio, na sua leitura de territrio para trabalhar e de territrio para visitar, e de planeamento paralelo dos investimentos

Pgina 18 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

necessrios nas funes bsicas que suportam os patamares fixados de qualidade de vida, na sua leitura de territrio para viver, sabendo que:

os trunfos diferenciadores de Azambuja abrangem reas em que a interveno caracterstica de um executivo municipal no , tradicionalmente, activa, e tende a restringir-se garantia de cobertura de patamares mnimos de satisfao da procura que confiram ao territrio um modelo competitivo mais equilibrado. o caso tpico da oferta de espaos qualificados de localizao empresarial, em que o papel de uma Cmara Municipal tende a resumir-se disponibilizao de espaos para localizao empresarial e a tornar-se mais difuso nas iniciativas concertadas para a dinamizao de modelos avanados de organizao e proviso de servios; ou o caso das intervenes na rea turstica, em que o papel de uma Cmara Municipal abrange obrigatoriamente o cumprimento das normas e imposies de carcter legal em termos de ordenamento e proteco ambiental, mas que se torna menos sistemtico e, como tal, mais dependente da iniciativa privada, nas intervenes efectivamente promotoras do potencial de atractividade turstica, onde se deve estabelecer obrigatoriamente uma interpretao alargada, que articule as dimenses patrimonial, natural e cultural. Na Azambuja, o desafio o de garantir que a Cmara Municipal de Azambuja e os diversos agentes econmicos com interveno relevante nestas matrias, implementam um modelo sistmico de interveno, suportado por mecanismos de conjugao de intervenes pblicas e privadas, que sustentem esse patamar de interveno mais aprofundado.

as necessidades de interveno que existem na Azambuja nos vectores conotados como elementos promotores de qualidade vida abrangem reas de interveno tpicas de um executivo municipal, como sejam as reas da educao, segurana, equipamentos colectivos, acessibilidades e mobilidade, qualificao do espao pblico, etc.. Na Azambuja, o desafio o de conferir sustentao aos pilares de um modelo residencial que oferea os vectores de modernidade exigidos pelos modernos estilos de vida, num quadro de articulao funcional com a envolvente natural que o concelho pode propiciar.

Pensar a estratgia de desenvolvimento para o concelho de Azambuja enquanto estratgia autrquica alargada garantir que ela pensada no equilbrio entre:

por um lado, a concentrao de apostas na valorizao dos trunfos do concelho e a respectiva estruturao em torno de dois Eixos Estratgicos de Desenvolvimento - Eixo 1: Qualificao e Valorizao dos Espaos Empresariais e Eixo 2: Valorizao do Patrimnio Cultural e Natural; e, por outro lado, a expectativa que os frutos da resultantes sejam canalizados com benefcios para a promoo da qualidade de vida e para a estruturao de um terceiro Eixo Estratgico de Desenvolvimento Eixo 3: Qualificao e Valorizao do Territrio para a Funo Residencial que arrecade a canalizao de benefcios derivada dos resultados cumulativos das iniciativas levadas a cabo ao abrigo dos Eixos 1 e 2, num modelo em que a atractividade para trabalhar e a atractividade para usufruir surgem como motores de qualidade de vida.

Pgina 19 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

A qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial (Eixo 3) assume um papel central na estratgia de desenvolvimento para a Azambuja, na leitura do territrio na sua componente de territrio para viver, assumindo-se como Eixo de Desenvolvimento Complementar, na medida em que beneficia das apostas de actuao justificadas por trunfos que se encontram em estdios diferentes de maturao:

beneficia de uma aposta na qualificao e valorizao dos espaos empresariais (Eixo 1), na leitura do territrio na sua componente de territrio para trabalhar, enquanto Eixo de Desenvolvimento de Continuidade. A canalizao de benefcios derivada do papel desta estratgia autrquica alargada estrutura-se no sentido da proviso de vectores basilares de qualidade de vida induzidos pela sustentao da base empresarial e de postos de trabalho. beneficia de uma aposta na valorizao do patrimnio cultural e natural (Eixo 2), na leitura do territrio na sua componente de territrio para visitar, enquanto Eixo de Desenvolvimento Embrionrio. A canalizao de benefcios derivada do papel desta estratgia autrquica alargada orienta-se para a percepo de qualidade de vida induzida por um modelo de vida facilmente articulvel com a natureza.

