QUALI-Apostila Cor - Juliane Fonseca

Click here to load reader

  • date post

    05-Jul-2015
  • Category

    Documents

  • view

    187
  • download

    3

Embed Size (px)

Transcript of QUALI-Apostila Cor - Juliane Fonseca

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de locais de trabalho1Juliane Figueiredo

1.1. Introduo Durante boa parte da histria da humanidade, as edificaes raramente refletiram preocupaes com seus ocupantes, promovendo insatisfaes por parte dos usurios e inadequaes na execuo das tarefas que se destinavam a abrigar. Atualmente, diversos estudos tm revelado que locais de trabalho com condies ambientais favorveis, ou seja, que atendam s necessidades de seus usurios aos nveis, fisiolgico e simblico, exercem impactos positivos sobre os mesmos, resultando em melhor desempenho e maior produtividade. Uma das causas mais freqentes de estresse ambiental a ausncia de estmulos no ambiente. Sendo assim, Bins Ely (2003)i considera importante conhecer os elementos do ambiente que podem causar os estmulos sensoriais perceber e receber as informaes e provocar respostas ao nvel do corpo - o comportamento. Dentre os elementos ambientais existentes no local de trabalho, a cor apresenta-se como um dos elementos que pode provocar sensaes e promover bem estar emocional. No entanto, segundo Mahnke (1996)ii no basta simplesmente colorir os espaos de trabalho preciso que a escolha das cores esteja adequada funo do espao, s caractersticas da tarefa e dos usurios que vivenciam esse espao. Em outras palavras, o projeto cromtico deve preocupar-se com as questes envolvidas na adequao e usabilidade dos espaos de trabalho. 1.2. Estudos das interaes homem e ambiente construdo Os estudos sobre a relao ambiente construdo e comportamento humano so de suma importncia para analisar e avaliar at que ponto os ambientes produzidos contribuem positivamente na realizao das atividades e na promoo do bem estar do indivduo.

Todo este material faz parte da dissertao de mestrado: FONSECA, Juliane Figueiredo. A contribuio da ergonomia ambiental na composio cromtica dos ambientes construdos de locais de trabalho de escritrio. Rio de Janeiro, 2004. 292p. Dissertao de Mestrado Departamento de Departamento de Artes e Design, Pontifcia Universidade Catlica do Rio de Janeiro.

1

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

2

importante observar e registrar como o usurio do ambiente o percebe e o experiencia. Em outras palavras, compreender em que medida o ambiente construdo influencia o comportamento do usurio, mas tambm, como este se molda quele ambiente, modificando-o ou no, no decorrer de seu uso, originando assim um novo padro de ambiente construdo. Neste aspecto, as preocupaes e aes dos ergonomistas se apresentam como oportunas, no sentido de contribuir com a adequao dos ambientes atravs do conhecimento das necessidades dos usurios no desenvolvimento de suas tarefas e atividades. Dentre os elementos ambientais existentes no local de trabalho a cor apresenta-se como sendo uma das causadoras de estmulos sensoriais e promotoras do bem estar. Neste sentido, pretende-se apresentar diversos aspectos inerentes cor, que se forem explorados adequadamente podem auxiliar na obteno de ambientes mais agradveis e funcionais. 1.3. CROMOLOGIA: o estudo fsico da cor O mundo do homem em grande parte definido pela luz. A luz uma condio bsica para que a percepo visual ocorra. Sem luz os olhos no podem observar forma, cor, espao ou movimento. A luz exerce, sobre o homem no cientista, verdadeiro fascnio por seus mltiplos efeitos e complexidade. Para o fsico, a luz nada mais do que uma forma de energia radiante, medida comumente em comprimentos de onda. De todo o espectro eletromagntico, apenas os raios luminosos compreendidos na faixa de 400nm a 800nm de comprimento de onda so vistos pelo homem. O estmulo oriundo dessas ondas provoca a sensao luminosa denominada luz, responsvel pelo fenmeno cromtico. Os raios luminosos de comprimento de onda menores a 400nm (os ultravioletas) e os maiores a 800nm (os infravermelhos) no so visveis devido autoproteo natural do aparelho ptico humano.

