RBAC Volume 44 Número 1 Ano 2012

Click here to load reader

  • date post

    23-Jul-2016
  • Category

    Documents

  • view

    271
  • download

    6

Embed Size (px)

description

 

Transcript of RBAC Volume 44 Número 1 Ano 2012

  • RBAC. 2012;44(1):3-4 3

    Editorial/Editorial

    Desafio: RenovarChallenge: Renew

    A Revista Brasileira de Anlises Clnicas RBAC foi criada em 1969, sendo editadapela Sociedade Brasileira de Anlises Clnicas SBAC, que teve sua fundao tambmna dcada de 1960, mais precisamente em 1967. Nesses 43 anos, a RBAC vem cumprindoo indelvel papel de difusor cientfico, comunicando e tornando pblicos o debate e osavanos nos diversos setores que compem a atividade laboratorial no Brasil.

    Com a mesma vocao que tem [e deve ter] qualquer peridico, e a prpria cincia,que em ato continuo rompe com antigos paradigmas e estabelece novos modelos eparmetros, a RBAC se renova.

    Nos dicionrios, renovar, do latim renovare, apresenta vrios significados, masaquele que nos parece mais apropriado para simbolizar o momento de transformaoque estamos vivendo na RBAC : "sentir ou fazer sentir mais vigor". Com esse intuito,estamos conduzindo as mudanas editoriais que a modernidade tem solicitado a todosque transitam nos domnios da divulgao cientfica. Essa tarefa, de modo algum, temsido fcil. Muitas so as exigncias e os obstculos, mas a construo [vigorosa] deuma nova realidade editorial ser [e tem sido] possvel com aquilo que Aristteles chamoude virtudes do agir humano: coragem, generosidade e persistncia.

    A objetividade a marca da cincia, e objetivas, ento, devero ser nossas aesdaqui para frente para alcanarmos a confiabilidade necessria da comunidade cientfica.Dessa forma, todo o esforo dever ser [e assim tem sido] implementado para,objetivamente, trazer qualidade RBAC. Na verdade, a qualidade qual nos referimos aquela dos pressupostos cientficos atuais que definem se uma revista pode ou nopode ser veculo de informao da Academia.

    Assim, absolutamente fundamental que os autores estejam conosco afinados eque compreendam que tero que ser mais rigorosos com a qualidade do material queser enviado editoria da RBAC. Do mesmo modo, ser imprescindvel a compreensode que esse rigor tambm passar a fazer parte da seleo de manuscritos parapublicao. Importa compreender que os manuscritos devero apresentar um desenhode estudo e metodologia bem produzidos e fortemente cientficos. Outra questo debase a submisso de manuscritos com carter regional. Estes devero ser evitados, jque h uma tendncia a consider-los de menor interesse geral.

    Deve ficar claro que toda e qualquer mudana na RBAC passa primeiramente pelotratamento dos manuscritos, nossa matria prima. Temos convico de que s atingiremosas metas que estamos propondo se manuscritos de melhor qualidade forem submetidos.Assim fazendo, consideramos que a RBAC tem plenas condies de melhorar suaclassificao junto ao Qualis da Capes, fazer parte do SciELO e ser indexada nasprincipais bases de dados da rea da sade. Por entendermos que essas so aspiraeslegtimas e viveis, que propomos e nos impomos tais metas.

    Reiteramos, no entanto, que este um trabalho colegiado e complexo, tendomuitas variveis a serem abordadas. Alm dos manuscritos, precisaremos cuidar denosso Comit Editorial e Corpo de Revisores, que devero estar compromissados com aqualidade de suas revises e com a pontualidade, ajudando-nos no trabalho de composio

  • 4 RBAC. 2012;44(1):3-4

    Editorial / Editorial

    de cada edio da RBAC. A formao de um grupo de revisores com vnculos comuniversidades e centros de pesquisa de extrema importncia para a seleo demanuscritos metodologicamente mais sofisticados, bem como para a difuso de nossarevista no meio acadmico, o que permitir RBAC receber artigos originais oriundos deprogramas de mestrado e doutorado, criando um crculo cientfico virtuoso.

    Em nosso entender, esses so os pontos cardeais da mudana, quais sejam:manuscritos e revises. Se conseguirmos agir positivamente nestes dois pontos, ficaremosmais prximos da indexao. Melhorando o contedo, a forma consequncia. Nessecampo, inclusive, j estamos atuando. A fim de normatizar a forma, mudanas nasinstrues aos autores foram procedidas. A RBAC est mais criteriosa na recepo demanuscritos, solicitando aos autores declaraes de responsabilidade, conflitos deinteresses e cesso de direitos autorais, bem como pareceres dos comits de tica empesquisa com humanos e animais. A revista passou a ser estruturada em 15 sees oureas temticas e foram criadas mais categorias de comunicao cientfica. O estiloVancouver passou a ser adotado. Mudanas na capa e diagramao da revista tambmforam realizadas. Por fim, a SBAC recentemente adquiriu o Sistema de Gesto dePublicaes [SGP], que permitir uma maior ordenao do trmite de manuscritossubmetidos RBAC, agilizando e dando transparncia a esse processo. Assim, a partirde agora, toda submisso de manuscritos e comunicao entre autor, revisor e editoriaser feita exclusivamente atravs do site www.sgponline.com.br/rbac/sgp.