Figura 3: Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja encadeamento esquemtico de motivaes e justificaesImagem coerente Equilbrio entre as dimenses explicativas da atractividade territorial

Assumir posio activaAtractividade para trabalhar como motor de qualidade de vida Proviso de vectores basilares de qualidade de vida induzidos pela sustentao da base empresarial e de postos de trabalho Canalizar benefcios

Eixo 3QUALIFICAO E VALORIZAO DO TERRITRIO PARA A FUNO RESIDENCIAL

Atractividade para usufruir como motor de qualidade de vida

Percepo de qualidade de vida induzida por um modelo de vida com interaco facilitada com a naturezaCanalizar benefcios

Marketing Territorial e PromooFim de Linha Localizao perifrica nos corredores de circulao Cuidar de um bloqueio Contacto com a natureza Conservao e proteco da natureza Incorporar uma restrio

Eixo 1QUALIFICAO E VALORIZAO DOS ESPAOS EMPRESARIAIS

Eixo 2VALORIZAO DO PATRIMNIO CULTURAL E NATURAL

Monumento Artificial Base Logstica e concentrao de empresas Valorizar um trunfo

Monumento Natural Rio Tejo e Lezria do Tejo Valorizar um trunfo

Pgina 20 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Os Eixos da Estratgia de Desenvolvimento para o concelho de Azambuja so complementados por dimenses transversais de interveno que traduzem mecanismos para complementar, numa postura mais reactiva ou mais activa, aqueles objectivos centrais e, ainda que a sua estruturao seja primordialmente ditada por imperativos identificados num Eixo especfico de interveno, o seu impacto e a lgica interventiva subjacente devem ser equacionados ao nvel global da estratgia. Assim:

o bloqueio que em termos empresariais constitui a posio relativamente perifrica a que a Azambuja pode ficar confinada nos corredores de circulao, favorece a definio de uma estratgia participada, com a introduo da Governana e Capacitao enquanto dimenso transversal de interveno. Em termos estratgicos, a validade desta dimenso transversal de interveno est na garantia de um processo de consciencializao colectiva de que possvel conferir Azambuja a capacidade de incorporar mecanismos para contrariar atempadamente os efeitos de uma potencial posio de fim de linha nos corredores logsticos de circulao, por via de processos de alargamento da base sectorial de articulao com Lisboa. Partindo de uma posio confortvel conferida pela concentrao j instalada de operadores logsticos e pela densidade da sua base empresarial, a Azambuja precisa introduzir mecanismos de sustentao da continuidade da atractividade de outrora fixao de actividades logsticas, numa viso moderna e actual da logstica enquanto cadeia de valor e cadeia de abastecimento integrada, com capacidade de induzir a atractividade localizao empresarial dos seus segmentos mais representativos (agro-alimentar, indstria e servios).

a restrio que, em termos do patrimnio natural, constitui a necessidade de acautelar mecanismos slidos de conservao e proteco da natureza que garantam igualmente a viabilizao de um modelo de vivncia em efectiva insero e contacto com a natureza, favorece a definio de uma estratgia sustentvel, com a introduo da Sustentabilidade e Eficincia enquanto dimenso transversal de interveno. a posio activa que necessrio assumir na transmisso de uma imagem coerente do territrio de Azambuja, com equilbrio entre as dimenses explicativas da atractividade territorial, favorece a definio de uma estratgia com capacidade de comunicao, com a introduo do Marketing Territorial e Promoo enquanto dimenso transversal de interveno.

