PMA Magazine #1

of 13 /13
EDIÇÃO EM PORTUGUÊS Vol. VllI N o 77 – Mar/Abr de 2009 UNINDO AS COMUNIDADES DE IMAGEM PMA magazine - Edição em Português 1 Feira de contatos Os visitantes tiveram mais oportunidade para trocar experiências e fazer contatos comerciais na PMA deste ano C omo era de se esperar, a Convenção Internacional e Feira de Negócios PMA 09, realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, de 3 a 5 de mar- ço, não passou imune aos efei- tos da pior crise da economia norte-americana, que se reflete nos negócios do mundo todo. O número de visitantes, que vêm de diversos países, está sendo au- ditado e será publicado no site da PMA (www.pmai.org). Em contrapartida, o senti- mento geral entre os visitantes brasileiros (cerca de 60 em- presários/profissionais inscreveram-se para o evento) é que os contatos reali- zados na feira foram muito produtivos. “Neste momento de redução de custos, as pessoas que puderam visitar a PMA planejaram o que iriam buscar e tinham objetivos claros, e os expositores, com mais tempo, ofereceram atendimento bem melhor do que no ano passado”, explica Adelaide Anzolin, diretora co- mercial da Maxprint. “Fiz reuniões excelentes e muitos contatos; consegui falar com as empresas que precisava.” Segundo a executiva, a PMA 09 mos- trou que o momento é de consolidação de tecnologias para laboratórios. “Os equipamentos expostos são de tecnolo- gias já apresentadas, mas temos de lem- brar que jato de tinta, impressão a seco... são conceitos novos para o mercado de fotografia e ainda tem muita coisa que precisa ser adaptada nesse sentido”. Ela também gostou do programa de palestras, que começou dois dias antes, na Convenção da DIMA. “O líder tem de estar preparado para motivar a equipe da empresa e identificar as oportunidades na crise”, conclui. Mais de 350 palestrantes apre- sentaram-se em Las Vegas, in- cluindo as convenções das seis en- tidades ligadas à PMA. Entre eles, está o brasileiro Richard Ford, da Kodak Américas, que trabalhou por dez anos na filial do Brasil e hoje mora nos EUA. Sob o tema A Captura Digital e sua Influência nos Negócios de Imagem nas Américas, ele indicou os segmentos em expansão: acessórios, câmeras de vídeo, porta-re- tratos e linhas ecológicas. “Em tempos de desaceleração, muitos procuram prolon- gar a vida de seus bens com acessórios que custam menos do que trocar o produto”, ressaltou o palestrante. w >> Leia a opinião de Ana Maria Guariglia sobre os lançamentos da feira na pág. 2 Durante a PMA 09 O presidente David Ritz, da Ritz Camera Centers, que possui a maior rede do varejo fotográfico dos Estados Unidos (cerca de 800 lojas), deu uma entrevista para o jornal PMA Newsline sobre seu pedido de concordata, feito no final de fevereiro, e - o mais importante – qual será o futuro da empresa. “O grupo de bancos que nos dá suporte abriu uma linha de crédito de US$ 75 milhões para fazer frente às obrigações com os credores. A empresa estará devidamente reorganizada e voltará a operar dentro do esperado; provavelmente, antes do final do ano”, disse David Ritz. A combinação de alguns fatores, segundo o executivo, motivou o pedido de inclusão do grupo Ritz no capítulo 11, que corresponde à recuperação judicial nas leis brasileiras (processo em que a empresa ganha tempo para retomar o pagamento aos credores). Os fatores são os seguintes: queda nas vendas do varejo fotográfico em geral, economia em recessão e redução no uso de barcos para lazer, por causa do preço do combustível (o grupo também é dono da rede de 130 lojas de barcos e material de pesca Boater´s World). n PMA 09: reuniões produtivas com os expositores n O grupo, que tem 91 anos, é formado pela Ritz Camera, Wolf Camera, Kits Cameras, Inkley´s Camera, The Camera Shops, além da Boater´s World

Embed Size (px)

description

PMA Magazine #1

Transcript of PMA Magazine #1

  • E D I O E M P O R T U G U S

    Vol. VllI No 77 Mar/Abr de 2009

    U n I n D O A S C O M U n I D A D E S D E I M A G E M

    PMA magazine - Edio em Portugus1

    Feira de contatosOs visitantes tiveram mais oportunidade para trocar experincias e fazer contatos

    comerciais na PMA deste ano

    c omo era de se esperar, a Conveno Internacional e Feira de Negcios PMA 09, realizada em Las Vegas, nos Estados Unidos, de 3 a 5 de mar-o, no passou imune aos efei-tos da pior crise da economia norte-americana, que se re ete nos negcios do mundo todo. O nmero de visitantes, que vm de diversos pases, est sendo au-ditado e ser publicado no site da PMA (www.pmai.org).

    Em contrapartida, o senti-mento geral entre os visitantes brasileiros (cerca de 60 em-presrios/profi ssionais inscreveram-se para o evento) que os contatos reali-zados na feira foram muito produtivos. Neste momento de reduo de custos, as pessoas que puderam visitar a PMA planejaram o que iriam buscar e tinham objetivos claros, e os expositores, com mais tempo, ofereceram atendimento bem melhor do que no ano passado, explica Adelaide Anzolin, diretora co-mercial da Maxprint. Fiz reunies

    excelentes e muitos contatos; consegui falar com as empresas que precisava.

    Segundo a executiva, a PMA 09 mos-trou que o momento de consolidao de tecnologias para laboratrios. Os equipamentos expostos so de tecnolo-gias j apresentadas, mas temos de lem-brar que jato de tinta, impresso a seco... so conceitos novos para o mercado de fotografi a e ainda tem muita coisa que precisa ser adaptada nesse sentido. Ela

    tambm gostou do programa de palestras, que comeou dois dias antes, na Conveno da DIMA. O lder tem de estar preparado para motivar a equipe da empresa e identifi car as oportunidades na crise, conclui.