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

3

800 nmFigura 1 Espectro eletromagntico

400nm

COR vermelho ( limite) vermelho laranja amarelo verde cyan azul violeta violeta (limite)

Comprimento de onda (nm) 700 700-650 650-600 600-580 580-550 550-500 500-450 450-400 400

O espectro eletromagntico proporciona ao ser humano no s a impresso luminosa mas tambm a impresso da cor. O fenmeno do cromatismo, do ponto de vista fsico, pode ser explicado atravs da teoria da composio da luz branca (por exemplo a luz solar), formulada por Isaac Newton (1642-1727). Na sua experincia, Newton observou que um raio de luz solar (luz branca), ao passar atravs de um prisma sofre uma refrao. O que resulta na decomposio da luz branca em certo nmero de raios de luz de comprimentos de onda diferentes, os quais formam todo o espectro colorido visvel, do vermelho ao violeta. Porm, este espectro colorido

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

4

s percebido pelo olho humano quando projetado sobre uma superfcie branca. Ao fazer passar o espectro atravs de um segundo prisma semelhante ao primeiro, mas em posio invertida possvel recombinar as cores para obter luz branca. Um fenmeno semelhante, experincia de Newton, o arco-ris. Resultado da refrao da luz solar ao passar atravs das gotas de chuva, que comportam-se como prismas.

Figura 2 Refrao da luz branca

1.4.A percepo da cor Segundo Guimares (2000)iii,A cor uma informao visual, causada por um estmulo fsico, percebida pelos olhos e decodificada pelo crebro. O estmulo fsico, ou meio, carrega consigo a materialidade de uma das fontes, ou causas da cor a cor-luz ou cor-pigmento2. O crebro - e o rgo da viso como sua extenso o suporte que decodificar o estmulo fsico, transformando a informao da causa em sensao, provocando, assim, o efeito da cor.

Considerando a cor como uma informao visual, Farina (1982)iv coloca que,sobre o indivduo que recebe a comunicao visual, a cor exerce uma ao trplice: a de impressionar, a de expressar e a de construir. A cor vista: impressiona a retina. sentida: provoca uma emoo. E construtiva, pois, tendo um significado prprio, tem valor de smbolo e capacidade, portanto, de construir uma linguagem que comunica uma idia.

Esta caracterstica pode ser explorada de diversas formas no ambiente. Atravs do esquema de cores aplicados no ambiente de trabalho possvel criar uma imagem corporativa a ser transmitida aos funcionrios e clientes. possvel diferenciar, atravs das cores, os vrios departamentos existentes em uma empresa, no s em termos de localizao, mas em termos da natureza da tarefa realizada. Por exemplo, para atividades montonas pode-se utilizar uma composio cromtica mais estimulante e para atividades de concentrao uma menos

2

Quando a sua fonte formada por luzes coloridas emitidas, naturais ou produzidas pela filtragem ou decomposio da luz branca, o estmulo recebe o nome de cor-luz; quando formada por substncias coloridas ou corantes que cobrem os corpos, e a luz que age como estmulo obtida por refrao, recebe o nome de cor-pigmento.

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

5

estimulante. Estes so apenas alguns exemplos de como a cor pode ser usada para transmitir certas mensagens nos locais de trabalho, mais adiante esta questo voltar a ser abordada. Pedrosa (1982)v considera que h a ocorrncia de dois fenmenos distintos: o da percepo e o da sensao da cor.O fenmeno da percepo da cor bastante mais complexo que o da sensao. Se neste entram apenas os elementos fsico (luz) e fisiolgico (o olho), naquele entram, alm dos elementos citados, os dados psicolgicos que alteram substancialmente a qualidade do que se v.

A mesma noo ratificada por Mahnke (1996)vi, que considera que ver realmente a cor um processo complexo resultado da interao da percepo visual do estmulo com o mundo interno do indivduo: suas condies psicolgicas. 1.5.Qualidades da cor As qualidades da cor esto relacionadas com a forma como a mesma pode ser percebida pelo indivduo. Pretende-se apresentar neste item, algumas formas de percepo da cor e as reaes geradas, quando aplicadas em espaos internos e nos objetos. A partir da pode-se ter o conhecimento de que tipos de reaes se podem extrair das cores. Cores quentes e frias Segundo Pilotto (1980)vii as cores podem ser classificadas em dois grupos em funo das reaes que provocam nos indivduos. As cores pertencentes ao primeiro grupo so as cores quentes, enquanto as do segundo grupo so as cores frias. Esses dois grupos so facilmente identificados traando-se uma linha reta passando pelo centro do crculo cromtico (Figura 4).Cores quentes

Legenda (em sentido horrio): VM vermelho LR laranja AM amarelo VdAm verde-amarelo VD verde VdAz verde-azulado CY cyan AN anil AZ azul VI violeta MG magenta VmAz vermelho- azulado

Cores frias

Figura 3 Crculo cromtico Fonte: Guimares (2000)

Especializao em Ergonomia ...................................................................................... Apostila Ergonomia e cor nos ambientes de local de trabalho

6

As cores quentes so psicologicamente dinmicas e estimulantes, sugerindo vitalidade, excitao e movimento. As cores frias so calmantes, suaves e est