Figura 4: Estratgia de Desenvolvimento para a Azambuja sntese conceptualTipo de Interveno no concelho Tipo de Aposta Grau de Maturidade Condicionantes identificadas e repercusses na estratgia Condicionantes associadas Dimenses Transversais de Interveno

Eixos Estratgicos de Interveno

Dimenses de Leitura do Territrio

Eixo 1Qualificao e Valorizao dos Espaos Empresariais Eixo 2 Territrio para Trabalhar Valorizar um trunfo Eixo de Continuidade

Cuidar de um bloqueioLocalizao perifrica nos corredores de circulao

Governana e Capacitao

Incorporar uma restrio

Valorizao do patrimnio cultural e naturalEixo 3 Qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial

Territrio para Visitar

Valorizar um trunfo

Eixo Embrionrio

Conservao e proteco da natureza

Sustentabilidade e Eficincia

Territrio para Viver

Assegurar funes essenciais de qualidade de vida

Eixo de Desenvolvimento Complementar

Assumir posio activaEquilbrio entre as dimenses explicativas de atractividade territorial

Marketing Territorial e Promoo

Pgina 21 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Assumem-se como principais eixos da estratgia de desenvolvimento de Azambuja, os seguintes (a explicitar e desenvolver nos sub-captulos seguintes):

Eixo 1: Qualificao e valorizao dos espaos empresariais - Territrio Para Trabalhar Este eixo assenta na competitividade e valorizao empresarial alcanadas atravs da qualificao do parque logstico e da potenciao de reas de Localizao Empresarial direccionadas a Micro e Pequenas Empresas do concelho e da regio, que permitam dinamizar e posicionar os recursos endgenos e criar sinergias entre as actividades aqui instaladas, com base numa rede de conhecimento e inovao e na melhoria da qualificao da populao. A actuao da Cmara Municipal de Azambuja dever tambm apoiar a resposta da base empresarial instalada aos desafios que se colocam s actividades tpicas do concelho, nomeadamente nas fileiras de produo agrcola e agro pecuria e nas indstrias com forte componente de incorporao logstica. Haver tambm que investir num melhor posicionamento do concelho face s acessibilidades, quer para a logstica (reduo dos tempos de deslocao e criao de um n intermodal rodo-ferrovirio), quer para os cidados, melhorando a sua qualidade de vida e o padro de atractividade do concelho.

Eixo 2: Valorizao do patrimnio cultural e natural - Territrio para Visitar Este eixo assenta na valorizao e promoo do patrimnio, histrico, cultural e natural, estando estrategicamente ancorado no carcter rural do concelho, na beleza e importncia da Frente Tejo e da Lezria, no objectivo de promover a qualidade de vida dos residentes e na necessidade de que os produtos tursticos do concelho sejam integrados em redes regionais de promoo turstica, que lhes confiram escala e solidez e possibilitem a sua promoo junto de mercados diversificados e de um maior nmero de pessoas.

Eixo 3: Qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial - Territrio para Viver Este eixo ambiciona projectar uma percepo adequada do modelo residencial que se pretende para a Azambuja, com uma ruralidade moderna que alie a defesa da imagem rural, calma e desafogada do concelho (garantida pela preservao os valores ambientais e paisagsticos, pelo controlo da ocupao edificada do solo e pela consolidao e qualificao das reas urbanas), sustentabilidade, inovao e modernidade das solues urbansticas e das funes complementares funo residencial equipamentos colectivos e projecto educativo, servios, comrcio, etc.

A prossecuo da estratgia de desenvolvimento preconizada para Azambuja tem subjacentes dimenses transversais de interveno que passam por desenvolver uma estratgia de marketing territorial e de promoo do concelho que permita divulgar Azambuja nas suas diversas dimenses e contribuir para alterar a percepo exterior do municpio; colocar Azambuja na linha da frente em termos de sustentabilidade e eficincia, ambicionando que esta estratgia de desenvolvimento tenha subjacente uma nova forma de actuar sobre o territrio, sustentvel e sustentada, baseada em novas tecnologias e maiores nveis de eficincia; e promover a capacitao dos cidados, empresas e entidades pblicas locais, aliando estes aspectos s melhores prticas de governana. A Azambuja aposta em intervenes com estratgias diferenciadas para dimenses que se querem complementares e que dependem de diferentes factores crticos, tal como sintetizado nos quadros seguintes.