    Mais de 350 palestrantes apre-sentaram-se em Las Vegas, in-cluindo as convenes das seis en-tidades ligadas PMA. Entre eles, est o brasileiro Richard Ford, da Kodak Amricas, que trabalhou por dez anos na fi lial do Brasil e hoje mora nos EUA. Sob o tema A Captura Digital e sua In uncia

    nos Negcios de Imagem nas Amricas, ele indicou os segmentos em expanso: acessrios, cmeras de vdeo, porta-re-tratos e linhas ecolgicas. Em tempos de desacelerao, muitos procuram prolon-gar a vida de seus bens com acessrios que custam menos do que trocar o produto, ressaltou o palestrante. w

    >> Leia a opinio de Ana Maria Guariglia sobre os lanamentos da feira na pg. 2

    Durante a pMa 09o presidente David Ritz, da Ritz Camera Centers, que possui a maior rede do varejo fotogrfi co dos Estados Unidos (cerca de 800 lojas), deu uma entrevista para o jornal PMA Newsline sobre seu pedido de concordata, feito no fi nal de fevereiro, e - o mais importante qual ser o futuro da empresa. O grupo de bancos que nos d suporte abriu uma linha de crdito de US$ 75 milhes para fazer frente s obrigaes com os credores. A empresa estar devidamente reorganizada e voltar a operar dentro do esperado; provavelmente, antes do fi nal do ano, disse David Ritz.

    A combinao de alguns fatores, segundo o executivo, motivou o pedido de incluso do grupo Ritz no captulo 11, que corresponde recuperao judicial nas leis brasileiras (processo em que a empresa ganha tempo para retomar o pagamento aos credores). Os fatores so os seguintes: queda nas vendas do varejo fotogrfi co em geral, economia em recesso e reduo no uso de barcos para lazer, por causa do preo do combustvel (o grupo tambm dono da rede de 130 lojas de barcos e material de pesca Boaters World).

    n PMA 09: reunies produtivas com os expositores

    n O grupo, que tem 91 anos, formado pela Ritz Camera, Wolf Camera, Kits Cameras, Inkleys Camera, The Camera Shops, alm da Boaters World

  • PMA magazine - Edio em Portugus2

    lanamentos delas Vegas

    A jornalista Ana Maria Guariglia, de So Paulo, muito conhecida no mercado de fotogra a, analisa, neste artigo, os lanamentos de cmeras digitais que mais chamaram a sua ateno na PMA 09. Ela ressalta a mudana de recursos, que

    passaram a ser valorizados, nos equipamentos compactos. Informao importante para orientar o varejo na reposio de estoques e no atendimento ao consumidor nal.

    n ESTE ANO, A TRADICIONAL feira da PMA, mais uma vez rea-lizada em Las Vegas, mostrou que os fabricantes do mundo inteiro no esto com receio da to propalada crise econmica, que assola todos os pases. Mostrou tambm que os fabricantes no esto apostando tanto nos megapixels (MP) como anteriormente em outras

    PMA 09

    duas PMA. A bola da vez a camera-zinha graciosa que faz tudo com muito zoom, evidenciando que o poder da eletrnica est em reduzir os aparelhos, torn-los graciosos, para serem objetos de desejo, seja pela cor ou pela delicade-za de seus comandos.

    Dessa forma, as lojas do mercado de imagem (no mais fotogrfi co, estranho, no ?) devem comear a pensar para este ano em reformular a decorao de seus negcios, usando totens, tintas e pa-pis para chamar a ateno dos clientes. Mesmo que exista a crise, o melhor negcio investir, manter-se antenado com as novas tendncias e se voltar para as feiras brasileiras e internacionais, que oferecem vastos subsdios para seus ne-gcios.

    Havia mais de 500 marcas, com seus

    estandes. Entre eles, os da grande in-dstria mundial: Canon, Nikon, HP, Kodak, Fujifi lm, Olympus, Panasonic, Sony e Samsung. Meu foco recai sobre as cmeras compactas, porque toda a ateno est voltada para os usurios dessa linha. As cmeras re ex, alm de caras, formam um nicho do mercado profi ssional, sobretudo para publicidade e fotojornalismo.

    cMeras coMpactas

    Entre os produtos compactos, os desta-ques fi caram para as cmeras com super zoom. A CoolPix L100 da Nikon oferece zoom ptico de 15x10 megapixels, mo-nitor de LCD de 3 polegadas antirre e-xivo, alm de seletor de cena com vrias funes e um sistema para tirar 30 fotos consecutivas a 13 frames por segundo. A cmera possui quatro modos de estabili-zao de imagens e o sistema Smart (es-

    Maro/Abril de 2009

    PMA magazine - Edio em Portugus uma publicao dirigida aos associados da Photo Marketing Association International (PMAI/Brasil) Al. Irer, 115 06844-260, Embu/SP Tel./Fax: (11) 4781-2863e-mail: [email protected] site: www.pmai.org

    Editor: Roberto RicciJornalista Responsvel: Clia Domingues (Mtb 21.598) Arte: Biah Schmidt Os artigos assinados e as declaraes dos entrevistados no exprimem necessariamente a opinio da Associao. Copyright 2009. Todos os direitos reservados. Permitidas fotocpias para uso interno dos membros da PMAI/Brasil.

    E x p e d i e n t e n CoolPix L100 prova de erros

    n CL5 com MP3 player e slideshow

  • PMA magazine - Edio em Portugus3

    Maro/Abril de 2009

    perto) para fazer retratos. Como se v, prova de erros.

