PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL

of 44 /44
PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL Aparecida Mendes Carolina Finelli Cristiane Passos Érika Renata Gleiciane Mendonça Isabel Dante Joelma Magalhães Marla Rodrigues Stefânia Vargas Vânia Nazário

description

PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL. Aparecida Mendes Carolina Finelli Cristiane Passos Érika Renata Gleiciane Mendonça Isabel Dante Joelma Magalhães Marla Rodrigues Stefânia Vargas Vânia Nazário . SURGIMENTO. Em oposição ao estudo da consciência Inicio do sec. XX - PowerPoint PPT Presentation

Transcript of PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL

Page 1: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

PSICOLOGIA COMPORTAMENTAL

Aparecida MendesCarolina FinelliCristiane PassosÉrika RenataGleiciane MendonçaIsabel DanteJoelma MagalhãesMarla RodriguesStefânia VargasVânia Nazário

Page 2: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

SURGIMENTOEm oposição ao estudo da consciência

Inicio do sec. XXSurgiu como uma proposta para a psicologia de

tomar como objeto de estudo o próprio COMPORTAMENTO.

MARCO DO SURGIMENTO: Estados Unidos da America – publicação do artigo deJohn Watson (1913) “Psychology as the Behaviorist

viewsit”.

Page 3: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

“A Psicologia como um comportamentista a vê".

Nele o autor defende que a psicologia não deveria estudar processos internos da mente, mas sim o comportamento, pois este é visível e, portanto, passível de

observação por uma ciência positivista. Ele crê ser possível prever e controlar toda a conduta humana, com base no estudo do

meio em que o indivíduo vive.

Page 4: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

INFLUÊNCIASPositivismo lógico de Augusto

Comte;

Teoria da Evolução e Seleção das Espécies de Darwin.

Page 5: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

PRINCIPAIS TEÓRICOS Ivan Petrovitch Pavlov Nascido em 1849 na cidade Riazan Estuda química e fisiologia na Universidade

de São Petersburgo. Gradua-se em 1879 pela Academia de

Cirurgia e Medicina; Em 1903 apresenta a teoria dos reflexos

físicos provocados artificialmente, portanto condicionados, no congresso mundial de medicina realizado em Madri.

A teoria é resultado dos estudos da salivação de um cão, induzida por estímulos externos como luz, som, tato e olfato.

Em 1904 ganha o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina. Baseado na teoria da evolução das espécies, estuda, em 1909, a possível transformação dos reflexos condicionados ou adquiridos em reflexos incondicionados e, conseqüentemente, hereditários.

Morre em São Petersburgo, então Leningrado.

Page 6: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 7: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

PRINCIPAIS TEÓRICOSJohn Broadus Watson – BIOGRAFIA

“Dê-me uma dúzia de crianças saudáveis, bem formadas, e meu próprio mundo especificado para

trazê-las, e eu garanto tomar qualquer uma aleatoriamente e treiná-la para se transformar em qualquer tipo de

especialista que eu escolher - médico, advogado, artista, comerciante e até mesmo mendigo e ladrão, a despeito

de seus talentos, inclinações, tendências, habilidades, vocações e

raça de seus antepassados”. Watson, J.B. Behaviorism, 1930,

Page 8: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

BEHAVIORISMO METODOLOGICO

Só é possível conhecer aquilo que meus sentidos me trazem.

Toma como OBJETO DE ESTUDO o próprio comportamento e não os fenômenos que se expressariam através dele e como produto do ambiente causado por eventos antecedentes:

[S R].MÉTODO: experimental

Page 9: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Burrhus F. Skinner BIOGRAFIA

“Os homens agem sobre o mundo, modificam-no e, por sua vez, são

modificados pelas conseqüências de

suas ações”. (SKINNER, 1957, p.

15)

Page 10: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

BEHAVIORISMO RADICALÊnfase na historia de interação do organismo com

o ambiente, tendo em vista três níveis de seleção: FILOGENETICO, ONTOGENETICO, E CULTURA.