Pgina 22 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Quadro 2: Modelo de Interveno Estratgica e Factores Crticos dos Eixos Estratgicos de Desenvolvimento de Azambuja

Eixo 1: Qualificao e valorizao dos espaos empresariais - Territrio para Trabalhar um eixo de continuidade e de sustentao da atractividade de Azambuja, explorando as vantagens competitivas da sua localizao e do seu grau de independncia relativamente s estruturas econmicas e produtivas de outros municpios (Azambuja receptor-lquido de mo-de-obra), das sinergias e complementaridades com a economia da envolvente territorial e do facto de estarem sediadas no concelho importantes unidades logsticas e empresariais que podero alavancar o desenvolvimento de PME locais. exigida uma interveno que d resposta aos desafios impostos por um sector logstico onde est a aumentar a concorrncia de novas opes de fixao empresarial. Prevem-se repercusses na dimenso Territrio para Viver induzidas pela sustentao da base empresarial e de postos de trabalho, enquanto vector basilar de qualidade de vida do territrio. A dimenso Territrio para Trabalhar fortemente potenciada por projectos de valorizao dos espaos para localizao empresarial e do parque logstico e empresarial do concelho, pela capacidade em colmatar as carncias em matria de qualificao e capacitao empresarial e pela beneficiao, melhoria e diversificao das acessibilidades e modos de transporte. tambm influenciada pela capacidade em atrair investimento e em juntar esforos na promoo e valorizao dos produtos locais, nomeadamente entre os diversos agentes econmicos, e, paralelamente, pela flexibilizao dos modelos residenciais e de localizao de actividades.

Interveno Estratgica

Factores crticos

Eixo 2: Valorizao do patrimnio cultural e natural - Territrio para Visitar Assume-se como um eixo embrionrio, com fortes repercusses na dimenso Territrio para Viver, naquilo que se refere ao investimento em equipamentos culturais, de recreio e lazer e na canalizao de benefcios associada percepo de melhoria qualidade de vida induzida por um modelo de vida com interaco facilitada com a natureza. A estratgia para o turismo deve potenciar de forma inovadora as oportunidades criadas pelo importante patrimnio natural e paisagstico do concelho associado ao Tejo e ao Alto Concelho, com estmulo oferta de produtos inovadores e ao turismo em contexto rural, aproveitando a dinmica turstica de Lisboa (City Breaks) e do Oeste. A dimenso Territrio para Visitar moldada pela capacidade do municpio e dos seus parceiros em desenvolver projectos verdadeiramente inovadores que possam atrair visitantes e prolongar a sua estadia no municpio (dependente, neste caso, da criao de alojamento) e do processo de elaborao e do nvel de ambio do POLIS TEJO, mas tambm da capacidade em investir em equipamentos e servios que possam contribuir para a melhoria da qualidade de vida da populao e alavancar novas iniciativas.

Interveno Estratgica

Factores crticos

Eixo 3: Qualificao e valorizao do territrio para a funo residencial - Territrio para Viver um eixo de desenvolvimento complementar, assumindo-se como alicerce atraco de empresas e de pessoas para o concelho atravs da qualificao de aglomerados urbanos, da oferta qualificada de servios, equipamentos e infraestruturas relevantes para a funo residencial e da adequao das opes de ordenamento e planeamento do territrio aos objectivos de atraco e fixao de novos habitantes e de defesa dos valores identitrios do concelho. um eixo que beneficiar largamente do sucesso das intervenes previstas nos eixos 1 e 2, pela conjugao dos efeitos de atractividade para trabalhar (disponibilidade de postos de trabalho) e para usufruir (vivncia num quadro de articulao entre meio urbano e meiorural) enquanto motores explicativos de um padro elevado de qualidade de vida. A consolidao da dimenso Territrio para Viver moldada pela qualificao do territrio (muito dependente dos instrumentos de gesto territorial vigentes e a elaborar, e da sua gesto) e pela oferta de equipamentos e servios de excelncia s famlias.