    Na mesma linha de esperteza, est a CL5 da Samsung com MP3 player embutido. No uma grande novida-de, porque o sistema MP3 j esteve em outras cmeras no passado, em modelos da prpria Samsung. Mas a cmera mul-timdia agradvel aos olhos do cliente, que v mais uma funo em sua maqui-ninha. A CL5 tambm tem um progra-ma interno para fazer slideshow: no necessrio adquirir um aparelho parte, que faz essa funo, e o usurio pode in-crementar o slideshow com uma trilha sonora. Tambm exibe vdeos e o moni-tor tem 2,7 polegadas. A cmera tem 9 MP e zoom ptico de 3X - (38-114mm equivalente a 35mm). Inclui outros re-

    lembrarmos que esse artifcio s tende a piorar as imagens, uma vez que baixa a resoluo na aproximao enganosa. Parabns aos fabricantes, por facilitarem a vida de lojistas e dos representantes das marcas no Brasil!

    A Fuji trouxe para a PMA a cmera compacta FinePix F200EXR, que incor-pora a novidade, revelada em setembro passado, do sensor da Fujfi lm, o Super CCD EXR (da o EXR em seu nome) com 12 MP. a primeira cmera que sai de fbrica com essa tecnologia. O sensor Su-

    per CCD EXR do tipo 3 por 1, ou seja, permite que a cmera decida quais as trs formas de captura que o sensor pode fa-zer: resoluo otimizada, latitude de cor dinmica, e alta performance em baixa luz. Talvez o usurio no compreenda es-sas solues, mas vai not-las na prtica, isso porque o EXR entrega uma imagem com mais qualidade visual que um sen-sor CCD comum. O monitor LCD tem 3 polegadas, zoom ptico de 5X, dupla es-tabilizao de imagem e vdeo HD, fator que uma constante nas cmeras, graas s tevs digitais. Pode usar os cartes XD,

    nova tecnologiaBatizado de Fujifi lm Finepix Real 3D System, trata-se de um pacote de produtos e servios de imagem digi-tal, formado por cmeras, visores/por-ta-retratos eletrnicos e at sistemas de impresso. O conceito do Real 3D para capturar as imagens do mesmo modo que nossa viso, utilizando ob-jetivas gmeas e separadas por uma distncia proporcional ao dos olhos humanos. Para tanto, a Fuji desenvol-veu um processador de imagem (RP Processor 3D) e um par de objetivas especial-mente voltadas para aplicaes em 3D, tornando possvel capturar duas imagens idnticas sem variao de qualidade, foco ou exposio. Para o visor da cmera, a Fuji desenvolveu uma tela LCD de 2,8 polegadas, que permite a visualizao de imagens em 3D e at mesmo de fotos convencionais com alta defi nio.

    Para seus porta-retratos eletrnicos, a empresa desenvolveu uma tela LCD batizada de FinePix Real 3D Photo Frame, de 8,4 polegadas, que vir com mdulo de controle de direo de luz, montado na parte de trs da tela. Sua funo direcionar diferentes imagens para cada olho e assim criar a iluso de tridimensionalidade sem o uso de culos polarizados. No futuro, essa cmera tambm poder ser usada para outras aplicaes, como fotos panormicas, e at fi lmar com uma objetiva e tirar fotos com outra. A Fuji no tem previso para a venda dos produtos com essa tecnologia.

    n EasyShare Z980: zoom ptico de 24 X

    cursos, como detector de rostos e seleo de cenas automticas.

    A Kodak anunciou a mega EasyShare Z980, a compacta com zoom ptico de 24 X e objetiva grande-angular de 26mm. Chamam a ateno a liberao do obtu-rador vertical, o apoio vertical remov-vel e a gravao de vdeo em HD. Esse modelo tambm foi no CES (Consumer Electronic Show), no incio do ano. Tem tela de 3 polegadas (7,6 cm) e objetiva Schneider-Kreuznach Variogon. Dos outros trs novos modelos EasyShare, a M380 possui sensor de 10 MP, LCD de 2,7 polegadas e zoom ptico de 5X. A M340 tem 10 MP; e a M320 tem 9 MP, com CD de 2,7 polegadas e zoom ptico 3X. Todas essas cmeras possuem o sis-tema SmartCapture, para que ningum tenha problemas com as cenas.

    interessante observar que os fa-bricantes no esto mais dando nfase ao zoom digital. Isso muito bom, se

    n finePix f200EXR: novo sensor CCD

    n Cyber-shot T900 tem microfone estreo

  • PMA magazine - Edio em Portugus4

    PMA 09Maro/Abril de 2009

    SD e SDHC. O s outros modelos como A150 e A100 vem com um sensor CCD de 10 MP, zoom ptico de 3X, detector de rostos com remoo de olhos verme-lhos, e 14 modos programados de cenas, incluindo o modo filme. A A150 tem monitor LCD de 3 polegadas e a A100 de 2,7 polegadas.

    A Sony mostrou muitos modelos de compactas Cyber-shot, as DSC-T900, DSC-T90, DSC-W290, DSC-W230 e DSC-H20, famosas point-and-shoot prova de erros. Todas tm as caracte-rsticas normais das compactas atuais e permitem fazer vdeos de 720 pixels. So baseadas em MPEG4 e a T900 leva de quebra um microfone estreo. Um ponto curioso das cmeras T900, T90, W290 e H20 a parte tcnica, que pos-sibilita detectar cenas de forma autom-tica. Essa funo, batizada de Intelligent Scene Recognition (iSCN), detecta oito cenas, reconhecendo todos os elementos da imagem a ser clicada em um tero de segundo. A resoluo das cmeras varia de 10,1 MP a 12,1 MP, com zoom ptico

    mera compacta, como detector de rostos e escolha automtica de cenas. A SX200 IS tem um corpo bem pequeno e zoom ptico de 12X, equivalente a 28-336 mm. O monitor LCD de 3 polegadas e pos-sui as funes automticas da D10, alm de gravar vdeos em alta resoluo HD.

    A Olympus Stylus 9000 tem CCD de 12 MP e controle inteligente, que iden-tifica automaticamente a cena na cme-ra, retratos, paisagens, retrato noturno, macro ou esporte. A funo Panorama captura trs imagens e as junta para criar uma foto panormica. Isso sempre atrai o comprador. Basta pressionar o boto do obturador e fazer lentamente o pan ou giro pela cena. Segue a tendncia mundial de estabilizao da imagem, com funo dupla. Captura imagens n-tidas at com o assunto em movimento.

