Projecto Profissional - Made in Portugal.pdf

Click here to load reader

  • date post

    10-Jan-2017
  • Category

    Documents

  • view

    217
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Projecto Profissional - Made in Portugal.pdf

  • PROJETO PROFISSIONAL

    MADE IN PORTUGAL

    AUTOR: Lus Miguel de Macedo Marreiros

    ORIENTADOR: Professor Doutor Joaquim Reis

    ESCOLA SUPERIOR DE LISBOA, SETEMBRO, 2014

  • 1

    Lus Miguel de Macedo Marreiros

    PROJETO PROFISSIONAL

    MADE IN PORTUGAL

    RESUMO: Apresentao de um plano de negcios para a criao de uma plataforma online que congregue sites de produtos/marcas em Portugal

    LISBOA

    INSTITUTO PORTUGUS DE ADMINISTRAO DE MARKETING

    2014

  • 2

    AGRADECIMENTOS

    Agradeo minha famlia todo o esforo feito para chegar onde estou a

    chegar agora, e que reconheo que no foi fcil.

    Agradeo a simpatia e a colaborao de toda a equipa do IPAM que me

    acompanhou tanto nos anos da licenciatura como do mestrado sempre com a mesma

    disposio.

    Agradeo ao Joo Magueijo por me ter ajudado a identificar qual o melhor

    caminho a seguir para a elaborao do projeto.

    Agradeo ao Jos Antnio Rodriguez que me ajudou a encontrar alguns dados

    que seriam importantes para completar e justificar melhor alguns pontos com

    informao bastante relevante.

    Agradeo ao Nuno Gonalves que me ajudou numa das partes que me vi com

    mais dificuldades.

    Agradeo ao Pedro Firmino que me acompanhou nos ltimos detalhes do

    projeto, na sua fase de complementar alguns dos temas abordados e na formatao de

    tabelas e texto. Alm de que esteve todo o tempo a incentivar para finaliz-lo.

    Agradeo tambm a todos aqueles que fizeram possvel este projeto

    acontecer e para todos deixo esta frase

    Lots of people want to ride with you in the limo, but what you want is someone who will take the bus with you when the limo breaks down.

    (Oprah Winfrey)

    Obrigado

  • 3

    NDICE

    NDICE DE FIGURAS .................................................................................................................... 5

    NDICE DE TABELAS .................................................................................................................... 6

    ABREVIATURAS ............................................................................................................................ 7

    RESUMO .......................................................................................................................................... 8

    ABSTRACT ...................................................................................................................................... 9

    SUMRIO EXECUTIVO .............................................................................................................. 10

    INTRODUO .............................................................................................................................. 13

    1. ENQUADRAMENTO ......................................................................................................... 15

    1.1. Reviso da Literatura .................................................................................... 16

    1.1.1. Consumidor .............................................................................................................. 16

    1.1.2. Pesquisa de mercado ............................................................................................ 17

    1.1.3. Marketing 3.0 ........................................................................................................... 18

    1.1.4. Marketing Digital ................................................................................................... 22

    1.2. Anlise de dados .............................................................................................. 39

    1.3. Anlise Macro PESTE .................................................................................. 40

    2. ANLISE DA ORGANIZAO DO PROJETO .............................................................. 43

    3. OBJETIVOS GERAIS ......................................................................................................... 46

    3.1. Desenvolvimento dos objetivos gerais .................................................... 46

    4. ANLISE ESTRATGICA DO PROJETO....................................................................... 47

    4.1. Anlise da Empresa ........................................................................................ 47

    4.1.1. Viso ............................................................................................................................ 47

    4.1.2. Misso ......................................................................................................................... 47

    4.1.3. Valores ....................................................................................................................... 47

  • 4

    4.1.4. Objetivos SMART .................................................................................................... 47

    4.1.5. Marketing Mix ......................................................................................................... 48

    4.2. Anlise SWOT.................................................................................................... 50

    4.3. Cinco foras de Porter ................................................................................... 50

    4.4. Fatores crticos de Sucesso .......................................................................... 51

    5. ENQUADRAMENTO DAS OPES ESTRATGICAS ................................................ 53

    6. AVALIAO FINANCEIRA .............................................................................................. 59

    7. CONCLUSES DA APRESENTAO DO PROJETO .................................................. 64

    7.1. Limitaes ao estudo ..................................................................................... 65

    7.2. Linhas de investigao futuras ................................................................... 65

    8. REFERNCIAS BIBLIOGRFICAS................................................................................. 67

    8.1. Bibliografia ........................................................................................................ 67

    8.2. Netgrafia ............................................................................................................. 68

    8.2.1. Legislao .................................................................................................................. 70

    8.2.2. Concorrentes ........................................................................................................... 70

    8.2.3. Vdeo ........................................................................................................................... 71

    GLOSSRIO ................................................................................................................................... 72

    ANEXOS ......................................................................................................................................... 74

  • 5

    NDICE DE FIGURAS

    Figura 1 - Design Thinking .................................................................................................................. 20

    Figura 2 - Eye Traking, Mapa de calor ............................................................................................. 23

    Figura 3 - Padres de leitura das pginas ...................................................................................... 23

    Figura 4 - Atratividade Cinco foras de Porter ......................................................................... 25

    Figura 5 - Fases de calendarizao ................................................................................................... 53

    Figura 6 - Calendarizao ..................................................................................................................... 53

  • 6

    NDICE DE TABELAS

    Tabela 1 - Web 1.0 vs. Web 2.0 .......................................................................................................... 23

    Tabela 2 - Modelo de Anlise SWOT ................................................................................................ 25

    Tabela 3 - Distribuio dos Ps de acordo com a funo dos profissionais da equipa ... 30

    Tabela 4 Preos de publicidade ...................................................................................................... 49

    Tabela 5 - Anlise SWOT ...................................................................................................................... 50

    Tabela 6 - Distribuio dos Ps pela equipa.................................................................................... 54

    Tabela 7 - Receitas da plataforma ..................................................................................................... 60

    Tabela 8 - Demonstrao de Resultados: Base Case .................................................................. 61

    Tabela 9 - Mapa de Fluxos de caixa: Base Case ............................................................................ 62

    Tabela 10 - Resumo dos Cenrios ..................................................................................................... 63

  • 7

    ABREVIATURAS

    CPA Cdigo do Procedimento Administrativo

    CPC Custo por click

    CRM Costumer Relationship Manager

    CTR Click-Through Rate

    FMGC Fast Moving Cosummer Goods

    FTP File Transfer Protocol

    FSE Fornecimento de Servios Externos

    GCP Gastos Com o Pessoal

    KPI Key Performance Indicators

    PME Pequenas e Mdias Empresas

    PPC Pay Per Click

    SEF Search Engine Friendly

    SEM Search Engine Marketing

    SEO Search Engine Optimization

    SPAM - Sending and Posting Advertisement in Mass

    TI Tecnologias de Informao

    TIR Taxa Interna de Retorno

    VAL Valor Atual Lquido

    WWW World Wide Web

  • 8

    RESUMO

    No mbito da obteno do grau de mestre, segue um projeto de criao de

    uma plataforma online, em que se teve em ateno as novas noes do Marketing 3.0,

    tendo um grande enfoque no marketing relacional e questionando o utilizador sobre

    qual a melhor forma de apresentar a plataforma, na medida em que esta deve ser a

    mais apelativa e de acordo com os seus gostos e desejos.

    Este projeto surgiu aps uma breve pesquisa sobre produtos e marcas de

    origem portuguesa na internet, onde foi identificada uma lacuna no que respeita

    identificao destes.

    A plataforma consistir numa apresentao de produtos Made in, ou seja,

    produtos que tenham a sua fase de produo no prprio pas, ou traduzindo letra

    feitos em. A grande questo deste projeto : Como poder tornar-se o Google

    (motor de busca) das plataformas de produtos/marcas Made in?

    Nesse sentido, visto ser uma plataforma online, foi elaborado um

    questionrio utilizando as redes sociais para a sua distribuio: Facebook e Linkedin.

    Aps uma breve anlise de algumas das metodologias existentes para

    projetos online, decidiu-se adotar a metodologia dos 8Ps do Marketing Digital para

    definir todo o processo de elaborao, produo de contedos e avaliao deste

    projeto.

    O projeto conta tambm com as prximas fases de execuo, descritas com a

    estratgia definida para quando a plataforma entrar em atividade. Nesse sentido, a

    plataforma iniciar como uma verso beta ou inacabada, sendo atualizada sempre

    que seja necessrio.

    No final deste trabalho so apresentadas algumas linhas de orientao de

    pesquisa futuras, que daro origem plataforma e-commerce, sua constante

    atualizao e sua replicao para outros pases.

    Palavras-chave: Site; Online; Plataforma; Produtos; Portugal; Made in; Marketing

    Digital; Internet; Design Thinking; 8Ps; Utilizador

  • 9

    ABSTRACT

    Within the degree of master, follows a project to create an online platform

    where I had in mind the new notions of Marketing 3.0 having a strong focus on

    relationship marketing and questioning the user about the best way to present the

    platform so as to be more appealing and according to their tastes and desires.

    This project came out after a brief research in the internet about products

    and brands of Portuguese origin, and a gap was identified in relation to the identity of

    these.

    The platform will consist in a presentation of Made in ... products, in other

    words, products which will stage its in own country production. The big question of

    this project is: How could become the Google platforms of the products / brands

    Made in...?

    In this case, like this is a online platform, the distribution of the questionnaire

    as made by using social networks: Facebook and LinkedIn

    After a brief analysis of some of the existing methodologies for the online

    projects, I decide adopt the methodology of 8ps Digital Marketing to define the entire

    process of design, content production and evaluation.

    The project also includes the next stages of implementation, described with

    the strategy defined for the platform when entering activity. In this sense, the

    platform will be launched as a "beta" version or unfinished to be updated whenever

    necessary to see it.

    In the end of this project, has guidelines for future research that which will

    give rise the e-commerce platform, the constant updating and replication to other

    countries.

    Keywords: Site; Online; Platform; Products; Portugal; Made in; Marketing Digital;

    Internet; Design Thinking; 8Ps; User

  • 10

    SUMRIO EXECUTIVO

    Com o grande aumento do consumo de internet e o aparecimento de muitos

    negcios de produtos de fabrico em Portugal, e com a crise que o pas atravessa, h

    algumas campanhas, nomeadamente, por parte do ministrio da economia para

    valorizar a oferta nacional com o programa Portugal Sou Eu a promoverem os

    produtos portugueses e a identificar com a marca P todos os produtos que esto de

    acordo com os requisitos que o programa exige.