OBJETO DE ESTUDO: comportamento como produto dos três níveis de seleção, tendo em vista a TRIPLICE CONTIGENCIA [SA : R C ]

MODELO CAUSAL: interacionista de seleção pelas conseqüências.

Page 11: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

BEHAVIORISMO RADICAL ALGUNS PRESSUPOSTOS

O comportamento é aquilo que pode ser objetivamente estudado.

A personalidade é uma coleção de comportamentos analisáveis.

O comportamento pode ser modelado através de REFORÇOS POSITIVOS E NEGATIVOS.

Page 12: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

WATSON SKINNER Watson propõe tornar

o comportamento humano um objeto do comportamento científico, olha só para os estímulos e respostas (S-R); Pesquisou a respeito do reflexo condicionado (aprendido) e observou fenômenos como a transferência e o descondicionamento.

Skinner olha para todo o conjunto de respostas e conseqüências que estas ações tiveram e estas díades ocorrem num contexto. Contexto com o responder (ações) e conseqüências destas ações (Contingências Tríplices).

X

Page 13: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

WATSON SKINNER Interesse pela

possibilidade de descondicionamento

Ele é contra, portanto, às idéias de “capacidades”, “dons”, “predisposições”, “talentos”, comumente presentes nos discursos de sua época

Skinner introduz o conceito de comportamento operante.X

Page 14: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

COMPORTAMENTO OPERANTESão aqueles que modificam o ambiente e essas

modificações no ambiente levam por sua vez, a modificação de comportamentos subseqüentes.

Eles constituem a maior parte das atividades visíveis dos seres humanos, mas até mesmo aquela atividade freqüentemente invisível que nós denominamos pensamentos envolve comportamentos operantes, reduzidos em sua magnitude ao ponto de tornarem-se invisíveis para os demais.

Page 15: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Um reforçador positivo fortalece qualquer comportamento que o produza, já um reforçador negativo revigora qualquer comportamento que o reduza ou faça cessar.

Os eventos que se verifica serem reforçadores são de dois tipos. Alguns reforços consistem na apresentação de estímulos, no acréscimo de alguma coisa, por exemplo, alimento, água, ou contato sexual = à situação. Estes são denominados reforços positivos. (Skinner, 2003, p. 81).

Page 16: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

REFORÇO POSITIVO E NEGATIVO Positivo: aumenta a probabilidade de um comportamento pela presença

(positividade) de uma recompensa/estímulo.

Negativo: aumenta a probabilidade de um comportamento pela a ausência (retirada) de um estímulo aversivo (que cause desprazer) após o organismo apresentar o comportamento pretendido. É válido enfatizar que reforço negativo, ao contrário do que o nome pode sugerir, não é um estímulo que reduza a frequência do comportamento, isto é um estímulo aversivo; reforço negativo é um estímulo que aumenta a frequência do comportamento que consiste em retirar um estímulo aversivo do ambiente.

O que difere um reforço positivo de um reforço negativo é que o primeiro consiste em inserir um estímulo reforçador no ambiente e o segundo consiste em retirar um estímulo aversivo.

Reforço ou reforçamento não é recompensa.

Page 17: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

PUNIÇÃO A punição é um estímulo aversivo que reduz a

probabilidade do comportamento. A punição pode ser, também, positiva (caso em que consiste em se inserir no ambiente um estímulo).

Page 18: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

A Análise Experimental do Comportamento também conhecida como Análise do Comportamento é a Ciência. O termo "Experimental" enfatiza a utilização de uma metodologia experimental nessa ciência.

 O Behaviorismo Radical é a filosofia dessa Ciência. Análise funcional parte do método utilizado pela

Análise do Comportamento ou Análise Experimental do Comportamento.

 A análise funcional é uma metodologia específica da

Análise do Comportamento! É quando verificamos quais as variáveis ambientais

que estão interferindo no comportamento. Verificamos a função da resposta!