    A cmera digital Lumix DMC-FZ28 da Panasonic possui 10,1 MP de resoluo, com zoom ptico de 18X (e zoom digital de 4X). A tela LCD de 2,7 polegadas. Contm 50 MB de memria interna e grava vdeos HD. As outras funes in-cluem os modos automticos para cap-tura de fotos.

    Minilabs e iMpressoras

    Vale ressaltar a participao, na PMA 2009, da Noritsu, lder em minilabs, mostrando a D703. O minilaboratrio de

    impresso a seco (dry) no usa produtos qumicos, mas tintas, alis, criadas pela Seiko Epson. Com essa tecnologia, voc pode trocar o papel de impresso sob a claridade normal do estdio. Segundo a empresa, o minilab permite criar muitos trabalhos no setor de acabamento fo-togrfico. Se voc esteve no estande da Noritsu, deve ter visto as excelentes im-presses. Isso acontece porque as tintas da D703 possuem estrutura molecular extremamente combinada.

    A tecnologia da HP foi a mais destacada na PMA 09, com a A636. A impresso a jato de tinta trmica, 600 bocais da cabea de impresso e velocidade: fotografia em cores 10x15 cm (papel fotogrfico), ras-

    n PowerShot D10 bem resistente

    n Linha Stylus foi destaque da Olympus

    de 4X e objetivas Carl Zeiss Vario-Tes-sar. Elas so equipadas com ferramentas de edio e arquivamento, que formam um bom atrativo nos pontos-de-vendas, alm do PhotoMusic, que oferece som com slideshow.

    A Canon apresentou vrios modelos compactos, entre eles o PowerShot D10 e o SX200 IS. A primeira cmera prova dgua at dez metros, e se cair no cho, cerca de 1,22 metros, permanece inteira. A medida corresponde em metragem a distncia entre a mo e os ps. Tambm prova de poeira. Tem 12,1 MP, zoom ptico de 3X e tela de LCD de 2,5 pole-gadas. Inclui todas as funes de uma c-

    cunho em apenas 27 seg, com margem e ligao direta. Em normal, em apenas 40 seg, com margem e ligao direta tam-bm. A qualidade de impresso vale ser conferida: at 4800x1200 ppp optimiza-dos (em papel fotogrfico HP Advanced). H compatibilidade com sistemas opera-tivos Microsoft Windows XP Home, XP Professional, certificado para Windows Vista e Mac OS X v10.3.9, v10.4. O pai-nel ttil, em cores de 12 cm (a rea de visualizao de 8,9 cm), memria de 64 MB, e as linguagens da impressora so da HP PCL 3 GUI. Suportes recomendados: papel HP Advanced para fotografia 10x15 cm e 13x18 cm. w

    > Ana Maria Guariglia jornalista desde 1984. Especializou-se em Tecnologia Digital e Tecnologia de Informao e visita a feira PMA nos EUA h 22 anos. Atualmente, escreve para revistas e para o Dirio do Comrcio (SP).

    n D703, novo minilab a seco

    n Impressora HP A636

  • PMA magazine - Edio em Portugus5

    Maro/Abril de 2009

    AssociAdos

    o caminho para crescer

    PMA magazine: O senhor se lembra o que motivou a Roland a tornar-se associada da PMAI/Brasil em 1999? Takao Shirahata: Em 1998, a Roland DG (fabricante japonesa de impressoras cujos produtos so distribudos pela Roland Bra-sil) lanou a FJ-50, a primeira impressora de grande formato do mundo com seis co-res e 1440 dpi. No ano seguinte, visitei, pela primeira vez, a feira PMA, em Las Vegas. Fiquei impressionado com a organizao, o profissionalismo e o tamanho do merca-do fotogrfico. Percebi que ser membro da PMA seria a melhor forma de nos manter-mos informados sobre o mercado fotogr-fico, as novidades e as tendncias.

    Desde 1999, muita coisa mudou. Acompanhei a transio das cmeras analgicas para as digitais, do minilab analgico para o digital. Enquanto o mercado fotogrfico vivia os momentos de incertezas e dvidas sobre essa transio, eu acreditava que no era a hora de entrarmos no mercado. Foi efeti-vamente em 2006, na feira Pho-toImageBrazil, que estreamos com o equipamento com tinta base de solvente leve. Mas foi em 2007, com a criao da Divi-so do Mercado Fotogrfico da Roland, que passamos a marcar presena no mercado.

    PMA magazine: Como est hoje a Diviso do Mercado Fotogrfico: a empresa man-tm os investimentos? Takao: Com certeza, vamos continuar a investir no mercado fotogrfico, pois cada venda concretizada indica que estamos no caminho certo. Em maro, vamos inaugu-rar o Photo Creative Center, showroom voltado exclusivamente ao mercado foto-grfico, repleto de solues e idias para o lojista e o fotgrafo profissional. Esse espao no dedicado somente s novas vendas, mas tambm para receber os clien-tes que queiram tirar dvidas, conversar

    A Roland Brasil est entre os associados mais antigos da PMA no Pas. Seu presidente, Takao Shirahata, que sonha-va ter uma loja de fotografia, lembra como essa parceria comeou. Ele fala sobre as novidades da fabricante de impressoras para o varejo e o fot-grafo profissional: solues para fo-toproduto instantneo, showroom exclusivo, treinamentos especficos... E garante que a Diviso do Mercado Fotogrfico continua firme.

    sobre o andamento dos negcios. O Pho-to Creative Center ser tambm o local de treinamento de vendedores que atendem o mercado fotogrfico.