Interveno Estratgica

Factores crticos

Pgina 23 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Quadro 3: Modelo de Interveno Estratgica e Factores Crticos das Dimenses Transversais de Interveno da Estratgia de Desenvolvimento de Azambuja

Governana e Capacitao Assume-se como dimenso de interveno que pretende cuidar de um bloqueio que pode remeter a Azambuja a uma localizao perifrica nos corredores de circulao, com impactos significativos no seu potencial de atractividade localizao logstica. Paralelamente, os mecanismos de governao, organizao e capacitao desenvolvidos servem de base generalizao recomendada de iniciativas concertadas de actuao, entre diferentes agentes econmicos, visando contribuir para objectivos comuns. O estabelecimento de uma boa governana um factor fundamental e transversal prossecuo da estratgia de desenvolvimento na medida em que diz respeito qualidade do exerccio do poder pblico, que se pretende menos centralizado, mais prximo da sociedade civil, mais transparente e mais aberto a parcerias e partilha de responsabilidades entre agentes pblicos e entre estes e os privados, nos diversos nveis. Estabelecer parcerias, mobilizando e sensibilizando os diversos parceiros com contributos complementares nas diversas temticas que contribuem para o desenvolvimento do concelho, quer entre entidades pblicas e privadas, quer entre diferentes nveis da administrao, so factores crticos para o sucesso de uma estratgia, na medida em que garantem patamares acrescidos de dimenso e massa crtica, e promovem a criao de complementaridades e sinergias indispensveis ao sucesso dos projectos e da prpria estratgia. A capacidade do municpio de Azambuja em articular os seus objectivos e estratgias com os dos concelhos da Lezria do Tejo, da regio Oeste e Vale do Tejo e da AML, e, internamente ao concelho, de garantir um quadro colectivo de objectivos Sustentabilidade e Eficincia A capacidade do concelho em utilizar e gerir de forma racional e sustentada os seus recursos energticos, em desenvolver e implementar aces e projectos verdadeiramente modernos e inovadores baseados em energias renovveis e tecnologias de baixa produo de carbono e em fomentar na sua comunidade comportamentos mais sustentveis, trar benefcios importantssimos no s, ainda que principalmente, em termos ambientais e energticos, mas tambm no que se refere imagem de modernidade e empenho com o futuro das geraes vindouras que se exige a um concelho na actualidade. Paralelamente, as intervenes previstas no sentido de promover uma maior intensidade de fruio e utilizao dos espaos verdes e zonas de proteco do concelho, devem ser enquadradas por preocupaes de sustentao e conservao. Factores crticos O sucesso deste processo depende em larga medida do comprometimento da autarquia no desenvolvimento e implementao de um Plano Estratgico Municipal e na sua capacidade em sensibilizar parceiros e stakeholders para a necessidade de alterar comportamentos e em dinamizar uma mudana radical em termos de gesto de recursos naturais e energticos.

Interveno Estratgica

Factores crticos

Interveno Estratgica

Marketing Territorial e Promoo Interveno Estratgica Factores crticos A reformulao e implementao de uma campanha de marketing e promoo do concelho nas suas diversas dimenses uma componente transversal de sustentao da estratgia uma vez que dela depende a percepo exterior sobre o concelho e, bem assim, a sua atractividade. O recurso a canais de promoo apropriados, a associao a marcas, produtos e valores de sucesso e a monitorizao constante do impacte da campanha (ou campanhas) de promoo so factores crticos.

