PPRA Laticinio

of 41/41
RESPONSABILIDADES ELABORAÇÃO: Nome Cargo Juliano Correa Batista Engenheiro de Segurança do Trabalho IMPLEMENTAÇÃO: Nome Cargo
  • date post

    01-Dec-2015
  • Category

    Documents

  • view

    443
  • download

    13

Embed Size (px)

Transcript of PPRA Laticinio

INTRODUO

RESPONSABILIDADES

ELABORAO:

Nome

Cargo

Juliano Correa Batista

Engenheiro de Segurana do Trabalho

IMPLEMENTAO:

Nome

Cargo

IDENTIFICAO DA EMPRESA

- Razo Social:. - Endereo:. - Bairro:. - Municpio:. - Estado:. - C.N.P.J:. - Ramo de Atividade: Fabricao de Produtos de Laticnio.- CNAE: 1542-2/00. - Grau de Risco NR-4: 3. - Grupo: C-2. - Nmero de Funcionrios: 20 (vinte). - Responsvel da Empresa:. - Cargo: - Contato com a Empresa:.SETORES DA EMPRESANumero

Funcionrios

Produo15

Administrativo03

Transportes01

Caldeira / Inseminao01

TOTAL20

PROGRAMA DE PREVENO DE RISCOS AMBIENTAIS

1 - INTRODUO

O PPRA veio ao encontro das necessidades das empresas e dos profissionais da rea de Higiene e Segurana do Trabalho ao estabelecer um programa permanente de controle dos riscos ambientais existentes nos diversos mbitos de cada estabelecimento e constitui parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preveno e da proteo dos trabalhadores.

Atravs da antecipao, reconhecimento, avaliao e consequentemente controle dos riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, as empresas podero estabelecer critrios de pr-seleo de quais riscos ou de quais medidas de controle sero mais adequadas e propcias para sua realidade.

Independente de sua principal finalidade de ao e abrangncia, o PPRA deve ser adequado para cada tipo de empresa, ou at mesmo para cada tipo de estabelecimento, levando-se em conta as caractersticas bsicas de cada rea, setor, processo ou atividade.

O PPRA pode ser estruturado basicamente em quatro etapas principais, sendo elas:

- Antecipao dos Riscos Ambientais e sua priorizao;- Reconhecimento dos Riscos Ambientais e sua priorizao;- Medidas de controle e sua implantao;- Monitoramento da Exposio aos Riscos;

A primeira etapa aquela voltada antecipao dos riscos ambientais, que requer um estudo detalhado dos processos operacionais existentes ou de ante projetos de implantao de um processo de atividade, observando-se os produtos ou recursos utilizados, matrias primas, aditivos, produtos intermedirios, produtos finais, as condies de operao (temperatura, presso, manuteno, etc.) e as medidas de controle j implantados, devendo ser reavaliada sua eficincia sempre que necessria.

Esta fase vem ao encontro do que chamamos de Preveno ou mesmo anteviso dos possveis riscos a serem detectados durante as anlises preliminares de riscos de uma determinada atividade ou processo.

O Programa de Preveno de Riscos Ambientais PPRA foi institudo pela Portaria n. 5 de 29 de Dezembro de 1994, a qual altera a redao da Norma Regulamentadora n. 09, instituindo a prazo de 180 dias para entrar em vigncia. Tem como objetivo principal a implantao de um programa que busca a preservao da sade e da integridade fsica dos trabalhadores atravs do controle de todos os agentes ambientais, com monitoramento peridico, levando-se em considerao a proteo do meio ambiente e dos recursos naturais.

Tem-se tambm, fatores que levam ao PPRA ser uma ferramenta de altssima preciso a capacidade de avaliar o ambiente e relacion-lo com o tipo de servio e a situao de cada funcionrio.2 - OBJETIVOS

O PPRA visa, em segundo plano, ou seja, aps as avaliaes e reconhecimento dos riscos, estabelecerem parmetros entre a sade dos trabalhadores e a situao do ambiente de trabalho, para somar necessidade de melhorias das condies laborais e, propriamente dita, a preservao da sade dos trabalhadores.