    PMA magazine: Em agosto de 2008, a Ro-land divulgou que a rea de fotografia de-veria responder por 10% do faturamento da empresa no prazo de um ano. A empre-sa mantm a expectativa? Takao: O ano de 2008 foi atpico, pois tive-mos uma forte demanda na rea de comu-nicao visual devido s campanhas eleito-rais. Com isso, no foi possvel para a rea de fotografia, alcanar os 10% almejados, mas em termos de quantidade de equipa-mentos vendidos, no temos nada a recla-mar. Nossa expectativa dar continuidade ao crescimento e esperamos vender 50% a mais que 2008. Paradoxalmente, isso deve ocorrer devido a dois fatores: Crise no se-tor e concorrncia.

    Em setores como o mercado fotogrfi-co, que passa por uma mudana profun-da no modelo de negcio, a crise significa oportunidade para empresas como a Ro-land DG, que est chegando com solu-es alternativas ou complementares aos modelos do passado. A concorrncia para

    n Takao Shirahata presidente da Roland Brasil, empresa associada desde 1999

    n Recordao da primeira visita PMA

  • PMA magazine - Edio em Portugus6

    AssociAdosMaro/Abril de 2009

    ns tambm importante. A Roland DG trouxe ao mercado fotogrfico a soluo de impressora jato de tinta com tinta solvente leve, num cenrio em que 100% utilizam tinta a base de gua. Tivemos que quebrar o preconceito de que tinta solvente sin-nimo de baixa qualidade e cheiro forte.

    PMA magazine: Quais so as novidades de produtos? Takao: Quando entramos no mercado de fotografia, demos prioridade para mostrar os recursos e as possibilidades de uma im-pressora solvente leve com o sistema con-jugado de impresso e recorte. Lanamos o conceito de foto-produto-instantneo. Em outubro de 2008, a Roland DG lanou a RS-640, impressora de 1.60m de largura, porm sem o sistema de recorte. Embora a maioria dos equipamentos vendidos para o mercado fotogrfico tenha sido com Im-presso e Recorte, a RS-640 ser uma tima

    opo para quem s quer imprimir (sem re-corte), mas tendo disposio uma largura muito boa, padro das mdias disponveis no mercado. Temos tambm as impresso-ras digitais por impacto Metaza MPX-70 e MPX-80, que atravs de microagulhas gravam na superfcie (metais, acrlico, pls-tico) imagens e textos, agregando resoluo e velocidade. Outras solues inovadoras incluem impresso de qualidade fotogrfica em transfer e aplicao de cristais Swarovski em personalizao de fotoprodutos. Tem muita novidade chegando.

    PMA magazine: E como est a Roland Academy? H cursos especficos para lojis-tas e profissionais de fotografia?

    Takao: J realizamos vrios cursos na Ro-land Academy, principalmente na rea de treinamento de utilizao das impresso-ras. Este ano, vamos ampliar o leque de cursos incluindo temas como Tratamento de Imagem e Sada em Impressora Ro-land, Curso Bsico e Avanado de Plotter de Recorte para o mercado fotogrfico, Tratamento de Imagem para Impresso-ras Metaza, Mdias para Impresso e suas aplicaes e como desenvolver fotopro-dutos instantneos. Na medida das neces-sidades dos clientes, vamos criando novos cursos com nosso pessoal interno ou em parceria com consultores, profissionais do mercado e instituies de ensino. Cer-tamente, esta crise no uma marolinha, mas tambm no ser nenhum tsunami. A Roland vai continuar firme no mercado fotogrfico e mostrar que estamos aqui para ajudar o lojista a enfrentar a crise e sair ainda mais fortalecido dela. w

    Vamos vender 50% a mais em 2009

    ATENO>> cadastro em dia: Associado, mantenha o endereo do seu e-mail atualizado na PMAI/Brasil, para receber regularmente este PMA magazine. O jornal no mais impresso e ser enviado apenas por e-mail. Qualquer mudana, informe a PMAI/Brasil, pelo tel./fax: (11) 4781-2863 ou pelo e-mail: [email protected]

    >> Revista em ingls: A revista PMA magazine, produzida na sede da Entidade, nos EUA, tambm deixa de circular em papel. Est disponvel no site www.pmai.org/magazine. Quem deseja continuar a receb-la pelo correio, pode fazer a assinatura anual, por US$ 50. Informaes: [email protected]

    Novos AssociAdos n Edegar Cavalheiro - Foto Estdio - Santo ngelo (RS)n Houssein Diab - Digital Center - Foz de Iguau (PR) n Jos Wanderley C. Coelho - Revela Photo DigitalSo Paulo (SP)n Raphael Levy - Israco - So Paulo (SP)n Reynaldo de Menezes - Foto Studio EquipeSo Paulo (SP)n Thiago Pimenta C. de Carvalho - TecnifotoSo Paulo (SP)n Wilson de Godoy - Wigon - So Paulo (SP)

  • PMA magazine - Edio em Portugus7

    Maro/Abril de 2009TeNdNciAs

    os reflexos da crise mundialNovo estilo de consumo, nos EUA, que valoriza a simplicidade, pode

    influenciar o mercado de outros pases. E, no varejo, uma regra ganha mais fora: a empresa tem de estar voltada para o cliente.

    o consumidor norte-americano mudar radical-mente, em decorrncia da experincia que est vivendo com a crise econmica, e poder influenciar o comportamento dos consumidores de outros pases. O alerta dado pelo consultor Marcos Gouva de Souza, especialista em varejo, que participou da NRF 2009, importan-te conveno de varejo, realizada em janeiro, em Nova Iorque, EUA. Uma das tendncias apresentadas no evento o resgate da simplici-dade: O consumo desenfreado, o luxo despropositado e o desperd-cio perdero espao nos Estados Unidos. Atualmente, o excesso j est sendo mal-visto e considerado politicamente incorreto.