Page 19: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 20: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Independente de onde desenvolvam sua atividade e qual seja ela: ensino, pesquisa, admnistração ou prática clínica, a análise funcional ocupa um ponto central.

Na ciência Skineriana, a busca de relações

funcionais estará sempre associada ao

reconhecimento da multideterminação do

fenômeno comportamental e à

seleção de um recorte específico como

domínio da análise do comportamento o das

relações do organismo como um todo com

eventos do ambiente à sua volta

(NENO,2003)

Page 21: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

5 Características assumidas pela prática comportamental

1. Selecionismo - Modelo causal2. Externalismo - recorte de análise3. Complexidade – variabilidade,

complexidade e caráter idiossincrático das relações comportamentais.

4. Critério pragmático na definição do nível de intervenção

5. Distinção entre alcance da avaliação e intervenção

Page 22: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Descrição de casoPaciente: Ana, 27 anosEscolaridade: 2º.grau completoProfissão: Técnica em Laboratório

Estado civil: casadaDemanda: depressão

Page 23: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Há 1 ano em tratamento com psiquiatra, vem fazendo uso de antidepressivo.

Na adolescência expulsa de casa pelo pai, que não aceitava suas saídas com amigos.

Morou com a avó por 2 anos, porém voltou a morar com seus pais.

Participação de grupo religioso, novas amizades.

Ideal casar-se com alguém do grupo

Page 24: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Conheceu o marido no trabalho, católico, se casaram.

Redução de participação no grupo de estudo após o casamento, até parar totalmente.

falecimento da avó.

Queixas: desânimo, dores no corpo, vontade de dormir e fugir, alta sensibilidade à acontecimentos ruins.

Page 25: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Algumas consideraçõesVerbalizações que

indicam sentimentos de inferioridade.

“meu marido já vai terminar o mestrado, fazer doutorado e eu não fiz nem a graduação. Uma hora ele vai conhecer uma pessoa mais interessante, mais inteligente, mais estudiosa.

Situação de conflito - consolidar a escolha entre freqüentar o grupo bíblico sem o marido ou acompanhá-lo em suas reuniões sociais que lhe eram aversivas “Eu fico nas festas, no meio daquelas pessoas bebendo, me dá uma coisa tão ruim! Parece que não era ali que eu queria estar; eu queria estar com meus amigos de lá (do grupo religioso)..”

Page 26: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Comportamento inassertivo - deixa de dar opiniões, medo de magoar as pessoas e arrependimento de seus posicionamentos.

“Para evitar brigas eu peço desculpas, mesmo o outro estando errado.”

“Eu falei para elas (amigas) que havia um monte de coisas em promoção. Daí, elas foram e não gostaram de nada e na volta tomaram chuva ainda. Aí eu falei: ai, meu Deus, eu devia ter ficado quieta! “

“A gente não pode se prejudicar por ter medo de falar e isso acontece muito comigo.”

Page 27: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Análise Funcional

Page 28: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 29: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 30: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 31: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 32: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL
Page 33: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Conclusão da AnáliseFuncional

Com base nas análises apresentadas, considera-se que, as principais variáveis relacionadas à ocorrência de um conjunto de comportamentos apresentados por Ana e descritos por outros profissionais sob o título único de depressão, parecem ser:

Perda de reforçadores positivos importantes após se casar

Não substituição dos reforçadores perdidos por outros

Muitos comportamentos mantidos por reforço negativo

Page 34: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Essa é uma forma de compreensão do comportamento humano como fruto de interações do indivíduo com seu ambiente.

Por meio de análise funcional criteriosa, poder-se-ia

perceber que aquele seria o comportamento mais provável de ser apresentado por aquele indivíduo, dadas as

contingências envolvidas (Banaco, 1997, apud Marinho e Costa, 2002).

