(Protocolos e Conceitos de Roteamento) -...

of 41 /41
kraemer CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento) Tabela de Roteamento

Embed Size (px)

Transcript of (Protocolos e Conceitos de Roteamento) -...

Page 1: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

CCNA Exploration (Protocolos e Conceitos de Roteamento)

Tabela de Roteamento

Page 2: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Cronograma

• Cenário

• Rotas

• Rota primária e rota secundária

• Etapas do processo de procura de rotas

• Correspondência mais longa

• Protocolos vc Comportamento

• Resumo e revisão

Page 3: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Introdução

Page 4: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Cenário

Page 5: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Cenário

Identifique as rotas estáticas, as rede diretamente conectadas e as descobertas utilizando protocolo de roteamento.

Page 6: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rotas

O B.D. não é plano, é hierárquico

Page 7: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rotas

Page 8: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota de nível 1

Uma rota de nível 1 é uma rota com uma máscara de sub-rede igual ou menor que a máscara classfull do endereço de rede.

Page 9: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota de nível 1

A rota de nível 1 192.168.1.0/24 pode ainda ser definida como uma rota definitiva. A rota definitiva é uma rota que inclui:

• um endereço IP do próximo salto (outro caminho)• e/ou uma interface de saída

Page 10: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 11: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 12: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 13: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Uma rota primária de nível 1 é uma rota de rede que não contém endereço IP do próximo salto ou interface de saída para nenhuma rede.

Uma rota de nível 2 é uma rota que é uma sub-rede de um endereço de rede classfull.

As rotas de nível 2 também são consideradas rotas definitivas porque contêm o endereço IP do próximo salto e/ou a interface de saída.

Page 14: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 15: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 16: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 17: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Observe que nossas rotas secundárias compartilham a mesma máscara de sub-rede

A exibição é diferente quando as sub-redes são VLSM.

Seja qual for o esquema de endereçamento utilizado pela rede (classless ou classfull), a tabela de roteamento utilizará um esquema classfull.

Page 18: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Rota primária e rota secundária

Page 19: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 20: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 21: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 22: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 23: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 24: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 25: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 26: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 27: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 28: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 29: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Etapas do processo de procura de rota

Page 30: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Correspondência mais longa

Page 31: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Correspondência mais longa

Page 32: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Correspondência mais longa

Page 33: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Correspondência mais longa

Page 34: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Correspondência mais longa

Utilizar o VLSM não altera o processo de procura. Com o VLSM, a máscara classfull é exibida com a rota primária de nível 1

Da mesma maneira que ocorre com as redes não–VLSM, se houver uma correspondência entre o endereço IP de destino do pacote e a máscara classfull da rota primária de nível 1, as rotas secundárias de nível 2 deverão ser buscadas.

A principal diferença é que em classfull se a rota secundária de nível 2 não for encontrada o pacote é descartado. Ou seja, não segue a busca na tabela de roteamento mesmo que exista outra rota primária de nível 1.

Page 35: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Protocolos vs Comportamento

Page 36: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Entender a estrutura e o processo de procura da tabela de roteamento pode ser importante na verificação e na identificação e solução de problemas de rede. Saber quais rotas devem ser incluídas ou não na tabela de roteamento é uma habilidade essencial ao identificar e solucionar problemas de roteamento.

A tabela de roteamento de IP Cisco é estruturada de uma maneira classful, o que significa que ela utiliza, como padrão, endereços classful para organizar as entradas de rota. A origem de uma entrada de rota pode ser uma rede diretamente conectada, uma rota estática ou uma rota reconhecida dinamicamente a partir de um protocolo de roteamento.