    O fato de o presidente da GM ter viajado de jatinho, com a mon-tadora em dificuldade financeira, at Washington, para pedir dinheiro ao Congresso Americano, teve repercusso muito negativa na imprensa, exemplifica. Por outro lado, a primeira-dama Michelle Obama tornou-se referncia de comportamento, por misturar roupas de lojas massificadas com peas de grife. Esse novo estilo de consumo, que valoriza a sim-plicidade, sem perder a classe, ser retratado em filmes, na mdia, na comunicao, e assim chegar aos consumidores do resto do mundo.

    As empresas, por sua vez, tendem a voltar-se para re-pensar sua origem, seus conceitos, valores, foco, prticas, formas de atuao, preparando-se para estar em sintonia com os cenrios que possam surgir. Esse movimento deve incluir a rediscusso de itens como preos, produtos, ser-vios, distribuio, entre o varejo e seus fornecedores. O crescimento das lojas e marcas prprias ser acelerado, nos

    prximos dois anos. No Brasil, o potencial de expanso das marcas prprias grande, principalmente em super-mercados e lojas de vesturio, mas podem crescer em to-dos os setores, prev Marcos Gouva.

    A competitividade em alta provocar a acelerao de um outro processo: as empresas aumentaro a oferta de ser-vios aos produtos comercializados para garantir a dife-renciao e, sobretudo, melhorar receitas e resultados. O especialista cita o exemplo das lojas Apple, nos EUA, que

  • PMA magazine - Edio em Portugus8

    TeNdNciAsMaro/Abril de 2009

    lanaram diversos servios (pagos pelo cliente), como con-sultoria de compra com hora marcada, treinamento pes-soal, atendimento exclusivo para pequenas empresas, as-sessoria virtual, centro de reparo na loja, etc. No mercado brasileiro, ele destaca as empresas Fast Shop e Carrefour, que tambm vendem servios de instalao, orientao e manuteno de produtos de informtica (cmeras digitais, inclusive), entre outras linhas. Um case interessante o da Brastemp, que deixa de ser a fabricante de purificador de gua para tornar-se a fornecedora de gua pura na casa do cliente, incluindo o contrato de manuteno. uma mudana estratgica relevante.

    inVestiMentos no brasil

    A baixa perspectiva de crescimento econmico nos EUA, Japo, Espanha...; a cultura bem diferente da Turquia; o n-mero reduzido de habitantes na Austrlia; a dificuldade im-posta pelas grandes empresas que j atuam no mercado da China; entre outras limitaes, em vrios pases, colocam o varejo brasileiro em posio privilegiada para atrair os inves-timentos externos. Daqui a dois ou trs anos, o Brasil rece-

    ber investimentos de empresas de fora e dos fundos que j atuam no varejo nacional. O Brasil diferencia-se por possuir populao jovem e alto grau de urbanizao, elementos que estimulam o consumo, diz Marcos Gouva. Esse cenrio agilizar o processo de consolidao do varejo brasileiro, com novos canais, formatos, bandeiras e marcas.

    A informalidade ser reduzida no Brasil, na anlise do consultor, contribuindo para a consolidao do varejo. Com o desaquecimento das vendas, o governo deve aper-tar o cerco para aumentar a arrecadao tributria. Eles nunca tiveram tanta informao e podem cruzar os dados para cobrar os impostos dos informais. Ser uma trans-formao profunda para o setor varejista, que promover a competio tica, a atuao competente e a expanso das empresas que sempre operaram na formalidade.

    Foco no cliente

    Mais do que nunca, as empresas tero de monitorar o que acontece com o consumidor. Ele ser ainda mais mutan-te, pragmtico e aberto s experimentaes, com um novo equilbrio entre a vontade de consumir e a razo (consu-mo consciente). No varejo norte-americano, fala-se muito da importncia de ser uma empresa voltada para o cliente (customer centricity), para superar a crise econmica e di-ferenciar-se no mercado competitivo. Isso significa apro-fundar o conhecimento de compradores e consumidores, entender atributos valorizados, segmentar clientes e definir clara proposta de valor. A empresa precisa fazer escolhas e eleger os atributos que sero focados, explica o consultor Alberto Serrentino, tambm especialista em varejo.

    Sustentabilidade socioambiental um atributo que est sendo levado a srio pelo consumidor e oferece oportu-nidades de negcio para o varejo. A empresa pode aderir aos poucos, como, por exemplo, incorporando alguns produtos verdes ao sortimento da loja, mudando em-balagens, promovendo a reciclagem. A sustentabilidade valoriza a marca, reduz custos e gera vendas, mas precisa estar na cultura da empresa. Se o cliente perceber que a empresa aderiu por modismo, pode reagir negativamen-te, alerta Alberto Serrentino. Ele lembra que a maioria dos clientes no quer pagar mais pelo produto amigvel ao meio ambiente.

    Outra experincia que deve agradar cada vez mais o con-sumidor a compra multicanal. No varejo norte-ameri-cano, os canais esto mais integrados e o cliente ganhou flexibilidade na operao. Na prtica, a empresa oferece diversas alternativas e o cliente decide o que fazer: se com-pra online e retira na loja; compra na loja pela Internet ou por telefone; decide a compra pelo catlogo e processa online; entre outras combinaes, envolvendo call center, quiosque e celular. Quando a empresa oferece mais op-es, melhora a relao com o cliente. O desafio, no entan-to, fazer a gesto de tudo isso, conclui.

  • PMA magazine - Edio em Portugus9

    lDer FUnDaMental

    Para a consultoria Gouva de Souza, que h 20 anos es-tuda o varejo, a situao do mercado brasileiro, que apre-senta sinais de desacelerao, mas espao para crescer e perspectivas de recuperao no mdio prazo, bastante diferente do momento norte-americano. A dimenso dos problemas no Brasil, gerados pela crise mundial, depende-r muito da forma como empresas, empresrios, forma-dores de opinio, governo e mdia tratarem o assunto. No contexto empresarial, o lder que pode fazer a diferen-a. Ele deve transmitir a realidade verdadeira da empresa; criar alternativas para enfrentar os problemas; motivar as pessoas; trabalhar a inovao; cortar recursos com bom senso para manter o que vivel; e, sobretudo, motivar e reter os melhores talentos.