    Para aumentar a integrao com nossos colaboradores, a RBAC passar, a partirde agora, a receber tambm fotos em alta resoluo [acima de 300dpi] sobre casosclnico-laboratoriais na rea das anlises clnicas que estejam ou no presentes nosmanuscritos enviados publicao, para compor as capas dos diferentes nmeros. Paratanto, os autores devero demonstrar o interesse de que suas fotos sejam avaliadas peloComit Editorial com esse objetivo, atravs do site www.sgponline.com.br/rbac/sgp. Como intuito de estimular o envio de fotos, aquelas escolhidas ganharo gratuidade na inscrioem congressos da SBAC.

    Como mencionado anteriormente, s poderemos levar a cabo nossos objetivos, sepudermos contar com o apoio e a compreenso de todos: Autores, Revisores, Scios,Editoria, Direo e Presidncia da SBAC. Todos deveremos estar unidos e conscientesda necessidade de mudanas e da existncia de sacrifcios pessoais e institucionais. Sequisermos, conseguiremos, pois como disse Toms de Aquino: "A unidade no aconcordncia de mentes, mas de vontades".

    Paulo Murillo Neufeld, PhD Dr. Irineu Grinberg Editor-Chefe da RBAC Presidente da SBAC

  • RBAC. 2012;44(1):5-9 5

    Reverso do diabetes mellitus tipo 2 atravs da cirurgia baritricaReversal of type 2 diabetes mellitus by bariatric surgery

    Artigo de Reviso/Revision Article

    INTRODUO

    O diabetes mellitus tipo 2 (DM2) hoje um dos prin-cipais problemas de sade pblica, contribuindo significativa-mente para a morbidade e mortalidade no Brasil e no mundo.Shaw et al.(1) estimaram a prevalncia de diabetes, padro-nizada por sexo e idade, tendo como referncia a populaomundial de 2010, e obtiveram projees para 2030 em diver-sos pases do mundo, entre eles o Brasil. De acordo comessas estimativas, entre 2010 e 2030 haver um aumentode 69,0% no nmero de adultos, na faixa etria de 20-79anos, com diabetes nos pases em desenvolvimento, e umaumento de 20,0% nos pases desenvolvidos. Em 2010, aprevalncia estimada de diabetes, padronizada por sexo eidade e tendo como referncia a populao mundial, foi de6,4% no Brasil.

    No Brasil, de acordo com o Vigitel 2007 (Sistema deMonitoramento de Fatores de Risco e Proteo para DoenasCrnicas No Transmissveis), a ocorrncia mdia de diabe-tes na populao adulta (acima de 18 anos) de 5,2%, o quecorresponde a 6.399.187 de casos da doena.(2)

    O envelhecimento, a obesidade e a baixa escolaridadeso fatores associados elevada prevalncia de DM2 noBrasil.(3) Esses pacientes representam um gasto anual debilhes de reais ao Pas, incluindo tanto os custos mdicos

    com o tratamento da diabetes e suas complicaes comoos custos indiretos causados pela produtividade reduzida,incapacidade para o trabalho, e morte prematura.(4) Umestudo comparativo envolvendo os pases da AmricaLatina, Central e Caribe demonstrou que o Brasil tem amaior estimativa de custos relacionados ao diabetes (82%de custos indiretos).(5) O custo anual com hospitalizaesno Brasil em consequncia do diabetes, em 2006, foi cercade R$ 240 milhes, correspondendo a aproximadamente2,2% do oramento total do Ministrio da Sade.(6)

    Com todos esses dados preocupantes e a crescenteepidemia de DM2 no mundo, a busca de terapias mais efici-entes no controle dessa doena se torna algo fundamental.Nos ltimos anos, vrios estudos vm demonstrando o po-tencial das cirurgias baritricas na reverso do DM2.(4,7-10)Com isso, procedimentos com sucesso teraputico empacientes obesos com DM2 se mostram promissores paraas demais pessoas com diabetes. Alm disso, possibilita aadaptao dessas cirurgias apenas para a reverso doDM2 sem a necessidade de um procedimento mais invasivopara a reduo de peso.(11) No presente artigo, iremos apre-sentar os processos metablicos que envolvem a reversodo diabetes mellitus tipo 2 nas cirurgias baritricas com asnovas metodologias propostas para o tratamento dessadoena.

    ResumoO diabetes mellitus tipo 2 (DM2) uma doena crnica de etiologia multifatorial, na qualo pncreas deixa de produzir insulina ou as clulas param de responder insulina que produzida, fazendo com que a glicose sangunea no seja absorvida pelas clulasdo organismo. Atualmente, o DM2 um dos principais problemas de sade pblica,tendo como principal fator de risco a obesidade. Devido aos dados preocupantes e onmero de pessoas acometidas crescerem a cada ano, a busca por terapias maiseficientes no controle da doena, como a cirurgia baritrica, se torna de sumaimportncia. A perda de peso parcialmente responsvel pela melhora dos pacientessubmetidos a cirurgias por aprese