Pôster Monigleicia 5REA.pptx - Diego

download Pôster Monigleicia 5REA.pptx - Diego

If you can't read please download the document

  • date post

    11-Sep-2015
  • Category

    Documents

  • view

    217
  • download

    1

Embed Size (px)

Transcript of Pôster Monigleicia 5REA.pptx - Diego

Apresentao do PowerPoint

DIAGNSTICO DA MICRODRENAGEM URBANA NA BACIA DO CRREGO OSRIO EM MARING-PRM. Orioli1; P. Pini2; D. Sanches3; E. Paredes4; C. Okawa5

1 Universidade Estadual de Maring, e-mail: monigleicia@hotmail.com2 Universidade Estadual de Maring, e-mail: priscilapini90@gmail.com3 Universidade Estadual de Maring, e-mail: diegomsanches@hotmail.com4 Universidade Estadual de Maring, e-mail: evaristo@uem.br5 Universidade Estadual de Maring, e-mail: crisokawa@gmail.com

INTRODUO

Em reas urbanas, o processo de urbanizao tem como consequncia o aumento da impermeabilizao do solo, o que acarreta no aumento do escoamento superficial e na diminuio da infiltrao, produzindo maiores picos no hidrograma de vazes. Com isso, aumenta-se o risco de ocorrerem alagamentos, gerando perdas econmicas e sociais nas regies afetadas (Tucci, 1995).O objetivo desse trabalho diagnosticar a microdrenagem urbana da bacia do crrego Osrio.

MATERIAIS E MTODOS

A bacia do crrego Osrio localiza-se no setor Nordeste da cidade de Maring-PR e abrange uma superfcie com rea aproximada de 3,8 km e 9,2 km de permetro.A vazo atual de projeto foi calculada pelo mtodo racional. Os dados sobre os tipos de dispositivos de drenagem e estado de manuteno e conservao foram obtidos por meio de vistorias no local. O levantamento de campo foi realizado em 10 quadras prximas ao ponto crtico e 6 quadras da bacia hidrogrfica montante do ponto crtico. Verificou-se a existncia de resduos slidos e material orgnico obstruindo as bocas de lobo e em suas proximidades, o espaamento entre os poos de visita, e o estado de conservao dos tampes. Alm disso, foi verificado se a execuo dos dispositivos de drenagem obedeceu ao projeto.

RESULTADOS E DISCUSSO

Calculou-se que o total que pode absorvido pelo sistema de bocas de lobo igual a 10,21 m.s-1. Como a vazo de projeto de 9,39 m.s-1 , para tempo de retorno de 5 anos e durao de chuva igual a 10 minutos, no deve haver acmulo de gua que no seja engolido pelas bocas de lobo. No entanto, para esse clculo considerou-se um sistema ideal, onde todas as bocas de lobo funcionam com 100% da sua capacidade. Nas vistorias observou-se um comprometimento de 37% das bocas de lobo, por falta de limpeza e manuteno. Considerando este fator, o engolimento do sistema seria de 6,84 m.s-1 e 2,55 m.s-1 excedem a sua capacidade, seguindo em direo ao cruzamento estudado.

CONCLUSO

As bocas de lobo existentes nas 16 quadras analisadas so suficientes para absorver as guas geradas, desde que estejam com seu funcionamento pleno. O excesso das guas direcionam-se ao cruzamento das avenidas Guaiap e Palmares, causando diversos problemas. Prope-se a manuteno e limpeza peridica do sistema, alm da reteno de uma parcela de gua nos lotes.

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem Prefeitura Municipal de Maring, pelo fornecimento do arquivo eletrnico utilizado como base para o diagnstico.

REFERNCIAS

Fendrich, J.. Chuvas Intensas Para Obras de Drenagem no Estado do Paran. 3 Edio-ampliada. Curitiba, 2011.

Holtz, A.C.T.. Precipitao. In: PINTO, N.L.S. (Org). Hidrologia Bsica. So Paulo : Editora Blucher,1976. p. 7-35.

Jabur, A. S.; Gasperini, R.R.. Avaliao da drenagem pluvial urbana na cidade de Pato Branco/Paran. UTFPR, Pato Branco, vol.2, p. 1-4, 2007.

Sesco, S.A.M.; Graa, C.H. da; Silveira, H.. Estudo da degradao e do impacto scio ambiental na bacia do crrego Osrio. Maring Paran. Revista Geografar.

Revista Eletrnica do Programa de Ps-Graduao em Geografia UFPR. Curitiba, v.5, n.1, p. 176-206, jan./jun. 2010.

Tucci, C.E.M.. Drenagem Urbana. ABRH Associao Brasileira de Recursos Hdricos. 1 edio, 1995.

1