Sua elaborao foi realizada por um Engenheiro de Segurana do Trabalho, atravs da observao do Mapa de Riscos Ambiental, aprimorando a anlise destes, e avaliando nexos causais estabelecidos entre dados relativos sade dos trabalhadores e as condies de seu ambiente de trabalho.

Em resumo o PPRA, a metodologia de elaborao visa avaliar as condies de trabalho, em todos os setores da empresa, identificando os locais ou equipamentos considerados inadequados, de acordo com a Portaria 3214/78, do Captulo V da CLT, atendendo a Norma Regulamentadora NR-9. Este trabalho exige, obrigatoriamente, avaliao in-loco nos locais de trabalho. Os dados obtidos no PPRA devero ser mantidos por um perodo de 20 anos.3 - ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO

O Programa de Preveno de Riscos Ambientais dever conter no mnimo a seguinte estrutura:- Planejamento anual com estabelecimento de metas;- Estratgia e Metodologia de Ao;- Forma de registro, manuteno e divulgao dos dados;

- Periodicidade e forma de avaliao do desenvolvimento do PPRA.

O cronograma constante na NR, tem de ser conforme a mesma, indicar claramente os prazos para o desenvolvimento das etapas e o cumprimento das metas do PPRA.

O desenvolvimento do PPRA de suma importncia para a preveno dos riscos, ele deve ser claro, auto explicativo e conter os seguintes itens:

- Antecipao e reconhecimento dos riscos;

- Estabelecimento de prioridades e metas de avaliao e controle;

- Avaliao dos riscos e da exposio dos trabalhadores;

- Implantao de medidas de controle e avaliao de suas eficcias;

- Monitoramento da exposio aos riscos;- Registro e divulgao dos dados.

Ser efetuada, sempre que necessrio, e pelo menos uma vez ao ano, anlise global do PPRA para avaliao do seu desenvolvimento e realizao dos ajustes necessrios, e estabelecimento de novas metas e prioridades.A PRXIMA REVISO DESTE DOCUMENTO SER AT ABRIL DE 2008.4 - DESENVOLVIMENTO DO PPRAO programa de preveno de riscos ambientais ser desenvolvido nas seguintes etapas:

- Antecipao e reconhecimento dos riscos;

- Estabelecimento de prioridades e metas de controle;

- Avaliao dos riscos e da exposio dos trabalhadores;

- Implantao de medidas de controle e avaliao de sua eficcia; - Monitoramento das exposies aos riscos;

- Registro e divulgao dos dados.

A elaborao, implementao, acompanhamento e avaliao do PPRA ser feito pela empresa. A antecipao ser desenvolvida atravs da anlise de projetos de novas instalaes, mtodos ou processos de trabalho, ou de modificaes dos j existentes, visando identificar os riscos potenciais, introduzir medidas de proteo ou para sua reduo ou eliminao.Para o reconhecimento dos riscos ambientais, ser seguido os seguintes itens, quando aplicveis:- A sua identificao;

- A determinao e localizao das possveis fontes geradoras;- A identificao das possveis trajetrias e dos meios de propagao doa agentes no meio ambiente de trabalho;

- A identificao das funes e determinao do nmero de trabalhadores expostos;

- A caracterizao das atividades e do tipo de exposio;- A obteno de dados existentes na empresa, indicativos de possvel comprometimento da sade decorrente do trabalho;- Os possveis danos sade, relacionados aos riscos identificados, disponveis na literatura tcnica;

- Descrio das medidas de controle existentes.

A avaliao quantitativa ser realizada sempre que necessria para:- Comprovar o controle de exposio ou a inexistncia dos riscos identificados na etapa de reconhecimento;

- Dimensionar a exposio dos trabalhadores;- Subsidiar o equacionamento das medidas de controle.