    Por outro lado, o consumidor de internet est cada vez mais informado, com

    fcil acesso informao e passa a ser um Prosumer, isto , um misto de produtor e

    consumidor. Neste sentido, afirma-se muitas vezes, que um consumidor informado

    um consumidor comprador.

    Visto este interesse do consumidor, e fazendo uma breve anlise aos

    contedos existentes sobre os produtos portugueses na internet, identificou-se a

    lacuna de informao que existe sobre eles, ento, decidiu-se criar uma plataforma

    que congregue todos os produtos portugueses (produo e fabrico) num site s.

    Visualizando os ltimos dados de comrcio-eletrnico, segundo a Kantar

    Worldpanel, este um mercado que ser responsvel por 53 mil milhes de dlares

    das vendas globais de Fast Moving Consumer Goods (FMGC) apenas produtos

    embalados - em 2016, num aumento de 17 mil milhes de dlares, cerca de 47%, face

    aos atuais mil milhes de dlares.

    um mercado bastante atrativo tendo em conta estes dados e com esta

    preocupao por parte do ministrio da economia a valorizar os produtos

    portugueses. Este projeto pretende ajudar a comunicar esses produtos de uma forma

    simples e personalizada trabalhando as grandes ferramentas que o marketing digital

    fornece.

    Um outro fator que torna o ramo de atividade bastante atrativo so os custos

    envolvidos, principalmente com a distribuio da mensagem ou campanhas

    promocionais. So valores bastante baixos para a comunicao que se consegue obter,

  • 11

    pois com a grande expanso das redes sociais, facilmente se consegue propagar uma

    mensagem.

    A plataforma, numa primeira instncia, pretende comunicar a sua existncia,

    ganhar credibilidade e comunicar os produtos portugueses para o utilizador, atravs

    de tcnicas de SEM, SEO e metodologia dos 8Ps do Marketing Digital.

    Numa segunda fase, h o surgimento da plataforma de comrcio digital e-

    commerce e nesta fase o modelo de negcio sofre algumas alteraes. Neste ponto a

    plataforma no ser apenas de informao, mas passar a ter a componente de

    vendas, ou seja, todo o negcio ir comear a passar pela plataforma.

    O plano de negcios da empresa resultar, na primeira fase, na

    comercializao de espaos de publicidade e de links patrocinados. Numa segunda

    fase, na criao da plataforma de e-commerce que funcionar com comisses do valor

    de venda.

    A empresa ser sediada em Lisboa, mais propriamente em Alcntara no Lx

    Factory, pois a tipologia do negcio coaduna-se bastante com o espao, bem como as

    empresas que nele laboram.

    A empresa contar com um escritrio de 60m2, com 4 funcionrios com

    formao especfica na rea, trabalhando 8 horas dirias, por 5 dias da semana.

    Neste negcio haver dois tipos de clientes: os fornecedores e os utilizadores.

    Os utilizadores da plataforma so todos os usurios de internet que tiverem interesse

    em saber informaes dos produtos portugueses. Para os fornecedores esta

    plataforma vai ajud-los a destacar os seus produtos e torn-los mais fceis de ser

    encontrados na web numa primeira fase, na segunda, ser mais uma plataforma de

    vendas que podero ter disponvel.

    De momento, e aps anlise feita dos concorrentes, no h nenhum que tenha

    o seu negcio 100% igual a este projeto, pois cada um tem as suas especificaes e

    trabalha um segmento muito especfico. No entanto, esta plataforma vai juntar todos

    os produtos existentes no mercado e esses concorrentes identificados, trabalham

  • 12

    algumas das componentes que este projeto vai ter, como informao sobre produtos e

    plataforma de e-commerce.

    Este um mercado que vale cerca de 40,6 milhes de euros (em 2013) com

    previso de aumento. O investimento inicial deste projeto ronda os 12 mil euros para

    o primeiro ano de exerccio com taxas de juros acessveis. Segundo as projees

    financeiras apresentar uma rentabilidade de 56% no Ano 5 e com o payback atingido

    no Ano 3 de exerccio e um resultado liquido no Ano 5 de 266.603,07.

    Concluindo que o crescente investimento em publicidade digital, com a

    previso de crescimento das vendas online em FMCG, com a participao do

    ministrio da economia na valorizao dos produtos portugueses e a lacuna na

    identificao destes produtos, faz com que o projeto seja justificativo e vivel. Os

    riscos inerentes a este projeto esto diretamente relacionados com as baixas

    barreiras de entrada, bem como, na criao de um produto substituto, mas com uma

    atualizao constante e inovaes a acompanhar, os riscos sero minimizados.

  • 13

    INTRODUO

    O projeto consiste na criao de uma plataforma online que permita

    congregar diferentes sites de produtos/marcas de fabrico portugus.

    Sendo os produtos portugueses, cada vez mais, considerados de boa

    qualidade (Anexo 8), aps uma pequena pesquisa verificou-se que havia uma grande

    lacuna para identificar produtos e marcas portuguesas. Nesse sentido decidiu-se

    desenvolver uma plataforma online com hiperligaes a diferentes sites onde o

    consumidor poder facilmente encontrar todos os produtos de origem portuguesa.

    De forma a perceber melhor o que uma plataforma deste tipo dever ter para

    ir mais ao encontro do que o consumidor pretende, elaborou-se um questionrio para

    identificar algumas das caractersticas que dever ter, para que seja mais apelativa e

    preencha alguns dos requisitos necessrios ao seu sucesso.

    A plataforma arrancar com uma edio beta (inacabada) para dar a

    possibilidade aos utilizadores de ajudarem a personaliz-la e sintam que este um

    projeto que tambm lhes pertence. Esta verso surgir para poder entrar logo no

    mercado, de forma a comear a perceber o trfego e a agradabilidade do utilizador.

    Dando a oportunidade deste expressar-se e dar sugestes para fazer alteraes na

    plataforma. Esta tambm ser constantemente atualizada com algumas das sugestes,

    de forma a estar sempre de acordo com o que os consumidores preferem ao longo do

    tempo. Da, o utilizador ajudar a desenhar a plataforma e esta ir incentivar que

    este seja participativo ao longo da sua utilizao.

    Na reviso da literatura ser feita uma anlise pelos diferentes temas

    relevantes que sero abordados para a elaborao do projeto, iniciando com as

    definies que serviro de guia para todo o processo de criao da plataforma.

    A metodologia adotada no projeto est diretamente relacionada com a

    definio dos 8Ps do Marketing Digital, sendo que para a sua execuo, comunicao e

    controlo iro ser percorridos todos os Ps.

  • 14

    Os objetivos traados esto divididos em objetivos gerais e objetivos

    especficos. Os objetivos gerais servem para dar a viso da plataforma universal, ou

    seja estes objetivos sero sempre os guias de todos os processos de construo da

    plataforma, sendo adaptadas s normas e regras dos pases que seja possvel de

    recri-la. Os objetivos especficos, neste caso considerados SMART, so direcionados

    para cada pas onde a plataforma for criada e neste projeto esto relacionados a

    Portugal.

    Visto este projeto conter um plano de negcios, este ser financiado atravs

    de comercializao de espaos publicitrios como: links patrocinados; 2 banners

    (barra lateral, barra de topo extensvel); destaque fixo e rotativo, para marcas que se

    queiram destacar e ter mais visibilidade na plataforma. A outra forma de

    financiamento ser atravs da plataforma de e-commerce que iniciar 4 meses aps o

    lanamento do site.

    A plataforma ter como conceito base Think Global, Act Local, pois poder ser

    recriada em qualquer pas, mas com os acessos devidamente ligados aos sites dos

    prprios pases, ou seja, ligaes aos sites com o domnio de cada pas ou aos

    produtos/marcas que sejam produzidos nesses pases.

    A grande questo que se levanta e que servir de objetivo para o projeto :

    Como poder tornar-se o Google (motor de busca) das plataformas de

    produtos/marcas Made in?

  • 15

    1. ENQUADRAMENTO

    Com o grande crescimento de acesso da rede de Internet, esta comea a ser

    cada vez mais um local privilegiado de comunicao e onde as pessoas pesquisam e

    procuram informao.

    Aps a anlise de estudos feitos sobre o uso da Internet, identificou-se que

    est a crescer de ano para ano o nmero de utilizadores e, em simultneo h um

    crescimento de um canal cheio de oportunidades de negcio (Anexo 1).

    Uma das grandes vantagens que este canal apresenta o seu fcil acesso,

    podendo qualquer utilizador, de qualquer idade, em qualquer parte do mundo

    consultar qualquer contedo, bastando apenas um acesso Internet.

    Este projeto tem como objetivo ser a plataforma mais procurada por todas as

    pessoas que querem saber mais de produtos/marcas portuguesas.

    Todos os sites que, aps uma breve anlise, tenham como domnio o .pt sero

    potenciais ligaes que a plataforma vai ter. Essa mesma anlise vai credibilizar

    contedos e tornar mais fidedigna a informao que a plataforma indicar.

    A plataforma ser como um motor de busca portugus, quando se pretender

    encontrar produtos/marcas portuguesas.

    Ser apresentada em 2 fases, em que a primeira, ser a elaborada neste

    projeto e a segunda a criao da plataforma de e-commerce que ser criada ao fim

    de 4 meses de atividade.

    Sendo a plataforma de acesso gratuito, ser financiada, em primeira

    instncia, atravs de espaos publicitrios que neste caso aparecero como links

    patrocinados; 2 banners (barra lateral e barra de topo extensvel); destaque fixo e

    rotativo. Os links patrocinados sero para marcas que se queiram destacar e ter mais

    visibilidade na plataforma. Os valores destes espaos publicitrios estaro de acordo

    com as tabelas de preos de players do mercado que definem os valores de tabela por

    cada mil contactos. A outra forma de financiamento da plataforma ser atravs da

  • 16

    plataforma de e-commerce que funcionar comisso do valor de venda dos

    produtos.

    Para enquadrar melhor o tema, segue-se a reviso da literatura que ir

    sustentar todas as decises estratgicas ao longo do projeto.

