Proposta de Mapeamento de Processos usando a BPMN: .Proposta de Mapeamento de Processos usando a

download Proposta de Mapeamento de Processos usando a BPMN: .Proposta de Mapeamento de Processos usando a

of 23

  • date post

    19-Jun-2018
  • Category

    Documents

  • view

    214
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of Proposta de Mapeamento de Processos usando a BPMN: .Proposta de Mapeamento de Processos usando a

  • 1

    Proposta de Mapeamento de Processos usando a BPMN: Estudo de

    Caso em uma Indstria da Construo Naval

    Leonardo da Silva Silveira (Universidade Federal do Rio Grande)

    Andr Andrade Longaray (Universidade Federal do Rio Grande)

    Vilmar Gonalves Tondolo (Universidade Federal do Rio Grande)

    Alssio Sarquis (Universidade do Sul de Santa Catarina)

    Paulo Munhoz (Universidade Federal do Rio Grande)

    Rosana Portella Tondolo (Universidade Federal de Pelotas)

    Resumo O presente trabalho tem por objetivo descrever o uso da Business Process Modeling Notation (BPMN) no mapeamento de processos em uma empresa de Construo Naval e Offshore do Polo Naval de Rio Grande. Metodologicamente, quanto ao seu propsito, um estudo de diagnstico, de carter qualitativo, cujo delineamento segue as diretrizes de uma pesquisa-ao, com o emprego de questionrios e entrevistas semiestruturadas para a coleta de dados. Dentre os principais resultados foi possvel analisar a sequncia completa de atividades do setor objeto de anlise, o que permitiu verificar quais processos estariam mais aptos ao desenvolvimento de futuras melhorias. Palavras-chave: Mapeamento de Processos; Indstria Naval e Offshore; Workflow; Business Process Modeling Notation (BPMN). 1. Introduo

    O setor industrial est presente em diversas atividades econmicas do Pas tais como fabricao de mquinas e equipamentos, veculos automotores, metalurgia, confeco de artigos de vesturio, produtos alimentcios, celulose, produtos de borracha e material plstico, petroqumicas e indstrias navais. De acordo com dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE), o ano de 2016 apresenta dados favorveis rumo ao equilbrio econmico, apesar de ainda sofrer as consequncias da crise econmica no Brasil de 2015. Nesse contexto, o setor de indstria geral apresentou nova retrao - de 0,3% - o que representa uma desacelerao na queda, visto que nos ltimos trs trimestres os ndices haviam sido superiores a 3% - desde o incio da contagem em 2002. Entre os principais subsetores da indstria que causaram esta diminuio figuram Fabricao de equipamentos de informtica, produtos eletrnicos e pticos; Veculos automotores, reboques e carrocerias; Fabricao de mquinas e equipamentos; Metalurgia; Fabricao de mquinas, aparelhos e materiais eltricos (IEDI e IBGE, 2016).

  • 2

    De acordo com relatrio do Instituto de Pesquisa Aplicada (IPEA, 2013), a indstria naval tem sua fabricao focada, principalmente, nos segmentos de Petrleo e Gs, de transporte martimo de longo curso e cabotagem, de transporte fluvial, de Foras Armadas e do segmento de lanchas e iates, apresentando tambm reduzida representatividade econmica. Este setor relaciona-se diretamente com os setores em crise, seja pela fabricao de peas ou compra de matrias de uso e consumo. Conforme dados do Sindicato Nacional da Indstria da Construo e Reparao Naval e Offshore, devido ao aumento da taxa cambial, incerteza econmica e a existncia de problemas contratuais com a principal contratante, a Petrobras que no incio deste ano decidiu rever o plano de negcios 2015-2019, e com isso, diminuiu a fabricao de plataformas e navios o setor apresentou pela primeira vez em 15 anos a reduo da produo e de quadro efetivo de funcionrios. Alm disso, os Estaleiros Brasileiros reduziram cerca de 40 mil postos de trabalho direto e outros 120 mil indireto (SINAVAL, 2015).

    Diante deste panorama, necessrio buscar alternativas que garantam a continuidade das operaes de construo naval no Brasil, por meio da criao de novas medidas de fiscalizao, governana e gerenciamento de processos, a fim de reduzir os custos de produo a partir de melhorias internas. Isto posto, a ferramenta de mapeamento de processos configura um interessante auxlio s organizaes, pois desempenha um papel conceituado por avaliar o desempenho e as dimenses estruturais de um fluxo de trabalho. Tal ferramenta permite implantar uma nova estrutura organizacional, eliminando vcios dos processos, reduo de falhas na integrao dos sistemas, reduo de custos no desenvolvimento de produtos e ainda possvel realizar uma varredura interna nos processos existentes, buscando a correo ou simplificao destes (Correia & Almeida, 2002).

