Queda do império romano do ocidente – 476

download Queda do império romano do ocidente – 476

of 21

  • date post

    20-Jul-2015
  • Category

    Education

  • view

    72
  • download

    7

Embed Size (px)

Transcript of Queda do império romano do ocidente – 476

Queda do Imprio Romano do Ocidente 476 d.C.

Queda do Imprio Romano do Ocidente 476 d.C. e o surgimento do Feudalismo.Prof. Izaac Erder Silva SoaresUno VrticeCrise no Imprio Romano do Ocidente durante o sculo III: Fatores InternosFinal das guerras de conquistas. Os romanos no conseguiam expandir mais suas fronteiras e consequentemente no obtinham mais escravos.

Crise no Imprio Romano do Ocidente durante o sculo III: Fatores InternosOs limites do Imprio Romano se tornam intransponveis: ao sul o deserto do Saara; ao norte as tribos Germnicas e hunas; ao oeste o oceano atlntico; e ao leste o deserto da Arbia e o Imprio Persa. O Imprio entrou em crise aps o colapso do sistema escravista, que teve de ser substitudo pelo sistema de colonato, que consistia na relao entre pessoas com precrias condies de subsistncia e grandes proprietrios de terras, que contratavam seus servios e, em troca, ofereciam proteo e terras para o trabalho. Muitos proprietrios que possuam escravos passaram a libert-los e a estabelecer tambm o regime de colonato com eles. Esse processo acabou por provocar uma decadncia dos centros urbanos e da atividade comercial nas cidades.Outro fenmeno que ganhou proporo grandiosa em meio crise do Imprio foi a ascenso do cristianismo. Os cristos, que j habitavam os domnios do Imprio h bastante tempo, passaram a crescer numericamente. Os cristo questionavam as principais bases do Imprio Romano: a escravido e a origem divina do Imperador.A crise no sistema escravista criou uma reao em cadeia (uma coisa leva a outra) que provocou a decadncia interna no Imprio Romano Ainda devemos considerar a corrupo, as intrigas palacianas e militares que constantemente levavam a guerras civis entre famlias e grupos romanos.Ruralizao do Imprio: O Colonato

Avirio: Galinhas, patos e gansos. Avirio: Galinhas, patos e gansos. Crise no Imprio Romano do Ocidente durante o sculo III: Fatores ExternosPode-se afirmar que a lenta decadncia do imprio, comeara cerca de 200 anos antes, quando no ano de 285 o imprio foi dividido em imprio ocidental (com sede em Roma, embora a capital administrativa estivesse desde o ano de 402 em Ravena nas costas do mar Adritico) e imprio oriental (com sede em Bizncio, posteriormente conhecida como Constantinopla, a atual Istambul).A diviso do imprio foi na altura o resultado da necessidade. Roma tinha atingido o mximo da sua expanso e os seus exrcitos j no eram exrcitos de conquistadores, mas apenas exrcitos que mantinham as fronteiras do imprio. medida que os brbaros foram invadindo o Imprio, buscou-se estabelecer acordos com vistas a que eles, recebendo terras, se fixassem num determinado territrio Em troca, ficavam a servio do imperador para lutar contra os inimigos de Roma.Os mais temidos dos povos brbaros eram o hunos, que chegaram Europa em 375. Receosos dos hunos, os visigodos estabeleceram-se no Imprio Romano, nas supracitadas condies. Como os hunos no atacaram, os visigodos comearam a expandir seu domnio na regio em que haviam se estabelecido, o que levou o imperador Valente a tentar expuls-los, sem sucesso.

Crise no Imprio Romano do Ocidente durante o sculo III: Fatores ExternosAs ondas migratrias dos povos brbaros do norte da Europa e de regies da sia em direo a Roma, provocadas por transformaes climticas e outros fatores similares, foravam o Imprio a repelir os invasores e a mover progressivamente mais contingentes do exrcito para a defesa do centro do Imprio, que era a cidade de Roma.Com a morte de Teodsio, seus dois filhos lhe sucederam: Honrio, no Ocidente, e Arcdio, no Oriente. Ambos eram auxiliados por chefes brbaros. Nesse perodo tm incio as mais violentas investidas dos visigodos, dando incio sua grande invaso, que culminou com a constituio do Reino Visigtico, construdo dentro das fronteiras do Imprio Romano do Ocidente. A esse evento, seguiram-se as invases dos vndalos, dos burgndios e dos hunos. Ao final, somente restou a Itlia sob o controle dos romanos.Em 476, o Imprio Romano do Ocidente ruiu por completo, com o assassinato do imperador Jlio Nepos por Orestes, um huno. No mesmo ano, o filho de Orestes, Rmulos Augstulus, que havia sido sagrado imperador no lugar de Julio Nepos, foi deposto por Odoacro, rei dos hrulos, que se declarou rei da Itlia e aliado do Oriente. O Imprio parecia reunificado, mas era s aparncia: o imperador tinha poder de comando apenas no Oriente, pois no Ocidente o domnio era exclusivo dos brbaros.Aps a queda do Imprio Romano do Ocidente, os povos germnicos que passaram a exercer controle sobre toda a regio, no conseguiram estabelecer uma unidade poltica ou econmica. As constantes guerras entre as tribos brbaras e tambm contra os antigos nobres romanos, e ainda a falta de estruturas administrativas levou a regio a enfrentar tempo de constantes conflitos e acentuada descentralizao do poder... O incio da Idade mdia e do feudalismo, modelo poltico e econmico predominante na maior parte da Europa ocidental pelos prximos sculos.