Pgina 24 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

2.1 Eixo 1: Qualificao e valorizao dos espaos empresariais [ Dimenso do Territrio: para Trabalhar ]Azambuja um concelho de charneira entre a rea Metropolitana de Lisboa e as zonas de perfil mais vincadamente rural da Lezria do Tejo e do Oeste, cuja localizao privilegiada relativamente s acessibilidades rodo e ferrovirias (neste caso, apenas para passageiros) e a proximidade a Lisboa, o principal centro urbano e de consumo do Pas, contribui para a sua forte atractividade ao sector logstico e empresarial, em boa parte responsveis pela considervel dinmica econmica existente no concelho (em 2001, a Azambuja gerava 10.397 postos de trabalho sendo, tal como Lisboa, Palmela e Setbal, um receptor lquido de mo-de-obra). A localizao e a existncia de acessibilidades no so, por si ss, razo de atractividade j que, por exemplo, no sector da logstica, h um predomnio da gesto medida em tempo sobre a gesto medida em distncia. O parque logstico e empresarial de Azambuja / Vila Nova da Rainha depara-se na actualidade com importantes constrangimentos, com diferentes graus de gravidade, que importa dissipar, designadamente a saturao da EN3 e do n do Carregado da A1, a desadequao do traado e do nvel de servio da EN3 ao trfego de procura (penalizante para as actividades instaladas, mas tambm para a qualidade de vida dos muncipes), as debilidades associadas carncia de reas de apoio, ausncia de intermodalidade, entre outras questes. O facto do parque logstico de Azambuja no ter sido considerado no Programa Portugal Logstico, pode no representar uma desvantagem em si mesmo, uma vez que no concelho que esto afinal implantados vrios dos mais relevantes operadores logsticos do Pas. Importa, contudo, garantir que a Azambuja mantm a sua posio de destaque, perante a presso competitiva induzida pelo aumento das opes de localizao empresarial com potencial de atractividade logstica. Para alm da necessria capacidade de antecipao e monitorizao que qualquer territrio e actividade deve garantir continuadamente, Azambuja deve manter a guarda e permanecer competitivo naqueles que so os factores de atractividade para as actividades que lhe interessa manter e cativar. S assim ser possvel prospectivar a evoluo da procura e dos diversos sectores de actividade presentes no concelho, construindo uma oferta qualificada e interessante que torne menos apelativos outros espaos equipados e infraestruturados que possam surgir. As indstrias qumicas e metlicas, os servios de transportes, a logstica e comunicaes, a agricultura de base empresarial e a distribuio e comrcio tm pesos bastante expressivos no emprego de Azambuja, at quando comparados com a sua envolvente territorial. As actividades tpicas de Azambuja encontram-se perante desafios desencadeados escala internacional, em que que as actividades nucleares destes sectores esto a ser engrossadas pela internalizao da logstica associada, o que pode tornar a Azambuja muito atractiva a uma nova vaga de localizao de actividades, atradas pela maturidade de uma base empresarial logstica j existente que lhes pode proporcionar, simultaneamente, a focalizao na respectiva produo e o acesso excelncia de um servio logstico externo. Cabe Azambuja despoletar um processo de organizao e articulao entre agentes econmicos que sustente um modelo inovador de articulao entre empresas de sectores produtivos industriais e/ou agrcolas, e empresas dos sectores logsticos.