Resumo e revisão

Page 37: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Neste capítulo, você aprendeu que existem rotas de nível 1 e nível 2. Uma rota de nível 1 pode ser uma rota definitiva ou uma rota primária. Uma rota definitiva de nível 1 é uma rota com uma máscara de sub-rede igual a ou menor que a máscara classful padrão da rede; e um endereço do próximo salto ou uma interface de saída. Por exemplo, uma rota reconhecida por RIP com o endereço de rede de 192.168.1.0 e uma máscara de rede /24 é uma rota definitiva de nível 1. Estas rotas são exibidas na tabela de roteamento como uma única entrada de rota, como:

R 192.168.1.0/24 [120/1] via 172.16.2.2, 00:00:25, Serial0/0/0

Resumo e revisão

Page 38: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Outro tipo de rota de nível 1 é uma rota primária. Uma rota primária de nível 1 é criada automaticamente quando uma rota de sub-rede é adicionada à tabela de roteamento. A rota de sub-rede é conhecida como uma rota secundária de nível 2. A rota primária é um cabeçalho para rotas secundárias de nível 2. Veja aqui um exemplo de uma rota primária de nível 1 e uma rota secundária de nível 2:

172.16.0.0/24 is subnetted, 1 subnetsR 172.16.1.0 [120/1] via 172.16.2.1, 00:00:07, Serial0/0/0

A máscara de sub-rede das rotas secundárias é exibida na rota primária a menos que o VLSM seja utilizado. Com o VLSM, a rota primária exibe a máscara classful e a máscara de sub-rede é incluída com as entradas de rota VLSM individuais.

Resumo e revisão

Page 39: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

Neste capítulo, você também conheceu o processo de procura na tabela de roteamento. Quando um pacote é recebido pelo roteador, ele procura a correspondência mais longa com uma das rotas na tabela de roteamento. A correspondência mais longa é a rota com o número maior de bits à esquerda que correspondem entre o endereço IP de destino do pacote e o endereço de rede da rota na tabela de roteamento. A máscara de sub-rede associada com o endereço de rede na tabela de roteamento define o número mínimo de bits que devem corresponder para que a rota seja considerada uma correspondência.

Antes de examinar qualquer rota secundária de nível 2 (sub-redes) para verificar se há uma correspondência, deve haver primeiro uma correspondência com a rota primária de nível 1. A máscara classful da rota primária determina quantos bits devem corresponder à rota primária. Se houver uma correspondência com a rota primária, as rotas secundárias serão examinadas para verificar se há uma correspondência.

Resumo e revisão

Page 40: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

O que acontece quando há uma correspondência com a rota primária, mas não há com nenhuma das rotas secundárias? Se o roteador estiver utilizando o comportamento de roteamento classful, nenhuma outra rota será procurada e o pacote será descartado. O comportamento de roteamento classful era o comportamento de roteamento padrão nos roteadores Cisco antes do IOS 11.3. O comportamento de roteamento classful pode ser implementado utilizando o comando no ip classless.

Iniciando com o IOS 11.3, o comportamento de roteamento classless tornou-se o padrão. Se houver uma correspondência com uma rota primária, mas não houver com nenhuma das rotas secundárias, o processo da tabela de roteamento continuará procurando outras rotas na tabela de roteamento, inclusive uma rota padrão, caso exista uma. O comportamento de roteamento classless é implementado utilizando o comando no ip classless.

Resumo e revisão

Page 41: (Protocolos e Conceitos de Roteamento) - …paginas.unisul.br/carlos.luz/redes/ROTEAMENTO_DINAMICO/Tabela... · CCNA Exploration (Protocolos e ... nível 1 pode ser uma rota definitiva

kraemer

As rotas para as redes são adicionadas à tabela de roteamento a partir de diversas fontes, incluindo redes diretamente conectadas, rotas estáticas, protocolos de roteamento classful e protocolos de roteamento classless. O processo de procura, comportamento de roteamento classful ou classless, são independentes da origem da rota. Uma tabela de roteamento pode ter rotas reconhecidas de um protocolo de roteamento classful, como RIPv1, mas deve utilizar o comportamento de roteamento classless, no ip classless, para o processo de procura.

Resumo e revisão