PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Click here to load reader

  • date post

    16-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    197
  • download

    0

Embed Size (px)

Transcript of PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

PRODUO DE RAIOS X E PROTEO RADIOLGICA Carlos A. M. Gottschall

Equipamentos de Cinefluoroscopia

Arco C Monitores Intensificador de Imagem Tubo de Raios X Cmara de filmagem

Caractersticas Peculiares dos Raios - XNo so detectados por nenhum dos cinco sentidos que possumos. Viso; Olfato; Paladar; Tato; Audio;

Produo de Raios - XPrincpio:

Transformao de energia cintica de eltrons originados do ctodo em aumento de temperatura no nodo (99%) e ftons de raios - x (1%).Exemplo: operando a 70 kV, quase todos os eltrons atingem o alvo com uma energia cintica de 70 keV.

Propriedades dos Raios - X Ondas eletromagnticas; Possu sua origem fora do ncleo (Eletrosfera); Sua produo no de origem radioativa - no necessitando assim de material radioativo para sua gerao; Radiao Ionizante; Ao interagir com a matria, gera radiao espalhada (efeitos Comptom); Enegrece chapa radiogrfica; Possui um grande poder de penetrao;

Produo de Raios - X

Produo de Raios - XExemplo simplificado:E = mV

Corrente de Tubo 300 mA

Capa focalizadora

Corrente de Filamento 5 A

+ 75 kV

- 75 kV

Produo de raios-XTubo de Raios X - nodoAlvo - rea de coliso dos eltrons - Tungstnio (W) mais ftons boa dissipao do calor Fixo - Baixas Intensidades Rotatrio - Altas Intensidades - Maior Dissipao do calor - Molibdnio (Mo) Mamografia

Produo de raios-XPonto Focal*O ponto focal a regio do nodo onde o feixe de eltrons colidem com os tomos de tungstnio, Molibidnio ou Rdio *Imagens de alta resolues necessitam de pequenos tamanhos de pontos focais.

Produo de raios-XPrincpio do Foco Linear Conforme diminui o ngulo do alvo, diminui tambm o ponto focal efetivo

Produo de raios-XEfeito Talo - andico

A melhor qualidade radiogrfica em funo do efeito andico

Imagem Fluoroscpicas

EXPOSIO OCUPACIONAL

Mdicos Enfermeiras Tcnicos Aux. de Enfermagem

GRANDEZAS RADIOLGICAS E UNIDADES

100 mrem = 1 mSv 100 mrad = 1 mGyExposio X

Dose Efetiva

Dose Absorvida

Exposio X

PROTEO RADIOLGICA O que pode acontecer se um equipamento de Cinefluoroscopia no controlado nem calibrado for utilizado normalmente ?

Efeitos Determinsticos

Caso publicado : The American Journal of Gastroenterology 1998 (tempo total de exposio 90 nim - equipamento de baixa resoluo) e com uma dose estimada de 12 Gy.

Efeitos Determinsticos

Primeiras semanas depois do procedimento Publicado em 1996 - Imaging & Therapeutic Technology Tbomas B. Sbope, PhD

Efeitos Determinsticos

Meses aps o procedimento ( radiodermite)

Efeitos Determinsticos Logo depois do implante de tecido. Depois deste caso, o FDA exigiu um controle mais rgido dos laboratrios de cateterizao

Efeitos Estocsticos Em 1991 - publicada na Health Physics (Dunacan C) Radiaotion Exposure During Radiofrequency Cattheter Ablation of Accessory Atrioventricular Connections , conclui que 1 hora de exposio a radiao (cinefluoroscopia) resulta na morte de 0,1 % dos pacientes por cncer. Em 1999 - publicada na Circulation (Hugh calkins) Risk of leukemia caused by diagnostic X - rays , conclui que 12,8 % dos casos de leucemia so atribudos a diagnsticos mdicos que utilizam raios X.

PROTEO RADIOLGICAHISTRICO1928 - Segundo deciso do 2 Congresso Internacional de Radiologia surge o COMIT INTERNACIONAL DE PROTEO AOS RAIOS-X E RDIO 1950 - Estrutura-se a COMISSO INTERNACIONAL DE PROTEO RADIOLGICA (ICRP) 1988 - CNEN-NE 3.01 - Diretrizes Bsicas de Proteo Radiolgica 1998 - Portaria 453/98-MS

PROTEO RADIOLGICA

Conjunto de medidas que visam proteger o homem, seus descendentes e seu meio ambiente contra possveis efeitos indevidos causados pela radiao ionizante. PORTARIA 453/98-MS

PROTEO RADIOLGICAPRINCPIOS BSICOS

OTIMIZAO

Considerando fatores econmicos e sociais!

As Low As Reasonably Achievable

To baixo quanto razoavelmente exeqvel.

PROTEO RADIOLGICAREGRAS BSICAS Blindagem

Tempo CONHECIMENTO Distncia

Qualidade

0,8 mSv 0,05 mSv 93,7 %Olhos Mos Anual 250 mSv s/p 400 mSv s/p 600 mSv s/p 5 mSv c/p 8 mSv c/p 15 mSv c/p

PROTEO RADIOLGICAMONITORAO

PROTEO RADIOLGICAPADRONIZAO DA TCNICA DE CATETERISMO

1.Utilize sempre que possvel fluoroscopia pulsada. 2. Use sempre o colimador, utilizando sempre o menor campo de irradiao possvel. 3. O tubo de Raios - X deve estar posicionado sempre embaixo da mesa de procedimento. 4. Diminua a distncia do intensificador ao paciente.