Page 35: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Personalidade e Psicopatologia para os Comportamentalistas

Segundo Skinner (1974), a personalidade é um repertório de comportamento partilhado por conjuntos organizados de contingências. Ou seja, a personalidade para os analistas do comportamento, é construída e moldada pelas contingências ambientais,reforçadoras ou punitivas.

Quanto a estruturação psíquica O Id - representa o velho Adão

“a natureza pecaminosa” derivadas de sua suscetibilidade inatas para o reforço.

O Supergo - a consciência judaico-cristã fala de um agente punitivo que representa interesses de outras pessoas.

O Ego - produto das contingências práticas da vida diária envolvendo reforçamento e punição aplicados por outra pessoa.

Sendo em grande parte inconsciente porque a comunidade verbal não ensina às pessoas observá-lo ou descrevê-lo (Skinner,1974 pg.131).

Page 36: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Quanto a Psicopatologia, ela é vista como sendo fruto de aprendizagem inadequada ou de

habilidades deficientes, sendo aprendizagem esta pode ser substituída ou não por outra

aprendizagem.

NOVA APRENDIZAGEM

APRENDIZAGEM INADEQUADA

APRENDIZAGEM ADEQUADA

Page 37: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

A pressuposição básica da teoria comportamental é que tantos os comportamentos adaptativos

quanto os inadaptados são adquiridos, mantidos, e modificados da mesma maneira: por meio dos eventos internos e externos que lhe dão origem

e que vêm depois deles. Isso significa que a conceitualização comportamental de casos

envolve uma cuidadosa avaliação do contexto em que o comportamento se dá, juntamente com

a o desenvolvimento de hipóteses testáveis sobre as causas, os fatores de manutenção e as

intervenções de tratamento. (Sommers-Flanagan,2006 apud Truax,2002).

Page 38: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Os terapeutas comportamentais utilizam-se de diferentes formas de terapias que são eficazes no tratamento dos transtornos psiquiátricos: terapia

comportamental para depressão, para dor de cabeça, enurese, terapia comportamental para

casais, e para os transtornos do desenvolvimento como é o caso da síndrome Autista.

Page 39: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

CONTRIBUIÇÕES DO BEHAVIORISMO PARA

A EDUCAÇÃO

Page 40: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

A aprendizagem que Skinner acredita é que “dadas as condições adequadas

todo ser aprende”. Não há aluno problema, não há professor problema, há uma relação professor/aluno. É a

relação entre as condições de ensino e as consequências arranjadas para esse ensino é que são problemáticas e estão

inadequadas as condições do aluno.

Page 41: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

O analista do comportamento avalia o todo e investiga o que o

sujeito pensou ao responder o que lhe foi proposto. Ele vai além do comportamento verbal e tenta

buscar mais amostra do repertório como hábitos, idéias, escritas

espontâneas, desenho.

Page 42: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

CONCLUSÃOA Psicologia Comportamental nasce com o objetivo de

estudar o comportamento observável em oposição às outras Psicologias existentes naquela época. Para ela a explicação do comportamento pode ser feito, sem que para isso tenha que se recorrer aos processos

mentais internos (por exemplo: pensamento) uma vez que este é apenas um comportamento encoberto.

Skinner estuda o indivíduo em sua interação com o ambiente, onde o homem modifica e é por ele

modificado, introduzindo assim a idéia das contingências tríplices, e a partir de seus estudos

contribuiu para uma aplicabilidade da teoria comportamental, tendo como principal pressuposto o

conceito de reforçamento.

Page 43: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

A partir de estudos feitos para a construção do trabalho, podemos perceber que a Psicologia Comportamental trouxe grandes contribuições para a Psicologia como um todo: o status de cientificidade e controle de variáveis, estudos do comportamento e aplicações no campo da aprendizagem.

Page 44: PSICOLOGIA  COMPORTAMENTAL

Agradecimentos Prof. Joana

Pettersen Prof. Manuela

FEAD- MG