PRECISÃO DAS SONDAGENS PRÉ-ELEITORAIS EM ?o das... · sondagens pré-eleitorais, publicadas ou...

download PRECISÃO DAS SONDAGENS PRÉ-ELEITORAIS EM ?o das... · sondagens pré-eleitorais, publicadas ou emitidas

of 22

  • date post

    17-Dec-2018
  • Category

    Documents

  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of PRECISÃO DAS SONDAGENS PRÉ-ELEITORAIS EM ?o das... · sondagens pré-eleitorais, publicadas ou...

PRECISO DAS SONDAGENS PR-ELEITORAIS EM PORTUGAL

Resumo

A preciso das sondagens pr-eleitorais tem sido alvo de alguns estudos em diversos

pases, contudo em Portugal tem sido uma rea pouco abordada, sendo que os poucos

trabalhos resultam de anlises de casos pontuais, no havendo uma abordagem mais

geral. Esta lacuna resulta, porventura, do facto de estas sondagens serem relativamente

recentes em Portugal, apenas em 1991 a lei foi alterada permitindo a publicao de

sondagens pr-eleitorais.

Este estudo faz uma abordagem, a mais vasta possvel, analisando quase todas as

sondagens pr-eleitorais, publicadas ou emitidas em Portugal no ms anterior a cada

uma das eleies realizadas, desde 1991 at ltima em Janeiro de 2006. Para a anlise

da preciso destas sondagens foram consideradas algumas medidas utilizadas em

estudos anteriores.

Na primeira parte feita uma breve contextualizao da utilizao de sondagens em

Portugal, quando comearam a ser utilizadas, como evoluram e qual a legislao que as

regulamenta. ainda abordado o modo como a preciso das sondagens pode ser

medido, apresentando-se exemplos de vrios estudos que abordaram esta temtica.

Na segunda parte, aps uma descrio da amostra, so apresentados os resultados

relativos preciso das sondagens, como evoluram, como se comparam com outros

pases e quais as relaes com diversas variveis que podem estar relacionadas com

esta, como por exemplo, o mbito da eleio ou o mtodo de amostragem.

SONDAGENS PR-ELEITORAIS EM PORTUGAL

A ditadura em vigor no nosso pas at Abril de 1974 levou a que as sondagens eleitorais

no tivessem qualquer relevo, dada a sua inexistncia. No s as eleies eram uma

fachada que sustentava a manuteno da ditadura, como tambm a cobertura que a

comunicao social fazia destas se limitava a propaganda do estado.

No mbito poltico qualquer estudo por inqurito que se realizasse teria sempre srias

limitaes de realizao, no s por fora da censura que havia, como pelo medo que as

pessoas teriam em responder ao inqurito. Numa sondagem realizada pela SERTE para

o expresso realizada poucos dias antes do 25 de Abril de 1974 em que se inquiria os

cidados de Lisboa sobre as eleies em Frana, quase metade (42%) recusou-se a

responder, referindo o artigo A elevada percentagem de pessoas que no responderam

deve-se, em parte, ao medo, mais ou menos manifesto do controle-policial das

respostas e das caractersticas pessoais do entrevistado. (de notar que apesar do

inqurito ser feito antes do 25 de Abril a sua publicao s ocorreu aps este).

Com o fim da ditadura e a realizao de eleies livres, estariam reunidas as condies

para que finalmente se realizassem sondagens eleitorais no nosso pas. Contudo o

decreto lei eleitoral regulamentador desta eleio viria a proibir, desde o dia em que

fossem marcadas as eleies, a divulgao sob forma de reportagem, entrevista ou

outra, quaisquer inquritos que visem, ou conduzam a desvendar a atitude dos eleitores

ou o seu voto no dia das eleies (artigo 62 da lei eleitoral).

Tal proibio no obstou a que alguns estudos fossem efectuados, no entanto, os

resultados no eram apresentados directamente:

-segundo sondagens recentes, a percentagem de indecisos elevar-se-ia a 71%!, Jornal

Novo 23/04/75 (dois dias antes das primeiras eleies),

- Algum utilizou abusivamente o nome do nosso colega do Porto Jornal de

Notcias, fazendo sondagens telefnicas sobre as filiaes polticas das massas

populares. (Dirio de Noticias, 29/03/75)

- A tendncia actual da opinio pblica portuguesa explcita no de modo nenhum

favorvel s ideologias conservadoras, como vem sendo apontado em resultados de

sondagens cuja origem e garantia tcnica se desconhece e que chegam at ns atravs de

revistas estrangeiras. Vida Mundial (13/3/75)

Um pormenor curioso, resultante do decreto eleitoral proibindo as sondagens antes das

eleies, foi a publicao, em 1975 no Jornal Novo, de uma sondagem pr-eleitoral no

dia seguinte s eleies. Esta sondagem foi realizada pelo IPOPE cerca de um ms antes

das eleies e envolveu 2000 entrevistados.

PS MDP PCP PPD CDS Outros

Sondagem 47 4 17 21 2 9

Eleio 38 4 13 26 8 11

Tabela 1 Resultados da primeira eleio ps 25 de Abril e da sondagem publicada no dia seguinte.