5 - MEDIDAS DE CONTROLE

As medidas de controle foram adotadas para minimizao (alguns casos) e controle dos riscos ambientais sempre que surgiram uma ou mais das seguintes situaes: - Identificao na fase de antecipao, de risco potencial sade ao meio-ambiente;

- Constatao, na fase de reconhecimento, de riscos evidentes sade.

- Quando os resultados das avaliaes quantitativas de exposio dos colaboradores excederam os valores dos limites previstos na NR 15 ou, na ausncia destes, os da ACGIH - (American Conference of Governamental industrial Higyenists), ou aqueles que foram estabelecidos em negociaes coletivas de trabalho, desde que meios rigorosos que os citados anteriormente;

- Quando atravs do controle mdico da sade, ficou caracterizado que o nexo causal entre danos observados sade dos colaboradores e a situao de trabalho a qual ficaram expostos.Para o estudo, desenvolvimento e implantao das medidas de proteo coletiva sero obedecidos, a seguinte hierarquia.

- Medidas que eliminam ou reduzem a utilizao ou formao de agentes prejudiciais sade;

- Medidas que previnam a liberao ou disseminao dos agentes no ambiente de trabalho;

- Medidas que reduzam os nveis ou a concentrao dos agentes no ambiente de trabalho;

A implantao das medidas de controle coletivo foram acompanhadas de trabalho educativo junto aos colaboradores quanto aos procedimentos que assegurem a sua eficincia e de informao sobre os eventuais limitaes de proteo que venham a oferecer.

Quando detectadas a inviabilidade tcnica da adoo de medidas de proteo coletiva ou quando estas no foram suficiente ou encontraram-se em fase de estudo, planejamento ou implantao, ou ainda em carter complementar ou emergencial, foram adotadas outras medidas, obedecendo-se seguinte hierarquia:- Medidas de carter administrativo ou de organizao de trabalho;

- Utilizao de Equipamentos de Proteo individual (EPIS).

A utilizao do EPI contemplou (no mnimo):

- Seleo do EPI adequado tecnicamente ao risco ao qual a colaborador estava exposto e a atividade exercida, considerando-se a eficincia necessria para o controle da exposio ao risco e o conforto oferecido, segundo a avaliao do prprio usurio:

- Treinamento educativo do colaborador quanto a correta utilizao e orientao sobre limitaes de proteo que o EPI oferece;

- Estabelecimento de normas ou procedimentos para promover o fornecimento, o uso, a guarda, a higienizao, a conservao, a manuteno e a reposio do EPI, visando garantir as condies de proteo originalmente estabelecidas;

- Caracterizao das funes ou atividades dos colaboradores, com respectiva identificao dos EPIs utilizados para os riscos ambientais;

O PPRA ser estabelecido de critrios e mecanismos de avaliao da eficcia das medidas de proteo implantadas, considerando os dados obtidos nas avaliaes realizas e no controle mdico da sade previstos na NR-7.6 - EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO LEVANTAMENTO DE DADOSTermo Higro Decibelmetro - Luxmetro digital modelo THDL-400 porttil.Dosmetro digital de rudo modelo DOS-500, com RS-232 e Datalogger. Padres ANSI S1. 25 1991 Ponderao A.7 - CONCEITOSNvel de Ao.

Ser considerado nvel de ao o valor acima do qual devem ser iniciadas aes preventivas de forma a minimizar a probabilidade de que as exposies a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposio. As aes devem incluir o monitoramento peridico da exposio, a informao aos trabalhadores e o controle mdico.

Sero objeto de controle sistemtico as situaes que apresentem exposio ocupacional acima dos nveis de ao, conforme indicados nas alneas que seguem:

- Para agentes qumicos, as metades dos limites de exposio ocupacional de acordo com os limites previsto na NR 15.

- Para o rudo, a dose de 0,5 (superior a 50%) conforme critrio estabelecido na NR/15, Anexo n. 1, item 6.