Europa Ocidental: o FeudalismoA queda do Imprio Romano do Ocidente levou a grandes mudanas econmicas e sociais na Europa, alterado completamente o sistema de propriedade e de produo caractersticos da Antiguidade.As constantes guerras e conflitos entre os vrios reinos brbaros que se formaram na Europa depois da queda de Roma criaram um ambiente hostil e de constante estado de alerta, o que praticamente impossibilitou as relaes comerciais nos centros urbanos europeus.Com a decadncia dos ncleos urbanos e do comercio, uma nova ordem social comeou a se formar a partir do colonato, uma antiga estrutura rural do imprio romano.Nessas estruturas, antigos nobres romanos e lideres brbaros passaram a construir novos ncleos que caracterizariam a sociedade medieval. Podemos destacar as caractersticas principais desses ncleos: auto-suficiente; rural; produo de subsistncia; fortificaes para a defesa de ataques; exrcitos prprios; ausncia de comrcio; mobilidade social nula.Colonato:Os servos surgem como uma forma de contornar a falta de escravos nos campos romanos

Colonato:Com o tempo, os colonatos se tornaram maiores e mais bem defendidos, contando inclusive com muralhas e exrcitos particulares.

Colonato/Feudo:Com a queda de Roma e o colapso dos ncleos urbanos , o colonato se tornou uma estrutura dominante na Europa ocidental, posteriormente veio a se transformar nos feudos medievais.

Europa Ocidental: o FeudalismoO feudalismo se origina do colonato, estrutura que surge durante a crise romana do sculo III e com as invases germnicas no sculo V. As caractersticas gerais do feudalismo so: poder descentralizado (nas mos dos senhores feudais, visto que no mais existia um poder centralizado); economia baseada na agricultura de subsistncia (produo unicamente para o consumo); utilizao do trabalho dos servos (que estavam presos as terras onde viviam); construes fortificadas (para a defesa contra os feudos inimigos os Castelos) e exrcitos particulares (os cavaleiros, tambm para a defesa contra os feudos inimigos)Neste perodo o comrcio era praticamente inexistente, ocorria internamente nos feudos (antigos colonatos) e era realizado atravs das trocas de produtos, sendo as moedas quase inexistentes.Prevaleceram na Idade Mdia as relaes de vassalagem e suserania. O suserano era quem dava um lote de terra ao vassalo, sendo que este ltimo deveria prestar fidelidade e ajuda ao seu suserano. O vassalo oferece ao senhor, ou suserano, fidelidade e trabalho, em troca de proteo e um lugar no sistema de produo. As redes de vassalagem se estendiam por vrias regies, sendo o rei o suserano mais poderoso.Todos os poderes, jurdico, econmico e poltico concentravam-se nas mos dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos).

Europa Ocidental: o FeudalismoA sociedade feudal era esttica, com pouca mobilidade social e hierarquizada, dividida em trs estados. 1: A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos camponeses. 2: O clero (membros da Igreja Catlica) tinha um grande poder, pois era responsvel pela proteo espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dzimo. 3: O restante da populao, era formada pelos servos (camponeses) e pequenos artesos. Os servos deviam pagar vrias taxas e tributos aos senhores feudais, tais como: corvia (trabalho de 3 a 4 dias nas terras do senhor feudal), talha (metade da produo), banalidade (taxas pagas pela utilizao do moinho e forno do senhor feudal).Na Idade Mdia, a Igreja Catlica dominava o cenrio religioso. Detentora do poder espiritual, a Igreja influenciava o modo de pensar, a psicologia e as formas de comportamento na Idade Mdia. A igreja tambm tinha grande poder econmico, pois possua terras em grande quantidade e at mesmo servos trabalhando. Os monges viviam em mosteiros e eram responsveis pela proteo espiritual da sociedade. Passavam grande parte do tempo rezando e copiando livros e a Bblia.A Idade Mdia ficou tambm conhecida como Idade das Trevas pois as Igreja afirmava que o final dos tempos estava muito prximo. Sociedade Medieval

Senhor Feudal ou ReiCleroNobrezaResto da populaoFeudo