    Assim, a realizao de um estudo de mapeamento de processos em indstrias da construo naval importante para demonstrar aos gestores os benefcios da utilizao desta ferramenta em sua estrutura administrativa e operacional, visando a manuteno e o controle dos processos internos da organizao. Neste trabalho, ser realizado o mapeamento de processos do setor de recursos humanos da empresa Alfa atuante no setor da construo naval na cidade de Rio Grande/RS, a qual disponibilizou recursos e profissionais para auxiliar no processo de mapeamento e, posteriormente, no desenvolvimento de melhorias internas na organizao. Para tanto, ser utilizada como modelo de mapeamento de processos a notao BPMN, com a qual pretende-se detalhar os processos do setor alm de apresentar suas possveis melhorias.

    O artigo divide-se em oito sees. Aps a introduo, a seo 2 expe o referencial terico. Na seo 3, apresentada a metodologia utilizada e as orientaes do estudo. A seguir, nas sees 4 e 5, delibera-se acerca da origem e evoluo do Business Process Modeling Notation (BPMN). Nas sees 6 e 7, so descritas a justificativa para a aplicao do BPMN no setor de Recursos Humanos de uma indstria da construo naval, bem como, seu mtodo de aplicao e atividades posteriores, que ultrapassaro o perodo disponvel para apresentao deste projeto. Por fim, a seo 8 descreve as consideraes finais, as limitaes encontradas durante o estudo, alm de sugestes para pesquisas futuras. 2. Definio de Processo

    Em uma organizao, os processos so identificados como os meios de agregar valor a um produto ou servio para atendimento de seus clientes, sendo que

  • 3

    tais processos e suas atividades consomem recursos da organizao. Dessa forma, torna-se necessrio a boa gesto destes a fim de proporcionar: reduo de custos, do tempo de ciclo e de atividades que no agreguem valor ao processo e melhoria da qualidade dos produtos e das atividades que agreguem valor ao produto (Slack, Chambers & Johnston, 2009).

    Processo toda atividade que recebe um insumo especfico e tem a capacidade de adicionar seu valor organizacional e transform-lo, criando assim um resultado til e eficaz ao recebedor vertical ou horizontal da esta cadeia produtiva (McHugh, Pendleblury & Wheeler, 1995). Em idntica perspectiva, o processo determinado como qualquer atividade que possui uma entrada (input), sendo agregado certo valor em sua produo, para que na sada (output), o cliente interno ou externo perceba os recursos da organizao ali utilizados. Este sistema organizacional ordenado pela seguinte hierarquia: macroprocesso, processo, subprocesso, atividade e tarefa (Harrington, 1993).

    A categorizao de processos sintetizada, basicamente, em trs formas: processos primrios relacionam-se diretamente com o cliente e detm certo poder para impact-lo; processos chaves possuem alto custo para serem mantidos, mas geram simultaneamente um grande impacto no cliente externo; processos crticos ligados diretamente estratgia de negcio da empresa que identifica a estratgia no produto pelo cliente externo. Sendo assim, a organizao que mantenha essas caractersticas em sua modelagem do processo de negcio, ter possibilitado o atingimento dos objetivos de entendimento, aprendizado, documentao e melhoria contnua de seus processos (Valle & Oliveira, 2011).

    No contexto mercadolgico, toda mudana tecnolgica no mercado atual ou a insero de organizaes em ambientes de competio globalizada, torna necessrio a realizao de uma gesto sobre as funes organizacionais, ou seja, ser realizada uma remodelagem dos processos existentes, adequando-os ao novo mercado, para que seja possvel aumentar a competitividade e o valor da organizao neste ambiente (Villela, 2000).

    A partir de uma anlise nos processos organizacionais possvel construir um modelo de gerenciamento cujo desenvolvimento deve considerar quatro enfoques iniciais: a eliminao de qualquer trabalho repetitivo ou desnecessrio; a combinao de operaes e elementos organizacionais; a modificao na sequncia das operaes e a simplificao das operaes bsicas ou essenciais. Dessa forma, este gerenciamento auxiliar a organizao a identificar fontes de desperdcio humano ou de material, atravs de uma comunicao simples e direta a todos os membros, elucidando as decises mais viveis naquele momento (Barnes, 1982).

    O mapeamento de processos, ao apoiar a gesto organizacional, torna-se uma ferramenta gerencial, analtica e de comunicao essencial para as organizaes que buscam a promoo de melhorias ou a implantao de uma nova estrutura com novos processos. Outra importante funo do mapeamento sua evidenciao em registros documentados, visto que o aprendizado construdo com base em conhecimentos e experincias passadas pelos membros da prpria organizao, sendo este histrico relevante devido migrao de funcionrios para outras empresas, aposentadoria e afastamentos - fatores que podem ocasionar a perda de lies e experincias adquiridas ao longo do tempo. O mapeamento ainda exige que todas as reas funcionais da organizao estejam integradas para que seja possvel a compreenso e participao do processo como um todo (Villela, 2000).

  • 4

    O mapeamento de processos possibilita a visualizao completa e consequente compreenso das atividades executadas pela organizao, e estrutura bsica para a anlise de processos de negcios. Para a implantao desta ferramenta, importante adotar trs etapas iniciais: primeiramente, definir fronteiras de processos e seus respectivos clientes atravs da identificao das entradas e sadas do fluxo de trabalho; na segunda, realizar e