Grupo homogneo de exposio (GHE).

Os agentes de risco foram avaliados em trabalhadores cujas atividades e operaes so representativas da funo exercida; os dados relativos aos setores, so aplicveis a aqueles que desempenham funes similares denominadas Grupo Homogneo de Exposio assim considerada. Para maiores detalhes, recomenda-se consultar as planilhas.8 - DO MONITORAMENTO

Para o monitoramento da exposio dos trabalhadores e das medidas de controle, deve ser realizada uma avaliao sistemtica e repetitiva da exposio a um dado risco, visando introduo ou modificao das medidas de controle, sempre que necessrio.9 AGENTES DE RISCO

Rudo

Defini-se o som de maneira cientifica, como um fenmeno fsico ondulatrio e peridico, resultante das variaes de presso em um meio elstico, as quais se sucedem com regularidade.

De maneira simples podemos definir o rudo como um som desagradvel, capaz de produzir desconforto e mal estar e dependendo da sua intensidade e durao, causar a perda auditiva e ainda acarretar outros distrbios funcionais no organismo.

Qualquer rudo ocupacional que cause alteraes no sistema auditivo e, representa uma ameaa de surdez profissional, que poder ser temporria ou permanente.

A surdez permanente por trauma sonoro, devida a destruio das clulas sensoriais do rgo de Corti, sendo, portanto uma surdez de percepo; essa perda irreversvel, podendo atingir propores tais, a incapacitar o individuo para a comunicao oral.

As perdas de audio por trauma sonoro se caracterizam por iniciar na faixa de freqncia entre 3.000 e 6.000 Hz e mais frequentemente a 4.000 Hz. O inicio do processo de surdez profissional pode ser constatado atravs de exame audiomtrico; a perda de audio ao redor de 4.000 Hz, aparece na audiograma com um formato caracterstico a que se deve sua denominao de gota acstica.

Alm da audio, outras funes e rgos tais como sistema cardiovascular, sistema endcrino, etc., podero ser afetados pelos excessivos nveis de rudo, alm de reaes de irritabilidade, ansiedade e sensao de desconforto, tendo como conseqncia perda de produtividade a qualidade do trabalho, em razo da dificuldade nas comunicaes e erros na interpretao das mensagens.

Por estas e outras razes no expostas por fugirem ao escopo deste trabalho justificam-se, pois as providencias que por certo sero tomadas a partir dos dados levantados.

Limites de Tolerncia (sem proteo)

NIVEL DE RUIDO dB(A)MXIMA EXPOSIO DIRIA PERMISSIVELNIVEL DE RUIDO dB(A)MXIMA EXPOSIO DIRIA PERMISSIVEL

858 HORAS981 HORA E 15 MINUTOS

867 HORAS1001 HORA

876 HORAS10245 MINUTOS

885 HORAS10435 MINUTOS

894 HORAS E 30 MINUTOS10530 MINUTOS

904 HORAS 10625 MINUTOS

913 HORAS E 30 MINUTOS10820 MINUTOS

923 HORAS 11015 MINUTOS

932 HORAS E 40 MINUTOS11210 MINUTOS

942 HORAS E 15 MINUTOS1148 MINUTOS

952 HORAS1157 MINUTOS

961 HORA E 45 MINUTOS

Os tempos de exposio aos nveis de rudo no devem exceder os limites de tolerncia fixados nesta tabela.

Iluminncia

Nveis adequados de iluminncia no ambiente do trabalho, concorrem para manter a qualidade do produto, com menores perdas de material, com menor potencial de risco de acidentes, prevenindo-se a fadiga visual, causada por longos perodos de exposio m iluminao.

Uma boa iluminao no significa nveis excessivos de aclaramento, embora a legislao somente especifique os nveis mnimos, mas sim de uma distribuio uniforme, evitando-se que a parte mais bem iluminada supere por um valor mais de quatro vezes o local mais obscuro, para que no ocorram ofuscamento e fadiga visual, geralmente ocasionados pela adaptao constante, da retina s variaes de aclaramento e penumbra.