    1.1. Reviso da Literatura

    Para o avano do projeto elaborou-se um pequeno estudo de mercado, para

    obter alguns dados da perceo de como o utilizador lida com este tipo de

    plataformas e quais os aspetos que este d como mais relevantes para que esta

    obtenha o sucesso pretendido.

    Aps a anlise verificou-se, que o consumidor tem vindo a alterar os seus

    padres de consumo devido acima de tudo internet, e nesse sentido um dos grandes

    pontos de partida ser conhecer o comportamento do consumidor (Dionsio et al.,

    2009).

    1.1.1. Consumidor

    Citando Mowen e Minor (2004),O comportamento do consumidor definido

    como o estudo das unidades compradoras e dos processos de troca envolvidos na

    aquisio, no consumo e na disposio de mercadorias, servios, experincias e

    ideais. (p. 3).

    O consumidor tem vindo a evoluir, muito devido aos novos canais de

    informao e comunicao (internet) a que comeou ter acesso e, desta forma, o

    consumidor deixou de ser passivo diante da massificao da comunicao (Adolpho,

    2012, p. 75). Entretanto o consumidor mudou, passou a ser ativo e, nesse sentido

    apareceu o consumidor 2.0. Este um consumidor que no quer mais a imposio dos

    media a dizerem o que deve fazer, quer escolher os prprios caminhos e tomar as

    suas prprias decises. Devido ao grande leque de opes de entretenimento,

    informao, compras entre outras, faz com que este seja bastante exigente, pois faz o

    que quer e quando quer (Adolpho, 2012).

  • 17

    Neste momento o que define o consumidor 2.0 o seu comportamento em

    relao ao consumo (Adolpho, 2012, p. 219).

    1.1.2. Pesquisa de mercado

    Como referido no pargrafo anterior, devido ao aparecimento deste

    consumidor 2.0, com bastante acesso informao, torna a pesquisa de mercado um

    ponto bastante importante, pois servir para identificar os fatores que influenciam o

    comportamento do consumidor e vai tambm ajudar na conceo de ideias para o

    desenvolvimento do produto/plataforma.

    A pesquisa iniciada, com a anlise de dados secundrios, sendo estes dados,

    dados que j foram coletados para outros fins e que esto relacionados com a

    atividade em estudo, que so encontrados facilmente nos motores de busca (online) e,

    muitas vezes sem qualquer custo associado (Malhotra, 2001). Estes serviram para

    obter algum conhecimento de mercado, desde utilizadores de internet, hora de

    consumo, formatos usados para navegar, etc. Primeiro faz-se a pesquisa qualitativa,

    atravs de dados secundrios passando depois para a anlise quantitativa de dados

    primrios, que podero ser obtidos atravs de um questionrio feito aos utilizadores

    online.

    Para a elaborao do questionrio deve-se ter em mente o objetivo do projeto

    e a obteno de dados quantitativos e dados qualitativos. Para tal, h vrios tipos de

    escalonamento que se podero usar. Os que so mais comuns so: escalas por itens e

    a escala de Likert. Para garantir a resposta, muitas vezes necessrio dar uma

    classificao forada, para obrigar os inquiridos a responder a todas as questes.

    A escala de Likert usada para ajudar na pontuao das questes. Serve para

    observar a relevncia em que uma nota mais alta favorece a afirmao. Caso esta seja

    positiva e, visto que a varincia poder ir de 1 a 5, o nmero mais elevado ir

    favorecer a afirmao, caso a afirmao seja negativa, o valor mais baixo ser o que

    est de acordo com a afirmao e nesse caso vai-se fazer a cotao ao contrrio, onde

    o nmero 1 vai ser igual a 5 e o 5 igual a 1 (Malhotra, 2005).

  • 18

    Todos os dados observados tanto a nvel do questionrio como, da

    observao de dados secundrios, serviro para conhecer os utilizadores e quais as

    motivaes que os movem.

    Trabalhar a motivao implica ter conhecimento dos gostos e das aspiraes

    que o utilizador tem, de forma a conseguir a sua participao na criao da

    plataforma. Sendo este um dos grandes pontos dentro do desenvolvimento do projeto

    e tambm uma das grandes variantes do desenvolvimento do marketing 3.0.

    1.1.3. Marketing 3.0

    No se pode iniciar o marketing 3.0 sem antes fazer a contextualizao das

    eras do marketing, este tem evoludo atravs de 3 fases: Marketing 1.0, 2.0 e 3.0.

    O Marketing 1.0 um marketing com enfoque no produto e da surgir a

    celebre frase de Henri Ford Qualquer cliente pode ter um carro pintado na cor que

    quiser, desde que seja preto (Adolpho, 2012).

    No Marketing 2.0 a principal pea a tecnologia de informao e orientado

    para o consumidor. Neste caso o consumidor visto como um alvo passivo das

    campanhas de marketing (Kotler, 2011, p. 17).

    O Marketing 3.0 o marketing que procura chegar mente e ao corao do

    consumidor, este eleva o conceito de marketing para a arena das aspiraes, dos

    valores e do esprito humano (Kotler, 2011, p. 18).

    Existem 3 foras importantes que do forma a esta nova fase do marketing: a

    era da participao, a era do paradoxo e a era da sociedade criativa.

    Citando Kotler (2011), Na era da participao as pessoas criam notcias,

    ideias e entretenimento da mesma forma que as consomem (p. 21). Com esta

    afirmao deve-se fazer uma diviso dos media sociais em duas partes: media sociais

    expressivos e media sociais colaborativos. Os media sociais expressivos, funcionam

    atravs de blogs, Twitter, Youtube, Facebook, entre outros. Os media sociais

    colaborativos, so sites como a Wikipedia (Kotler, 2011).

  • 19

    A era do paradoxo est bastante relacionada com a globalizao e a

    tecnologia de informao. Permite a troca de informaes entre naes, grandes

    empresas e indivduos em todo o mundo. Esta uma fora bastante importante

    porque luz do Marketing 3.0, faz com que as empresas tenham uma abordagem que

    vai ao encontro de preocupaes e desejos dos cidados globais. Estas empresas

    devem compreender as questes comunitrias relacionadas com a sua atividade. Da

    surgir a nova definio de marketing da Associao Americana de Marketing em

    2008: O Marketing a atividade, o conjunto de prticas e processos que visam criar,

    comunicar, oferecer e trocar ofertas que possuam valor para consumidores, clientes,

    parceiros e sociedade em geral. (Kotler, 2011, p. 31).

    A era da sociedade criativa a que d luz ao marketing 3.0 e neste caso

    inserem-se as pessoas criativas que trabalham em sectores criativos, como as

    cincias, as artes ou os servios profissionais. Estas pessoas criativas, apesar de

    serem em menor nmero na sociedade esto a ser cada vez mais dominantes e so

    consumidores inovadores que criam e usam tecnologias e novos conceitos, sendo

    igualmente mais colaborativos (Kotler, 2011, p. 31, 32).

    Para o desenvolvimento deste ponto ser utilizado o design thinking, que de

    acordo com Tim Brown (2008), Pensar como designer pode transformar a forma de

    como desenvolver os produtos, servios, processos - at a estratgia.

    Citando Thomas Lockwood (2009) O objetivo envolver consumidores,

    designers e pessoas dentro da empresa num processo integrado que poder ser

    aplicado a produtos, servios e desenho de negcio. Segundo o mesmo autor h

    alguns fatores chave para o processo de design thinking, sendo um deles o

    desenvolvimento, que no mais do que um conhecimento profundo sobre o

    consumidor, baseado na pesquisa de campo, usando uma aproximao emptica. Esta

    uma das foras de inspirao e de ajuda na pesquisa da perceo dos consumidores

    que permite descobrir as necessidades no articuladas.

    Tendo em conta que existem vrios modelos de design thinking, o que surgiu

    e foi repetido mais vezes, durante o processo de pesquisa, foi o modelo das 5 fases:

  • 20

    Empathize, Define, Ideate, Prototype, Test. Estas fases tm um circuito, muitas vezes

    circular (Figura 1).

    O design thinking pode ser usado para desenvolver um projeto de raiz, ou

    para o desenvolvimento de produtos, servios e processos (Brown, 2008).

    Figura 1 - Design Thinking

    De forma a definir as fases do design thinking e iniciando com a fase de

    Empathize, que saber colocar no lugar do outro sendo que, para ser emptico

    necessrio observar os utilizadores e o seu comportamento no contexto das suas

    vidas. Interagir, entrevistar e experimentar o que os utilizadores dizem e o que

    sentem com a situao. A empatia a forma de saber o que que o utilizador precisa

    e qual o formato mais adequado (Stanford University Institute of Design, 2010).

    Este envolvimento ser o guia das inovaes, pois ajuda a identificar os

    utilizadores para os quais se est a desenvolver o projeto e a descobrir as emoes

    que os guiam e os seus comportamentos (Stanford University Institute of Design,

    2010).

    A fase de Define a juno de todos os in-puts recebidos durante a fase

    anterior que vai ajudar a criar o ponto de vista e o guia a ser seguido para a

    elaborao do projeto (Stanford University Institute of Design, 2010).

    Ideate a forma durante o processo de design que se foca na gerao de uma

    ideia. Nesta fase vai haver uma identificao de problemas, para serem exploradas as

  • 21

    solues, para os utilizadores experimentarem, na medida em que, de um vasto

    nmero de ideias que serviro para construir um prottipo, de forma a testar com os

    utilizadores (Stanford University Institute of Design, 2010).

    O princpio fundamental da Ideate saber separar as ideias que se esto a

    gerar e s se avaliam quando se misturam duas intencionalmente (Stanford

    University Institute of Design, 2010).

    Quando a ideia j est criada, passa-se fase de Prototype, que ser a

    elaborao de um prottipo do projeto para depois ser avaliada pelo consumidor

    Prototype a fase de passar ideias e pesquisas para o meio fsico, a fim de

    serem testadas. Esta poder apresentar-se de diferentes formas: uma storyboard, uma

    atividade de role-playing, uma parede de notas de pos-it, entre outras (Stanford

    University Institute of Design, 2010).

    Esta fase ser importante para construir e pensar de forma a desenvolver

    diversas hipteses de soluo. Conseguem-se criar diferentes prottipos e comear a

    eliminar aqueles que no interessam, sem perder muito tempo e sem investir muito

    dinheiro. Ajuda a identificar a varivel para explorar eliminando a ambiguidade,

    contribui para a idealizao e a reduzir a falta de comunicao (Stanford University

    Institute of Design, 2010).