Pgina 25 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Os sectores tradicionais, nomeadamente a produo agrcola e agro-pecuria, assumem uma relevncia acrescida no contexto da economia local (como actividade complementar, em parte), at porque so aqueles em que as populaes concentram parte do seu saber e porque surgem muito associados vocao natural do territrio. Contudo, h necessidade de acrescentar maior valor aos produtos, implementando mecanismos produtivos mais avanados, recorrendo certificao da sua qualidade e denominao de origem, apostando em estratgias de marketing e promovendo a sua colocao em mercados competitivos atravs da grande distribuio (capitalizando as empresas sediadas no concelho) e de circuitos alternativos ou complementares. A proximidade AML uma vantagem que pode e deve ser mais explorada e rentabilizada. Assumem, portanto, uma importncia estratgica, a valorizao do parque logstico alargado de Vila Nova da Rainha/ Azambuja/ Casais da Lagoa e das acessibilidades que o servem, garantindo uma boa oferta de servios complementares (espaos de apoio, equipamentos, servios, alojamento, etc.) e a possibilidade de uma gesto operacional e de espao flexvel. Simultaneamente, h que garantir uma oferta qualificada de espaos de localizao empresarial (cuja carncia tem levado fixao de empresas noutros concelhos) que possam beneficiar da relao sinrgica e complementar com as actividades implantadas no concelho, assente na criao de uma rede de conhecimento e partilha de informao que inclua a base empresarial e logstica, a administrao pblica e centros de investigao e conhecimento. O concelho est integrado num territrio dinmico do ponto de vista da concentrao de unidades empresariais e da absoro de postos de trabalho (principalmente industriais), sendo que a dimenso mdia das unidades empresariais supera o patamar de alguns concelhos vizinhos, situao para a qual contribuem empresas como FCC Logstica, Jernimo Martins, Auchan, SONAE, Staples, Lus Simes, entre outras. Estas grandes empresas representam um importante potencial porque esto ligadas inovao e ao mercado, podendo alavancar o desenvolvimento de micro, pequenas e mdias empresas locais baseadas em recursos endgenos. O sector primrio (no que se refere concretamente agricultura, silvicultura ou produo animal) , claramente, um dos que pode lucrar com esta relao sinrgica com o tecido logstico e empresarial estabelecido no concelho. Nos ltimos anos este sector tem perdido representatividade na estrutura econmica concelhia, quer para o sector secundrio, quer, e muito principalmente, para o sector tercirio. Com efeito, no Alto Concelho o abandono rural surge associado pequena dimenso da propriedade, orografia e ao envelhecimento da populao, havendo que investir na modernizao da agricultura e da silvicultura e em novas formas de rentabilizar os terrenos agrcolas, i.e., num projecto que analise o problema, mobilizando as comunidades e os proprietrios dos terrenos, e aponte solues, quer para a questo fundiria, quer para o redireccionar da produo, de forma coerente com o tipo e a qualidade dos solos. S assim ser possvel promover um desenvolvimento integrado e equilibrado de todo o concelho. Destaque para o facto da proximidade de Azambuja a Lisboa e a geografia dos fundos estruturais fazerem antever uma maior procura por parte de empresas e outras organizaes, razo pela qual essencial que, atempadamente, se prevejam condies para os receber aproveitando as vantagens de atraco de actividades avanadas e competitivas, aliceradas em tecnologia, conhecimento, criatividade e sustentabilidade, que permitam diversificar o tecido produtivo e contribuir para um desenvolvimento robusto e sustentvel e para a criao de emprego.

Pgina 26 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Quadro 4: Objectivos do Eixo 1: Qualificao e Valorizao dos espaos empresariais

Objectivos associados Dimenso do Territrio para Trabalhar (Eixo 1)

Valorizao do parque logstico de Vila Nova da Rainha/ Azambuja/ Casais da Lagoa, promovendo o seu reordenamento e a qualificao dos aspectos que condicionam a atractividade do parque logstico:

Duplicao de vias na EN3, criao de reas de estacionamento, reduo do nmero de acessos directos EN3 e reformulao do n do Carregado da A1; Construo de variantes EN3 que permitam desviar o trfego de atravessamento e melhorar os tempos e condies de circulao, aspecto fundamental actividade logstica; Aposta na intermodalidade: concertao dos diversos operadores sediados no concelho no sentido de implementar um ramal ferrovirio dedicado, e respectivo n rodo-ferrovirio; Introduo de melhorias que garantam a mxima flexibilidade operacional e de espao e investimento em equipamentos, servios de apoio e infraestruturas qualificantes do parque logstico e empresarial e geradoras de economias de escala; Ajuste da rede de transporte pblicos ao nvel dos horrios e dos percursos para que constitua uma resposta mais adequada s necessidades da populao e empregadores.