O ofuscamento uma sensao desagradvel que pode ocasionar cefalia, cansao visual e astenopia, sendo causado por luz excessiva, superfcies polidas e refletoras, acarretando mal estar e desconforto no ambiente de trabalho devendo, portanto ser evitado.

Sempre que possvel a iluminao natural deve ser utilizada s ou em conjunto com a artificial, resultando em economia de energia. Entretanto, a incidncia de luz solar deve ser indireta, isto , no deve penetrar diretamente no campo de trabalho, o que poderia ocasionar outros inconvenientes tais como adio do calor, aumentando-se o desconforto trmico. As reflexes de objetos metlicas so causas de ofuscamento, por conseguinte, estudos devem ser realizados para posicionamento de clarabias, reas de ventilao, lanternins, janelas e telhas translcidas, visando melhorar o aclaramento. Porm, as aberturas devero ser colocadas o mais alto que o p-direito permitir, favorecendo a exausto natural do ar aquecido, mantendo-se entradas de ar na parte inferior do galpo onde no haja incidncia de carga solar.

A iluminao industrial pode ser geral ou suplementar; a geral deve ser projetada para atender a maioria das atividades desenvolvidas no ambiente; a suplementar atende s atividades especficas quando estas exigem maiores nveis de aclaramento, observado as recomendaes quanto ao ofuscamento.

, portando fundamental uma iluminao que permita manter os equipamentos devidamente limpos, visualizar com clareza as sinalizaes de segurana e faixas, permitir a preservao da qualidade dos produtos e da sade ocupacional no que concerne aos rgos da viso.

Riscos Biolgicos

O risco biolgico se refere aos agentes infecciosos que podem apresentar um risco potencial para sade e bem estar do homem. Os agentes biolgicos se agrupam em bactrias, vrus, fungos e parasitas.

A transmisso dos agentes biolgicos pode ocorrer por inalao, injeo, ingesto oi contato fsico.

As pessoas que trabalham em hospitais, outras dependncias mdicas e laboratrios de pesquisas biolgicas, assim como as pessoas que trabalham com animais, produtos animais ou dejetos destes, esto expostos ao risco biolgico. O risco principal de corrente dos perigos biolgicos a infeco que apresenta diferentes sintomas para diferentes tipos de infeco.

Todas as pessoas envolvidas em trabalhos que impliquem a possibilidade de exposio de riscos biolgicos devem respeitar as normas especficas emitidas por diversos rgos de sade.

A medida mais eficiente para exposio a este agente a ao preventiva com ateno para os seguintes aspectos: vacinao, esterilizao, higiene pessoal, uso do equipamento de proteo individual, ventilao e controle mdico.

As doenas mais freqentes causadas por estes agentes so: infeces, tuberculose, ttano, febre amarela, febre tifide, entre outras.

importante considerar que a exposio aos riscos biolgicos simultaneamente a outros agentes do ambiente, como agentes qumicos (principalmente gases irritantes), pode produzir um efeito de amplificao ou sinrgico.

Gases e Vapores

A presena de gases e vapores no ambiente de trabalho, proveniente de processos industriais, tem causado srios distrbios sade dos trabalhadores, quer absorvidos pela pele ou inalados.

A pele maior dos rgos do corpo humano e representa a barreira natural penetrao de agentes qumicos, biolgicos e raios ultravioletas; entretanto, quando determinado agente consegue romper esta barreira, poder atingir a corrente sangnea atravs dos vasos, na camada mais interna (derme) causando srios problemas, podendo chegar a casos fatais dependendo da toxidez do agente agressivo.