    Test a fase em que h a oportunidade de redefinir solues tornando-as

    melhores. Testar indica as prximas interaes da fase anterior (Prototype), que

    muitas vezes pode indicar voltar para trs para a definio de ideia. Esta fase mais

    uma oportunidade de empatia construda atravs da observao e envolvimento que

    gera muitas vezes in-puts inesperados (Stanford University Institute of Design, 2010).

    Para o processo de Design thinking necessrio ir ao mercado e questionar o

    target para, assim, elaborar a plataforma com os in-puts obtidos das respostas ao

    questionrio. Este tambm um processo que se enquadra no desenvolvimento de

    um plano de marketing na rea da pesquisa.

    Desta forma, recuando s definies de marketing e citando Filipe Carrera

    (2009) O Marketing o processo de planificao e execuo da conceo, fixao do

  • 22

    preo, promoo e distribuio de ideias, bens e servios para criar trocas que

    satisfaam os objetivos dos indivduos e das organizaes (p. 29).

    A elaborao do projeto, bem como toda a estratgia de comunicao e de

    marketing tm de ser adaptadas ao canal de comunicao online e nesse sentido

    importante entender o marketing digital.

    1.1.4. Marketing Digital

    Sendo a base da plataforma digital, ser bastante importante perceber o

    funcionamento deste canal desde a sua base. Nesse sentido inicio a explicao com

    uma das definies possveis do que a internet: uma rede global de redes de

    computadores (Carrera, 2009, p. 19). De forma a possibilitar o acesso a esta rede foi

    criado o primeiro Web browser, que facilitou a navegao entre as pginas (Carrera,

    2009, p. 20), ou seja a Web aparece como um dos servios de internet bem como o

    correio eletrnico, o chat online e o FTP que serve para descarregar documentos

    (Carrera, 2009, p. 20).

    O meio digital apresenta bastantes benefcios para as empresas que nele se

    baseiam, pois um meio que oferece uma grande projetividade, com poucos custos e

    est sempre disponvel para consulta 365 dias por ano 24 horas por dia.

    Visto esta mudana e o aparecimento deste canal, o Marketing teve de se

    adaptar e as estratgias delineadas tiveram de ser reformuladas, apesar de estarem

    sempre bem presentes todas as anlises e princpios do marketing. Neste sentido,

    continuam na mesma a existir os 4Ps do marketing (produto, preo, distribuio e

    promoo) e alguns autores acrescentam um 5. P o de participao, aparece no s

    do meio digital mas tambm da emergncia da Web 2.0 (Carrera, 2009, p.30).

    Houve tambm uma transposio de alguns modelos de estudos no mundo

    off-line que tambm tiveram de ser adaptados para que consigam entrar neste mundo

    digital.

    Da surgir a pesquisa de Jacob Nielsen (citado por Guillermo Franco, 2014),

    sobre Eye Traking das pginas de internet, que identificou que h zonas no site em

  • 23

    que o utilizador presta mais ateno. A Figura 2 representa o mapa de calor (heat

    map) e as reas vermelhas so onde o consumidor prestou mais ateno.

    Figura 2 - Eye Traking, Mapa de calor

    Jacob Nielsen acabou por identificar que nestas visualizaes h trs padres

    de leitura de pginas, podendo ser em forma de F, E ou L invertido (Figura 3) onde as

    setas representam a forma de leitura.

    Figura 3 - Padres de leitura das pginas

    Tal como aconteceu com o consumidor, a Web tambm sofreu a sua evoluo, e

    utilizando a nomenclatura dada por Filipe Carrera. Este chama a Web anterior de

    Web 1.0. A Web 2.0 (Tabela 1) est bastante relacionada com o que foi descrito

    anteriormente no consumidor 2.0. O consumidor 2.0 um Prosumer, isto , um misto

    de produtor e consumidor (Carrera, 2009, p. 168).

    Tabela 1 - Web 1.0 vs. Web 2.0

  • 24

    Neste momento as empresas esto a deixar espaos para os consumidores

    darem o seu testemunho (Adolpho, 2012).

    Possivelmente devido aos efeitos da crise, os consumidores acreditam mais

    uns nos outros do que nas empresas (Kotler, 2010, p. 42)

    A ascenso dos media sociais simplesmente um reflexo da migrao da confiana dos consumidores das empresas para outros consumidores () menos consumidores confiam em publicidade gerada por empresas. Os consumidores recorrem ao passa-palavra como uma forma nova e credvel de publicidade em que podem confiar () os consumidores confiam mais em estranhos da sua rede social do que em peritos (P. 42).

    Fonte: Philip Kotler (2010)

    Como no texto acima est referido, a publicidade tambm teve de se adaptar

    a esta nova realidade e consumidor. Na internet h duas formas principais de fazer

    publicidade, atravs de banners ou atravs de links patrocinados (Olhar Digital Pro,

    2014).

    Os banners podero ter vrias medidas e formatos, podem ser vdeos, home

    page takeover (ocupa a pgina inteira por segundos), entre outros. Mas normalmente

    apresentam-se com a forma de retngulos ou quadrados e ainda barras (laterais ou

    de topo), que podero ser ou no extensveis. Neste mercado as tcnicas utilizadas

    para definir os preos esto relacionadas com os Custos Por Mil (CPM) impresses ou

    seja, com o valor de chegar a mil contatos e a ser exibido mil vezes (k, 2013).

    Com todas estas adaptaes e inovaes, tambm as tcnicas de marketing ou

    anlises, tem de ter o seu contedo direcionado para esta nova realidade e como tal

    para a elaborao de uma estratgia de marketing necessrio fazer a anlise SWOT

    e a anlise das 5 foras de Porter.

    A anlise SWOT servir para identificar os pontos fortes e fracos da empresa

    bem como e as oportunidades e ameaas do meio envolvente (Freire, 2006).

    usual relacionar os pontos fortes e fracos da empresa com as principais

    tendncias do seu meio envolvente (Freire, 2006, p. 143). Com este cruzamento

    surgem sugestes para ligar com oportunidades e ameaas. Citando Adriano Freire

    (2006), as ameaas constituem sempre oportunidades latentes (p. 143), (Tabela 2).

  • 25

    Tabela 2 - Modelo de Anlise SWOT

    A anlise das 5 foras de Porter importante, porque vai ajudar a definir a

    atratividade do mercado, pois esta anlise ajuda a identificar dois eixos, o eixo da

    cooperatividade e o eixo da competitividade.

    Na primeira fase h que identificar os participantes em cada um dos eixos. As

    ameaas de novas entradas e de produtos substitutos localizam-se no eixo da

    competitividade e no eixo da cooperatividade esto os fornecedores e os clientes

    (Figura 4).

    Figura 4 - Atratividade Cinco foras de Porter

    Comeando pelos fornecedores, estes dividem-se em duas tipologias: os que

    fornecem os produtos para que se possa comprar e vender atravs do site e por outro

    lado temos os designers, programadores, vendedores, todos com o seu especfico

    poder de negociao.

    Os clientes tambm se dividem em dois tipos: os que tm os produtos para

    venda (marcas) e os que so utilizadores. Para estes dois grupos de clientes que

    ajustar o plano de comunicao a utilizar, devendo este ser adaptado a cada um dos

  • 26

    grupos, de forma a obter um relacionamento com eles. Tendo em vista que um dos

    grandes objetivos da plataforma a criao de um clima de confiana propcio

    existncia de interaes que derivam ou no em transaes (Carrera, 2009, p. 33).

    Uma vez que o poder negocial dos clientes um fator bastante forte neste

    projeto, este ser aberto e ter sempre como centro o consumidor, ou seja ir para o

    ar, como uma edio inacabada (beta) e a questionarei o utilizador para ajudar a

    complet-lo.

    De forma a trabalhar mais o ltimo P, o de Participao (identificado

    anteriormente), decidiu-se adotar para a elaborao da plataforma o modelo dos 8Ps

    do Marketing digital de Conrado Adolpho.

    Os 8Ps do Marketing Digital vo delinear a metodologia adotada para a

    criao da plataforma. Por isso ser importante compreender todos os Ps que fazem

    parte desta metodologia, sendo eles: Pesquisa, Planeamento, Produo, Publicao,

    Promoo, Propagao, Personalizao e Preciso.

    Citando Adolpho (2012), os 8Ps do Marketing Digital uma nova forma de

    ver o marketing e de agir, um modo de redesenhar a relao das empresas com o

    mercado (p. 156).

    Pesquisa

    Verificando a velha mxima a comunicao comea no interlocutor indica

    que o processo de pesquisa o primeiro passo para qualquer projeto digital, ser

    bastante importante, pois vai ajudar a definir os utilizadores do servio de forma a

    tornar a plataforma mais atrativa. Pois o utilizador de agora est mais ativo com mais

    acesso informao, e pesquisa tudo acerca de determinado servio ou produto.

    Lendo opinies ou dando opinies e mesmo reclamando de uma m experiencia, ele

    quer cocriar a sua experiencia de compra (Adolpho, 2012, p. 189).

    Esta pesquisa vai ajudar a conhecer o consumir atravs dos diferentes

    depoimentos e marcas que este vai deixando no seu processo de navegao na

    internet, dando pistas de como ele , facilitando a medio. Porque quanto mais ativo

  • 27

    o consumidor, mais [] sabemos onde est. Sabemos onde esteve. Podemos mais ou

    menos saber o que est a pensar (Adolpho, 2012, p. 189, 190).

    E dessa forma vai contribuir tambm para a identificao de qual o melhor

    caminho a seguir e qual a melhor forma de chegar ao consumidor, oferecendo

    exatamente o que ele procura (Adolpho, 2012).

    Este ponto ser para perceber o comportamento do atual pblico-alvo, as

    suas mudanas em relao ao tempo e as tendncias que se apresentam.

    Este tambm um canal que apresenta uma grande vantagem para o

    conhecimento do comportamento do consumidor, pois ele aqui um s, porm, na

    internet ele externaliza mais as suas necessidades porque ele tem os meios para

    tal. (Adolpho, 2012, p. 217).

    Nesta fase tambm ser onde se vai identificar e escolher as palavras-chave

    para a plataforma, para que aparea em melhor destaque nos motores de busca mais

    habituais (por exemplo o Google) e que so mais adequadas ao negcio (Adolpho,

    2012).

