Programação Agosto 2014

download

of 32

  • date post

    01-Apr-2016
  • Category

    Documents
  • view

    212
  • download

    0

Embed Size (px)

description

Cursos e palestras do ms de agosto do Centro de Pesquisa e Formao do Sesc em So Paulo.

transcript

  • Programao

    Agos

    to 2

    014

  • O Sesc Servio Social do Comrcio uma instituio de carter privado, sem fins lucrativos e de mbito nacional. Foi criado em 1946, por iniciativa do empresariado do comrcio de bens, servios e turismo, que o mantm e administra. A ao do Sesc fruto de um projeto cultural e educativo que trouxe, desde sua criao, a marca da inovao social. Ao longo dos anos, o Sesc introduziu novos modelos de ao e sublinhou, na dcada de 1980, a cultura como pressuposto para a transformao social. A concretizao desse propsito se deu por uma atuao no campo da cultura e suas diferentes manifestaes, voltada a diferentes pblicos, faixas etrias e estratos sociais.

    Ampliando o compromisso da instituio no campo da cultura, e compreendendo a educao como uma ao permanente, o Sesc implantou em agosto de 2012 o Centro de Pesquisa e Formao, cuja proposta a de constituir um espao articulado entre produo de conhecimento, formao e difuso. Procura, assim, propiciar trnsitos e trocas entre o saber fazer da instituio, os dados, informaes e pesquisas existentes, e as temticas permanentes, transversais e emergentes envolvendo educao e cultura.

    O Centro de Pesquisa e Formao composto por trs ncleos: o Ncleo de Pesquisas, que se dedica produo de bases de dados,diagnsticos e estudos em torno das aesculturais e dos pblicos. O Ncleo de Formao, que promove encontros, palestras, oficinas e cursos. O Ncleo de Publicaes e Difuso, que se volta para o lanamento de trabalhos nacionais e internacionais que ofeream subsdios formao de gestores e pesquisadores. CAPA: J. Borges e a xilogravura do Nordeste

    Foto: O Cordelista na feira / J. Borges

  • SUMRIO

    4 EM PriMEira PEssoaJ. Borges e a xilogravura do Nordeste

    5 PErsPECTiVasProibido: crnica do cotidiano ou apologia ao crime?Ciclo Curadoria de feiras, festas e festivais literriosCiclo Cultura afro-brasileira: apontamentosCiclo Artistas de ruaItinerncia Sesc Bienal Internacional do Livro de So PauloCiclo Turismo de desenvolvimento: unidade na diversidade

    14 ConTExTosArte e cidadania em So PauloEducao no formal e animao socioculturalHistria oral enquanto metodologia de pesquisaIII Conferncia Municipal de Cultura de So PauloCultura e educao na Escola Sesc de Ensino MdioFotografia de palco

    24 PErCUrsos ao LEsTEMapeamento social e afetivo dos rios paulistanos

    25 PEsqUisa EM foCoRetrato do financiamento coletivo no Brasil

    26 LEiTUra CoMEnTadaPlano Setorial para Cultura afro-brasileira

    27 aUToGrafiasGraffiti em SP: tendncias contemporneas

    28 Moda da CasaAs aes do Sesc na rea de cinema

  • 4EM PRIMEIRA PESSOA CONvERSA COM PROFISSIONAIS SOBRE TEMAS dO CAMPO dA CULTURA.

    Jos Francisco Borges nasceu em Bezerros (PE), em 1935. Aos 29 anos, passou a escrever textos de cordel e teve que aprender a fazer gravuras para ilustrar seus folhetos. O sucesso de vendas foi imediato. Da crtica social ao erotismo, o leque de temas presentes em seus trabalhos variado: o cangao, o amor, a religiosidade, as manifestaes populares, a poltica, as mulheres. Neste encontro, o artista fala sobre o universo do homem do nordeste e de sua trajetria profissional.

    Haver traduo em LIBRAS (Lngua Brasileira de Sinais).

    Com J. Borges, mestre do cordel e da xilogravura. Em 2005, recebeu o ttulo de Patrimnio Vivo de Pernambuco.

    J. Borges e a xilogravurado Nordeste

    19/08. Tera, 19h30 s 21h30.

    Foto

    : Ace

    rvo

    pess

    oal

    r$ 30,00; r$ 15,00 ; r$ 6,00

  • 506/08. quarta, 19h30 s 21h30.

    r$ 30,00; r$ 15,00 ; r$ 6,00

    Foto

    : Pixa

    bay

    Debate sobre o significado do Proibido um subgnero musical acusado de fazer apologia ao crime - a partir de sua histria no Estado de So Paulo e das anlises de trs bases musicais que caracterizam, respectivamente, trs dcadas sucessivas da msica funk carioca.

    Com Carlos Palombini, Ph.D. em Msica pela Universidade de Durham, professor de Musicologia na UFMG, professor colaborador do programa de ps-graduao em msica da UNIRIO.

    Com Renato Barreiros, formado em Relaes Internacionais pela PUC-SP, ex-Subprefeito de Cidade Tiradentes e diretor do documentrio Funk Ostentao.

    ProiBido: crNica do cotidiaNo ou aPologiaao crime?

    PERSPECTIvAS ABORdAGENS SOBRE TEMAS E QUESTES dO CAMPO dA CULTURA.

  • 6de 06 a 08/08. quarta a sexta, 14h s 17h.

    r$ 30,00; r$ 15,00 ; r$ 6,00

    Foto

    : Hor

    cio

    Mor

    eira

    Abordagem sobre as experincias na organizao de eventos literrios em variados formatos.

    Haver traduo em LIBRAS (Lngua Brasileira de Sinais) em todos os encontros.

