Projeto Diocese Uruguaiana 2011

download Projeto Diocese Uruguaiana 2011

of 29

  • date post

    29-Nov-2014
  • Category

    Documents

  • view

    671
  • download

    15

Embed Size (px)

description

 

Transcript of Projeto Diocese Uruguaiana 2011

  • 1. JUVENTUDE EM MARCHA RUMO AO FIM DA VIOLNCIA E EXTERMNIO DE JOVENS Projeto da Pastoral da Juventude - Diocese de Uruguaiana Uruguaiana 2011
  • 2. Articuladora da Campanha em Uruguaiana: Thase Deponti Articulador da Campanha na Barra do Quara: Giovani Moreira Equipe de Apoio: Camila Charo; Gabriel Moro; Jorge Lucimar; Juliano Colla.JUVENTUDE EM MARCHA RUMO AO FIM DE VIOLNCIA E EXTERMNIO DE JOVENS Projeto apresentado ao colegiado e representantes da diocese de Uruguaiana como forma de atuao da Pastoral da Juventude de Uruguaiana e Barra do Quarai diante da violncia e extermnio de jovens, tendo como subsdio a Campanha Nacional Contra Violncia e Extermnio de Jovens Uruguaiana, 2011 2
  • 3. SUMRIO1-TEMA..................................................................................................................42- PROPLEMA DA PESQUISA.................................................................................................................................43-INTRODUO....................................................................................................54-OBJETIVOS.........................................................................................................94.1-OBJETIVOS GERAIS......................................................................................94.2-OBJETIVOS ESPECFICOS...........................................................................95-JUSTIFICATIVA................................................................................................106-METODOLOGIA................................................................................................127-BIBLIOGRAFIA.................................................................................................158-CRONOGRAMA.................................................................................................189-ORAMENTO.....................................................................................................2310-CONCLUSO....................................................................................................2411-REFERNCIA....................................................................................................2512-APENDICE..........................................................................................................26 3
  • 4. 1-TEMACampanha Nacional Contra violncia e Extermnio de Jovens. 2-PROBLEMA DA PESQUISAFalta de divulgao, atuao dos grupos de base e comunicao entre as pastorais dajuventude e comunidade sobre a Campanha Nacional Contra violncia e Extermnio deJovens. 4
  • 5. 3-INTRODUO Em maio de 2008 nasceu a Campanha Nacional Contra a Violncia e Extermniode Jovens devido a reflexo da 15 Assemblia Nacional das Pastorais da Juventude doBrasil, em Samambaia / DF, em relao ao crescente nmero de mortes de jovens nocampo e na cidade, em todo o pas. A campanha consiste em uma ao articulada dediversas organizaes para levar sociedade inteira o debate sobre as formas deviolncia contra a juventude, especialmente o extermnio de milhares de jovens noBrasil e no mundo. Em novembro de 2009, no VII Encontro Nacional do Movimento de F ePoltica, em Ipatinga / MG, ocorreu o lanamento da Campanha Nacional contra aviolncia e o extermnio de jovens, promovida pelas Pastorais da Juventude, com intuitode promover uma cultura da paz em defesa da vida da juventude, denunciando o avanoda violncia e propondo sadas, com a valorizao dos direitos humanos, e a ampliaodos marcos da cidadania. Dessa forma, pretende-se conscientizar e desencadear aesque possam mudar essa realidade de morte. A campanha consiste em uma ao articulada por diversas organizaes paracriar um debate junto toda a sociedade sobre as formas de violncia contra ajuventude, especialmente o extermnio de milhares de jovens que est acontecendo noBrasil. A Campanha tem como smbolo a mo esquerda estendida em sinal de CHEGA. uma basta contra as aes que a cada dia vitimam mais e mais jovens. A corVermelha, representa o sangue de toda a Juventude que est sendo derramado de formaimpiedosa. O Tema: Chega de Violncia e Extermnio de Jovens, uma fraseatribuda, ao querido Pe. Gisley, por e-mail no dia 14 de Junho de 2009, aonde elechamava toda a Juventude, a se juntar nessa causa to importante (CADERNO DEESTUDOS PASTORAL, 2010). 5