    Pesquisa realizada pela Gouva de Souza, no comeo deste ano, aponta a postura positiva das empresas no Brasil para superar a crise. A consultoria ouviu 95 em-presrios e executivos brasileiros, que participaram da NRF 2009, conveno de varejo realizada, em janeiro, nos EUA. Do total, 93% declararam ter planos de expanso para 2009; 83% pretendem manter ou ampliar o nmero de empregados; e 90% declaram-se otimistas - em graus distintos. w

    Maro/Abril de 2009

    Plano de ExpansoModerado 55%Muito agressivo 24%Pouco agressivo 13%no sabe 8%

    quadro de funcionriosAumentar 42%Diminuir 12%Permanecer 41%no sabe 5%

    Sentimento geral da empresa Pouco otimista 62%Muito otimista 28%Pouco pessimista 8%Muito pessimista 1%no sabe 1%

    5% no

    93% sim

    Sua empresa possui planos de expanso?

    2% no sabe2% no sabe

    Base: Total da Amostra: 95 entrevistas - Fonte: GS&MD Gouva de Souza

    A consultoria Gouva de Souza fez a pesquisa, no comeo deste ano, com empresrios e executivos brasileiros (de grandes organizaes do varejo, inclusive). Eles zeram parte do grupo que viajou, com a consultoria, para participar da NRF National Retail Federation 2009, maior conveno de varejo do mundo, realizada de 11 a 14 de janeiro, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

    TeNdNciAs

  • PMA magazine - Edio em Portugus10

    Fique PoR deNTRo Maro/Abril de 2009

    lbum com revista

    ADigigraf divulgou, em fevereiro, a venda de uma HP Indigo Press 5500, para o Grupo CAD, de So Paulo (SP), especializado em solu-es fotogrfi cas para o segmento de formaturas. Com a nova impresso-ra, de seis cores, e sistemas de acabamento para corte e encadernao, os planos da empresa incluem a produo de uma revista com o resumo as fotos, para acompanhar o lbum do formando; e a oferta de novos produtos grfi cos para o mercado fotogrfi co.

    Fotocenter Wal-Mart OWal-Mart Brasil prev inaugurar, no incio de maio, cinco lojas nas cidades de Americana, Araras, Limeira, Mogi-Guau e Piracicaba (SP). Elas esto sendo reformadas e sero convertidas para a marca Wal-Mart Supercenter (antes eram da bandeira BIG Hipermercados). No novo formato, as cinco lojas passaro a oferecer servio de Fotocenter.

    n Fotografi a e fi lmagem de casamento so o tema do congresso Wed-ding Brasil, que ser realizado nos dias 7, 8 e 9 de abril, no Anhembi, em So Paulo (SP). A programao inclui 12 palestras sobre estilos fotogr-fi cos, tcnicas, uxo digital, diagramao e impresso de lbuns, edio de vdeo, marketing, contrato, entre outros assuntos. Inscries: www.weddingbrasil.com.br - 0800 643 5386. Realizao: Editora Photos

    n A escola Focus, que atua em So Paulo desde 1975, oferece Cur-sos de fotografi a Vips, com aulas individuais, contedo e horrio exveis, conforme a rea de atuao e necessidades do profi ssional. Informaes: www.escolafocus.net (11) 3107-2219

    n Curso de fotografi a de Espetculos, comandado por He-losa Bortz, aborda o trabalho do fotgrafo de palco, com aulas prticas em teatros da Capital paulista. Cinco encontros a partir de 31 de maro. Veja a agenda completa de cursos em www.full-frame.com.br (11) 3097-9448

    ANOTE

    cmera Win A Mirage apresenta ao mercado a nova cmera Win, com 9 megapi-xels de resoluo e detector de sorri-sos. Possui tela LCD de 2,5 polegadas, redutor de olhos vermelhos e zoom ptico capaz de triplicar o alcance da lente (3 vezes). Tem memria interna para armazenamento de 32 MB.

    n Marcelo Rainho, do Grupo CAD, que comprou a HP Indigo Press 5500

    n foto de Ana Paula Guerra, palestrante do

    Wedding Brasil

    Televendas: 0800 704 8020 - Tel.: ++ 55 11 3539-7569

    Home Page: www.cfk.minilabs.com.br

    A mais completa linha de solues para seu laboratrio fotogrfico:

    CFK - KIS

    CFK 1670: fotos at 20 x 30 cm

    CFK 16 plus: fotos at 30 x 24 cm

    CFK 17: fotos at 30 x 45 cm

    CFK 920: o verdadeiro minilab trmico

    Produz at 900 fotos/hora 10 x 15 cm

  • PMA magazine - Edio em Portugus11

    Maro/Abril de 2009PMAi eM Foco

    n NovA oRTogRAFiA: Esta edio do PMA magazine foi escrita seguindo as nor-mas do Acordo Ortogrfico da Lngua Portu-guesa que entrou em vigor este ano no Brasil (a aplicao passa a ser obrigatria a partir de 2013). Nossa equipe, como todo brasileiro, est se adaptando s novas regras de acentu-ao, extino do trema e grafia correta de palavras que ganharam ou perderam o hfen. Neste primeiro momento, tanto para quem es-creve, como para quem l, parece estranho o novo formato de antigas palavras: ideia, voo, contrarregra, e muitas outras.

    road shows 2009J esto confirmadas as cidades-sede das trs primeiras Conferncias Regionais PMAI/Brasil Road Shows 2009. A primeira ser realizada em Curitiba (PR), no dia 28 de maio; seguida de Belo Horizonte (MG), em 25 de junho; e a cidade de So Jos do Rio Preto (SP), no dia 23 de julho. O calendrio das etapas seguintes ainda est sendo elaborado pela Entidade, que prev a realizao de, no mnimo, cinco eventos no decorrer deste ano.