    Todos os estudos confirmam que, caso a nossa empresa no aparea nas trs primeiras pginas de resultados de busca, nos 30 lugares cimeiros, o mesmo que termos colocado um cartaz no meio da floresta. Ningum nos vai encontrar (Vise, 2007, p137).

    Fonte: Ascenso (2011, p.60)

    Existem vrias tcnicas para a identificao de Keywords, podendo recorrer

    aos conhecidos Web Analytics (ou simplesmente Analytics), ou analisar as keywords

    que os concorrentes do mais prevalncia. Citando Carlos Ascenso (2011),

    enquanto as keywords so os ingredientes, as tarefas de SEO so a nossa receita (p.

    93).

    As palavras-chave ou keywords, tambm podem ser pesquisadas atravs do

    Google Insights for Search. Esta ferramenta mostra percentualmente o nmero de

    pesquisas por determinada palavra no Google ao longo de um determinado perodo

    bem como, uma lista de palavras relacionadas. A lista que o Google fornece de

    palavras-chave, mostra tambm a sazonalidade de cada palavra num perodo de 12

    meses (Adolpho, 2012, pp. 222-225).

  • 28

    H que identificar uma palavra-chave mestre, sendo que uma palavra que

    vai definir todo o negcio que representar 50% do trafego a palavra hit. Esta

    palavra-chave mestre a palavra que ter de aparecer em todos os lugares e ser ela

    a maior referncia (Adolpho, 2012).

    Deve-se pesquisar quais os blogues, fruns, perfis de media sociais e outros

    sites de referncia que so referncia nas palavras-chave que se escolheram, e deve-

    se colocar o site nesses locais, ou tentar fazer parcerias, porque tambm uma forma

    de segmentar o mercado e saber quem so os potenciais consumidores de um site.

    (Adolpho, 2012).

    Citando Conrad Adolpho (2012), o consumidor na internet compra

    informao. Quanto mais informao fornecer, maior ser o valor percebido no

    produto ou servio pelo preo que tem de ser pago, fornea pois o maior nmero

    possvel de informaes para aumentar o valor percebido (p. 249).

    Neste ponto ser necessrio fazer as perguntas corretas para posteriormente

    transformar essas respostas em informao e conhecimento para ter sucesso o

    planeamento (Adolpho, 2012).

    Planeamento

    Este ser igualmente importante, pois dar as guidelines para a elaborao do

    projeto, podendo sofrer algumas alteraes, mas ser como um manual de

    instrues a seguir para a criao da plataforma.

    Esse planeamento ser o detalhar de todo o processo de criao da

    plataforma, que foi desenhado tendo em ateno aos dados recolhidos no primeiro

    ponto, o P da Pesquisa e ter como primeira definio a misso crtica do site. Esta

    misso crtica dever ser o guia para todas as aes e ter de estar considerada no

    plano operacional (Adolpho, 2012).

    O segundo passo no planeamento definir metas, nmeros e prazospois

    este P trata de planear para conquistar mercado (Adolpho, 2012, p. 261).

  • 29

    No planeamento rev-se as informaes recolhida no 1. P acerca do mercado

    alvo e dos concorrentes, e neste ponto ser recolhida a informao do prprio

    negcio (Adolpho, 2012).

    Este um ponto bastante relevante para um negcio digital, pois como a

    informao circula com bastante rapidez acaba por ser uma vantagem mas tambm

    um mercado com baixas barreiras entrada, ou seja qualquer pessoa poder criar um

    site concorrente com bastante facilidade. Devido a estas baixas barreiras de entrada

    faz com que seja um mercado com bastante rudo e competitividade prejudicando a

    venda de produtos (Adolpho, 2012). Nesse sentido h que ter em ateno aos

    primeiros passos que devero ser percorridos para o planeamento:

    Perceba em que negcio est.

    Pesquise os consumidores desse mercado.

    Segmente o mercado em grupos de consumidores que tenham afinidade entre si.

    Pesquise as necessidades de cada segmento e perceba o que esses segmentos

    desejam que o seu negcio possa resolver.

    Escolha alguns poucos segmentos (acessveis e grandes o suficiente para gerar

    lucro) em que haja necessidades no preenchidas que tenha condies de

    resolver e em que tenha maior chance de ser lder e adicionar mais valor.

    Escolha o posicionamento da sua empresa para que tenha adeso a tais

    segmentos e necessidades.

    Direcione toda a sua comunicao para o que esses segmentos desejam.

    Planeie a sua expanso, segmento a segmento.

    Comece pequeno e cresa rapidamente.

    Fonte: Adolpho (2012)

    Dever estar claramente identificado o negcio, pois o site envolve toda a

    cadeia de valor por detrs da transao comercial do produto ou servio. [] O site

    uma plataforma de negcios. (Adolpho, 2012 p. 271).

    Neste ponto devero estar bem identificados os fatores crticos de sucesso,

    sendo que segundo Adolpho (2012), devero ser trafego qualificado e credibilidade,

    para gerar taxa de converso. (p. 274).

  • 30

    A equipa tambm um fator bastante importante para o planeamento, e

    seguindo a teoria de Conrad Adolpho (2012), a equipa ideal deveria ter 6

    profissionais sendo gestor de marketing digital, analista de SEO, analista de media

    sociais, analista de mtricas, programador e designer de interfaces e experiencia do

    utilizador (pp. 264-268) (Tabela 3).

    Tabela 3 - Distribuio dos Ps de acordo com a funo dos profissionais da equipa

    O trfego qualificado potencializa o target incrementando-o, e a credibilidade

    converte esse target potencial de visitantes em clientes. Estes fatores so comuns a

    qualquer site mas como acontece com os negcios offline, poder ter algumas

    variaes dependendo de cada setor de atividade (Adolpho, 2012).

    Na altura do planeamento deve-se identificar o que se vende e perceber se

    vai de encontro aos desejos e vontades do target. Neste aspeto a segmentao servir

    para fazer uma comunicao adequada a cada pblico-alvo, e deve-se optar por

    segmentos que possam gerar valor mais rapidamente e de forma inequvoca

    (Adolpho, 2012).

    tambm neste ponto que se vai definir quais so os indicadores de

    resultados (KPI) que mostraro se est a andar para a frente ou para trs. (Adolpho,

    2012, p. 204).

    Outro ponto importante no planeamento definir um posicionamento forte e

    adequado ao pblico-alvo, porque neste momento, as leis do marketing valem mais

    do que nunca [] a empresa est muito mais prxima do consumidor, a um clique de

    distncia. O processo de posicionamento comea no consumidor, por isso

    importante ter um posicionamento claro e estar em todas as peas de comunicao,

  • 31

    ou seja, em todas as pginas do site, no e-mail marketing. Para que o mercado assimile

    e fixe a marca. (Adolpho, 2012, p. 283).

    Produo

    Neste ponto onde se vai trabalhar a otimizao e a usabilidade do site, pois

    vai-se trabalhar o que a tecnologia permite, pois ela como o esqueleto sem ela

    no h forma, mas ela deve ser desenvolvida seguindo preceitos da encontrabilidade

    e da usabilidade(Adolpho 2012, p. 307).

    Para desenvolver o site, e seguindo a metodologia de Conrad Adolpho h duas

    formas de desenvolver um site para o Google. A primeira [] mais barata e efetiva

    construir o site [] seguindo critrios de otimizao de sites(Adolpho, 2012, p. 307).

    A outra forma para desenvolver o site : o tempo de carregamento do site.

    Neste ponto minimizar a quantidade de dados que o site envia para o consumidor

    pois o Google d um bom peso na sua classificao []. Por isso a simplicidade est

    to na moda. Quanto mais simples, quanto mais espaos em branco, quanto menos

    elementos que faam a pgina ficar pesada mais rpido ser o carregamento que o

    consumidor quer ver. (Adolpho, 2012, p. 307).

    O lema ser programar para o consumidor e no para a empresa (Adolpho,

    2012, p. 308).

    A produo de um site um resumo de tudo o que foi recolhido na Pesquisa

    e que foi definido no planeamento. O ponto de partida ser a criao de um esqueleto

    do site ou Wireframe que mostra, sem nenhum layout, quais os elementos que o

    site deve conter em cada pgina, e a prioridade de cada um deles [] O ideal que o

    site tenha 80% do seu tempo dedicado ao planeamento, discusso, pesquisa de

    concorrentes e ao estudo do consumidor e s 20% execuo (Adolpho, 2012, p.

    308, 309).

    Para o consumidor a beleza um fator que ajuda na criao de confiana e a

    usabilidade tem de estar sempre presente na cabea de quem est a fazer o site, pois

    quanto menos elementos e mais relevantes eles forem, mais bonito o design

    parecer. Mais clean, dando espao para o texto respirar (Adolpho 2012, p. 310).

  • 32

    Assim como se tende a confiar [] em pessoas mais bonitas, tambm se

    confia em layouts mais bonitos []. Um bom layout atrai, um bom contedo mantm

    [] em geral as pessoas gostam de propagar algo bem feito e funcional. (Adolpho

    2012, p. 311). Este P o responsvel pela medio do site, por operacionalizar tudo o

    que est descrito no planeamento, a definio das mtricas, para captar e-mails dos

    visitantes, diminuir a taxa de rejeio (Adolpho, 2012). Este P centra-se na

    estrutura do site e nas suas funcionalidades, ou seja, fazer com que a plataforma

    aparea numa melhor posio nas pesquisas do Google.

    Uma empresa tem de criar um relacionamento com o consumidor, e no canal

    online esse mesmo relacionamento d-se atravs de contedos que sejam atrativos

    para o mercado e para os clientes (Adolpho, 2012).

    Um dos aspetos importantes neste ponto perceber a funcionalidade de um

    motor de busca, que segundo Conrad Adolpho (2012), divide os motores de busca em

    3 tipologias: os baseados em diretrios (como pginas amarelas, so apenas um

    catlogo de links), os baseados em metapesquisas (procuram nas pesquisas dos

    outros), e os baseados em spiders ou crawlers (robs que varrem a Internet

    periodicamente procura da palavra-chave digitada) (p. 348).

    O primeiro motor de pesquisa depende da interveno humana e quanto

    mais sites existirem mais lento se torna. O segundo motor baseado na metapesquisa

    acaba por no ser muito bom por depender de terceiros. O terceiro motor o mais

    eficaz devido a utilizar robs, e tambm o que se est a tornar um padro na web.