Nesta sondagem destacam-se dois resultados com particular relevo, a sobrestimao dos

partidos de esquerda e a sub estimao direita. Estes dois aspectos, combinados com

uma altssima taxa de no resposta, cerca de 71 %, parecem apontar para alguma

dificuldade do eleitorado de direita assumir a sua opo de voto.

Esta situao de quase ausncia de sondagens manteve-se nas eleies seguintes, tendo-

se apenas alterado em 1991, quando a legislao foi alterada. De acordo com a nova lei

passou a ser possvel a divulgao de resultados de sondagens at ltima semana antes

da eleio.

Esta legislao viria a ser alterada em 2000 com a publicao de um novo decreto-lei

que veio introduzir algumas mudanas, entre as quais se destaca a reduo do perodo

de interdio da divulgao de sondagens para um dia.

MEDIDAS DE PRECISO DAS SONDAGENS

A avaliao da preciso das sondagens desenvolveu-se, sobretudo, aps o falhano das

sondagens nas eleies Norte Americanas de 1948, onde, no seu rescaldo, o Social

Science Research Council criou uma comisso de anlise de sondagens pr-eleitorais,

que apresentou um relatrio sobre o desempenho das sondagens nessas eleies. Aps

este estudo inicial vrios outros autores abordaram esta temtica, utilizando algumas

medidas a propostas ou sugerindo outras.

Medida Descrio Autor Medida 3 Erro mdio nos principais partidos

Mdia do desvio (em pontos percentuais e independentemente do sentido da diferena) entre as previses das percentagens dos principais Partidos.

=

=n

1i3

sondagem da Previso - i Partido do ResultadoM

n

Mosteller (1949); Crespi (1988) Traugott (2004); Mitofsky (1998) Durand et al (2002) Magalhes (2005)

Medida 5 Erro da diferena entre os primeiros

Diferena (em pontos percentuais) entre a previso da distncia entre os dois primeiros partidos e a distncia verificada nos respectivos resultados eleitorais.

( ) ( )

sondagens naslugar segundo em partido o P2 e

sondagens naslugar primeiro em partido o 1 P o onde

P2 Resultado- P1 Resultado - P2 Previso- P1 Previso5 =M

Mosteller (1949); Durand et al (2002) NCPP (2004) Traugott (2004) Magalhes (2005)

Medida 6 Erro Mximo

Maior diferena (em pontos percentuais) entre a previso de cada partido e o respectivo resultado eleitoral.

sondagem da Previso - i Partido do ResultadoMximoM n 1i6 ==

Mosteller (1949) Crespi (1988)

Erro do vencedor

Diferena (em pontos percentuais) entre o resultado do Partido e a respectiva previso.

vencedorpartido o PV onde

PV do Previso - PV do Resultado9 =M

Crespi (1988)

Erro relativo a outras sondagens

Desvio entre o resultado da sondagem e o resultado mdio das restantes sondagens, ponderado pela dimenso.

Lau (1994)

Erro de enviesa-mento

Medida da subvalorizao ou sobrevalorizao do partido Democrata (ou Republicano).

osRepublican Eleies Res.

Democratas Eleies Res.

osRepublican Sondagem Res.

Democratas Sondagem Res.=AR

Martin et al (2004)

No relatrio sobre o insucesso das sondagens atrs referido, Mosteller (1949)

apresentou oito medidas que podiam ser utilizadas para medir a preciso das sondagens,

sete das quais baseadas nas diferenas, para cada candidato, entre os resultados

eleitorais e os estimados, embora algumas apenas considerassem o candidato vencedor

ou a diferena entre os dois primeiros candidatos. A restante medida era relativa

diferena entre a estimao de participao eleitoral e a efectiva participao.

Mitofsky (1998) refere uma falta de consenso quanto escolha da melhor medida da

preciso das sondagens. Este autor considera que, entre as medidas propostas por

Mosteller, o erro mdio dos principais partidos e o erro da previso da diferena entre os

dois primeiros so as melhores escolhas, preferindo, no entanto esta ltima, quer por ser

independente do nmero de partidos, quer por ser a mais referida na divulgao dos

resultados. Tambm a National Council on Public Polls na sua anlise s eleies Norte

Americanas de 2002 utiliza este indicador como medida do erro das sondagens.

Magalhes (2005) refere como desvantagem desta medida o facto de no ser

comparvel com a margem de erro.

Crespi (1988) utilizou trs medidas de preciso, o desvio relativo ao candidato

vencedor, o desvio mdio para os trs principais candidatos e o maior dos desvios

verificados nos trs principais candidatos. No clculo destas medidas Crespi (1988)

considerou sempre os resultados obtidos aps excluso dos indecisos. Os valores da

correlao entre estas medidas revelaram-se altssimos, acima de 0,8.

Lau (1994), considerou uma outra medida, distinta das anteriores por no envolver o

resultado eleitoral, que utiliza o desvio entre o resultado da sondagem e o resultado

mdio das restantes sondagens, ponderado p