O trato respiratrio representa a principal via de penetrao de agentes qumicos no organismo. A inspirao do ar arrasta consigo substancias, as quais podero ficar retidas nos pulmes, ou em outras partes do sistema, chegando a afeta-lo, ou passa a outros rgos atravs do sangue, a linfa ou as clulas fagocitrias, prejudicando a principal funo do sistema que substituir o dixido de carbono pelo oxignio atravs dos alvolos, para manter o tecido dos vrios rgos do corpo humano, vivo e sadio. O sistema respiratrio consegue absorver e eliminar grande parte das substancias txicas, quando estas esto em quantidade suportveis, dentro da capacidade de absoro; quando porem, as referidas substancias ultrapassam certas dosagens, essas passam a ser depositadas em determinados rgos, causando patologias diversas. Estudos foram desenvolvidos em outros pases, buscando-se estipular os limites de tolerncia para os vrios agentes qumicos e baseando-se nesses estudos, a legislao brasileira os adaptou s nossas condies e jornada de trabalho.

Diante do exposto, as providencias para controle de exposio a estes agentes, devero ter carter preventivo.

Poeira Mineral

Vrios processos industriais e equipamentos promovem a emisso de partculas na atmosfera, as quais causam srios prejuzos vida dos seres vivos, comprometendo a sade do prprio homem e a vida til dos equipamentos.

Nesse contexto justificam-se plenamente as medidas corretivas que, sendo tomadas no sero vistas como custos adicionais, mas sim como investimento.

Do material particulado em suspenso, destaca-se a presena de Slica Livre Cristalizada (quartzo) pela sua patogenicidade.

Pela sua freqncia e gravidade, a Silicose a pneumoconiose mais conhecida. Descrita por Hipcrates como a tsica dos minrios, a Silicose resulta da inalao de poeira que contem slica livre, sendo a pneumoconiose mais comum em virtude da ampla ocorrncia de quartzo na natureza e da sua freqente utilizao nos vrios ramos da indstria, dos materiais que a contm.

Na grande maioria dos casos de silicose, o quadro clinico pouco expressivo, durante muitos anos aps o inicio da exposio s poeiras nocivas. Os pacientes so praticamente assintomticos ou referem tosse no produtiva ou com a pequena quantidade de expectorao pela manha, dores torcicas no localizadas, episdios de bronquites ou queixas de ordem geral, tais como tonturas, fraquezas, sudorese, etc. chamam a ateno em muitos casos, falta de correlao entre o quadro clinico com sintomatologia ausente ou escassa, e o quadro radiolgico bastante sugestivo, com nodulaes disseminada, mais ou menos grosseira, e, s vezes, j com rea de fibrose por conglomerao de ndulos.

A dispnia de esforos o sintoma que marca o quadro clinico da silicose. Evolui lenta e progressivamente, terminando nas formas mais graves, por incapacitar totalmente o paciente para o trabalho.

Ao nosso ponto de vista tcnico, so somados os comentrios do ponto de vista mdico, dada seriedade do assunto.

Umidade

A manuteno da higiene de um ambiente de trabalho representa sempre uma tarefa complexa e difcil. Investigaes realizadas no campo da higiene industrial permitiram estabelecer limites para a maioria dos contaminantes qumicos ou fsicos; estabelecendo-se uma norma quantitativa, baseada em nveis de concentrao ambiental.

A umidade do ar pode ser expressa como absoluta que corresponde a quantidade real de vapor de gua no ar, ou relativa que corresponde a relao entre a quantidade de umidade existente e a que o ar poderia conter se estivesse saturado.

A legislao brasileira no estabelece limites de tolerncia para exposio ocupacional umidade, apenas define que as atividades desenvolvidas em locais alagados ou encharcados capazes de produzir danos a sade dos trabalhadores, sero considerados insalubres.