    Este sistema inclui os maiores sites de pesquisa de rede como o caso do Google

    (Adolpho, 2012, p. 349).

    O sistema do Google rpido porque armazena toda a informao atualizada

    e recolhida pelo rob na sua base de dados, por isso quando faz uma pesquisa no

    necessita de procurar pela web inteira, mas vai direto a base de dados fazendo com

    que a resposta seja bastante rpida. Muitas vezes as pginas que o Google apresenta

    nem sempre so as mais atualizadas (Adolpho, 2012).

    A forma de um site ter uma melhor posio no motor de busca advm da

    atualizao constantemente e dessa forma ganha pontos perante o motor de pesquisa.

  • 33

    O motivo para que o site exista so as pessoas, pois s ser til quando h

    pessoas a usufrurem dele.

    Publicao

    Este P tambm muito importante, pois aqui que os contedos so

    trabalhados de forma a atrair utilizadores atravs de pesquisas do Google e esses

    mesmos contedos devem ser direcionados para o Pblico-Alvo (Adolpho, 2012).

    Neste ponto que devemos perceber a importncia do contedo para a

    otimizao do site na pesquisa natural do Google. O processo chamado otimizao

    de sites ou SEO (Adolpho, 2012, p. 342).

    O SEO, ou seja, a Otimizao para os Motores de Busca, uma das atividades

    mais importantes no mbito do webmarketing. Sendo que as outras funes do

    webmarketing so o e-mail marketing, a Publicidade online e a anlise de Mtricas de

    Desempenho (analytics). O SEO que se divide em on-page e off-page ou seja, a

    otimizao de sites para obter a melhor posio possvel nos motores de busca. [] o

    primeiro caso diz respeito s aes que se fazem dentro do site, para se tornar mais

    SEF ou Google friendly. J o segundo consiste na obteno de links em sites

    relacionados apontando para o nosso. Chama-se a isso link building. (Ascenso, 2011,

    p. 75, 76).

    H algumas regras simples para ajudarem a subir nos rankings do Google

    (Ascenso, 2011, p. 89) (Anexo 3), sendo que no se deve permitir SPAM no site, as

    pginas devero ter contedo relevante (Figura 8), outros sites devem indicar ao

    Google que o nosso site importante e o site no deve ter sido penalizado, ou seja, a

    idade do domnio e a sua histria [] mais facilmente obter bons rankings do que

    um acabado de formar (Ascenso, 2011, p. 91).

    Segue uma listagem de elementos que o Google analisa com frequncia e os

    quais devero ser considerados:

    A estrutura URL.

    O ttulo tag e as metatags.

    O corpo do texto.

  • 34

    Headline tags.

    Atributos imagens alt.

    A arquitetura do site e a sua estrutura interna de links.

    Os links externos.

    Muitos outros fatores no cdigo HTML.

    Fonte: Ascenso (2011, p.90)

    Quando se faz um contedo este j deve ser inserido no site de uma maneira

    otimizada para o Google (Adolpho, 2012, p. 356)

    Um critrio que no dever ser descurado e que poder tambm ser um bom

    critrio para ascenso no motor de busca do Google a velocidade de carregamento

    da pgina, pois o Google quem define as regras do mercado de SEO pginas mais

    leves ficam mais bem colocadas nos seus resultados de pesquisa (Adolpho, 2012, p.

    358).

    Visto que consumidor informado consumidor comprador e como o

    Google est a ter a sua importncia dividida com as redes sociais (Adolpho, 2012, p.

    343) h que disponibilizar ao consumidor toda a informao que este desejar obter.

    Quanto mais contedo, mais facilmente os sites so encontrados pelos

    motores de busca sendo que, uma das formas de criar contedos deixar espaos aos

    prosumers para escreverem (Adolpho, 2012, p. 343).

    Pois citando Conrad Adolpho (2012), Um site com contedo relevante para o

    utilizador a chave para o sucesso, tanto com os seus consumidores como para os

    motores de pesquisa (p. 345).

    Os consumidores acreditam cada vez mais na opinio dos outros

    consumidores e menos na opinio das empresas por isso deve disponibilizar um

    espao para que eles possam falar, e assim dar muito mais credibilidade marca

    (Adolpho, 2012, p. 249).

    Assim sendo, e visto que os contedos so um fator com tanta importncia na

    encontrabilidade dos motores de busca, seguem algumas vantagens que justificam t-

    los:

  • 35

    1. Gera uma quantidade maior de palavras-chave, tornando-se mais visvel para

    os motores de pesquisa e alcanando, com isso, melhor classificao.

    2. Transmite uma imagem de valor agregado, devido ao contedo informativo

    que trs consigo, melhorando substancialmente a perceo de qualidade da

    marca por parte do consumidor.

    3. Gera mais links de entrada, vindos de outros sites, por se tornar referencia em

    determinado assunto.

    4. Facilita a fidelizao do utilizador, que inclui o site nos favoritos, por se

    tratar de um site til.

    Fonte: Adolpho (2012, p.344)

    Promoo e Propagao

    Andam sempre de mos dadas, pois a promoo serve para promover e ser

    mais atrativa para os utilizadores, mais predispostos a passar a informao, que

    rapidamente propagam por todos os seus contactos. Nestes dois Ps h uma

    verdadeira passagem da mensagem de pessoa para pessoa e desenvolvida uma

    reao em rede (Adolpho, 2012).

    Quando se fala no 5. P (promoo), a empresa divulga aos seus

    consumidores alfa a campanha ou ideia que quer partilhar. Ser necessrio planear

    para multiplicar, pois neste momento a grande ideia servir o consumidor de tudo o

    que ele procura sendo que existem variadas formas de fazer uma promoo na

    internet (Adolpho, 2012). Seguem algumas das formas de promoo na internet:

    Campanhas de links patrocinados

    Campanhas de redes sociais

    Campanhas integradas online + offline

    Programas de filiao

    Campanhas de e-mail marketing

    Redao de artigos para sites diversos

    Criao de press releases para a imprensa

    Fonte: Adolpho (2012)

  • 36

    A promoo feita atravs de links patrocinados traz para o site um tipo de

    cliente diferente que tende a ficar mais tempo no site, mas o utilizador que pesquisa

    tem uma tendncia maior a comprar o produto e a tornar-se cliente fiel (Adolpho,

    2012, p. 403).

    Estes links funcionam cobrando no por aparecerem no ecr do utilizador,

    mas apenas pagam quando o utilizador clica neles e segue para o site da empresa. Os

    links patrocinados so a forma de publicidade online que cresce no mundo (Adolpho,

    2012, p. 409).

    Com este tipo de publicidade o patrocinador consegue medir o retorno de

    cada anncio (palavra-chave comprada) de maneira mais fcil e intuitiva da

    plataforma do Google (Adolpho, 2012, p. 410).

    Este tipo de promoo apresenta vantagens, sendo que uma delas ser

    possvel controlar o gasto dirio, pois o patrocinador que define quanto quer gastar

    por dia.

    Quando se passa para as redes sociais no basta s colocar uma promoo na

    rede, h que interagir com os utilizadores da rede.

    As promoes de e-mail marketing devem-se iniciar primeiramente dividindo

    os utilizadores: entre utilizadores que j receberam e-mail da empresa e utilizadores

    que ainda no receberam nenhuma comunicao da empresa. Aps a identificao

    destes dois utilizadores h que segmentar, ou seja, definir realmente qual o pblico-

    alvo da empresa. Esta promoo, ter tanto mais sucesso quanto melhor se conhecer

    o utilizador, pois percebendo o que o leva a procurar do site, consegue-se criar

    contedos mais apelativos e que serviro de isco (Adolpho, 2012).

    Estes dois Ps encontram-se juntos, porque o seguinte, a propagao sobre a

    comunicao viral. Este um tipo de comunicao que se d de consumidor para

    consumidor e aqui que entram os alfas, pois estes recebem a informao com

    consentimento e passam a espalh-la porque a consideram interessante ou porque

    gerar valor para os seus amigos (Adolpho, 2012, p. 443).

  • 37

    Como de esperar, existem diferentes formas de propagar campanhas

    promocionais, recorrendo-se muitas vezes s redes sociais (Facebook, LinkedIn,

    Orkut, Youtube). Neste mercado social tem uma medida prpria para quantificar

    os contatos, que so os Whuffies.

    Este um ponto que dever ir buscar a informao recolhida no 1.P para

    conseguir definir o que o target gosta e quem so os alfas. Citando Conrad Adolpho

    (2012) O consumidor alfa mais empenhado em causas sociais. Uma maneira de o

    atrair e descobrir quem ele pode ser oferecendo-lhe uma oportunidade de

    empenhamento social. (p. 446), tornando-o desta forma o advogado da marca.

    Aps os Ps Pesquisa, planeamento, produo, promoo e propagao

    estarem concludos, chega parte de personalizar a informao.

    Personalizao

    Citando Adolpho (2012), A personalizao gera relacionamento com o

    consumidor (p. 201). Sendo que a Internet um meio que deve ser personalizado

    por cada utilizador, tanto em termos de comunicao como em criao de produtos

    ou procura de informao.

    Para cada contacto de e-mail deixado por um visitante no seu site, ganha um

    contacto direto com algum que j entrou em contacto com a sua marca e, portanto,

    um cliente potencial (Adolpho, 2012, p. 203) esta uma boa forma de ganhar um

    contacto com um custo muito reduzido. Quanto mais personalizado o relacionamento

    mais whuffies so conseguidos e para que isto seja possvel, um CRM ser uma

    excelente ajuda, porque vai juntar toda a informao recolhida do cliente, e a, no s

    d para comunicar de uma forma mais personalizada, como tambm se pode mostrar

    os melhores servios e ou produtos que so mais relevantes para o utilizador.

    importante perceber que no mundo digital as conversas so de 1 para 1,

    mas sempre como uma assistncia de milhes, por isso cada vez que comunicamos

    deveremos ter sempre presente que estamos a resolver a necessidade desse cliente,

    mas existem outros que esto a acompanhar e a avaliar a conversa (fonte: Portal Ver,

    2014).

  • 38

    Aps a concluso de todos os Ps que tratam de produzir e colocar o site em

    funcionamento, chega a altura de medir os resultados e aqui entra o ultimo P, a

    preciso.