  • 6. As aes da campanha sero realizadas a partir dos trs eixos:Eixo I: Formao poltica e trabalho de base. Aes de conscientizao esensibilizao quanto aos debates de segurana pblica, sistema carcerrio, direitoshumanos e outros tipos de violncia. Elaborao de texto-base. Subsdios preparatrioss Atividades Permanentes das Pastorais da Juventude do Brasil alinhados com atemtica da Campanha (Semana da Cidadania, Semana do/a Estudante e Dia Nacionalda Juventude). Organizao de Seminrios Estaduais, de discusso e planejamento daCampanha. Criao de um site da Campanha para disponibilizar subsdios, informaese possibilitar a interao com todas as pessoas que aderirem Campanha.Eixo II: Aes de massa e divulgao.Organizao de uma Marcha Nacional (2011), com o objetivo de denunciar a violnciae mobilizar a sociedade no que se refere ao extermnio de jovens. Organizao de pr-marchas locais. Aes com origem nas Atividades Permanentes da Pastoral daJuventude do Brasil.Eixo III: Monitoramento da mdia e denncia quanto violao dos direitoshumanos.Acompanhar e denunciar as violaes de direitos humanos praticados pela mdia. Quem promove esta campanha so as Pastorais da Juventude do Brasil (Pastoralda Juventude, Pastoral da Juventude Estudantil, Pastoral da Juventude do Meio Populare Pastoral da Juventude Rural). Com o objetivo de unir foras na defesa da vida dajuventude, vrias outras organizaes esto se juntando como parceiras da Campanha.No seminrio Nacional de preparao da Campanha, realizado em maio de 2009, vriasorganizaes estiveram presentes: Comisso Brasileira de Justia e Paz, Confernciados/as Religiosos/as do Brasil, Conselho Nacional de Leigos e Leigas, Campanha reajaou ser mort@!, Associao de Familiares e Amigos/as de Presos/as Bahia, JornalMundo Jovem, Via Campesina. Contamos ainda com o apoio de outras instituies eorganizaes como: Setor Juventude da CNBB, Fundo Nacional de Solidariedade Critas Brasileira, Rede Brasileira de Centros e Institutos de Juventude importante(CADERNO DE ESTUDOS PASTORAL, 2010). 6
  • 7. Pe. Gisley (ANEXO 1) foi um dos grandes idealizadores dentro da Pastoral daJuventude, da Campanha Nacional contra a Violncia e o Extermnio dos Jovens, ele eraligado a ordem dos Estigmatinos, foi ordenado em 2005, desenvolveu seus trabalhospastorais ligado a equipe do IPJ de Minas Gerais, e estava na Assessoria do SetorJuventude dentro da CNBB. Comprometido com as causas da juventude. Defensorferrenho da vida da Juventude, foi assassinado pela mesma violncia que tanto ansiavacombater, no ano de 2009. A Campanha representa uma grande colcha de retalhos com aes em todo opas na defesa da vida, na luta pelos direitos da juventude, na luta contra a violncia, naluta contra o extermnio. As Pastorais da Juventude podem aproveitar dessa campanhapara atuar em cada realidade local, a fim de conhecer e fazer mais aes conjuntas emprol do fim da violncia praticada contra o jovem (CADERNO DE ESTUDOSPASTORAL, 2010). certo que atuar diante dessa campanha participar de um jogo deenfrentamento com um sistema de morte, simplesmente porque acreditamos num Deusque Vida e num Deus que quer, tambm para todas as juventudes, uma vida emplenitude. No podemos ser pequenos, inocentes, e covardes por no abraar esta causa.Assim para sermos jovens precisamos abraar esta Campanha participando junto aoselaboradores da mesma em novas propostas, novas aes, novas idias e novosresultados. importante lembrar o que traz o documento n85 da CNBB de 2006,Evangelizao da Juventude: Desafios e perspectivas pastorais, o documento diz quefrente situao de extrema vulnerabilidade a que est submetida maioria dos jovensbrasileiros, necessria uma firma atuao de todos os segmentos da Igreja no sentidode garantir o direito