Captao e fixao de investimentos, atravs da criao de uma dinmica de reforo da base empresarial do concelho, beneficiando da densidade empresarial j existente e das implicaes derivadas (know acumulado e bacia de mo-de-obra experiente, nomeadamente), e tirando inclusivamente partido dos critrios de afectao de fundos comunitrios. Criao de reas de localizao empresarial, para localizao de pequenas e mdias empresas, com vista ao robustecimento e valorizao do parque logstico e empresarial de Vila Nova da Rainha/ Azambuja/ Casais da Lagoa, mas tambm de novas reas de localizao empresarial em Aveiras de Cima Alcoentre. Estudo de viabilidade de novo esquema de acessibilidade ferroviria Oeste Lisboa assente na conexo entre a linha do Oeste e a linha de Azambuja, para aferir a viabilidade, relevncia e impacte de que o concelho de Azambuja se posicione como soluo possvel na conexo da Linha do Oeste, a partir da zona de Torres Vedras, a Lisboa, independente da Linha de Sintra (Plano Estratgico da Linha do Oeste). Valorizao das actividades produtivas tpicas do concelho, atravs da rentabilizao do solo agrcola improdutivo e da criao de uma relao sinrgica, de cooperao e parceria entre os grandes operadores logsticos e a base empresarial do concelho, particularmente no sector agro-industrial, que potencie a ligao ao mercado e inovao e recupere para a produtividade o territrio do Alto Concelho; Estruturar uma ruralidade qualificada, atravs de uma correcta articulao urbano-rural ao nvel das actividades econmicas, do modelo de vivncia e da sustentabilidade na utilizao dos recursos. Qualificao dos recursos humanos, atravs da criao de uma Escola Profissional e Profissionalizante que responda s necessidades das empresas sediadas no concelho e permita o alargamento das alternativas de progresso curricular para os residentes de Azambuja em geral e naquilo que interessa estrategicamente ao concelho. Criao de uma rede de conhecimento e partilha de informao que inclua a base empresarial, o sector logstico, a administrao pblica e centros de investigao e conhecimento;

Valorizao de mecanismos e instrumentos suportados por tecnologias de informao e comunicao: Alargamento da internet de banda larga e promoo de uma rpida e efectiva apropriao econmica e social das TIC; Contrariar a info-excluso; Promoo das TIC como instrumento fundamental de desenvolvimento territorial e de coeso social; Modernizao tecnolgica da Administrao Pblica, bem como do tecido empresarial.

Capacitao empresarial e institucional.

Pgina 27 de 136

AZAMBUJA 2025: UMA ESTRATGIA COM UM RIO DE OPORTUNIDADES

Na concretizao da estratgia deste eixo, a interveno da comunidade logstica e empresarial fundamental, na medida em que ter que chamar a si a responsabilidade partilhada por alguns dos projectos que so mormente do seu prprio interesse (muito embora, pontualmente, possa haver colaborao de entidades pblicas): o caso do ramal ferrovirio dedicado que permitiria a economia de recursos energticos e importantes ganhos de tempo, ou de algumas das intervenes de beneficiao e valorizao dos espaos logsticos e empresariais existentes e da implementao de equipamentos, infraestruturas e sistemas partilhados que podem gerar economias de escala extremamente relevantes. relevante o facto de Azambuja apresentar debilidades que condicionam o seu desempenho econmico e o seu potencial de desenvolvimento, quando se analisa a estrutura etria e de habilitaes da sua populao enquanto aspectos que debilitam a sua capacidade em dinamizar iniciativas e em reorientar o seu perfil de especializao. tendncia de envelhecimento da populao (que associa a diminuio da populao jovem ao aumento da populao idosa), s compensada pelo peso dos movimentos migratrios, na Azambuja associa-se um baixo patamar de habilitaes da populao (recorde-se que, de acordo com os Censos 2001, 42.1% da populao de Azambuja no tinha ido alm do 1 ciclo do Ensino Bsico, 17.8% eram analfabetos e apenas 3.4% da populao havia frequentado com sucesso o ensino superior). Esta uma questo sensvel que foi abordada por diversos empregadores do concelho, denunciando a fraca qualificao da mo-deobra e dificuldades no recrutamento e na reteno de trabalhadores. O processo de reorganizao e valorizao do tecido produtivo est dependente de uma aposta na qualificao dos recursos humanos, sendo portanto fundamental alargar as alternativas de percurso escolar no concelho e criar uma escola profissional e profissionalizante que responda s necessidades reais das empresas. O estabelecimento de parcerias, o funcionamento em rede e a partilha de informao e conhecimento, j referidos, a par de maiores nveis de inovao, aumentam a resilincia das organizaes, razo pela qual devem ser incentivados. Os processos organizativos e a promoo de mecanismos de articulao entre entidades podero vir a beneficiar da aplicao de plataformas modernas suportadas por Tecnologias de Informao e Comunicao (TIC).

Pgina 28 de 136

AZAMBUJA 2