    Preciso

    Vai ser a definio das ferramentas mais adequadas para fazer as medies

    necessrias para se poder avanar com o projeto sempre de olhos bem abertos. Vai

    ajudar a definir quais as palavras-chaves no Google que esto a gerar maior

    quantidade de contato ou vendas, quais os blogues ou sites que esto a trazer mais

    visitantes-clientes e de que cidades do pas e do mundo esto a vir mais

    consumidores. (Adolpho, 2012, p. 204).

    Nesse sentido, a ideia deixar que o utilizador da plataforma d os seus

    testemunhos e novas ideias para que a plataforma esteja mais atualizada e que seja

    mais atrativa.

    Para ter o resultado acima descrito, a elaborao de um guio com os

    objetivos e os contedos das pginas devem reunir as seguintes caractersticas: atrair

    visitantes, inspirar confiana, descrio clara e concisa dos produtos e/ou servios,

    entre outros (As empresas e o comrcio electrnico, 1999).

    Segundo Conrad Adolpho (2012) partida que a empresa identifica uma

    procura no mercado, tem de apressar-se a lanar um produto no mercado numa

    forma inacabada beta, pois qualquer produto lanado no meio digital pode-se

    tornar obsoleto mesmo antes do lanamento, isto faz com que o processo de

    lanamento seja circular. O consumidor informado que o produto no esta acabado

    e pede sugestes ou identificao de problemas para que a empresa o possa reparar,

    ou seja, a empresa precisa de estar com o ouvido no mercado.

    Como definido anteriormente, o nmero de links externos so uma forma de

    subir no PageRank do Google, mas preciso fazer uma anlise nas fontes de trfego,

    pois caso um desses links externos seja um site que faz venda de links, ou seja, um

    site com spam de palavras-chave e outras tcnicas antiticas, perder posies por

    causa dessas ligaes (Adolpho, 2012, p. 513).

  • 39

    Atravs dos dados visualizados no site Pordata, verifica-se um grande

    aumento de utilizadores de internet os quais conseguimos verificar que 60,3% da

    populao Portuguesa utilizador de internet (Anexo 1).

    1.2. Anlise de dados

    Visto que a questo principal do trabalhado : Como poder tornar-se o

    Google das plataformas de produtos/marcas Made in? A pesquisa inicia-se com a

    observao de dados secundrios, onde se pode verificar que o consumo de internet

    est presente em todos os nveis de escolaridade (Anexo 1), e que no s nos

    computadores, os smartphones comeam a ter bastante notoriedade, tal como as

    redes sociais, que nunca podero ser esquecidas.

    Quando se observa o comportamento do consumidor nos motores de busca

    identifica-se que: 62% dos utilizadores no pesquisam para alm da primeira pgina

    de resultados; apenas 10% dos inquiridos pesquisa para alm da terceira pgina;

    41% dos inquiridos altera a consulta e/ou motor de busca depois da primeira pgina;

    3% dos utilizadores desiste de pesquisar quando no encontram o que procuram;

    82% dos utilizadores refinam a pesquisa adicionando-lhe mais palavras; 36% dos

    utilizadores associam a posio no motor de busca liderana da empresa no seu

    sector. (Ascenso, 2011, p. 59)

    Como pode ser visto no anexo 6, o e-commerce ser responsvel por 53

    mil milhes de dlares das vendas globais de Fast Moving Consumer Goods (FMGC)

    apenas produtos embalados - em 2016, num aumento de 17 mil milhes de dlares,

    cerca de 47%, face aos atuais mil milhes de dlares, antecipa a Kantar Worldpanel o

    que me d boas previses para este mercado e para a 2. fase do projeto.

    Com toda as alteraes que o consumidor tem vindo a sofrer, com as

    inovaes da internet com o aparecimento do marketing digital e posteriormente as

    diferentes metodologias (como a identificada anteriormente) a publicidade tambm

    teve de se adaptar a esta nova realidade.

    Segundo diversas noticias, o investimento online est a subir em quota e em

    valor, tendo um crescimento de 244,6% num perodo de 6 anos (2007=16,6 milhes

  • 40

    de euros e 2013= 40,6 milhes de euros) e no caso da imprensa o valor de mercado

    seguro pela transposio das notcias para o meio digital.

    1.3. Anlise Macro PESTE

    Visto todas estas mudanas, h que fazer uma anlise macro sendo focalizada

    na realidade do pais em que se pretende criar a plataforma. H que ter em conta

    questes politico-legais, econmico-financeiras, socioculturais, tecnolgico-cientificas

    e ecolgicas.

    Politico-Legal

    Visto o modelo de negcio e a forma como sero processados os dados ter-se-

    de ter em conta a legislao em vigor em relao publicidade, s sociedades

    comerciais e privacidade de dados.

    Mediante o cdigo da publicidade com o Decreto-Lei n. 330790, de 23 de

    outubro e segundo artigo 3. Conceito de publicidade ponto 1 alnea a) e b) a

    publicidade surge de forma a promover, com vista comercializao ou alineao, de

    quaisquer bens ou servios; e para promover ideias, princpios, iniciativas ou

    instituies.

    Neste ponto ter-se- em ateno todo o cdigo para poder fazer e promover

    uma publicidade regulamentada e de acordo com o cdigo em vigor

    Ser tambm necessrio ter ateno ao cdigo do comrcio eletrnico, pois

    na segunda fase do projeto, criao da plataforma de e-commerce este cdigo vai ser

    bastante relevante

    Econmico-Financeiro

    Vistos os ltimos dados relativamente ao crescimento de utilizadores em

    termos mundiais e internacionais, a internet surge como um canal preferencial para a

    comunicao de produtos e para baixar alguns dos custos que se tem com a

    distribuio bem como a sua disponibilizao.

    O canal eletrnico apresenta grandes vantagens para as empresas que nele

    comunicam, pois os custos associados com promoo, propagao das campanhas

  • 41

    promocionais e os custos com a apresentao dos produtos, torna que este seja um

    canal bastante atrativo em termos de investimento.

    Conforme os ltimos dados de comrcio eletrnico, segundo a Kantar

    Worldpanel, este um mercado que ser responsvel por 53 mil milhes de dlares

    das vendas globais de Fast Moving Consumer Goods (FMGC) apenas produtos

    embalados - em 2016, num aumento de 17 mil milhes de dlares, cerca de 47% face

    aos atuais mil milhes de dlares (Anexo 6).

    Tal como os dados recolhidos no questionrio identifica-se que h um grande

    nmero de desempregados e muitos com formao acadmica, por isso neste ponto

    para a constituio da empresa haver algumas vantagens para contratar a equipa

    para trabalhar (Anexo 8).

    Sociocultural

    Mediante os ltimos estudos de tempo passado na internet, e como

    identificado no questionrio, este um canal que est a ser cada vez mais utilizado

    no s em casa como tambm na rua atravs do mobile (Anexo 8).

    Cada vez mais verifica-se que h uma procura por produtos nacionais, no s

    pelas pessoas do pas como tambm para pessoas que querem procurar e comprar

    produtos que sejam de origem Portuguesa.

    H tambm fortes campanhas a comunicarem e a valorizarem os produtos

    portugueses nomeadamente a campanha do ministrio da economia com o programa

    Portugal Sou Eu a promoverem os produtos portugueses e a identific-los com a

    marca P todos os produtos que esto de acordo com os requisitos do programa.

    Tecnolgico-Cientfico

    Este o ponto mais importante, visto que na tecnologia que o projeto

    encontra o seu grande alicerce, pois nela que o projeto ir avanar e que o suporte

    para toda a plataforma.

    Visto que a internet proporciona uma abrangncia bastante alargada,

    podendo facilmente chegar a todas as pessoas, desde que tenham acesso rede.

  • 42

    Como referido na reviso da literatura, este um canal com muitas

    oportunidade e que tambm bastante competitivo, pois com a facilidade que h para

    desenvolver e comunicar produtos, h que avanar com o projeto mesmo ainda

    estando em fase de produo, pois como referido, muitas vezes mesmo antes de ser

    lanado um site poder j estar obsoleto.

    Neste canal tambm existe uma srie de aplicaes que sero bastante teis

    para medir impactos de campanhas, para ajudar na relao com os utilizadores

    (CRM), para chegar de forma mais personalizada ao target e sempre com uma grande

    vantagem, que tudo poder ser mensurado, atravs do Google Analytics por exemplo.

    Vista esta nova forma de comunicar com o consumidor, h que tambm

    definir estratgias de marketing trabalhando as tcnicas de SEM e SEO.

    Ecolgico

    Visto que se baseia na construo de uma plataforma online, pode-se afirmar

    que este projeto Eco-friendly, mesmo na altura da comercializao de produtos,

    haver uma preocupao com as condies ambientais.

  • 43

    2. ANLISE DA ORGANIZAO DO PROJETO

    Para a criao da plataforma h passos que devero ser seguidos: alojamento,

    domnio, criao de logotipo e layout, criao de textos institucionais, registo dos

    produtos, segurana, marketing digital e redes sociais numa primeira fase.

    Visto isto ser uma plataforma online, ter-se- de ter um alojamento na web

    para poder guardar toda a informao existente e neste aspeto ir ser selecionada

    uma empresa que tenha servidores em diferentes pases. Na fase de arranque ser

    iniciado com os servidores em Portugal, de forma a tornar a resposta mais rpida

    para quem abrir o site. Tal como descrito na reviso da literatura, a rapidez de

    abertura de um site, ajuda tambm no Pagerank do Google. A empresa selecionada

    para este alojamento a amen.pt (Anexo 10).

    A plataforma ter sempre em conta a adaptao para invisuais, pois os

    sistemas que estes utilizadores utilizam para navegarem na internet precisam de um

    formato de leitura de pgina um pouco diferente, e nesse sentido esta plataforma ser

    uma plataforma aberta para todos os utilizadores. Com os questionrios ficou-se

    sensibilizado para os invisuais, que para terem acesso informao utilizam

    programas de voz para lerem a informao dos diversos sites.

    Seguem-se todas as fases que vo passar o desenvolvimento do projeto.

    O primeiro ponto essencial ser a Pesquisa, pois vai ajudar a definir quais as

    linhas de orientao para o trabalho e qual a posio dos utilizadores em relao s

    plataformas desta tipologia. Sendo que se iniciar com as anlises qualitativas e

    quantitativas de dados primrios recolhidos atravs de diferentes questionrios que

    sero elaborados medida que o desenvolvimento do projeto for acontecendo.