PROTEO RADIOLGICAPADRONIZAO DA TCNICA DE CATETERISMO

5. Aproveite a ltima imagem no monitor que esta disponvel em muitos equipamentos para obter informaes sobre a localizao das estruturas. 6. Nas projees laterais e oblquas, procure que o tubo de Raios X aponte para o lado contrrio ao do operador, avalie a possibilidade de trabalhar posicionando-se do outro lado da mesa.

PROTEO RADIOLGICAPADRONIZAO DA TCNICA DE CATETERISMO 7. Utilize o sistema de alto nvel quando realmente

necessitar de uma imagem com uma maior resoluo. 8. Posicione-se to longe possvel do tubo de Raios - X e paciente. 9. Utilize sempre EPI's plumbferos.

PROTEO RADIOLGICAPADRONIZAO DA TCNICA DE CATETERISMO

10. Utilize sempre que possvel biombo mvel. 11. No momento da filmagem, "mtodo Cine", sensibilize a menor quantidade de filme possvel, pois 75 % da dose da equipe e do paciente gerado no momento da filmagem.12. DOSMETRO! Pessoal, cuidados, armazenagem

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUALDOSMETRO - individual de leitura indireta, troca mensal; - utilizado na regio mais exposta do tronco; - colocado sobre o avental plumbfero; (FC = 1/10 para estimar dose efetiva); - exclusivo do usurio do dosmetro no servio para o qual foi designado; - deve permanecer junto ao dosmetro padro quando no estiver sendo utilizado; - indivduos que trabalhem em mais de um servio...

para

PROTEO RADIOLGICARESULTADOS

Em duas simulaes de um procedimento de cateterismo cardaco, uma sem a utilizao das 11 regras bsicas e outra utilizando as mesmas, verificamos que as doses efetivas recebida pelo funcionrio mais prximo (Hemodinamicista) 95 % menor com a utilizao das regras bsicas de padronizao.

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUALAPLICAO Dose Efetiva LIMITE DE DOSE ANUAL Ocupacional 20 mSv por ano mdia em um perodo definido em 5 anos1 Pblico 1 mSv por ano

Dose equivalente para um nico rgo ou tecido Dose equivalente anual em Cristalino Pele Mos e ps1

500 mSv 150 mSv 200 mSv 500 mSv

1/wT 15 mSv 50 mSv -

Com proviso adicional de que a dose efetiva no deve exceder 50 mSv em um nico perodo. Restries adicionais se aplicam a exposies ocupacionais de mulheres grvidas.

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUALTorax - 0,1 mGy - entrada na pele Tc de bacia - 40mGy - entrada na pele TC de crnio - 30 mGy - entrada na pele Fluroscopia - 40 mGy/min - entrada da pele Abdomen - 2,25mGy - dose gonadal Cinefluroscopia - 10mGy/s para 15 quadros / seg - entrada na pele ( 400 mGy ) Ablao de 64 min - 800mGy - entrada na pele Catarata - acima de 2000 mGy Esterilidade temporria - 3000 mGy ( determinstico )

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUAL

No permitida a permanncia de acompanhantes na sala durante o exame radiolgico, salvo quando estritamente necessrio e autorizado.

Acompanhante, quando houver necessidade de conteno de paciente, exija e use corretamente vestimenta plumbfera para sua proteo. MULHERES GRVIDAS ou com suspeita de gravidez: favor informarem ao mdico ou ao tcnico antes do exame.

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUAL

CONSTRUO DA REA FSICA- Portaria RDC 050 (Projetos Fsicos de Estabelecimentos Assistenciais de Sade) - Barreiras - altura mnima de 210 cm - Equivalente de dose ambiente: 5 mSv/ano - rea controlada 0,5 mSv/ano - rea livre

LIMITAO DE DOSE INDIVIDUALAcompanhante de paciente: exija e use corretamente a vestimenta plumbfera para a sua proteo.

PROTEO Aventais Aventais RADIOLGICA

culos

Protetor de Luvas tireide

Portaria - 453 obrigatrio a utilizao de equipamentos de proteo individual (EPIs) pelos acompanhantes e auxiliares de sala durante a realizao do exame.

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUAL

- Para pacientes

saiote plumbfero protetor gonadal protetor de tireide culos plumbfero avental /saiote e colete plumbfero protetor de tireide culos plumbferos luvas avental /saiote e colete plumbfero protetor de tireide

- Para equipe

- Para acompanhantes

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUALQUAL EPI PLUMBFERO DEVO USAR ?

Aventais e protetores de tireide com 0,5 mm de equivalncia em chumbo COR CINZA Aventais e protetores de tireide com 0,25 mm de equivalncia em chumbo DEMAIS CORES

Mdicos ou qualquer profissional que atuar em rea potencialmente capaz de ser atingida pelo feixe primrio Enfermeiros, auxiliares de enfermagem ou qualquer profissional que atuar em rea com radiao espalhada

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUAL rea livre - rea isenta de regras especiais de segurana onde as doses equivalentes efetivas anuais no ultrapassam o limite primrio para indivduos do pblico. 1 mSv/ano rea controlada - rea sujeita a regras especiais de segurana 20 mSv/ano rea restrita - rea sujeita a regras especiais de segurana na qual as condies de exposio podem ocasionar doses equivalente efetivas anuais superiores a 1/50 do limite primrio para trabalhador. 1mSv

PROTEO RADIOLGICALIMITAO DE DOSE INDIVIDUAL rea controlada restrita - rea sujeita a regras especiais de segurana na qual as condies de exposio podem ocasionar doses equivalente efetivas anuais iguais ou superiores a 3/10 do limite primrio para