    O Road Show tem durao de um dia e voltado para lojistas e fotgrafos profissionais. H uma exposio de produtos e servios de empresas nacionais em 2007 as principais marcas do mercado participaram -, alm de fornecedores locais. O ambiente descontra-do e permite, aos visitantes, testar os produtos, detalhar o servio, e tirar suas dvidas, inclusive comerciais, diretamente com a liderana da empresa (proprietrio, diretor, ge-rente...). O programa inclui, ainda, palestras com temas especficos para cada pblico. Em 2008, quando o evento foi lanado, a PMAI/Brasil registrou o total de 1.074 participantes, em cinco Estados diferentes.

    Conhecer a experincia de um lojista bem-sucedido timo, pois aumenta nosso interesse pelo mercado.Teodoro Cceres, da Benecolor, que assistiu palestra de Edison Bertante, no Road Show 2008 de Braslia

    A palestra para os fotgrafos foi excelente, pois mostra que o cliente torna-se fiel quando confia no profissional e no quando recebe desconto.Cristiane Mendes, do Estdio Momento, comenta a apresentao dos fotgrafos Dalton Feij e Marcia Kinstchev

    O primeiro evento ser em Curitiba

    CIDADES COnfIRMADAS

    Curitiba (PR) 28 de maioBelo Horizonte (MG) 25 de junhoSo Jos do Rio Preto (SP) 23 de julho

  • PMA magazine - Edio em Portugus12

    PesquisAs PMAMaro/Abril de 2009

    Venda de cpias e cmeras

    PMA investiga todos os meses o comportamento do consumidor de cpias de imagens digitais e de cmeras. Acompanhe os resultados da ltima pesquisa,

    realizada em dezembro, no mercado norte-americano.

    a equipe de Marketing da PMA, que fica na sede, nos Estados Unidos, divulga mensalmente pesquisa so-bre o comportamento do consumidor norte-americano com relao cpia de imagens digitais. A pesquisa mais recente refere-se a dezembro de 2008, quando o mercado j vivia sob as con-sequncias da crise econmica iniciada em setembro do ano passado. O volu-me de cpias, de todos os tamanhos, cresceu 6% em comparao a dezembro

    de 2007. No varejo, as cpias feitas nos minilabs tambm registraram aumento de 4%. Apesar do ndice positivo, a si-tuao preocupa, quando consideramos o crescimento obtido no ano anterior (o volume de cpias em minilabs cresceu 24% em dezembro de 2007). A diferena ainda maior com relao s cpias fei-tas em quiosques self-service: queda de 2% em dezembro de 2008 e aumento de 35% em dezembro de 2007.

    Os pedidos online de cpias de imagens digitais obtiveram o segundo maior ndi-ce de crescimento, 21%, em dezembro de 2008. A liderana ficou para o item Outros (cpia feita no trabalho, por exemplo) com 32% de aumento. Em contrapartida, os americanos imprimiram menos ima-gens em casa a reduo foi de 2% em relao a dezembro de 2007.

    Uma boa notcia que a participao do varejo manteve a tendncia de cresci-mento. Em dezembro de 2008, o varejo foi responsvel por 50,1% do total de c-pias de imagens capturadas por cmeras digitais. S para efeito de comparao, o varejo iniciou o ano com 48,6% de par-ticipao em janeiro, e atingiu 49,4% em novembro de 2008.

    De todas as cpias feitas em dezembro do ano passado, 13,6% resultaram da combinao pedido online + retirada do servio na loja; e 17% de pedido online + entrega pelo correio. As cpias instan-

    Uma boa notcia que a participao do varejo manteve

    a tendncia de crescimento: 50,1% do total de cpias

    em dezembro.

  • n Dez 2007 n Dez 2008

    PMA magazine - Edio em Portugus13

    Maro/Abril de 2009

    tneas em quiosques obtiveram 13,6%, enquanto as impresses feitas em mini-labs, resultantes de pedidos enviados de quiosques/estaes ou a partir do carto de memria entregue na loja, participa-ram com 23%. O destaque ficou para o mtodo domstico, com o maior ndice, 31,8%, incluindo diferentes equipamen-tos de impresso (em dezembro de 2007, a participao da cpia feita em casa era ainda maior: 34,4%).

    CMERAS EM qUEDA

    Segundo dados da PMA e da empresa The NPD Group, as vendas de cmeras filme e digital (excluindo cmeras de uso nico) - nos Estados Unidos caram 7,8%, em dezembro de 2008, em relao a dezembro de 2007. A reduo atingiu todos os segmentos, principalmente as cmeras analgicas e as cmeras de 35mm, cujas vendas despencaram 82% e 80,7%, respectivamente. As cmeras de uso nico amargaram a reduo de 46,6% e as cmeras digitais, a queda de 7,2% nas unidades comercializadas.

    Das unidades de cmeras digitais ven-didas no final de 2008, 93% possuam re-soluo de seis megapixels ou mais. A fai-xa de 10 megapixels ou mais representou 33% do total. w

    PesquisAs PMA

    Fonte: PMA Montly Consumer Surveys

    40%35%30%25%20%15%10%5%0%-5%

    cpias de imagens digitais nos euA% de Crescimento entre Dez 2008 x Dez 2007

    Na loja (excluindo quiosques)

    Total Em casa Pedido online

    Quiosque self-service

    Outros (no trabalho,

    etc.)

    6%

    -2%

    21%

    4%-2%

    32%

    40%

    30%

    20%

    10%

    0%

    Mtodos x Participao nos euA

    34,4%31,8%

    15,2%17,0%

    11,5%13,6%

    23,3% 23,0%

    14,7% 13,6%

    0,9% 1,1%

    Fonte: PMA Montly Consumer Surveys

    Pedido onlinee recebe pelo

    correio

    Pedido onlinee retira na loja

    Pedido enviado

    para minilab

    Cpias instantneasno quiosque

    Casa Outros(no trabalho,

    etc.)