Entretanto sabido que os ambientes com ndices elevados de umidade, combinado com outros agentes ambientais, constituem condies propcias ao aparecimento e proliferao de microorganismos, tais como bacilos, fungos, bactria, etc., capazes de causar patologias que debilitam o organismo humano. A umidade presente no ambiente quando atinge ndices prximos ao saturamento, ou esta muito baixa, passa a influenciar na troca trmica que ocorre entre o organismo e o meio ambiente, pelo mecanismo de evaporao. Se o aumento do fluxo sangneo na pele e a produo de suor forem insuficientes para promover a adequada perda de calor, ou estes mecanismos deixarem de funcionar apropriadamente, uma fadiga fisiolgica poder ocorrer.

Se por exemplo a umidade do ar estiver saturada de vapor d`gua, dificultar a evaporao de suor para o meio ambiente. Os ambientes de trabalho com ndices de umidade relativa prximos ao ponto de saturao, requerem medidas que os condicione para permanncia segura do homem sem prejuzos sade.

Sobrecarga Trmica

A exposio ao calor, quando fora de controle, poder expor o trabalhador insolao, cujos sintomas se caracterizam por tonturas, vertigens, tremores, convulses e delrios; o individuo acometido apresenta a pele avermelhada, quente e seca.

A prostrao trmica outra reao sria do organismo exposio excessiva ao calor e esforo fsico, apresentando os sintomas de sensao de fraqueza, mal estar, tonturas, dor de cabea e inconscincia. O individuo atingido se apresenta com a pele plida e mida. Estes distrbios so conseqncia da perda da capacidade do mecanismo termoregulador do delicado organismo humano, localizado no hipotlamo, de manter constante a temperatura do corpo, diante das condies trmicas adversas.

Este centro termoregulador responsvel por varias reaes de adaptao, entre elas a vaso dilatao perifrica, que aumenta a circulao sangnea da superfcie do corpo, atravs da qual se faz a troca de calor entre o individuo e o ambiente, em razo do aumento de vazo do sangue, conduzindo certa quantidade de calor no ncleo do corpo para a periferia, onde ser dissipada.

Outra reao termoreguladora o aumento da atividade das glndulas sudorparas, que resulta em acentuar a sudorese, e consequentemente a perda de calor do organismo, atravs da evaporao.

Estas reaes do mecanismo termoregulador, sero to maiores quanto for a severidade das condies ambientais em termos de ventilao, umidade relativa, existncia de calor radiante e do metabolismo resultante da atividade exercida.

Ainda que no ocorram reaes imediatas resultantes da exposio, podero ocorrer em longo prazo, estados patolgicos em conseqncia do desgaste fsico sem reposio da energia perdida; sabe-se que o calor excessivo alm de produzir a fadiga, causa perturbaes psicolgicas e erros de percepo sendo causa indireta de acidentes com perdas humanas e materiais. Assim, sendo, justifica-se as medidas de controle em beneficio da sade do trabalhador, que por extenso, beneficiar.

10 - DO REGISTRO DE DADOS

As etapas desenvolvidas sero registradas em relatrios que complementaro este documento base. Dever ser mantido pelo empregador ou instituio um registro de dados, estruturado de forma a construir um histrico tcnico e administrativo do desenvolvimento do PPRA.

Os dados devero ser mantidos por um perodo de 20 anos.

O registro de dados dever estar sempre disponvel aos trabalhadores interessados ou seus representantes e para as autoridades competentes.

11 - DAS RESPONSABILIDADES

Do empregador:

- Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PPRA, como atividade permanente da empresa ou instituio.

Dos trabalhadores:

- colaborar e participar na implantao e execuo do PPRA;- seguir as orientaes recebidas e oferecidas dentro do PPRA;- informar ao seu superior hierrquico direto ocorrncias que, a seu

julgamento, possam implicar em riscos sade dos trabalhadores.

12 - DA INFORMAO

Os trabalhadores interessados tero o direito de apresentar proposta e receber informaes e orientaes a fim de assegurar a proteo aos riscos ambientais identificados na execuo do PPRA.

Os empregadores devero informar os trabalhadores de maneira apropriada e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de trabalho e sobre os meios disponveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos.