    06/08 Grandes eventos literrios

    Relato de trs experincias na organizao de eventos literrios no cenrio nacional: a Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo, a Bienal Internacional do Livro e a Festa Literria Internacional de Paraty.

    Com Tnia Rsing, doutora em Teoria Literria pela PUC-RS. Coordena as Jornadas Literrias de Passo Fundo.

    Com Francis Manzoni, doutorando em Histria pela PUC-SP. Coordenador de Literatura na Gerncia de Ao Cultural do Sesc So Paulo, integra a curadoria da programao cultural da 23 Bienal Internacional do Livro de So Paulo.

    Com Paulo Werneck, editor, jornalista e tradutor. Foi editor de literatura na Companhia das Letras e Cosac Naify. Foi editor do caderno Ilustrssima do jornal Folha de So Paulo. Curador da Festa Literria Internacional de Paraty.

    ciclo curadoria de feiras, festas e festivais literrios

    *O valor da inscrio vlido para cada encontro.

  • 707/08 Festas e festivais literrios segmentados

    Sero abordados dois eventos realizados a partir de segmentos especficos: literatura infantil e literatura perifrica. O Festival de Literatura Infantil da cidade de Monteiro Lobato uma iniciativa da Prefeitura Municipal atravs das Secretarias de Cultura, Turismo e Educao do municpio. Surgida em 2012, a FLUPP Festa Literria das Periferias - tem como objetivo engajar comunidades vulnerveis, identificar e dar visibilidade a novos autores promovendo perspectivas inovadoras de narrao.

    Com Andr Barreto, secretrio de Cultura e Turismo do municpio de Monteiro Lobato e organizador do Festival de literatura infantil de Monteiro Lobato.

    Com Julio Ludemir, jornalista, produtor cultural e escritor. Tem nove livros publicados, a maioria deles no universo das favelas cariocas. um dos criadores da Batalha do Passinho e da FLUPP - A Festa Literria das Periferias.

    08/08 Literatura em outros arranjos

    Mltiplos formatos e espaos so utilizados para proporcionar experincias com a literatura. A Balada Literria rene literatura, cinema, artes plsticas, msica e quadrinhos em vrios espaos culturais da capital paulista. O Sarau a Plenos Pulmes incentiva a difuso da literatura, a leitura, a poesia escrita e falada. A #Tuiteratura explora as pontencialidades literrias dos fluxos interativos na plataforma Twitter.

    Com Marcelino Freire, escritor. Publicou, entre outros, os livros Angu de Sangue (Ateli Editorial) e Contos Negreiros (Editora Record Prmio Jabuti 2006). Criou a Balada Literria que, desde 2006, rene escritores nacionais e internacionais.

    Com Marco Iadocicco (Marco Pezo), reprter fotogrfico, jornalista, poeta e declamador. Um dos fundadores do Sarau da Cooperifa. Curador do Sarau a Plenos Pulmes realizado na Casa das Rosas.

    Com Giselle Zamboni, criadora da Comunidade Literria #letras365. Realizou pesquisa e catalogao de centenas de escritores em atuao no Twitter que resultou na criao da hashtag #tuiteratura, e na idealizao e curadoria da Mostra #Tuiteratura realizada no Sesc Santo Amaro em 2013.

  • 8de 12 a 28/08. Teras e quintas,14h s 17h.

    r$ 30,00; r$ 15,00 ; r$ 6,00

    Foto

    : Ag

    ncia

    Bra

    sil

    Prope-se reunir pesquisadores, artistas e agentes culturais que atuam em vrios segmentos da cultura afro-brasileira para refletir sobre alguns de seus aspectos mais fundamentais.

    12/08 - As dimenses do sagrado brasileiro

    Discusso acerca do processo histrico das religies afro-brasileiras a partir de suas principais matrizes formadoras: catolicismo, ritos indgenas e religies africanas. Sero abordadas as principais caractersticas dessas religies, bem como o impacto da intolerncia religiosa na vida do povo de santo.

    Com Vagner Gonalves, doutor em Antropologia Social, professor livre-docente da USP. Desenvolve pesquisas na rea de populaes afro-brasileiras sobre temas como religiosidade, artes afro-brasileiras e representao etnogrfica.

    Com Walmir Damasceno, jornalista, sacerdote e coordenador nacional do ILABANTU Instituto Latino Americano de Tradies Afro Bantu.

    ciclo cultura afro-Brasileira: aPoNtameNtos

    *O valor da inscrio vlido para cada encontro.

  • 919/08 Reflexes sobre uma esttica negra

    Persiste no cenrio das artes brasileiras a controvrsia acerca da existncia ou no de uma esttica negra na produo cultural nacional. Este encontro busca refletir sobre alguns aspectos que permeiam a questo a partir das experincias de artistas negros que dialogam em suas produes com elementos da cultura afro-brasileira.

    Com Adriana Paixo, co-fundadora da Capulanas Cia. de Arte Negra, atriz formada em Comunicao das Artes do Corpo pela PUC-SP e graduanda em Cincias Sociais pela Unifesp. Arte educadora e pesquisadora do corpo.

    Com Dbora Maral, co-fundadora, intrprete e pesquisadora da Capulanas Cia de Arte Negra. Cursou Comunicao das Artes do Corpo na PUC-SP. Ministra cursos e oficinas de turbantes, tranas e danas a partir das culturas africanas, afro brasileira e brasileira.

    Com Joel Zito Arajo, cineasta e doutor em Comunicao pela USP. Concebeu e dirigiu o documentrio A negao do Brasil e o longa metragem Filhas do vento. autor dos livros A Negao do Brasil o neg