    A formulao das questes, bem como as suas respostas, sero um passo

    bastante importante, pois ser a partir destas, que vou conseguir obter todas as

    informaes necessrias para a elaborao das ideias, na medida em que, estas sero

    os grandes motores de arranque de todo o projeto, a dar inicio ao design thinking.

  • 44

    Assim sendo as questes da primeira parte sero de prospeo, de forma a

    perceber o que os utilizadores pensam acerca do tema e, qual o real valor que uma

    plataforma, deste tipo, poder ter para os mesmos, neste pondo ir ser trabalhado a

    fase da empatia do design thinking.

    Visto que se vai desenvolver um projeto com as indicaes passadas pelos

    utilizadores, o projeto ir sair como uma verso beta ou inacabada, para que ao

    longo da sua existncia ir ganhando os in-puts dos utilizadores e da ser atualizado

    seguindo as fases de Prototype e Test do design thinking.

    Numa segunda parte dos questionrios, vai-se iniciar o desenvolvimento de

    quais os pontos que a plataforma dever conter para que seja mais atrativa e torn-la

    sempre uma boa experincia para qualquer tipo de utilizador, sendo estes, os mais

    frequentes ou os mais pontuais.

    Nesta parte as questes que se levantam sero questes relacionadas na

    identificao de quais os elementos que devem configurar na apresentao da

    plataforma, quais as cores que so mais agradveis para os utilizadores, se gostam de

    ver destacados alguns produtos (Anexo 2). Estas questes serviro para ajudar a

    definir quais os melhores caminhos.

    Quando se comear com as definies, tambm ter-se- em conta o

    Planeamento, pois neste ponto juntam-se todos os in-puts recolhidos no P anterior

    (pesquisa) e traa-se o plano de ao. Ajudando a definir, tanto cronologicamente

    (metas e prazos), bem como a definio do manual de construo para o

    desenvolvimento da plataforma. Este ser o ponto que dar as guidelines para todo o

    projeto, tambm nesta fase, que vo ser definidas as mtricas de mensurao da

    plataforma (KPI) (Anexo 12), que depois sero analisadas no ltimo ponto da

    metodologia adotada, o 8.P (Preciso).

    Aps o planeamento, a Produo propriamente dita do site, ou seja, vai passar

    tudo o que foi definido no 1. P com as orientaes definidas no 2.P, para a internet,

    ser todo o processo de TI que ser necessrio para a plataforma comear em

    funcionamento. neste ponto que vo ser trabalhadas as tcnicas de SEO e SEM.

  • 45

    Quando a plataforma estiver concretizada (existir), vai ser necessrio fazer a

    sua Promoo e a Propagao para gerar trfego, e neste caso o contedo um dos

    aspetos bastante importantes, para que a propagao consiga ser bem-sucedida.

    Neste ponto, tambm ter de se ter em ateno, aos dados analisados durante a

    pesquisa.

    Como definido na reviso da literatura, o consumidor est melhor informado,

    com acesso rpido e fcil informao, e nesse sentido ser necessrio comear a

    fazer estratgias que trabalhem a personalizao dos contedos ou apresentao de

    resultados mais adaptada ao que o utilizador procura.

    Por fim, a anlise das mtricas corresponde ao ponto da preciso de tudo o

    que est a acontecer ao longo de todos os pontos descritos anteriormente, nesta fase,

    pega-se nas mtricas definidas nos primeiros pontos (ou Ps) e analisa-se para

    identificar se os resultados que se esto a obter so bons ou se o site est a ficar para

    trs.

    Estes pontos devero estar sempre a ser refeitos, o que d uma forma

    circular a este mtodo.

    A Pesquisa de mercado servir para perceber como o mercado est, para

    onde se deve posicionar e ajudar na definio do caminho a percorrer.

    Para a execuo do projeto, os clientes sero uma pea bastante importante,

    pois sero eles que daro os ltimos detalhes da plataforma, sendo que neste caso os

    clientes so os utilizadores.

    Quando os clientes forem os fornecedores, a comunicao ser feita ao longo

    da pesquisa e planeamento do projeto para esquematizar a melhor estrutura a adotar,

    pois o espao publicitrio uma das formas de sustentabilidade do projeto, em

    conjunto com os links patrocinados.

  • 46

    3. OBJETIVOS GERAIS

    Estes objetivos visam a plataforma universal, ou seja, sero os guias de todos

    os processos de construo da plataforma, sendo adaptadas s normas e regras dos

    pases em que seja possvel recri-la:

    1- Ajudar o utilizador na pesquisa de produtos/marcas nacionais Made in

    2- Definir qual o tipo de plataforma que mais se adequa aos utilizadores

    3- Ser uma plataforma de referncia em todos os pases que poder ser

    replicada

    4- Ser uma plataforma de confiana

    3.1. Desenvolvimento dos objetivos gerais

    No primeiro objetivo o que se pretende que o utilizador que queira saber

    mais de produtos nacionais atravs da internet, possa encontrar nesta plataforma

    todas as suas pesquisas

    No segundo definir-se- atravs dos dados dos questionrios, como os

    utilizadores gostam de ver os sites e da, adequar a plataforma aos in-puts passados

    por todos os colaboradores

    No terceiro, mediante o formato da plataforma e o canal onde est inserida,

    facilmente poder ser replicada para outros pases e, neste caso, a grande ambio

    que a plataforma acabe por ser um Google para tudo o que so produtos.

    O ltimo objetivo define um dos grandes fatores que a plataforma necessitar

    de ter para poder ter sucesso, pois a confiana uma pea chave do negcio online

  • 47

    4. ANLISE ESTRATGICA DO PROJETO

    4.1. Anlise da Empresa

    4.1.1. Viso

    Ser uma marca de referncia, credvel e reconhecida em termos mundiais,

    para identificao e negociao de produtos/marcas nacionais.

    4.1.2. Misso

    Procurar, Identificar e credibilizar os produtos/marcas nacionais (de cada

    pas), trabalhando o certificado de produto de origem.

    Ser uma plataforma de referncia e de obrigatoriedade de presena para

    todas as marcas, produtos de origem nacional.

    4.1.3. Valores

    Referncia

    Confiana

    Segurana

    Compromisso

    4.1.4. Objetivos SMART

    Ajudar na procura de produtos/marcas Portuguesas Made in Portugal;

    Definir qual o tipo de plataforma que mais se adequa aos utilizadores;

    Boa carteira de fornecedores para negociaes com potenciais clientes;

    Aps trs meses de lanamento do site, criar a plataforma comercial;

    Incrementar o nmero de registos em 20% a seguir ao 2. ms de

    atividade;

    Utilizar estratgia de SEO e SEM para posicionar o site nos motores de

    busca;

    Aumentar as vendas em 20% aps o primeiro ano de atividade.

  • 48

    4.1.5. Marketing Mix

    Produto

    Plataforma online: 1 fase comunicao de produtos portugueses

    Simples com cores e imagens nos contedos (Anexo 3).

    A plataforma ter um separador que ser o catlogo que aparecer retratos

    do dia-a-dia de uma famlia que consome e usa produtos portugueses. Cada um

    desses produtos que aparecer na imagem, ter um hiperlink para mais contedo da

    empresa e com mais alguma descrio dentro da plataforma. S aps essa descrio

    que remete o consumidor para o site da empresa, se este tiver interesse em querer

    saber mais sobre o produto ou mesmo compr-lo, antes da criao da plataforma de

    e-commerce.

    Sendo que o negcio, na primeira fase vai se basear na comercializao de

    espaos publicitrios vai ter 1 banner e 2 barras para poder comunicar. Sendo 1 barra

    lateral retangular extensvel do lado esquerdo, uma barra de topo extensvel e um

    banner quadrado rotativo (Anexo 14).

    Na pgina de incio, quando se entra na plataforma, aparecero as notcias

    sobre Portugal e alguns destaques de produtos. Os links que sero apresentados

    surgiro de plataformas de notcias e sero destinadas a mostrar o melhor de

    Portugal. Em termos de destaques, abaixo do banner rotativo, ir aparecer os

    destaques com promoes e novidades de produtos. Estas novidades e destaques,

    tambm iro aparecer quando se entra nas pginas de produtos selecionados, bem

    como as barras (Anexo 14).

    Quando se entra nas pginas de produtos, alm do descrito anteriormente,

    aparecero os links patrocinados e dessa forma iro aparecer em destaque os

    produtos que os fornecedores quiserem destacar.

  • 49

    Promoo

    Para alm de se utilizar as tcnicas de SEO, tambm ser trabalhada uma das

    tcnicas de SEM que ser atravs dos links patrocinados, utilizando o Google Adwords

    com a palavra-chave ou palavra mestre: produtos portugueses (Anexo 7).

    Em termos da rede social escolhida para propagao do site, o Facebook,

    pois tambm onde todos os concorrentes identificados tm o seu espao (Anexo 5).

    Na plataforma os produtos sero apresentados atravs de listagens

    semelhana de como aparece na pesquisa do Google.

    Distribuio

    Vai ser feita atravs dos motores de busca, com especial enfoque ao Google,

    pois todas as tcnicas de SEO utilizadas sero com vista a ter um melhor destaque no

    PageRank deste motor de busca (Anexo 3).

    A outra forma de conseguir um aumento na distribuio atravs das redes

    sociais, tendo o especial enfoque no Facebook, pois a rede social com mais

    utilizadores.

    Preo

    Na publicidade digital os preos de tabela praticados esto normalmente

    relacionados com os mil contatos (ou seja, CPM). Tendo em ateno a este ponto, os

    valores definidos vo de encontro aos que so praticados no mercado (Anexo 15),

    sendo adaptados de acordo com os formatos (Tabela 4).

    Tipologia Valor unitrio

    Publicidade

    Destaque fixo 70,00

    Banner rotativo 3 anncios 50,00

    Links Patrocinados 0,20

    Barra Lateral extensvel 100,00

    Barra topo extensvel 120,00

    Plataforma e-commerce

    Alimentares 10%

    No Alimentares 10%

    Tabela 4 Preos de publicidade

  • 50

    Os valores para a plataforma de e-commerce sero definidos atravs de um

    valor de 10% de comisso sobre o valor total das vendas que so efetuadas atravs