13 - DAS DISPOSIES FINAIS Sempre que vrios empregadores realizem simultaneamente atividades no mesmo local de trabalho tero o dever de executar aes integradas para aplicar as medidas previstas no PPRA visando proteo de todos os trabalhadores expostos aos riscos ambientais gerados.

O conhecimento e a percepo que os trabalhadores tem do processo de trabalho e dos riscos ambientais presentes, incluindo os dados consignados no Mapa de Riscos, previsto na NR/5, devero ser considerados para fins de planejamento e execuo do PPRA em todas as suas fases.

O empregador dever garantir que, na ocorrncia de riscos ambientais nos locais de trabalho que coloquem em situao de grave e iminentes risco um ou mais trabalhadores, os mesmos possam interromper de imediato as suas atividades, comunicando o fato ao superior imediato hierrquico direto para as devidas providncias.

, 24 DE MAIO DE 2007.

Assinatura dos Responsveis

__________________________ __________________________

Juliano Correa Batista

Engenheiro de Segurana

ProprietrioRECONHECIMENTO

REGISTRO DE DADOS E PLANEJAMENTO DAS AESDepartamento/Setor: Prensa/Embalagem (Ricota); Sala de processo de coalho e queijo (Corte e Molda).

Setor/Posto de TrabalhoRisco EncontradoFonte Geradora/Agente AgressorGrau de RiscoIntensidade de ConcentraoFunoNo Medida de Controle ExistenteData da Verificao

EmbalagemErgonmicoPosto de TrabalhoPequeno-Servios Gerais02Palestra Ergonomia.18/05/2007

EmbalagemAcidenteQuedaPosto de TrabalhoAlto-Servios Gerais02Sinalizao do local de trabalho.18/05/2007

ProcessosRudoMquinas de Molde e Moagem do queijoBaixo88,8dBServios Gerais04Uso de Protetor auricular atenuao NRRf 14 dB18/05/2007

ProcessosAcidenteCorteCorte do Coalho com objeto cortante (faca).Alto-Servios Gerais04Uso de luva de malha de ao18/05/2007

ProcessosErgonmicoCorte de Coalho no tanque e prensaMdio-Servios Gerais02Palestra de Segurana (Ergonomia) e adequao do processo.18/05/2007

ProcessosAcidentePerda de membros Mquina de Corte e moldeAlto-Servios Gerais04Bloqueio Eletro Mecnico.18/05/2007

Atividades: Realizam trabalhos nos processos de fabricao de queijo, corte, moldagem e embalagem. O ambiente de trabalho e mido e com muita gua. No setor operacional, no horrio de limpeza das mquinas colocada uma bomba para puxar soro de um tanque para outro, ento adequar a extenso que utilizada, ou instalar uma tomada prximo ao tanque e a bomba. Elaborar procedimento para limpeza das mquinas. Umidade constante e piso molhado riscam de doenas ocupacionais pela umidade e temperatura das cmaras frigorficas.

Observaes: A dose de Rudo est acima do Limite de Tolerncia conforme a Lei 6514/1977, portaria 3214/1978 NR 15 anexo 1. (Ver Dosimetria em anexos deste documento), porm neutralizada pelo uso dos protetores auriculares.

Departamento/Setor: Salga do Queijo (Cmara Fria). Pesagem/ Queijo Minas/ Grampeadeira

Setor/Posto de TrabalhoRisco EncontradoFonte Geradora/Agente AgressorGrau de RiscoIntensidade de ConcentraoFunoNo Medida de Controle ExistenteData da Verificao

SalgaTemperaturaPosto de TrabalhoMdio-Servios Gerais01-18/05/2007

SalgaErgonmicoPosto de TrabalhoBaixo-Servios Gerais01Palestra de Segurana18/05/2007

Pesagem de CaminhesAcidenteQuedaPosto de TrabalhoAlto-Servios Gerais01-18/05/2007

Embalagem Preparo do Queijo RicotaQumicocido ActicoBaixo